Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2017 | 03h00

CORRUPÇÃO

Porteira aberta

Passa boi, passa boiada. A Suprema Corte escancarou a porteira, o boi passou e ninguém mais segura o estouro da boiada. O País virou uma barafunda. Agremiações várias avocam o direito de chancelar ou não atos da Justiça contra seus membros. Não se sabe mais o que está valendo. E, então, vem o ministro do STF Marco Aurélio Mello à mídia declarar-se “perplexo” com a pantomima da tarde de sexta-feira na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Comoveu-me deveras a sensibilidade do sapiente jurisconsulto, nem dormi direito...

JOAQUIM QUINTINO FILHO

jqf@terra.com.br

Pirassununga

Rabo preso

Foram 39 a 19 os votos na Assembleia do Rio pela soltura dos três deputados estaduais presos por corrupção. Cada um desses 39 certamente só tinha um único pensamento: eu posso ser você amanhã. Não deixa de ser uma verdadeira corja de políticos apequenados por falta de escrúpulos. Vergonhoso!

LEILA ELSTON LEITÃO

leilaelston@uol.com.br

São Paulo

Deus ainda é brasileiro?

Eliane Cantanhêde, na coluna O Rio de Janeiro chora (17/11, A6), comenta com muita propriedade a corrupção desenfreada que fustiga a cidade e a situação em que ela se encontra. São ilustres cidadãos, como três ex-governadores, o presidente da Alerj, Jorge Picciani, seus filhos Leonardo e Felipe, mais dois deputados estaduais, Edson Albertassi e Paulo Melo, que foram presos pelo TRF-2 num dia, mas a Alerj soltou os parlamentares no dia seguinte. E esses três deputados foram denunciados pelo desvio de 15% sobre contratos públicos! É uma vergonha, abominável, que tem reduzido os servidores do Rio à indigência, depois de dedicarem a vida ao serviço público, e a população carioca à insegurança e falta de atendimento de saúde e educação. Eliane Cantanhêde termina brilhantemente o seu texto: “Só falta o Cristo Redentor chorar”. E eu pergunto: quanto tempo vai demorar para essa situação insustentável e lastimável se alastrar para o resto do País? Até quando Deus será brasileiro?

SILVANA JACQUES IBRAHIM

silvanaib@bol.com.br

São Paulo

Queda do Império Romano

É inacreditável a capacidade do nosso arruinado Brasil de criar e engordar corruptos em todas as instâncias, nos níveis corporativo, legislativo, judiciário e executivo, que levam a Nação ao fundo do poço, desprezando qualquer ética ou princípios morais. A Nação conseguiu a duras penas formar uma estrutura econômica, via empresários que pudessem lançar o Brasil a patamares elevados, porém sucumbiu absolutamente no campo das falcatruas combinadas entre safardanas imorais. Em qualquer área que se fiscalize encontramos as maiores barbaridades, insuportáveis canalhices, legando à atual juventude e às gerações vindouras a ideia de que nada mais há que fazer para termos um país minimamente decente. Lembramos que o maior império da História, o Império Romano, sucumbiu pela corrupção e devassidão. E nessa toada caminhamos. Seremos eternamente o “país do futuro”? Pobre Nação brasileira, vilipendiada por seus dirigentes e pelos incautos cidadãos que bovinamente aceitam esse infame sistema corrupto interminável. Até quando?!

JOÃO BATISTA PAZINATO NETO

pazinato51@hotmail.com

Barueri

LULOPETISMO

Flagrando os mentirosos

A ferramenta criada pelo jornal The Washington Post que tem a finalidade de analisar, categorizar e acompanhar cada uma das afirmações falsas ou enganosas feitas por Donald Trump já detectou 1.628 afirmações desse tipo desde a posse do presidente americano, em 20 de janeiro. Como a média é de 5,5 mentiras ou meias-verdades por dia, o total deve alcançar 1.999 falsas declarações até o fim do ano. Iniciativa similar poderia ser importada para aferir alguns dos nossos políticos, notoriamente o falastrão Lula da Silva, candidato em antecipada campanha para o Planalto em 2018, sob a escancarada omissão do Tribunal Superior Eleitoral. Para ele o programa criado pelo diário americano deveria vir incrementado para poderem caber suas notórias e compulsivas lorotas.

LUÍS LAGO

luis_lago1990@outlook.com

São Paulo

Coisas de Dilma

Em mais uma viagem feita à nossa custa, a incompetente Dilma Rousseff continua a despejar besteiras e mentiras, sua marca registrada, denegrindo a imagem do Brasil. Na Alemanha, ela denuncia já o “terceiro ato do golpe”, agora contra seu inominável chefe. As perguntas que precisam ser respondidas: quando o STF vai julgar para anular o golpe cometido contra a Constituição por seu ministro Ricardo Lewandowski e pelo então presidente do Senado, Renan Calheiros, que fatiaram o julgamento do impeachment dessa senhora, mantendo seus direitos políticos? Quando Dilma será denunciada e julgada pelos prejuízos causados por ela quando nos ministérios de Lula e na Presidência? Mais uma pergunta: quando o governo vai voltar a usar o nome Tupi para o campo de petróleo na Bacia de Santos que vergonhosamente, por puro puxa-saquismo, teve seu nome mudado para campo de Lula?

ÉLLIS A. OLIVEIRA

elliscnh@hotmail.com

Cunha

Calote da Venezuela

Cabe à Justiça brasileira, agora, responsabilizar os governos Lula e Dilma pelo dinheiro que não receberemos da Venezuela. Nos 13 anos de PT no poder, ambos doaram milhões e milhões aos cumpanheiros, dinheiro dos nossos impostos que poderia ser usado aqui em educação, saúde e segurança, e sem ao menos consultar o povo! Então, agora, que paguem a dívida ao povo.

LUIZ CLAUDIO ZABATIERO

zabasim@outlook.com

São Paulo

Maior desgraça

De fato, devia ser cobrado dos petistas, eles sabiam que essa dívida jamais seria paga. Emprestar a bolivarianos? Poupem-nos. Agora está confirmado o calote venezuelano no Brasil. Mas, ora, na Venezuela há falta de tudo, de alimentos a remédios, há anos! Só gostaria de entender por que o PT e o PSOL apoiam essa desgraceira toda.

ROBERTO MOREIRA DA SILVA

rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

GESTÃO DORIA

Tributação

Cobrar impostos das igrejas: nota dez para o prefeito João Doria e zero para o populismo do vereador Eduardo Tuma, ambos do PSDB.

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


ELEIÇÕES 2018


É frequente neste “Fórum” a recomendação de leitores pelo voto consciente, pela escolha de candidatos sérios, pela renovação do Congresso Nacional, negando reeleição para maus congressistas. Creio que ninguém discorda desse conselho, mas é preciso ser muito otimista para acreditar que haverá expressiva renovação nas eleições de 2018. Os eleitores escolhem entre os escolhidos pelos partidos, não têm a menor possibilidade de virar o quadro malsão que se instalou no processo eleitoral. Eu mesmo acredito que a taxa de renovação será menor que a das últimas legislaturas. Sem a permissão para candidaturas independentes (sem partido), não há como vencer a escolha dos caciques por aqueles que compõem as patotas ou por pessoas influentes na mídia, com exclusivo papel de “puxadores de votos” para a legenda (artistas, comunicólogos, comediantes, esportistas, etc.). Também não contribui insuflar coragem em bons cidadãos para que se aliem a partidos e disputem cargos eleitorais: os caciques vão dar preferência a estes, em detrimento da patota? Por outro lado, o voto nulo ou o em branco tampouco mudarão o quadro, pois, ainda que apenas 10% do eleitorado compareça às urnas, mesmo assim haverá quórum suficiente para preencher as 513 vagas da Câmara e as 81 do Senado. Não prego golpes, nem de esquerda nem de direita, mas quando li a biografia de Cromwell não deixei de pensar no ato “detox” que praticou ao fechar por uns tempos o Rump Parliament e mandar pôr (dizem) um anúncio na porta: “Aluga-se esta casa”.


Paulo Mario Beserra de Araujo pmbapb@gmail.com

Rio de Janeiro


*

CÂMARA DE INCOMPETENTES


De acordo com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), “empurrar a responsabilidade da Previdência para o Congresso não ajuda”. Afinal de contas, para quem ele quer que a responsabilidade seja “empurrada”? Para a Casa da Mãe Joana, para o MST ou para os sindicatos que vão morrer com o fim da contribuição sindical compulsória? Fala sério, o que este “cara” faz na presidência da Câmara? É nestas horas que sentimos saudades do corrupto Eduardo Cunha, que seguia o lema de Paulo Maluf: rouba, mas faz. Que tal o “Estadão” criar um painel e passar a mostrar quem está a favor ou contra a reforma previdenciária e quem está em cima do muro, para que cada eleitor conheça realmente quem é seu político e possa repensar seu voto em 2018? E, sabendo quem é quem, depois da eleição vamos também conhecer quem é quem entre os eleitores. O que os eleitores desejam para o futuro do País? Se desejam um futuro melhor, precisam escolher melhor seus representantes. O Brasil só vai mudar se os eleitores mudarem e pararem de votar sempre nos mesmos incompetentes.


Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana


*

FURTO QUALIFICADO


“Câmara paga a cassados até R$ 23 mil de aposentadoria” (“Estadão”, 16/11). Enquanto isso, trabalhadores de verdade, se forem contratados na modalidade de trabalho intermitente, poderão ficar sem nenhuma cobertura da Previdência Social. Recursos desviados da parte boa para a parte podre do Brasil, o que também poderia ser qualificado como furto qualificado.


José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul


*

LIMPEZA


Lavaram a Câmara dos Deputados com desratização. Faltou creolina. E os ratos de gravata?


António Acorsi acorsi.antonio@gmail.com

Jundiaí


*

PADRINHOS NO PODER


Sendo real aquela velha máxima de que “quem tem padrinho não morre pagão”, certamente assim se beneficiam há décadas na história desta República várias entidades privadas e também de servidores públicos federais que conseguem irresponsáveis privilégios graças ao apadrinhamento pelo poder em Brasília. Nesse sentido, matéria publicada no “Estadão” na última semana (“Pauta-bomba no Congresso põe em risco ajuste fiscal”) e o editorial “O valor de um bom padrinho” (13/11, A3) dizem bem da irresponsabilidade no uso dos recursos dos contribuintes e desprezo ao equilíbrio das contas públicas. Esta “pauta-bomba” que perambula pelo Congresso e vai do perdão das dívidas rurais ao reajuste do Bolsa Família acima da inflação, se aprovada, como prometem os parlamentares, pode gerar mais de R$ 20 bilhões de despesas já para o próximo ano, num momento em que a equipe econômica luta para entregar em 2017 e em 2018 um monstrengo de déficit fiscal de R$ 159 bilhões. No texto do editorial a preocupação é como a Câmara vai votar o projeto do governo que sugere aumento da alíquota de 11% para 14% dos servidores federais para quem ganha acima de R$ 5 mil mensais, com o objetivo de minorar o déficit previdenciário. O governo economizaria R$ 7 bilhões com essa medida, mas, infelizmente, esse projeto está com cara de ser desfigurado, porque os deputados apresentaram um absurdo de 236 emendas contrárias, com o único objetivo de garantir votos nas urnas. É imperdoável que esta desmoralizada classe política deseje manter esta “feira dos privilégios” dos servidores, que corrói as contas públicas, em vez de diminuir ou até eliminar o déficit fiscal, o que favorece o crescimento econômico e o bem-estar social da maioria da população brasileira. Fez bem o editorial do jornal quando assinalou “afinal, para que se dedicar a gerar riquezas se, no final, aqueles que têm bons padrinhos irão capturar parte desta renda sem colocar em quase nada para sua produção?”. Este é o Brasil, em que o poder manda e desmanda e o povo, não se sabe até quando, obedece.


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*

REFORMA MINISTERIAL


Quer dizer que o presidente Temer vai poupar os ministros Marcos Pereira e Gilberto Kassab para livrá-los da primeira instância e continuarem com foro privilegiado em virtude das denúncias que os atingem? Até quando coisas como essas vão durar?


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

O MINISTÉRIO TEMER


A saída do ministro das Cidades do governo Temer, na semana passada, não foi uma decisão unânime dos tucanos. Estes ainda continuam divergindo sobre as atitudes a serem tomadas em relação ao governo Temer, numa demonstração de que ocupar cargos ou apoiar o governo não levam em consideração senão os interesses de grupos, e não a posição do partido a que pertencem. Este é o país que ainda sofre os reflexos da cassação da ex-presidente Dilma por congressistas preocupados com assuntos corporativos. E, levando em consideração que praticamente está em andamento um novo processo eleitoral, o povo brasileiro tem de ficar mesmo muito preocupado, até que se defina quem será eleito para comandar o Brasil. Que o eleitor avalie o seu papel e tome a decisão adequada.


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

O DESEMBARQUE E OS FAMINTOS


Os tucanos deixam o barco do governo. Rápidos como o raio, outros partidos já saem no tapa na disputa pelo rico espólio do PSDB. Temer e alquimistas do Palácio do Planalto têm de agir depressa para dividir as fatias do bolo ministerial entre os outros partidos que apoiam o governo. Todos famintos pelos orçamentos dos principais ministérios e, evidente, interessados em salvar o País. Cada partido se julga dono de algum ministério. A gula é colossal. Na divisão, esqueceram-se de dizer qual será o partido do povo. Aquele que realmente vai atender aos anseios da população.


Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília


*

SAÍDA TUCANA


“O PSDB deve sair do governo Temer pela porta da frente, assim como entrou”, disse Aécio Neves (MG). Da mesma forma, o senador deve sair da presidência tucana pela porta da frente, assim como entrou, e o mais rápido possível. Basta!


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

PSDB


Se o grupo Aécio & Perillo vencerem as eleições do comando do partido, este se esfarelará em nosso Estado e não elegerá nenhum senador em 2018.


Reinaldo Cammarosano tatocammarosano@hotmail.com

Santos


*

CHANCES EM 2018?


Parece que Geraldo Alckmin tem muita chance de galgar a presidência do PSDB. No atual momento, é o melhor candidato, pois tem bons relacionamentos com os demais postulantes e integrantes do partido e poderá amenizar as dissidências. Mas, para acabar com elas em definitivo, as outras figuras do partido deverão esquecer o orgulho e a arrogância que sempre demonstraram, para que o futuro candidato à Presidência da República em 2018, seja ele qual for,  fique fortalecido e tenha chances de vitória.


Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo


*

MEDO DA DIREITA E DE BOLSONARO


“FHC afirma ter medo da direita” (17/11, A8). Sr. presidente, não fale besteiras. Pare de abominar a direita, comparando-a apenas a exemplos bizarros. Enquanto presidente, o sr. fez um bom governo. Desde que saiu, só fala bobagem. Lamentável.


Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz


*

O MEDO DE FHC


FHC não teve medo da esquerda e ajudou Lula a tomar o poder. Tinha de dar no que deu.


Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com

Capão Bonito


*

CAUSA-NOS HORROR


Quer dizer que Dilma, por FHC, estaria governando, com toda a incapacidade que demonstrou? FHC já havia defendido seu amigo Lula em 2006 de ser apeado do cargo. E nós pagamos um preço alto demais por isso: a destruição da economia do País, feita por Lula em seu segundo mandato e rigorosamente seguida pelo poste Dilma. Como consequência desses desgovernos, estamos com os mais de 13 milhões de desempregados e um rombo de mais de R$ 159 milhões. Vamos levar muito anos para equilibrar nossa economia. Uma frase há tantos anos dita por Jair Bolsonaro vira um ato de vingança de FHC, declarando tamanho absurdo no exterior, que sua candidatura à Presidência da República é uma ameaça. E a de Lula não será, não é, FHC? A extrema-direita causa-lhe horror? A nós, da direita ou de centro, causa mais horror termos um candidato da sua esquerda socialista, ou um vigarista como seu amigo Lula, que quase fez do Brasil uma Cuba.


Agnes Eckermann agneseck@gmail.com

Porto Feliz


*

O SONO DA MINISTRA


Ministra Cármen Lúcia, como o cala boca já morreu, eu me permito lhe perguntar se os seus sonos são tranquilos, ao ver que aquela sua decisão desastrosa no caso Aécio Neves, tomada politicamente e com o único intuito de evitar um conflito com o Senado, escancarou as portas para todas as Casas Legislativas do País poderem tornar inócuas decisões da Justiça contra colegas de plenário, permitindo que quadrilhas de ladrões dos cofres públicos fiquem livres do rigor da lei, como no atual caso do Rio de Janeiro.


Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro


*

OBRIGADA, STF!


Se eu fosse ministra do STF e tivesse dado o voto que proporcionou ao Senado federal livrar a cara do senador Aécio Neves, depois que foi pego em gravações de corrupção nada abonadoras, o que agora vem sendo copiado pelas Assembleias estaduais, Câmaras municipais, e principalmente no Rio de Janeiro, cujos corruptos estão livrando a cara de seus comparsas, eu me sentiria muito mal. Evitaria viagem em aviões comerciais. Não daria entrevistas. E, por fim, me esconderia debaixo da minha cama de tanta vergonha. Escancararam geral para que toda a canalhada se protegesse. E, pior, nossos ministros estão longe de se sentirem responsáveis. Julgaram a Constituição, que foram indicados para defender, pela régua moral deles mesmos. Pobre Brasil e medíocre STF!


Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo


*

GOVERNO PARALELO


A série de benesses recebidas na cadeia pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral e o convívio com os comparsas Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi transformam o presídio de Benfica no novo “Palácio do Governo do Estado”. O nível de cinismo do ex-governador proporcionará a estruturação de um novo gabinete paralelo do governo estadual no Rio de Janeiro. O ex-governador adaptou-se à cadeia nos mesmos moldes dos grandes chefes do crime, do PCC, do Comando Vermelho e demais organização que Cabral fingia combater. A sua transferência ao presídio de segurança máxima de Mato Grosso do Sul será absolutamente justificada para evitar a continuidade dos crimes sob a complacência do governador Pezão.


Mário N. Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro


*

NA MÃO DA BANDIDAGEM


Considerando a composição dos Três Poderes da nossa República – Executivo, Legislativo e Judiciário –, é possível afirmar que estamos na mão da bandidagem. Ou não?


Roberto Bruzadin bobbruza@terra.com.br

São Paulo


*

SUPREMA INSEGURANÇA JURÍDICA


A decisão de Ricardo Lewandowski de não homologar o acordo de colaboração premiada de Renato Pereira, marqueteiro de Sérgio Cabral, com argumentos que questionam a competência do Ministério Público Federal (MPF) para firmar tais acordos, faz pairar dúvidas não só sobre os poderes de negociação do Ministério Público, como também de todos os casos da Operação Lava Jato construídos sobre as delações. É mais uma prova de que o Supremo Tribunal Federal (STF) se tornou a grande fonte de insegurança jurídica do País e uma ameaça à Lava Jato. O condenado pode contar com pelo menos um dos seus homens de confiança no Supremo.


Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo


*

A LAVA JATO APUNHALADA


Júlio César foi apunhalado pelos senadores romanos em 44 a.C. A Lava Jato está sendo apunhalada por senadores, deputados federais, todo o governo e notórias figuras do Judiciário do Brasil, um país de todos os corruptos!


Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre


*

QUEREM APOSTAR?


Quem apostar e acertar qual político corrupto (ladrão) estampará a primeira página do “Estadão” de amanhã ganhará o dobro do valor apostado. Se acertar o cargo, se deputado estadual, federal ou senador, ganhará o triplo. Portanto, prezados leitores, façam suas apostas. Agora, mesmo que você acerte, o dono da foto estampada vai dizer que tudo não passa de intriga da oposição e que estão querendo desmoralizá-lo politicamente. Será bem possível que você receba o prêmio somente após passar pela primeira e segunda instâncias. E, para completar, pelo STF. Se estiver bom para você, faça já sua aposta.


Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotolu@uol.com.br

São Paulo


*

POLÍCIA FEDERAL


O papel mais importante na Operação Lava Jato se deve à Polícia Federal; é ela que põe a mão na massa!


Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas


*

INHOTIM


“Idealizador de Inhotim é condenado (por lavagem de dinheiro)” (“Estadão”, 17/11, C8). Se toda a lavagem de dinheiro no Brasil fosse feita através de instalação de museus e obras de arte, com certeza o Louvre, MoMA e a Tate, entre outros, já estariam aqui.


João Israel Neiva jneiva@uol.com.br

São Paulo


*

O BRASIL E A MISSÃO DE PAZ DA ONU


No Brasil do “faz de conta”, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, declarou a jornalistas que o Brasil deverá enviar contingente de 1 mil soldados para a missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) na República Centro-Africana, pois, segundo ele, “temos responsabilidades globais com a estabilidade e a paz no mundo”. Por nobres que sejam, as motivações de Jungmann são totalmente divorciadas da realidade brasileira. As Forças Armadas, de resto como os demais órgãos da administração pública, sofrem com a falta de recursos, sendo que nos últimos cinco anos seu Orçamento teve redução de 44,5%. A situação é tão grave que “Integrantes do Alto Comando do Exército, Marinha e Aeronáutica avaliam que há um risco de ‘colapso’” (“O Estado”, 14/8/2017). Antes de posar de estadista, é melhor que Jungmann obtenha recursos para as necessidades básicas das Forças Armadas, cuja missão vai muito além da defesa do nosso território, tendo, inclusive, atuação social relevante, prestando assistência à população mais carente, nas localidades remotas e de difícil acesso do País.


Sergio Ridel sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.