Fórum dos Leitores

.

Impresso

11 Julho 2017 | 03h07

DEVOLVAM O BRASIL...

... aos brasileiros!

Está absolutamente certo o sr. Pedro S. Malan quando, no artigo Entre o inconcebível e o inevitável (9/7, A2), diz ser “inevitável repensar e reinventar o Estado brasileiro”. E que o Brasil “não tem alternativa se deseja crescer de forma sustentada a taxas mais elevadas, com justiça social, estabilidade macroeconômica e menos ineficiência em seu setor público”. Mas conclui: “Não é fácil. Nunca foi. Nunca será”. Para enfrentar os “interesses corporativos longamente constituídos” sugir campanha deixando clara a diferença entre direito adquirido e “abuso adquirido”, com lei pétrea tornando automaticamente ilegal o que constitui claro abuso. Que seja criada lei para, como na de Responsabilidade Fiscal, incluir limites a quaisquer aumentos, benefícios ou vantagens para o funcionalismo público, de alto a baixo, com total transparência e debate público sobre a necessidade e o custo para o contribuinte. Que seja promovida ampla campanha nacional visando a reduzir constitucionalmente o tamanho do governo, como está fazendo o presidente da França, Emmanuel Macron. No Brasil, o “interesse corporativo” mais forte e mais deletério vem de representantes eleitos, que trabalham mais para a perpetuação no poder do que pelos interesses de seus representados. Tentar repensar ou reinventar o Brasil sem mudar isso não vai adiantar muito. O contribuinte não aguenta carregar o peso da máquina pública e esta não faz senão inventar novos “abusos”, que depois defende com unhas e dentes como “direitos” adquiridos. Que os políticos sejam forçados a devolver o Brasil aos brasileiros. Do jeito que está não há contribuinte que aguente!

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

CRISE E CORRUPÇÃO

Fétida política

Para o mercado não importa, mas para o eleitorado traído, sim. Se o presidente Michel Temer cair e o deputado federal Rodrigo Maia assumir, logo teremos o “fora Maia”, claramente promovido por José Dirceu e Lula. Então, para driblar as hostilidades Maia fará um governo articulado com o PT, contra as necessárias e urgentes reformas. Lembremos que ele foi eleito para a presidência da Câmara com os votos dos petistas, que possivelmente o apoiarão para o governo do Rio de Janeiro, caso saia candidato. Maia, por sua vez, apoiaria Lula para a volta “triunfante” em 2018. É difícil entender e aceitar que um partido que já deveria ter sido cassado por suas comprovadas falcatruas, como o PT, continue dando as cartas. Já está causando estafa essa política, que, quanto mais se mexe, mais putrefata fica. Brasília virou um lixão e o restante do Brasil a segue cabisbaixo.

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Desembarque fatal

O desembarque do PSDB do governo Temer será um estrondoso tiro no pé, que vai atingir em cheio o partido nas eleições de 2018. A cúpula do PSDB devia consultar as bases, ou seja, os seus eleitores, para tomar essa importante decisão.

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

Pavor dos políticos

Corte o foro privilegiado deles e os faça trabalhar: não reeleja nenhum político!

KLAUS REIDER

vehseixas@gmail.com

Guarujá

USP

Curso de medicina

Como membro do Conselho Universitário da USP, alertei sobre a inconveniência de criar um curso de medicina no campus de Bauru, antes da transferência do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC) para a Secretaria da Saúde do Estado e antes de uma análise completa dos recursos necessários para esse novo curso. Minha análise preliminar indicava a possibilidade de os recursos necessários apresentados ao Conselho estarem subestimados e com isso ampliar o desequilíbrio financeiro da USP. O atual prédio do HRAC-2 está subutilizado e a sua transferência para a Secretaria da Saúde irá permitir seu uso integral e vai melhorar o atendimento de saúde na região de Bauru. Quanto à criação do curso de medicina, será boa para ampliar os serviços prestados à sociedade, mas só será oportuna caso se comprove que não implicará aumento de despesas da unidade que abrigará o curso, a Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Sou dos que votaram pela criação do curso condicionada à transferência do HRAC para a Secretaria da Saúde com a informação de que não ocorrerá o aumento das despesas da FOB. É responsabilidade do Conselho monitorar e fazer cumprir as condições estabelecidas para essas decisões.

JOÃO CYRO ANDRÉ

São Paulo

ACIDENTE DA TAM

O que mudou em Congonhas

O Estado de domingo publicou matéria citando as mudanças no Aeroporto de Congonhas após o acidente com a aeronave da TAM. Mas as medidas apresentadas são apenas paliativas e não asseguram as condições normais para operação de aeronaves do porte das que operam nesse aeroporto. A solução adequada é o aumento do comprimento das pistas em aproximadamente mil metros, a exemplo de outros países que tiveram de adequar os seus aeroportos por causa das mudanças das aeronaves e cuja tecnologia está disponível em nosso país.

JOHN EDGAR BRADFIELD

lbradfi@amcham.com.br

Itanhaém

Praça memorial é um deserto

A lembrança, aos dez anos, do terrível acidente da TAM, o pior da nossa aviação, leva-me a propor que se aproveite para rever a absurda Praça Memorial 17 de Julho. Essa “homenagem” às 199 vítimas do voo 3054 é triste e sem vida, um péssimo projeto arquitetônico de “praça seca”. Em Porto Alegre, de onde saiu o voo e de onde era a maioria dos mortos, foi construído o Largo da Vida, próximo ao Aeroporto Salgado Filho, e se plantou um bosque com 199 árvores. Esse exemplo merece ser copiado e termos 199 mudas de ipê branco ou outra espécie de bela florada, num tributo mais adequado. Em vez de saudar a vida, fez-se algo feio, antinatureza e muito caro, pelo grande gasto de granito. Grave é a comunidade do entorno não poder usufruir nada dos 8.318 m², sem sombra e sem bancos, que poderiam servir de local de descanso/meditação. Entendo ser bem razoável que uma “praça memorial” não conte com quadras esportivas ou brinquedos infantis, mas é descabido que apenas haja uma árvore, a amoreira que sobreviveu ao desastre e ao terrível incêndio subsequente, a qual nenhuma sombra oferece. Soube que mesmo essa o arquiteto desejava cortar, mas a pressão de moradores e da Afavitam o impediu. Fica o recado, um profissional sozinho não pode sobrepor-se ao bem comum.

MARCELO MORGADO

terbio65@yahoo.com.br

São Paulo

“Janot manda Temer para a cruz. Mas e os dois ladrões que arrasaram o Brasil?”

OLAVO FORTES CAMPOS RODRIGUES / SÃO PAULO, SOBRE A CRISE CRIADA

olavo_terceiro@hotmail.com

“Para que serviu a delação do sr. Joesley Batista? Para desestabilizar a economia, abrindo caminho para a volta do lulopetismo e, em decorrência, chegarmos a 2018 com 16 milhões de brasileiros desempregados!”

LEANDRO FERREIRA / GUARULHOS, IDEM

leandroferreoradasolva@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PEC para 2018

Pouco importa quem for o presidente que governará nosso País até o fim do ano que vem, pois fundamental é realizar uma profunda reforma político-eleitoral, que possa ser válida para as eleições de 2018. Ele deveria convencer nossos congressistas de que o povo não irá mais tolerar a continuação do atual presidencialismo de coalizão, baseado no toma cá dá lá, causa primordial da corrupção sistêmica que nos envergonha e empobrece.  Para tanto, precisaria reverter o dispositivo constitucional que impõe um determinado prazo para alterar as normas eleitorais. A Constituição vigente já foi alterada uma centena de vezes, para atender a interesses corporativistas. A aprovação de mais uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) não seria nenhum pecado jurídico. Ofende-se a Constituição, quando se transgridem seus dois preceitos fundamentais: a igualdade de todos perante a lei (princípio violado por imunidades parlamentares, foros privilegiados e tantas outras regalias) e a independência dos Três Poderes, quando se dá ao presidente o direito de nomear ministros de Tribunais e Procuradores da República.

 

Salvatore D' Onofrio salvatore3445@gmail.com

São Paulo

*

DESTINO DE TEMER

Estava assistindo em tempo real a leitura do relatório do deputado Sérgio Zveiter, que recomendou a continuidade do processo por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer. Equivocou-se no trato das máximas "in dubio pro reo" e "in dubio pro societate". A primeira expressa o princípio da presunção de inocência, por falta de prova material. E, sobre a segunda, urge cessar de vez, ao menos em nome do Estado Democrático de Direito, a acusação frágil e insensível que prefere pronunciar o acusado em nome da sociedade sem provas firmes e livres de risco. Trata-se de parecer político e extraído da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Arnaldo Ravacci

arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

*

DENÚNCIA CONTRA TEMER

Pela conclusão do deputado Sergio Zveiter, relator da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e de Cidadania da Câmera dos Deputados, parece que Lula não é a única "alma mais honesta" neste país!

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

AINDA ESTÁ EM TEMPO?

Se eu fosse o presidente Temer, até para me preservar do vexame, teria renunciado antes da leitura do relatório do Deputado Sérgio Zveiter, onde deverá expor ao mundo, todos os detalhes escabrosos que compõem a denúncia. E não se fala mais no assunto!

 

José marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

PINÓQUIO

Como dá pra confiar em um presidente em exercício que disse que a Lava Jato é intocável, mas que depois joga contra!?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

MINHA VOZ CONTINUA A MESMA...

Interessante, o senhor Rodrigo Maia, presidente da Câmara Federal, que sempre pareceu um tanto quanto trôpego, tem andado altivo e com grande desenvoltura pelos corredores do Congresso Nacional nestes últimos tempos. Por que será? Com ironia, por favor!

Luís Fernando Amaral luffersanto@bol.com.br

Laguna (SC)

*

PAVOR DOS POLÍTICOS

Faça um político trabalhar e corte seu foro privilegiado. Não o reeleja!

Klaus Reider Veeh Seixas vehseixas@gmail.com

Guarujá

*

DESEMPREGO

A crise no Brasil é tão grande que até o presidente da República está em quase perdendo o emprego.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

'MENTIRA COMPROMETEDORA'

É imprescindível, para o bem do Brasil, que os deputados leiam o editorial deste sábado, "Mentira comprometedora" (A3), sobre a mentira de Joesley Batista para a PGR. Contrariando as regras dos acordos da delação premiada. A falta da verdade nas suas alegações contradiz a Lei 12.850 de 2013, que regula as organizações criminosas.

José Wilson de Lima Costa  jwlcosta@bol.com.br

São Paulo 

*

OPÇÃO MAIA

A gravíssima e inédita crise política que o País atravessa alcançou tamanha dimensão e profundidade, que Rodrigo Maia (quem?!) passa a ser a opção desejável para a provável substituição de Michel Temer na Presidência até 2018. A que ponto chegamos!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

ACABOU A JUSTIÇA VERDADEIRA

No nosso país não mais existe um poder chamado Justiça. Esse poder se submete ao mais forte do que os demais, que são conhecidos como bandidos. Estes arrasaram o Executivo (com a parceria dos dois presidentes) e a sua base principal, o Congresso Nacional, foi completamente tomada por parlamentares bandidos, mas que "não são a maioria" e dos quais alguns poucos estão na cadeia e serão certamente liberados pela Justiça. Esta é a verdadeira situação e o atual presidente da República está, pelo poder dos bandidos e da Justiça, sendo defenestrado de seu posto. O futuro? Provavelmente os bandidos e a Justiça corrupta continuarão governando. Isso inclui Lula, provável candidato a 2018.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

GOVERNO TEMER

Dinheiro para "comprar" o apoio dos nobres parlamentares tem de sobra. O que falta são recursos para a Polícia Federal atuar na prevenção e no combate ao crime, controle das fronteiras e rodovias, emissão de passaportes e outros documentos. É gritante questão de prioridades! 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

PÉSSIMO EXEMPLO

O Brasil é um país surreal: Celso Jacob (PMDB-RJ), um deputado delinquente, preside a Comissão de Educação (!) da Câmara dos Deputados. Concluída a sessão, retorna à sua cela no presídio da Papuda, onde cumpre pena. É "esta" a importância que o País dá à educação de nossos jovens? É "este" o exemplo que o País oferece às novas gerações?

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

PSDB, A FAVOR DE QUEM?

Como sempre o PSDB, quando tem de decidir, tomar uma posição política, ou mesmo resolver seus problemas internos, mostra-se indeciso, vacilante, inseguro externando seu predominante DNA pusilânime. Salvo pouquíssimos dos seus integrantes. O PSDB não pensa no Brasil, é sócio oculto do PT. O vetusto FHC, entre outros integrantes, estão fazendo o jogo de Lula. Ou seja, querem a volta do regime comunista/socialista praticado pelos petistas, quando estiveram no poder. Mas, o que causa espécie é o trabalho furtivo e anônimo do terrorista Zé Dirceu, nos bastidores. Então fica pergunta: Quem é o PSDB no cenário político atual do Brasil?

Carlos Benedito Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

*

PRESSA IRRESPONSÁVEL

O senador e presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati, dá mostras que não é um líder afeito ao diálogo.  Caso fosse, não teria feito declarações públicas de forma irresponsável, já que, sem consultar o seu partido, diz apoiar Rodrigo Maia para uma provável substituição a Temer, porque o País, "caminha para ingovernabilidade"! Ora, mesmo que se confirme nas próximas semanas a deposição de Temer do Planalto, pela importância histórica do PSDB, e também de ser principal aliado do governo, não deveria ser a tucanada a atirar pedras contra o presidente, incentivando inclusive a debandada de outros partidos, ou de parlamentares aliados da Câmara, que devem decidir o destino de Michel Temer. Elegante, sensato e melhor para a Nação seria se o senador Jereissati aguardasse os 10 dias que restam para votação da aceitação ou não da denúncia de Janot, na CCJ e no Plenário!  Mesmo porque protagonismo fora de hora não faz bem para o Brasil...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

TRISTE CONSTATAÇÃO!

No bas-fond permanente de Brasília uma triste e trágica constatação, depois da declaração do senador Jereissati. Os bandidos do PT têm mais carácter do que os almofadinhas do PSDB. Triste!

 

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

PENSAR NOS DESEMPREGADOS

Pensar nos desempregados brasileiros seria antes de tudo não dar eco a uma gravação fajuta do sr. Joesley. Pensar nos desempregados brasileiros seria perceber que não há grito nas ruas e tão pouco panelaço e dar continuidade às reformas. Seria não desembarcar do governo, mas sim embarcar de força e alma nas reformas e honrar o povo soberano, ora, pois! Se o desemprego beira 14% é porque o sinal de alerta foi dado e é preciso arregaçar as mangas e trabalhar em prol do desenvolvimento do País.  Não precisamos de super heróis, porque os heróis do Lulopetismo geraram desemprego, fome, miséria, crime, analfabetismo e outros bichos.

Leandro Ferreira da Silva leandroferreoradasolva@gmail.com

Guarulhos

*

EFICIÊNCIA

Até agora a Lava Jato, mesmo sem contar a prevenção de roubos multibilionários que proporcionou, custou cerca de R$ 40 milhões e recuperou cerca de R$ 10 bilhões aos cofres públicos. Ou seja, um fator de 1 para 250. Poderia recuperar mais, se o governo Temer a tivesse deixado continuar operando como fez até agora e não a tivesse desmontado. O que Temer busca? Maior eficiência? Que outra atividade de sua administração é mais eficiente do que essa? 

Jorge Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

CRISE ECONÔMICA?

A crise está aí. Ou não está? Para nós, brasileiros, principalmente os de mais de 50 anos, estamos acostumados ao dito popular: o País cresce, enquanto os políticos dormem. Considerando este princípio, significa que os políticos estão dormindo, pelo menos um pouco, pois anteriormente não dormiam, sempre acordados para "malfeitos", segundo Dilma. Assim, se o governo não atrapalha, o Brasil cresce de qualquer maneira. O que não aconteceu no governo anterior.

Ciro Bondesan dos Santos cirobond@hotmail.com

São José dos Campos

*

LULLA NUNCA FICARIA EM SILÊNCIO!

Só o fato de Joesley Batista da J&F, em delação premiada, dizer que interpelou Lulla no Instituto Lulla, comentando que os milhões de dólares depositados na Suíça haviam acabado e que o mesmo o ouviu em "silêncio", já era para ter sua delação anulada. Por que alguém em sã consciência pode imaginar que o ex-presidente Lulla ficaria em total silêncio? Ele sempre fala pelos cotovelos, ainda mais depois de ouvir que seu sustento no exterior havia acabado. Palavras nada publicáveis, pelo menos ele deve ter proferido.   

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O PT DESAFIA MORO

Os meios de informação estão gastando muita vela para defunto ruim, será que são os banqueiros que estão mandando falar sobre o PT, Pixuleco etc. etc.? Perguntar não ofende, ou será que ofende?

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

SENTENÇA PARA LULA

Lula e seus asseclas, como Dirceu, estão livremente flanando por aí, como se nunca tivessem sido criminosos e sempre atormentando todos os brasileiros e desestabilizando ainda mais a Nação.  Sei que, além deles, e por eles financiados, muitos estão querendo "melar" a Lava Jato. Os brasileiros decentes estão aguardando a sentença do juiz Sergio Moro nos autos do processo já conclusos contra o indiciado presidente.   Enquanto esta não for proferida e divulgada, o execrável indivíduo se fortalece, pois deseja a qualquer custo retornar ao poder, fazendo o povo pensar que é inocente e que nada existe contra ele.  O Brasil aguarda que essa sentença seja logo proferida, pois, sabemos que as provas contra esse cara são contundentes e deverá ser condenado.     Dr. Moro, agilize, por favor...

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

A VOLTA DO PT

Os colunistas João Mendonça (sábado, A6) e Eliane Cantanhede (domingo, A6) alertam, em outras palavras, para a volta do PT à Presidência da República. Bem antes do impeachment eu queria que deixassem Dilma e Lula sangrarem até o fim, porque ninguém iria consertar o País em pouco tempo, sem se sujeitar às concessões que os políticos exigem.  Logo as hashtags  #voltalula e a #voltadilma  pipocarão em todos os lados, infelizmente. Pobre Brasil!

Victor Hugo A. Raposo victor-raposo@uol.com.br

São Paulo

*

CONTINUA O MESMO?

A Revista Isto é escreveu que: 'José Dirceu volta a operar nas sombras'. Ora, nenhuma novidade, não é segredo para ninguém que o senhor Dirceu sempre viveu nas sombras. No pior sentido do termo!

Eleonora Samara eleonorsamara@bol.com.br

São Paulo

*

LAMAÇAL

Não acredito. Quando penso que, aos 80 anos de idade, já vi de tudo, dia após dia vejo o legado que o PT e os seus bandidos, sob a batuta do herói de Garanhuns, continuam a nos impingir. O que mais assusta é a maneira como estão conseguindo envolver parte da PGR e parte do Judiciário no plano diabólico de retomar o destino diabólico de nosso país. O Poder Legislativo já está perdido há tempos. Nesta data em que recordamos do Movimento Constitucionalista meu coração é tomado de total tristeza pela situação em que nos encontramos. Teremos alguma saída?

Antonio C. Guimarães acguima36@hotmail.com

Curitiba

*

O NÚMERO IGNORADO

Na semana passada, foram publicados os resultados do comércio exterior: comparando os primeiros semestres de 2016 e 2017, tivemos aumentos de 19,3% nas exportações e de 7,3% nas importações. Evidentemente que em um país calejado por crises cambiais, sempre se comemora o aumento nas exportações. Mas o que parece passar despercebido é o importante aumento das importações. Em um momento onde o País ainda vive os efeitos de uma severa recessão, o aumento das importações mostra que a indústria nacional está fechando a passos largos. O culpado? É fácil culpar o empresário nacional, (mal) acostumado a proteções e paparicos do Estado. Mas é inegável que o Banco Central, com uma política de juros reais irracional impulsionando uma valorização artificial do câmbio, é o maior vilão desse cenário. Até quando teremos senhores melindrados conduzindo a política monetária no Brasil?

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

PERGUNTA IRRESISTÍVEL

E o setor automotivo, que representa uma porcentagem expressiva do PIB industrial, como se comportou nesse tenebroso período entre 2003 e 2016, quando se beneficiou de desonerações fiscais expressivas, como o plano Inovar-Auto com renúncias fiscais estimadas em bilhões de reais?

Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

PARA QUÊ?

Sobre o editorial "Os novos cursos da USP", causa indignação.

Porque é escancarada a situação de precariedade do SUS, assim como de numerário suficiente à correção dos salários dos docentes da universidade; de pesquisas, quesito de peso na avaliação da universidade, entre outros déficits. Também porque o Estado de São Paulo tinha 123.761 médicos em atividade em 2016 (fonte: Cremesp), vale dizer: quase um terço dos médicos brasileiros reside e trabalha em território paulista. Portanto, absolutamente desnecessária a abertura de novas vagas de medicina em Bauru. Nem vou perquirir a razão política, o fato é que não existe razão plausível à abertura de novas vagas. Poderia argumentar que mesmo hoje a taxa de médicos por cada 100 mil habitantes é insuficiente - 10,35, ou seja, menor do que a dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que hoje é estipulado em 10,56. Mas nosso indicador é ótimo, sobretudo se consideramos países como EUA com 6,5 e Suíça com 9,4. Mas está razão não justifica o campus em Bauru. Releve-se que duas faculdades de medicina, vinculadas aos dois hospitais privados mais importantes de São Paulo (Albert Einstein e Sírio Libanês), acabam de ser inauguradas, prometendo concorrer com a USP, seriamente, digo: é a primeira vez que a graduação em Medicina da USP poderá ser ultrapassada por uma faculdade privada. Não que isto seja bom ou ruim, mas tudo indica que a Educação qualificada, que até o ensino fundamental já é pertence ao setor privado, corre o risco de também ter os cursos de graduação e pós-graduação também fornecidos por quem "cobra mensalidades", tais como hoje se constatam na FGV e no Insper. Agora campus de medicina em Bauru?! Nada justifica. 

Andrea Metne Arnaut  andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

COTAS NA USP

A USP decidiu que até 2021, vai colocar à disposição dos estudantes de escolas públicas 50 por cento de suas vagas. Isto significa que serão aprovados estudantes medíocres de escolas públicas, em detrimento de estudantes muito mais bem preparados, que estudaram em escolas privadas. Provável resultado disso: a qualidade de estudantes da USP vai piorar muito. Por causa de quem? Dos burocratas, que entendem que assim resolverão o problema. Na verdade, o que deveriam propor é a melhoria do ensino público. Que, aqui entre nós, é uma porcaria. Tomara que eu não esteja aqui para ver esta "profecia". Eu iria ficar muito triste e decepcionado, pois há 50 anos sou médico e me formei pela USP.

Gilberto Lima Junqueira gibaljunqueira@gmail.com

Ribeirão Preto 

*

VIDAS ALTERADAS.

Ao "devorar" o Estadão deste domingo de 9 de julho, na lembrança constitucionalista e tentando saber mais sobre as possíveis mudanças na presidência da República; o jornal nos brinda com a reportagem especial, das dez vidas alteradas (A20, 8/7), após dez anos do triste acidente com a aeronave da TAM, no aeroporto de Congonhas. Os relatos das pessoas- ainda intimamente ligadas ao desastre, seus sentimentos e emoções, nos forçam a uma reflexão, somente possível no contexto fundamental da família. As lembranças da tragédia pelos pais, cada um dentro de suas intimidades narradas na reportagem, nos levam às lágrimas, demonstrando toda nossa sensibilidade e fragilidade como seres humanos. O jornalismo sério, ético e corajoso do Estadão e do seu jornalista Vitor Hugo Brandalise salvou nosso domingo.

Aloisio Arruda De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

São Paulo

*

BALAS PERDIDAS

O Estado não consegue desarmar a bandidagem. Só no Estado do Rio, nos últimos seis meses, foram 632 as vítimas de balas perdidas com 67 mortes, em tiroteios. Em meio a toda essa tragédia, por simples falta de entendimento entre as instituições, o  secretário de Educação e comandante da PM não conseguem promover uma reunião nem sequer para resolver o problema da segurança nas escolas, onde houve crianças, vítimas fatais de bala perdida.  Há 50 anos, certo estadista francês afirmou que o Brasil não era um País sério. Continua não sendo.

Marcelo de Lima Araújo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

 

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos LeitoresBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.