Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 03h00

PROCURADORIA-GERAL

Esvaziando as gavetas

Dizem que quando uma pessoa está com os dias contados para sair de um emprego ela “já está esvaziando as gavetas”. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que deixa o cargo no dia 17 de setembro, encontrou no fundo de suas gavetas algumas flechas ainda não disparadas. Sarney, Jucá, Renan, Garibaldi e Raupp, todos peemedebistas, só agora foram denunciados pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em inquérito que investiga propinas em contratos da Transpetro. Fora a demora, alguma surpresa?

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

Cruzada legalista

Parece que o procurador-geral da República, depois de enviar a delação do operador financeiro Lúcio Funaro ao Supremo Tribunal Federal (STF), pretende usar essas informações para apresentar nova denúncia contra o presidente da República. Diante dessa hipótese, em minhas meditações eu penso: se esta cruzada legalista tivesse sido empreendida pelo senhor Janot durante o desgoverno petista, será que agora o País estaria atravessando o período difícil que enfrenta? Sua excelência despertou da anestesia somente agora, por quê? Estranho, não?

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

Se o ministro Edson Fachin tiver um mínimo de responsabilidade, vai dormir um pouco sobre a homologação da delação de Lúcio Funaro. Já perdemos a reforma da Previdência em razão da delação mal embasada dos “esleys”, e agora podemos perder a oportunidade das concessões por um capricho de Janot, que até hoje dorme em cima dos assuntos do PT.

CECILIA CENTURION

ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

Faltam poucos dias para o afastamento de Janot da PGR. Que ele dê aos mais de 13 milhões de brasileiros desempregados o direito de sonhar com um final de 2017 melhor, com a economia esboçando sinais de crescimento e gerando empregos. Não queremos mais denúncias mal fundamentadas contra o presidente da República. A primeira, apressada e pobre de elementos probatórios, custou caro à Nação e ao deficitário orçamento nacional. Que Janot deixe para sua sucessora cuidar do assunto com competência e isenção.

JOSÉ VARLESE FILHO

jvarlese@uol.com.br

Mairiporã

Até o último dia

Ao que parece, Janot já está com a denúncia contra Temer pronta, mas, como restam menos de 15 dias para o fim de seu mandato, penso que ele vai aguardar o máximo possível para apresentá-la. É como pôr fogo na casa e deixar para os outros apagarem. Essa atitude só mostra claramente a perseguição implacável do procurador contra o presidente e reforça ainda mais a declaração do ministro Gilmar Mendes de que Janot é o procurador-geral mais desqualificado que o Brasil já teve.

DANIEL DE JESUS GONÇALVES

al_amachado@yahoo.com.br

Paranavaí (PR)

POLÍTICA

O forno de Renan

Diante do novo indiciamento de Renan Calheiros pela Procuradoria-Geral da República, já autorizado pelo STF, o senador declarou tratar-se de “uma denúncia requentada”. Considerando os inúmeros inquéritos e indiciamentos que Renan sofre, realmente é requentada. O forno dele sempre esteve quente, só que, agora, a batata está assando.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

É muito joio

Está difícil de encontrar um ex nesta República que não esteja indiciado, denunciado e até condenado. Será possível encontrar um grão de trigo no meio de tanto joio? São ex-presidentes da República, do Senado, da Câmara, de empresas estatais, etc. É desanimador, principalmente levando em conta a morosidade da nossa “Justiça”. Eu, já octogenário, perdi a esperança.

ANTONIO C. GUIMARÃES

acguima36@hotmail.com

Curitiba

O prestativo Calheiros

“Renan pode ter todos os defeitos, agora o Renan me ajudou a governar esse país” (Lula, durante caravana pelo Nordeste). Se paga bem, que mal tem?

GUTO PACHECO

jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

A caravana

Uma boa oportunidade para Lula manter-se abraçado a Renan por 24 horas: resta saber se será em Curitiba ou na Papuda.

ARNALDO RAVACCI

arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

Então a tal “caravana” de Lula, junto com Gleisi e Dilma (meu Deus, que séquito!) não tem fins eleitoreiros? Alguém acredita nisso? Independentemente de sabermos se Lula poderá ou não ser candidato, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deveria fazer alguma coisa a respeito.

ALBERTO RAMON RIOS

alberto.rios@gmail.com

Cotia

CONGRESSO

Ao fundo do poço

Dilma Rousseff, poste de Lula, arruinou o País e o esfolou moral e economicamente com esquemas de corrupção e pedaladas fiscais. Foi substituída por Michel Temer, adorador da noite, quando costuma se encontrar com empresários mafiosos, e que conta com um lépido colaborador a carregar mala cheia de dinheiro. Temer viaja para a China e deixa em seu lugar Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente da Câmara que afirmou certa vez que a Casa não era um cartório carimbador de opiniões de parte da sociedade. O deputado André Fufuca (PP-MA), 28 anos, semblante de adolescente bem nascido, ex-integrante da tropa de choque de Eduardo Cunha, ocupa o lugar de Maia na liderança dos “representantes” dos que não precisam ser ouvidos. Futuca, futuca, que um dia se chega ao fundo do poço.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

‘Fufuquinha’

Quando achamos que nosso cenário político chegou ao fundo do poço nos deparamos com mais estripulias de nossos supostos “representantes”. Dá para imaginar que alguém tratado por “Fufuquinha” possa presidir a Câmara dos Deputados e conduzir votações como a da reforma política e a da nova taxa de juros do BNDES? Só rindo para não chorar!

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ELEIÇÃO SÓ EM 2018?


Antes de Temer cair, ele já terá derrubado o Brasil.


Wellington Martins am.wellington@hotmail.com

Bauru


*

DEMOCRACIA NO BRASIL


A ascensão de André Fufuca à Presidência da Câmara dos Deputados mostra que o Brasil não sabe respeitar a democracia, não ouve a voz do povo. O presidente da Câmara deveria ser o deputado eleito com o maior número de votos, seu suplente deveria ser o segundo mais votado, isso sim seria democracia. O Brasil está farto do desfile de nulidades, como Severino Cavalcante e André Fufuca, políticos inexpressivos, eleitos com votações insignificantes e que são ungidos por interesses políticos a cargos muito acima de sua pouca representatividade nacional. Que o Brasil imponha o exercício da democracia, respeitando os deputados eleitos com mais votos e tirando das mãos imundas dos partidos políticos a escolha do presidente da Câmara e do Senado.

        

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


*

É O QUE TEMOS PARA HOJE


Como Michel Temer resolveu ir à China deixando o País num momento delicado e tumultuado, assume a presidência do governo Federal, interinamente, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e, no seu lugar assume, também, interinamente a presidência o deputado André Fufuca, de 28 anos, conhecido como "Menudo do Maranhão" que, por sua vez, se refere a Temer como "Papi". Aliás, é Fufuca quem vai "comandar" as lamentáveis propostas da reforma política. É o que temos para hoje. Salve-se, Brasil!


Júlio Brisola  jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

OLHO GRANDE NÃO ENTRA NA CHINA


Temer está de olho grande nos investimentos da terra de Confúcio. É evidente que o presidente do Brasil terá sucesso nessa visita, mas também é certo que os chineses deverão tirar partido da situação político-econômica de Temer, aproveitando da atual fragilidade do Brasil para negócios internacionais. Na comitiva constam três deputados que atuaram na infantaria do Congresso que impediu o presidente de sofrer processo por corrupção. Na volta deve abrir bem o olho, porque uma nova denúncia de Janot está a caminho.


Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)


*

VIAGEM À CHINA


O Brasil deve ser o único país presidencialista que é contra a separação de Poderes, aprovada em Referendo (1963) e Plebiscito (1993), mas quando o presidente da República viaja como chefe de Estado, permanece um presidente em exercício como chefe de governo. As duas funções podem ser exercidas separadamente, tanto aqui como na China.


Luiz Roberto da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas


*

PRESIDENTE NA CHINA


A viagem do presidente da República para o exterior, coloca no seu lugar um deputado federal, atual presidente da Câmara. Mas o seu substituto também viajou e deixa em seu posto um deputado  desconhecido, o maranhense  Fufuca, que assume num momento de grandes riscos, com a tramitação de projeto relativo à política eleitoral. Pelo visto, para alguns, posicionamento significa um voto a mais ou a menos. A que ponto chegamos em termos de respeito à população, sobre quem escolhe a pessoa que deve ocupar cargos de direção.


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

DEPUTADO FUFUCA


A Câmara dos Deputados está "fufucando" o povo com vara curta.


Luiz Gonzaga Tressoldi Saraiva Nlgtsaraiva@gmail.com

São Paulo


*

DINHEIRO INDO PARA O RALO


A colunista Eliane Cantanhêde tem razão em sua preocupação com as despesas dos municípios. Na Constituição de 88 havia cerca de 2.500 municípios e, usando uma ação entre amigos, esse número cresceu para 5.600. Contrataram-se cerca de 3 milhões de funcionários e o papel desenhado pelos Constituintes de dar educação e saúde aos habitantes se tornou, com raras exceções, somente um ralo por onde corre o dinheiro público. Além disso, a Constituição cometeu um erro grave atribuindo aos municípios o imposto sobre serviços, que abre a possibilidade de surgirem mais de cinco mil regulamentos nessa barafunda fiscal que é nosso país. Esses erros gravíssimos serão o ônus para as futuras gerações, porque quem irá querer largar a sua teta?


Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo


*

A FARRA DOS VEREADORES      


As Câmaras Municipais, com raríssimas exceções, são verdadeiras "escolas fisiológicas", que capacitam os políticos neófitos a galgarem o pódio chamado Brasília, onde o político, como norma, alcança finalmente o seu projeto de vida, ou seja, o enriquecimento.


Oswaldo Baptista Pereira Filho oswaldocps@terra.com.br

Campinas


*

FLECHADAS A CAMINHO EM BREVE


No fim de carreira e a menos de três semanas para deixar o cargo, o procurador-geral da República continua firme em sua obsessão de depor Michel Temer do cargo, não obstante aos 1.898 políticos citados por vários delatores. Após sua derrota, quando a Câmara dos Deputados inocentou o presidente das imputações a ele atribuídas pela PGR por corrupção, agora Janot tenta unificar as delações de Joesley Batista e de Funaro, para embasar a denúncia contra Temer por obstrução de Justiça e corrupção. Ele se esquece das inúmeras denúncias que dormem em sua gaveta contra Lula Dilma e Mantega, citados por Joesley por crimes gravíssimos envolvendo quantias astronômicas de dinheiro roubado do povo brasileiro, esses, sim, os verdadeiros protagonistas deste Estado de penúria que vive a economia do País, com o desemprego batendo na casa dos 14 milhões. Alheio aos esforços que o governo Temer vem obtendo na economia e setores vitais até então no vermelho, como as estatais, entre elas a Eletrobrás, que tiverem o valor de suas ações duplicadas no mercado, além do controle da inflação, o que importa ao procurador é realizar sua grande obra nos poucos dias que ainda lhe restam, apeando o presidente do cargo, não importando o alto custo que isso teria ao País com a instabilidade politica e econômica que se criaria, caso seu desejo viesse a se concretizar. As flechas que prometeu usar até o fim de seu mandato podem ter sua trajetória invertida, quando a nova procuradora assumir o cargo e constatar por que os maiores responsáveis pelo desarranjo de quase todos os setores vitais para o País ficaram livres da flechadas de Janot. Seja bem-vinda, Raquel Dodge!


Paulo R Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo


*

JANOT SENDO JANOT ATÉ O FIM


Ao querer atingir Temer com suas flechas de bambu, Janot se esquece de que atinge toda população brasileira, mesmo aqueles que não gostam de Temer, mas que serão igualmente afetados ainda que não se deem conta. Janot atua vergonhosamente de forma ideológica, criando demandas jurídicas que atrapalham a Economia. Quer sair causando danos ao governo para, evidentemente, pavimentar o caminho de volta da famigerada esquerda, que só destruição causou ao País.  Não se conforma com o sucesso que Temer vem obtendo com sua política econômica. A todo custo, ainda que nos estertores de seu mandato, ainda tenta conter os avanços que estão gerando empregos, cortando juros, diminuindo drasticamente a inflação, reformulando as relações trabalhistas, coisa que o PT jamais conseguiu em seus quase 14 anos de roubalheira, desvarios e desgoverno. Agora, para o 'Grand finale', Janot vem com uma nova denúncia já batida contra Temer de obstrução de Justiça e corrupção passiva.  Mas não relou um dedo ou mirou nenhuma de suas flechas em direção a Lula nem Dilma e muito menos em Mantega, citados por Joesley por crimes gravíssimos de vultosas quantias de dinheiro roubado do povo  brasileiro. Estes malditos ladrões que tantos danos causaram ao País nem sequer foram denunciados  por esse perseguidor geral da República. E faz todo este mal sem nenhum constrangimento, como se seus ímpetos e vontades ou interesses pessoais fossem a única coisa que lhe importasse, mesmo que o Brasil se arrebente. Vá de retro, sr. Perseguidor, e que um dia pague pelo mal que nos causou. Suas flechas de bambu podem ter-nos ferido, mas quem sairá desmoralizado será V. Excia. Seja bem-vinda, Raquel Dodge!

       

Eliana França Leme efleme@gmail.com

Campinas


*

SUPERSALÁRIOS DOS JUÍZES


O desembargador enrolou a Monica Waldvogel no programa de 29/8 na Globonews ao tentar justificar as verbas indenizatórias como legítimas.  Ela se esqueceu de argumentar sobre o absurdo dos 60 dias de férias anuais, dos 45 dias de recessos forenses e as inúmeras mordomias, como automóveis, motoristas, dezenas de assessores e viagens pagas pelo Erário. Enquanto 90% dos trabalhadores mal recebem a média de 2 a 3 salários mínimos.


Arthur M. Mazzini arthur@mellomazzini.com.br

Vinhedo


*

SALÁRIO DO JUDICIÁRIO


Li o comentário de um leitor que dizia que o salário de um técnico judiciário era da ordem de mais de R$ 40 mil. Sou técnico judiciário da Justiça Estadual e recebo o líquido de R$ 2.600  mensais, sem reajuste há quatro anos.


Felipe Almeida felipe_faa2012@icloud.com

São Paulo


*

MANCHETE


Muito estranha a principal manchete do “Estadão” de ontem: "STF recebe delação de Funaro; Temer afirma que vai 'resistir'". Do jeito que está o leitor tem a impressão que a delação se dirige exatamente (e somente) a Temer. No entanto, um caso deve ser tratado independentemente do outro. Estaria o jornal em complô contra o presidente?


Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com

Cunha


*

TETO SALARIAL


Legal este teto salarial dos juízes do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), hein? Mas é totalmente imoral! - sobre matéria: “Salários de juízes estão ‘dentro do teto legal’ e ‘sem penduricalhos’, diz TJ paulista”.


José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul


*

EVIDÊNCIA


Gilmar Mendes: "Nós admitimos que se permitiria a prisão a partir da decisão de segundo grau. Mas não dissemos que elas fossem obrigatórias". Ministro, recursos também são permitidos e não são obrigatórios. Encontre algum acusado rico e poderoso que não use os melhores advogados para usar todos os recursos até a prescrição dos crimes.


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

MORO E GILMAR


Para dar um puxão de orelha desse nível, Moro deixa claro que algumas instituições estão deixando a desejar, sobre a manchete de 28/8 no “Estadão”.


Maria Lucia Ruhnke Jorge mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba


*

ESQUERDA & GILMAR MENDES


A diferença entre a esquerda e o Gilmar Mendes é que os comunistas adoram bandidos pobres, porque eles são os "vingadores" da sociedade injusta. Mas Gilmar Mendes adora bandidos ricos, porque eles enriquecem os advogados!


Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

    

*

FATO


Sem dúvida nenhuma a democracia é o único caminho! Agora, do “Plante que o João garante” até o “Prende que o Gilmar solta”, revisando tudo o que fizeram com o Brasil neste período, só desordem e regresso!


Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

São Paulo


*

COERÊNCIA NAS DECISÕES


Em expressiva entrevista exclusiva ao “Estado”, o juiz Sergio Moro foi enfático: "Gilmar não deveria soltar preso de 2ª Instância". Com relação à mudança de entendimento do ministro Gilmar Mendes e do Supremo Tribunal Federal (STF), em nova apreciação do caso, ouso clamar ao ministro Alexandre de Moraes que se mantenha coerente e que confirme o voto favorável do saudoso ministro Teori Zavascki e, principalmente, à ministra Rosa Maria Weber que reformule o seu voto contrário até em respeito e gratidão ao juiz Sergio Moro. Permito-me lembrar que, em maio de 2012,  na época do "Mensalão do PT", Rosa Maria Weber, egressa da Justiça do Trabalho, foi empossada como ministra do STF e como não tinha suficiente experiência na área criminal recrutou como assistente o juiz Sergio Moro, da 2a. Vara Criminal de Curitiba, notabilizado por combater acusados de lavagem de dinheiro, sobretudo em operações como Banestado e Farol da Colina. O implacável e competente juiz Sergio Moro foi essencial na formulação dos votos da ministra Rosa Maria Weber na esfera criminal. Ministra, por que não agora?


Junios Paes Leme junios.paesleme@outlook.com

Santos


*

COMPRAR INOCÊNCIA


Deveríamos nos sentir ofendidos em ver que querem acabar com o poder de um dos únicos meios de defesa do povo. A Laja Jato está nos mostrando que a Justiça pode ser rápida, restringindo a liberdade do acusado em Segunda Instância, porém, não determina que, mesmo estando preso, não possa recorrer para provar sua suposta inocência. Culpado duas vezes não pode ficar livre e comprar (do verbo comprar) inocência em infindáveis julgamentos. Sou leigo em leis, mas sei o que é a Justiça em nosso pobre Brasil.


Wilson Matiotta Loluvies loluvies@gmail.com

São Paulo


*

ESTRATÉGIA SURRADA


Presidente do partido que "não rouba e, não deixa roubar", a nobre senadora Gleisi Hoffman, prestou depoimento (ao lado seu marido, o conhecido Paulo Bernardo) no âmbito da ação penal, da operação Lava Jato. Como seus companheiros, usa a surrada estratégia: "Perseguição política, não há provas". Exige ser julgada, dentro do processo legal, não pelo clamor popular. Fique tranquila, senadora, fosse, pelo clamor das ruas, Vossa Excelência estaria na Papuda. Portanto, muita calma nessa hora, sua vez chegou!


José Perin Garcia jperin@uol.com.br

Santo André 


*

O BRASIL TEM SALVAÇÃO


Fabio Alves (30/8, B6) ensina como o Brasil pode ser salvo: aprovação urgente de medidas impopulares. Como nossos congressistas fariam isso? Simples, basta Lula ser condenado em Segunda Instância! Sem o temor do seu populismo em 2018, nossos nobres representantes não temerão perder nas urnas com a aprovação das medidas. Eureca! Solução simples e elegante. TRF de Porto Alegre: o destino de nosso sofrido e amado Brasil está em suas mãos!


Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo


*

IGNORÂNCIA SAI CARO


O Brasil é tão atrasado, falta cultura de verdade, não desses artistas petistas, eu digo,  cultura mesmo,  informação...  Os governos se aproveitam dessa desinformação, os “painhos”, como sempre ditadores, criadores de inimigos do povo, sempre culpando as "elites" e rapelando todo o dinheiro, ficando bilionários.  Desde Getúlio Vargas até FHC, Lula foi o pior painho até hoje com sua companheira, Dilma. Finalmente o Brasil está privatizando tudo, assim teremos ao menos chance de a corrupção diminuir.


Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo


*

LULA EM CAMPANHA


O Brasil, em especial a Justiça assiste calada ao ataque do condenado. Em tournée pelo Nordeste, precisamente na Paraíba, o retirante Lula desafiou as instituições e os responsáveis pela Lava Jato. Causa estranheza alguém condenado a 9 anos e meio de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção estar tão indignado. Primeiro porque a condenação não se trata em comício, diga-se de passagem, ilegal, e, segundo, porque esse cidadão não respeita ninguém. Chamou o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de ingrato, pois não soube agradecer sua indicação à PGR, porque aceitou um pedido de investigação da LILS. Depois desse ataque o procurador se recolheu, mirou suas flechas em outra direção. Lula também não poupou o STF, o STJ e o Congresso, quando os chamou de acovardados em março de 2016. Daí para os dias atuais chama de canalhas quem trabalha para moralizar o Brasil e ameaça os Poderes. Faltou no seu discurso a verdade, a Petrobrás valia R$ 380 bilhões em 2010, corrigidos em valores atuais, R$ 608 bilhões. Em 2015 chegou valendo R$ 101,3 bilhões.  Sobre essa perda nenhuma palavra. O cidadão que paga essa conta espera que a Justiça cumpra seu papel. Ou cumpra-se a lei ou abram as portas das prisões. Essa demonstração de desrespeito desse senhor é uma afronta.  Inaceitável conviver com tanta falta de respeito às leis, cujos executores fazem ouvidos de mercador. Até quando?


Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*          

EXÉRCITO BRASILEIRO


O Exército brasileiro chegou a ter um efetivo de 1.200 militares na missão de paz no Haiti, durante esses últimos quinze anos. Pelo fato de se cogitar recolher a tropa, a população haitiana demonstra grande preocupação, com medo do aumento da criminalidade. Que tal designá-los para auxiliar o Rio de Janeiro e os demais Estados que estão na mesma situação caótica?


Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.b

São Paulo


*

ACORDO COM O IRÃ


O presidente iraniano nega à Agência Internacional de Energia Atômica o direito de inspeção a certos locais militares do Irã, conforme solicitado pelos EUA. Só inspecionar onde o Irã permite e não onde o Irã não permite não adianta absolutamente para nada. Basta Teerã mudar o endereço de suas atividades nucleares e não permitir que se inspecione por lá. Se o modelo de inspeção se mostrar capenga, a alternativa será a eliminação completa das atividades nucleares. E colocar o acordo negociado no cesto de lixo. Isto também servirá de modelo ao que se pretende negociar com a Coreia do Norte.


Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo


*


SOS RIO DE JANEIRO


A propósito da "guerra civil” no Rio de Janeiro, onde mais de 100 (!) policiais militares foram mortos neste ano - 3 por semana ou um a cada 57 horas -, cabe, por oportuno, destacar as palavras da cabo Flávia Louzada, criadora da ONG A Vida do Policial é Sagrada como Toda Vida: “Costumam dizer que a polícia é o braço armado do Estado. Na verdade, somos o braço amputado do Estado, porque ele nos virou as costas. A PM está sucateada". Outra declaração, de um PM que não quer ser identificado: “O Estado virou as costas para a gente e a sociedade também. As viaturas não têm condições de circular e tem colega que leva para consertar e paga do próprio bolso. O armamento também não tem manutenção. Já aconteceu de, no meio do tiroteio, meu fuzil dar defeito e o dos bandidos lá, funcionando. Dei o primeiro tiro e depois travou. Nestes casos, tem de pegar uma barra de ferro para bater nele, e ele volta a funcionar. Se o projétil ficar engasgado e você dá um tiro em cima do outro, a arma pode explodir. Quando reclamo no Batalhão, o superior diz: ‘Bem-vindo à PM do Rio, se vira aí!’ É isso: se não me viro, vou morrer. Saio para o trabalho com medo, volto com medo e tenho medo também na folga. Só relaxo quando estou dentro da minha casa. Este ano, perdi dois colegas, que estavam à paisana e foram reconhecidos como policiais." A que ponto chegamos! SOS Rio de Janeiro!


J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

HERANÇA PETISTA


O capixaba é vítima no Brasil da corrupção e do faz de conta que administra. A BR-101-ES com 475,9km, pedagiada desde 2013 pela Eco101, contratualmente a ser duplicada até 2023, decorridos quatro anos não tem nem sequer 1 km pronto; apenas maquiagens e pedágios reajustados.  Se tivéssemos governo vistoriando, multa, perda da concessão e uma nova licitação já teriam acontecido, onde acidentes mortais fazem parte do cotidiano.


Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.