Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2017 | 03h00

PASADENA

Condenação

O Tribunal de Contas da União (TCU) condenou o ex-presidente da Petrobrás José Sérgio Gabrielli e o ex-diretor Internacional da companhia Nestor Cerveró por dano ao erário no caso da compra da Refinaria de Pasadena. Para não passar batido, pergunto: a ex-presidente Dilma Rousseff vai ficar de boa nessa parada? Afinal, ela recomendou e aprovou a compra. Aí não, né?

JOSÉ PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

Santo André

Prejuízo milionário

O TCU condenou Gabrielli e Cerveró a ressarcirem cerca de R$ 250 milhões por dano ao erário na compra de Pasadena, no Texas (EUA). Vamos aguardar, agora, a análise da responsabilidade da ex-presidente Dilma Rousseff e de outros ex-integrantes do Conselho Administrativo da Petrobrás. Quais serão as penas de cada um naquela falcatrua que fez o Brasil perder quase US$ 800 milhões?

ARTUR TOPGIAN

topgian@terra.com.br

São Paulo

DILMA ROUSSEFF

1 ano após o impeachment

A ex-presidente Dilma deu a conhecer (31/8, A8) que recentemente teve a oportunidade de comprar o apartamento vizinho ao seu, em Porto Alegre, mas recusou a oferta por não dispor do R$ 1,2 mil da taxa de condomínio. Alega ela que vive da aposentadoria de R$ 5 mil, de investimentos e aluguéis de imóveis da família. Na mesma matéria, fica-se sabendo que no início de setembro ela volta à Europa para um giro por França, Bélgica, Itália e, talvez, Rússia. Viagem dispendiosa, sem dúvida. Será que ela se esqueceu de devolver o cartão corporativo?

MARIO HELVIO MIOTTO

mariohmiotto@gmail.com

Piracicaba

STF

A suspeição de Gilmar

Com a opinião pública criticando sua participação na concessão dos habeas corpus a Jacob Barata Filho, Gilmar Mendes se defende e ataca com unhas e dentes quem vê claros indícios de sua ligação com o empresário envolvido na corrupção no setor de transportes no Rio de Janeiro. Essa atitude do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) quase escancara seu imenso interesse pessoal nesta história. Seria muito mais fácil para ele sair do caso, deixando que outro ministro que nunca tenha sido padrinho de casamento da filha de Barata, que não tenha cunhado sócio nem tenha recebido flores do empresário faça um julgamento verdadeiramente isento e aceito por todos.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

AMAZÔNIA

Renca para quê?

O Estadão incorre no mesmo erro de artistas globais e outros meios de comunicação ao considerar que a Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca) é uma reserva ambiental. Não é. Trata-se de proibição de atividades legais de mineração numa vasta área amazônica, imposta autocraticamente em 1984, nos estertores do regime militar. Sua motivação foi proibir atividades de investimentos naquela vasta área por empresas estrangeiras e, de tabela, brasileiras também. A palavra “cobre” foi sacada não sabemos de onde, visto não haver nenhum conhecimento de minério de cobre na área, que é rica principalmente em ferro, ouro e titânio. Hoje somente garimpeiros trabalham naquela área, tranquilamente retirando ouro sem fiscalização, sem controle, poluindo o meio ambiente com mercúrio e sem pagar impostos. Abolida a Renca, à vasta área volta a ser aplicada a legislação mineral vigente no restante do País, que, de forma clara e consistente, preza, entre outras coisas, pela preservação ambiental.

WILSON SCARPELLI, geólogo

wiscar@terra.com .br

Cotia

CRISE NA COREIA

‘Ponto de inflexão’

O governo da China pronunciou esta semana que a crise na península coreana chegou a um “ponto de inflexão” após o disparo de um míssil pela Coreia do Norte que sobrevoou o território do Japão. Em sua declaração, a China pediu moderação a todas as partes envolvidas no conflito e reiterou seu pedido por negociações de paz na região. Analisando os fatos, acredito que não vai demorar muito para Kim Jong-un, líder norte-coreano, tomar a primeira bordoada e, então, abrir os olhos para ver onde está se metendo.

MARCEL FRISENE

marcelfrisene@hotmail.com

Ribeirão Preto

O vilão maior

A China já havia avisado que não apoiaria nenhuma intifada militar norte-coreana, mas ressalvou que, caso a Coreia do Norte seja atacada, vai defender o feudo comunista. Muito esperta, a China comanda a Coreia do Norte contra a Coreia do Sul e o Japão porque sabe que estes são aliados dos Estados Unidos. É como uma guerra fria. Assim, lançar mísseis por sobre o Japão não é atacar; mas, se o Japão se defender, então será ataque? De fato, disso só se pode concluir, de maneira clara e objetiva, que a China é o vilão maior por trás das loucuras do infeliz ditador norte-coreano.

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

SÃO PAULO

Semáforos quebrados

O cidadão paulistano é um sonhador por natureza – sempre vê um futuro promissor para a cidade, hoje porque está convencido de que elegeu um prefeito nota dez. Mas, quando lê no Estadão (30/8, A15) que um desembargador do Tribunal de Justiça suspendeu a licitação para manutenção dos semáforos da cidade, obrigando a Prefeitura a recorrer e impedindo que o problema se resolva, conclui que para tudo há um cabo de guerra, e o cidadão que se lixe.

JOSÉ MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

Ninguém se entende

Considero a Operação Lava Jato uma das poucas coisas boas que aconteceram no Brasil nos últimos anos e espero que continue investigando as ocorrências de corrupção passadas. Parece-me, no entanto, que precisamos de uma Lava Jato para investigar outras ocorrências atuais. O caso dos semáforos sem manutenção em São Paulo, por exemplo, está muito mal explicado. Pelo que leio a respeito, há muita gente querendo ganhar, mas ninguém se entende, inclusive o pessoal da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Enquanto isso todos nós, contribuintes, sofremos e ninguém é responsabilizado. Não foi isso que esperávamos do prefeito João Doria. Se ele tem algum plano para as próximas eleições, é bom agir logo.

JOSÉ CELIDÔNIO DE M. REIS

jcelid@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

AINDA A REFINARIA DE PASADENA


O Tribunal de Contas da União (TCU) condenou o ex-presidente da Petrobrás José Sérgio Gabrielli e o ex-diretor Nestor Cerveró a ressarcirem US$ 79 milhões por danos ao erário. Pelo que sabemos, o prejuízo na aquisição dessa refinaria foi da ordem de US$ 800 milhões, então quem vai ressarcir o restante e com certeza não temos somente esses dois indivíduos responsáveis por esta irresponsabilidade!  Como ficam a ex-presidente Dilma Rousseff e outras pessoas que aprovaram esta escandalosa negociata?


Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo


*

IMPEACHMENT FAZ 1 ANO


Não há como não comemorar! Há um ano conseguimos nos livrar da "presidenta inocenta", segundo os ainda saudosos da mais inepta pessoa que comandou o Brasil. Claro que não temos muito que comemorar, mas se pensarmos um pouco chegamos à conclusão de que, se a presidente petista não tivesse sido tirada do Planalto, estaríamos com uma recessão muito maior, assim como a inflação, pois o populismo no campo fiscal e econômico teria continuado forte. Estaríamos ainda com o Estado totalmente aparelhado por petistas e esquerdistas, que fariam de tudo para acabar com a Lava Jato. Temos hoje um quadro político grave, mas não estamos mais sob um jogo demagógico populista. Enfim, mesmo tendo Michel Temer na Presidência, vice de Dilma que foi eleito pelos que a elegeram, demos alguns passos para frente, enfrentando o caos econômico causado pela política sem sentido, pouco inteligente e destruidora do petismo, aprovando uma boa reforma trabalhista e a reforma do ensino. Pena que o governo atual não se dê ao trabalho de explicar isso para os cidadãos. Mas sem dúvida alguma temos o que comemorar. Afinal, não temos mais que ouvir as baboseiras que ela dizia.


Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo                                                                                         


*

ANIVERSÁRIO SEM PT


Um ano sem petralhas, oxalá que seja pela eternidade!


Ricardo C T Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo


*

É PIC!!!!


Um ano do impeachment de Dilma Rousseff. Parabéns para nós, nesta data querida, muitas felicidades!  É pic! É pic! Uhuuuuuuuu!


Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo


*

O QUE FAZER COM DILMA


O PT não sabe o que fazer com Dilma? Esqueçam-se dela! Ela foi o maior erro do PT desde a sua fundação! Sem considerar a própria fundação, com o Lula, é claro! Aproveitem e se esqueçam dele também! Aliás, aproveitem suas ideologias, que não eram ruins, e procurem um nome para mostrar que querem se esquecer, acima de tudo, do PT do Lula. Nessa fase de "renovação" nominal dos partidos, que tal Fênix? Quem sabe ressurjam das cinzas. Tchau, queridos!


Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

CARAVANA DE LULA


Alimentando a esperança de ascender mais uma vez à Presidência da República, o já condenado em 1ª Instância a quase 10 anos de prisão, Luiz Inácio Lula da Silva, em caravana pelos Estados do Nordeste, em discursos carregados de verborragia,  tenta se passar por vítima e mete o pau naqueles que o julgaram, segundo provas nos autos. Ele teve tempo de sobra para provar sua inocência, mas não conseguiu. E o que mais me impressiona é que tem gente que chora copiosamente ao vê-lo. Por favor, 2ª Instância, tenha piedade de nós!      


Jeovah Batista jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)


*

A CULPA SEMPRE É DO OUTRO


Lulla no seu périplo pelo Nordeste afirmou que os meninos da Lava Jato são responsáveis pela morte da ex-primeira dama Marisa Letícia. Sua arrogância, soberba e atrevimento não o deixam enxergar que, quem praticou os crimes de corrupção contra o País foi elle próprio e não os meninos da Lava Jato. Ora, elle chegou até mesmo a colocar a culpa pelo interesse na compra do triplex do Guarujá na esposa morta. Portanto, nada se deve esperar de Lulla, que precisa, mesmo, se tratar com urgência!


Júlio Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo                                                                                         


*

FIM DA IMPUNIDADE


De onde o senhor tirou a ideia de que o povo confunde o juiz Sergio Moro com um Salvador da Pátria, um perseguidor do PT? (“Da toga loquaz à política alienada”, Eugênio Bucci, 31/8, A2).  Ele fala fora dos autos, porque ainda tem liberdade para falar. Ainda não somos a Venezuela. Se caiu a aprovação, é sinal de que o fim da impunidade está assustando boa parte da população pesquisada. O povo também tem que temer a Justiça. 


Paulo Ribeiro pauloribeiro634@gmail.com

Cotia


*

FORÇA PARA RESISTIR


Quando o presidente Michel Temer diz que tem força para resistir às novas denúncias de corrupção, obstrução à Justiça e associação criminosa, quer dizer que tem dinheiro para subornar novamente os deputados que irão julgá-lo. Aprovação de emendas parlamentares, distribuição de cargos, R$ 50 bilhões do Banco do Brasil em obras a serem distribuídas e superfaturadas para os partidos da base aliada, demissão sumária de todos que votarem contra ele. São essas as armas de que dispõe o presidente Temer para se manter no cargo e longe da cadeia. A Justiça não tem nenhuma chance contra os super poderes de Michel Temer.


Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


*

FUFUCA BRASIL!


Agora, sim, com o "Fufuquinha" na Presidência da Câmara, o País tem tudo para resolver seus problemas, aprovar as reformas e sair do buraco. Fufuca, Brasil!


J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo                                                                                          


*

INTOLERÂNCIA


O que se vê nos meios de comunicação a respeito do deputado André Fufuca, em razão de sua idade e apelido, é assustador, tal o grau de intolerância. Sentar o cacete no cara, caso tenha feito alguma besteira ou que venha a fazer, tudo bem, mas devido à idade e apelido é coisa de gente pequena. Até o velhote Veríssimo entrou nessa. Se a Lucinda estiver atenta, vai levar puxão de orelha.


Sérgio Barbosa sergiobarbosa19@gmail.com

Batatais


*

VERDE PELO AMARELO


A Floresta Amazônica é a maior floresta tropical do mundo. Desde 1970, o Brasil destruiu 19% desta floresta por causa da exploração madeireira, mineração e criação de gado. Mais gado quer dizer mais gás carbônico e menos floresta quer dizer menos armazenamento de carbono. Trata-se de uma importante contribuição para o aumento do aquecimento global. Ocorre que, a polêmica decisão de Temer, de abrir por decreto mais uma área de 46 mil km² para mineração, acelera este processo de conversão do verde em amarelo. Um detalhe que vale a pena ressaltar é que, enquanto o nosso verde vai se perdendo irreversivelmente, o amarelo ninguém tem sido capaz de explicar em que endereços termina. Ao que parece, não é no Brasil.


Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo                                                                                          


*

PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRÁS


Minha opinião sincera sobre a privatização da Eletrobrás e a alta da Bolsa: pura roubalheira e muito bem engendrada. Quem é o otário que vai comprar esta empresa falida? O mesmo raciocínio se aplica à Petrobrás. Onde estão a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Banco Central (BC), Ministério da Fazenda (MF) que não veem essa manipulação? Duas empresas falidas que com certeza serão compradas com empréstimo do BNDES. E quem pagará a conta como sempre, será a classe média.


Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

São Paulo


*

DINHEIRO BRASILEIRO


Até 1969, o Brasil comprava papel moeda às grandes fornecedoras mundiais: para a Thomas de La Rue, inglesa, e à American Bank Note, americana, que tinham lobistas no Rio de Janeiro, então capital do Brasil, a seu serviço, instalados nas imediações do Ministério da Fazenda. Até então, o Brasil era um dos poucos países com mais de 20 milhões de habitantes que não imprimia o seu dinheiro. A modernização da Casa da Moeda, iniciada em 1964, se estendeu até 1969. Em 1984, a Casa da Moeda se instalou no Distrito Industrial de Santa Cruz (RJ), o que permitiu ao Brasil produzir e exportar dinheiro para outros países.

Agora, em pleno século XIX, o presidente do Brasil em exercício anuncia a venda da Casa da Moeda como medida necessária (para quê?).  Nelson Rodrigues disse que subdesenvolvimento não se improvisa, é obra de séculos...


Roldão Simas rsimasfilho@gmail.com

Brasília


*

GILMAR E GUIOMAR

                                                                    

Guiomar, atuando como advogada competente que é, tem razão ao afirmar que os fatos elencados contra o seu constituinte e marido não provam nada. Se provassem, não teria sido pedido o impedimento de Gilmar, mas sim a abertura de inquérito por venda ou "doação" de sentença. A ligação familiar entre Gilmar e o Barata da Fetranspor, beneficiado por dois habeas corpus consecutivos, não é prova mesmo de qualquer desonestidade do magno juiz. Mas tais ligações criam um ambiente de boa vontade que influi na decisão. Mesmo que Gilmar não seja corrupto - e não creio que seja -, deveria portar-se como a mulher de César e deixar de alegar que os casos de impedimento previstos na norma legal não lhe são aplicáveis. E se afastar. Mas o homem quer provar que abana o rabo quem pode!


Roberto Viana Santos rovisa681@gmail.com

Salvador


*

FALA SÉRIO!


A partir do entendimento do nobilíssimo ministro Gilmar Mendes, devemos acreditar agora que padrinhos de casamento são pegos na rua, aleatoriamente, e que, o gesto de enviar flores é unilateral, não denota pessoalidade. Pelo andar da carruagem, em breve vão querer nos convencer que dormir juntos só revela intimidade, quando as fronhas são bordadas com as iniciais do casal.


Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói

                                                                    


*

ATAQUES INJUSTOS


O procurador-geral da República continua massacrando o presidente Michel Temer com denúncias mal argumentadas, ao invés de pensar mais no País, que tem hoje um governo, em que a inflação voltou à meta estabelecida pelo Banco Central, os juros caíram à casa de um dígito, estabeleceu um teto para os gastos públicos federais, aprovou a reforma das leis trabalhistas, postos de trabalho vem sendo gerados, tem reforçado programas sociais, além de outras conquistas importantes. Que tenha mais responsabilidade, evitando esses ataques injustos, porque o Brasil está no rumo do desenvolvimento com Temer.


José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo                                                                                               


*

PAÍS DO ATRASO


Brasil, o país onde o teto é o piso, onde o absurdo é a regra, onde a Justiça desobedece às leis e onde os órgãos públicos administram seus interesses privados. O país do futuro retrógrado, ou onde a única coisa que vai para a frente é o atraso.


Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo


*

FALTA DE CONTROLE


A constatação de que em julho um total de 98% dos juízes mineiros recebeu acima do teto salarial é uma notícia que repercute de forma negativa para todo o Judiciário. E exige uma resposta dos órgãos que controlam os procedimentos de todos na magistratura.


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

A FARRA DOS VEREADORES


O exercício da vereança deveria ser voluntário, como era antigamente. Somente quem tinha tempo, disposição e queria de fato ajudar tanto o município como os munícipes se candidatava. E sem receber um único centavo.


José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul


*

PREVIDÊNCIA


Não são necessários dotes de clarividência e precognição para saber que as conclusões do "Fórum Estadão Reforma da Previdência" serão que a Previdência é deficitária e que as atuais regras são muito generosas. Portanto, devem-se incentivar os trabalhadores a aderir à previdência privada. Isso, embora o dito déficit se origine de truques contábeis, como já foi demonstrado em várias instâncias. Também será útil denunciar os privilégios do funcionalismo, omitindo os outros diferenciais, como maior porcentagem de contribuição, inexistência de fundo de garantia e contribuição mesmo do aposentado.


Tibor Rabóczkay trabocka@hotmail.com

São Paulo


*

IMPOSTOS PARA O SÉCULO 21


Gostaria de dar parabéns ao jornal pelo Editorial (30/8, A3) comentário sobre o projeto de reforma tributária. Acredito que o Brasil esteja passando por mudanças visíveis na população, mas infelizmente não aos olhos de alguns políticos que aí estão. Este projeto e a sua proposta demonstram que, apesar de muitos políticos só legislarem em causa própria, temos ainda alguns, como o sr. Luiz Carlos Hauly, que procuram legislar para um País melhor.


Daniel Eduardo Drezza Enfeldt danieldrezza@gmail.com

Jundiaí


*

O BRASIL É UM PAÍS LAICO!


Aulas de religião em escolas públicas são um completo absurdo! Religião é assunto para ser ensinado e pregado em igrejas. Durante séculos o mundo ocidental foi dominado pela Igreja Católica, que impôs sua doutrina a força, levando milhares de pessoas a serem queimadas vivas! A partir de 1530 surgiu o protestantismo, também cristão e também fanático. Depois do Iluminismo e dos grandes avanços científicos e de liberdade de pensamento, passaram a surgir movimentos obscurantistas em vários países, a começar pelos Estados Unidos. Penso que a religião é o mais extraordinário instrumento de poder já criado pelo homem, por ser  incontestável, já que fala em nome de Deus. Por isso, todo o cuidado em relação às religiões é pouco. Veja-se o exemplo do Estado Islâmico, que, em pleno século 21, tenta reconstruir uma Idade das Trevas. Tudo em nome de uma fé religiosa deturpada.   Confiamos no discernimento do ministro do    Supremo, Luís Roberto Barroso, uma das melhores cabeças deste país, que deve dar um parecer que  sirva de norma definitiva sobre o assunto.


Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre


*

EDUCAÇÃO


O sr. ministro da Educação declarou: "Eu tenho de cuidar da alfabetização, da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio". Parabéns ao ministro Mendonça Filho. Se cuidar bem dessas áreas, talvez no futuro tenhamos 100% dos "doutores" alfabetizados e não como, ao que consta, saem hoje das faculdades, 80% de analfabetos funcionais. Que se mantenham as cotas, mas que se alfabetizem os acadêmicos, antes que se formem nas faculdades e se apresentem ao mercado de trabalho. Será um grande serviço à Nação e à língua que deveríamos respeitar.


Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas


*

ÉTICA USPIANA


“A ação da USP pautar-se-á pelo seguinte princípio: a não submissão a pressões de ordem econômica que possam desviar a Universidade de seus objetivos científicos" (cf. Art. 3º), isto é o que declara o Código de Ética da USP. Porém, na prática, é quase impossível algum exemplo maior de submissão e desvio do que a recente procura da USP para a contratação de professor mestre com proposta de salário [sic] de R$ 881,61 por mês. – Não há objetivo científico que se sustente. ante um provento que mal sustenta o professor.


Wellington Anselmo Martins am.wellington@hotmail.com

Bauru


*

TRAGÉDIA NO RIO


Em uma coisa o povo fluminense deve prestar atenção: Sérgio Cabral quebrou o Estado do Rio de Janeiro, deixando esta tragédia administrativa, após anos de corrupção, mas não podem se esquecer de que foi eleito pela população. É preciso refletir nas próximas escolhas, portanto!


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

HAITI É AQUI


Minha geração cresceu velejando e escutando a canção “Menino do Rio”. O Havaí era aqui . A geração dos meus filhos se esconde em casa com a cara nos celulares, fugindo do perigo das ruas que a TV e os jornais mostram, com militares nas ruas do Rio. Eles foram nas Olimpíadas e ainda ficaram no meio de um tiroteio na Linha Vermelha . O Haiti é aqui.

João Bráulio Junqueira Netto jonjunq@gmail.com

São Paulo


*

A ÚLTIMA PATRULHA


Foi com certa apreensão que li a notícia “A última patrulha do Brasil no Haiti", publicada em Internacional (30/8), que diz respeito ao encerramento das ações operacionais do Exército brasileiro no Haiti e às sequelas deixadas pelo fim da missão de paz articulada pela Organização das Nações Unidas( ONU). Após 13 longos e conturbados anos de operação, o Haiti não aparenta estar preparado para ser deixado de lado. Ataques contra a base militar, a fim de roubar objetos, o desespero da população, por qualquer esmola e a necessidade do uso de capacete, colete à prova de balas e armamento pesado, pelos militares, até o último dia de patrulha, provam que a situação não está nem um pouco pacífica. “Largar” o Haiti em um momento como esse, é como iniciar a resolução de um problema, porém, ao ver que a solução não está tão próxima quanto o esperado, meramente abdicar à tarefa proposta. Vale ressaltar que, sem a patrulha do Exército brasileiro, os haitianos estarão completamente suscetíveis à violência. Segundo a própria reportagem, nem um único policial haitiano foi visto fazendo ronda por Cité Soleil, que ainda é considerada uma zona vermelha.


Luiza Canaparo Nicolellis lcnicolellis@aluno.crb.g12.br

São Paulo


*

O BRASIL, O HAITI E A ÁFRICA


Termina a tarefa das tropas brasileiras no Haiti. No país caribenho, desde 2004, o Brasil ali empregou 37 mil militares ao longo desses anos e investiu R$ 2,5 bilhões, dos quais a ONU (Organização das Nações Unidas) reembolsou R$ 930 mil. Enviamos a tropa ao Haiti num momento em que o governo petista, iniciando sua trajetória, vendia ao mundo a imagem do Brasil emergente, e Lula sonhava em se tornar secretário-geral da ONU, depois de sua saída do governo. A presença brasileira beneficiou os haitianos, sem dúvida. Mas se questionam os gastos que lá tivemos, ao mesmo tempo em que o nosso governo atrasava aluguéis, negligenciava materiais de trabalho e até contas de consumo nas Embaixadas e Consulados ao redor do mundo, e dava o calote nas suas contribuições aos organismos internacionais, inclusive na própria ONU. Agora se anuncia o envio dos militares à República Centro-Africana. Na situação de profunda crise econômica e de absoluta insegurança pública em que vivemos isso não se justifica. Melhor seria empregar nossos militares e o dinheiro que se gastaria para mantê-los em missão internacional na solução dos problemas internos. Até porque, se não o fizermos, talvez, um dia, sejamos obrigados a, em vez de ajudar os outros países, enfrentarmos a humilhação de pedir à ONU que envie tropas internacionais para controlar a nossa ordem interna.  Nada contra colaborar com os menos afortunados. Porém isso só deve ser feito quando estamos com os nossos compromissos rigorosamente cumpridos.


Dirceu Cardoso Gonçalves cardosodirceu34@gmail.com

São Paulo 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.