Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2017 | 03h07

CASO JBS

A prisão e a delação

Os executivos da J&F queriam entregar só os miúdos. Agora, presos, estão arriscados a ceder o filé mignon. Nós, brasileiros, já entregamos o fígado há muito tempo.

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

caxumba888@gmail.com

São Paulo

Foi de arrepiar assistir aos dois corruptos bandidos Joesley Batista e Ricardo Saud, da J&F, serem transportados para Brasília em avião da Polícia Federal (PF). Estes infelizes devem ficar no máximo cinco dias na cadeia e, depois, serem soltos para desfrutar a liberdade enquanto o processo rolar por meses ou anos. A PF se queixa de que não tem dinheiro, mas fica gastando com marginais que deveriam, isso sim, ser algemados e enviados para Brasília de ônibus. Como dizem no interior, “pórva do governo, então tiro prá riba”.

LUIZ F. DE ASSIS SALGADO

salgado@grupolsalgado.com.br

São Paulo

Entre caixas de cerveja

Gostaria de saber do dr. Rodrigo Janot, procurador-geral da República, como uma pessoa “de fino trato” como ele se encontra “casualmente” num boteco da periferia de Brasília, numa mesinha entre caixas de cerveja, para falar de “amenidades” justamente com o advogado de Joesley Batista às vésperas da prisão do empresário!

CESAR ARAUJO

cesar.40.araujo@gmail.com

São Paulo

Rodrigo Janot e o advogado Pierpaolo Bottini se encontraram “casualmente” numa distribuidora de bebidas em Brasília, um dia depois de a Procuradoria pedir a prisão dos seus clientes. Alguém acredita em mera cordialidade, como justificou o digníssimo advogado? Aí tem! Aguardemos novas ocorrências.

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Imprudência

Nada como algumas (caixas de) cervejinhas num bar para servir de desculpa para tudo. Inclusive para esta conversinha de Janot. Imprudência nada republicana!

JAIR NISIO

jair@smartwood.com.br

Curitiba

‘Conversa de bêbados’

Qual é a diferença entre conversas de bêbados gravadas e conversas de uma autoridade no fundinho de um boteco?

JOSÉ LUIZ TEDESCO

tedescoporto@hotmail.com

Presidente Epitácio

‘O custo Janot’

O editorial do Estadão O custo Janot (10/9, A3) foi perfeito com relação ao procurador-geral da República, cujas atitudes mostraram mais que equívocos, mostraram despreparo, parcialidade, incoerência, ingenuidade e uma teimosia pouco recomendável para as responsabilidades do cargo. Mas, por outro lado, o editorial poupou o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que avalizou o procurador em todas as suas intempestivas atitudes, entre elas a pressa na homologação do acordo com a JBS. Agora, tentando se redimir de seu desprezo pelos brasileiros quando jogou às favas a opinião da Nação sobre o imoral acordo de delação, o sr. Fachin não acompanha Janot com a mesma urgência que o caso, agora sim, merece. Isso deixa o STF no mesmo barco do procurador, ou até pior, pois da Suprema Corte também não se esperava tanta leniência com os corruptos da J&F. Principalmente porque, ao mesmo tempo que os executivos apresentaram provas contra Michel Temer, omitiram informações sobre os principais patrocinadores do seu espantoso crescimento, que ocorreu nos governos Lula e Dilma. Será que a Procuradoria e o STF acreditaram que esse crescimento se deu pela admiração que Lula teria pelo Português de seus amigos? Nenhuma contrapartida? Em que mundo Janot e Fachin estavam? Incoerência, como se vê agora, já seria suficiente para desacreditá-los. A Nação está aguardando a posição do STF. Agora, pela credibilidade da Suprema Corte, com a palavra também a presidente Cármen Lúcia.

MANOEL S. DE ARAÚJO PEDROSA

Link.pedrosa@gmail.com

São Paulo

A chancela de Fachin

Quase perfeita a análise do editorial O custo Janot, principalmente quanto ao estrago causado na economia do País pelo açodamento do procurador-geral. Digo quase perfeita porque exclui o ministro Fachin da corresponsabilidade por tamanha lambança. Quem homologa é um mero chancelador, sem qualquer análise, mesmo superficial, do que lhe é apresentado? Se assim for, tem-se de mudar o nome disso para qualquer outro, menos homologação.

DARCI PRADO

darci.ops@terra.com.br

Guarujá

JOSÉ DIRCEU

Delatar jamais

Em defesa de uma causa e referindo-se ao depoimento de Antonio Palocci ao juiz Sergio Moro na semana passada, José Dirceu afirma a interlocutores que não entrega companheiros e que prefere morrer a “rastejar e perder a dignidade”. O que este cara pensa? Roubar não é sinônimo de dignidade...

JOSE ROBERTO PALMA

palmajoseroberto@yahoo.com.br

São Paulo

Dirceu prefere morrer a delatar. Pode ficar tranquilo, porque Palocci já se encarregou de dizer tudo o que Dirceu está cansado de saber e o povo também.

MOISÉS GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

SANTAS CASAS

Crédito de R$ 10 bilhões

Li o texto Viagem cara, da colunista Adriana Fernandes (Estado, 9/9, B6), e fiquei preocupado com o que se disse ali sobre as Santas Casas. O texto criticava a criação de uma linha de crédito para essas instituições. Achei que ele generalizava ao citar a má administração e os desvios de dinheiro nessas entidades, mas, ao apontar o valor de R$ 10 bilhões em crédito a elas, fiquei com sérias dúvidas. No domingo, porém, veio o esclarecimento com profundidade no editorial Dinheiro bem empregado (10/9, A3), que mostra a realidade desta linha de crédito, a importância das Santas Casas em geral e, principalmente, a causa das dificuldades de todas as instituições que trabalham para o Sistema Único de Saúde (SUS): a falta de reajuste nos valores da tabela de atendimentos e de procedimentos. Esse é um problema crônico, que só será resolvido com o pagamento de valores justos, que cubram os custos correntes, e auxílio na solução de rombos orçamentários do passado.

NELSON MATTIOLI LEITE

nelsonmleite@uol.com.br

São Paulo

“A conclusão que resta a Joesley Batista e Ricardo Saud não pode ser mais óbvia: ‘Nós foi preso’”

JOSÉ ROBERTO SANT’ANA/ RIO CLARO, SOBRE A PRISÃO DOS EXECUTIVOS DA JBS

jrsantana10@gmail.com

“‘Queridos, encolhi a Procuradoria-Geral da República’”

TITO LIVIO MAULE FILHO/ SÃO PAULO, SOBRE A ATUAÇÃO DO PROCURADOR RODRIGO JANOT

titomaule@usp.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PRISÃO DE JOESLEY

Ontem, o prepotente Joesley Batista, convicto, afirmava: "Nós não vai ser preso". Hoje, lamenta: "Nós foi preso". Transcrito ao seu vernáculo vulgar, deve ter concluído: Janot "mijou pra trás". 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

JOESLEY SE MUDA DOS JADINS PARA PF!

"Nós tá preso!", Joesley, da família Batista e  Ricardo, da família Saud, mudaram de endereço, do Jardim Paulista  para as dependências da Polícia Federal à convite do ministro Edison Fachin!  Até que enfim!

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

São Paulo

*

MUDANÇA RÁPIDA

"Nós não vai preso" (Joesley Batista). Anteontem: "Nós foi preso".

Cláudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

*

MARMITA NA CADEIA

Demorou, mas, e não é que o "nós não vai ser preso" 

foi pra tranca? Mal posso esperar para ver a 'Tici' levar umas "marmi" para o 'Jo' em "Curi"!

Paulo Boccato pofboccato@yahoo

Taquaritinga

*

FALTA DE CAUTELA

Tão seguros da impunidade e tanto gravaram o patrão Joesley e o funcionário Saud, que, num momento de descuido, tornaram-se vítimas da própria gravação. E, ainda uma vez, vira-se o feitiço contra o feiticeiro.

Eduardo Augusto Delgado Filho eadelgadofilho@gmail.com

Campinas

*

BUSCA E APREENSÃO ESPERADA

O novo advogado da dupla criminosa Joesley e Saud afirmou que já eram esperadas as ordens de "busca e apreensão" de documentos, só que a Polícia Federal precisou devolver o pedido das diligências para a Procuradoria-Geral da República, pois os endereços não estavam corretos, daí a pretensão em obter documentos com grande potencial de informação se esvaiu. Mas o presidiário Joesley disse que se "relaxarem" a sua prisão fornecerá novos e inéditos áudios escondidos no exterior. Pensando bem, será que Joesley ainda tem condições de exigir alguma coisa? Papuda na dupla!

Júlio Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

DESAFINARAM

Houve as irmãs Batista, Linda e Dircinha, que cantavam e não desafinavam. Há os irmãos Batista, Joesley e Wesley, que não cantam e desafinam.

Fausto Ferraz Filho faustofefi@ig.com.br

São Paulo

 

*

'NÓS FOI PRESO!'

E agora? "Nós foi preso", né Joesley Batista? Vai ou não vai contar o que escondeu sobre o restante da quadrilha? Numa delação total e irrestrita, não se pode ter bandido de estimação. Quem sabe Joesley agora preso, sua mente sem beber se ilumina? A conferir... 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

*

JOESLEY

Um otário.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com 

Monte Santo de Minas (MG)

*

PEGA LADRÃO!

"Nós não vai ser preso", hein, falastrão?

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

GRAVAÇÕES INÉDITAS

Enquanto os artistas batalham por um pequeno espaço na mídia para tentar divulgar o seu trabalho, todos os veículos ficam noticiando com grande destaque sobre as novas gravações inéditas do Joesley.  Trata-se da terceira leva em seguida, e as gravações dele continuam causando comoção. Por quê? Temos de admitir que, apesar de ele não falar bem o português, seus reality shows em Brasília são insuperáveis!   

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

SEGUINDO PARA O ABATE

Joesley foi para a engorda e depois o abate. Termos que ele conhece bem.

Tania Tavares taniatma7@gmail.com

São Paulo

*

JUSTIÇA DESIGUAL

Ao descobrir as gravações de Joesley com Ricardo Saud, o procurador-geral da República (PGR), Rodrigo Janot, se pronunciou: "Não há ninguém, ninguém que republicanamente esteja a salvo da aplicação da lei. O Ministério Público tem uma mãe que é a Constituição e a lei". Infelizmente, estamos vendo que o discurso jamais vai se tornar prática,  pois o ex-procurador Marcelo Muller, que deixou seu emprego para trabalhar para a JBS, ficou de fora, apesar de todas as evidências de sua participação, enquanto atuava na Procuradoria. Ao livrar Muller da prisão, Fachin e Janot também se preservam. As palavras do PGR soam como ameaça, somente ameaça. Como brasileira, espero que a Justiça seja feita, porém, até o momento, o que se vê é que: aqueles que têm dinheiro e poder se livram da cadeia. Para eles, a "mãe" Constituição não existe. 

Izabel Avallone  izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

CAIXA DE PANDORA

Lulla, Dilma e companhia. Com a prisão de Joesley e Saud, finalmente vamos abrir a caixa de pandora. Aguardem!

Arnaldo Ravacci arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

*

LÁGRIMAS DE CROCODILO

Noticia o "Estadão" que Joesley Batista chorou ao chegar à cela de sua prisão, porque o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, determinou sua prisão e a do executivo Ricardo Saud, liberando, por ora, o ex-procurador federal Marcelo Miller. Joesley não pode chorar, especialmente porque disse em áudio gravado e que serviu de motivo para sua prisão que iria "moer essa gente". Assim, as suas lágrimas são de crocodilo, repletas de falsidade e de apelos inaceitáveis. Mas ele, seu irmão e Ricardo Saud merecem ser presos e apenados devidamente pelo quanto fizeram de prejudicial ao País e à Justiça. 

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

NOVA ESPECIALIDADE DA JBS

Joesley, o bêbado, transformou-se em carne moída - a nova especialidade da JBS.

Milton Córdova Júnior milton.cordova@gmail.com

Vicente Pires (DF)

*

AMIGOS VERSUS INIMIGOS

Com um advogado desses, decididamente Joesley não precisa de inimigos.

Maria do Carmo Zaffalon zaffalon@uol.com.br

Bauru 

  

*

DECIFRANDO O ENIGMA 

Quem vai decifrar o enigma chamado Marcello Miller, ex-procurador da República e ex-advogado dos irmãos Batista? Tem muita coisa estranha...

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

ENCONTRO 'CASUAL'

Ainda não entendi bem o que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, está "procurando"?  No último sábado, providencialmente, escondido atrás de caixas de cervejas, em um bar de Brasília, encontrou-se, "casualmente", com o advogado Pierpaulo Bottini, defensor dos donos da JBS.  Trata-se de muita coincidência ou muita desfaçatez. 

Luiz Antônio Alves de Souza zam@uol.com.br

São Paulo

*

ENCONTRO ÀS AVESSAS

A PGR informou que o bar em que Rodrigo Janot foi flagrado conversando com o defensor de Joesley Batista, Pierpaolo Bottini, no dia anterior à decretação da prisão do dono da JBS, é frequentado regularmente pelo procurador e que nada de profissional foi tratado nesse encontro. Bottini, de sua parte, declarou que o encontro foi casual e que não trataram de "qualquer questão afeita a temas jurídicos". Será que Papai Noel existe mesmo?

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

COMUNICADO SEM SENTIDO

Em comunicado, a PGR afirmou que Marcello Muller, o agora negado ex-braço direito de Rodrigo Janot, não se encontrou com Janot para discutir a delação dos irmãos Batista, na qualidade de advogado da J&F. Se não foi na qualidade de advogado da J&F, foi em qual qualidade, cara pálida? Amigão?

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

CONVERSA DE BOTEQUIM 

Não sei por que tanta tempestade sobre o dominical encontro em um bar de Brasília do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o advogado do empresário Joesley Batista, Pierpaolo Bottini, um dia depois de o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter expedido o mandado de prisão contra Joesley e o executivo do grupo J&F, Ricardo Saud. No encontro, como explicou em nota o procurador-geral conversaram apenas "amenidades".  Está explicado, portanto.  Um encontro "casual" entre amigos para um bate-papo sobre futebol, música, e outras coisinhas amenas. 

Luís Lago luis_lago1990@outlook.com

São Paulo

*

JANOT NO BOTECO

Se ainda faltava uma imagem para coroar o capítulo final do período mais vergonhoso da história da Procuradoria-Geral da República, essa foi entregue de bandeja pelo frequentador de um boteco de Brasília, que flagrou no último sábado Rodrigo Janot e o advogado que defende Joesley Batista em uma conversa para lá de suspeita. A testemunha diz que os dois conversaram por mais de 20 minutos e, para não chamar atenção, escolheram uma mesa de canto, ao lado de uma pilha de caixas de cerveja. Pela expressão de desânimo do advogado de Joesley, pode-se presumir que estivesse contrariado possivelmente com uma má notícia dada por seu interlocutor de que "dessa vez não há mais o que fazer". Mas, se questionados pela mídia, certamente dirão que o encontro foi casual. Claro que os dois suspeitos do maior conluio da história estariam ali só tomando um café. Mas a conta é nossa e sem adoçante!

Paulo R Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

PARABÉNS, LUIZ FUX!

Num perfeito desabafo do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), contra a dupla protagonista da desestabilização do País, Joesley Batista e seu braço direito, Ricardo Saud, acabou por incentivar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a denunciar e requerer a prisão de ambos. Entendendo a mensagem, Janot agiu de acordo, e o relator da Lava Jato, ministro Edson Fachin recebeu e decretou a prisão. Tudo tão fácil e coordenado. Que a "mensagem" sirva também para a audiência do próximo dia 13, onde Lula estará frente a frente com o juiz Sergio Moro. Para frente, Brasil!

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CAMALEÃO

    

Lula adora se adequar ao ambiente local. Em todas as suas peregrinações pelo Brasil é fotografado, todo sorrisos, usando vestes típicas da região. Será que terá o mesmo comportamento e fair play ao se hospedar em Curitiba (SPA de Sérgio Moro), de uniforme listrado em Pedrinhas (terra dos Sarneys) ou na Papuda (próximo ao poder)? 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES) 

*

VERGONHOSO 

Este jornal publicou em 11/9, na A3, sob o título "O estrago causado pelo PT", editorial referente à deterioração da economia nacional sob os governos petistas, cujos números são estarrecedores. Dos estragos à economia e às finanças do País muito se tem falado e a parte bem informada da Nação não desconhece a gravidade do estrago. Estrago tão grande ou maior foi o que se deu nos níveis éticos e morais de nossas "personalidades" em todos os níveis, sociais, administrativos e políticos. A mais recente agressão à cidadania foi a foto do PGR com um famoso causídico a "conversar" em um botequim de Brasília. Mais uma vergonha para a Nação!

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas 

*

DURO DE PRENDER!

Digam o que disserem sobre corrupção, a pergunta que não que calar é a seguinte: com tantos indícios e robustas provas apontando para o senhor Lula, incluindo-se os dedos de fieis companheiros, por que é tão difícil prender esse cidadão ?

Maria Elisa Amaral marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

*

QUE MAIS É NECESSÁRIO?

Marcelo Odebrecht afirma que deu propina a Lula e Palocci confirma. O que mais é necessário?

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

LULA DE NOVO!

Não tem jeito!  A maioria quer mesmo o Lula. Pesquisas preliminares informais parecem mostrar que a primazia do Lula no pleito de 2018 vai permanecer inalterada, mesmo com as eventuais delações do Palocci. Isso porque os eleitores acreditam menos na "Lava Jato" e na "grande imprensa" e repudiam a recente reforma trabalhista, além de outras razões de menor peso. Todavia, uma queda na popularidade do Lula poderia ser interessante nesta fase, para reduzir a possibilidade dele ser impedido por meios judiciais. Isto se admitirmos a parcialidade da Justiça em relação a Lula.

 

Álvaro C. G. Gemignani alvaro.cg.g@hotmail.com

São Paulo

*

PACTO DE SANGUE E PACTO OLIGÁRQUICO

O "pacto de sangue" que Palocci inusitadamente usou para acusar Lula junto à Odebrecht, foi rapidamente capturado pelo "Globo" para servir de marketing político. Puras ilações de Palocci, sem provas materiais e acusações requentadas, também sem absolutamente nenhuma prova concreta. Já o "pacto oligárquico" que o ministro do STF, Luis Roberto Barroso, denunciou nos EUA, tem 500 anos, provas materiais e são os atuais exemplos envolvendo parlamentares do PMDB, PP, DEM, PSDB e outros, e que tem comparsas em todos os lugares: no governo, na imprensa, nos meios de produção (sistema financeiro atual, agrário, produtivo), na Justiça, na Polícia e nas Forças Armadas (que pode voltar).

 

Antonio Negrão de Sá negraosa1@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

LULA/PALOCCI

Só falta o grande Lula dizer que nunca viu Palocci na vida. Tem dado certo até agora!

José Roberto Iglesias rzeiglezias@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.