Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

29 Julho 2017 | 03h07

INSEGURANÇA PÚBLICA

Paraíso do crime

Já com fama de ser o refúgio seguro de bandidos de todo o mundo, conforme os filmes dos anos 1950 e 1960, o Brasil atinge neste momento uma posição de destaque entre os paraísos do crime. Dos mais de 60 mil homicídios por ano, nem 7% são solucionados pela polícia. As brechas na legislação brasileira permitem a liberdade de criminosos por “bom comportamento”. Alguns até aguardam julgamento em liberdade. E ainda temos os indultos de Natal e outros para que os criminosos comemorem com suas famílias, as quais recebem ajuda financeira do Estado. O crime é o que o Brasil tem de mais organizado, com eficiente distribuição de drogas e com armas que nem a polícia sonha ter. Com tudo isso a segurança dos cidadãos não existe. Este é o pior de todos o males num país: o medo permanente de sair e de chegar em casa.

ARI GIORGI

arigiorgi@hotmail.com

São Paulo

Náufragos

Com salários atrasados, alvejados e mortos por bandidos, os policiais patrulham as ruas, mas escondem o rosto e o fardamento quando vão para casa. Quem quer ser policial? Com mais de 13 milhões de desempregados, qualquer trabalho serve para recompor a dignidade de um(a) chefe de família. Porém a possibilidade de bons resultados é muito pequena. Estamos perdidos, náufragos à deriva.

DÉCIO ANTÔNIO DAMIN

deciodamin@terra.com.br

Porto Alegre

Mais mortes

Mortes pela polícia batem recorde... (28/7, A13). Com criminosos cada vez mais ousados e bem armados, é natural que os confrontos com a polícia tenham mais mortes, visto que os criminosos vão para as ruas na base do tudo ou nada. É absurda a afirmação de que há “excesso de uso de força” pela polícia, como gostam de afirmar alguns membros do Ministério Público e também certos autointitulados “especialistas em segurança”. Essas pessoas querem que o policial trate os criminosos como as professoras de crianças de pré-escola e preferem ver um policial morrer no lugar de um “suspeito”, nomenclatura que dão aos criminosos. Quanto à Rota, ela equivale aos antibióticos, ou seja, só é para ser utilizada em ações de extrema periculosidade. Consequentemente, é destinada, como última alternativa, a resolver o problema, e não para ficar dialogando com a bandidagem.

FREDERICO D’AVILA

frederico@fda.agr.br

São Paulo

Na mão dos bandidos

Impactantes, na mesma reportagem, os dados no tocante à morte de policiais militares por marginais. Não é possível que um Estado perca 30 policiais militares em menos de seis meses nas mãos de bandidos. A pesquisadora Samira Bueno, em belo trabalho no Fórum Brasileiro de Segurança, poderia acrescentar em seus estudos a quantidade de policiais mortos na Itália, na Espanha, em Portugal, nos Estados Unidos e outros países. Assim teríamos um parâmetro para ver que país mais trouxe luto aos parentes dos seus policiais. Esperamos uma resposta do sr. governador de São Paulo.

JORGE PEIXOTO FRISENE

jpfrisene@zipmal.com.br

São Paulo

Indigência policial

O governo paulista abandonou as delegacias de polícia no nosso Estado. No último fim de semana estive no 4.º Distrito Policial – Consolação –, à noite, para registrar um boletim de ocorrência. Para minha surpresa, a delegacia estava fechada, sem falar no completo abandono, com mato crescendo por todo lado, uma imagem lamentável de um serviço de utilidade pública que por tantas décadas serviu às populações de Cerqueira César, Consolação e parte da Bela Vista, onde havia sempre uma equipe de plantão capitaneada por um bacharel em Direito, o delegado de polícia, apto e disposto a orientar o cidadão em suas querelas. É lamentável que o governo paulista, em vez de expandir um serviço de tão grande valor para as pessoas, inibidor da criminalidade, até mesmo o levando às populações mais carentes, esteja fazendo exatamente o contrário. Deliberadamente extingue delegacias de polícia, que foram duplicadas nas décadas de 70 e 80, e o faz promovendo sua indigência, prejudicando principalmente os mais necessitados. E não se diga que é por falta de verba, porquanto o Estado de São Paulo tem um produto interno bruto (PIB) superior ao de muitos países.

JOSÉ BAETA NEVES FILHO

drjosebaeta@gmail.com

São Paulo

No Rio de Janeiro

De que adianta mover meio mundo para prender criminosos no Rio de Janeiro, se todo mundo fica quieto quando se trata de modificar as precárias leis que, rápido demais, devolvem os presos às ruas?

MARCELO GOMES JORGE FERES

marcelogferes@ig.com.br

Rio de Janeiro

CORRUPÇÃO

Corrida pela delação

Noticia-se que os interessados em fazer delação premiada estão acelerando seus processos para negociarem ainda com o procurador Rodrigo Janot. Creio que o motivo é que o número de delatados está aumentando exponencialmente e pode acabar o estoque, afinal, só temos 594 parlamentares federais.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

GESTÃO DORIA

Semáforos eficientes

O prefeito João Doria (PSDB) prepara-se para lançar uma parceria público-privada (PPP) a fim de modernizar a rede de semáforos da cidade de São Paulo, que volta e meia vêm apresentando apagões. Nossa sugestão é que contrate a empresa que fornece os radares fixos, que fiscalizam as velocidades dos veículos, porque esses estão sempre funcionando e não têm apresentado problemas.

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

Despoluição dos rios

O prefeito de São Paulo, João Doria Júnior, conheceu recentemente detalhes da despoluição do Rio Suzhou, em Xangai, e o empreendimento urbanístico derivado no seu entorno. Tudo realizado com planejamento, organização, direção e controle, as tão importantes funções administrativas. Todos esperamos que na sua administração aproveite, em sinergia com o governo estadual (ambos PSDB), a oportunidade única de mostrar à sociedade que é possível despoluir os Rios Tietê e Pinheiros, com uma visão definida de objetivos, metas, prazos e resultados. O mais importante é que seja revolucionária e factível.

BRUNO FERNANDO RIFFEL

brunofriffel@gmail.com

Araxá (MG)

“Infelizmente, os bandidos estão ganhando a guerra. Policiais morrem todos os dias, não existe medo 

da parte dos delinquentes. E o exemplo vem dos nossos nobres políticos”

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS / SÃO PAULO, SOBRE VIOLÊNCIA E CORRUPÇÃO

rzeiglesias@gmail.com

“O Brasil é um país surreal, em que o cidadão contribuinte paga para ser roubado”

OLAVO FORTES CAMPOS RODRIGUES / SÃO PAULO, SOBRE O FUNDO PARTIDÁRIO PROPOSTO NA REFORMA POLÍTICA

olavo_terceiro@hotmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CAI O DESEMPREGO, MAS...

Não dá para comemorar que de 14,2% tenha caído para 13% o número de desempregados no Brasil - que chega a milhões -, se a maioria dos empregos gerados foi de funcionários públicos. Mas tem lógica. Às vésperas de uma eleição, quando voltam aos seus redutos, os políticos, de olho na reeleição, se comovem com a choradeira dos desempregados e dão uma ajeitadinha...  Conseguindo empregar pai, filhos e amigos dos amigos. Por isso as contas públicas explodiram nos últimos meses, saindo do programado para 2017, e os que menos cumpriram as metas fiscais foram os próprios Estados e municípios. Não adianta fazer reforma alguma, se o povo não reformar a cara dura desses que vivem do Estado, como se fosse deles. Empregaram aqui, mas aumentaram despesas lá e quem pagará a conta é o povo, numa "recessão contínua". Não existe país que suporte um Estado balofo e amorfo como o nosso!   

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

TEMER LADEIRA ABAIXO

Para se ter ideia do desastre e desgaste da gestão Temer, basta confrontar os números da recém-divulgada pesquisa Ibope, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI): sua popularidade segue em marcha à ré ladeira abaixo, tendo despencado 50% (!), de 10% para 5%, entre março e julho deste ano, ante 7% de José Sarney, 9% de Dilma Rousseff e 12% de Fernando Collor. De fato, como disse o presidente, será necessária a contratação de um puxador de palmas profissional até 2018 para enfrentar o coro de vaias que só faz crescer. Que fase!

J.S. decoljs@gmail.com

São Paulo

*

NÃO DÁ PARA APLAUDIR

Na solenidade de assinatura de concessão de portos, no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer declarou que faltava um "puxador de palmas". Deve ter notado que não batiam palmas, pois as mãos dos presentes estavam todas ocupadas "puxando o saco". 

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

POPULARIDADE EM QUEDA

"Reprovação a Michel Temer sobe para 70%". Creio que isso só ocorreu porque ele achava que seria possível governar o País no grito!

Virgílio Melhado Passoni

Jandaia do Sul (PR)

*

O IMPOPULAR TEMER

Recentes pesquisas do Ibope revelaram a impopularidade do presidente Michel Temer (PMDB), em que aparece com 5% de aprovação. O pior número da história nacional, após a era militar. Temer era vice de Dilma, a cria de Lula, e todos eram "amiguinhos", mas o PMDB, o maior aliado do PT, viu as possibilidades e, ambicionados pelo poder (Temer, Cunha, Calheiros, Sarney etc.), deixaram a aliança de lado e arquitetaram o Impeachment da "presidenta". E neste casamento partidário o PMDB ficou com todos os bens. Traição total! É por isso que os petistas sentem tanta mágoa/angústia/ódio do Michel Temer e da cúpula. A realidade é que o País está desgovernado desde a chegada de Lula ao poder. E não tem santidade neste meio. Creio que o PMDB é o pior partido deste país. E Temer evidentemente não é diferente do Lula. E os dois mentem na maior cara de pau, e acreditam na própria mentira, pois foram contaminado$ ou dominado$ pelo poder. Reflexão: 5% de aprovação para o cara de pau ainda é um muito! 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

EIS A QUESTÃO...

Presidência da República, e que Shakespeare nos perdoe: Temer ou não Temer, eis o temor.

Ademir Fernandesstandyball@hotmail.com

São Paulo

*

VERGONHA NACIONAL

Temer tem de deixar o governo. Negociar área de reserva florestal com deputados para obter voto para permanecer no governo não é digno de um governante - sobre o Projeto de Lei que reduz a área de reserva florestal do Pará. Se os deputados não têm vergonha, ele deveria ter!

Minoru Takahashi      minorinhotakahashi@hotmail.com

Maringá (PR)

*

DORIA, MBL,TEMER E LULA

O comportamento medíocre de Doria e Alckmin - ao lado Temer, beneficia, e muito, Lula. Só 5% aprovam Temer. Ele não cai porque a Fiesp e Paulo Skaf não deixam. E Doria e Alckmin continuam defendendo Temer - atolado no mar de corrupção. Não é à toa que o sentimento de orfandade toma conta da população. São Paulo precisa de líderes, o Brasil precisa de líderes. Como se não bastasse as mordomias generalizadas, os membros do Movimento Brasil Livre (MBL), amparados pela gestão Doria e Temer, alimentam o sonho de mudar o País. E eu que pensava  que esse movimento era movido pelo espírito voluntário. É aquilo que já disse - estão mamando como bezerros do Oiapoque ao Chuí. Escrevam aí: se Doria continuar abraçado a Temer, perderá para mim qualquer cargo que disputar. O comportamento medíocre de Doria e Alckmin - ao lado Temer - beneficia e muito, Lula. 

Devanir Amancio devaniramancio@hotmail.com

São Paulo

*

SAMBA DO CRIOULO DOIDO

É o próprio "samba do crioulo doido" as afirmações de Michel Temer à Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) do Rio de Janeiro prometendo verbas públicas para o carnaval de 2018. Ora, ele acabou de tomar medidas impopulares para diminuir o déficit público. Aumentou a gasolina, cortou verbas públicas para a saúde e segurança, implantou o Plano de Demissão Voluntária (PDV), liberou verbas aos políticos para apoiar a rejeição da denúncia de corrupção contra ele, dentre outras. Com esse cipoal incoerente de providências, certamente, a sua reprovação de 94% aumentará bastante. Vergonha Nacional!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

IOF

Com a falta de recursos para a compra dos senadores, aumentou a gasolina. Na Câmara só restou o IOF. 

Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

FALTA DE EFICIÊNCIA

A Receita deveria ter a mesma eficiência na fonte (desculpem o trocadilho) com estes casos como têm com os assalariados, por exemplo. Se esquecer de declarar um alfinete, cai na malha fina, é convocado a dar explicações, fica com o imposto e a declaração bloqueados, etc..

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

  

NOVE MILHÕES

O homem mais honesto do Brasil está passeando pelo interior do Brasil. Como adora um microfone, não perdeu a oportunidade, deu outro pontapé. Ontem a uma emissora de Criciúma afirmou: "não tenho de dar satisfações a ninguém pelos 9 milhões que tenho na Previdência. Sabem por quê? Porque esse dinheiro não está em banco do exterior, está aqui no Brasil. Meu caro "ex", o problema não é onde está, e sim  como você conseguiu todo esse dinheiro. Trabalhando? Seguramente não foi! Portanto "ex", você deveria  abaixar o facho, aquietar-se, quem sabe possamos esquecê-lo.(temporariamente). Em tempo: alguns dos seus "chegados"  escafederam, faça o mesmo!

José Perin Garcia jperin@uol.com.br

Santo André 

*

LULA, UMA ILHA DE HONESTIDADE

O Lula é uma ilha inatacável de absoluta honestidade cercada de corrupção por todos os lados.

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas 

*

OUTRO ASPECTO DA MALDIÇÃO DE MIDAS

Gostaria de complementar o comentário do sr. Eugênio José Alati publicado ontem: Há muito tempo que eu digo para meus amigos que o PT é o contrário de Midas ( ou seja Sadim): "Tudo em que toca vira M....".

José Gilberto Silvestrini   jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga

*

PRESIDENTE (E OS EX) NA CADEIA 

O Brasil está cansado de ver o carregador de malas ser preso, enquanto o dono do dinheiro continua governando o País. Aldemir Bendine não se tornou presidente da Petrobrás por acaso, ele foi colocado lá pela ex-presidente Dilma Rousseff, com a missão de fazer exatamente o que fez: roubar a empresa em benefício de Dilma, do partido dela e de seus aliados. Está na hora de a madame presidente ser interrogada pelas tantas barbaridades que comandou, está na hora de a Operação Lava Jato parar de prender sardinhas, criar coragem e ir atrás dos peixes grandes. Está mais do que na hora de o Brasil colocar na cadeia o primeiro ex-presidente da República, pode ser Lula, Dilma ou Temer, melhor seria se os três fossem presos de uma vez só, pois motivos não faltam! 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

SERPENTÁRIO

O codinome do Bendine na Odebrecht era "cobra". Do jeito que a coisa vai vamos ter de criar um serpentário, pois já temos a "jararaca".

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

BENDINI

De um velho ditado: "Diga-me com quem andas e lhe direi quem és", ou seja, Lula, Aldemir Bendini e Dilma. 

 

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos 

*

NINHO DE COBRAS

Cobra Dida e Jararaca Lula:  exemplos de ofídios corruptos  dilapidadores do Brasil - sobre Bendine, Lula e & cia. ilimitada.

Roberto Twiaschor 

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

ADORADORES DE SERPENTES

Das alimárias, a cobra é a mais astuta... eis que enfim apareceu a sua verdadeira origem.

João Piccioni piccionijl@me.com

São Paulo

*

DOMÍNIO DO FATO

A prisão de Aldemir Bendine na 42.ª fase da Lava Jato traz à tona novamente uma questão mal esclarecida e que insiste em não calar: pela riqueza dos detalhes sórdidos descritos pelo Ministério Público Federal (MPF) para justificar a detenção do ex-presidente da Petrobrás, é impossível que sua antecessora à época, Graça Foster, assim como a então presidente e ex-ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, não tivessem noção - para dizer o mínimo - da corrupção que rolava a rodo nos meandros da estatal. Este é um clássico exemplo em que a polêmica tese do "domínio do fato" mostra sua força e importância incontestáveis. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo 

*

TENTÁCULOS

Lula e seus tentáculos estão sendo investigados, processados e condenados.  Agora foi a vez de Bendine, que já estava com passagem comprada para Portugal. Já deveriam estar todos encarcerados há muito, cumprindo extensas penas, mas ainda querem "dirigir" o Brasil.

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

O CHEFE MANDOU

Quem é ou foi chefe sabe. Subalternos usam o nome do chefe sem o que chefe saiba. A frequência desse uso varia com o carácter do "usuário". Mas, para que a mentira cole, o "usuário" sabe que a mensagem tem de ter aderência ao comportamento do chefe. Aldemir Bendine, ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobrás, homem da íntima confiança de Lula e Dilma, aparentemente usava o nome dos chefes quando pedia (e recebia!) propina. É claro que esse dado não prova nada com relação à dupla dinâmica, mas...

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

LAVA JATO

Enquanto alguns pregam o fim da Lava Jato, ela vai de jato em popa. Hoje é a vez do Bendine, outro acólito de Dilma a ser preso. Vai Lava Jato, continue!

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

*

CORRUPÇÃO ENDÊMICA

 

Que tal inviabilizar de vez a endêmica corrupção no Brasil? Que os corruptos e corruptores, sob um novo modelo de justiça ágil e eficaz, sejam severamente apenados integralmente em regime fechado e sem nenhum benefício ou redução, além de, para reparar o mal causado à sociedade, confiscar todos os seus bens e, se porventura houver "laranjas", que também sejam punidos da mesma forma. Vamos dar um basta nas penas simbólicas e, mesmo assim, abreviadas por hábeis advogados. 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

ADULTERAÇÃO DO AZEITE

As denúncias contra empresários estão se tornando rotina. As mais recentes atingem fabricantes de azeite de oliva. Um absurdo e que leva a algumas considerações. Como pode pessoas que lidam com produtos alimentícios agir com tanta desfaçatez? 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

A GRANDE DIFERENÇA

O povo americano elegeu um presidente inconveniente, "tuiteiro", criador de constrangimentos internos e externos, insultador contumaz da mídia, politicamente incorreto, ao complicar a vida de transgêneros e homossexuais e já é até ameaçado de impeachment por envolvimento com os russos na sua eleição. Em que pesem todos esses ruídos, o gigante do norte registra um notável aumento de 2,6% da sua economia no segundo trimestre, mais que o dobro do registrado nos primeiros três meses do ano. Trata-se, portanto, de um sinal claro do relativo descolamento dos dois eixos de poder, panorama bem diferente do que ocorre por aqui, onde os políticos, imorais, egoístas e aéticos, fazem questão de interferir na atividade produtiva, não para promover crescimento, mas sim para criar uma teia de regulamentações que os beneficie via corrupção, com dinheiro que deveria reverter à sociedade que paga impostos, mas que acaba alimentando seus projetos particulares de enriquecimento. Eis aí uma grande diferença!

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

QUESTÕES IMPORTANTES

A vinda ao Brasil do aiatolá Mohsen Araki do Irã é vinculado ao Hezbollah e suscita uma série de questões, cujo debate é muito importante como, por exemplo: Quais líderes religiosos ligados ao Irã participaram do atentado terrorista contra a Amia, em Buenos Aires, matando 85 pessoas e ferindo mais de 300? Como deve ser considerado um grupo que, além de terrorismo, mantenha atividades assistenciais como o Hezbollah? Qual é a participação do Hezbollah no tráfico de drogas, de armas, etc. na Tríplice Fronteira? Como o Hezbollah trata os sunitas e cristãos nos locais onde domina? A pregação de "Morte à América" do Irã e do Hezbollah é só contra os norte americanos ou contra todos os ocidentais? Qual o papel da pregação do ódio religioso na formação de radicais islâmicos? Qual a possibilidade de que, em breve, radicais islâmicos voltem a cometer atentados na região? Especificamente no Brasil é possível que venham a ocorrer atentados de radicais islâmicos a exemplo do que se passa na Europa?

Jorge Alberto Nurkin jornalismo@owurman.com

São Paulo

*

CLÉRIGO DO IRÃ

Em meio à pressão de entidades, a vinda de clérigo do Irã ao Brasil é incerta.

Guilherme Magalhães

São Paulo

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.