Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 03h10

COREIA DO NORTE

A bomba H

A potência da bomba atômica que destruiu Hiroshima em 1945 era de 13 quilotons. A bomba detonada com sucesso pela Coreia do Norte no domingo pode ter liberado até 120 quilotons de energia. Provavelmente, trata-se de uma bomba de hidrogênio (bomba H). A explosão provocou um tremor de terra no país de magnitude 6,3. As razões para justificar uma possível guerra contra a Coreia aumentaram. E também as razões para temer as suas consequências.

JORGE ALBERTO NURKIN

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

Tensão EUA-Coreia

Está em curso uma guerra não tão fria assim entre os EUA e a Coreia do Norte. Não demora muito e tudo poderá virar cinzas. E adeus mundo cruel!

GILDETE DO NASCIMENTO

mgildetenascimento@bol.com.br

São Paulo

Testes nucleares

Enquanto a Coreia do Norte se dedica à “guerra fria”, o mundo teme o “fogo do inferno”.

LUIZ FRID

fridluiz@gmail.com

São Paulo

Mensagem à China

Kim Jong-un está a um milímetro de provocar a hecatombe prevista em tantos filmes de ficção. Se existe uma coisa que une os norte-americanos, é um inimigo de guerra, e eles ainda são a maior potência militar do mundo, felizmente. Quanto à China, o que está fazendo? Que tal um boicote mundial aos produtos made in China, até que ela se posicione claramente?

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

JBS X TEMER

Acusações

O empresário Joesley Batista, do Grupo JBS, chamou o presidente Michel Temer de “ladrão-geral da República”, em resposta a uma nota da Presidência que chamou o empresário de “grampeador-geral da República”. Só o presidente, sr. Joesley? E os postos-chave do Congresso, por exemplo, estão nas mãos de quem? De anjinhos? Pior: com o nosso atual sistema eleitoral, nada mudará.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

A nota da Presidência

Que tipo de jurista é o presidente Temer que autoriza a divulgação de uma nota oficial antes de saber o teor da acusação? Aí tem coisa.

CARLOS ERNESTO C. DE MELLO

cabral.porto@uol.com.br

Jundiaí

Descompostura

Quando pensamos que o pior já aconteceu no Brasil, vem à tona uma briguinha típica de cortiço, protagonizada – o mais grave – pela Presidência da República e pelo grande corruptor confesso Joesley Batista. Será que esta gente não consegue ter um pouco de compostura?

ADIB HANNA

adib.hanna@bol.com.br

São Paulo

2018

Doria e o PSDB

Ler a notícia de que João Doria não descarta sair do PSDB para ser candidato à Presidência em 2018 mostra que, apesar de ele se apresentar como gente nova na política, faz o mesmo que os “velhos”: promete muito, é eleito prefeito de São Paulo, assume o cargo e, agora, quer ser presidente? O povo de São Paulo quer, isto sim, que ele cumpra suas promessas. A periferia da cidade está abandonada, nas regionais Itaquera/Guaianases, por exemplo, há buracos, lixo nas ruas, esgoto a céu aberto, postos de saúde e hospitais com atendimento precário, transporte sujo, lento e caro, etc. Cadê o novo? Cadê o “João trabalhador”?

LUIZ CLAUDIO ZABATIERO

zabasim@outlook.com

São Paulo

Prefeitar

Gostaria que o sr. Doria, em quem votei, deixasse seus passeios mundo afora de lado e se voltasse para os problemas da cidade. E que, em vez de visitar outros Estados e países, visitasse as prefeituras regionais que estão paralisadas. Doria tem de prefeitar e entender que a Presidência da República ainda não é de sua alçada.

LYDIA L. EBIDE

lebide@vivointernetdiscada.com.br

São Paulo

João Doria pode ser um bom candidato ao Planalto, mas deve-se lembrar de que, se for derrotado em prévias, se perder a indicação do partido para a Presidência ou até se deixar a legenda, corre o risco de acabar com sua carreira política meteórica. Foi eleito para prefeitar, mas está fazendo campanha em pleno mandato.

PETUEL PREDA

petuelpreda@terra.com.br

São Paulo

Administrador

O prefeito João Doria pode vir a deixar o PSDB? Ele está certo. Doria é um administrador, e não um político como os membros destes partidos de sempre. E o Brasil precisa de administradores.

IBRAHIM GEORGES SKAF

ibrahimacskaf@gmail.com

São Paulo

Doria x Alckmin?

Quando diz que “o povo é quem deve decidir” quem será o candidato do PSDB à Presidência da República em 2018 (Estado, 2/9, A8), Doria já antecipou que, sim, é candidato e rivalizará com o seu “lançador” à Prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin, um dia após a declaração do governador de que sim, também é candidato. Ao menos no ninho não há dúvida de que eles não desceram, mas se atiraram do muro.

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Até outro dia Doria falava em alto e bom som que era fiel amigo do governador. Agora, depois de poucos meses de mandato e das viagens, já sai em disputa com o amigo. Mamma mia! O prefeito até parece o jogador Rogério Ceni, que quis fazer uma carreira grandiloquente, aos saltos, e deu no que deu. Cuidado.

CELSO LUÍS GAGLIARDO

gagliardo.celsoluis@gmail.com

Americana

Dois provérbios espanhóis: “O amigo que te compra hoje com sua bajulação amanhã o venderá com sua traição”; e “cria corvos e eles te arrancarão os olhos”. Qualquer semelhança com a situação entre Geraldo Alckmin e João Doria atualmente é mera coincidência.

FRANCISCO NASCIMENTO XAVIER

franciscoxavier1000@gmail.com

São Paulo

“Esta boataria envolvendo Doria e Alckmin pode levá-los a dar com os burros n’água”  

FAUSTO FERRAZ FILHO/ SÃO PAULO, SOBRE AS ESPECULAÇÕES PARA A ELEIÇÃO DE 2018 

faustofefi@ig.com.br

“Não está fácil a vida do eterno candidato à Presidência Geraldo Alckmin. Mas ele poderia ser um excelente senador. Fica a dica”  

MÁRIO BARILÁ FILHO / SÃO PAULO, IDEM

mariobarila@yahoo.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O PREFEITO CANDIDATÍSSIMO

O prefeito João Doria se elegeu sob o lema de ser gestor, não político, utilizando com eficiência o desgaste da classe política, ante as avassaladoras descobertas da Operação Lava Jato, que atingiu a todos os partidos indistintamente. Mas apenas com seis meses à frente da maior cidade do País abraçou a política e já vem realizando viagens por todo o Brasil, articulando a sua candidatura à Presidência da República nas próximas eleições. Em entrevista ao "Estadão", o prefeito afirmou que "A política traz ares, tempestades e fatos que não estão dentro do seu prognóstico. Isso se aprende rápido na vida política. Estou na política, mas não sou político". Descartou a hipótese de disputar prévias com o governador Alckmin, não a possibilidade a de deixar o PSDB, para concorrer à Presidência da República por outro partido. Ora, tal decisão prejudicaria principalmente o seu padrinho político e, neste caso, mais uma vez, a criatura se voltará contra o seu criador. Não há como dourar essa pílula. Eu creio que, com apenas oito meses como prefeito de São Paulo, ainda é cedo para avaliar a sua competência na administração pública, sobretudo para o mais alto posto da Nação. Mesmo porque a maioria das suas decisões foi no sentido de privatizar, ou disponibilizar as diversas atividades da Prefeitura à iniciativa privada, cujos resultados só veremos no futuro. E, apesar das suas intensas atividades políticas, ainda insiste em dizer que não é político, o que me parece ilógico.  Os demais partidos estão assediando o prefeito, pois em todos eles não sobraram partidários com potencial para disputar a Presidência, com exceção do PT. Mas o ex-presidente Lula poderá nem ter condições legais para lançar a sua candidatura, uma vez que já foi condenado a mais de nove de prisão em primeira instância.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

DORIA E O SALTO MORTAL

Ultimamente, nota-se no eleitorado paulistano uma dúvida, será que não erramos em votar maciçamente no prefeito da cidade de São Paulo, João Doria?  De todos os candidatos ele foi e é considerado um empresário bem-sucedido, inteligente e capaz para o cargo; venceu no 1.º turno, pois o seu programa de governo é exequível para uma cidade de 12 milhões de habitantes. No início de sua gestão (2017 a 2020), tomou resoluções inéditas e o povo ficou maravilhado e  agradeceu. Acontece que nestes primeiros 8 meses de governo, foi sondado e mesmo aclamado para candidatar-se e disputar em 2018 o cargo de presidente do Brasil  O resultado é que as chances de ganhar são boas, no momento, e o deixou deslumbrado. O "temor" do paulistano é de que sua cidade seja dirigida pelo 2.º time, pois o seu titular confiou nos seus dons e deu um salto mortal em direção à cadeira de presidente da República, e não observou que os adversários tinham retirado a cadeira.

 

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

ALCKMIN X DORIA

É estarrecedora a naturalidade com que a mídia e algumas pessoas aceitam a traição de Doria ao seu padrinho político. Para eleger Doria, Alckmin enfrentou os caciques do PSDB, provocou a saída de Andrea Matarazzo do partido, nomeou secretários estaduais em troco de apoio político ao afilhado. Agora passa pelo desgaste de ter de demitir por suspeita de corrupção os secretários Ricardo Salles e Laercio Benko, cujo irmão foi nomeado por Doria e faz parte da quadrilha da Cidade Linda, implantada na atual gestão. Doria, acusado por membros importantes do PSDB de ter comprado votos nas prévias tucanas, agora se recusa de participar dessa modalidade e quer ouvir o povo para que escolha o candidato do partido à Presidência. Diga-se de passagem que o povo não tem sido ouvido nas suas ditatoriais decisões à frente da sua gestão como prefeito virtual. Doria está esquecendo de três ditados que podem ser utilizados no cenário atual: "Quem tem pressa come cru", "esperteza muita engole o dono" e "quando ele está indo com o milho o Alckmin está voltando com o fubá".

Wilson Haddad wilson.haddad@uol.com.br

São Paulo

*

MOSCA AZUL

Pelo jeito a mosca azul fez mais uma vítima: João Doria. A Prefeitura virou um grande trampolim e ainda não passamos da página 2 do gestor. E o crack prefeito, como ficará? 

Leandro Ferreira da Silva leandroferreoradasolva@gmail.com

Guarulhos

*

PREFEITO DORIA

Doria afirma que não ouvir o povo pode ser um erro fatal para o PSDB. Mas para o senhor também, caro prefeito, que foi eleito pelo povo para cumprir um mandato de quatro anos na Prefeitura da cidade de São Paulo. E não para aproveitar-se do cargo e sair pelo Brasil e pelo mundo em campanha para a Presidência! Pena ainda não existir o voto distrital puro e com "recall" político. Aí o senhor prefeito - como os demais políticos - seria obrigado a ouvir o povo. 

Ana Lucia Tubero anatubero@afasia.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES DE 2018

Admiro Doria, entretanto fico triste quando vejo o afilhado competindo com o padrinho. A esperança comprovada está com Geraldo Alckmin nos vários mandatos de governo em São Paulo. Doria é ainda uma esperança.

 

Mário Jose Gonzaga Petrelli mario@petrelli.com.br

Curitiba

*

EGO INFLADO

João Doria estava indo bem, até que a política rasteira e rasa de bons princípios fizesse morada em seu ego: o favor é a véspera da ingratidão. 

Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

*

DIREITO DE TRAIR.

 

Rememorando os dias de fausto para João Doria, quando venceu as eleições para a Prefeitura da capital paulista, graças ao governador Geraldo Alckmin, aparecia ao público esbanjando gratidão e fazendo juras de gratidão e de fidelidade. Ledo engano. Aos poucos, foi vencido pela ambição pelo poder e passou a desejar a Presidência da República, colocando no esquecimento o seu patrono. Agora é candidato mesmo, mas não quer disputar prévia com Geraldo Alckmin, ameaçando ir para outro partido político. Que vá, porque o grande candidato para o maior cargo da Nação é mesmo Alckmin, convindo relembrar que ninguém gosta de traíra, mesmo que seja o peixe espinhudo! Pelo que fez para São Paulo, vamos torcer para Alckmin na Presidência da República.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

CORRIDA PRESIDENCIAL

A pretensão presidencial de Geraldo Alckmin, é mais do mesmo corporativismo pragmático, que nos levou aos tristes anos amorais do lulopetismo!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

CARTA AO PREFEITO DE SÃO PAULO

 

Sr. João Doria, acompanho sua trajetória profissional há algum tempo, desde quando tinha o programa na TV de entrevistas, na maioria o tema era gestão de recursos humanos e resultados, você conduzia as entrevistas com sabedoria, serenidade e de uma empatia ímpar, cativava o telespectador. Anualmente, você reunia os maiores empresários do País, além de alguns políticos, para premiações e as vezes debater problemas nacional, por meio de sua empresa de consultoria a lide. Com o apoio do nosso governador o sr. Geraldo Alckmin, lançou sua candidatura a prefeito de São Paulo e saiu do último lugar nas pesquisas e se elegeu com louvor. Ainda no palanque, após a vitória ovacionou Alckmin para presidente da República. Muito justo, pois devia isso a ele, além de ele estar no quarto mandato, demonstrando assim a sua competência e experiência política. Ocorre que você vem percorrendo o País e de forma explícita fazendo campanha presidencial. Você ainda adotando uma postura inadequada, atacando seus adversários com palavras que não são do seu vocabulário. Doria, você já admite até mudar de partido, se houver uma prévia do PSDB para escolher um candidato que não seja você. Doria isto é traição e acredito no seu bom senso, não só pelo respeito a seu padrinho político, mas também pela pouca experiência na política, apenas oito meses, apesar da sua inquestionável inteligência.

 

Mauro Roberto Ziglio mrziglio@hotmail.com

Nova Ourinhos

*

PREFEITURA PAULISTANA

Do jeito que viaja, seria melhor o prefeito transferir de vez o gabinete para Cumbica.

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

TRAMPOLIM PARA A PRESIDÊNCIA

Acho bom o governador Alckmin fechar um  pouco  a boca  e falar menos, quanto  ao  prefeito  João  Doria, vai  aqui um conselho: melhor  cuidar  um pouco mais da cidade, tapando buracos, voltar-se  para   as  creches  e  preocupar-se  com  o  transporte que está  uma calamidade, pois  os  eleitores  paulistanos  estão  escaldados  com candidatos  que  fazem  da Prefeitura de São Paulo um trampolim,  objetivando tanto o governo do Estado como a Presidência da República. Não é mesmo, ex-prefeito e ex-governador José Serra?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.bt

São Paulo

*

PREFEITO GLOBAL

Doria se autoproclamou prefeito global. Acha que merece esse título por causa das viagens nacionais e internacionais, que, na realidade, fazem parte de sua campanha para Presidência em 2018. Global é o prefeito que aprova um Plano Diretor Estratégico elogiado por organismos como o Habitat da ONU e o site ArchDaily.Global, é quem ganha prêmio das Organizações Bloomberg pelo programa "Ligue os Pontos", que propiciou alimentos orgânicos nas escolas municipais. Global é o prefeito que recebeu rasgos elogios da imprensa internacional como New York Times, Wall Street Journal, El País e outros. Global é o prefeito que é elogiado pela ONG Open Society do megainvestidor George Soros pelo programa "Braços Abertos", que teve sucesso por optar pela política de redução de danos dos dependentes. Global é o prefeito que recebe elogios por causa de seu programa de mobilidade urbana da prefeita Anette Hidalgo de Paris e da ex-assessora de transportes de Nova York, Janete Sadik-Khan. É interessante que os paulistanos sejam informados dessas realizações, que deveriam ser públicas e notórias, e deixarem de se interessar por factoides diários da atual gestão virtual.

Francisco Nascimento Xavier franciscoxavier1000@gmail.com

São Paulo

*

CISÃO NO PSDB

Os inimigos do Brasil estão torcendo para que Doria e Alckmin se candidatem. É a única chance que terão para que suas quadrilhas, que espoliaram e querem continuar a destruir o Brasil, permaneçam no poder. Onde está o patriotismo e a visão de um Brasil melhor?  Chega de vaidade!

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

FALTA DE CONSIDERAÇÃO

A classe política tem alguns posicionamentos que exigem muita reflexão. Como a clareza nas atitudes e a demonstração de lealdade com seus aliados. Como entender, por exemplo, as afirmações do atual Prefeito de São Paulo em relação à futura eleição presidencial, se colocando uma grande liderança na disputa. Ele deixa de lado que sua indicação para disputar o cargo teve a influência decisiva do governador Alckmin. A quem agora não tem o devido respeito no campo político. É mais um ponto negativo para toda a classe política, por certo.

Uriel Villas Boas-Uriel urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

GESTOR PARA POLÍTICO COMUM

Bem meus amigos, as coisas estavam indo muito bem para continuar sendo verdade, nosso prefeito João Doria, pelo jeito, vai se enquadrar como a maioria que já tivemos, querendo rever valor de imóveis em 43% e cobrar o IPTU com alíquota variável, já não basta para ele o valor absurdo que pagamos atualmente, ou seja, temos uma casa própria, porém pagamos um aluguel vitalício à Prefeitura, reajustado anualmente sempre por um índice por eles determinado, surpreendente, massacrante e abusivo. Ele se enquadra muito bem num dos provérbios romanos que diz: "Toda vassoura nova varre bem, enquanto a usada com o tempo vicia o pelo e só varre e faz o que lhe convém". Alguma dúvida a respeito, para quem se intitulava gestor, tornou-se um político comum, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

EXERCÍCIO DA DEMOCRACIA

Considero que o exercício da democracia se faz pela expressão, mas, também, pelo silêncio e que nos últimos tempos o apreço pelos holofotes tem prevalecido sobre o dever de discrição, o que nunca é o caso do juiz Sergio Moro, felizmente.

Marly  Peres marly.lexis@gmail.com

São Paulo

*

JOESLEY X JANOT - CASO ESTRANHO

Sabendo como rolam as coisas, os negócios e aos trambiques neste país, onde apesar de a Lava Jato estar atuante, a cada 60 minutos uma nova corrupção é descoberta, me pergunto que raios de decisão foi essa do Janot, de inocentar totalmente a quadrilha do Joesley. Não posso nem vou acusar, mas a minha sensação é de que rolou uma grana preta ou algo pior.

João Paulo de Oliveira Lepperjp@seculovinteum.com.br

Rio de Janeiro

*

VERDADE INCONTESTÁVEL

"Descobri que eu era um criminoso", frase lapidar proferida pelo senhor empresário Joesley Batista e replicada pela imprensa. Onde havemos de concluir que nem tudo que ele diz seja mentira. Está ai uma verdade incontestável. Com ironia, por favor!

 

Eleonora Samara eleonorsamara@bol.com.br

São Paulo

*

CRIMINOSO CONFESSO

O megacriminoso confesso, Joesley Batista, chama Temer de "ladrão-geral da República" e diz que ele "envergonha todos os brasileiros". O presidente revida chamando Joesley de "grampeador-geral da República". No meio do tiroteio, a República balança, mas não cai. A que ponto chegamos!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

É O SAMBA DO CRIOULO DOIDO!

A Procuradoria-geral da República existe não é de hoje e vem criando um pânico nunca havido entre as  figuras do alto poder que orbita em Brasília. Para piorar o já crítico quadro da política nacional, acaba de ser criada pelo empresário problema, senhor. Joesley Batista, a LGR, ou seja, Ladrão-geral da República, referindo-se a ninguém mais, ninguém menos do que o presidente da República. A coisa está feia!

 

Sara May sara-may@bol.com.br

São Paulo

*

BAIXARIA DE ALTO COTURNO

O que esperar de um país onde o bate-boca público do presidente da República com um criminoso confesso, que o chama de ladrão, não passa de mera  altercação entre membros do baixo mundo da delinquência? A que ponto isso vai chegar?

Joaquim Quintino Filho Terra Mail jqf@terra.com.br

Pirassununga

*

OS INTELECTUAIS E O PT

O antropólogo Flávio Gordon falou (E2, 3/9) o que há muito devia ter sido falado: os intelectuais brasileiros também foram, e continuam sendo, responsáveis pelo descalabro produzido pelo PT no País. Autor do livro "A corrupção da inteligência", Gordon diz que, depois da chegada do PT ao governo, os intelectuais se tornaram cúmplices do poder. Nas universidades, na chamada indústria cultural, editoras e redações de jornais "muitos intelectuais tornaram-se meros reprodutores do discurso oficial do partido e do governo". Ou, com receio de serem prejudicados, "adotaram uma cumplicidade muda".  Será que cada país tem a intelectualidade que merece?

Euclides Rossignoli euclidesrossignoli@gmail.com

Ourinhos

*

QUESTÃO IMPORTANTE

Lula, quem disse que você governou?

Helio Teixeira Pinto                                                                                                          helio.teixeira.pinto@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A DESMORALIZAÇÃO DO PT

O PT chegou a tal ponto de desmoralização que o um único candidato que pode apresentar à presidência é um corrupto.

Eugênio José Alati  eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

FEITOS UM PARA O OUTRO!

 

O advogado mais imparcial do mundo defende "o cara" mais honesto do mundo!

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

São Paulo

*

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Vão nos enganar, a regra de transição da Previdência é perversa, cinquentões não conseguem emprego, a contribuição é alta e os mais pobres estarão condenados. PMDB, DEM, PSDB preferem sacrificar os mais fracos.

Jefferson Antônio Barbi

Sorocaba

*

OAB TOMA PARTIDO

Como advogado, e bem antigo, desejo me solidarizar e endossar totalmente o que foi escrito pelo colega sr. Benedito P. da Silva, no Fórum dos Leitores no dia 27 de agosto, acrescentando que a diretoria da OAB não deve esquecer nunca que representa os advogados dos dois lados de qualquer questão. Portanto, se toma partido político, como vem fazendo erradamente, está contra o profissional do outro lado, o que é inadmissível e merece repulsa. 

Solon José Ramos

São Paulo

*

FOGO CRUZADO

O presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-un,   deveria estar ciente  de que, com tantas doenças já existentes, o mundo não necessita de guerras. 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

DITADOR NORTE-COREANO BLEFA?

 

Nem de longe pretendo entender de política internacional, mas já não passa da hora de a China e Rússia darem um basta naquela anta norte-coreana, antes que provoque uma guerra atômica, na qual toda humanidade acabará sofrendo seus efeitos? É impossível que esse monstro não saiba que ao enviar algum míssil contra os EUA, a resposta será imediata e transformará seu país em pó! Em foto recente ele "festeja" de forma grotesca mais um míssil testado, com os dois punhos fechados com as pontas na mesa e pergunto: o gesto não dá pistas a psiquiatras de algum sintoma de loucura ou retardo mental?

Laércio Zanini           spettro@uol.com.br

Garça 

*

BOMBA DE HIDROGÊNIO

País pobre, governado por um maluco, e tem dinheiro para bomba atômica? Só idiota não vê que por trás estão a China e a Rússia, que dando de boazinhas, fazem testes com esse maluco norte-coreano.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

SEGUINDO OS PASSOS DE CUBA

A ditadura mal disfarçada imposta pelo governo de Nicolas Maduro deu mais um passo rumo à "cubanização" da Venezuela. A partir de agora, é o governo quem decide quem poderá viajar para fora do país ou não, a exemplo do que ocorreu com a ativista de direitos humanos Lilian Tintori, esposa do preso politico Leopoldo Lopez, que teve seu passaporte confiscado por agentes do governo, pouco antes de embarcar num voo que a levaria para um tour internacional para denunciar as atrocidades cometidas pelo governo, deixando o povo praticamente confinado no país, seguindo fielmente o exemplo deixado Fidel e Raul Castro, que transformou Cuba numa ilha-prisão. Agora só falta Maduro instituir o "paredón".

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.