Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2017 | 03h00

REFORMA POLÍTICA

Emenda-dobradinha

Parece que o relator da reforma política, deputado Vicente Cândido (PT-SP), não vai parar de criar propostas repugnantes e contrárias à vontade da população. Depois de propor a criação de um fundo público de campanha no valor de R$ 3,6 bilhões, sugeriu a doação oculta de pessoa física e, agora, vem com esta de permitir a uma mesma pessoa se candidatar a até três cargos nas próximas eleições. Ele tenta de todas as maneiras dar a Lula foro privilegiado, permitindo que o ex-presidente se candidate – se a Justiça permitir – a presidente da República e a deputado, na mesma eleição, para tentar se garantir de alguma maneira. Mais uma aberração e irresponsabilidade deste deputado do PT.

CARLOS SULZER

csulzer@terra.com.br

Santos

Cada ideia...

Não há um dia sequer em que o relator da “reforma” política não apareça na mídia propondo medidas simplesmente danosas para a evolução daquilo que pretende reformar. Depois do fundo para o financiamento da democracia (!), da “emenda Lula” e de outras inúmeras barbaridades, vem agora com a possibilidade de candidaturas simultâneas para cargos eletivos, já em 2018. Um aventureiro qualquer poderia se candidatar à Presidência da República e a deputado, por exemplo. Tudo o que este deputado propõe é para o interesse dele e de seus pares, tudo para garantir a continuidade das boquinhas, tudo para assegurar o foro privilegiado. Lembremo-nos deste nome: Vicente Cândido (PT-SP). E em 2018 vamos mandá-lo para casa.

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

Temeridade

Fazendo um rescaldo de tudo o que já se tentou incluir na reforma eleitoral, fica evidente que foi uma temeridade designar o deputado Vicente Cândido como seu relator. Com o histórico do PT em 13 anos como governo e, agora, em fase de rejeição absoluta, está claro que a brasa vai privilegiar a sardinha dos envolvidos em falcatruas. O objetivo é não reformar nada, mas garantir os privilégios e a imunidade dos ilustres parlamentares. Os mesmos parlamentares que gritam contra as reformas trabalhista e previdenciária, sob o mote de que estão tirando direitos e dinheiro dos trabalhadores, fazem de tudo para continuar com o imposto sindical obrigatório e tentam pendurar uma conta de bilhões para financiar suas campanhas e mordomias.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Deixar que a reforma política fosse relatada pelo deputado petralha que também é “cartola” da CBF é como deixar que o novo Código Penal fosse elaborado por Fernandinho Beira-Mar. ANTONIO CARELLI FILHO

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

Lobos e raposas

Realmente, não sei por que a surpresa! Quem está coordenando e fazendo esta dita “reforma política” são os lobos e as raposas que têm tomado conta do galinheiro. Não é da natureza de lobos e raposas protegerem galinhas. Enquanto não se exigir a eleição de uma assembleia constituinte feita por pessoas que representem todas as camadas da sociedade, mas que não sejam (nem nunca pretendam ser) políticos de profissão, não teremos uma reforma política que, de fato, beneficie o País.

ELISABETH BERLOWITZ BUNY

bethbuny@uol.com.br

Cotia

Moto-contínuo

Lembro-me de um professor de Física que falava sobre o moto-contínuo e da possibilidade de algum dia uma pessoa conseguir inventar uma máquina que funcionaria eternamente, gerando sua própria energia. No Brasil, nossos políticos pensaram em várias condições (corrupção, financiamento público de campanhas, horário eleitoral gratuito, etc.) para se reelegerem perpetuamente, mas são tão ruins que nem com as ferramentas do moto-contínuo político cerca de 40% conseguem se reeleger. Então é esta mesma classe política que quer, agora, enfiar goela abaixo da população o tal Fundo de Financiamento da Democracia. Democracia para quem, caras-pálidas? Basta de tanta hipocrisia.

FERNÃO DIAS DE LIMA

fernaodiaslima@gmail.com

São Paulo

O alerta de Moro

Ao jornalista Eugênio Bucci (Um silêncio que faz falta, 17/8, A2) gostaria de lembrar que Sergio Moro fez considerações sobre a reforma política que soaram mais como um alerta, já que ninguém como ele conhece as consequências deletérias do nosso sistema. Ao criticar a proposta de reforma política em curso no Congresso, não fez nada mais do que sua obrigação como cidadão responsável que é e também com magistrado, por que não? Bucci parece ter confundido um pouco as coisas: Moro não deu nenhuma opinião partidária, pois não? Apenas mostrou que a reforma em curso parece indicar a tendência à manutenção no poder daqueles que já lá estão. E ele conhece como ninguém o que se passa naquele Congresso! Falou o óbvio, ou o jornalista desconhece este fato tão mencionado pelos seus colegas da mídia? Se quiser um pretexto para criticar Moro, Eugênio Bucci que arranje outro, porque este não colou.

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@gmail.com

Campinas

PREVIDÊNCIA ESTADUAL

Contas maquiadas

Dados divulgados pelo Tesouro Nacional em boletim anual dão prova da desfaçatez que tomou conta dos governos estaduais: o déficit previdenciário ultrapassa em quase R$ 30 bilhões os R$ 55 bilhões informados ao Tesouro. A praxe constitui reprodução da mesma contabilidade criativa implementada pela trupe de Dilma Rousseff: viciam os dados para ocultar a gravíssima situação das contas públicas. O boletim informa, ainda, que nove Estados ultrapassaram o limite de 60% da receita corrente líquida no gasto com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal. Além do evidente crime de responsabilidade, prejudica-se a recuperação dessas economias. Como planejar e executar políticas com base em informações fictícias? A situação já é grave demais para imprudências desse gênero.

ELIAS MENEZES

elias.natal@hotmail.com

Belo Horizonte

Estados maquiam rombo da Previdência e declaram R$ 30 bilhões a menos (Estado, 17/8). Continuamos firmes no caminho que foi percorrido e conquistado pela Grécia. Parabéns a todos os envolvidos que patrocinam e participam deste descalabro.

JOSÉ ROBERTO NIERO

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


DELAÇÃO CUNHA E JANOT


Lendo a matéria do “Estadão”, “PGR paralisa acordo de delação de Cunha” (16/8), conclui-se que o instituto da colaboração premiada não está tendo tanto êxito no direito pátrio. Parece que Janot persegue Temer, que manteve "encontros noturnos" com o ministro Gilmar Mendes, que, por sua vez, faz comentários pouco polidos ao Ministério Público em geral e a Rodrigo Janot, à Procuradoria-Geral da República, em particular. Dias antes de entregar o posto máximo do Ministério Público, Janot esperava colocar a "cereja" das delações envolvendo o presidente da República, com o depoimento da caixa-preta Eduardo Cunha. Parece que não alcançou seu intuito, mas frise-se: "por enquanto", em se tratando de Cunha. É só o que se pode afirmar com certeza.


Andrea Metne Arnaut  andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo


*

INCOERÊNCIA OU MEDO?


Se a Procuradoria-Geral da República (PGR) resolveu suspender a delação premiada do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, que está preso em Curitiba, pelo fato de que era "o chefe de uma organização e não fazia sentido dar qualquer tipo de benefício ao cabeça do grupo", por que então não tiveram a mesma atitude junto ao delator mentiroso e omisso, Joesley Batista, deixando-o livre e solto? Será que o procurador-geral, Rodrigo Janot é incoerente ou está mesmo é com medo das consequências?


Júlio Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

GRANDES NEGÓCIOS DAS DELAÇÕES


Sem dúvida, a lei das delações premiadas trouxe um avanço para a punibilidade da corrupção no País. Entretanto, ficou também comprovado que as delações precisam ser muito bem equacionadas e elaboradas, porque podem trazer somente vantagens para os delatores, como é o caso de Joesley e Wesley Batista, cujas delações trouxeram muito pouco para o Direito Penal e para o extermínio da corrupção e muito em proveito dos delatores, porque vivem de lá para cá, saltitando como pássaros livres. Aliás, em outras palavras e situação, assim deve pensar o procurador federal Ivan Marx, que encontrou inúmeros senões quanto aos Batista e ao BNDES. E em nome do interesse coletivo e dos bens e propriedades do Estado, muitas delações não poderiam ser objeto de pente fino, como até já salientou nesse sentido a futura titular da PGR, Raquel Dodge?


José Carlos de Carvalho Carneiro

Rio Claro


*

JOESLEY OCULTOU CRIMES


Como o maior corruptor da história desta República, Joesley Batista, dono da JBS, que pagou propina para 1.829 políticos, e mesmo assim o nosso Judiciário em troca de uma delação fajuta, e inconsistente lhe concedeu imunidade penal, agora o procurador Ivan Mars diz que Joesley ocultou crimes praticados no BNDES.  Mars, que é responsável pela Operação Bullish, que investiga negócios do banco de fomento com o frigorífico, diz que pretende cobrar da empresa mais R$ 1 bilhão como prejuízo ao erário por fraudes bilionárias, como demonstradas nas investigações!  Já que, na perdulária era petista o Grupo J&F, que controla a JBS, recebeu do BNDES aporte histórico de R$ 10,63 bilhões... E que por essas benesses de pai para filho, conforme sua delação, pagou propina milionária ao PT.   Sobre esta questão, o procurador Ivan Mars cobra de Joesley provas que até hoje não entregou dos US$ 150 milhões, ou R$ 480 milhões, depositados no exterior como propina para Dilma e Lula...  Será que, com tantas evidências de crimes praticados por Joesley e seus diretores, estes ainda vão continuar impunes?!


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*

QUESTÃO DE TERRITORIALIDADE?


A quem interessa a decisão de tirar da Justiça do Paraná e das mãos do juiz Sergio Moro o foro para julgar o conteúdo das revelações dos delatores da JBS, alegando-se competência de territorialidade? Se os mais de 240 crimes cometidos pelos irmãos Batista atingiu o País como um todo, porque agora essa questão geográfica, que tira de um dos poucos juízes que fazem Justiça nesse país a competência para julgar crimes da mais alta gravidade? Enquanto isso, a defesa de Lula agradece a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF).


Paulo Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo


*

SUPREMO


Quando será que a segunda turma do STF vai seguir os ditames da Justiça e não os da política? O ministro Luiz Edson Fachin virou figurante.


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

MUDA, BRASIL!


Que nestes tempos bicudos em que o País enfrenta a mais aguda e severa crise política, econômica, moral e ética de sua história, que a frase da ministra Carmen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, sirva de guia e mote à Nação: "Quero mudar o Brasil, não quero me mudar do Brasil".


J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

CORPORATIVISTO


Acorda Brasil! Enquanto os deputados e os senadores, provavelmente os envolvidos em roubalheiras dos cofres públicos, estão tentando emplacar R$ 3,6 bilhões num tal Fundo Especial de Financiamento da Democracia (FFD) para garantir suas reeleições, a Polícia Federal, o Ministério Público Federal, as Forças Armadas e a Operação Lava Jato sofrem com falta de verba. Precisamos nos unir, para dar um basta ao Poder Legislativo da República, responsável por tudo de ruim que está acontecendo na vida do povo brasileiro. Precisamos dar um basta nesse Congresso de predominância paternalista e corporativista.


Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)


*

A GOTA D’ÁGUA


Os nada impolutos congressistas (sic) não podem nos impor uma conta de R$ 3,6 bilhões para financiamento de suas "carreiras" políticas, na qual estamos longe de ser representados. E partido político é uma entidade privada (entenda-se no duplo sentido) e, como tal, deve se sustentar. É a gota d'água. Não dá mais. Vamos protestar geral e colocar esse pessoal na rua nas próximas eleições!


Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto


*

DE OLHO NO VOTO


Parte de nossos já desacreditados parlamentares "trabalham" para aprovar lei que doações para que as próximas eleições sejam efetuadas  por doadores ocultos. Será que essa gente não desiste de governar em causa própria?


Virgílio Melhado Passoni  mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)


VICENTE CÂNDIDO E A REFORMA POLÍTICA


O duro nem é ver o deputado Vicente Cândido, do PT-SP, partido envolvido até além da alma em corrupção, à frente da Reforma Política, que cada vez mais vem nos deixando de boca aberta pela ousadia do parlamentar para salvar a corja corrupta do Congresso. O duro é ouvir o ministro do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, elogiando-o e apoiando!


Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo


*

DISTRITÃO


A imprensa e os "intelectuais" demonizam o Distritão. Tudo bem, mas que alternativa oferecem em curto prazo? Em geral, insinuam que só países do Terceiro Mundo o adotam (como se estivéssemos no 1.º!) e quase sempre omitem que seria um recurso de passagem para o sempre elogiado Distrital-misto. A mim parece que, numa primeira fase, já é melhor que o sistema atual e numa segunda (o misto), consolida a democracia representativa brasileira. Quanto a enfraquecer os atuais partidos políticos ao valorizar o parlamentar eleito, ótimo! A reforma completa extinguirá está multidão de partidos e assim teremos novos partidos capitaneados por representantes de fato e não gente como Lupi e outros que nem mandato têm, mas "governam" e alugam as suas siglas a quem der mais.


Roberto Viana Santos rovisa681@gmail.com

Salvador


*

POLÍTICOS E OPORTUNIDADE


Precisamos de um pacto entre os políticos da Câmara e do Senado. Chega de politicagem, precisamos que as reformas tímidas propostas pelo governo Temer sejam votadas e aprovadas. Está na hora de os nobres políticos ao invés de pensar sobre o que o País pode lhes dar pensar o que podem dar ao País.


José Roberto Iglesias rzeiglezias@gmail.com

São Paulo


*

FINANCIAMENTO PÚBLICO


Sobre financiamento público para campanha dos políticos, obviamente sou contra. Tem cabimento depois de tudo que pagamos a esses caras, ainda financiarmos suas campanhas? Ora, faça-me o favor, é querer fazer o Brasil de idiota.


Roberto Moreira da Silva rrbertoms@uol.com.br

São Paulo


*

LEGISLAR EM CAUSA PRÓPRIA


Se for aprovado o distritão, eu também vou legislar em causa própria. Vou justificar e não compareço. E espero que todos façam o mesmo.


Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo


*

SÓ VOTAR NÃO BASTA


O editorial “Só votar não basta” (A3) retrata lamentavelmente com perfeição a atual política brasileira O editorial é perfeito irretocável. Será que os nossos ínclitos parlamentares leram esse editorial? Se alguns deles leram, certamente as carapuças caíram sobre suas cabeças indo até seus pescoços. Ainda há uma esperança de que a maioria do Congresso crie vergonha e rejeite essa aberração proposta pela Comissão Especial, que aprovou essa monstruosidade.


José Carlos de Castro Rios jc.rios@globo.com

São Paulo


*

VOTO DISTRITAL JÁ


Caros leitores, não deixem de ler: "Tudo começa por acabar com a mentira", do jornalista Fernão Lara Mesquita (15/8, A2). É uma aula de como o eleitor inexperiente e iludido deve se manifestar e votar. E mais: o que arrebenta este país é a roubalheira automatizada pela lei.


Dorival Menezes Leal dorileal@uol.com.br

São Paulo


*

PESQUISA SOBRE DISTRITÃO E FUNDO PÚBLICO


Acabei de participar de uma enquete do UOL, em que as perguntas versam sobre fundo público e distritão. Até às 13h30 o placar era para de 64,81% contra e 30,53% a favor do distritão e para o fundo público 93,53% a favor e 5,4% contra. Ou seja, a população não quer, mas eles vão votar. Caberá então à sociedade dar o troco nas urnas, já que nenhum movimento que chama o povo às ruas tem a coragem de colocar em pauta esse acinte.


Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

SOU, MAS QUEM NÃO É?


Interessante, sempre que vemos fotos do governador Alckmin ao lado do prefeito João Doria quase dá para se imaginar aquilo que cada um está pensando do outro. E não parece coisa boa, não. Observe! Sem ironia, por favor!


Eleonora Samara eleonorsamara@bol.com.br

São Paulo


*

DORIA EM PALMAS


O prefeito Doria está viajando tanto como candidato a candidato que se esquece de que tem de administrar a Prefeitura. Não seria melhor fazer bem o “aqui agora”, que já seria uma boa publicidade? Afinal, trata-se da maior cidade do País e está precisando de um bom prefeito, que, em caso positivo, poderia ser um bom presidente.


Manoel Mendes de Brito mdebritovoni@gmail.com

Bertioga


*

ELEIÇÕES DE 2018


Os eleitores brasileiros não se iludam, os dois políticos estão mais unidos do que nunca para as próximas eleições presidenciais. Prefeito de São Paulo, gestor consagrado, político novo, viajando pelo País com meios próprios, angariando apoios, para ser a segunda opção do PSDB. Assistiremos no próximo ano Alckmin candidato, com apoio irrestrito de Doria, percorrendo o País para se tornar do nosso ilustre governador presidente da República.


Reinaldo Cammarosano tatocammarosano@hotmail.com

Santos


*

SEM PRESSA


Prefeito João Doria, “a pressa é inimiga da perfeição”. Não se deixe picar pela mosca azul. Termine o mandato que lhe foi conferido pelo povo. Eu também apostei no senhor. Não nos traia, faça sua história nesta cidade que confiou no seu “prefeitar”. Rudy Giuliani e Michael Bloomberg ficaram como prefeitos em Nova York e a transformaram, sei que o senhor se espelhou neles. São Paulo precisa da sua eficiência, mantenha sua palavra. Apoie o Alckmin que é um bom administrador com zero de carisma e mostre que, como apoiador, também consegue bater o Lulla, mostre o que se pode fazer com uma cidade que estava abandonada, trabalhe nela por quatro anos e aí sim concorra à Presidência. Você tem tempo para chegar lá. Veja o Serra que pulou de posto em posto, não terminou nada e perdeu o apoio do povo, apesar de ser um bom administrador.


Maria Cecília Centurion financeiro@imo.com.br

São Paulo


*

CONJECTURANDO


Já se percebe há algum tempo uma nítida falta de isenção nas matérias veiculadas pela Rede Globo de Comunicação (TV e Rádio) em tudo o que se refere a Temer e seu governo. A meta era apeá-lo do poder, e não conseguiram, a despeito da campanha feroz.  Agora o leque se abriu mais: tudo o que diga respeito a Alckmin e Doria passou a ter um destaque negativo e repetitivo na área jornalística, como quem inocula um veneno a conta-gotas. Seja um posto de Saúde assoberbado de pacientes, seja um buraco numa rua de São Paulo. Desta forma, a Globo busca desconstruir a imagem de bons gestores que os dois têm em São Paulo. É uma propaganda eleitoral antecipada e negativa.


Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo


*

BURACOS EM SÃO PAULO


Depois de 18 meses no Juizado de Pequenas Causas, a Comgás me reembolsou R$ 3.700 por defeito causado por buraco feito e mal reparado no pneu e na roda de meu carro. Devemos todos cobrar a Prefeitura pelos prejuízos que nos causa pelo uso indevido do IPTU e de outros impostos que pagamos. O prefeito Doria, que foi eleito com os votos do cidadão paulistano, deixa a maior cidade do País esburacada, imunda e só se dedica à ambição de ser presidente da República, antes de mostrar qualquer sucesso na maior cidade do País.


Paulo Ruas pstreets@terra.com.br

São Paulo


*

CONSERTO DE VIATURA


Foi com uma combinação de indignação e espanto que li a notícia "Morador paga até por conserto de viatura em SP" (11/8), de Felipe Resk e Marco Antonio Carvalho, no “Estadão”. Creio que a situação, em que moradores se veem na obrigação de ajudar a Polícia Militar a troco de garantir a patrulha pelo bairro, é verdadeiramente absurda e revoltante. Que fique claro que não culpo os moradores e muito menos a polícia, por essa situação. Por parte da população, a decisão de oferecer ou não ajuda, em um contexto de uma área violenta, é questão de bom senso. E onde está a tal da verba pública específica para custeio, manutenção, reformas e zeladoria das instalações e veículos da PM? Vale ressaltar que a via citada na notícia serve de "rota de fuga" para assaltantes das favelas de Paraisópolis e do Real Parque, tornando a presença da PM e a satisfação às suas respectivas necessidades de manutenção, imprescindíveis.


Luiza Canaparo Nicolellis lcnicolellis@aluno.crb.g12.br

São Paulo


*

MESMOS OBJETIVOS COM MANEIRAS DIFERENTES


Lula condena a ameaça de Donald Trump à Venezuela e faz um comentário a respeito: "que seu Trump precisa aprender de uma vez por todas que a gente não resolve conflitos políticos com armas". Concordamos, porém isso deveria ser dito ao seu 'cumpanheiro' Nicolas Maduro, para evitar outros massacres como o que assassinou várias pessoas que protestavam contra o governo.


Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo


*

TRUMP NÃO TERMINA MANDATO


Que os cidadãos norte-americanos denominados supremacistas são imorais e racistas, para dizer o mínimo, isso ninguém tem dúvidas. O que é trágico e infelizmente cômico é a atribuição, por parte do presidente trapalhão Donald Trump, do início dos distúrbios de rua aos extremistas de esquerda. Lembra bem a justificativa de Hitler para invadir a Polônia em 1939, alegando terem sido os poloneses os agressores, dando início à Segunda Guerra Mundial. Estratégias diversionistas são típicas da extrema-direita. Trump não termina o mandato.


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

CRISE NO RIO


A grande crise que vive o Rio de Janeiro tem como causas a corrupção e violência urbana, ambas ligadas de forma siamesa. A esperança que a conscientização de que o combate a essas duas antiéticas realidades, que agora começa a se concretizar entre nossas lideranças, certamente poderá dar solução a tragédia fluminense. Que assim seja.


José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro


*

TRANSPORTE DE PRESOS


Causa indignação o carnaval promovido pela Secretaria de Administração Penitenciária com os cada vez mais frequentes deslocamentos de presidiários, com buzinas e sirenes soando com estridência, prejudicando o trânsito e sempre comboiados por viatura da Polícia Militar, que deveria estar cuidando da Segurança Pública. O desperdício é patente pela utilização de veículos especiais, evidentemente caros, além de combustível e manutenção, com emprego de mão de obra, que poderia estar cuidando dos presídios. A Justiça, a começar pelo STF, parece estar no início do século passado.  Alguém deve informá-la que já existe videoconferência.


Savério Cristófaro  scristofaro@uol.com.br

Santo André


*

ONDE MORA O PERIGO


Barcelona contabiliza pelo menos 13 mortos e 80 feridos. "Se não tiver facas ou pistolas, use o seu veículo como arma" - instrução do Estado Islâmico (ISIS) a seus seguidores. E este método também foi copiado na Virgínia por um supremacista branco. Como evitar isso? Não dá para verificar cada carro. Mas há sim um ponto em comum entre um terrorista islâmico e um neonazista americano: intolerância a ponto de gerar um ódio assassino. É aí que mora o perigo!


Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo


*

ATENTADO EM BARCELONA


Abominável o atentado em Barcelona. Barbárie. Mais de 90 vítimas. Mencionamos também os anuais 60 mil homicídios no Brasil, os milhões de perseguidos no Oriente Médio, os imigrantes que se afogam no Mediterrâneo e tantas outras vítimas que, diariamente, reiteradamente, desafiam a razão e o bom-senso desse nosso Planeta que, mecanicamente, reluta em alterar os padrões de valor e de relacionamento das sociedades globais, umas, muito ricas, outras, muito pobres. Até quando o “final do túnel” irá recuar ainda, antes que não tenhamos mais qualquer saída?


Marcelo Gomes Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.