Fórum dos Leitores

REFORMAS INADIÁVEIS

O Estado de S.Paulo

02 Julho 2017 | 03h00

R$ 29,3 bilhões de déficit nas contas do governo em maio. O pior resultado da série histórica iniciada em 1997. Será que agora cai a ficha das excelências quanto à extrema urgência de tocar as reformas em tramitação no Congresso, ou vamos continuar nesse cabo de guerra estéril, esperando o País quebrar? 

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

MAIS IMPOSTOS?!

Conforme noticiado, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, avisou que se for necessário aumentará impostos, que já consomem cerca de 35% do PIB brasileiro. Nenhuma surpresa, diante do caótico cenário de crise econômica, política e moral. Há anos o consultor econômico Raul Velloso vem alertando para o uso de 60% a 70% do Orçamento federal só em salários do serviço público e benefícios fora da nossa realidade e que algo deveria ser feito com urgência, pois sobra muito pouco para investir. Enfim, deu no que deu!

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas 

*

Novamente vem o ministro da Fazenda falar em aumento de impostos. Já ficou demasiado cansativa essa conversa! Qual foi a parte que esse senhor não entendeu no fato de que o principal problema econômico e financeiro do País, que impede o seu crescimento, é justamente o custo dos impostos embutidos nos preços dos produtos? Aliás, comprovadamente, impostos mais dos altos do mundo! A estrutura do governo é que tem de ser reduzida, drasticamente, sob pena de, alguns meses à frente, ouvirmos novamente a mesma ladainha. Chega, o Brasil não aguenta mais impostos!

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

Por que, em vez de aumentar impostos, não pensam e diminuir despesas improdutivas do setor público, como, por exemplo, o uso exagerado de aeronaves da Força Aérea?

MARCO ANTONIO MARTIGNONI

mmartignoni@ig.com.br

São Paulo

*

MARIA ANTONIETA

Fernão Lara Mesquita põe a nu a realidade “briochista” que nosso país atravessa (30/6, A2). Os salários, prêmios, ajudas de custos imorais, que extrapolam todas as comparações existentes, para essa casta de marajás do funcionalismo público – sem exceção – fazem com que os 14 milhões de desempregados e os outros milhões de assalariados do mínimo que, por Deus, ainda mantêm seus postos de trabalho se sintam cada vez mais desassistidos, desprotegidos e humilhados. O torniquete tributário perverso, a excrescência sindical, a politicalha do “o meu primeiro”, da propina escancarada, da vingança, do revanchismo estão levando o Brasil a uma catástrofe impensável. Mas logo se fará valer a força das ruas e a guilhotina como sentença final. O exemplo de Maria Antonieta vai tirar o sono de muita gente, é só esperar e conferir.

ALOISIO DE LUCCA

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

A ‘GREVE’

Julgo-me razoavelmente informado. Mas, durante mais um tumulto vermelho por várias cidades do Brasil, gostaria de entender por que alguns desocupados portavam bandeiras da Palestina na Avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro. 

GUTO PACHECO

jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

*

E alguém saberia dizer por que, aparentemente, foram proibidas bandeiras brasileiras nas “populares” manifestações de sexta-feira?

MARCELO FALSETTI CABRAL

mfalsetti2002@yahoo.com

São Paulo

*

CULTURA

Comemorando seus 75 anos, a Pinheiro Neto Advogados patrocina a fabulosa exposição Toulouse-Lautrec em Vermelho, no Masp. Em matéria no Estadão (30/6, C5) o patrocinador deixa bem claro que ajudou a realizar essa notável mostra “com recursos próprios, sem apoio de leis de incentivo”. Quando se veem coisas assim, penso que o Brasil ainda tem jeito...

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

GUERRA DOS PODERES

Foi do sempre surpreendente ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, quem diria, a voz sensata a ecoar no meio do conflito vivido entre os Poderes da República, que por vezes vem resvalando no limite da grosseria de alguns de seus integrantes. A decisão de recusar o pedido da Procuradoria-Geral da República para a prisão de Aécio Neves (PSDB-MG), com a autorização para reassumir sua cadeira no Senado, é tecnicamente perfeita. Em parte de sua fundamentação o ministro Marco Aurélio aproveitou para ressaltar a necessidade de que cessem, em respeito à Lei Maior, as frequentes e indevidas intervenções do Supremo em assuntos de competência exclusiva do Poder Legislativo, como o afastamento do senador mineiro. De quebra, sem citar nomes, criticou duramente o modus operandi da Procuradoria-Geral e o tratamento dado ao caso pelo ministro Edson Fachin, responsável pelo processo anteriormente ao seu sorteio como relator. A grave crise política e econômica que o País atravessa está a exigir das autoridades maiores da República que mantenham sobriedade em sua conduta e estrito respeito à Constituição, a começar pelo STF, dito o poder moderador.

SERGIO RIDEL

sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

A decisão do ministro Marco Aurélio de cancelar a ordem de afastamento do senador Aécio Neves corrigiu grave erro cometido pelo ministro Fachin. A Constituição não autoriza membro de outro Poder a cassar um parlamentar no pleno exercício do mandato. Muito menos prendê-lo, como pedira a Procuradoria. Basta ler o artigo 53 da Lei Maior. Mas ultimamente vem se tornando corriqueiro que os responsáveis pelo cumprimento da Constituição a interpretem segundo as suas conveniências, caso do absurdo fatiamento do impeachment da Dilma pelo ministro Lewandowski, juntamente com Renan Calheiros, verdadeiro golpe. Aliás, estranho que o procurador-geral tenha mostrado tanta pressa contra Aécio e o presidente Michel Temer e deixe para lá as denúncias de Joesley Batista sobre Renan Calheiros, Lula e Dilma (estes acerca dos US$ 150 milhões lá fora).

ÉLLIS A. OLIVEIRA

elliscnh@hotmail.com

Cunha

*

FUTURO INCERTO

A situação de Michel Temer é delicadíssima e se agrava a cada dia. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou a denúncia de corrupção passiva, oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente, direto para a Câmara dos Deputados. O processo será enviado à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), e qualquer que for o resultado, será enviado ao plenário, que decidirá em voto nominal o destino do presidente. Se conseguir 172 votos favoráveis, o processo será arquivado; se não alcançar esse quórum, será afastado por 180 dias, e Rodrigo Maia assume até o veredicto final do STF. Portanto, a via-crúcis é longa e desgastante. Para os otimistas governistas, atingir a meta de 172 votos será moleza. Acredito que não, ao contrário, será uma dureza! Conhecendo políticos como conhecemos, vira-casacas contumazes e interesseiros inveterados vão pensar duas vezes antes de sacramentarem seus votos. Elementar, meu caro eleitor. A Câmara dos Deputados, segundo notícias, será renovada em 60% nas próximas eleições, “muito pouco”, só 300 poderão perder a mamata. Melhor salvar o meu, o Brasil que se exploda!  Portanto, estes ignóbeis parlamentares, para se salvarem da degola, levarão em conta os protestos das ruas e das redes sociais, que, aliados à fragilidade do presidente, agora sem poder de barganha e com popularidade abaixo de zero, poderão decretar a sua queda. Como a votação será nominal, assistiremos de novo à atuação lamentável dos votantes quando do último impeachment, com rojões de papéis picados e tudo! O histórico e a folha corrida de nossos políticos me levaram a essa conclusão.

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí 

*

FARINHA DO MESMO SACO

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que recebeu a denúncia e mandou intimar o presidente Michel Temer para se defender das acusações feitas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse aos aliados que não irá “blindar” Temer das acusações que pesam sobre ele. Na verdade, todos sabem que só são palavras para dar “resposta e isenção” à crise. Certamente, nada mudará, pois é farinha do mesmo saco e não há hipótese para que a Câmara autorize o Supremo Tribunal Federal a julgar o presidente. Ou seja, tudo como d’antes no quartel de Abrantes.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

   

*

ÁGUA & SABÃO

Um Brasil passado a limpo, só com uma faxina no Congresso. E políticos ladrões na cadeia.

A.Fernandes stabdyball@hotmail.com

São Paulo

*

INEPTA

A denúncia apresentada pelo procurador-geral da República (PGR), Rodrigo Janot, contra o presidente Temer foi classificada como “inepta” no editorial do “Estadão” de 28/6/2017. Um exame superficial dos vários significados do termo mostra que as acepções vão desde uma ausência de inteligência até uma falta de aptidão ou habilidade, passando por uma variante de direito que caracteriza a incapacidade de gerar ações jurídicas por estar em desacordo com normas ou determinações legais. É evidente que este último é o sentido adotado no texto do jornal. A dinâmica de açodamento dentro da qual a denúncia foi apresentada, o fato de que ela nada acrescentou em termos de provas e se baseou somente em conteúdos gravados clandestinamente, por empresário mafioso, com interrupções sem explicações, situação que transparece pelo laudo da Polícia Federal, são indícios suficientes para enquadrá-la, com toda a correção, como inepta e considerar o conteúdo do editorial como inteiramente sensato.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

O INEDITISMO

A oposição, como o PT e aliados, vibram porque pela primeira vez na história um presidente do Brasil, Michel temer, é denunciado por corrupção. Como se Lula, já réu pela 5.ª vez, e Dilma, que sofreu impeachment, não tivessem sido cúmplices ou protagonistas da corrupção no País. E Rodrigo Janot, com a proximidade do fim de seu mandato, em setembro, sem se preocupar com a crise econômica, os 14,2 milhões de desempregados, mas buscando um troféu na sua carreira, não mede esforços para prolongar a agonia da crise política, quando decide fatiar suas ditas quatro denúncias, só para ver arder em praça pública o presidente Temer.  É neste clima de perversidade que infelizmente caminha a Nação...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DUPLA LÁSTIMA

Na última semana, mais uma vez o País amanheceu envergonhado. Ou é mentira tudo o que o procurador-geral da República afirma em sua denúncia, ou é verdade que o presidente é mesmo culpado do que é acusado. Dupla lástima.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

PRESIDENTE ENFRAQUECIDO

O procurador-geral da República apresentou denúncia ao Supremo acusando Michel Temer de prática de crime de corrupção. O encontro de Temer com o dono da JBS, Joesley Batista, em março de 2017, foi gravado e contém evidências de que Temer teria atuado em defesa dos interesses do frigorífico. A residência oficial do presidente da República foi utilizada para o encontro, após as 22 horas, recheado de frases obscuras e veladas. Temer está numa situação bastante delicada, e mesmo que possa obter ajuda do Congresso, os dias restantes de governo serão bastante enfraquecidos a partir de agora.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

TEMER SEM AGENDA

De acordo com seu comportamento, o presidente Michel Temer, se fosse submetido a um teste de vocação profissional, não seria político, mas, sim, bombeiro, tal é a maneira como gosta de fogo ardendo à sua volta. O rosário de gafes que contradizem a sua posição demonstra que não é chegado a receber orientação ou tem uma equipe de assessores incompetentes. Agenda oficial para Temer é coisa “demodè”. Recebeu Joesley Batista, dono da JBS, fora da agenda, de forma sorrateira, e foi trapaceado pelo “falastrão”, que gravou toda a conversa para usá-la como delação premiada. Para satisfazer à maioria que precisa de passaporte para se divertir, decide prover a Polícia Federal com R$ 102 milhões subtraídos da educação para que os turistas possam retirar seus passaportes. Ato contínuo, comparece a um jantar na casa do ministro do STF Gilmar Mendes, acompanhado de dois ministros, Eliseu Padilha e Moreira Franco. Juristas já se manifestaram que essa atitude expõe conflito de interesses, já que Gilmar poderá ser seu verdugo, na denúncia de Janot. Novo encontro fora de agenda foi efetivado num almoço realizado na casa do deputado Heráclito Fortes (PSD-PI). Temer confia nos aliados no Congresso, mas deve se prevenir numa época própria para tipos como Calabar e Joaquim Silvério dos Reis. Santo forte ou corpo fechado?

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ENCLAUSURADO ATÉ 2018

Quais são os objetivos das críticas da oposição sobre a ida do presidente Michel Temer até a casa do ministro do STF Gilmar Mendes, durante a noite, fora do expediente oficial? Por acaso não estão querendo que ele deixe o Palácio do Planalto?

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

CARTILHA

Para se salvar das graves acusações levantadas pelo procurador geral da República, o presidente Temer segue a cartilha de sempre: comprar o apoio dos parlamentares com o nosso parco dinheiro, esvaziar as propostas reformas de pontos importantes para eliminar “resistência” na votação, e tentar influenciar o Judiciário, como ficou patente nas investidas do ministro Gilmar Mendes. Enquanto isso, reina a incerteza econômica, faltam investimentos e continuam o desemprego e o desânimo em alta. Trocamos os seis do PT pela meia dúzia do PMDB?

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

O OUTRO ESCÂNDALO

O Brasil está assistindo ao desenrolar da denúncia de corrupção contra o presidente da República. É curioso que ninguém fale nada sobre o outro escândalo envolvendo Michel Temer. O doleiro preso Lucio Funaro entregou um pacote no escritório de José Yunes, secretário pessoal de Temer, a pedido de Eliseu Padilha, principal assessor e ministro de Temer. José Yunes admitiu o recebimento do pacote, mas diz que não se lembra de quem seria o destinatário final da encomenda. Difícil de acreditar que um escritório de advocacia receba um pacote a pedido de um ministro de Estado e não tenha qualquer controle sobre o que foi feito com a encomenda. Claro que Michel Temer e Eliseu Padilha vão ficar de bico calado, usando o foro privilegiado que têm, mas José Yunes poderia ser intimado a prestar esclarecimentos sobre o assunto, já que ele não é detentor de foro privilegiado. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

METÁFORAS CULINÁRIAS

Nem pensar em fritar Temer! O ideal é manter em banho-maria até Rodrigo Rocha Loures começar a soltar todo o caldo... 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

   

*

O ALCANCE DAS INVESTIGAÇÕES

O estranho silêncio sobre a morte do ex-ministro do STF Teori Zavascki; o fatiamento do processo pelo ministro Edson Fachin, tentando enfraquecer o dr. Sérgio Moro; a recente e vergonhosa absolvição do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto pela turma 4 do Tribunal Regional Federal; e as ações intempestivas de Rodrigo Janot são sinais claros de que a Operação Lava Jato chegou à alta cúpula do Judiciário, que está morrendo de medo e prevê sua inevitável desonra. Todo apoio à Lava Jato. Aconteça o que acontecer, é hora de passar o País a limpo. Chega de corrupção. Seja ela do guarda de trânsito, do servidor público, do juiz, do ministro ou do presidente da República. 

André Luis Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

RESPONSABILIDADE

Em seu discurso de 29/6, o presidente Michel Temer disse que o Brasil está atravessando uma fase que necessita da “responsabilidade de todos”. É surpreendente que o presidente cobre responsabilidade quando ele mesmo e diversos de seus comparsas demonstram claramente, através das delações premiadas, que a única responsabilidade que eles têm é apenas com o próprio bolso, roubando “irresponsavelmente” o dinheiro e a dignidade dos brasileiros que perdem empregos, direito à saúde, educação, segurança e, entre outros, o direito de ir e vir, como o passaporte para viajar.  Sr. presidente, a nossa responsabilidade será demonstrada nas próximas eleições, quando vamos escolher apenas políticos com responsabilidade para administrar a Nação.

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

PASSAPORTES

A Polícia Federal alega não ter dinheiro para pagar passaporte feito pela casa da moeda, mas e os R$ 260,00 que pagamos para sua emissão? Quanto ganha um agente federal? R$ 8500,00. E um delegado? R$ 16 mil.

Caio Lorena Bueno caiolorena@bol.com.br

São Paulo

*

DITADURA POP-UP

Os autodeclarados perseguidos pelas práticas da famigerada ditadura militar fizeram de tudo na Constituinte para dar amplos e irrestritos poderes ao Ministério Público (MP), pois nele materializaram seus anseios pela reparação de todas as injustiças cometidas contra o povo. Passaram-se quase 30 anos da promulgação da Constituição, e o que se viu foi uma profusão de meninotes récem-formados e janotas grisalhos, com aspirações pela ribalta, inaugurando a ditadura pop-up do MP, que vem a ser justamente uma acusação imediatamente acompanhada de condenação. Durante a chamada ditadura militar, pelo menos os acusados suspeitavam por que estavam sendo presos ou acusados. Já hoje, na ditadura pop-up, é o inverso: os artigos do Código Penal são encaixados sob medida sobre os acusados. Já antevendo as críticas, pergunto: onde está o diligente MP, bastião dos interesses da população, para defender o Regime Geral de Previdência Social, cortando na própria carne os R$ 24,6 mil (em média) que recebem como aposentadoria, e a reforma trabalhista, para resgatar os 14,2 milhões de brasileiros do terror do desemprego? Até agora, Rodrigo Janot, o chefe dos janotas, apareceu só para dar o “ar da graça” contra a terceirização. O Brasil se tornou um Estado pesado, pantagruélico, ineficiente, injusto e castrador de empreendedores, onde se inverteu a lógica de que o serviço público é para servir à população, para um Estado onde o cidadão é visto como responsável por sustentar o poder público e todos os seus desatinos. Alguns dizem não haver saída fora da política, mas pergunto: que política, se ela própria está contaminada e é a principal patrocinadora da manutenção dessa doutrina? 

Frederico d’Avila frederico@fda.agr.br

São Paulo 

*

LIMITES

Tenho lido neste jornal alguns artigos que chamam a atenção para a necessidade de equilíbrio nas investigações de possíveis corruptos. Entendi como válido esse raciocínio e mais: seria o Poder Judiciário tão superior ética e moralmente para agir de forma diferente? Senão vejamos: quando existem sérios indícios de fraude, os acusados têm sido imediatamente presos, salvo, porém, se esses indícios se referirem a magistrados. Neste caso, eles são tão somente aposentados compulsoriamente. Essas medidas são equânimes, ou vale a máxima de dar aos amigos tudo e aos outros o rigor da lei?

Sérgio Cunha scunha1001@yahoo.com.br

São Paulo

*

PODERES INDEPENDENTES?

A cláusula inserida em nossa Constituição que estabelece completa independência entre os Três Poderes constituídos é inconstitucionalissimamente violada pelo STF a seu bel prazer, como acabamos de constatar no episódio do afastamento e volta de Aécio Neves (PSDB-MG) ao Senado da República. Concluo que no Brasil, ao invés de propalada democracia, cujo poder emana do povo, vigora uma ditadura de fato, cujo poder é, sem o mínimo pudor, exercido pelo Poder Judiciário. Alguém contesta?

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

SAMBA DO CRIOULO DOIDO

Com a volta de Aécio Neves ao exercício de suas funções no Senado, outrora desautorizada pelo ministro Edson Fachin, e agora devidamente autorizada pelo ministro Marco Aurélio Mello, podemos abolir todos os crimes de corrupção praticados no Brasil, incluindo os de autoria e materialidade comprovadas, visto que, para esses, há sempre uma explicação considerada plausível por alguma instância do Poder Judiciário.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

COISA SÉRIA

“Mandato parlamentar é coisa séria e não se mexe, impunemente, em suas prerrogativas” (Marco Aurélio Mello, ministro do STF). Se o ministro Marco Aurélio está certo nessa afirmação, por que o caso do senador Aécio foi parar no STF, gerando tantas dúvidas?

Geraldo Fonseca M. Júnior gfonsecamarcondes@uol.com.br

Taubaté

*

PODE PIORAR

O Brasil está ruim? Sim! O que pode tornar a situação ainda pior? A cada momento histórico como este os povos tiveram e têm dois caminhos: um podia e pode melhorar e outro piorar. O que aconteceu no Brasil nos momentos históricos de 2002, 2006, 2010 e 2014? Qual caminho o povo escolheu? Escolheu o que podia melhorar ou o que não só podia piorar, como piorou? Em todos esses momentos o povo escolheu o caminho errado. Em todos esses momentos havia e ainda há um fator comum: o fator Lula! Qual momento histórico se aproxima? 2018! Ou até antes, se o fator Lula conseguir antecipar as diretas. E qual o caminho que o povo irá escolher? Segundo pesquisa recente do DataLula, ou, melhor, do Datafolha, o povo poderá errar de novo. A menos que o fator Sérgio Moro saia vencedor. Como estaremos em 2022? A voz do povo é a voz de... Lula?

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÃO 2018

E não é que a “jararaca” está querendo voltar ao ninho?

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com

São Paulo

*

INTENÇÃO DE VOTO

Quem não lê, mal fala, mal ouve, mal vê. Daí, Lula com 30% das intenções de voto para 2018. 

Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

LUTA EM CURSO

Lula dividiu o País ideologicamente: esquerda e direita. Atualmente, está em curso a operação vingança da esquerda pela derrocada do PT.  Autoridades acabam expondo seus posicionamentos ideológicos.  A luta pela retomada do poder está em curso. Quem paga, como sempre, foi, é e será o povo.

Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com

Capão Bonito

*

TOGA AGRADECIDA

Em atenção a um pedido de Lula, o relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin, retirou das mãos do juiz Sérgio Moro cinco processos, dos quais quatro contra Lula da Silva e outro contra seu ex-ministro Guido Mantega – este grande conhecedor de segredos inconfessáveis sobre o BNDES. A pergunta é: será que esse gesto de bondade do ministro amigo tem que ver com a sentença do magistrado de Curitiba, que poderá ser proferida a qualquer momento condenando a regime fechado o ex-presidente penta-réu? 

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS

Na justificativa para não desmembrar, a pedido do seu advogado, o processo do governador de MT (Azambuja) do julgamento da Lava Jato, sob a batuta do ministro Fachin, foi arguido pelo procurador-geral da República naquela sessão pública do STF que esse processo tinha interface comum devido à participação do Fabio Cleto, vice-presidente da Caixa, embora em planos completamente distintos. Argumento esse da solidez de um fiapo de bigode. Em compensação, o ministro Fachin tirou no início da semana passada, entre outros, dois processos importantes da área do juiz Sérgio Moro, em que Lula está diretamente implicado com as propinas da Odebrecht nos projetos de Angola e das usinas do Rio Madeira (Santo Antonio e Jirau), embora essas propinas fizessem parte da “conta corrente” dos R$ 150 milhões e de outros créditos a que Lula fazia jus por seus bons ofícios, e a despeito dos argumentos para sua manutenção em Curitiba tivessem a solidez de três cabos de ancoragem de plataforma. Petistas enrustidos estão saindo do armário e a lavagem de Lula está em pleno curso.

Elie R. Levy elierlevy@gmail.com

São Paulo

*

LIÇÃO

Os petistas estão dando uma grande lição ao povo brasileiro: jamais votem nos “defensores dos pobres”, eles querem é ficar ricos!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

FUTURO?

Lula, Marina Silva, Ciro Gomes, João Doria, Jair Bolsonaro, Roberto Justus, Luciano Huck... meu Deus, que mundo é este? Onde está Jesus? São esses os candidatos? O futuro, como dizia Fred 04 (Mundo Livre S/A), realmente é uma câmara de gás.

Leandro Ferreira leandroferreoradasolva@gmail.com

Guarulhos

*

GREVE EM SÃO PAULO

Quando a esquerda patética para a cidade de São Paulo, como aconteceu na sexta-feira, suas consequências repercutem em tempo real. Sabendo que não haveria adesão suficiente, os “Boulos da vida” resolveram barrar o acesso aos aeroportos e estradas, travando completamente o trânsito e impedindo que os trabalhadores chegassem ao seu destino, e os celulares deviam estar a mil, repercutindo nas redes sociais. Obrigada, esquerda raivosa e caquética, por estarem dando espaço para que novas lideranças surjam. Este populismo barato deixou cicatrizes na memória dos 14,2 milhões de desempregados. Só em São Paulo são 3 milhões de prováveis pais de família. Fácil de fazer a conta. Fazem greve tentando atrasar mais ainda o País porque são contra qualquer reforma e modernização, como as que estão em discussão no Congresso Nacional. Quanto mais atraso, melhor, porque eles só se alimentam da miséria extrema. Esperamos que em 2018 o povo mude nas urnas essa realidade. O Brasil merece coisa muito melhor.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

‘GREVE GERAL’

Parece que a grande adesão à denominada greve geral de sexta-feira foi a de quem vive do Imposto Sindical.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

FIM DO IMPOSTO SINDICAL

Parece que o presidente Temer vai ceder ao chororô dos sindicalistas e manter o imposto sindical obrigatório, mudando apenas o seu nome. Presidente Temer, não se esqueça de que o senhor assumiu este cargo porque as pessoas não aguentavam mais a roubalheira. Seu papel é dizer NÃO aos sanguessugas que assaltam o bolso dos trabalhadores. Se quer uma sugestão, dê a esta gente uma carteira profissional. Não se preocupe com pesquisas, faça o que é preciso fazer para acabar com a mamata. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

TUDO PELA BOQUINHA

Estes movimentos que chamam de greve geral têm como único objetivo proteger os sindicalistas que estão perdendo a boquinha e com certeza farão de tudo para mantê-la.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

PARA QUE SERVEM SINDICATOS?

Para organizarem badernas, em nome do PT e de aliados; utilizarem os recursos captados dos trabalhadores para cobrir os custos das badernas; envidarem esforços para a manutenção do PT e aliados no poder, para manterem seus polpudos rendimentos e futuros cabides de emprego para seus dirigentes; trabalharem em conjunto com os pseudomovimentos sociais, ou seja, bando de desocupados com as mesmas características e foco; e para fazer protestos incessantes para que não acabem com a contribuição sindical obrigatória, ou seja, dinheiro dos trabalhadores, para fins que não são os interesses dos trabalhadores. Atualmente, o Brasil virou chacota até da Venezuela em reunião da OEA, da Rússia e da Noruega nas visitas de Temer, além do que, nos demais países que têm algum interesse no Brasil já descobriram a farsa de Lula, Dilma, Temer, PT e aliados. Ou seja, num país onde o governo coloca como prioridade a reforma da Previdência dos trabalhadores, mas mantém salários estapafúrdios dos ministros, parlamentares, dirigentes de empresas públicas, bem assim suas aposentadorias integrais e prematuras, e benefícios para todos os familiares, tomamos como um dos exemplos os planos de saúde caríssimos que possuem, para os melhores hospitais particulares, enquanto o povo morre nas portas dos hospitais públicos em situação degradante por falta de recursos. Três medidas para mudar o País no futuro: educação, educação e educação. E que Deus nos ajude.

Waldir Cassapula waldir.cassapula@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.