Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

05 Julho 2017 | 03h18

REFORMA POLÍTICA

Custo excessivo

O presidente da França, Emmanuel Macron, a título de diminuir as pesadas despesas do Legislativo francês, propõe a redução de um terço do número de deputados e senadores. Se não conseguir o seu intento no Parlamento, avisou que o fará por meio de plebiscito. Todos nós sabemos que o nosso Congresso Nacional tem um custo elevadíssimo para o depauperado povo brasileiro. Muitas mordomias, benesses de toda espécie, apenas três dias de trabalho por semana e outras vantagens mais que não são sequer levadas ao conhecimento público. As contas públicas do nosso país, no momento, são deficitárias e uma iniciativa como essa, de diminuir custos da Casa das Leis, seria de muito bom alvitre.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Choque de realidade

A França é um país rico, culto e desenvolvido. Guardando as devidas proporções, o Brasil deveria cortar, no mínimo, a metade de seu Congresso – para não dizer 80% ou 90%, que seria uma proporção mais adequada à nossa realidade.

MÁRIO RUBENS COSTA

costamar31@terra.com.br

Campinas

Lição de austeridade

Grande parcela das mazelas brasileiras é atribuída às ações e omissões dos maus políticos. A França tem um produto interno bruto maior que o nosso e pertence ao seleto grupo do G-7, integrado pelas nações mais ricas e desenvolvidas do mundo. O seu presidente, Emmanuel Macron, de apenas 39 anos de idade, dá uma lição de austeridade no tocante aos gastos públicos ao propor a redução em um terço do número de parlamentares. Enquanto isso, aqui, no Brasil, com a nossa alta carga tributária sustentamos 513 deputados federais e 81 senadores, sendo que parte expressiva deles está preocupada somente em defender seus próprios interesses.

LUIZ FELIPE SCHITTINI

fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

Redução de gastos

Excelente a proposta de reforma política apresentada pelo presidente da França, Emmanuel Macron, diante de deputados e senadores, convocados ao Palácio de Versalhes. A diminuição do número de parlamentares leva à redução de custos nas campanhas eleitorais e, depois, nos gastos do Parlamento. A restrição à reeleição para o Legislativo permite maior renovação política. A introdução de mecanismos de eleição proporcional corrige as distorções do voto distrital puro em dois turnos. Há, claro, um equilíbrio entre representatividade e governabilidade, ao buscar maior eficiência do sistema político-eleitoral.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

R$ 28 milhões por dia!

É indispensável, na nossa reforma política, reduzir o vultoso dispêndio diário de R$ 28 milhões com os nossos congressistas. Para tal, sem comprometer a representatividade, cabe, sim, diminuir em um terço o número de congressistas. E ainda reduzir a, no máximo, dez os assessores de deputados e senadores, além de que a soma de todos os ganhos, incluídos os benefícios de cada um deles, faça parte do salário e não ultrapasse o limite constitucional. Remuneração de vereadores em cidades com menos de 200 mil eleitores deve ser de um salário mínimo e nada mais. Eleições, apenas de quatro em quatro anos e R$ 819 milhões para o Fundo Partidário só em ano eleitoral. E o mais importante: banir definitivamente da vida pública todo político condenado. Tal economia propiciará melhoria nos precários serviços básicos para o público pagante – educação, saúde, segurança, transportes, infraestrutura...

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

Prepostos corporativos

Urge restabelecer a ordem e conceber uma Nação com mais dignidade e grandeza. Daí a necessidade de uma reforma política para termos um Estado mais independente, respeitoso e soberano, livre de conchavos e acordos nada republicanos, em que prevalece o chamado “é dando que se recebe”. Hoje, nesse modelo vigente e viciado, atropelado por decisões subterrâneas, o presidente da República é refém do Congresso, enquanto os parlamentares, em sua quase totalidade, são propriedade privada de grandes empresas, com atuação nos bastidores para atenderem exclusivamente a interesses corporativos, pouco se importando com o País. E, sobretudo, voltando as costas para o povo, ao qual, entre abraços, tapinhas nas costas, sorriso fácil e apertos de mãos falsos, nas campanhas eleitorais juram absoluta fidelidade.

MOACYR RODRIGUES NOGUEIRA

moaca14@hotmail.com

Salvador

Decência

Seria decente os deputados e senadores realizarem uma reforma política que devolvesse nossos mecanismos participativos, como o voto distrital, o recall e o referendo nos temas que envolvam custeio e os indecentes salários do poder público.

HONYLDO R. PEREIRA PINTO

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

Cláusula democrática

É raro quem nos últimos anos não se tenha decepcionado com seu candidato ou partido. E acredito que continuaremos a viver em crise política enquanto não resolvermos a questão da representatividade. Há urgência em promover uma reforma política que obrigue os partidos a uma “cláusula democrática mínima”, pela qual seus candidatos e coligações não fiquem à mercê de conchavos com as comissões executivas das legendas. Devemos ter partidos que façam prévias, escutem os anseios sinceros de sua militância, em vez de conduzi-la como massa de manobra, sob pena de perdermos a política para a polícia. As reformas fundamentais da nossa República deveriam passar por referendo, para que o povo assuma a responsabilidade por suas escolhas. O nosso projeto civilizatório conduzido por elites econômicas e políticas nos levou ao buraco de que tentamos sair cavando mais fundo. A saída é pela democracia, e não pela burocracia partidária, a qual substitui os sonhos por cálculos e os ideais modernos de liberdade, igualdade e fraternidade por projetos de poder. Triste nosso projeto de civilização, miseráveis nossos dirigentes e vergonhosa nossa direção.

VICTOR MARTINS LEAL

victorm.leal@hotmail.com

São Paulo

CORRUPÇÃO

Cazuza sabia das coisas

Brasil, mostra tua cara, quero ver quem paga pra gente ficar assim. Qual é teu negócio? O nome de teu sócio? Pois é, tardiamente estamos descobrindo.

WALTER TRANCHESI RORIZ

wtroriz@hotmail.com

São Paulo

“Está chegando a hora de começar a passar o País a limpo, com a prisão do n.º 1 da corrupção brasileira. Eu acredito!”  

JOSÉ CARLOS ALVES / SÃO PAULO, SOBRE O JULGAMENTO DO ‘MAIS HONESTO’ 

jcalves@jcalves.net

“A Previdência corrói as contas do governo. E os grandes devedores da Previdência onde entram?”  

LUIZ CARLOS VULCANO / BOTUCATU, SOBRE O CRESCENTE DÉFICIT FEDERAL

lucavulcano@uol.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

SERÁ A LEI IGUAL PARA TODOS NO BRASIL?

 

Existem determinadas matérias, que, quando lidas, nos deixam no maior desalento, decepção, raiva, etc. Ontem, ao tomar conhecimento pelo Estadão de que Geddel Vieira Lima, desde seu primeiro emprego em 1984 aos 25 anos, já desviara milhões do governo para beneficiar sua família; participara do famoso golpe dos "Anões do Orçamento" e de mais uma série de delitos mais recentes, impossíveis de enumerar neste espaço, é difícil não desanimar. E livre, leve e solto até virou ministro recentemente. Se fosse um cidadão comum, como qualquer brasileiro, certamente já estaria atrás das grades. Ao vermos um caso como este, além de outros tantos, como o de Paulo Maluf, Renan Calheiros, concluímos infelizmente que a lei em nosso país depende do pedigree e da grana para bancar caríssimos advogados.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo 

*

GEDDEL E SEUS 33 ANOS DE CRIME

Geddel Vieira Lima está no crime de corrupção há 33 anos e somente agora foi preso? Isso porque o Procurador Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, quer trancafiar o presidente Michel Temer, amigo do peito de Geddel. Porque muitos outros "Geddels" estão por aí, à solta, continuando no crime de corrupção tranquilamente. Só podemos chegar à seguinte conclusão: todo corrupto precisa ter uma "Justiça" para chamar de sua. Porque não dá para acreditar que um corrupto leve 33 anos para ser pego. Para ficar tanto tempo impune, Geddel devia pular de galho em galho atrás de frutas cada vez mais suculentas. Vacilou agora ao embarcar no galho do "poderoso amigo" errado. Perdeu, perdeu!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

*

FALSIDADE GERAL

Não se deixe enganar por falsos moralistas da oposição, Geddel Vieira Lima está preso, acusado da prática de supostos crimes ocorridos ainda durante o governo de Dilma Rousseff.

Arnaldo Ravacci arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

*

LICENÇA POÉTICA

Após a prisão de Geddel Vieira Lima, lembrei-me da composição de Sérgio Bittencourt, "Naquela Mesa", imortalizada na voz de Nelson Gonçalves. Permita-me a licença poética: "Naquela cela está faltando ele...".

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

*

JUSTIÇA PARA ALGUNS

Está difícil entender a nossa Justiça!

Geraldo Marcondes gfonsecamarcondes@uol.com.br

Taubaté

*

PROVA CONDENATÓRIA

 

Após a absolvição "por falta de provas" de João Vaccari Neto, parece que no entender de doutos Juízes de nossos Tribunais de Justiça, condição sine qua non para que réu investigado na Lava Jato venha a ser condenado, é a presença, nos autos do processo, de um "Termo de Confissão" lavrado de próprio punho pelo réu, na presença de duas testemunhas, com todas as assinaturas reconhecidas em Cartório.

RobertoTwiaschor                                rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

TORNOZELEIRAS

Após licitação, o governo do Distrito Federal aguarda a entrega de 6 mil tornozeleiras eletrônicas. Como se vê pelo andar da carruagem e das delações premiadas, não deverão faltar pernas para usá-las. A que ponto chegamos!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

FURANDO A FILA

Nossa, os políticos estão roubando até as tornozeleiras?

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

   

FLECHAS ATIRADAS

Enquanto não chegar o mês de setembro e enquanto houver bambu, flechas serão atiradas em auxiliares mais próximos do presidente, como no caso da prisão de Geddel Vieira, para prejudicá-lo na tramitação da denúncia, feita pela Procuradoria Geral da República, na Câmara. Que os deputados conscientes e responsáveis deem seu voto no plenário para impedir que a Câmara autorize o Supremo Tribunal Federal de julgar a denúncia pelo crime de corrupção passiva, evitando a paralização do País por causa de uma denúncia, o que tudo indica, infundada.

José Wilson de Lima Costa

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo 

*

LULA, DILMA E TEMER

 

Ao anunciar que "Lula, Dilma e Temer fazem manifesto anti-Judiciário", isso faz lembrar o fogo na floresta e a bicharada, como as onças e as capivaras, amistosamente fugindo do incêndio.

Humberto Schuwartz Soares h-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES) 

*

AÉCIO

Depois da volta ao Senado com o discurso de acordão, o avô dele deve estar se revirando no túmulo. 

Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

TODOS OS HOMENS DO PRESIDENTE

Na versão original americana, todos os homens do presidente são presos. Nixon renuncia e há eleição indireta para terminar o mandato. Na versão tupiniquim, ainda estamos no cerco aos homens do presidente. Portanto, ainda longe do mês de agosto e sem saber o final da história.

Luiz Roberto Da Costa Jr lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

CRIME DE OBSTRUÇÃO À JUSTIÇA

O presidente Temer, além de comandar o recebimento de malas e pacotes de dinheiro da corrupção, está cometendo o crime de obstrução à Justiça, quando se reúne com deputados e negocia escancaradamente a compra de apoio por meio da aprovação de emendas parlamentares ou da nomeação destes para cargos. Isso tem de acabar, o Brasil não pode continuar alimentando esse exército de hienas famintas e insaciáveis, não há dinheiro no mundo para continuar com essa prática de compra e venda de apoio parlamentar. 

Mário Barilá mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

TRAJE LISTRADO

Será que os "PmDbistas" Geddel, Padilha, Moreira Franco, Henrique Eduardo Alves, Lores e Eduardo Cunha terão autorização do STF para fazer campanha eleitoral em trajes de presidiários?

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

CONCHAVOS E PUNIÇÃO

Temer, como qualquer governante, ao assumir o governo, teve de fazer conchavos, ceder a pressões e fechar os olhos e os ouvidos e, pior, cercou-se de corruptos e pessoas inescrupulosas. Será que não os conhecia? Agora passa por todos esses constrangimentos e a conta a pagar será alta.

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

CRISE BRASIL

Caneta: enquanto houver cargo e verba, nada a "Temer"...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

LEALDADE

Michel Temer espera lealdade de Rodrigo Maia, porque Michel o ajudou a chegar onde está... E Temer? Foi leal à ex-presidente (Dilma)? Afinal, ela foi uma das pessoas que o ajudou a chegar ao cargo de vice-presidente. 

Pedro Costa pedro_paulocosta@yahoo.com.br

São Paulo

*

QUADRILHA

Segundo Joesley Batista, o presidente Temer é o chefe da maior quadrilha brasileira, esquecendo-se de ressaltar que, nesse quesito, o hors concours é o sr. Luis Inácio Lula da Silva , o Clovis Bornay da baixa politicagem.

Jose Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

CAMPEONATO NO STF

Na coluna da Eliane Cantanhede deste domingo (2/7, A6) ela se lembra do voto apaixonado do ministro Edson Fachin à Dilma num Congresso do PT, que, infelizmente, caiu no esquecimento geral. Isso explica em parte porque a delação de Wesley de ter dado R$ 150 milhões para a dupla Lula-Dilma não ter sido considerada até agora pela PGR e pelo ministro Fachin.

Victor Hugo 

São Paulo

*

VITALIDADE DO JORNALISMO

Li o artigo do jornalista Carlos Alberto Di Franco (3/7, A2). Considerei muito oportuno, pois, não raro, tenho visto jornalista (s) emitir (em) opinião, em tempo real, na mídia, sem antes investigar a notícia. Essa urgência em analisar os fatos, além da pressão das redes sociais, praticamente inviabiliza o jornalismo investigativo. Ética, profissionalismo e talento são a base para termos a informação substantiva que queremos. 

José Manoel de Moraes Junior e.jmmj@icloud.com

São Paulo 

*

FUNDO PARTIDÁRIO

 

Num Brasil com precárias obrigações básicas (educação, segurança, transportes, saúde e infraestrutura) não faz sentido eleições de dois em dois anos e a dotação de R$ 819 milhões ao "fundo partidário" todos os anos. Que as eleições sejam de quatro em quatro anos e o "fundo partidário" só exista em ano eleitoral. 

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES) 

*

GOVERNO TEMER

A situação política do presidente se vem deteriorando a cada semana, com ex-aliados sendo presos pela Polícia Federal. É questão de tempo, para políticos defensores do governo, mudarem de opinião e passarem a querer abandonar o barco, enquanto é tempo, para se livrar do incômodo de defender o indefensável. Vamos ver os próximos capítulos desse novelão brasileiro. Apesar dos pesares, Michel Temer tem o mérito de ter tirado o Brasil do atoleiro deixado pelo desgoverno Dilma e colocado o País nos trilhos. 

Reinner Carlos de Oliveira  reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba

*

O LULA VAI EM CANA, AQUI OU LÁ!

As Cortes dos EUA autorizaram a abertura de processos contra a Petrobrás. Se Lula não for preso aqui, será lá!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

FALTA CORAGEM PARA ENQUADRAR O LULA?

A situação do Lula ante seus processos é faltar atitudes na Justiça brasileira para resolver uma situação que se arrasta como lesma, porque se tratando de quem é, não há terceira via para uma solução: há chicanas demais e provas materiais de menos com origem em delatores querendo salvar o couro ou provas suficientes e daí, esperam o quê?  O que não pode é o dito cujo passar o tempo todo discursando contra a Justiça brasileira.

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo   

*

QUEM ESPERA...

Do jeito que a coisa está caminhando, não demora muito e todos os presos e condenados pela Lava Jato, internados em Curitiba, terão suas penas prescritas pelos motivos mais esdrúxulos e ainda vão virar heróis nacionais, de acordo com o critério do PT para com seus companheiros confinados. Com ironia, por favor!

Luís Fernando Amaral luffersanto@bol.com.br

Laguna - SC

*

CÚPULA DO G-20

O nosso presidente da República, Michel Temer, afirma que vai participar da Cúpula do G20, encontro das maiores economias do mundo, em Hamburgo, na Alemanha. Vai fazer outro e novo papelão!

Artur Topgian  topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

*

TRUMP, TEMER E A MÍDIA

Os jornalistas criticam Trump pelo ataque à CNN, mas não criticam Temer pelo ataque, covarde, já que não nomeado, à Rede Globo. Dois pesos, duas medidas?

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

PARLAMENTO ENXUTO!

Com a eleição do presidente Emmanuel Macron, a França respira rejuvenescimento e eficiência! Macron tem a intenção de reduzir em 1/3 o número de deputados e senadores do Parlamento francês. A França funciona com sistema bicameral, com 577 deputados e 348 senadores, um Parlamento inchado e ineficiente. Quando teremos nosso Emmanuel Macron para cortar pela metade esse "cabide de empregos" que se tornou nosso Congresso Nacional? Medidas radicais, como cortar privilégios e mordomias dos parlamentares, são fundamentais para se adotar uma postura isonômica em relação ao restante da população!

Lauro Fujihara laurofujihara@gmail.com

Araçatuba 

*

HISTÓRIAS PARALELAS

Hoje está tudo claro: FHC, vendo aproximar-se o término de seu mandato em 2002, deixou a economia escorregar propositalmente, a fim de abrir caminho para a vitória de Lula, seu preferido para governar a partir de 2003. Se tivesse administrado a crise que então se descortinava - para isso contava ainda com o excelente grupo de acadêmicos de economia que o ajudou a montar o plano real - e tivesse apoiado com vigor, como seria de se esperar, o candidato de seu partido, José Serra, que surpreendentemente havia logrado passar para o segundo turno, é possível que hoje estivéssemos a presenciar um cenário histórico completamente diferente do que se desdobrou a partir do primeiro mandato petista. Talvez o País não tivesse sido palco do constrangedor mensalão e seus tristes desdobramentos, com consequências até os dias de hoje. Histórias paralelas.  

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro 

*

O TEMPO PASSA...

Com suas últimas declarações, Fernando Henrique Cardoso parece estar vivendo no Brasil do século passado.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

CRISE NA VENEZUELA

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, convocou eleições para uma Assembleia Nacional Constituinte, mas sem respeitar a soberania popular e a legitimidade da Assembleia Nacional. Esta agora convoca um plebiscito para 16 de julho, a fim de que os eleitores decidam se aceitam ou rejeitam as eleições constituintes de 30 de julho. A consulta popular pode servir para restaurar a ordem constitucional, ao permitir que o povo decida o rumo que o país deve tomar diante da grave crise institucional que o assola.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

SOS Venezuela

Nicolás Maduro conseguiu transformar a Venezuela numa ditadura de fato e agora de direito. A "democracia de fachada" que existia na Venezuela desmoronou após Tribunal Justiça - sob controle do Executivo - assumir as competências da Assembleia Nacional, onde os chavistas são maioria. Lá não existe mais a separação dos Poderes nem poderes independentes, Maduro não aceita mais conviver com a oposição, um pressuposto sine qua non de qualquer regime que possa ser chamado de Democracia. Com um apego doentio pelo poder, Maduro está fechando todas as saídas para uma solução pacifica para o país, colocando suas milícias para massacrar centenas de manifestantes, na maioria estudantes, que pedem alimentos democracia e vida normal. Não escapou dessa fúria autocrata nem a procuradora-geral Luisa Ortega Díaz, que denunciou o massacre promovido por oficiais do governo, fato que a tornou uma inimiga pública, com direito a ter suas contas bancárias bloqueadas por terrorismo de Estado. Diante da falta de diálogo, a oposição resolveu abrir conversação na mesma língua usada pelo herdeiro de Chávez, disparando tiros de um helicóptero contra prédios públicos. Fiquemos alerta, pois essa rotina de violência que antecede uma guerra civil no país vizinho reflete os sonhos de Lula em transformar o Brasil num país com excesso de democracia.

Paulo Kherlakian 

paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

GUERRA CONTRA AS DROGAS

Na guerra perdida contra as drogas ilícitas, milhares de inocentes morrem de modo injustificável. Na relação custo-benefício, que deveria nortear todas as ações governamentais, de mesmo modo como orienta as relações privadas passíveis de aferição da lógica e da objetividade, as ações nefastas das polícias são improdutivas, inadequadas e muito pouco inteligentes. O Brasil merece mais do que apenas isso.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br

Rio de Janeiro 

*

ROGÉRIO CENI

Pois é, ser um mito no São Paulo Futebol Clube não fez com que Rogério continuasse como técnico de futebol no seu clube do coração.  Realmente, o desempenho da equipe deixou a desejar.   Porém nada ia bem com o time e já faz tempo, tanto que Rogério, mesmo assim, teve um melhor desempenho do que os seus três últimos antecessores, como bem publicou o Estadão.  Coisas da vida, continue em frente Ceni, e irá mostrar sua competência também como técnico em breve.

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

CENI

O 'Mito' virou 'Mico'!

Oswaldo Baptista Pereira Oswaldo oswaldocps@terra.com.br 

Campinas 

 

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos LeitoresBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.