Fórum dos leitores

.

O Estado de S.Paulo

20 Agosto 2017 | 03h00

2018

Rumo ao desconhecido

O eleitor brasileiro ainda não sabe como votará nas próximas eleições. Depois das descobertas de custeio das campanhas por meio de fraudes em licitações da Petrobrás e de outros órgãos públicos, chegamos ao ponto em que as empresas foram impedidas de doar recursos para o processo eleitoral. Com isso, evita-se que a corrupção continue, mas, por outro lado, partidos e candidatos ficaram sem ter de quem arrecadar o dinheiro de que precisam. A reforma política que estabelece o custeio público das campanhas é impopular e tem tudo para empacar no Congresso Nacional, embora seus integrantes tenham pressa. Do outro lado, Lula, João Doria, Jair Bolsonaro e outros já começam a fazer campanha antecipada para a Presidência da República. Há o risco de a reforma política e a campanha antes do tempo impedirem que o Parlamento aprecie as questões do dia a dia do País. Os congressistas e o presidente Temer precisam se lembrar de que, antes de fazer as eleições do próximo ano, é preciso cumprir os deveres de hoje. Do contrário, a crise só tende a se agravar.

DIRCEU CARDOSO GONÇALVES

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

REFORMA POLÍTICA

Analogia

Imaginem um empresário que, ao desejar desenvolver seu negócio, em vez de captar os recursos necessários para tal via financiamentos legais, a serem amortizados pelo seu trabalho, ou mesmo de lançar mão de economias próprias, acumuladas ao longo do tempo, resolve partir para uma solução ousada que consiste em diminuir os salários de seus funcionários e usar o produto dessa rapina a fundo perdido em investimento, o que resultará, em última análise, no aumento de sua fortuna pessoal. Essa é mais ou menos a lógica do polpudo fundo eleitoral pelo qual pugnam hoje os nossos “representantes” no Congresso Nacional.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

Desmentido

No momento em que o País passa pela pior crise econômica e moral de todos os tempos, é um escárnio que o plenário da Câmara tenha a cara de pau de votar um fundo de bilhões para as eleições, com dinheiro público. A cada passo que dá, nosso Congresso desmente o excelentíssimo deputado Tiririca, pois pior eles sempre conseguem fazer com que fique.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Xepa

O único objetivo, até aqui, desta dita reforma política é esbulhar os recursos dos contribuintes com um fundo de bilhões para financiar campanhas eleitorais. O editorial do Estadão A xepa da reforma política (18/8, A3) define bem esta pouca-vergonha de proposta em curso: “Como se estivesse num fim de feira, quando se faz de tudo para convencer o freguês a levar uma mercadoria que ele não quer de jeito nenhum (...)”. É isso o que o deputado relator, Vicente Cândido (PT-SP), quer nos vender – e não está sozinho nesta empreitada. Mas, como o povo chiou, o deputado sugere, agora, reduzir o valor deste fundo de R$ 3,6 bilhões para R$ 2 bilhões, dizendo ser “razoável”. E o editorial está certo, “nenhum valor pode ser razoável”. O povo não pode ser obrigado a financiar uma campanha política, assim como não deveria existir o tal Fundo Partidário, que este ano consumirá R$ 819 milhões dos contribuintes. Esta reforma, como está, é um golpe da classe política.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Saída

Não são poucas as mágicas inventivas no Congresso para a manutenção dos atuais legisladores no cargo na próxima eleição. Distrito, distritão e distritinho, as sugestões de mudança são, na verdade, para que tudo continue igual. Portanto, diante dessas tentativas de ludibriar a sociedade, só vejo uma saída, por mais exagerada que possa parecer: não reeleger nenhum dos atuais parlamentares. Mesmo parecendo medida excessiva, prejudicando pouquíssimos, antes ela do que suportar os mesmos que não nos representam como deveriam. Higienizar o Parlamento será um bom recomeço para o País.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@gmail.com

São Paulo

Reeleição não

Como eleitor, adotarei um critério para escolha de deputados e senadores: é candidato a ser reeleito? Então não voto. Posso até eleger piores que os que estão lá, mas troco.

FELICIO TADEO ZAMBOM

financeiro@transmotor.com.br

São Paulo

Nada mudará

Virando as costas para a opinião pública mais uma vez, a classe política brasileira quer fazer um arremedo de reforma com a única finalidade de reeleger os mesmos políticos já no poder e manter o foro privilegiado. Em outra ponta, por meio de ação impetrada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – que tem interesse no alongamento máximo dos processos que correm na Justiça, em favor dos escritórios de advocacia –, surge no Supremo Tribunal Federal (STF) a ameaça de rever a decisão que hoje permite que um condenado em 2.ª instância já seja preso. O argumento é de que todos devem ser inocentes até prova em contrário. Voltará tudo a ser como antes, com um condenado levando anos, às vezes décadas, para ser preso – o que, em tese, seria o fim da Operação Lava Jato, que é o que muitos políticos no fundo querem? Pobre Brasil!

PAULO DE TARSO ABRÃO

ptabrao@uol.com.br

São Paulo

PREVIDÊNCIA ESTADUAL

Irresponsáveis

Se um adolescente escondesse de seus pais dívidas contraídas irresponsavelmente, o que indubitavelmente aconteceria um dia com ele? Precisaria enfrentar os pais, já que o jovem vive da renda deles. Foi isso o que fizeram nove Estados brasileiros (Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul). Esconderam R$ 30 bilhões de seu déficit previdenciário, um malabarismo contábil que “aparentemente” não nos interessa. Interessará no dia em que os bolsos do contribuinte terão de cobrir esse rombo, construído com o excesso de funcionalismo e de aposentados que recebem aposentadoria integral. Pensar que o presidente Temer, na reforma da Previdência, resolveu deixar que Estados e municípios fizessem suas próprias reformas... Será como dar um cartão de crédito sem limite a um adolescente irresponsável.

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

PODE SER O FIM DA LAVA JATO

 

Parte dos ministros do Supremo é a favor de rever uma decisão da própria Corte, que, em fevereiro de 2016, decidiu por 6 votos a 5, que as prisões serão decretadas após decisão em 2ª Instância. Assim deseja o relator da matéria Marco Aurélio de Mello e tem apoio também do ministro Celso de Mello. Se aprovado (o que a sociedade brasileira rejeita), é um passo para o fim dos ótimos resultados de enfrentamento contra a corrupção, como até aqui realizadas nas investigações da Lava Jato. Por exemplo, o Lula, em 2018, aos seus 71 anos de vida, pode ser condenado em 2.ª Instância e ser preso. Se esta revisão se confirmar derrubando decisão anterior, no mínimo levará mais uns 10 anos para conclusão final judicial de seu caso. E até lá provavelmente o Lula, livre e solto, vai desfrutar de seu luxuoso sítio em Atibaia, inclusive do seu triplex do Guarujá...  Ou exagero? Isso aqui é Brasil, gente boa!

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

JUSTIÇA PRA QUÊ?

 

Para que temos Justiça em Primeira e Segunda Instâncias? Se é para mandar bandido pra cadeia só depois de decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) ou Supremo Tribunal Federal (STF), vamos fechar tudo isso! Pelo menos economizamos essa montanha de dinheiro sendo gasta inutilmente com a Justiça. Podíamos aproveitar e mandar todos os processos para os ministros da segunda turma do STF. Assim se institucionaliza de vez a impunidade no nosso país, toda a bandidagem (não só a elite econômica e política) fica feliz e o restante vai de vez para Guarulhos.

 

Oscar Thompson OscarThompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

 

*

E AGORA?

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, que concedeu mais um habeas corpus controverso, deve estar incomodado. Mandou soltar o empresário corrupto Jacob Barata Filho, preso no Rio de Janeiro, que é padrinho de casamento de sua filha, cujo marido é sobrinho de sua mulher. Só que a alegria durou pouco. O juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal do Rio de Janeiro, encarregado da Lava Jato, expediu nova ordem de prisão. E agora, o final dever ser eletrizante! 

 

JúlioBrisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

LEI PARA TODOS

 

Parabéns à presidente do STF, Carmem Lúcia, por decidir enfrentar os irregulares salários do Judiciário. Os brasileiros agradecem.

 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

O LADO RUIM

 

Quando o Brasil está fazendo um grande esforço para recuperar as finanças destruídas pelos governos anteriores, sempre se depara com o “lado ruim brasileiro”, setores que não se importam se o País vai bem ou mal. Um deles é a Justiça que faz as leis para si mesma, garantindo abusos sem restrições legais. Grandes salários são dados nesse setor, que presta contas a si próprio. Assim, os juízes atingem salários acima de R$ 500 mil, repito, com as finanças do País “explodindo”. Na minha época não se fazia isso, chamava-se de antipatriotíssimo, coisa que os juízes não sabem mais o que se trata. Trabalham pouco e se importam apenas com seus bolsos. Não adianta, Carmem Lúcia, Conselho Nacional de Justiça (CNJ) acompanhar o Orçamento dos Tribunais. É mais uma daquelas medidas para a imprensa: não vai resolver, a Justiça “não respeita as leis”.  Nove governadores incultos e sem responsabilidade desobedeceram a Lei de Responsabilidade Fiscal. Outra vez, nada acontecerá com eles, pois certamente são amigos de juízes.

 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

 

*

TETO SALARIAL

 

O teto salarial é para ser respeitado por todos os servidores de todos os Poderes. Se não cumprem, estão praticando ilícitos, independentemente do cargo que ocupam, pois desrespeitam a Carta Magna da Nação brasileira.

                                                

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

 

*

SALÁRIOS DOS JUÍZES

 

O grande problema não é o salário do funcionalismo público, o que encarece absurdamente são os penduricalhos a eles. Em Mato Grosso o teto de  R$ 33,7 mil, que  deveria ser cumprido  pelos Três Poderes, foi sumariamente ultrapassado. 85 juízes receberam entre R$ 100 mil e R$ 503,9 mil em julho. Perdoem os senhores magistrados, mas preciso lhes perguntar: os senhores não sentem vergonha na cara nem coram seus rostos, quando assinam seus contracheques, principalmente  pelos  valores  exorbitantes, comparados  ao salário  mínimo brasileiro?

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

 

*

LÁ VEM AUMENTO DE IMPOSTOS

 

A OAB intimou judicialmente o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para que ele cumpra o seu dever e faça alguma coisa com o pedido de impeachment contra o presidente, Michel Temer, no caso do crime da mala de propina. Logo mais teremos novo aumento de impostos, quem sabe na conta de luz ou do gás, para que o presidente Temer obtenha os recursos necessários para subornar de novo todos os deputados, que certamente irão absolvê-lo novamente. Logo depois será a vez do procurador-geral da República apresentar nova denúncia contra Michel Temer, dessa vez por crimes de obstrução à Justiça e associação criminosa. Os deputados nunca ganharam tanto dinheiro de propina como estão ganhando na gestão de Michel Temer.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

AGORA VAI

 

Para estancar o dinheiro público que foi para o ralo e aquecer nossa economia, Michel Temer resolveu cortar R$ 10 do aumento que irá conceder ao salário mínimo.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

EM DEFESA DO OLIGOPÓLIO

 

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deveria se chamar “Cado”, ou seja, Conselho Administrativo em Defesa do Oligopólio. Agora aprovou a compra do Citi pelo Itaú-Unibanco. Os lucros dos “únicos” três grandes bancos privados no Brasil já são indecentes. Lucram nos bons tempos e surfam na crise. Aumentam as taxas de utilização sem aviso prévio ou qualquer controle. Repassaram todos os serviços para os clientes, tornando a operação para os idosos uma tortura. O Santander (espanhol) tem a sua maior fonte de renda no Brasil. Demorou alguns anos, mas aprendeu imitando os outros dois.

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

 

*

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

 

Se o Presidente Nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT) entende que são os trabalhadores que devem decidir qual valor da contribuição para os sindicatos, para que, então, governo precisa expedir Medida Provisória sobre o assunto?

 

Eliseu Prata eliseu.prata@gmail.com

Bertioga

 

*

CÂMERAS DE VIGILÂNCIA

 

Notícias dão conta de que finalmente começaram a ser instaladas câmeras de segurança no Palácio do Planalto, até mesmo no 3.º andar, onde fica o gabinete da Presidência. Diante dos últimos acontecimentos que abalaram o País, seria prudente e de bom alvitre que também fossem instaladas câmeras de vigilância no Palácio do Jaburu, especialmente no porão, onde fantasmas têm dado as caras. Vai que...

 

J.S. Decol  decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

DESILUSÃO

 

Um ex-presidente com a descoberta do pré-sal achou que tínhamos ganhado na  Mega Sena, só se for pra ele. Agora o presidente em exercício diz que colocaria o País nos trilhos. Mas pelo andar dos vagões é mais fácil cair da pinguela.

 

Moisés Goldstein  mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

OAB COBRA STF POR IMPEACHMENT

 

Seria melhor para o País que O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, a OAB, cobrasse do Congresso as 10 medidas contra a corrupção e se posicionasse junto ao STF pela prisão, após condenação, em segunda instância.

 

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

 

*

DUPLA PERSONALIDADE

 

Os nossos “nobres” parlamentares têm dupla personalidade. A primeira surge quando o assunto é de interesse próprio: são flexíveis e ágeis na votação, mesmo quando se trata de proposta esdrúxula, para não dizer indecente, como aquela de doações anônimas de recursos para campanhas eleitorais (leia-se, nova caixa dois). Predomina a segunda personalidade, quando o assunto é de interesse do Brasil, embora não renda votos diretamente: o estado calamitoso da saúde pública; a degradação do ensino público; a redução das vantagens do cargo de várias categorias e, acima de tudo, a reforma da Previdência. Neste caso, tudo é difícil, complicado e precisa de interminável negociação. Além de esvaziar a suposta reforma da Previdência de pontos importantes, vários parlamentares exigem, descaradamente, seus preços para votarem “sim”. Com corja desta, quem precisa de inimigos?

 

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

 

*

MUDANÇA DE NOME

 

Partidos estão cogitando mudar de nome: tirar o "P", etc. Que tal, ao invés de mudar de nome, mudar de lideranças, substituindo por outras as pessoas envolvidas com propina, Caixa 2 e toda sorte de falcatruas? Quem fizer isso, terá sucesso. Talvez nem precise do estratagema de esconder seus verdadeiros candidatos atrás das celebridades puxadoras de voto.

 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

 

*

DESRESPEITO

 

Mesmo aquele que um dia votou no PT esperando a proteção que esse partido daria a nós, trabalhadores, fique atento e saiba que você foi enganado. Veja o que os “pobres deputados e senadores” pensam. A todo momento são usadas duas palavras: “nós e eles”, mas, na verdade, não sabemos a quem se referem. Existe uma campanha terrível para que os atuais políticos não percam sua “boquinha no governo”. Aí não depende de partido, porque são todos iguais. Querem fazer mudanças para melhor, porém, melhor só para eles mesmos. Vejamos o deputado Vicente Cândido do PT, que propõe: a criação de um fundo partidário com doações sigilosas. Que um mesmo candidato possa participar da eleição a três cargos diferentes. Quem dará aval a esses crimes, nós ou eles?

 

Wilson Matiotta Loluvies loluvies@gmail.com

São Paulo

 

*

CIDADANIA

 

A fim de limitar o acúmulo de danos à Nação e à humanidade, nossos representantes deveriam: pressionar o Congresso pela rejeição das demandas da bancada ruralista, rejeitar os componentes da bancada ruralista nas eleições, empenhar-se pela instalação de uma CPI dos desflorestamentos no Congresso e se empenhar pelo estabelecimento de um processo jurídico análogo ao combate à corrupção - a Lava Jato - apela condenação dos crimes ambientais, que já estão tipificados. Por mais prementes que sejam, tais atitudes só acontecerão se encontrarem uma forte veiculação na imprensa e na mídia.

 

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

 

*

DISTRITÃO

 

Incrível a capacidade do político brasileiro em querer legislar em causa própria e de maneira complicada, para não ser entendido e, por fim, com o objetivo de manter quase tudo igual. A proposta do distritão misto, com a inclusão do voto de legenda, sendo distribuído pelos candidatos do partido, equivaleria a excluir o quociente eleitoral na atual distribuição das cadeiras, como efeito prático da mudança do sistema eleitoral. Candidatos com alta votação individual de partidos que lançam poucos candidatos e obtém alto índice de voto de legenda, mas sem atingir o quociente eleitoral, seriam eleitos. O resultado eleitoral teria muito pouca alteração, pois manteria a enorme fragmentação partidária do atual sistema de voto proporcional em lista aberta, com coligação partidária, que utiliza cada estado como único distrito eleitoral e que existe há 70 anos no Brasil.

 

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

 

*

ELEITORADO TUCANO

 

O PSDB quer resgatar o eleitorado tucano? Basta sair do governo Temer, ser absolutamente contra a corrupção e a operação abafa e assumir que nenhum dos condenados por corrupção em qualquer instância ou sob investigação da Lava Jato saia como candidato pelo partido. É simples! E se não for o PSDB, quem fizer isso merecerá o voto não só dos tucanos, mas dos que querem ver a coisa mudar.

 

Jorge A. Nurkin  jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

 

*

LULA EM CAMPANHA

 

O inescrupuloso chefão começou sua escalada de propaganda política pelo Nordeste. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deveria puni-lo, mas isto é outra conversa.    Em Salvador, tirando a militância que paga R$ 50 reais por cabeça, poucas pessoas pararam para vê-lo.   No aeroporto ele recebeu vaias e xingamentos merecidos.   Está começando a colher a podridão que semeou, não só por lá, mas por todo o País. Réu em seis processos, condenado em um, desta vez vai afundar na sujeira da fossa que cavou.

 

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

 

*

LULA DIZ QUE QUER SER IGUAL A MESSI

 

Creio que ele já chegou perto de Maradona, mas não pelo futebol...

 

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

 

*

 

APELANDO PARA O SANTO

 

Como mostra a foto do “Estadão”, vemos Lula sendo recebido em Salvador, onde lhe aplicaram um banho de pipocas. O 'cara' já está apelando pro santo, ainda é cedo né não?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

LULLA EM CARREATA!

 

Depois que Emílio Odebrecht, relatou que o ex-presidente Lulla não era de esquerda, e sim um “bom vivant”, quando vi a foto emblemática dele no “Estadão” (A8) em Salvador, numa cerimonia de descarrego, todo besuntado e com pipoca na cabeça, o que estaria ele pensando naquele momento? Com mais cinco processos respondendo na Lava Jato, já condenado a nove anos de prisão por corrupção, na tentativa de novamente ser eleito para se esconder atrás do “foro privilegiado”, seu pensamento deveria ser: “Quanto sacrifício para me livrar da cadeia. A que nível eu caí, quando no passado estive nos braços da nata mundial!” Participando de uma carreata durante 25 dias por várias cidades do Nordeste, longe do seu jatinho favorito, quanto sacrifício para, no fim, cair nos braços da Justiça! A figura ridícula de Lulla é tão pouco convincente que a fisionomia dele traduz o que vai na mente: “Que ódio, tudo isso por causa do Sergio Moro”!

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

VIDA DIFÍCIL

 

Longe do poder, o retirante está vendo como a vida é difícil. Acostumado a viajar de jatinhos, Lula está provando do próprio veneno, pois se disse que vai falar com as pessoas e falar olhando nos olhos delas é bom dizer a verdade. Os milhões de desempregados, o caos na economia, o assalto à Petrobrás e outros órgãos foram tão somente culpa de seu governo. Antes de usar a palavra golpe, deixe o eleitor lhe dizer na cara, Lula, que quem aplicou o golpe no País foi você, que está pagando milhões aos advogados para defendê-lo. Afinal, foi condenado a 9 anos e meio de prisão.   Não é só isso, Lula só fala em lugares previamente arranjados. Tem medo de andar no meio do povo sozinho. Dificilmente o povo vai engolir suas conversinhas fiadas. Você é o homem da Casa Grande tentando atrair a Senzala, que, sem dinheiro e sem emprego, está sentindo na pele como é difícil viver nesse caos.  Acabou para você, Lula, a máscara caiu! Vai cuidar da sua vida e responder à Justiça. Ela te espera.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

ATENTADO EM BARCELONA

 

Os atentados de autoria do Estado Islâmico são deploráveis e o mundo deve condená-los e prestar solidariedade aos catalães e aos espanhóis, em geral. O que não podemos nunca esquecer é que esse grupo terrorista abominável é fruto da invasão injustificável ao Iraque feita pelos EUA, com a desculpa de acabar com armas de destruição em massa nunca encontradas. O Estado Islâmico causa um número muito maior de vítimas entre os muçulmanos com atentados quase que diários e sem a devida repercussão da mídia, pois se tornaram banais. É necessário lembrar que também são os muçulmanos do exército do Iraque, curdos, integrantes do Hezbollah, da guarda iraniana os únicos que têm coragem de enfrentar os terroristas do Estado Islâmico em terra e, na verdade, os verdadeiros responsáveis pelo seu declínio e futuro debacle. Diante do exposto, é intolerável verificar que alguns espertalhões influenciem um grande número de alienados no sentido de promover a islamofobia, ao culpar  inocentes e livrar os verdadeiros culpados pela existência do Estado Islâmico, responsável por essas ações desumanas.

 

Wilson Haddad wilson.haddad@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.