Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2017 | 03h02

PREVIDÊNCIA SOCIAL

Mudança é fundamental

O editorial Cobertor curto (10/10, A3) alerta que, mantendo a Previdência como está, os brasileiros mais pobres serão privados de programas que hoje são fundamentais. Sempre é bom lembrar que há anos o consultor econômico Raul Velloso vem alertando que 70% a 75% dos orçamentos federal, estaduais e municipais são destinados ao pagamento de salários e benefícios dos servidores e mudanças urgentes deveriam ser realizadas. Mas, infelizmente, nada foi feito até agora. Apesar da grave crise econômica que causou ao País, o PT ainda classifica como “golpe” a redução das verbas para a área social, o que prejudica os programas voltados para os mais pobres. Pelo visto, a enganação petista não tem fim!

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Estado de necessidade

Passou à categoria jurídica de estado de necessidade a reforma da Previdência, porque, além de drenar recursos necessários ao andamento normal da administração pública, ainda interfere, atrapalhando, nos programas sociais, impedindo assim o desenvolvimento satisfatório das políticas públicas. Os líderes partidários na Câmara dos Deputados estão cientes do que acontece e se reúnem à procura de uma reforma viável e palatável, o que será difícil, porque as centrais sindicais não concordam com nenhuma forma de alteração na legislação previdenciária. Será que todos os contrários estão aguardando não mais haver numerário para pagar os benefícios mensalmente? Se isso ocorrer, como ficarão os costumeiros antagonistas?

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

GESTÃO DORIA

O novo já envelhecido

Para rebater as críticas que vem recebendo, o prefeito João Doria atribui os problemas da cidade de São Paulo ao legado deixado por seu antecessor e ao grande rombo nas contas da Prefeitura paulistana. O eleitor deixou claro que não aprovou a gestão do petista e não lhe deu a reeleição. E pior: impôs-lhe uma derrota humilhante. Ficou claro para todos que a capacidade empreendedora e a liderança empresarial de João Doria iriam não só recuperar a cidade, como também ele faria uma administração exemplar. Ledo engano. O novo transformou-se rapidamente no velho e mostrou a todos o pior dos piores políticos brasileiros. Abandonou a cidade e iniciou uma campanha para tornar viável sua candidatura à Presidência da República em 2018, não se importou em trair seu criador e criou uma agenda de viagens nacionais e internacionais que o impedem de administrar São Paulo. Hoje a cidade está igual ou pior que quando administrada pelo PT, em passado tão recente. Cidade Linda no papel é uma maravilha, mas para transformar isso em realidade é necessário trabalhar duro (muitas horas) e todos os dias da semana, talvez até nos fins de semana, o que o prefeito não faz.

MAURÍCIO LIMA

mapeli@uol.com.br

São Paulo

Viagens de candidato

O impostado e permanente sorriso bucodental do prefeito Doria já não convence nem conquista mais ninguém. O propalado bom “gestor” transformou-se e proclamou-se rapidamente candidato itinerante, visando o cargo de presidente nas eleições de 2018. Sem empacho de queimar etapas e sem mostrar devidamente resultados das promessas da última campanha, nós, os paulistanos, exigimos: menos viagens e mais trabalho!

JORGE SPUNBERG

jspunberg@gmail.com

São Paulo

O prefeito João Doria, calouro na convivência com os políticos brasileiros, abusou e errou ao usar um palavreado baixo para se dirigir ao veterano Alberto Goldman. Mas o que mais causa desconforto a seus eleitores são, apesar de programadas, essas viagens constantes, deixando para o vice a conservação e os melhoramentos prometidos. Ora, nós sabemos que na ausência do “patrão” nada funciona a contento. Um bom prefeito pode fazer muito por seus munícipes, já quanto ao presidente de uma nação, sua atuação é limitada. Aproveite, prefeito Doria, faltam três anos e dois meses para terminar o seu mandato.

JOSÉ MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

Erro de estratégia

Um presidente tem de ser, antes de mais nada, um homem com visão de longo prazo, pois a evolução de um país só se pode realizar com visão estratégica. Doria errou. Ele é jovem o suficiente para mostrar a que veio e, num segundo tempo, tendo provado sua competência, eleger-se presidente. Todavia sua administração não mostrou nada do que prometeu e suas ausências mostram que a Prefeitura não lhe importa, é só um degrau para chegar lá, agredindo também aliados e pessoas corretas. É pena, mas é uma ilusão que já passou.

ALDO BERTOLUCCI

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

O prefeito João Doria corre sério risco de, como peixe, morrer pela boca. Por mais que tente, ele não consegue mais disfarçar sua obsessão pela candidatura à Presidência da República. Doria parece ter-se “esquecido” de que, anos atrás, o então prefeito José Serra abandonou o cargo para se candidatar ao governo do Estado e depois deixou este posto para concorrer à Presidência, quando foi fragorosamente derrotado – os paulistas sentiram-se traídos. À semelhança do que aconteceu com Serra, quem votou em Doria o quer à frente da Prefeitura por quatro anos. Se o prefeito fracassar no seu projeto presidencial, ele desaparecerá da gestão pública tão rapidamente quanto entrou.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

PRP

Contestação

O editorial Revitalizar os partidos (11/10, A3) veicula que o Partido Republicano Progressista (PRP) não realiza eleições internas na direção nacional desde 2007. Essa informação está incorreta. O Diretório Nacional e sua respectiva Comissão Executiva têm mandato de cinco anos, conforme dispõe o estatuto partidário do PRP. O mandato atual teve início em 18 de maio de 2014 e alcançará seu termo em 18 de maio de 2019, conforme Convenção Nacional e reunião do Diretório Nacional realizadas em 18 de maio de 2014, atas registradas no 1.º Ofício de Registro de Pessoas Jurídicas de Brasília (DF) sob os microfilmes 00120271 e 00120272, anotação perante o registro número 00001710 do Livro A-03 de 8 de junho de 1989.

FERNANDA CAPRIO, advogada do PRP – Diretório Nacional

juridico@prp.org.br

São José do Rio Preto

N. da R. – Não é isso o que informa o Tribunal Superior Eleitoral.


“Doria foi com muita sede ao pote, resultando em reações naturais dos políticos de carreira, como Goldman, Haddad e Alckmin. E mais à frente terá de Bolsonaros a Marinas. Quem viver verá”

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI / SÃO PAULO, SOBRE AS PRETENSÕES POLÍTICAS DO PREFEITO

fransidoti@gmail.com

“A perícia nos recibos originais dos aluguéis, solicitados pelo juiz Sergio Moro, será o batom 

que faltava na cueca?”

ROBERTO TWIASCHOR / SÃO PAULO, SOBRE PROVAS CONTRA LULA

rtwiaschor@uol.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DENÚNCIA CONTRA MICHEL TEMER

Do ponto de vista histórico, a rejeição das denúncias contra Michel Temer pelo relator da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Bonifácio de Andrada, significa nossa despedida de Rodrigo Janot, o procurador do lulopetismo.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

RELATOR PREVISÍVEL

O deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), pau-mandado do governo, apresentou o seu relatório, ora, ora, que surpresa! Aplausos, pediu o arquivamento da denúncia contra Michel Temer. E, de quebra, criticou a Polícia Federal e o Ministério Público.  Outra surpresa! Aplausos. Nós, brasileiros, que estamos acostumados com toda esta bandalheira, vamos aplaudir o nobre deputado.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

*

REJEIÇÃO NA CCJ

Depois da rejeição da denúncia na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), como está se sentindo o obsessor de Temer?

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

O FOLE

Fole, segundo um dicionário consultado, é a designação de um instrumento "usado para atear o lume" ou aumentar a intensidade de uma chama dentro de um forno. O "fole da vez" que agora é usado com grande frequência está materializado na expressão "criminalização da classe política". A corja ou a praga que viceja nos corredores de Brasília e seus defensores está utilizando cada vez com e maior intensidade esse "fole" para "aumentar a chama e a temperatura" do "forno que prepara a grande pizza a caminho". E a ação deste "fole" pode ser sentida nos últimos acontecimentos que ocorrem na Capital Federal. A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), sigla que para mim significa Comissão de Comédia e Jocosidade, por intermédio do relator da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, afirma que não há nenhuma prova real (sic). O advogado regra 3 do presidente chama os delatores da segunda denúncia de "malfeitores confessos", enquanto o advogado titular do mesmo presidente já defendeu um desses mesmos malfeitores como inocentes em outra ação, e por isso agora se declarou impedido para acusá-los. A desfaçatez é espantosa. Este mesmo titular, por ocasião da primeira denúncia, declarou esta inepta por não conter provas. Só faltou dizer que a voz que se ouve na gravação feita no Palácio do Jaburu não é do presidente, mas de um imitador de vozes destes que aparecem na televisão. Também o filme mostrando o homem da mais estrita confiança do presidente, seu preposto para receber e dar quitação de valores em geral, das mais variadas e estranhas procedências, pode ser considerado um trabalho de Photoshop, em que o indivíduo que aparece não é o assessor, mas um sósia, e a mala que ele transportava não continha dinheiro real, mas estava cheia de notas falsas que o portador estava levando para o filho brincar de Banco Imobiliário. Este pessoal, ao contrário do que diz o dito popular, "consegue dar nó em pingo d'água". Outras resfolegadas recentes do mesmo instrumento percebem-se quando um relator de nosso maior tribunal "arquiva investigação contra peemedebistas" transgressores em inúmeros processos que correm naquela Corte, ou quando a segunda turma do mesmo tribunal, presidida por um ministro libertador, para não dizer libertário, rejeita denúncia contra um desses peemedebistas transgressores. Só falta, agora, para a pizza ficar pronta, o pleno do Tribunal Superior voltar atrás na decisão que tomou para que acusados condenados em 2.ª instância passem a cumprir a pena aplicada de imediato. O pior é que a chance de isso acontecer é muito grande, uma vez que o citado ministro libertador já disse que vai "virar casaca". Aí, sim, a festa estará feita, com a candidatura e possível eleição em 2018 do indivíduo "mais honesto do País" para "desgovernar" novamente o Brasil. Valha-nos Deus!

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

CONTINUAM AS NEGOCIAÇÕES

A posição do relator indicado para o processo em que está presente a denúncia do ex-procurador-geral da República com indicações de comportamento irregular do presidente Temer foi favorável a ele, o que não traz a tranquilidade e a garantia de que os congressistas votarão pela rejeição, cassando o seu mandato. Com isso, continuam as reuniões de gabinete e o atendimento aos pleitos corporativos de parlamentares de modo a garantir o voto. É a repetição de um quadro que diminui cada vez mais o conceito da classe política. E, por certo, um recado ao eleitorado, que precisa mais do que nunca valorizar o seu voto. E evitar a repetição da ocupação dos cargos mais importantes por pessoas sem o devido preparo e conceito.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

CAPITAL DO PRAZER

Brasília virou um balcão de negócios, e o Brasil se apequenou, tornando-se um brinquedinho bilionário nas mãos de inescrupulosos. Não há respeito à população, à Carta Magna nem aos limites mais rasos da decência. 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

PROVOCAÇÃO

As provocações e os abusos desmedidos jogados no ar pelo relator da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deputado Bonifácio de Andrada, do PSDB-MG, durante a leitura da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, foram entendidas pelo povo como um chamamento para uma luta entre os Poderes da República e mais alguma coisa. O deputado, quando disse que "não era possível que alguns juízes permitam e venham a apoiar o Ministério Público e a Polícia Federal (...) de uma forma tão exagerada", chamou para a briga não só o Ministério Público e a Polícia Federal, mas também mais de 60% dos cidadãos brasileiros que sempre defenderam o trabalho deles para acabar com o conchavo existente entre os membros dos Poderes da República que estão desgraçando com a nossa pátria amada Brasil. É o povo nas ruas que diz: Muda, Brasil. Mudem os Três Poderes da República. Mudança total. Não está dando mais para aguentar, principalmente a Câmara e o Senado. 

Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

DENÚNCIAS PRESIDENCIAIS

No Brasil, é tudo na conta do Bonifácio...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ORAÇÃO

Depois da defesa enfadonha e descabida do presidente Temer, apresentada pelo deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) na Câmara, no dia 10/10/2017, em Brasília, só nos resta orar muito para a Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, para que nosso país tenha um rumo mais decente e correto a partir de 2018, pois, se depender dos políticos, continuaremos a caminho do inferno!

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

LEGISLATIVO X JUDICIÁRIO 

Conforme informado na "Coluna do Estadão", o Congresso pensa em retaliar o Judiciário caso o Supremo Tribunal Federal (STF) arrogue para si a responsabilidade de determinar medidas cautelares a certos senadores que tenham cometido determinados erros. E o Congresso o fará por meio da edição de uma emenda à Constituição tirando do Judiciário o direito de julgar os senadores nestes casos. Até o momento não sabemos qual será a decisão do Judiciário, mas já podemos antever o que acontecerá se ele decidir levar o Congresso a fazer tal retaliação. Como o Judiciário só julga crimes, é de crimes que estamos falando, e aqui chegamos ao limite de toda a indignação, pois seria o crime apropriando-se da Constituição, usando-a em proveito próprio, e não a serviço da Nação!

  

José Carlos Piçarra jcpicarra@hotmail.com

São Paulo

*

O QUE NÓS ACHAMOS?

O atual momento, do julgamento pelo STF sobre a constrição pelo Judiciário a membros do Legislativo, resume-se a isto: pode ou não um senador da República, documentadamente se apropriando de dinheiro público, continuar a exercer seu mandato, que lhe foi conferido pelo povo surrupiado? O ministro Edson Fachin acha que não pode, o ministro Alexandre de Moraes acha que pode, sim. Já o povo, o nós que achamos, bem, não interessa a ninguém.

Marcelo G. Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br

Rio de Janeiro 

*

PAÍS CIVILIZADO

Em qualquer país civilizado, a última instância, o Poder Judiciário, decide o que pode ou não ser aceito. A partir daí, decisões judiciais são cumpridas. Os recursos fazem parte do processo democrático, mas exige-se punição imediata. Não se pode admitir que parlamentares se neguem a obedecer às decisões daqueles ministros. País onde não funciona a Justiça a democracia inexiste. Somos ou não um país civilizado? Atenção, precisamos decidir nas próximas eleições que futuro terão as novas gerações.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DÚVIDA

No Congresso brasileiro, principalmente no Senado, temos deuses em forma de senadores ou senadores em forma de deuses? Nem o STF pode julgá-los? Os congressistas corruptos só podem estar de brincadeira! Viva a Lava Jato!

 

Rodrigo A. dos S. Echeverria rodecheverria73@hotmail.com

São Paulo

*

ESTUPIDIFICADOS

Artigos e mais artigos na imprensa perguntam por que as pessoas não reagem de maneira mais contundente aos desvarios de corrupção explícita que nos assombram no noticiário nacional. Porque ainda estamos em estado de choque, mesmo após quatro anos de Lava Jato diariamente na televisão, na imprensa escrita e falada e na internet. Somos um povo ainda estupidificado com tanta roubalheira praticada pelas elites políticas e empresariais de um país pouco instruído. Ainda não caiu a ficha do povo crédulo e ingênuo, que acredita no que dizem os "doutores engravatados". A sorte destes corruptos do colarinho branco são a ignorância e a subserviência de um dos povos mais ignorantes do mundo. Em 2018, este povo, que parece gostar de ser enganado, poderá responder até onde vai nossa capacidade de reação a tanta barbaridade perpetrada contra uma nação por seus dirigentes máximos. Estupidificados até quando?

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

'DEMOCRACIA E RESPONSABILIDADE'

Embora concorde plenamente com a argumentação exposta no editorial "Democracia e responsabilidade" (8/10, A3), fico a me perguntar como pôr em prática a conscientização dos apedeutas e de uma expressiva categoria que poder-se-ia chamar de "instruídos alienados", aqueles que votariam num Bolsonaro ou em Lula, na remotíssima hipótese de o ex-presidente continuar elegível em 2018. A frase que encerra o texto - "Está na hora de cada brasileiro demonstrar que é capitão de seu destino" - é bonita, mas como colocá-la em prática se a máquina de propaganda - o fundo partidário, a "propaganda eleitoral gratuita", o R$ 1,7 bilhão do recém-aprovado fundo de campanha - está nas mãos dos políticos de hoje? Como fazer para eleger gente séria, quando só o que se vê na ininterrupta propaganda partidária são discursos monocórdios, quase infantis? O que fazer para obter dos possíveis "candidatos de renovação" o compromisso de acabar com o foro privilegiado, votar leis que obriguem ao cumprimento da pena de condenados em segunda instância, privatizar mesmo todas as estatais nos três níveis de governo, acabar com a estabilidade no serviço público e outras medidas fundamentais que possam conduzir o Brasil a uma mudança de valores, de mentalidade, tornando-se a nação de uma sociedade igualitária? Enfim, qual é vacina que se pode aplicar às massas, sejam cultas ou de pouca instrução, para imunizá-las contra o canto de sereia da politicalha que resiste bravamente a largar o osso?

Luiz M. Leitão da Cunha luizmleitao@gmail.com

São Paulo

*

DESCULPAS?

Incrível: num discurso quase apocalíptico esta semana, o ex-presidente Lula disse que o juiz Sergio Moro lhe deve desculpas. Como pode essa demoníaca figura ainda estar solta? Lamentável.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

LULA X SERGIO MORO

Se a moda pega, é melhor abrir as cadeias, pedir desculpas a todos os criminosos e soltá-los no meio da multidão. Que tal as desculpas forem feitas depois que Lula estiver atrás das grades? O Brasil agradece.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

AVISO

O leitor sr. Eugênio Alati sugeriu, nesta coluna, que avisassem ao sr. Lula da Silva que o País não lhe pertence. Não é má ideia. Melhor seria, no entanto, que avisassem também aos adoradores deste réu que essa é a realidade e o deixassem em paz com seus devaneios e em seus pesadelos.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

LEMBRAR É PRECISO

O processo dos e-mails secretos atribuídos a Dilma Rousseff pela marqueteira Mônica Moura, até onde sabemos, foi anexado a um inquérito contra a ex-presidente no Supremo Tribunal Federal (STF), como indício robusto da prática de obstrução à Justiça, porém não tivemos mais notícias! Essa acusação contra Dilma Rousseff é muito grave para cair no esquecimento. Conforme declarações contundentes da "colaboradora", Dilma recebia informações do então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e se utilizava desses e-mails para avisá-la, no exterior, de avanços nas investigações da Operação Lava Jato, e, para se garantir, registrou em cartório os dois endereços eletrônicos fictícios e as senhas de acesso. A defesa da ex-presidente, como sempre imaginosa, respondeu que a empresária mentiu para se livrar da cadeia. Parece inoportuno lembrar esse episódio neste momento, fora do noticiário há um longo tempo, porém gravado na memória da população. É comum ouvir em conversas indagações do tipo: "E a Dilma, hein, fazendo turismo com nosso dinheiro? E os e-mails 'fajutos', vão ficar por isso mesmo?". Esperamos notícias da Justiça, que provas concretas não se tornem abstratas e a coletividade nacional não se decepcione uma vez mais.          

Sérgio Dafré segio_dafre@hotmail.com

Jundiaí 

*

NINHO DA ESQUERDA

Que a Universidade de São Paulo (USP) é ninho da esquerda já se sabe, mas que censura o livre pensar de uma professora que postulava vaga de titularidade na universidade, simplesmente desvalorizando seu trabalho, é de refletir... Na verdade, enquanto ela era coautora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, luminares da USP defendiam o governo petista da ex-presidente. Mas, como vingança é um prato que se come frio, o resultado final foi este: Janaína Paschoal reprovada, e em último lugar, para ficar patente que lá, na USP, ela não tem lugar cativo. Não é por acaso que a USP continua perdendo posições em ranking mundial de avaliação de produção acadêmica entre universidades. Lamentável!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

JANAÍNA PASCHOAL

Sobre sua reprovação no concurso da USP (11/7, A9), passo para lembrá-la: a academia é impiedosa. Solidarizo-me com você.

Jose Antonio S. Bordeira bordeira@compuland.com.br

Petrópolis (RJ)

*

AMEAÇAS ILEGÍTIMAS

Numa das manifestações a que tive oportunidade de participar, há dois anos, na Avenida Paulista, em protesto contra o PT e a então presidente Dilma Rousseff, havia um grupo de aproximadamente dez pessoas, de meia idade, ostentando cartazes com os dizeres "Intervenção militar já". Senti na época o mesmo desgosto que sinto agora, ao ler e escutar generais da reserva justificando, caso "necessário", intervenção militar "sem amparo legal" para salvar a Pátria dos políticos corruptos. Dilma foi impedida e não são poucos os políticos presos ou réus em processos de corrupção - tudo dentro dos trâmites legais previstos na Constituição. Nossas instituições são sólidas e a democracia prevalece. Ameaças autoritárias e demagógicas são desnecessárias e ilegítimas. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

IMPUNIDADE

Aconteceu exatamente o que Paulo Maluf previu: só foi condenado com 85 anos de idade e não vai cumprir pena nenhuma. Viva o foro privilegiado!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

FRAUDES ELEITORAIS

Projetos políticos que não deram certo e cujos fracassos caíram nos ombros de seus padrinhos: Doria/Alckmin e Pitta/Maluf. Decisões políticas desastradas, forjadas em gabinetes políticos, que se transformaram em verdadeiras fraudes eleitorais, causando um estrago imensurável para os seus padrinhos. Na sucessão presidencial, vamos nos ater a nomes que não se revelem verdadeiras enganações eleitorais.

Arnaldo Luiz de O. Filho arluolf@hotmail.com

Itapeva

*

EM CAMPANHA POR 2018

 

Resolveram, após algum período de ataques e defesas, unir-se em dupla: "João Traíra" e "Pixuleco". Assim, João Doria, o gestor e cantor que enganou bem, inclusive Geraldo Alckmin, e Lula da Silva, o cantor da enganação primorosa, vão cantar suas músicas Brasil afora. E tem gente que vai acreditar outra vez nas promessas?

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

NEM ALCKMIN NEM DORIA

Enquanto o PSDB não decide qual será o candidato do partido a presidente na próxima eleição, ao permanecer na dúvida se apoia ou não Michel Temer para fins da continuidade das reformas e estabilidade econômica, ao não se posicionar efetivamente ante os deslizes de Aécio Neves, além de importantes questões relativas ao Estado de São Paulo estarem completamente de lado, ficamos a perguntar: quem, mesmo?  

Maria L. Ruhnke Jorge mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba 

*

RUÍNAS

Trabalho há quase nove anos na Avenida Sumaré, na quadra do imóvel em ruínas (capa do "Estado" de 9/10), e realmente, neste período, só quem ganhou ali foi a Colorgin nas mãos dos pichadores. Claro, frutos da crise. E hoje, mesmo com deflação do IGP-M, o ar de abandono é visível. Agora, algumas ruínas desta bela avenida são frutos da linha laranja, que desapropriou e nunca mais voltou. A linha das universidades também fechou algumas lojas, bancos, etc. Porém, devido às circunstâncias (crise das empreiteiras), a linha laranja ficará para as calendas gregas.

Leandro Ferreira leandroferreoradasolva@gmail.com

Guarulhos

*

'ESCOMBROS DA CRISE'

A reportagem "Escombros da crise" (9/10) se esqueceu de questionar a prefeitura sobre o absurdo IPTU que inviabiliza a relocação desses imóveis. Era hora de fazer descontos e incentivar o comércio com essas locações, cujo valor do IPTU é mais que o próprio aluguel, tornando esses imóveis um escombro. Prefeito, reveja o custo-benefício de incentivar essas locações em prol da cidade, principalmente nas avenidas principais.

Ronaldo Rossi ronaldo.rossi1@terra.com.br

São Paulo

*

SELEÇÃO BRASILEIRA

Com efeito, tudo o que o País precisa é encontrar um Tite para a Presidência em 2018. Acelera, Brasil!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

A ARGENTINA NA COPA DA RÚSSIA

A diferença entre Brasil e Argentina está nos demais boleiros que compõem seus elencos, porque, enquanto o Brasil marcou 3 a 0 no Chile sem nenhuma ajuda de Neymar, Messi enfiou três gols no Equador e classificou uma Argentina que disputou uma das piores campanhas graças à troca constante de técnicos e os demais do plantel estarem muito abaixo do seu astro.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

DESGLOBALIZAÇÃO DO FUTEBOL

Foi ótimo poder assistir a um jogo da seleção brasileira em território nacional, sem, necessariamente, ter de aguardar o término de mais um capítulo de uma novela global das 21 horas.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

A VIOLÊNCIA NO RIO E A JUSTIÇA

Danúbio, mulher do traficante Nem, da Rocinha, foi presa. Será mais uma vez solta por desembargador do tráfico? Ele continua "desembargando" e recebendo nosso dinheiro por esses serviços?

Oscar Seckler Müller Oscar@gmail.com

São Paulo 

*

DIA DAS CRIANÇAS

Como é bom ver uma criança sorrir. Como é bom vê-la pular, cantar e curtir. Como é bom vê-la ir e vir, com saúde, alegria e paz. Ser criança não é questão de idade, é questão de ser a base da idade. Elas mesmas nem sabem, mas são nosso futuro e por ela temos que rezar e zelar. Elas mesmas nem sabem, mas elas comandarão nosso planeta, serão nossos engenheiros, médicos, advogados, agricultores, professores, escritores, enfim serão nossos adultos. Elas mesmas só sabem que vivem o hoje, pois o amanhã depende da vida e depende do hoje. Seu futuro está garantido, são horizontes intermináveis, verdes, fecundos e com céus azuis e nuvens leves como o ar, que também lhes pertencerão. As crianças correm, pulam, cantam, contam, falam e surpreendem a cada momento. As crianças nascem todos os dias. Essa é a vantagem de ser criança, nascer todos os dias como se cada dia fosse uma vida, uma jornada de brincadeiras e aprendizado constante. Ser criança é ser simplesmente ser quem você mesmo é. Tem sono, tem fome, tem choro... mas tudo isso o adulto também tem. Só que criança se reinventa com um brinquedo simples, com um bicho de estimação, ou com um simples gesto de carinho. Crianças, vocês são nossa energia. Ter vocês ao nosso lado nos faz felizes e certos de que nossa missão como adultos é de altíssima responsabilidade. Ei, adultos, lembrem-se de que as crianças são nossos espelhos e guardam nossas referências. Mas são elas que estarão em pouco tempo surgindo para o mundo, e criando novos modelos sociais, econômicos, familiares e comportamentais. São os sorrisos de hoje que farão o nosso amanhã. São as educações de hoje que levarão o mundo adiante, e educarão as novas crianças que ainda nem existem, mas que estão chegando. Parabéns a todos que cuidam de suas crianças com carinho e amor. Todos que zelam por esse tesouro imenso, atual, futuro, atemporal e sorridente. Parabéns, crianças, hoje é o seu dia! Um futuro brilhante para todas vocês e fiquem com Deus!

Clayton de Argolo c.argolo@hotmail.com.br

São Paulo


 

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores Brasília [DF]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.