Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2017 | 03h11

CORRUPÇÃO

O cara é muito ‘bom’

Em notícia publicada no Estado de ontem, o procurador da República no Distrito Federal Ivan Cláudio Marx, que investiga na primeira instância a delação de Joesley Batista, dono da JBS, de que os ex-presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff foram beneficiários de contas no exterior com depósitos de US$ 150 milhões, oriundos de propinas, para uso em campanhas eleitorais, diz considerar a história “meio absurda” e “insuscetível de prova”. Sobre Joesley comentou: “O cara é muito ‘bom’. Tem uma conta lá, que não consegue explicar, e conseguiu transformar isso numa delação”. Ora, Joesley é mais do que muito “bom”. Com imaginação fantasiosa e uma prova fajuta contra o presidente Michel Temer obteve do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, benefícios extraordinários sem sofrer nenhum constrangimento pessoal e mantendo a maior parte da bilionária pilhagem. De quebra, ainda lucrou centenas de milhões de reais com a venda de ações da própria JBS e a compra de dólares às vésperas de o acordo ser divulgado, o que causou um tsunami no mercado financeiro. Joesley, na verdade, é “ótimo”.

SERGIO RIDEL

sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

Ingenuidade?

Com a constatação pelo procurador da República do Distrito Federal Ivan Marx de que as contas no exterior no montante de US$ 150 milhões atribuídas a Lula da Silva e Dilma Rousseff não têm nenhuma comprovação, fica a impressão de que ou o procurador-geral da República foi muito ingênuo ao aceitar de imediato uma história muito mal explicada pelo dono da JBS, que de imediato lhe rendeu perdão total pelos crimes cometidos, ou Rodrigo Janot usou essa história como trampolim para pôr em prática sua verdadeira intenção de atacar o presidente Michel Temer e apeá-lo do poder. Como manda a lei que rege acordos de delação, quando não há comprovação do que se delata, o mínimo que se espera agora é que o acordo seja anulado e o delator, preso.

PAULO R. KHERLAKIAN

paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

Desvios de dinheiro

Todo desvio de dinheiro que temos visto diariamente nos jornais, verdadeiros saques a empresas estatais e órgãos públicos praticados por petistas e peemedebistas, até agora só envolvem nomes de políticos e empresários. Mas para tornar esses desvios realidade (pagamentos, assinaturas, aprovações, carimbos, etc.) há a necessidade da participação de servidores públicos, sejam concursados ou comissionados (militantes indicados pelos partidos). Como isso está sendo tratado? Até agora não vi nenhuma punição da turma do andar de baixo.

ANDRÉ COUTINHO

arcouti@uol.com.br

Campinas

JOÃO DORIA JÚNIOR

O novo caminho

O DEM e o PMDB estão certos, para conquistar a esperança da população, o caminho é buscar um candidato sem ranços com a velha política, como João Doria Júnior, ficha-limpa, jovem, competente e comprometido com um Estado enxuto, que põe em primeiro plano a segurança jurídica como forma de proteção do direito à liberdade e, em particular, do direito de empreender e realizar negócios com garantias avalizadas pelo Estado, e não pelos governos. Desaparelhar a máquina estatal e garantir – por meio de leis – blindagens aos funcionários de carreira para que não mudem de governo para governo devem ser o ponto de partida para qualquer movimento que objetive eliminar as incertezas de investir no Brasil. Empresários sérios não depositam seus recursos confiando apenas nas suas boas relações com governantes.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

Vale ouro

O prefeito de São Paulo, João Doria Júnior, é tão requisitado pelos partidos para disputar a Presidência da República porque, de fato, é ficha-limpa. Seu passado não tem mácula, seu histórico é de empresário bem-sucedido. Nenhuma raposa velha da política chegará aos seus pés em 2018. Pelo menos até o momento, ninguém é páreo para ele. Certo, sr. governador Geraldo Alckmin?

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

Invasão da Câmara

Foi com um misto de indignação e perplexidade que li no Estado sobre a invasão da Câmara Municipal de São Paulo por um “grupo de militantes”. A meu ver, os projetos de desestatização defendidos pelo prefeito João Doria são pertinentes, considerando o atual contexto em que a Prefeitura se encontra. Além disso, parte das reivindicações dos militantes referentes à suspensão dos projetos padece de incoerência. Os projetos de privatização de parques, mercados e do estádio do Pacaembu, além do bilhete único, seriam uma boa saída para a melhoria desses serviços. E também uma forma de o governo economizar quantia significativa que poderia ser investida em saúde, educação, creches... Será que a prioridade, neste momento de recuperação econômica do País, é gastar com a manutenção de um estádio, por exemplo? Vale ressaltar que, no momento, o governo brasileiro tenta a todo custo encontrar meios de reduzir gastos. A privatização de patrimônios é uma ideia bem-sucedida e já aprovada em primeira votação pela Câmara.

LUIZA CANAPARO NICOLELLIS

lcnicolellis@aluno.crb.g12.br

São Paulo

POLÍTICOS

Retrovisor

Muito espanto me causou o artigo, muito bem escrito, do sr. Flávio Tavares (Vendo o futuro pelo retrovisor, 11/8, A2), mas que peca por uma terrível incongruência. O sr. Tavares fala de atraso, de olhar pelo retrovisor, ao invés de olhar para o futuro, e no último parágrafo elogia o PSOL e a Rede, como se esses partidos estivessem olhando para o futuro. Que futuro? Defendendo o ditador Nicolás Maduro, da Venezuela, e a retrógrada Cuba? Deprimente!

SONIA CONSTANTINO

constantino114@gmail.com

São Paulo

TORNOZELEIRAS

Eles que paguem

O gasto com tornozeleiras está se tornando item importante dos orçamentos federal e estaduais. Por que temos de arcar com esse privilégio dos condenados? Está na hora de cobrar dos próprios usuários pelo uso das tornozeleiras que tão orgulhosamente ostentam. O governo compra e eles pagam. Se não quiserem pagar, podem permanecer na prisão.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

“Para os tucanos, João Doria seria carta fora do baralho. Enquanto isso, PMDB e DEM disputam o curinga da jogada”  

VIDAL DOS SANTOS / GUARUJÁ, SOBRE A EVENTUAL CANDIDATURA DO PREFEITO DE SÃO PAULO A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

vidal.santos@yahoo.com.br

“Mortadelas lulopetistas ainda não entenderam que o plebiscito já foi feito e Doria foi eleito em primeiro turno...”  

A. FERNANDES / SÃO PAULO, SOBRE A INVASÃO DA CÂMARA MUNICIPAL EM PROTESTO CONTRA PROJETOS DA PREFEITURA PAULISTANA

standyball@hotmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TETO FURADO

O recorrente desrespeito ao teto do funcionalismo pelo Judiciário é um verdadeiro escárnio. Como muito bem disse Eliane Cantanhede, "os que julgam quem descumpre a lei também arranjam atalhos para descumprir a lei".

Marcelo Melgaço melgacocosta@gmail.com

Goiânia 

*

JUSTIÇA INJUSTA

No Brasil com as finanças depauperadas a Justiça não colabora para melhorar e exige cada vez melhores pagamentos. Seus serviços, no entanto, estão abaixo da crítica. Aqui ela custa quase 10 vezes mais do que em países desenvolvidos. O juiz é um privilegiado, tem altos salários e 10 meses de trabalho por ano. Ganha R$ 46 mil mensais (o teto constitucional é de R$ 33 mil!). Um juiz pode ganhar R$ 161 mil (alguns se aproximam de R$ 200 mil). São os juízes com salários mais altos do mundo, 4,8 vezes o PIB per capita. O salário do grupo é hoje o dobro dos salários do Executivo e três vezes maior dos salários do Legislativo. O Brasil tem 55 mil funcionários com foro privilegiado, 80% no Judiciário. Há um acordo esquisito entre o Supremo e os parlamentares. Estes podem roubar, não são julgados pelo Superior Tribunal Federal (STF) há mais de 10 anos, por isso o País virou esse caos com ladrões em toda a administração pública. Terá o STF sido beneficiado por isso? Ao final, ninguém pode mexer com o Judiciário. Nossa Justiça é o mais injusto e caro serviço prestado ao País. 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

REAJUSTE DOS SERVIDORES

Estão descontentes? E fácil. Venham para a iniciativa privada  - Sobre os servidores públicos que ameaçam recorrer à Justiça por reajuste.

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Paulo

*

INSENSÍVEIS

País em crise, economia capenga, contas públicas explodindo e, mesmo assim, parlamentares votam o fundo eleitoral, juízes e Ministério Público pressionam por aumento... você ainda tem dúvida de que tanto os parlamentares como os juízes e o Ministério Público estão preocupadíssimos apenas com eles mesmos?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO AO 'DISTRITÃO'

Queremos uma reforma política que reforme a política: voto distrital - e não 'distritão' - e facultativo; fim do foro privilegiado; cláusula de barreira; parlamentarismo e fim do financiamento obrigatório de campanhas. Por que eu teria de financiar um candidato que eu ainda nem escolhi? Mas triste madrugada foi aquela em que perdemos a nossa ilusão, vendo mais uma vez eles votarem em causa própria. Estou dizendo o que o Brasil inteiro defende: não ao distritão e não ao financiamento de quase R$ 4 bilhões sem a nossa prévia autorização! Se insistirem em manter essas sandices, a única - e última - alternativa que nos resta é fechar o Congresso Nacional. É antidemocrático? E eles legislando segundo suas conveniências, é democrático? Além do mais, vamos economizar um bocado de dinheiro.

Carmela Tassi Chaves

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

REFORMA POLITICA

O fundo de R$ 3,6 bilhões tem cara de roubo, jeito de roubo e é roubo de dinheiro público. No Brasil, por lei, está liberado...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MAIS UMA FRAUDE

Realmente, é uma safadeza e cara de pau desses parlamentares a criação do fundo partidário de R$ 3,6 bilhões do dinheiro do contribuinte, que representa 0,5% da receita corrente líquida para financiar suas campanhas. Por que o povo tem de ajudar esses corruptos, que só se elegem para se locupletarem em detrimento dos interesses da Nação, onde falta dinheiro para a saúde, educação e segurança pública?  Deputados e senadores deixem de aprovar negócios ilícitos em desfavor dos brasileiros que não aguentam mais ser enganados.

José Wilson de Lima Costa  jwlcosta@bol.com.br

São Paulo 

*

PARA INGLÊS VER

Após gastar uma fortuna para se livrar da acusação de corrupção, vem falar em contenção de despesas. É o País da piada pronta!

Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

REFORMA POLÍTICA

Reforma política com R$ 3,6 bilhões é o fim, obra desses malditos políticos.  E o povo continua à mingua com a má qualidade do serviço público. Que triste! Que solução temos? 

Edmar Augusto Monteiro eamonteiroea@hotmail.com

São Paulo

*

GASTOS COM IMPRESSÃO DE VOTOS

O ministro Gilmar Mendes alegou que o custo para impressão de votos acarretaria gastos de aproximadamente R$ 1,5 bilhão e que seria difícil para o governo. Ora, em se tratando de eleição, poderia retirar esta verba do fundo partidário, onde foram  aprovados, R$ 3,6 bilhões. Tenho certeza de que a população aceitaria de bom grado este "sacrifício" que tenho certeza os políticos aprovariam, pois sabidamente pensam só no nosso bem estar!!

Rubens Sousa Pinto  rubanfilho@hotmail.com

São Paulo 

*

FUNDO 'SALAFRÁRIO'

Totalmente alienados com o futuro do País, na comissão especial da Câmara foi aprovado o novo Fundo Partidário no valor de R$ 3,6 bilhões, mesmo estando o governo com as contas ultrapassando a meta fiscal. Tudo para que tenham verba para invadir nossas casas com aquelas intermináveis e mentirosas propagandas políticas. Façamos nossa propaganda também. Nas propagandas eleitorais em 2018, desligue a TV e bata as panelas. Rasgue os santinhos e em represália não reeleja ninguém desse atual mesquinho e egoísta Congresso. Não nos esqueçamos. Nossa vingança está no voto e só uma "ditadura" nos tirará o direito dessa escolha. Em tempo, político corrupto também acaba com todo um país! 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

*

REFORMA POLITICA

Financiamento público de campanha eleitoral de R$ 3,5 bilhões a R$ 6 bilhões. Que vergonha!

Aida Munimos aida.munimos@uol.com.br

São Paulo

*

RUAS VAZIAS!

Por que o "Vem pra rua" está quieto agora?   Por que o "Vem pra rua" está deixando a reforma política ser feita à vontade, mantendo o mesmo número de parlamentares, o fundo eleitoral, os privilégios dos políticos?   Vem pra rua, gente!

 

Henrique Gândara clineurohenrique@uil.com.br

São Paulo

*

BOLSINHA FAMILIAR

Quem poderia imaginar que um dia o filho de Garanhuns pudesse  percorrer o nordeste  exibindo um relógio Rolex no pulso e  calçando um par de sandálias Christian Lououbotin? 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

HAJA HIPOCRISIA

De acordo com uma matéria publicada no UOL em 11/8 ("Bolsa Lula: herdeira de banco suíço doa R$ 500 mil após bloqueio de Moro"), da colunista Eliane Trindade, Roberta Luchsinger, herdeira da família fundadora do banco Credit Suisse, ex-esposa de Protógenes Queiroz e filiada do PCdoB, irá doar um cheque no valor de 28 mil francos suíços (cerca de R$ 91 mil) e mais alguns objetos, tais como um relógio Rolex, um anel de diamantes da joalheria Emar Batalha, uma bolsa Chanel, etc., os quais, se vendidos e/ou leiloados, podem totalizar R$ 500 mil para Lula. A matéria foi acompanhada de uma foto, onde aparece a doadora e os bens doados, tendo como fundo um lindo ambiente residencial. Aí pergunto: quanto de Imposto de Renda (IR) ela pagou nos últimos cinco anos? Será que sua declaração de imposto de renda é compatível com suas doações e com a "beleza" da foto? Ou será que a Receita Federal apenas fiscaliza os assalariados brasileiros, cujo imposto de renda é descontado diretamente na fonte e repassado para os cofres do governo? Sinceramente, quando o governo federal taxar a sonegação e a corrupção, não faltará dinheiro para o fundo partidário, pois, para ajudar os menos favorecidos, sabemos que nunca haverá dinheiro. Estou desiludida com o nosso país e decidida a votar em branco na próxima eleição, pois o meu voto é pura hipocrisia. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

PIRRO OLHA PELO RETROVISOR

Excelentes os artigos de Flávio Tavares ("Vendo o futuro pelo retrovisor") e de Fernando Gabeira ("Uma vitória de Pirro") publicados ontem no "Estadão". Os dois demonstram a estupefação de quem está cansado e enojado de manobras políticas e jurídicas para beneficiar poderosos. Foi assim com Dilma Rousseff, condenada, mas perdoada. Foi assim no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que jogou no lixo provas robustas de financiamento ilícito da campanha de 2014. Foi assim com Aécio Neves, gravado pedindo R$ 2 milhões em meio a um monte de impropérios que envergonha a todos. Foi assim com o pedido negado de investigação de Michel Temer pelo STF, obtido com troca de favores e de assentos na CCJ. Parece que a Justiça levanta a venda dos olhos, quando se trata de "personalidades". Como escreveu Gabeira: "o banquete das hienas continua", ao que acrescento: e vão roer até nossos ossos, se não reagirmos. O Brasil precisa de Políticos com P maiúsculo e não de "espertalhões" que continuam fiéis a uma única lei: a de Gerson.

Luiz Medeiros medeiros0208@gmail.com

São Paulo

*

TRISTE ENGANO

Uma grande parte dos brasileiros e eu achamos que a permanência de Michel Temer na Presidência seria benéfica para aprovar as reformas e atingir as metas econômicas. Triste engano. Para se manter no cargo está comprometendo seu trabalho, atendendo o Congresso com seus membros acostumados a colocar preço em seu apoio. Ficou refém. Azar o nosso!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

TEMER X JANOT 

 

Temer disse que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tem ideia fixa de afastá-lo do governo. Ledo engano. São somente 180 milhões de brasileiros que querem vê-lo fora do Planalto e confortavelmente instalado no "resort" da Papuda. Não só ele, mas pelo menos 2000 congressistas em todo o Brasil. Fora a turma do Judiciário e outras entidades. Enquanto essa faxina não for feita "bye bye Brasil".

Iria de Sa Dodde iriadodde@hotmail.com

São Paulo

*

OS 'PERSEGUIDOS'

Lula é "perseguido" por Sergio Moro! Temer é "perseguido" por Rodrigo Janot! Até quando estes dois demagogos vão abusar de nossa paciência? Os corruptos ficam atacando a Justiça!  Os criminosos comuns atacam a polícia nas ruas e os corruptos atacam nos gabinetes do alto poder. Somos um país virado pelo avesso! Parece mentira que tenhamos de sair às ruas para defender a Justiça contra presidentes corruptos.

              

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre 

*

NOS BASTIDORES

A que ponto chega a atitude irresponsável de quem se julga inatacável. Como aceitar passivamente o pleito formulado pelos advogados do senador Aécio Neves de que um processo no qual é o acusado seja retirado do relator atual e encaminhado ao ministro Gilmar Mendes? Por quê? Dessa forma fica a impressão de que há um entendimento nos bastidores. É lamentável esse procedimento.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

PARTIDOS POLÍTICOS

PSDB nunca mais! Estamos totalmente sem opção.

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso zaffalon@uol.com.br

Bauru 

*

EM CIMA DO MURO

Por que o PSDB está sempre em cima do muro? Para enxergar melhor ambos os lados.

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com

São Paul

*

ELEITORES DO PSDB

O que impede que uma vez passadas as votações das reformas previdenciárias e política, o PSDB se una novamente? Porque alguns analistas estão tão certos da ascensão do Centrão? O PSDB perdeu, certamente, na votação da denúncia, mas quem diz que seus eleitores vão pular do barco? Que tipo de gente os analistas acham que somos?

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

SUGESTÃO 

Sugiro ao eterno candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin que explique em seu discurso por que ele ainda faz parte do mesmo partido do senador Aécio Neves. Ou o PSDB cria vergonha na cara e expulsa Aécio do partido, ou Alckmin deveria fazer o mesmo que seu adversário João Doria está fazendo e procurar outro partido para continuar a existir na vida pública. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

TRAIR OU NÃO TRAIR

 

Plagiando Shakespeare, trair ou não trair, eis a questão. João Doria disputou a eleição para prefeito da capital paulista com o apoio de Geraldo Alckmin, mas com acerto para ser posteriormente candidato ao governo do Estado de São Paulo. Logo após eleito, Doria sempre disse que o candidato a presidente da República seria Alckmin. Mas a mosca azul subiu-lhe à cabeça e agora deseja ser candidato e até competir com Alckmin. Mas parece que não tem o dilema de trair ou não trair, porque pode ser candidato com o apoio de Temer e do DEM. Entretanto, a fama de traíra nunca deu vitória a nenhum candidato. E quem o diz é a história: Lucas Nogueira Garcez, que foi governador do Estado de São Paulo com o apoio de Ademar de Barros poderia confirmar, se vivo fosse!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

CAVALO DE TRÓIA

Doria ainda não mostrou a que veio na Prefeitura de São Paulo e já caminha a passos largos na direção da trilha dos erros de José Serra. Prefeito, como seu eleitor me sinto na condição de lhe dizer o que penso: a cada novo apoio de membros dos quadrilhões, S. Excelência estará ganhando algo que costuma ser muito importante na carreira dos políticos e que até agora não tinha: REJEIÇÃO! 

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

FALTA DE NOÇÃO E ESCÁRNIO

A falta de noção de grande parte de nossas lideranças políticas é emblematicamente impressionante. É o caso de nova licitação milionária para o aluguel de jatinho particular de luxo, para transportar o governador do Rio de Janeiro em eventuais viagens fora do Estado. Dentro da penúria que vive as finanças fluminenses, tal iniciativa de gastos em continuidade de dispêndios de semelhante privilégio que está a se encerrar, soa como escárnio aos milhares de servidores, que estão com seus vencimentos atrasados, vivendo à míngua e necessitando da ajuda alheia para sobreviver e não morrer de fome.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

JATINHO DO GOVERNADOR

Ô, Pezão! Vai de busão, meu camarada!

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

ENQUANTO ISSO...

O jatinho de excelência dos sonhos de Pezão. Enquanto isto, em Niterói, que se não me engano ainda se situa no Estado do Rio, uma van escolar foi sequestrada ontem. E o Pezão? Seguindo os passos do Cabral. Não os do Pedro, mas os do outro.

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

*

AS RUSGAS ENTRE OS EUA E A COREIA DO NORTE

Com o Planeta Terra se deteriorando a cada dia pelo degelo nos polos Norte e Sul, afetado também pelo aquecimento global e as mudanças climáticas, esses dois moleques irresponsáveis, o  presidente Trump e o ditador Kim Jong-un, resolveram aparecer mais do que deveriam, o americano fala em invadir a Coreia com fogo e fúria, já o outro louquinho fala em atacar Guam, base americana, com mísseis intercontinentais. E sabe por que tudo isso? Para incentivar a indústria bélica.

José Pedro Naisser jpnaisser@hotmail.com

Curitiba

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.