Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2017 | 03h03

LULOPETISMO

A carta de Palocci

A contundente e corajosa carta do ex-ministro Antônio Palocci oferecendo sua desfiliação do PT é um verdadeiro primor de sinceridade, assunção de responsabilidades e confissão da verdade dos inúmeros malfeitos praticados pelo cleptolulopetismo nos desgovernos Lula e Dilma Rousseff. O partido, criado para ser exemplo da boa política, com P maiúsculo, sucumbiu aos encantos do poder e entendeu que sua sigla também poderia significar “Pode Tudo”, institucionalizando a prática da corrupção no dia a dia como modus operandi de enriquecimento pessoal e de cooptação do Congresso Nacional. Deu no que deu. Diz Palocci: “Assumi todas as minhas responsabilidades, mas lamento dizer que, nos acertos e nos erros, nos trabalhos honrados e nos piores atos de ilicitudes, nunca estive sozinho.(...) Chegou a hora da verdade para nós”. Doravante esse documento passa a fazer parte da História do Brasil. O rei está realmente nu. Bravo, Palocci!

J. S. DECOL

decoljs@gmail.com

São Paulo

Obra-prima

Faz muito tempo, mas bota tempo nisso, que não lia uma carta de um político tão bem escrita, assumindo os seus erros e esclarecendo em pormenores o estilo de gestão do PT (partido dos trambiqueiros), detalhando e tirando a máscara do homem mais desonesto do País. Pena que grande parte dos petistas não tenha instrução suficiente para entender e aceitar que o sr. Lulla afundou o Brasil e quebrou a Petrobrás, enquanto ele e seus filhos ficavam milionários. Espero que em breve esteja preso, fazendo-se justiça neste país tão cheio de injustiças.

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

A carta da desfiliação é a verdadeira “Carta ao Povo Brasileiro”. Demorou...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Seita

Preso há um ano, na carta dirigida ao PT em que pede sua desfiliação, Palocci diz que recebeu com “estranheza” o procedimento de sua expulsão do partido. E questiona o PT, alegando, entre outras coisas: “Enquanto os fatos me eram imputados e eu me mantive calado, não se cogitava de minha expulsão. Ao contrário, era enaltecido por um palavrório vazio. Agora, que resolvo mudar minha linha de defesa e falar a verdade, me vejo diante de um tribunal inquisitório dentro do próprio PT. Qual o critério do partido?”. Ora, sr. Palocci, todos sabem qual é o critério, vide o sr. José Dirceu...

ARTUR TOPGIAN

topgian@terra.com.br

São Paulo

Os bons ‘cumpanheiros’

A declaração de José Dirceu, amigo inseparável da jararaca de Garanhuns, de que ele não é o Palocci deixa bem claro que as falcatruas engendradas por eles ainda não vieram totalmente à tona, o que lhe renderia mais 30 anos de reclusão e pelo menos uns cem anos para Lula. E ainda existem milhares de seguidores que continuam a defender a jararaca, como toupeiras fanáticas, ante todas essas evidências de corrupção e todas as outras mazelas praticadas por ele.

URIAS BORRASCA

urias@mercosulrefratarios.com.br

Sertãozinho

Omertà

Defensora do regime ditatorial venezuelano de Nicolás Maduro, ré no STF, acusada de receber R$ 1 milhão desviado da Petrobrás, mesmo sendo presidente do PT Gleisi Hoffmann não tem o direito nem condições morais de acusar Palocci de mentir para se livrar da condenação de 12 anos e 2 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Palocci optou por falar a verdade sobre os erros que cometeu, em vez de se manter calado como a maioria dos envolvidos na organização criminosa que atuaram durante o período dos governos do PT.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Os recibos

Depois da carta de desfiliação do PT firmada por Palocci, em que descreve com detalhes e conhecimento de causa as falcatruas dos governos Lula e Dilma, pois fez parte deles, agora fica também muito clara a falsificação dos tais recibos de aluguel juntados pela defesa de Lula. Só nos resta questionar: quando o ex-presidente terá o merecido descanso, na cadeia?

ROBERTO L. PINTO E SILVA

robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

Novo calendário

Quem foi o advogado que instruiu sua petição com os recibos do Lula datados de 31 de junho e 31 de novembro? Ele não conferiu? Ou não sabia da existência do calendário gregoriano?

ALPOIM DA SILVA BOTELHO

alpoim.orienta@uol.com.br

São Paulo

Quando professora primária, ensinava a meus alunos uma ingênua quadrinha, que depois ensinei a meus filhos e agora aos netos, para que fixassem na memória a exata duração dos meses: “Trinta dias têm novembro,/ abril, junho e setembro./ Vinte e oito só tem um,/ todos os mais têm trinta e um”. Se conhecessem a quadrinha, os elaboradores dos recibos do aluguel de certo apartamento em São Bernardo teriam evitado o constrangimento a que se expuseram.

REGINA MARIA PEÑA

reginapena.adv@hotmail.com

São Paulo

Primarismo

É, no mínimo, estranho que advogados regiamente pagos se tenham esquecido de juntar aos autos de defesa os recibos dos aluguéis pagos pelo Lula. De um primarismo que chocaria até estagiário de Direito. A não ser que esses recibos, na verdade, nunca tenham existido. E agora eles apareceram?! Portanto, uma análise química que comprove se aquelas impressões foram feitas nas épocas apropriadas se faz necessária.

ADEMIR ALONSO RODRIGUES

rodriguesalonso49@gmail.com

Santos

Trapaça

Não aprendeu nada com os Esleys: malandragem demais atrapalha. Prendam também seus “adevogados”!

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo.sete@gmail.com

São Paulo

Na próxima vez que o juiz Sergio Moro convocar o mais honesto, sugiro perguntar se ele também se julga o mais esperto do mundo e os outros, idiotas.

ARIOVALDO J. GERAISSATE

ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo

“O médico ‘frio e calculista’ assinou o atestado de óbito político de Lula e do PT”  

NIVALDO RIBEIRO SANTOS / SÃO PAULO, SOBRE PALOCCI

nivasan1928@gmail.com

“O homem mais honesto deste país será inocentado no dia 31 de fevereiro”  

ANTÔNIO JÁCOMO FELIPUCCI / BATATAIS, SOBRE OS RECIBOS COM DATA INEXISTENTE

annafelipucci@hotmail.com

“2015 deve ter sido um ano ‘quadrissexto’ em São Bernardo do Campo...”  

JOSÉ ROBERTO NIERO / SÃO CAETANO DO SUL, IDEM

jrniero@yahoo.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DATAS QUE NÃO EXISTEM

A defesa do "honestíssimo" Lula apresentou à Justiça cópia dos recibos de pagamento do aluguel do apartamento ao lado do dele em São Bernardo do Campo. Claro, com datas que não existem. A pressa foi tão grande em mostrar a "verdade" e a "honestidade" do ex-presidente, que colocaram recibos com datas de 31 de junho de 2014 e 31 de novembro, mês que se encerra no dia 30. Vai dizer, agora, que dona Marisa Letícia não viu isso? Felizmente, Lula não engana mais o povão honesto deste país. A verdade demora, mas vai aparecendo. 

Marieta Barugo mbarugo@bol.com.br

São Paulo

*

'VENCIDO NO DIA 31 DE NOVEMBRO'

Estes recibos são tão verdadeiros como estas duas datas: 31 de junho e 31 de novembro. Dias que existem somente na agenda de Lula - ooops!, de dona Marisa!

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

PRA LÁ DE HONESTO...

Luiz Inácio é tão, mais tão honesto que fez depósitos de aluguel do apartamento em São Bernardo do Campo em dias que não existem no calendário gregoriano. Não é mesmo fantástico?! Como diria um conhecido narrador, que beleza! Não dava para escalar alguém um pouquinho mais esperto para falsificar, ops, digo confeccionar os tais recibos?! Tremendo atestado de burrice, incompetência e bizarrice... Moro, e agora?!

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

CAUSA PERDIDA

O ilustre advogado do ex-presidente Lula da Silva, Cristiano Zanin, sabe melhor do que ninguém quão culpado é seu cliente. Portanto, ele deveria parar de nos enganar tentando provar a sua inocência, pôr a mão na sua consciência, se é que ele tem, e abandonar o caso. Ou será que só dinheiro e a glória interessam a ele, e o povo que se dane? Ele quer que o povo brasileiro acredite que Lula é realmente inocente. Por  favor, sr. Zanin, não menospreze nossa inteligência.

Károly J. Gombert kjgombert@gmail.com

Vinhedo 

*

NUNCA ANTES NO CURDISTÃO

"Lulla" poderia pedir asilo no Curdistão tão logo este vire um país. Quem sabe por lá não ouviram falar da ficha corrida do futuro presidiário.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

*

SACO SEM FUNDO

O homem "mais honesto" deste país, comprovadamente integrante da "zelite" brasileira, sem dúvida possui um saco sem fundo onde acumula as centenas de propinas proporcionadas por várias empresas, mas especialmente pela Odebrecht, cuja rubrica "Amigo" nos seus assentamentos não apreende todo o dinheiro fornecido ao cara de pau maior do ABC paulista. No caso dele, politicamente, não está a pregar no deserto, mas sujando as estradas que percorre a mentir, enganar e falsificar. O que ele está a fazer em seu périplo pelo Norte e Nordeste do País não poderia encerrar o delito de estelionato, previsto no artigo 171 do Código Penal? E a Justiça Eleitoral, como fica?

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

APESAR DA LAVA JATO

O Brasil continua a mesma palhaçada! Dominado por uma minoria política corrupta. O Supremo Tribunal Federal (STF), por meio de Gilmar Mendes, continua soltando presos condenados em segunda instância. Um dos chefes do "quadrilhão", Lula, apesar de condenado, continua mentindo e fazendo campanha política antecipada pela Presidência da República. Continuamos a dar asilo político a um terrorista e assassino italiano. Um sujeito que pega uma mala de dinheiro e sai correndo ou outro que esconde R$ 51 milhões num apartamento ainda têm o direito de provarem uma inocência que não existe. Apesar da Lava Jato, este país continua uma verdadeira palhaçada, continuam zombando do povo! Vergonha de ser brasileiro!

Rodrigo Affonso dos S. Echeverria rodecheverria73@hotmail.com

São Paulo

*

VISÃO OBLÍQUA

O "primeiro defensor" do "principal cliente" da Nação, em artigo publicado no sábado (23/9, A2) no "Estadão", usa a figura de retórica da preferência do denunciado-mor do País, qual seja, "volta aos trilhos", quando se refere ao Ministério Público. No seu extenso texto, o ilustre causídico Antônio Cláudio Mariz de Oliveira atribui ao Ministério Público "um açodamento inusitado para acusar". O que devemos entender dessa afirmação? Que o Ministério Público deveria voltar a ser dócil como os anteriores ao mandato do procurador-geral da República que acaba de ser substituído, permitindo dessa forma que os grandes advogados continuassem a garantir a impunidade de seus ricos e poderosos clientes? Mais adiante, é dito que o Ministério Público ultimamente oferece denúncia "independentemente da existência de provas ou mesmo de indícios convincentes". Quer dizer que, na visão do grande advogado, as "toneladas" de indícios colhidos e denunciados pelo MP contra milhares de contraventores que atuam em empresas corruptoras e no mundo político nacional, inclusive comprometendo seriamente o seu "ilustre cliente" Michel Temer, não são indícios convincentes? Os defensores dos criminosos de colarinho branco - melhor seria chamar de colarinho sujo - têm uma "tábua de salvação" à qual eles se agarram com unhas e dentes para tentar na grande maioria das vezes defender o indefensável. Eles sabem muito bem que as provas, nos crimes, constituem a parte mais difícil de conseguir, daí a expressão muito usada que é "o ônus das provas". E, para se amarrarem nessa "tábua de salvação", eles apelam para uma disposição dogmática das leis e seus códigos chamada de "presunção de inocência", pela qual cabe ao acusador o ônus de apresentar as provas do crime. Digo dogmática porque me parece ser, s.m.j., uma convenção importada do Direito Romano que serve de base para nossa jurisprudência. Mas poderia se convencionar o contrário, ou a "presunção de culpa", em que os defensores teriam de apresentar provas de que seus clientes não cometeram crime. Mas isso dá trabalho. O mais correto, portanto, seria não haver presunção alguma e julgar em cima de fatos, indícios e provas que existirem. Essas ideias, com certeza, não vão agradar o articulista nem seus colegas de defesa.

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

PAVOR DE 'RAQUÉIS'

A politicalha e os corruptos em geral estão apavoradíssimos com a dupla Raquel Dodge e Raquel Branquinho, convidada para o time. A primeira é a atual procuradora-geral da República e a segunda é sua "longa manus", que exerce, também, as funções de olhos, ouvidos e punhos de Dodge, além de ser considerada "linha dura". Segundo consta, ambas são refratárias à corrupção e a ilícitos, que se tornaram um problema endêmico no País. Por outro lado, o honesto povo aguarda ansioso pela prisão dos quadrilheiros que se instalaram no País. Muda, Brasil!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

MILIONÁRIOS NAS NUVENS

Com a queda da inflação abaixo do estipulado pelo governo, a Petrobrás aproveita para tirar o pé da lama depois dos escabrosos casos de corrupção durante os governos lulodilmista. Quase diariamente o preço da gasolina vem subindo muito acima do aumento do dólar e da inflação, sem justificativa. É de assombrar quando em pesquisas os brasileiros se manifestam contra as privatizações. Somos donos de nada. Somos convocados só para pagar pelo prejuízo, quando quadrilhas se apropriam das estatais. Nós, brasileiros, somos realmente milionários "nas nuvens". Na imaginação. Na ignorância que atropela a lógica. Falta comida na mesa, mas caem no discurso populista de que o País é nosso. Enquanto não acordam, novo aumento da gasolina já está corroendo nossos bolsos. Até quando? 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

INFLAÇÃOZINHA

Inflação característica de economia em marcha lenta. Trocando em miúdos: oferta aparentemente aflita, encarando demanda aparentemente desinteressada.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

ELEIÇÃO NA ALEMANHA

O mundo assistiu, atônito e incrédulo, ao avanço e à ascensão vertiginosa da extrema-direita na Alemanha, com a conquista de quase 13% dos votos do partido Alternativa para a Alemanha (AfD) nas eleições do fim de semana. É a primeira vez, desde 1945, que sua voz será novamente ouvida no Parlamento germânico. Eis aí, novamente, o ovo da peçonhenta serpente nazista sendo chocado ou, como escrito no livro de Bertolt Brecht "A resistível ascensão de Arturo Ui": "A cadela que pariu Hitler está no cio outra vez". Daqui por diante, todo cuidado será pouco. Como grita a maioria dos alemães, "fora, nazis!" Nunca mais!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

O RESSURGIMENTO DA EXTREMA-DIREITA

A teoria da ferradura diz respeito ao grau de tolerância de um regime para com os seus opositores. As extremidades da ferradura (extrema direita e extrema esquerda) se aproximam em sua forma de atuação, pois ambas usam violência e autoritarismo a fim de alcançar o poder, manter-se lá e eliminar cada um de seus opositores. Ferraduras são excelentes para proteger cascos de cavalos e jumentos. Como modelo para a política de uma sociedade moderna, são a pior alternativa que há. Pobre Europa, anda meio desnorteada ultimamente.

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

DÁ PARA MEDITAR

A mídia mundial, nos últimos dias, deu intensa cobertura às eleições que reconduziram Angela Merkel ao quarto mandato. O resultado, no entanto, além de apontar para a dificuldade de formar a coalizão necessária para a formação do futuro governo, em face da decisão, já anunciada pelas respectivas lideranças, de passar o importante Partido Social-Democrata (SPD) para a oposição, chamou a atenção pela chegada da extrema-direita ao Parlamento pela primeira vez depois da Segunda Guerra Mundial, o que gerou preocupações na sociedade, manifestadas em vários protestos contra o crescimento dos radicais, subproduto, segundo boa parte dos eleitores, do modo com que a chanceler lidou com o problema dos refugiados no mandato anterior. Para nós, brasileiros, de particular interesse é verificar que num dos países mais desenvolvidos do planeta, com democracia consolidada, o voto não é obrigatório e não se empregam métodos eletrônicos de votação e apuração. Dá para meditar.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MAIS UMA VEZ MERKEL

O eleitor alemão, inteligente, elegeu para o quarto mandato consecutivo a chanceler Angela Merkel.  A novidade neste pleito de domingo é que a extrema-direita alemã, AfD, movimento nacionalista islamofóbico, depois de mais de 50 anos volta ao Parlamento, com 12,6% dos votos, representando a terceira força política no país. Esse partido extremista vai fazer barulho, mas nada que prejudique a economia e a tranquilidade social.  O quadro político alemão é bem mais confortável que o brasileiro... Aqui, infelizmente, boa parte dos eleitores, como indicam as pesquisas, teima em dar preferência, se a eleição fosse hoje, a um corrupto réu pela 7.ª vez e já condenado a 9 anos e 6 meses de prisão: Lula da Silva. Diferentemente de Angela Merkel, que mantém seu país como o mais bem administrado do mundo, Lula, PT e seu poste Dilma quebraram o Brasil.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

GOSTO AMARGO

A primeira-ministra Angela Merkel se elegeu pela quarta vez na Alemanha. Mas, desta vez, a vitória não deixou um gosto de Apfelstrudel, deixou um gosto amargo, gosto de Essig (vinagre).

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

O VÁCUO PREENCHIDO

Parece injusto que a eleição da premiê alemã Angela Merkel seja ofuscada pelo aumento do número de votos no partido Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema-direita, que permitiu sua entrada no Parlamento alemão. Será a primeira vez, desde 1945, que um partido de extrema-direita poderá ter voz no Reichstag. Embora Angela Merkel possa exibir um sucesso ímpar na condução do país, cuja economia não sofre sobressaltos, oferecendo aos alemães um período de paz e prosperidade, não conseguiu o mesmo sucesso na resolução de outros problemas que afligem seus compatriotas. O agravamento das questões imigratórias, os choques com a União Europeia, a insatisfação dos Estados da antiga Alemanha Oriental, entre outros problemas, foram oportunidades utilizadas pelo AfD para dar respostas que os outros partidos não souberam dar. Pode ser que as respostas oferecidas pelos extremistas de direita não sejam as melhores, mas 13% dos eleitores acharam que uma resposta ruim é melhor que resposta alguma. O ingresso deste partido no Reichstag acendeu a luz vermelha na Alemanha, que agora deverá refletir como dar uma resposta melhor aos problemas que afligem os alemães. Também serviu de alerta: alguém sempre tem uma solução para algum problema, e, dependendo da solução, ela é em si mesma um problema maior ainda. O Brasil deveria também refletir sobre o que ocorreu nessas eleições alemãs. O vácuo causado pela falta de respostas rápidas e eficientes poderá ser preenchido por oportunistas, de direta ou de esquerda, que trarão soluções muito piores que os problemas atuais. 

 

Luciano de Oliveira luciano.os@adv.oabsp.org.br

São Paulo

*

O RABO DA SERPENTE

       

Em debate acalorado, as palavras do general Antônio Hamilton Mourão estremeceram a República brasileira, em especial os saudosistas do Muro de Berlim, partícipes ou aficionados da estúpida e inglória luta armada para fazer da Cordilheira dos Andes uma Sierra Maestra cubana.  Amarga ilusão e experiência assassina para transformar a América Latina no que hoje se constata na ditadura comunista de Kin Jong-un. Derrotados e não resolvidos. Um senador, ex-petista, chamou o general de "maluco" por alertar a Nação sobre os perigos que solapam as instituições e a conduzem por caminhos inseguros. No mesmo diapasão, jornalista de economia com trânsito pela luta armada taxou o general de amalucado. A estes se somam ditos "formadores de opinião". Dentre os vários posicionamentos de políticos, quer em plenário, quer em entrevistas, deu-se ênfase com bastante rigor às palavras do general Mourão sem se ater à pergunta que lhe foi formulada por um dos presentes na reunião em Loja Maçônica de Brasília, após a palestra que realizara. O preâmbulo do presidente da Assembleia é assim: "Mas, hoje, nós estamos completa e infelizmente incrédulos das instituições que administram o nosso país. Vivemos em especial uma crise institucional, de segurança, ética e moral. Se fosse só uma crise financeira... mas não podemos mais sozinhos lutar contra um sistema completamente falido que tem interesses distorcidos dos que são do interesse da nação brasileira, do que é importante para o povo brasileiro (...)". Nada diferente do desencanto entranhado na sociedade acuada. E que exige solução dos poderes constituídos. Bem constituídos? Probos? Virtuosos?

Na palestra, o general discorreu sobre a conjuntura global, o Estado moderno, o caos presente, domínio do tráfico de drogas, dependência da economia, fragilidade dos regimes políticos, conflitos regionais latentes, diplomacia paralela tipo Foro de São Paulo (partidos de esquerda mais Farc e MIR), desconstrução da família, exposição pornográfica com cenas de zoofilia, carência de coesão cívica, etc.

Citou a situação do Rio de Janeiro, dos excluídos: onde o Estado não chega, não retira o lixo, não mantém a escola, não mantém funcionando a unidade de pronto atendimento nem proporciona saneamento básico o traficante substitui o Estado. Comparou a fronteira dos EUA, particularmente preocupados somente com o México, com a do Brasil. Um destes papas da comunicação recomendou ao general que cuidasse da fronteira e deixasse de falar bobagem. Quem sabe seja convidado para fazer a próxima palestra. Tomar posição é um direito. Concluiu afirmando: "Podem ter certeza de uma coisa, nós vamos vencer, somos maiores do que isso tudo, vamos ultrapassar isso porque o conjunto do povo brasileiro é melhor do que esse bando todo; tenho confiança". Ao responder à pergunta sobre a possibilidade de intervenção militar, de início abordou a diretriz do comandante do Exército, legalidade, legitimidade e estabilidade do País, como o tripé orientador da Força. Mas que, diante de comoção grave, instabilidade institucional, poderia ocorrer. Planos existem, como não poderia deixar de ser. Todo país que se preza tem planejadas as hipóteses de guerra. As operações são desencadeadas após estudos de situação, planos e ordens de operação. O artigo 142 da Carta Magna de 1988, que foi abordado na pergunta, é claro: "As Forças Armadas (...) destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem". Defesa da Pátria, como fundamento histórico de respeito à concepção da Nação brasileira como unidade indissolúvel a ser preservada, protegida; garantia dos poderes constituídos, independentes (artigo 2.º da Constituição), como alimento da democracia e não alinhamento corrompido entre si contra a Nação que os sustenta. Por iniciativa de qualquer destes poderes para a supremacia da lei e da ordem. Como se pode observar, o § 1.º do Art. 15 da Lei Complementar n.º 97/1999 confronta com o Art. 142 acima citado ao podar a iniciativa de qualquer dos Poderes para garantia da lei e da ordem, "compete ao Presidente da República a decisão do emprego das Forças Armadas, por iniciativa própria ou em atendimento a pedido manifestado por quaisquer do poderes constitucionais (...)". Obscuridade que precisa de luz. Na enquete de um blogueiro de "O Globo", constava: "deveria ser punido, com 20%; nada deveria acontecer, 14%; apoio o que ele disse, 56%; sou contra, 10%". O Brasil repele ser a Venezuela amanhã. Mas... a serpente só está com o rabo ferido.

 

Ernesto Caruso egcaruso@gmail.com

Campo Grande

 

*

INTERVENÇÃO MILITAR?

Diversos jornais, revistas, canais de televisão e  estações de rádio deram grande destaque à fala do general Mourão numa loja maçônica há alguns dias. Algumas inteligências destes veículos de comunicação ficaram espantadas  com o tom do discurso. Ora vejamos: o País está enlameado na corrupção, políticos esqueceram a palavra "Brasil", o individualismo campeia por toda a sociedade em detrimento do coletivo e a violência está na porta de casa dos trabalhadores. A pergunta do general foi: Até quando veremos os Poderes da República sentados de braços cruzados: O Exército também não quer intervir na política do Brasil, o que queremos como sociedade é: limpeza na desonestidade, na falta de ética, na violência e do "eu" (privado) em desfavor do público.

Jorge Peixoto Frisene jpfrisene@zipmail.com.br

São Paulo

*

BRASIL 2018

Possíveis candidatos à Presidência da República no Brasil em 2018: Chico Alencar, Marina Silva, Henrique Meirelles, Jair Bolsonaro, Geraldo Alckmin, Ciro Gomes, Fernando Haddad, Jaques Wagner e Guilherme Boulos são comparados, pelo leitor sr. Renato Otto Ortlepp, a um elenco de filme-catástrofe. Por uma questão de justiça, peço permissão para excluir deste elenco o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Euclides Rossignoli euclidesrossignoli@gmail.com

Ourinhos

*

CAMPANHA ANTECIPADA

O "ex-prefeito" João Doria, "licenciado" da Prefeitura de São Paulo em razão de sua  antecipada campanha eleitoral à Presidência da República em 2018, bem que merecia ser presenteado com um frasco de óleo de peroba, por sua enorme cara de pau. Quero deixar claro, aqui, que não sou  eleitor do governador Alckmin, mas concordo, sim, que o prefeito viajante, João Doria, o traiu, virou  as costas a quem o ajudou, e muito, a chegar à Prefeitura de São Paulo. Portanto, senhor prefeito, para nós, paulistanos, tu não passas de um traíra. Ou será que não?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

NAS RUAS, O CAOS

Atingimos o caos total no trânsito da cidade de São Paulo. Trafegar de carro, aqui, tem sido uma verdadeira aventura, eu diria um rally. Em pouco tempo teremos de ter um copiloto para indicar: as diversas variações de velocidade na mesma rua; os milhares de buracos para não cairmos neles; as localizações de radares camuflados atrás de árvores; inúmeros semáforos que não funcionam e, quando funcionam, ficam mais de três minutos verde para um sentido e 30 segundos para o outro, além de não haver nenhum sincronismo para que o tráfego possa fluir; ônibus que circulam em alta velocidade na faixa exclusiva, desrespeitando totalmente o limite de velocidade estabelecido, quando não invadindo a faixa de veículos arrancando seus retrovisores propositalmente; o universo de motoboys que reconhecemos que estão trabalhando, porém se acham os donos das ruas, circulando numa velocidade absurda entre os veículos, e, quando buzinam, quem não lhes der passagem por qualquer motivo que seja são ameaçados, xingados e repreendidos com gestos obscenos. Agora pergunto: onda está a Companhia de Engenharia de Trafego (CET), para controlar ou ao menos minimizar tais problemas, além de só se dedicar totalmente a movimentar a rentável fábrica de multas incessantemente?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

O BRASIL NO PASSADO

O deputado Carlos Zarattini é autor de um projeto que mostra que o Partido dos Trabalhadores (PT) gostaria de voltar para a Idade Média. Pretende obrigar que empresas como o Uber, 99 Táxi e similares sejam obrigadas a obter autorizações municipais de funcionamento. Ou seja, "somente" 5.500 negociações que poderiam produzir outras tantas regulamentações pelos políticos de todo o Brasil, encarecendo ou inviabilizando sua implantação, pois todos nós sabemos pela Operação Lava Jato que criar dificuldades para vender facilidades é que nos levou à situação calamitosa que vivemos. É incrível, este deputado já teve todo o tempo para aprender, mas prefere beneficiar os prefeitos e manter o Brasil no passado.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

DESVIO DE FOCO

Enquanto a atenção do povo é desviada por assuntos secundários como "processa ou não processa Temer" e "Rocinha", gostaria de saber onde foi parar a proposta original, assinada por milhões de pessoas, com as 10 medidas anticorrupção. E, também, quando é que um ministro do STF vai tirar do fundo de sua gaveta o processo de extinção do foro privilegiado. Como malas de dinheiro e salas que parecem depósito da Casa da Moeda continuam aparecendo no noticiário e o STF não julga nem condena nenhum político influente, vemos que os dois enormes problemas que afligem o País  continuam no ar.

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

*

GUERRA NO RIO

Saudades do tempo em que 157 era apenas um fundo de investimento... 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

ESTRATÉGIA REVELADA

As operações da Polícia Federal no combate à corrupção surpreendem todo mundo porque delas só tomamos conhecimento depois de levadas a efeito, e os próprios implicados, muitas vezes, são encontrados de pijama. Ela está de parabéns pelos excelentes resultados. Já no Rio de Janeiro, em meio a todas as trapalhadas no combate ao tráfico, ao menos para quem de longe toma conhecimento das operações, a estratégia é revelada a quem interessar possa até pela mídia, e os vazamentos parecem ser uma constante, o que, obviamente, reduz sua efetividade! O segredo (táticas, efetivo, armamento, equipamentos), quanto possível, deveria ser regra pétrea, pois a surpresa é um fator importante em qualquer batalha.

Décio Antônio Damin deciodamin@terra.com.br

Porto Alegre

*

A DENÚNCIA CONTRA O PRESIDENTE

O jurisconsulto Michel Temer sabe que a lei é dura, mas é a lei. "Dura lex sed lex." O presidente da República, Michel Temer, sabe que a denúncia da Procuradoria-Geral da República não é uma "causa turpis". Não é uma causa torpe. Mas o jurisconsulto e o presidente da República têm o direito ao "jus sperniandi". O seu direito à defesa é amplo, geral e irrestrito. Bom mesmo para o Brasil seria se o presidente da República jamais estivesse sob suspeita de crime. Ao jurisconsulto, pouco importa à sociedade brasileira.

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo 

*

MELHOR DEIXAR COMO ESTÁ

O governo decidiu manter o horário de verão este ano, cuidadosamente esticado até depois do carnaval, a despeito de saber que a maioria da população atingida por essa estultice a detesta e que é pífia a economia de energia. O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, alega que não houve tempo hábil para a cogitada consulta popular sobre o assunto ("Estado", 26/9, B5). Ora, qual é o impedimento de promover já a enquete e suspender a medida tão logo se conheça seu resultado, que certamente apontará para isso? Ocorre que há o componente político: o Planalto bem sabe que a minoria favorável ao famigerado horário - empresários da cerveja, "bon vivants" das areias, entre outros - é bem articulada, mais afeita ao protesto e tem poder de fogo maior que os torturados que vão para o trabalho na madrugada escura, morrendo de sono e estão cheios de energia na hora de dormir. Não convém, pois, com a segunda denúncia na pauta, abrir mais uma frente de combate. É isso.

Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br

Pirassununga

*

FANTASIA

O presidente da República, Michel Temer, chegou a transmitir por intermédio de alguém do seu ministério uma  notícia agradável para pelo menos 70% do povo brasileiro aqui, do Sudeste, e do Centro-Oeste: o possível fim do odioso horário de verão, excrecência que deveria ter terminado há muito tempo. Mas palavras ditas e mesmo planos socioambientais que agradariam ao povão como um todo, para este governo, não passam de pura fantasia. E o governo voltou atrás. Como diz o ditado popular: pisou nos tomates mais uma vez e chutou definitivamente o pau da barraca, cansou...    

Aloisio A. De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

REVOLUÇÃO NAS COMUNICAÇÕES

 

A Portaria Interministerial n.º 68, que coloca em vigor a faixa estendida de FM, acaba de ser publicada. Em vez de operar de 88 a 108 MHZ, as emissoras trabalharão entre 76 e 108 MHZ. Isso será possível por causa do desligamento do sinal analógico de televisão, que transferirá para o rádio a frequência ocupada pelos canais 5 e 6 da TV antiga. Vivemos uma revolução na área das comunicações. A entrada da TV digital acaba com os chuviscos, que levavam o usuário a colocar palha de aço na antena do aparelho para melhorar o sinal, e libera os antigos canais de 2 a 13 para outras comunicações. Além do rádio de FM, os demais canais de VHF e de UHF baixo vão para a telefonia celular. A portaria, dos Ministérios das Comunicações e da Indústria e Comércio, determina que os rádios fabricados a partir de janeiros de 2019 tragam a faixa estendida de FM. Das 1.781 estações existentes no País, 1.386 (isto é, 78%) já requereram a migração para o novo sistema. A nova distribuição de canais de comunicação e migração de estações de rádio devem revigorar o setor. Além dos aparelhos construídos especialmente para receber o sinal de rádio, ainda temos os celulares que, em breve, por força de lei, também serão receptores. Assim o rádio, que durante nove décadas vem fazendo o papel cultural e informativo hoje desempenhado também pela televisão, se reinventa e continua servindo à comunidade que ajudou a desenvolver. Seu caráter imediato e local, facilidade de captação e, agora, a disponibilidade de maior número de canais aumentam sua serventia e o sentido de utilidade pública.  

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br 

São Paulo

*

'REALIDADE PARALELA'

Os  novos esquemas de comunicação vêm perdendo a antissimetria segundo a qual os transmissores eram alguns e os receptores, numerosos, o público. Há, agora, uma forma mais democrática, tornada possível graças às modernas e onipresentes redes sociais, na qual intervêm inúmeras ligações biunívocas, ou seja, quase todos podem exercer simultaneamente as duas funções. As inevitáveis distorções daí decorrentes foram muito bem ressaltadas no editorial "Realidade paralela" ("Estadão", 25/9, A3). O preocupante panorama criado pela avalanche das chamadas "fake news" é lá simbolizado pelo surgimento das "águas turvas" no reino da comunicação. O texto finaliza enfatizando a importância que assume o jornalismo "sério" na disseminação da informação confiável e no clareamento das águas. Como, porém, distinguir o "sério" do não tão sério, do arrogante e do corporativo, que acabam sendo também geradores de  "fake news"? Talvez a pergunta possa ser respondida em futuro editorial.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro  


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.