Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2017 | 03h01

REFORMA POLÍTICA

Para inglês ver

Traumatizado com a guerra no Rio de Janeiro, o Brasil acorda com notícias sobre a malfadada “reforma política”, tendo à frente o deputado Vicente Cândido (PT-SP), que programa barrar candidaturas avulsas, de quem não é político, porque os parlamentares sabem que o eleitorado, que não acredita mais nos partidos que perderam sua identidade e chafurdaram na corrupção, votará em quem deles se distanciar. Existe diferença entre as gangues do Rio e de Brasília?

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Políticos profissionais

Política tornou-se profissão. Advogados de sucesso, grandes empresários, fazendeiros ricos e outros, em sua maioria, entram para a política e enriquecem mais ainda. Largam profissões altamente rentáveis para servir à Nação? Que nada! É para se locupletarem com dinheiro fácil. A reforma teria de acabar com isso.

AGAMEDES PADUAN

agamedespaduan@gmail.com

São Paulo

Reserva de mercado

Querem criar barreiras de prazos para filiação de militares, promotores e juízes. Pergunto: para corruptos e ladrões não há prazos específicos ou os que já lá estão apenas estão promovendo uma reserva de mercado?

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Atingir a Lava Jato

Trazer procuradores da Lava Jato para a disputa eleitoral é um meio que os políticos profissionais encontraram de enfraquecer a operação. Se aceitarem, eles perderão o apoio do público e este, decepcionado, achará que seu real objetivo era, aproveitando-se da popularidade, disputar cargos eletivos. Para nosso alívio, parece que nenhum deles tem essa intenção.

JOSÉ OLINTO OLIVOTTO SOARES

jolintoos@gmail.com

Bragança Paulista

Troca geral

Os parlamentares federais estão se estapeando por uma reforma política que no final não vai reformar grande coisa. E já que os nobres do Congresso Nacional não querem fazê-la, vamos nós promovê-la: nas próximas eleições vamos trocar todos os membros da Câmara dos Deputados e do Senado. Pior do que está não fica, não é, Tiririca?

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS

rzeiglezias@gmail.com

São Paulo

CAMPANHA PRESIDENCIAL

Catástrofe

Chico Alencar, Marina Silva, Henrique (CPMF) Meirelles, Jair Bolsonaro, Geraldo Alckmin, “Tiro” Gomes, Fernando Haddad, Jaques Wagner, Guilherme Boulos (a cereja do bolo) – lista de alguns candidatos à Presidência da República ou elenco de filme-catástrofe? Deixemos de hipocrisia. Com esses nomes e a enorme disfunção e alienação cívico-mental, que é congênita em grande parte do nosso eleitorado, dá para imaginar que o Brasil ainda tenha esperança? Não há luz no fim do túnel, roubaram (também) o túnel.

RENATO OTTO ORTLEPP

renatotto@hotmail.com

São Paulo

Pesquisa Ipsos

A quem interessa essa última pesquisa? O que altera o dia a dia de pessoas como Sergio Moro e Joaquim Barbosa? E quanto aos demais? Falta do que fazer...

GUTO PACHECO

jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

CESARE BATTISTI

Volta para a Itália

O governo italiano pede que o caso do terrorista assassino Cesare Battisti, amparado pelo “ético” governo Lula, seja reaberto. Claro que, pelo bom senso da Justiça brasileira, Battisti deve, sim, retornar à Itália. É algo que precisa e deve ser reparado.

ANTONIO JOSE GOMES MARQUES

a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

Melhorando o prestígio

Como parte de mais uma decisão que poderia marcar positivamente seu governo após 13 anos de lulopetismo, Michel Temer tem a faca e o queijo na mão. Em sigilo, o governo da Itália apresentou pedido para que o presidente reveja a decisão de Lula que garantiu ao assassino Cesare Battisti residência no Brasil, evitando sua extradição para que cumprisse pena em seu país de origem. O pedido está no Palácio do Planalto e já foi submetido a análise técnica. Agora cabe à consultoria jurídica da Presidência emitir parecer. Na visão dos ministros da Justiça e das Relações Exteriores, o gesto é tido como importante diplomaticamente e juridicamente perfeito, com fundamentação em súmula do STF de 1969 que permite à atual administração anular atos anteriores quando houver vícios ou revogá-los por motivo de conveniência. Resumindo: com seu prestígio em baixa, Temer faria um grande bem à sua imagem se revertesse a decisão de Lula, devolvendo finalmente o homicida italiano à Justiça de seu país. De bandidos bastam os nossos.

PAULO R. KHERLAKIAN

paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

ELEIÇÕES NA ALEMANHA

Campo minado

A falta de um meio-termo é o que mais intriga na Europa. Tudo sempre parte para o extremo. Naturalmente, com o passado sombrio da Alemanha, a extrema direita assusta. Mas muita gente faz vista grossa para a esquerda, cujos regimes totalitários mataram milhões de pessoas. O crescimento da extrema direita na Europa é reflexo de políticas irresponsáveis que abriram espaço para a imigração descontrolada, cujos resultados observamos na desestruturação da identidade cultural das nações do bloco e – mais grave – no aumento de atentados terroristas por fanáticos religiosos. A Europa continua um campo minado.

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

EM SÃO PAULO

Obra de arte abandonada

Sem falar no lastimável calçamento de nossas vias, a cultura também segue abandonada na cidade. Na Praça Carlos Paraná, na região da Faria Lima, há uma obra de arte assinada por Galileo Emendabili que vem sendo, há anos, vítima de vândalos. As placas de granito que revestem a base são arrancadas uma a uma e, como acabam quebrando, os cacos, juntamente com lixo, restos de comida, etc., estão lá, jogados em meio a um matagal – restos de um pretenso jardim que nunca foi cuidado. Abandono total. Cenário comum nos quatro cantos de uma das maiores cidades da América Latina e perfil característico daqueles que elegemos, mas depois, com coisas “mais interessantes” para cuidar, esquecem sua função. Que pena!

LEONIDAS RONCONI

ronconileonidas@gmail.com

São Paulo

“A foto da Câmara dos Deputados é o retrato fiel da desfaçatez do Legislativo brasileiro para com o País. Vergonha!”

JOSÉ ROBERTO NIERO / SÃO CAETANO DO SUL, SOBRE O PLENÁRIO VAZIO, ADIANDO MAIS UMA VEZ A LEITURA DA DENÚNCIA CONTRA TEMER E MINISTROS

jrniero@yahoo.com.br

“Direita e esquerda são invenções de demagogos para explorarem as frustrações do povo”

EUGÊNIO JOSÉ ALATI / CAMPINAS, SOBRE AS DIVISÕES POLÍTICAS NO MUNDO

eugenioalati13@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

UM ESTADO NO COMANDO

Por que apenas com a chegada das Forças Armadas as gangues nas favelas do Rio de Janeiro recuaram? Armamento, respeito, medo ou o quê? Bandido não é bobo e sabe quando, numa guerra, precisa recuar. Por que não tem a bandidagem o mesmo respeito para com a Polícia Militar? Por que lutam e matam tantos policiais? Só se faz isso quando o adversário é fraco ou igual. Se o Estado pretende tomar as rédeas nas áreas sociais do Rio, precisa começar tudo de novo, além de recuperar os espaços perdidos. Dá pena ver como aquelas comunidades vivem sendo achacadas pelos bandidos que lhes impõem sobrepreço nos produtos básicos que consomem. Jovens e mais jovens atraídos para o crime, porque não existe futuro à vista que lhes dê algo de concreto. Todos aqueles que hoje empunham armas um dia foram filhos ou pais de alguém, com suas histórias e conflitos que o Estado não assistiu. Talvez estes não tenham mais conserto, e um dia farão parte das estatísticas. Mas, para os que estão nascendo, ainda dá tempo. Só basta boa vontade municipal, estadual e federal! Enfim, um Estado no comando!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

A REPÚBLICA DA ROCINHA

A cada entrevista do ministro da Defesa (?), Raul Jungmann, fica evidente que está perdendo boa oportunidade de ficar calado. A guerra da Rocinha, com evidente vantagem deste, não é só bélica, como logística. Conta - e a inteligência da polícia sabe disso - com a colaboração da maior parte da população local, que troca a sua cooperação com a bandidagem pela ajuda e proteção socioeconômica no que há décadas o Estado se omitiu. De nada adianta esse panorama de Normandia nas ruas do Rio, nem adicionando a Marinha e a Aeronáutica. Enquanto isso, o povo ordeiro está perdendo essa guerra.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

CONFLITOS DO TRÁFICO E CRISE ECONÔMICA 

 

Plena razão assiste à socióloga Julita Lemgruber, do Centro de Estudos e Violência da Universidade Cândido Mendes: a crise econômica e financeira dos entes públicos não é causadora dos conflitos armados entre grupos de traficantes no Rio de Janeiro. No máximo, pode ser considerada determinante da falta de recursos estatais para combatê-los. É necessário perder o vezo da simplificação e atribuir todos os fatos sociais negativos a uma única causa: a sociedade de classes, o fosso entre ricos e pobres, a esqualidez atual de nossa economia. Nenhum fato pode ser bem observado se atribuímos sua causa ao imediatamente antecedente ou à mais simples das verificações. O filósofo grego Aristóteles já dizia que sábio é o homem que compreende o complexo de causas do qual se origina um fato. O mundo está tomado pelo crime organizado, conectado entre países pobres e ricos, movimenta bilhões de dólares e arrosta a autoridade legítima. O Rio de Janeiro é um de seus núcleos duros, Mato Grosso, as regiões da fronteira noroeste e outros, no Brasil. O Estado institucional, em cada país, tem o dever de dizimá-los. É certo que é necessário dinheiro, mas não teríamos tanto dinheiro, se não tivéssemos matéria-prima, que pode ser reconstruída no médio prazo.  O que se faz necessário é uma repressão implacável, absolutamente viável sem exorcizar o regime democrático. Usar o Exército para debelar um estado de coisas que se assemelha a uma guerra civil não atenta contra a democracia. 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

LEVANTARAM O TAPETE

A poeira que estava escondida debaixo do tapete está se espalhando de forma desordenada. A guerra está acontecendo na Rocinha, comunidade carioca, sem controle algum. As autoridades estão paralisadas diante do poderio bélico das facções criminosas, que brigam pelo domínio do importante centro de distribuição de drogas da capital fluminense. As ações do crime organizado são bem coordenadas. Os cidadãos de bem, que trabalham honestamente e pagam rigorosamente seus impostos, estão trancados dentro de suas casas, apavorados. Transitar nos arredores das comunidades ficou cada vez mais arriscado. As autoridades federais, estaduais e municipais precisam agir rápido, senão o banho de sangue será um novo triste recorde brasileiro.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

OPERAÇÃO PRECISA

A situação do Estado Rio de Janeiro não é mais caso de polícia, e sim do Exército. Antes de qualquer incursão, ele precisaria desbaratar as quadrilhas, enjaular os traficantes, apreender armas, fuzis e fazer uma varredura geral, por, no mínimo, 30 dias, com 5 mil homens. Qualquer solução alternativa é meramente paliativa. Uma operação precisa e cirúrgica evitarias sucessivas voltas, acalmaria a população e estilhaçaria com o crime organizado no Estado fluminense.

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

GUERRA E CRIME

As forças de segurança, inclusive o Exército brasileiro, enfrentam na Favela da Rocinha o crime organizado, que, diante da omissão do Estado, ocupou espaços vitais, tendo agora condições de enfrentamento. Muitas pessoas vão morrer e muitos sairão feridos da batalha. Os governos do Rio de Janeiro pensaram em surrupiar o Estado, deixando a população nas garras da criminalidade. Assim, dezenas de anos de prisão para todos eles será pouco, mas será um consolo, pelo menos.

José C. de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

INVASÃO DA ROCINHA

Em vez de tanques e outros carros de combate, que tal meia dúzia de "snipers" e alguns drones espiões?

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

É O FIM!

O prefeito Marcelo Crivella já tomou posse? Está em missão na África? Será que o pastor toca seu rebanho com os mesmos dons de invisibilidade utilizados na administração da cidade? Quinze horas depois de conflitos intensos na Rocinha, ele finalmente soltou uma nota na terceira pessoa: "É com muita tristeza que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, acompanha a situação de medo e insegurança provocada por traficantes de drogas (...) e reforça o pedido para que as pessoas evitem circular nas áreas onde estiver ocorrendo ações dos militares". Oh! Nada mais didático e celestial.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

GUERRA CIVIL CARIOCA

Sobram discursos, falta coragem. E, antes de tudo, o que mais falta é vergonha na cara! Quando é que vão meter bala na bandidagem?

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

RIO DE JANEIRO

O Rio de Janeiro que tanto sofre tem dois culpados principais, cuja triste memória não pode ser esquecida: Juscelino Kubitschek, responsável por fazer o Rio de Janeiro "dormir" capital da República e "acordar" mero balneário; e o populista demagogo incompetente Leonel Brizola. A esquerda de Ipanema com seus "arrrtiztazzz" doudivanas e "intelêkituaizzz" de botequim completaram a obra, glamourizando o crime, vitimizando o criminoso e culpando as vítimas reais ao longo de décadas.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

Taquaritinga

*

EDUCAÇÃO

Combater e reprimir o tráfico, a camelotagem e a mendicância nas vias públicas sempre foi e será trabalho de enxugar gelo ou rolar pedra na ladeira. Trabalho inútil e sem retorno. Um verdadeiro desperdício do dinheiro público. Se não houvesse a figura do viciado comprando droga, do pedestre alienado comprando contrabando ou roubo, ou fazendo caridade fajuta, essas atividades cessariam naturalmente. Família, escola e religião continuam não funcionando como agentes de educação das pessoas.

Marcelo de Lima Araújo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

DISCUSSÃO SEM SENTIDO

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, criticou a sugestão do ministro da Defesa, Raul Jungmann, de gravar advogados de presidiários em visita a seus clientes. Mesmo sendo semianalfabeto, eu acredito que a questão em pauta nem deveria ser discutida, até porque nenhum preso deveria ter telefone celular.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

A DENÚNCIA CONTRA TEMER

O presidente Michel Temer conseguiu se safar da primeira denúncia de corrupção na Câmara dos Deputados, mas não cumpriu com a sua parte no "acerto" feito. Para o seu espanto, não imaginava uma segunda denúncia, também por corrupção, que já chegou àquela Casa. Agora, sua situação ficou insustentável, pois ninguém mais acredita em Temer, que precisou sair às pressas para acalmar a rebelião dos insatisfeitos. Isso é muito feio, Temer. Cumpra as promessas feitas à politicalha atual, senão...

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo 

*

ENTRE DOIS LADRÕES

Temer gostou da ideia de ser denunciado junto com Eliseu Padilha e Moreira Franco. Ser julgado entre dois ladrões pode lembrar um certo julgamento bíblico...

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

CORRUPÇÃO EM BRASÍLIA

Temer é o Ali-Babá brasileiro com mais de 40 ladrões.

Etelvino José H. Bechara ejhbechara@gmail.com

São Paulo

*

VACAS LEITEIRAS PALACIANAS 

    

O mundo todo acompanha boquiaberto as graves denúncias de corrupção levadas a efeito nos Palácios do Planalto e do Jaburu, uma simbiose que anda de mãos dadas e em perfeita harmonia nas ações de propinas e trapaças, que vêm engordando os bolsos de uma corja de afilhados políticos de Michel Temer, que usa e abusa de poder, louvado, endeusado e permitido.

José Benigno josebenignojournalist@hotmail.com

Caruaru (PE)

*

'QUADRILHÃO'

O chamado "quadrilhão" é formado por senadores do Norte e do Nordeste: Maranhão, Piauí, Alagoas, Roraima e Rondônia. Como alguns incluem Lula, de Pernambuco, a lista dos Estados aumenta. Sugestivo!

Diógenes Anthony M. Antunes diogenes_sila@hotmail.com

São José dos Campos

*

CERCO A LULA

O cerco a Lula está aumentando. Agora, são 6 novas investigações contra ele. Com tudo o que o nosso país e o mundo já sabem sobre esta lasciva figura, e se a nossa Justiça fosse mais rigorosa como em outros países em casos de corrupção, ele já deveria estar numa cela comum e com prisão preventiva decretada há muito tempo, aguardando as penas que lhe serão imputadas. Mas, com as benesses de nossas leis e de muitas figuras ligadas ao Judiciário, esta figura continua por aí, arvorando-se em candidato à Presidência da República no ano que vem, com a maior cara de pau. E nós, aguentando esse lixo. Quando, realmente, poderemos voltar a acreditar na nossa Justiça?

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

'O MAIS HONESTO'

Lula da Silva  é alvo de seis investigações, de duas denúncias e de sete ações penais, sendo que em uma delas já foi condenado em primeira instância a 9 anos e 6 meses de prisão. Talvez o título mais indicado para o ex-presidente operário seja "o mais desonesto".

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

PROPAGANDA NA TV

Cínica, para dizer o mínimo, a propaganda do PT na televisão. Para dizer o máximo, irresponsável, ridícula, até mesmo - que me desculpem os petistas - idiota.

                                                                                                                                                                                                                                                                                           Helio Teixeira Pinto helio.teixeira.pinto@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MEDO DE PALOCCI

Lula, mestre da soberba e da mentira, pode dizer que é vitima de perseguição política e que até é "o mais honesto" entre os políticos, mas, quando o assunto é a expulsão de Antônio Palocci do seu partido, o ex-presidente se borra todo. E, sem coragem para expulsá-lo, o máximo que o diretório do PT decidiu contra o ex-ministro de Lula e de Dilma - o mesmo que denunciou todos os podres de Lula ao juiz Sergio Moro há alguns dias - foi uma suspensão de 60 dias... Isso deixa evidente o medo do PT de que Palocci tenha mais podres para denunciar contra o ex-presidente e a cúpula do partido.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos 

*

IDIOTICE

Palocci, que está preso, por entregar o chefe, vai ficar suspenso por 60 dias de atividades partidárias. Além de corrupto, o PT é idiota!

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

*

'FALTA O PROJETO DE NAÇÃO'

Tem razão o colunista João Domingos (23/9, A6) quando diz em seu artigo que a um ano e 15 dias do primeiro turno da eleição de 2018 não se tem um projeto de Nação. Na verdade, não temos sequer candidatos à Presidência da República. Temos, sim, certos sujeitos que por ene razões se candidatam, porém todos estão sem discurso. O velho e surrado discurso do PT não cola mais. A Lava Jato tirou a máscara dos enganadores do povo. Falta aos demais um plano, pois as mentiras contadas ao longo dos anos foram se acumulando de tal forma que, hoje, o eleitor já não acredita em promessas. Recentemente, vimos cair por terra uma série de bondades que seriam feitas caso Dilma ganhasse. Pois bem, enganou mais da metade dos eleitores e todos vimos no que deu. Lula, o retirante que tenta ludibriar a Justiça vestindo a roupa de mártir; Ciro Gomes, um boquirroto que mal conhece os problemas do País; Jair Bolsonaro, que tenta se firmar num discurso sem dizer a que veio; Geraldo Alckmin, um governador que não entrega obras, piorou muito o metrô, sem contar o atraso no monotrilho, nas linhas de metrô, etc.; e Henrique Meirelles, que tem a sorte de estar comandando a economia, realmente a saída para melhorar os empregos, os investimentos, as privatizações, etc. Ele tem a caneta nas mãos, e por que não temos um projeto de Nação? Porque os marqueteiros que ganhavam mundos e fundos foram desmascarados, as empreiteiras que financiavam campanhas estão todas envolvidas nos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção, e os irmãos Batista, maiores compradores do plantei político também, estão em cana. Vamos ter muita dificuldade para eleger alguém que preste. A Lava Jato quebrou a espinha dorsal dos corruptos. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

SEM PROPOSTAS

Vera Magalhães está certa ("PSDB alimenta Bolsonaro", 24/9, A8). Ao não se posicionar, o PSDB alimenta Jair Bolsonaro. PSD e DEM, também. Na realidade, todos! Vera também está certa quando diz que ninguém, inclusive aqueles que dizem ter intenção de voto nele, conhece as propostas do carioca. E a razão é simples: ele não as tem. Atacar Bolsonaro agora é alimentar sua candidatura desnecessariamente. Quem já o ouviu sabe. Bolsonaro morrerá pela boca. Maçã podre cai sozinha.

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

NO VÁCUO

O PSDB, outrora a segunda força político-partidária do País, quando embandeirava os ideais de um neoliberalismo sensato, corre sério risco de perder o protagonismo alcançado. Armadilhado num labirinto oportunista, incapaz de deliberar se deveria ou não continuar apoiando o governo Temer - do qual foi um dos principais arquitetos - após as denúncias de que o presidente foi alvo, tornou explícita a cizânia existencial que sempre esteve latente em suas lideranças, impregnadas de propósitos sempre mal declarados e vaidades corrosivas. A ausência de diretrizes objetivas e orientadoras resultou, a partir daquela indecisão, em perda de importância no cenário nacional, o que, no vácuo, propiciará o crescimento de outros grupos partidários, sem que seja possível no momento prever quais. 

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A COERÊNCIA DE GILMAR MENDES

O ministro do STF Gilmar Mendes demonstrou toda a coerência de sua forma de agir quando negou pedido de "habeas corpus" dos advogados dos irmãos Batista, da JBS. Seu mote é exatamente este: para os amigos, as boas decisões (a seu amigo de longa data Jacob Barata Ribeiro foi concedido o pedido de liberdade); e aos inimigos, a dureza da lei, já que os irmãos Batista são desafetos de Michel Temer e, então, lá está Gilmar Mendes para defender seu amigo presidente.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

*

PARQUET

Lendo o artigo de Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, "Ministério Público de volta aos trilhos" (23/9, A2), remonto ao termo do francês antigo "parquet", como são comumente chamados os membros do Ministério Público no meio jurídico. A mais provável origem da palavra no contexto judiciário é que os magistrados "de pé" (Ministério Público) ficavam numa espécie de cercado, separados dos magistrados "sentados". Quanto à designação "magistratura de pé", viria do fato de que os magistrados do Ministério Público se levantavam para tomar a palavra, contrariamente aos "magistrados sentados", que permaneciam sentados durante toda a audiência. Esta expressão, "parquet", representa para mim a função maior do Ministério Público, qual seja de defesa da segurança jurídica e social, como é também função do "juiz sentado". Apenas que o parquet não é imparcial como deve ser o "juiz sentado". Ele atua como parte na defesa dos interesses públicos, coletivos, difusos e individuais homogêneos. Nunca no interesse dele mesmo enquanto instituição, nem tampouco de seus integrantes. Hoje é, infelizmente, o que se vê com alguma frequência. A vaidade e o desejo de autopromoção atuando no sentido de ganhar, mas do "ganhar" pessoal. Não, em verdade, em nome da sociedade. E, então, deixa de ser parquet, juiz em pé.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

'UM DIAGNÓSTICO SENSATO'

O Poder Judiciário sempre foi o poder de Estado mais fechado, vale dizer, o que menos permitia que a sociedade acompanhasse o que se dá "interna corporis". À guisa de preservação da independência e da vedação de manifestação pública sobre matérias sobre as quais viessem a decidir, o que magistrados(as) pensavam/pensam sobre qualquer coisa sempre foi um mistério. Mesmo as sentenças e acórdãos, proferidos em linguagem incompreensível para o público leigo, passavam ao largo de maiores análises e avaliações. Até se desenvolveu a máxima "decisão judicial não se discute, cumpre-se". Mas ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) começaram a falar, e até um pouco demais, o que estimula outros juízes a virem a público declarar o que pensam sobre a parte do hermético mundo que começou a ser aberto, em tempos nos quais a transparência é exigida para que a sociedade possa sentir segurança em face das instituições públicas. Todavia, por se tratar ainda de instituição hermética, não se pode receber, sem maiores cuidados, críticas contra o próprio Poder Judiciário, ainda que consideradas sensatas. Porque, segundo Ortega Y Gasset, o homem é ele e suas circunstâncias. Um magistrado que declara que os juízes têm de sentenciar, e não ficar em atividades administrativas, o que sabemos de sua produtividade? Magistrado que não concorda com conselhos, como o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), já foi alguma vez instado, de alguma forma, por esses conselhos? Magistrado que não aprova a atuação das associações de classe, aufere alguma das vantagens obtidas por força da atuação dessas mesmas entidades? Nem tudo é; bem como parece ser.

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

'MEDO DA JUSTIÇA'

Cumprimento Marcelo Rubens Paiva pelo excelente artigo "Medo da Justiça" (23/9, C8), sobre as decisões recentes do Judiciário que trazem perplexidade e pasmo à sociedade brasileira. Como operador do Direito e ex-aluno do Largo de São Francisco, compartilho da mesma indignação. É triste vermos ex-colegas de Faculdade, hoje no Supremo Tribunal Federal (STF), dando decisões das mais discutíveis. Essencial seria mudar a forma de seleção e aprovação dos magistrados no País. Ao juiz não basta saber o Direito e ser um bom técnico no aspecto meramente formal. Muito mais importante é que o juiz tenha sensibilidade, compaixão, humanidade, respeito pelos direitos humanos, que esteja em consonância com as ideias da época atual, que busque fazer justiça no caso concreto e dar a cada um o que é seu. O bom juiz deve ser, antes de tudo, um humanista. O Judiciário precisa urgentemente se modernizar, arejar, abrir-se e se aproximar do povo.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

CENSURA AO 'ESTADÃO'

Sob censura já há 2.918 dias, o jornal "O Estado de S. Paulo" será beneficiado, merecidamente, pelo Ministério Público Federal (MPF), que emitiu parecer favorável ao recurso extraordinário do Grupo Estado contra a decisão que, desde julho de 2009, impede o jornal de publicar notícias sobre a Operação Faktor (ex-Boi Barrica). O parecer do Ministério Público foi assinado pelo sub-procurador-geral da República, Odim Brandão Ferreira, com data do dia 15 de setembro. O tempo passou, foram quase 3 mil dias, mas a justiça, embora tardia, se fará.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

'ESTADO' SEM CENSURA

Após mais de 2.918 (!) dias sob censura, impedindo que o "Estadão" nosso de cada dia publique notícias de interesse geral da população sobre a Operação Faktor (ex-Boi Barrica), envolvendo o empresário Fernando Sarney, finalmente surge uma boa luz no fim do túnel com o parecer favorável do Ministério Público Federal ao recurso extraordinário do Grupo Estado. Que estejam contados os dias de trevas, de lamentável memória, e que a liberdade de imprensa prevaleça e vigore livre, leve e solta no Estado Democrático de Direito em que o País vive, a tão duras penas reconquistado após os anos de chumbo grosso do regime de exceção. "Libertas Quæ Sera Tamen."

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

ELEIÇÃO NA ALEMANHA

A extrema-direita superou a cláusula de barreira de 5% dos votos e terá representação no Parlamento alemão, pela primeira vez desde o fim da Segunda Guerra Mundial. O Alternativa para a Alemanha (AfD) adota discurso contra imigrantes, muçulmanos e a ajuda à Grécia por causa da crise do euro. Por esse motivo, apesar da vitória, a chanceler Angela Merkel terá margem de manobra mais reduzida na política migratória, reforma financeira ou programa de resgate no âmbito da União Europeia.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

ANGELA MERKEL

Tivéssemos nós a sorte de ter uma Angela Merkel como nossa presidente no pós-Real, o Brasil seria uma potência mundial. Malditos políticos deste país! Urge exterminá-los, custe o que custar.

José Eduardo Victor victorjoseeduardo@gmail.com

Jaú

*

ESPECTRO POLÍTICO

Não é a "direita" que cresce no mundo, mas é a esquerda comunista que se encolhe na sua real insignificância.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

A AMEAÇA NUCLEAR

Pyongyang não deve estar longe de dominar perfeitamente a produção de bombas de hidrogênio. Seu plano declarado, quando chegar lá, é produzir essa classe de armamento em série. Como o fez com suas bombas atômicas. Imaginem, as 60 bombas atômicas de que a Coreia do Norte dispõe atualmente, numa linha de produção, para se transformarem no gatilho de algo dezenas de vezes pior. Felizmente, os norte-coreanos ainda não chegaram lá. Nem vão chegar. Todas as nações do mundo, inclusive a China, aderiram às sanções contra a Coreia do Norte. A economia desta ditadura, que já ia muito mal antes, deve estar pedindo água muito em breve. Nas próximas duas semanas ou vamos ver Kim Jong-um sentado na mesa de negociações, disposto a abrir mão de seu arsenal balístico e nuclear ou, infelizmente, vamos ver este seu arsenal em ação contra o poder de fogo norte-americano, avassaladoramente superior. Será terrível, mas bem menos terrível do que seria se os EUA não enfrentassem o desafio agora e o deixassem seguir em frente. Salvo engano, não haverá outra saída para Kim além da diplomacia. E o "homem do míssil" irá perder os seus brinquedos favoritos, além daquele seu sorriso.

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

DOCUMENTÁRIO

A CNN produziu um documentário sobre a Coreia do Norte intitulado "Secret State", em que o correspondente da emissora Will Ripley, que mora na "toca no leão", mostra algo além do pouco que normalmente vemos sobre aquele país. Filmado com ampla observância do governo, o documentário nos permite observar como o totalitarismo comunista destruiu uma nação. Energia elétrica racionada, celulares com intranet controlada pelo governo, diabólicas transmissões estatais de rádio e TV, ampla proliferação do ódio desmedido contra o Ocidente, a Coreia do Sul e o Japão, o sinistro culto à personalidade dos Kim's; Il-Sung, Jong-il e Jong-un, com painéis, fotos e estátuas gigantescas e opulentes, contrastantes com a pobreza geral e a miséria da nação. Ripley perguntou aos diversos norte-coreanos que entrevistou se havia algo a ser melhorado no regime. A resposta, unânime, foi um assustador "não", seguido de relatos sobre a perfeição com a qual Kim Jong-un conduz sua nação semissatânica. O medo impera.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

PLANETA EM CRISE

Se a Coreia do Norte e o Irã continuarem a testar seus mísseis com tanta frequência, acabarão trazendo estragos irreversíveis ao planeta sem guerra nenhuma.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

FARSA 

As imagens divulgadas do lançamento do míssil balístico norte-coreano são uma montagem de imagens amadora. A queima de combustível líquido ou sólido resulta em emissão de gases que deixam rastro de fumaça, mas os motores do míssil norte-coreano só produzem fumaça na ocasião da ignição, e em pequena quantidade e força. A quem interessa manter a farsa? 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

TRAVESSURAS

Quem é mais travesso? Juventus (SP), Donald Trump ou Kim Jong-un?

Delpino V. da Costa dcverissimo@gmail.com

São Paulo

*

CONSIDERAÇÕES

Em seu artigo "Herói tratado como um vilão", publicado no caderno "Aliás" de 3 de setembro (E2), o jornalista José Nêumanne Pinto fez justiça ao infatigável e heroico editor Gumercindo Rocha Dorea, verdadeiro Pedro Álvares Cabral da Ficção Científica no Brasil, que, ademais, lançou prosadores do quilate de Fausto Cunha, Gerardo Mello Mourão, Nélida Piñon e Rubem Fonseca. Como bem observou Nêumanne Pinto, o mal escrito livro de Laura de Oliveira sobre Gumercindo Rocha Dorea e as Edições GRD não passa de uma malfadada tentativa de reescrever a História, ao feitio stalinista. Apenas merecem reparo, no referido artigo, porquanto equivocadas e superficiais, algumas afirmações a respeito do Integralismo, movimento inspirado não no fascismo, mas sim nas lições do Evangelho, na Doutrina Social da Igreja e na obra de grandes pensadores brasileiros como Alberto Torres, Jackson de Figueiredo, Farias Brito, Oliveira Vianna, Euclides da Cunha e Eduardo Prado e que só pode ser considerado "autoritário" caso tal termo seja aplicado àqueles que defendem o justo princípio da Autoridade. Ademais, diversamente do que afirmou Nêumanne Pinto, o Integralismo continua vivo e atuante, com milhares de adeptos e simpatizantes em todo o País. Ao mencionar alguns dos inúmeros intelectuais que pertenceram ao Movimento Integralista, que reuniu, no dizer de Gerardo Mello Mourão, o "mais fascinante grupo da inteligência do País", esqueceu-se Nêumanne Pinto de mencionar este grande poeta e romancista, um dos maiores filhos do Ceará e do Brasil, cujo centenário de nascimento transcorreu neste ano. Encerramos estas linhas ressaltando que concordamos plenamente com o autor do artigo em questão quando este qualifica de "brilhante" a Vida de Jesus, de Plínio Salgado, obra-prima que é, como bem escreveu o Padre Leonel Franca, a "joia de uma literatura". 

Victor Emanuel Vilela Barbuy victor.emanuel.brasil@gmail.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.