Fórum dos Leitores

.

Impresso

27 Setembro 2017 | 03h02

CORRUPÇÃO

Os recibos

A defesa de Lula apresentou os recibos de pagamento de aluguel do apartamento anexo ao dele em São Bernardo, pagamentos esses que o proprietário do imóvel declarou em depoimento nunca ter recebido. Ou alguém está mentindo ao juiz, ou à Receita Federal, ou dona Marisa Letícia enganou a todos.

ELY WEINSTEIN

elyw@terra.com.br

São Paulo

Do além

Glaucos da Costamarques, em depoimento no início do mês, declarou que só passou a receber os aluguéis a partir de 2015, com a prisão de José Carlos Bumlai, em novembro daquele ano. Agora a defesa de Lula apresenta recibos mensais de pagamento em espécie que teriam sido feitos pela sra. Marisa Letícia em anos anteriores. Como as versões não batem, a emenda ficou pior que o soneto. Agora todos vão querer saber: Costamarques reconhece sua assinatura nos recibos? O cartório reconhece? Quem, na versão dele, emitia os recibos a partir de 2015? Com que impressora? Há cópias? O texto corresponde? Por que não se fizeram retenções? Como se pagava o condomínio?

JORGE ALBERTO NURKIN

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

Redigir e imprimir recibos de aluguel da cobertura em São Bernardo do Campo até criança sabe fazer. Quero ver extratos bancários comprovando que o dinheiro saiu da conta da “galega” e foi realmente creditado na conta do laranja Bumlai.

MOYSES CHEID JUNIOR

jr.cheid@gmail.com

São Bernardo do Campo

Xeque-mate iminente

Santa ingenuidade, Batman – digo, defesa de Lula! Pode haver recibo mais sem credibilidade que os apresentados? Talvez se estivessem escritos à mão em papel de padaria... Mas não precisam apresentar recibo algum. Basta a guia de recolhimento do Carnê Leão (Decreto n.º 3.000, de 26 de março de 1999), que deve ter sido efetivamente pago, referente aos meses em que o aluguel foi recebido. Sem conversa fiada, sem história para boi dormir, sem choro nem vela. Tô começando a ficar com pena de dona Marisa.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Pau que nasce torto...

Cristiano Zanin, advogado de defesa de Lula da Silva, está tão afoito em demonstrar a inocência de seu cliente que acabou de apresentar recibos que comprovam o pagamento de aluguéis de imóvel investigado na Lava Jato sem nem antes conferir as datas: o recibo datado de 31 de junho de 2014 é tão falso como nota de três reais, pois esse mês só tem 30 dias. Fica claro que tais recibos foram assinados todos ao mesmo tempo para fabricar provas inexistentes. O resultado é que Zanin acabou dando de bandeja ao juiz Sergio Moro mais uma prova irrefutável de que Lula é um corrupto irremediável, que continua a praticar seus métodos sujos, e assim será para sempre. Pau que nasce torto morre torto.

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

Juiz bonzinho

O aumento da pena de 20 para 30 anos imposto a José Dirceu pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região deixa evidente que o juiz Sergio Moro tem mão leve em suas canetadas. Lula deve, a partir dessa decisão, rezar para que seus processos sejam todos julgados pelo juiz do Paraná e jamais recorrer da decisão.

MAURO DE CAMPOS ADORNO FILHO

maurinhoadorno@gmail.com

Mogi-Mirim

O caráter das penas

Ler o artigo Para réu inocente, pena mínima! (27/9, A2), do eminente criminalista dr. José Roberto Batochio, sobre as “severas” penas aplicadas a quem praticou crimes de natureza pública, me fez lembrar um pouco da evolução histórica da pena no Brasil, que percorreu longo caminho até chegar aos dias de hoje. Os castigos corporais aplicados na vigência das Ordenações Filipinas, no início do Império, eram punições extremamente brutais, marcadas pela desproporção entre o delito praticado e a pena. Assim, à pena de açoitamento público podia ser adicionada uma mão decepada, dependendo das circunstâncias. A pena capital comportava várias modalidades, entre elas, a morte na forca (precedida ou não de torturas), a dita “morte para sempre”, em que o corpo ficava suspenso até a putrefação, a morte pelo fogo, etc. Além das penas corporais, havia os castigos infames, em que a pessoa era exposta de forma vexatória a fim de acabar com sua “moral e boa fama”. Em 1830 foi sancionado o Código Criminal, que reduziu os delitos apenados com morte e extinguiu as penas infamantes. Surgiu a pena de privação de liberdade em substituição às penas corporais. O nosso Código Penal atual tende a seguir os ditames do Estado Democrático de Direito, mas ainda existem dúvidas quanto ao caráter da pena – se seria melhor uma função punitiva, coercitiva ou reeducativa. Todavia, e não obstante os brilhantes argumentos do eminente criminalista, ele não tenha dúvida de que, para muitos de seus leitores, alguns castigos corporais aplicados no início do Brasil Império ainda seriam penas mais adequadas a condenados na Lava Jato.

JOHN FERENÇZ MCNAUGHTON, advogado

john@mcnaughton.com.br

São Paulo

Amante que sou de nossa língua e da Ciência do Direito (primo-irmão do grande jurista José Cretella Junior), deliciei-me com o brilhante texto do culto advogado Batochio. Mas não sou advogado nem escritor, sou apenas um brasileiro, engenheiro, fanático por uma virtude que não passa de elementar obrigação: a honestidade. Assim, como leigo, pergunto: qual é o cientista capaz de calcular o prejuízo representado por milhões de pessoas humildes sem moradia, sem hospitais, sem segurança, sem emprego, tudo isso agravado pela endêmica corrupção que grassa neste país? Será que os advogados que defendem esses conhecidos bandidos conseguem avaliar quantas dores seriam poupadas aos menos favorecidos se as fortunas roubadas tivessem o merecido destino? Discutir se as penas aplicadas são exageradas me parece ignorar os infinitos males que a corrupção acarreta. Ou será que a insaciável gana de um Lula, um Cabral, um Palocci e outros milhares de políticos não tem relação com todas as dores e perdas que atingem os menos favorecidos? Para os mais caros e “cultos” advogados vale a máxima defendida por famoso advogado já falecido: “Ao advogado cabe absolver seu cliente, justiça é problema de Deus”. Ou seja: só é culpado quem fornece recibo de propina, com firma reconhecida. Eu nunca vi um...

CELSO COLONNA CRETELLA

cpropano@gmail.com

São Paulo

“Impressionante quantos capachos tem o Lulla entre petistas e artistas nos quais pode limpar seus sapatos sujos de lama...”

CECILIA CENTURION / SÃO PAULO, SOBRE O CULTO IDÓLATRA AO MAIS HONESTO

ceciliacenturion.g@gmail.com

“Qualquer semelhança de Gleisi Hoffmann com Kim Jong-un é mera coincidência”

ADALBERTO AMARAL ALLEGRINI / BRAGANÇA PAULISTA, SOBRE BRAVATAS E DISCURSOS INCENDIÁRIOS

adalberto.allegrini@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

JULGAMENTO NO TRF-4

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) julgou ação contra José Dirceu e aumentou sua pena para 30 anos e 9 meses de prisão, muito além daquela dada pelo juiz Sergio Moro. Agora, haja paciência, porque, enquanto não for preso (atualmente ele cumpre prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica), Dirceu virá com a mesma cantilena que fez logo que foi solto por "habeas corpus": um injustiçado, caluniado, perseguido pela direita fascista, etc. Paciência. Pena que os anos em que aprendeu a arte da guerrilha em Cuba não o tenham ensinado como cobrir rastros, porque desde a época de Celso Daniel os petistas da alta cúpula - entre eles, José Dirceu - vêm na moita repartindo um tanto para o partido, outro tanto para o próprio bolso. Isso acaba confundindo as estações e deixando rastros, pegos agora pela Justiça. 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O GATO NO TELHADO

Recado do TRF-4 a Lula, depois desta condenação de Zé Dirceu, o "guerreiro do povo brasileiro": o gato subiu no telhado.

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

BAÚ DE OSSOS

De repente e tal qual coelho tirado de cartola de mágico, a defesa do impoluto demiurgo boquirroto Luiz Inácio Lula da Silva apresentou à Justiça 26 cópias de recibos de pagamento de aluguel do apartamento de São Bernardo do Campo. Levando em consideração a vida pregressa da ilustre figura envolvida, fosse eu do Ministério Público, tomaria as seguintes providências: 1) datação de carbono 14 para todos os recibos, objetivando a mais precisa indicação de data para cada um deles, afinal, estamos tratando de um "fóssil"; 2) comprovadas as datas, teste grafológico para confirmar a assinatura do emitente dos recibos; 3) confirmadas e atestadas as assinaturas, investigação para verificação do porquê da afirmação do proprietário do imóvel de jamais ter recebido aluguel sobre o mesmo do referido senhor ou de sua "administradora" e falecida  esposa, Marisa Letícia; 4) se comprovada a mentira nessa afirmação, investigação para verificar  se os fantasmas de Celso Daniel ou Toninho do PT não estão assombrando o pobre proprietário, fazendo com que sua memória ou declarações sofram lapsos   incompreensíveis para qualquer "mortal".

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

DO ALÉM

O melhor comentário sobre o recibo de aluguel de Lula, com data de 31 de junho, foi feito por um leitor do site O Antagonista: "O proprietário fantasma recebeu da inquilina defunta em um dia que não existe".

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

PROCESSOS PARADOS

Lula ameaçou, novamente, delatar todo mundo se for preso. Cidadãos brasileiros, não damos a menor importância a isso. Ninguém teme. O fato é que a Justiça brasileira não funciona, tem mais de 250 processos contra parlamentares e funcionários públicos brasileiros, a maioria por roubo ao erário, mas nada acontece, os processos estão lá parados esperando prescrição, para "salvar a pele" do ladrão. Não se sabe se são algum ou alguns acordos, o fato é que todos estão soltos, gastando o dinheiro roubado. Há algo errado na Procuradoria-Geral da República e no Supremo Tribunal Federal que faz com que não haja justiça. Isso é a causa do grande caos que o Brasil se tornou nos últimos anos, do qual se está fazendo força para sair. Voltar à tona! Esse é, também, o motivo da preocupação e do nervosismo de muitos oficiais generais das Forças Armadas, com razão.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

ESTRANHO PANELAÇO

Lembram do "panelaço"? Faz tempo que não temos um deles por aqui. Mas, no Canadá, em Vancouver (Universidade British Columbia), estudantes brasileiros preparam para quinta-feira (28/9) um protesto contra a Operação Lava Jato, "batendo panelas" quando a instituição receber Deltan Dallagnol, procurador da operação em Curitiba. Considerando as prisões realizadas e a realizar, além da montanha de dinheiro recuperado, esse protesto é muito estranho. Será que estes brazucas desfrutam de alguma lei que os beneficie (algo como a Lei Rouanet)? Vamos conferir.

José Perin Garcia jperin@uol.com.br

Santo André 

*

PALESTRAS

Palestras, palestras, palestras. Não apenas dos chefes do Executivo, de ministros do STF, de ministros de Estado, de magistrados, parlamentares, procuradores da República, etc. O quanto se ganha com tais palestras é uma incógnita. Já se ouviu que "o ex-presidente Lula cobra muito mais que seu colega intelectual Fernando Henrique Cardoso por uma palestra de uma hora dentro e fora do Brasil. O valor do petista é cerca de R$ 100 mil maior que o do tucano" (fonte: R7, 19/2/2013). Pois trouxe a "Coluna do Estadão" ontem que o procurador Deltan Dallagnol está na University of British Columbia, em Vancouver; e que Henrique Meirelles esteve anteontem na London School of Economics. Tanto têm os signatários a nos ensinar que declaram, por conclusão óbvia, que o Brasil não se arruma porque "não quer". Fácil falar sobre pessoas surdas-mudas e cegas à realidade brasileira. Não encontro saída.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

EM DEFESA DE CABRAL E DIRCEU

Fiquei estarrecida ao ler a defesa do dr. José Roberto Batochio ("Para réu inocente, pena mínima!", 26/9, A2), contra as penas de 45 e 23 anos de prisão aplicadas, respectivamente, aos réus Sérgio Cabral e José Dirceu. Em nenhum momento este sr. parou para pensar nos estragos causados por estes roubos, que prejudicarão por décadas os cidadãos cariocas, por terem desviado cerca de R$ 224 milhões de contratos do governo do Estado desde 2007, quando Cabral assumiu o governo. Dr. Batochio parece que mora em outro país e não é capaz de ter sensibilidade e uma visão deste estrago.  Viu o que estão passando? Já o sr. José Dirceu, se não fosse afastado do governo no mensalão - compra de parlamentares -, com certeza seria o candidato de Lula à Presidência no lugar de Dilma Rousseff. Veríamos, então, que nos conduziria à uma venezuelização, e com certeza acabaria com a democracia no Brasil, vide o que disse ao obter o "habeas corpus". E ele é reincidente, pois, além do mensalão, continuou a delinquir no petrolão. Este advogado, além de criminalista, foi político, então sabe dos estragos feitos por políticos deste naipe. E no Brasil 40, 50 anos de prisão se transformam em 30 anos por lei, que aos poucos se diluem e, no fim, só pobre cumpre a penal total. Para réu reincidente, pena máxima!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

MAIOR A PENA, MELHOR O EXEMPLO

O artigo do dr. Batochio "Para réu inocente, pena mínima!" (26/9, A2) me deixou indignado. Terá sido mera coincidência o TRF da 4.ª Região ter aumentado a pena do criminoso José Dirceu para mais de 30 anos justamente no dia em que o eminente jurista José Roberto Batochio publicou o seu artigo na A2 do "Estadão" criticando com veemência o exagero das penas impostas aos condenados na Lava Jato e em outras operações da Polícia Federal/Ministério Público Federal? Na minha opinião, o dr. Batochio perdeu uma ótima oportunidade de ficar calado, pois, com seu artigo, demonstrou o desprezo que tem pela população brasileira vítima de ladrões do colarinho branco como os srs. José Dirceu e Sérgio Cabral, defendidos por advogados caríssimos como ele próprio e mencionados no seu artigo como "vítimas". O caso do sr. Sérgio Cabral e sua quadrilha é emblemático. O Estado do Rio de Janeiro está convulsionado sob todos os aspectos. Finanças, segurança, educação, justiça, etc. O problema é que, eleitos, gente como ele deixa de governar para roubar. Quantos não morreram no Rio de Janeiro em razão dos desvios de dinheiro público desse senhor? O sr. Cabral deveria ser condenado a várias prisões perpétuas pelos crimes que cometeu contra a população do seu Estado. O sr. José Dirceu é um ladrão contumaz: roubou no mensalão e continuou roubando no petrolão, mesmo já condenado no primeiro. Logo, a velhice não redime pessoas como ele, pois lhe falta o que sobra a muitos brasileiros: vergonha na cara. O sr. Batochio se estende, ainda, a citar vários exemplos históricos, mencionando, inclusive, o julgamento dos nazistas no Tribunal de Nuremberg. É de lastimar a obtusidade de tal comparação. O Brasil está sendo saqueado em todos os níveis e é disso de que devemos nos ocupar. Estancar essa sangria de recursos para que o País sobreviva e a população comece a recuperar tudo que lhe tem faltado e que tem sido, sistematicamente, roubado por esta gente desonesta, sem caráter. 

Maior a pena, melhor o exemplo!

Rubens S. Valneiros rvalneir@gmail.com

Barueri

*

VERGONHA

É por artigos como este do sr. José Roberto Batochio, de 26 de setembro (página A2), que milhares de bons brasileiros honestos estão deixando o País. Que vergonha este artigo!

  

Luís Fe. Meirelles Carvalho meirelles@meirellescarvalho.com.br

São Paulo

*

'JUS ESPERNEANDI'

Em seu artigo "Para réu inocente, pena mínima!" (26/9, A2), o dr. José Roberto Batochio, na linha "jus esperneandi", após vergastar a pena imposta ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral - aquele político incompreendido que subtraiu para fins particulares apenas algumas dezenas de milhões dos cofres cariocas -, achou por bem comparar nosso Judiciário a cortes de exceção como, segundo ele,  o Tribunal de Nuremberg ("claramente constituído para chancelar punições"). Nesta linha, desqualificando tudo e todos, só faltou sustentar que José Dirceu deveria (quem sabe?) receber  indenização do Estado como reparação por ser perseguido político em plena democracia, já que, como aparenta crer o causídico, o  "guerreiro do povo brasileiro" nada teria feito de errado desde que o PT assumiu o poder. Como advogado, é compreensível que Batochio defenda aguerridamente a inocência de seus clientes. Mas será que lá no fundo do coração acredita mesmo no que diz?

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

ISSO É JUSTIÇA, NÃO É?

O ex-deputado e advogado José Roberto Batochio explana sua discordância em relação às condenações de Zé Dirceu e outros "inocentes". Pergunto ao dr. se, na sua visão jurídica, a Justiça "certinha" é a que as vítimas da Samarco estão recebendo. É? Todos os culpados estão livres e soltos e os 16 mortos, enterrados e quietinhos! 

Joao Paulo jp@seculovinteum.com.br

São Paulo

*

INCERTEZA

Espero que outros juristas, de modo especial juízes não envolvidos nos julgamentos do mensalão ou na Lava Jato, opinem sobre o texto do advogado José Roberto Batochio (26/9, A2). Será que realmente estão ocorrendo excessos em nossos tribunais? Para leigos como eu, fica no ar uma grande incerteza.

Nelson Mattioli Leite nelsonmleite@uol.com.br

São Paulo

*

HONORÁRIOS

Segundo entendimento do nosso nobre jurista petista dr. Batochio, ninguém deve ser preso neste país, e, se for, que a pena seja mínima, irrisória. Ou seja, pode roubar, montar esquemas de desvio de dinheiro público, toda sorte de propinas, intimidar testemunhas, que a cadeia é injusta. Interessante notar que, quanto mais clientes deste sr. e de outros representantes da advocacia brasileira, inclusive alguns dando festas de arromba no exterior, ficarem soltos, mais os seus polpudos "honorários" estarão garantidos.

 

Edilson Sanches edilson.sanches@tvmaisabc.com.br

Santo André

*

FESTA NA EUROPA

Não sei por que a festa do advogado criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, na sexta-feira em Lisboa, me lembrou "guardanapos".

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

A DENÚNCIA CONTRA O PRESIDENTE

Os gabinetes de parlamentares no Congresso Nacional estão mais uma vez em reboliço com destaque para os encaminhamentos que favoreçam o atual presidente diante da denúncia, a última apresentada pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot. Os parlamentares defendem os seus interesses ao fazer determinados acordos, sem levar em conta a repercussão de seus atos perante o eleitorado. Como o Parlamento é resultado do voto e o comportamento de quem ocupa um cargo público tem que ver com as formas de pressão que podem e devem ser exercidas nas bases, se isso acontecesse, o quadro político seria muito diferente. 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

DENÚNCIA NO CONGRESSO

O problema não será no Congresso. O problema será sempre dos brasileiros que pagam a conta.

Alice A. Câmara de Paula alicearruda@gmail.com

São Paulo

*

TEMPO

A segunda denúncia contra Michel Temer, lida ontem no Congresso Nacional, além de mostrar ao País qual o tipo de presidente temos, também mostra qual a qualidade de parlamentares não temos. Entretanto, esta parada vai propiciar ao povo brasileiro um tempo para que possa analisar a lei que pretende nos impor a reforma da Previdência. Uma reforma que não corrige distorções, não cobra os grandes devedores, mas apenas penaliza de forma cruel os trabalhadores brasileiros. Basta ler como ficará se aprovada a "pensão por morte", e verão para o que serve este arremedo de proposta de quinta categoria.    

 

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru

*

CRISE E SOBREVIVÊNCIA

O artigo "A crise. Ainda há o que dizer sobre ela?", de Francisco Ferraz (24/9, A2), reflete com clareza o momento conturbado pelo qual passa o País. De fato, "a saída da crise está em mãos dos mesmos que a produziram." Infelizmente, Rodrigo Maia, presidente da Câmara, parece que foi mordido pela mosca azul, e quer sentar-se na cadeira do presidente Temer, incentivado por seus apoiadores. Mas ele que não se iluda, o Brasil, como já ficou provado, não é para amadores. Temer sobreviveu e sobreviverá até 2018 porque tem 30 anos de experiência. Este recado serve também para João Doria, prefeito de São Paulo, que está querendo dar uma rasteira no seu padrinho, Geraldo Alckmin.

Rosane de Arazão roxanearazao@yahoo.com.br

São Paulo

*

GUARDIÕES DA LEI?

O Ministério Público Federal, até então considerado um impoluto guardião da lei, demonstra que não é bem assim. Seu ex-procurador-geral Rodrigo Janot cansou de dar "flechada" no próprio pé. Seu braço direito, Marcelo Miller, lidava nos dois lados, misturando o público com o privado. Agora foi a vez do procurador federal Sidney Pessoa Madruga, flagrado almoçando com a advogada Fernanda Tórtima, da dupla corrupta Joesley e Wesley Batista, tratando da investigação da Procuradoria-Geral da República sobre Eduardo Pelella, outro assessor de confiança de Janot. E o honesto povo brasileiro, desiludido, apostava todas as suas fichas na lisura da Procuradoria. Resta uma única esperança: Raquel Dodge. Muda, Brasil!

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

  

*

RAQUEL DODGE

Enquanto ocupou o cargo de procurador-geral da República, Rodrigo Janot denunciou Aécio Neves, Aloysio Nunes, Fernando Collor, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Eunício Oliveira, Gleisi Hoffmann, Gilberto Kassab, Lula, Rodrigo Maia, Moreira Franco, Eliseu Padilha, Renan Calheiros, Michel Temer, entre muitos outros. Os contribuintes brasileiros, que querem recuperar parte do dinheiro roubado pelos caciques dos partidos políticos, esperam que a sucessora de Janot, Raquel Dodge, imprima o mesmo ritmo de denúncias dos últimos quatro anos. Janot incomodou principalmente os poderosos do PT, PMDM, PSDB e PP. Dependendo da garra de Dodge, muitas malas de dinheiro e contas fantasmas ainda serão descobertas neste imenso lamaçal.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

BONS VENTOS NA ECONOMIA 

Ufa, finalmente "A brisa depois do temporal" (editorial do "Estadão" de 23/9, A3). O texto diz bem sobre os bons ventos que sopram na recuperação da nossa economia. Como detalha o editorial, nos últimos anos, principalmente de 2014 a 2016, fruto da gestão do PT, o País foi virado ao avesso, culminando com a derrocada do PIB, os 14,2 milhões de desempregados, além das bombásticas delações da Lava Jato envolvendo centenas de políticos, empresários, lobistas, doleiros, etc., que, juntos, desviaram das nossas estatais dezenas de bilhões de reais. E, no pacote deste deplorável cenário, a descoberta de crime de pedalada fiscal que levou ao merecido impeachment de Dilma Rousseff. Em meio a esta grave crise econômica, política e moral, tivemos neste ano as delações que estremeceram o noticiário e indignaram ainda mais a nossa sociedade: a da Odebrecht, a de Joesley Batista e a de Lúcio Funaro. Estas últimas geraram duas denúncias contra o presidente Temer - apresentadas de forma vingativa, afoita e pouco embasada pelo hoje ex-procurador da República Rodrigo Janot. E isso num momento em que os projetos inadiáveis de reformas constitucionais de Temer, como a da Previdência, estavam bem encaminhados no Congresso. Ou seja, a cada dia ou semana uma tormenta... É neste quadro de insegurança que a atuação dos ministros do STF é primordial para o bom andamento institucional. O País não pode retroceder mais do que infelizmente já retrocedeu. Mesmo porque a família brasileira não aguenta mais! E, como a recuperação da economia e dos empregos é uma realidade, entusiasmando até os investidores, vamos aproveitar bem esta brisa depois do temporal. E que o Congresso, com responsabilidade, faça a sua parte e encerre 2017 concluindo a reforma da Previdência.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

REFORMAS PARALISADAS

Embora a mídia em geral não tenha dado destaque para as importantes reformas de que o País necessita, como a reforma fiscal, a tributária, a da Previdência Social e outras, entre elas a política - esta a mais divulgada -, a verdade é que os congressistas não estão preocupados com os interesses da Nação. Estão, sim, voltados para os próprios interesses. Por exemplo, a proposta de unificação dos impostos. Hoje há um sem número de impostos federais, estaduais e municipais, e a maioria deles é em cascata, ou seja, provém de um mesmo fato gerador. Isso traz insegurança jurídica, afasta sobremaneira investimentos alienígenas. A reforma da Previdência, proposta em etapas, visa a garantir aos trabalhadores seus direitos a uma velhice com parca aposentadoria, mas digna. Enfim, tantas providências que só podem ser tomadas pelos políticos em nome do povo, Mas os temos? Nada! Isso precisa mudar. Brasileiros, vamos refletir muito bem na hora de votar. Os verdadeiros cidadãos brasileiros acreditam e têm esperança de que tudo vai mudar. Cada um faça sua parte. Avante Brasil!

Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

*

SEM COMPARAÇÃO

Enquanto aqui, no Brasil, os ex-presidentes Fernando Collor de Mello e Dilma Rousseff sofreram impeachment e a ponte do presidente Michel Temer já está balançando, na Alemanha, Ângela Merkel foi eleita para seu 4.º mandato consecutivo. Isso não é nenhum milagre, isso é simplesmente saber governar.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

2018 ANTES DA HORA

A campanha presidencial antecipada para ludibriar a boa-fé dos ouvintes do Nordeste não devia ser ignorada pelas autoridades responsáveis para cessar tal abuso. Lula e outros petistas mentiram deslavadamente nesses comícios, levando os desinformados à loucura, ao insuflar que este governo vai vender a Petrobrás, o Banco do Brasil, o BNDES, a Casa da Moeda, além de acabar com o Bolsa Família e o programa Minha Casa, Minha Vida. Infelizmente, essas falácias acabam cumprindo o seu objetivo, que faz um mentiroso chegar ao poder e permanecer nele. Todavia, felizmente, a maioria dos brasileiros conscientes e responsáveis tem a percepção de que as nossas instituições estão funcionando bem, de que este governo vem colocando o Brasil nos trilhos e afasta qualquer possibilidade da volta do PT ao poder para não quebrar o País de novo e evitar que os "companheiros" continuem enriquecendo, mamando nas tetas do Estado. Este populismo não vai prevalecer sobre a verdade.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo 

*

O PSDB INDECISO

Entre um candidato burocrático e outro determinado no combate à corrupção por meio do desaparelhamento político de nossas instituições, as pesquisa indicam que o povo já fez a sua escolha. Enquanto o prefeito João Doria é autêntico e incisivo na sua luta pelo enxugamento da máquina pública, o governador Geraldo Alckmin adapta o seu discurso às conveniências eleitorais. Foi assim na sua última campanha presidencial quando, apesar da corrupção desenfreada nas estatais federais, evitava falar em privatização. Enquanto isso, atabalhoado, no seu Estado, para demonstrar seu caráter liberal, decidia "privatizar" a Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep), detentora do mais pesado e monopolístico sistema de extra-alta-tensão da Região Sudeste, vendendo-a a uma inexpressiva estatal colombiana. Se o PSB está indeciso, que outros partidos importantes tomem a dianteira, pois os populistas - como na Alemanha - estão ocupando espaço.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

*

ALCKMIN OU DORIA

Geraldo Alckmin é um político experiente e com boa aceitação no Estado de São Paulo. Pesa contra ele a suspeita de favorecimento dos cartéis do transporte metropolitano de São Paulo, o que certamente vai ser muito explorado caso seja candidato a presidente da República no ano que vem. João Doria é um excelente administrador, que teve um início meteórico na carreira política e que também quer ser presidente - e, por enquanto, nada foi divulgado que o desabone. Dessa forma, Doria seria o mais indicado para concorrer à Presidência, quer pelo PSDB, quer pelo DEM.

J. A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

PRECATÓRIOS

Um bom começo para Alckmin pavimentar a pista de sua corrida ao Planalto seria pagar os precatórios que deve, até o fim do ano. Da maneira como os governos tratam esse assunto, conclui-se que estão esperando os beneficiários morrerem. As obras que Alckmin quer inaugurar podem esperar, os precatórios, não.

Mario Ghellere Filho marinhoghellere@gmail.com

Mococa

*

E A NOVELA CONTINUA

A novela dos planos econômicos Verão, Collor I e II e Bresser continua, ainda sem solução. Desta vez, quem pediu vistas no processo, pela enésima vez, foi o ministro Villas Boas, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Por mais de duas décadas e meia, milhares de poupadores deste país esperam que sejam corrigidos os juros de suas poupanças. Parece brincadeira, mas essa "enrolação" já dura mais de 25 anos. Nenhum país, por mais que tenha um Judiciário injusto, demoraria tanto para seu ressarcimento. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban), por sua vez, nem se manifesta. Enquanto isso, os bancos vão batendo recordes de faturamento ano após ano, ignorando seus clientes e fazendo pressão para o calote. Que Deus ilumine a cabeça dos nossos ministros e que seja feita a justiça que todos esperam.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

DIREITOS INDEVIDOS

A mídia noticiou recentemente um monte de trambiques na concessão do auxílio-doença, casos de gente recebendo sem ter direito. A aposentadoria concedida a Dilma Rousseff, sem ter ela contribuído, é só mais uma demonstração do que acontece para beneficiar políticos e causar déficits no que eles mandam. E os contribuintes pagam.  

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

JOÃO DORIA

Estou me sentindo um pouco decepcionada com o prefeito João Doria. Quando foi eleito, disse que o seu objetivo era "prefeitar", mas, ultimamente, ele perdeu esse foco. Está mais preocupado em fazer campanha para ser presidente. É bom ele lembrar que para ser eleito presidente, primeiro, ele vai ter de ser um ótimo prefeito!

Angela M. de Souza Bichi angela_bichi@hotmail.com

Santo André

*

PREFEITO OU CANDIDATO?

O período curto em que o senador José Serra ficou na Prefeitura de São Paulo nunca será esquecido (2005/2006). As consequências do famoso trampolim é que Serra hoje não é páreo para o Planalto. Um bom ministro da saúde (1998/2002) fazer de São Paulo trampolim tem o seu preço, custa caro, afinal, gato por lebre (Bruno Covas) não foi o acordado nas urnas. A gigante São Paulo pede respeito, queremos um prefeito, e não um candidato eterno. Qual o problema da terra da garoa? Sabemos do fardo que é governá-la e sabemos que, uma vez carregado até o fim, o prefeito teria a prerrogativa de se candidatar até para presidente da ONU. Quanto ao governador Geraldo Alckmin, gato escaldado, eu diria, como o Gilmar Mendes: "O rabo não abana o cachorro, é o cachorro que abana o rabo".

Leandro Ferreira leandroferreoradasolva@gmail.com

Guarulhos

*

CONTAMINAÇÃO

O sumiço de Doria, abandonando a capital paulista, objetivando, é claro, o Planalto em 2018, contaminou o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella. Mesmo sendo cobrado sobre o conflito na Rocinha, Crivella só se manifestou 15 horas depois do início dos tiroteios. Que coisa feia, prefeito, fugindo da guerra. Por que se alistou, então? Está perdendo a fé, jogando a toalha?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

HORÁRIO DE VERÃO

Governo decide manter horário deverão (26/9, B5), com alegação de que não há mais tempo hábil para fazer uma consulta à população sobre o assunto, conforme declaração do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho. Estudos realizados pelo Ministério de Minas e Energia apontam que o horário de verão não proporciona economia de energia, conforme noticiou o "Estadão". Não tem sentido fazer uma enquete para saber se o horário de verão deve ser mantido, além de perda de tempo, só representa mais gastos para os cofres públicos. Os que vão optar para a manutenção do horário de verão são os frequentadores de praias, principalmente das cidades como Rio de Janeiro, do litoral nordestino, etc. Os trabalhadores da periferia, que são os sacrificados e levantam de madrugada, muitas vezes tendo de inclusive preparar sua marmita, para chegar ao local de trabalho no horário, tendo de sair de suas casas em ruas ermas e mal iluminadas, correndo riscos de assalto, estrupo, sequestros, ou seja, todo tipo de violência, não terão a mesma facilidade de participar desta enquete, por falta de recursos e meios eletrônicos atuais. A verdade é que esta enquete seria apenas para ganhar tempo para um estudo, para saber onde acomodar o grande número de funcionários públicos que estão mamando nas tetas do governo, como membros de um possível departamento de estudos sobre o horário de verão. Já que o governo está preocupado em saber a opinião dos brasileiros sobre o horário de verão, sugiro que faça enquetes sobre assuntos mais sérios, como, por exemplo, se a aposentadoria de parlamentares deve se equiparada aos trabalhadores (INSS); sobre se o número de senadores, deputados e vereadores deve ser diminuído; sobre se político ladrão deve ser julgado como um cidadão comum; sobre acabar com o foro privilegiado para políticos; sobre os membros do STF deixarem de serem nomeados e chegarem ao cargo por merecimento e capacidade, sem ficar devendo favores a políticos e poderem votar com imparcialidade.

Edson B. de Souza baptistaedson384@gmail.com

São Paulo

*

QUEM GANHA E QUEM PERDE

Dizem que iriam consultar as redes sociais a respeito do fim deste horário. Pois bem, já tem a primeira opinião: é um horário punitivo aos pobres da periferia, que são obrigados a sair na escuridão para apanhar a condução do dia a dia, e punitivo às crianças, que não comem na hora certa e só conciliam o sono tarde da noite. Esse horário só é bom para quem faz da praia o seu modo de vida, para publicidade de bebidas alcoólicas e para quem acorda tarde. Pelo seu fim já!

Julio A. Gomes enfkeilamota@ig.com.br

São Paulo

*

CAMPANHA INTELIGENTE

O famigerado horário de verão só terá resultado em termos de economia se o governo fizer uma campanha oferecendo bônus ou multa para o consumidor. Quem economizar 10% no período terá desconto na mesma proporção nas contas subsequentes. Quem abusar e exceder em 10% pagará uma multa na mesma proporção, nos meses subsequentes. Sem campanha inteligente, é só maquiagem o horário de verão.

José Roberto Iglesias rzeiglezias@gmail.com

São Paulo

*

QUAL ECONOMIA?

Recentemente o "Estadão" publicou no caderno de "Economia" que o Ministério de Minas e Energia chegou à conclusão de que o horário de verão não trouxe redução significativa de consumo de energia, porque, antes, o vilão era o chuveiro elétrico e, agora, é o ar-refrigerado. Então pergunto ao governo: por que implantá-lo neste ano, já que traz tantos transtornos às pessoas?

 

Maria Nilce Del Nero Morassutti

São Paulo

  

*

A MESMA LADAINHA

Todo ano, a mesma coisa e ladainha. Chega a época do horário de verão e começam a falar da eficácia ou não de adotá-lo. Este ano parece que resolveram levar a sério e o governo chegou a pedir um estudo sobre este horário. Órgãos do governo, como ONS e Ministério de Minas e Energia já se manifestaram mostrando que a economia proporcionada pela medida é praticamente zero. Nenhum ganho. Na minha opinião, este horário no Brasil só cabe em dois Estados: Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Todos sabem, quem estudou Geografia, que, quanto mais distante você está da linha do Equador, mais longos são os dias no verão e mais longas as noites no inverno. Aqui, no Brasil, chegou-se ao cúmulo de num determinado ano estabelecer este horário em todo o território nacional. Um nonsense total. Os Estados do Norte, principalmente, Amapá e Roraima, um deles é cortado pela linha do Equador, não tinham vantagem nenhuma, porque os dias eram iguais às noites.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

CESARE BATTISTI

Após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter julgado e sentenciado a favor da extradição do terrorista Cesare Battisti, Lula, em seu último dia de governo, concedeu-lhe asilo. Michel Temer, como constitucionalistas, tem o dever de atender ao novo pedido do governo Italiano e decretar a extradição. Tal como revogou a extinção da Renca, por pressão popular, ouça novamente o povo e extradite esse assassino. O Brasil e a Justiça, em particular o STF, ficarão agradecidos.

Cláudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

*

CRISE EUA-COREIA DO NORTE

O mundo tem uma chance. A receita de paz começa quando mísseis balísticos, americano e norte-coreano, são direcionados para seus objetivos com pontaria e contagem regressiva sincronizadas entre os dois inimigos. Os artefatos irão colidir em algum ponto do Pacífico, e todas as ameaças (ao mundo) cessarão. A carga viva da ogiva apontada para a Coreia do Norte é o presidente Donald Trump, enquanto o foguete oriental traz o risonho líder Kim Jong-Un amarrado na ponta. Buum! Acabou, é tetra!

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

FUTEBOL

Tenho um neto corintiano e tive o desprazer de acompanhar o jogo entre seu time e o outrora glorioso, no domingo. Gostaria que alguma pessoa de boa educação ou bom senso conseguisse explicar para o garoto de 7 anos o gesto obsceno de uma pessoa (será?) que veste a camisa de um clube (dito grandioso) em relação à torcida de outro clube. O.k. a alegação de ter sido provocado por palavras e gestos obscenos de parte da torcida adversária, mas um erro justifica outro? Tá perdoado, Jô! Vergonha!

Jose R. Palma  palmajoseroberto@yahoo.com.br

São Paulo

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.