Fórum dos Leitores

.

Impresso

07 Agosto 2017 | 05h00

A PICADA DA MOSCA AZUL

Reza lenda oriental que um dedicado e humilde servo do sultão, após ser picado por uma mosca azul, passou a sentir-se poderoso e imbuído da missão de salvar o califado, para torná-lo brilhantemente magnífico. Embora a mosca azul exista no mundo todo, no Brasil ela está tomando dimensões estratosféricas. Torna-se urgente criar uma vacina contra esse inseto cerúleo para abortar essa epidemia, que surge de forma sutil, mas vai se infiltrando até tomar toda a mente do infectado. Já foi constatado que alguns indivíduos possuem anticorpos contra essa infecção – um juiz de Direito, por exemplo, que ao ser picado pela mosca azul resistiu à tentação de ser a salvação do País e continuou alegremente exercendo a magistratura com competência e dedicação. Outros não tiveram a mesma sorte. Um procurador da República foi contaminado de forma grave, o que o levou a acreditar que seria o salvador da Pátria. A vacinação é urgente, porque a moléstia é virulenta e está atingindo a maioria dos políticos, empreiteiros e até o próprio povo, que precisa estar atento para não se deixar contaminar pelos vetores que utilizam falsas crenças, mentiras e palavras de ordem para inocular o veneno.

Alfredo Correia Soeiro acsoeiro4@gmail.com

São Paulo

*

FÊNIX 

Ótima a entrevista do presidente Michel Temer ao Estadão de sábado. Mostrou quanto o seu governo fez de bem e quanto de mal Janot quer continuar fazendo ao Brasil. A cada tropeço, Temer levanta-se mais forte!

Jose Ed. Bandeira de Mello josedumello@gmail.com

Itu

FATUIDADE 

Janot não está ligando para a atual situação do Brasil. Não importa se o governo é de Temer ou de qualquer outro presidente, ele faz de tudo para aparecer, prejudicando a situação econômico-financeira do País. Se é o que ele quer, apareceria muito mais usando uma melancia como pingente num colar. Assim ele não nos prejudicaria mais e o mundo todo falaria dele.

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

FIM DA LINHA

Realmente, o ainda procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deixou claras as suas inclinações ideológicas ao trabalhar em benefício dos setores políticos de esquerda. Prestou um imenso desserviço ao Brasil com a delação fake do Joesley Batista, num momento em que a Nação brasileira quer voltar aos rumos da civilização.

Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com

Capão Bonito

*

CAMINHO DA REDENÇÃO 

Os irmãos Batista, donos da J&F, fecharam a venda da Vigor por algo em torno de R$ 6 bilhões. Por ter sido o enriquecimento deles obtido por meio de empréstimos do BNDES, que é um banco público, não seria o caso de o procurador Janot solicitar ao STF o confisco desse dinheiro, para repor as perdas que nós, brasileiros, sofremos? Depois que os Batistas venderem todos os seus ativos e Janot estiver descansando, eles poderão alegar que não têm dinheiro para cumprir o acordo de delação que o procurador promoveu.

Jorge Peixote Frisene jpfrisene@zipmail.com.br

São Paulo

*

TROCA DA GUARDA

Se ainda houver flechas, que tal Janot passá-las antecipadamente à dra. Raquel Dodge? Com certeza, ela fará melhor uso delas. O Brasil agradeceria muito.

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

*

OUTRO ALVO

Após ter sua primeira flechada direcionada ao presidente Temer rechaçada pela Câmara dos Deputados, Rodrigo Janot está armando outra vez o seu arco. E está claro que o sr. Janot tem outro objetivo, mais importante do que tentar atingir o presidente Temer: preparar o terreno para se candidatar a algum cargo eletivo nas próximas eleições. Ninguém dá ponto sem nó!

J. A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

JAÇA PERENE

Uma vergonha a inobservância da Constituição pelo sr. Rodrigo Janot. Sairá da Procuradoria-Geral da República com manchas indeléveis, seja pelo acordo com os irmãos Batista, seja pela procura de um estrelismo inconveniente. Lamentável.

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

EMENDAS X 'QG DA CRISE'

Os partidos de oposição ao governo reclamam que Temer usou a concessão de emendas parlamentares para barrar a admissibilidade da denúncia contra ele. Bem, às vésperas do impeachment de Dilma, Lula tentou fazer o mesmo de um quarto de hotel de luxo, em Brasília. Só que não foi por meio da negociação de emendas. Seja lá o que tenha sido, não deu certo.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DESTINO TRAÇADO

Não posso dizer que fiquei feliz por Temer ficar. Mas se foi contra o que petistas pregam e querem, deve ser bom para o Brasil e os brasileiros. Não consigo entender os deputados votando e gritando “Lula para presidente”. Só se for para Presidente Bernardes ou Presidente Venceslau.

Carlos Roberto G. Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

VOTANDO MELHOR

As previsões dos adeptos do “quanto pior, melhor”, ou seja, dos opositores ao atual governo, que promoveram um espetáculo de baixaria no dia em que a Câmara barrou a denúncia contra o presidente Temer, tiveram seu lado positivo. O eleitor que acompanha a crise política ficou mais escolado, percebeu a sede do inconformado procurador-geral da República, que, apesar dos seus dias contados, tenta ainda incluir o presidente no “quadrilhão” como réu. O eleitorado está aprendendo também a escolher melhor seus candidatos, separando o joio do trigo.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

GLÓRIAS PASSADAS

Apesar de algumas críticas de leitores, apenas um lembrete: quem fez a maior oposição no Congresso Nacional aos governos Lula e Dilma foi o PSDB; e quem colocou o Brasil nos trilhos no passado, com o Plano Real, foi o PSDB! Pergunta-se: algum partido fez mais?

Harold Thau haroldthau@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O ROMBO FISCAL

Como anunciado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o rombo da meta fiscal deste ano vai subir mais R$ 20 bilhões, para um déficit de R$159 bilhões (!), e o de 2018, de R$129 bilhões, aumentará para sabe-se lá quanto. Como disse Roberto Campos, com larga visão e realismo cruel, “o Brasil não corre o risco de melhorar”.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PEDALADAS

Como se chama se o déficit que não poderia ser de mais de R$ 147 bilhões chega a R$ 161,3 bilhões, como atualmente se prevê? Pedaladas fiscais. E o que acontece quando um presidente faz isso? Pergunte a Dilma Rousseff, ela é a que melhor sabe a este respeito.

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

REVISÃO DA META

Apesar de a economia felizmente estar avançando, mas não o suficiente para propiciar arrecadação federal em condições de garantir o déficit fiscal prometido para este ano, de R$ 139,1 bilhões, pelos corredores do Planalto já se aventa a possibilidade de revisar a meta fiscal! Isso seria ruim para a imagem do governo e, principalmente, da equipe econômica. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, se antecipa e diz ser contra essa revisão, e defende mais corte de gastos. Porém os números apontam extrema dificuldade para manter o déficit deste ano nos R$ 139,1 bilhões. Isso porque o déficit primário no primeiro semestre, de R$ 56,1 bilhões, foi recorde, embora R$ 18,1 bilhões embutidos nesse déficit tenham sido em razão da antecipação do pagamento de precatórios, que poderia ser efetuado até o fim do ano. O governo, no entanto, buscando reduzir despesas, preferiu economizar R$ 700 milhões de juros com essa antecipação. Ou seja, no horizonte, cada dia mais fica difícil de contar com arrecadação extra, mesmo porque o resultado da segunda etapa da repatriação de recursos do exterior, em que o Planalto esperava arrecadar até R$ 13 bilhões, decepcionou. Outros R$ 13 bilhões projetados para este ano com o novo Refis a Câmara desfigurou, e, se aprovado com a emenda vergonhosa embutida pelo relator Newton Cardoso Jr., menos de 20% deste valor deve entrar aos cofres públicos. Jogando a toalha, a equipe econômica se antecipa e aumenta impostos, como o PIS-Cofins sobre os combustíveis, para arrecadar em torno de R$ 10 bilhões ainda neste ano.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O ORÇAMENTO ESTOUROU

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do Democratas, tem dado fortes declarações contra uma possível revisão da meta fiscal aprovada para 2017. O texto inicial prevê um déficit de R$ 139 bilhões, algo que pode e certamente não será alcançado, visto que o orçamento federal literalmente estourou. Diante disso, o congressista tem se mostrado fortemente contrário a essa possibilidade de revisão e disse, recentemente, que “todo mundo deve viver dentro do seu orçamento”, o que inclui a União, os Estados e os municípios. Ocorre, porém, que o Congresso Nacional não tem feito o dever de casa. Enquanto órgãos públicos, autarquias e agências reguladoras estão sofrendo com contingenciamento em seus orçamentos, a Câmara e o Senado permanecem com elevado índice de gastos. Todos, indistintamente, precisam fazer sacrifícios em prol da economia nacional. Sem que o Legislativo corte suas despesas, elevadíssimas por sinal, ficará cada vez mais difícil de fechar as contas. O que eles querem, na verdade, é aumentar impostos e aprovar reformas que trarão todo o ônus ao cidadão brasileiro.

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

NO RUMO DA UTI

Em junho, mais um resultado primário para lá de negativo nas contas do governo: R$ 19,8 bilhões, o pior da série histórica. O número do primeiro semestre foi igualmente histórico: rombo de R$ 56 bilhões, também o pior da série. Para amenizar a aspereza dos dados, dizem que o governo decidiu antecipar o pagamento de precatórios para reduzir o valor gasto com correção monetária até o fim do ano, mas o fato é que, ainda que não houvesse essa antecipação, o déficit em 12 meses seria de R$ 164,7 bilhões, excedendo em R$ 25,6 bilhões o resultado (negativo, de R$ 139,1 bilhões) previsto para 2017. Registre-se que boa parte desse vermelho veio da sangria – praticamente desatada – na Previdência, que, no acumulado do ano, apresenta um rombo de R$ 82,8 bilhões. Na linguagem hospitalar, todos esses sintomas põem o Brasil no rumo da UTI e, se não fizerem nada, em breve o País estará respirando por aparelhos. É de indagar de que cartola o Planalto vai tirar R$ 25,6 bilhões para entregar o déficit “contratado” (R$ 139,1 bilhões) para este ano, se o País não cresce, a arrecadação não dá sinais de recuperação, as receitas extraordinárias não se confirmam e o Parlamento segue no mundo encantado de Pollyana, postergando o enfrentamento das questões que afligem a Nação.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

DAS ARÁBIAS

Estamos vivendo as 1.001 noites. Todo dia o governo inventa uma história nova para ver se consegue sair da fogueira em que se meteu. Temos até parlamentar tatuando sua fidelidade ao presidente. 5% da população acredita que o governo é ótimo. Após a notícia dos R$ 159 bilhões de rombo no Tesouro mais juros, a não ser banqueiros e agiotas, quantos mais se atreverão a concordar com isso? Tudo para um voo de galinha: um ano. E os milhares de desempregados conseguirão sobreviver a este ano? Talvez com o empreendedorismo: camelôs ou vendendo fósforo nas ruas, ou fazendo malabar. Se sobra imaginação criativa para vender um cenário irreal, faltam medidas concretas de amparo. E esta mediocridade é vista como o melhor a oferecer! Não é crível!

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

A CONTA NÃO FECHA

Tira aqui, coloca lá e a conta não fecha. Será que se o governo cuidasse melhor do dinheiro público as contas não fechariam? O presidente Michel Temer fala em cortar gastos, porém seu governo continua gastando com jantares regrados a bons vinhos, sem falar que sua comitiva gasta altíssimos valores que são pagos com excessos de bagagens, que acabam sendo pagos pelos contribuintes que pagam altíssimos impostos.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

O DÉFICIT DA SALVAÇÃO

Na segunda-feira o governo federal anunciou que provavelmente não cumprirá com o déficit do orçamento previamente anunciado para 2017. A equipe econômica sabe que é um erro abrir mão de perseguir a meta orçamentária faltando cinco meses para acabar o ano. Mas não foi à toa que o governo federal fez essa sinalização na véspera da votação do processo contra Temer na Câmara. Para entender o que está acontecendo, precisamos olhar esse assunto com a visão distorcida de mundo da política brasileira. Assim, na realidade, o que Temer estava fazendo era sinalizando aos congressistas que após a votação dessa semana, a carteira do governo estaria aberta para a aprovação da reforma da Previdência. Ou seja, dentro da lógica da política brasileira, faremos um déficit maior este ano para salvar o País no longo prazo. Viva o déficit!

Oscar Thompson OscarThompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

INCAPAZES

Vejam, prezados leitores, como é fácil medir a incapacidade de uma equipe econômica: nosso governo fará tudo para aumentar a arrecadação para 2018, menos o que mais interessa e gera mais impostos, que é a produção. Prestem atenção no que ele fará: tributará LCI e LCA, títulos de renda fixa que têm hoje isenção do IR para pessoa física; reintegrará revisão do programa que devolve crédito aos exportadores de produtos manufaturados – hoje a devolução é de 2% da receita, em 2018 o valor subirá para 3%; adiará o reajuste de várias categorias de janeiro de 2018 para o segundo semestre de 2018; tributará lucros e dividendos das pessoas físicas. Agora, em nenhum instante ele fala em incentivar a produção, o que fatalmente geraria empregos e, consequentemente, aumentaria a arrecadação. O que acho muito, mas muito estranho em tudo isso, é que ninguém reclama, nem mesmo os empresários.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

POBRE BRASIL

O mundo inteiro prospera, e o Brasil segue em recessão. Os líderes dos principais partidos políticos brasileiros só não estão na cadeia porque gozam de imunidade parlamentar. Temer, Aécio e Lula são os responsáveis diretos pela ruína da economia brasileira e as coisas só vão piorar com o aumento de impostos e do déficit público. Um mínimo de bom senso levaria a algum tipo de acordo para afastar essas lideranças daninhas e devolver ao País alguma esperança de dias melhores, mas não é isso o que vemos. Temer, Aécio e Lula vão lutar até a última bala para manter sua imunidade e continuar se revezando no poder com seus esquemas de desvio de dinheiro público. Na semana passada Michel Temer foi inocentado com louvor por todos os deputados que ele subornou escandalosamente; Aécio continua no Senado e Lula voltará à Presidência da República no ano que vem. Pobre Brasil.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

A VITÓRIA DE TEMER

A vitória do ainda presidente Temer na sessão da Câmara de quarta-feira por certo não assegura a ele um final de mandato muito tranquilo. E alguns aspectos podem ser ressaltados. Em primeiro lugar, por certo, a atuação de aliados, como alguns tucanos, que se mostraram como verdadeiros traidores, mesmo integrando o governo em alguns cargos importantes. A outra questão é que o número de votos a favor do governo não assegura aprovação tranquila de outros projetos. E, por fim, um certo fortalecimento do principal partido de oposição, no caso o PT, que não pode ser considerado como derrotado com o resultado da sessão. Este é o momento político que vivemos no Brasil.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

MISTÉRIOS

No final da votação para o acolhimento ou não da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Temer a diferença de votos foi graças às manobras possíveis do Planalto, que, dado o esforço hercúleo do governo, mais as verbas e cargos distribuídos, ministros reassumindo seus cargos de deputados somente para votar, podem ser consideradas manobras legais do ponto de vista político, mas imorais do ponto de vista ético. As manobras que o governo executou para se livrar do STF estão muito perto da truculência usada na Venezuela, por seu presidente Nicolás Maduro. Com uma diferença: na Venezuela o povo vai para as ruas e protesta contra o governo até de forma violenta, sofrendo baixas fatais. Segundo o otimista Temer e seu Merlim da Fazenda, a locomotiva verde-amarela já está firme sobre os trilhos. Observemos um detalhe: quando do impeachment de Dilma, milhões foram às ruas, em todo o Brasil, entoando o “Fora Dilma”. Ora, se o Datafolha merece crédito, Temer tem uma merreca de aprovação popular de 5%, “ipso fato”, o povo não aceita a forma de governar do presidente. Mas o ponto crucial está no fato de que ninguém se mobilizou para defender o presidente que fez do Palácio do Planalto um bunker, para não dar a Dilma e ao PT um troco mais rápido. Parodiando o bardo do Avon, Shakespeare: há mais mistérios entre o céu e a Terra do que sonha a nossa vã política.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

MADURO LÁ, IMATUROS CÁ

No Brasil, políticos controlam o País e fazem a população refém, enquanto a vizinha Venezuela caminha para uma ditadura. Guardadas as devidas proporções, a diferença é... não sei.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

DEBOCHE

Segundo Temer, “quem ganha é o Brasil”. Eu digo que ganha mais um corrupto impune. É muito deboche!

Oswaldo Baptista Pereira Filho oswaldocps@terra.com.br

Campinas

*

HERANÇA MALDITA

Temer é uma herança maldita do PT que se voltou contra o próprio PT. Fizeram a caca e estão sentando em cima.

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

MAIS DO MESMO

O “Fica Temer” confirma a conivência com a corrupção institucionalizada e a consagração da impunidade de políticos mais influentes. Daí a opção do Parlamento na semana passada, na verdade, vai no sentido contrário da estabilidade econômica e da confiança nas instituições – é o mais do mesmo.

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br

São Paulo

*

A ESQUERDA TAPUIA

Aonde querem chegar? Como se não bastasse o que fizeram no governo, quebrando o País? Agora querem tirar Temer acreditando na volta ao poder para continuar a orgia com dinheiro público? A oposição é maldosa, movida a ódio, melhor seria, propondo medidas inteligíveis, ajudar na recuperação do que destruiu. Todavia, a governabilidade não lhe interessa, o poder, sim, e muito. Ainda acreditam na implantação do socialismo bolivariano no Brasil, como vimos no apoio do PT e de sua presidente, Gleisi Hoffmann, ao ditador Maduro e à Constituinte fajuta na Venezuela. Tenham paciência, nosso país começa a mudar e a tornar-se mais sério mesmo com o desapoio de vocês.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

*

CONSELHO

Sugiro as carpideiras e viúvas do “fora, Temer” que sigam os conselhos do papa Francisco, que colocou na porta do quarto a placa com os enérgicos dizeres “Parem de reclamar”.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

REFORMAS JÁ

Ao conseguir se safar da denúncia da Procuradoria-Geral da República e garantir o mandato até 2018 – salvo nova flechada venenosa de Janot –,cabe ao governo Temer, sem mais delongas, promover as inadiáveis e imperiosas reformas de que o País tanto necessita há tempos. Além da trabalhista e da previdenciária, urge a reforma política, com foco no parlamentarismo, no voto distrital misto, na cláusula de barreira e no fim das coligações. Reforma, Brasil!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CAMINHO

Michel Temer deve atravessar a pinguela. Só precisa ver se no fim dela não há um precipício.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

SÁBIAS PALAVRAS

Sábias são as palavras de Millôr Fernandes: “Isto, sim, é um Congresso eficiente! Ele mesmo rouba, ele mesmo investiga, ele mesmo absolve”! Muda Brasil!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ÁGUAS TURVAS

As pesquisas de opinião demonstram o que já é sabido: o sublime povo brasileiro é composto de uma esmagadora maioria de néscios, manipuláveis por espertalhões populistas desonestos. Em tempo, a desonestidade na elaboração dos questionários dessas pesquisas e a interpretação dos dados são um primor de calhordice. Então, um governo que em pouquíssimo tempo cria condições para um recuo da inflação – de cerca de 10% para menos de 4% –, que breca a queda brutal do PIB e mostra sinais de sua recuperação, que inicia um esforço hercúleo de reformas básicas capazes de mudar o perfil de país mambembe, que consegue impor limites à insanidade dos gastos públicos, recupera entes públicos (Petrobrás, Eletrobrás e quetais) destroçados pela ladroagem e incompetência da loucura lulopetista estabelece níveis de excelência na gestão da economia, breca a violenta corrupção sistêmica no seio do Estado, e o cidadão brasileiro, de intelecto limitado e intoxicado pela desinformação e má informação oriunda das cloacas e pântanos do esquerdismo desvairado, dos privilegiados do serviço público e das “boquinhas” de companheiros e manos, classifica esse governo de ruim e péssimo. Pior, inclusive, que o despautério da dupla dinâmica Lula e Dilma. Como é possível? Onde estão o bom senso, o mínimo de honestidade intelectual, algum resquício de seriedade e capacidade de avaliação da realidade? Seremos nós um país de Macunaímas, cegos e surdos, torcendo para o bandido? Aliás, como é o vezo nacional. Estaremos dominados pelo onanismo sem objeto dos ridículos “intelectuais” de esquerda e os ardores castristas e o talento cucaracha dos chamados “artistas”? Uma desgraça verde-amarela, sob o céu azul cor de anil.

Alexandre de Macedo Marques mmarques@uol.com.br

São Paulo

*

APROVAÇÃO

Com 87% e 79% de aprovação, os dois últimos presidentes nadaram na popularidade e fizeram m... Quem sabe um com 5% consegue limpar.

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com

Matão

*

INJUSTIÇA

Seria injusto e imoral Temer ser afastado da Presidência enquanto os irmãos Batista passeiam lindos, leves e soltos em Nova York. Fim da linha para Rodrigo Janot. Que continue atirando o que resta de suas flechinhas em outra vizinhança.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

POVO SEM MEMÓRIA

O “Estadão” noticiou que o Congresso Nacional ignora delações dos Grupos J&F e Odebrecht, que mais de 200 parlamentares foram citados, porém até agora os Conselhos de Ética da Câmara e do Senado não abriram nenhum processo. Mas alguém acredita que eles abrirão processos contra seus pares? Se as delações da J&F e da Odebrecht não têm valor para eles, por que para Temer teriam? O vazamento seletivo de Temer, encomendado por Janot e Fachin, blindando Lula e Dilma, é uma prova de que essas delações não se sustentam. O Congresso tem 594 parlamentares que votam. Se tirarem os mais de 200 citados em delação, quantos restarão? Já passou da hora de renovar essa casa da mãe Joana que só dá prejuízo e prejudica o País. Ainda teremos um presidente que proporá o corte de metade dessa aberração? Lula, retirante, disse em setembro de 1993 que havia 300 picaretas no Congresso. Hoje, quando todos sabem quem é Lula, ninguém se espanta que tal cifra tenha triplicado. É o retrato de um povo sem memória.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

VERGONHA

Tenho imensa vergonha dos políticos deste país! Não estou sozinha, somos muitos! Todos envergonhados com a ladroagem explícita, com a frieza escandalosa. E não merecemos isso! O brasileiro levanta cedo para ir às urnas escolher aquele candidato em quem deposita sua fé. Nosso voto vale como investimento. Investimento não só político, mas econômico. Voto é investimento econômico, é como nosso sagrado dinheirinho irá se valorizar ao longo do tempo em que aqueles eleitos irão administrar tudo, é uma aplicação da nossa confiança neles. Aplicamos, digo, votamos, para ter um Brasil melhor. Melhor na economia, principalmente porque um país bem administrado tem economia forte, que gera empregos, saúde, segurança e tudo de bom que se pode esperar. Mas destes homens que hoje estão no poder só recebemos o calote! O quadro que ora se apresenta é de politicagem! Sem disfarces, sem máscaras, na explicitude eles se atropelam na corrida do ouro! No vale tudo da política brasileira nosso voto não vale mais nada. Não existem mais santos nem santinhos. Sobraram-nos verdadeiros demônios. Não há mais o que “temer” porque os demônios já estão soltos e estão no poder. Chegamos ao fundo do poço. Estamos mesmo num umbral brasileiro uma dimensão sombria, depressiva, angustiante e onde vegetamos. Segundo Chico Xavier, no umbral existem verdadeiras cidades onde espíritos semelhantes habitam e que são comandados por líderes também chamados governadores, presidentes, imperadores, mestres, reis, etc. Esses líderes usam seu poder e sua inteligência conscientes para praticar o mal. Adoram o poder e dele não querem se desfazer. Odeiam o bem e os bons, pois estes representam risco à sua posição de liderança. Este é sem duvida um retrato do Brasil atual em que vivemos. Porém eu digo a todos que tenhamos coragem porque, apesar deles, serem muitos, não são o todo e sem dúvida não nos representam.

Mara Herdade maraherdade@gmail.com

São Paulo

*

EXEMPLOS

Há um ditado milenar afirmando que “os governantes têm de ser honestos, para que o povo também o seja”. O que observamos na atualidade é uma corrupção generalizada atingindo-os. O sentimento de “querer levar vantagem em tudo” impregnou no DNA de milhões de brasileiros. A compra de produtos roubados, contrabandeados e falsificados, por exemplo, chega a atingir um prejuízo de mais de R$130 bilhões por ano aos cofres públicos. Só vislumbro uma solução para minimizar esse câncer social: investimento maciço na educação, com o objetivo de resgatar a ética, e uma profunda reforma política, afastando definitivamente do poder aqueles que não querem servir ao País, e sim auferir vantagens em decorrência dos cargos ocupados.

Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ALTERNATIVA AO AUMENTO DE IMPOSTOS

Se o Brasil alcançou a cifra recorde em sua balança comercial, chegando a quase US$ 380 bilhões, considerado uma “poupança” para tempos difíceis, não dava para sacar US$ 3,5 bilhões, que não chega a fazer cócegas, e pagar as dívidas contraídas pelo governo perdulário, em vez de achacar mais ainda a população com mais impostos? Com a palavra, o ministro Meirelles, que adora só achar saídas em aumento de impostos!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

REAJUSTE DOS PLANOS DE SAÚDE

Considerando que o Brasil não oferece “saúde” a nenhum de nós, seria muito importante para quem ainda tenha um plano de saúde particular que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), além de determinar no que os planos são obrigados a dar cobertura, desse uma atenção especial ao índice de aumento anual praticado pelas empresas. Isso porque ela determina o índice só para planos individuais, por sua vez a maioria dos planos não estão aceitando mais planos individuais. Exigem no mínimo planos com duas vidas, que se enquadram nas PMEs, o que lhes dá o direito de determinar cada um seu próprio índice de aumento anual. Outro detalhe que acredito ter fugido de muitas pessoas: os planos podem simplesmente não querer renovar o contrato, sem nenhuma explicação, ou podem alegar falta de interesse, e nós assinamos esse termo na adesão.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

SAÚDE ROUBADA

A Bradesco Saúde “reajustará” a mensalidade de seus planos individuais/familiares em 14,73% neste ano. O “reajuste” foi autorizado pela ANS – criada pelo governo para impedir as operadoras de saúde de explorar suas vítimas. Para FISCALIZAR. Tem certa graça, considerados os resultados. Só que os diretores da ANS sempre autorizam reajustes acima da inflação. Sempre. Por que isso ocorre? A inflação de 2016 foi de 6,19%, e a deste ano deve ficar em torno de 4%. Então, o que justifica os 14,73%?

Josué Rodrigues Silva Machado jrsmachado@terra.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.