Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2017 | 03h00

CORRUPÇÃO

Felicíssimo ano novo

Notícia melhor não poderia haver: o desembargador Leandro Paulsen, revisor do voto do relator João Pedro Gebran Neto, determinou à secretaria da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) que marcasse a data do julgamento do caso do triplex no Guarujá, em que o juiz Sergio Moro já condenou o réu a mais de nove anos de prisão. Ordem cumprida, foi marcado para 24 de janeiro de 2018. A alvissareira notícia dá novo ânimo aos brasileiros honestos. Aliás, já se operou um efeito imediato e esperançoso: a Bolsa de Valores subiu e o dólar caiu. Parabéns ao TRF-4.

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

O dia 24 de janeiro de 2018 será um marco na luta contra a impunidade e será lembrado como a data em que todos os brasileiros passarão a crer que, de fato, são iguais perante a lei. Dia em que os brasileiros passarão a acreditar também que o crime não compensa e em que será consolidado o excelente e histórico serviço que a Operação Lava Jato está prestando ao País.

RICARDO FIORAVANTE LORENZI

ricardo.lorenzi@gmail.com

São Paulo

Caminhada histórica

No ano passado, em seu primeiro pronunciamento após ter sido denunciado pelo Ministério Público Federal por corrupção e lavagem de dinheiro, Lula da Silva, banhado em lágrimas, deu sua palavra de que, se ficasse provado algum ato de corrupção cometido por ele, iria a pé se entregar à Justiça, em Curitiba. Comparou esse compromisso com o pagamento de uma promessa. Com o julgamento em segunda instância de sua primeira condenação marcado para janeiro, a data de sua prometida caminhada histórica, ao que tudo indica, se aproxima. O PT deveria aproveitar a oportunidade para voluntariamente também se penitenciar por seus erros. Diversas personalidades poderiam acompanhar Lula nessa caminhada, que entrará para a nossa História como um humilde pedido de desculpas aos brasileiros daqueles que receberam votos de confiança do povo, não souberam honrá-los, mas estariam sinceramente arrependidos.

JORGE ALBERTO NURKIN

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

Ficha suja

Se Lula for condenado pelo TRF-4, isto é, em segunda instância, ficará inelegível, de acordo com a Lei da Ficha Limpa. Seus advogados já estão em campo, alegando que a rápida tramitação do caso só se justificaria pela constatação de sua nulidade e da inocência de Lula. Essa turma usa a arrogância na desesperada tentativa de defesa, pois bem sabe que as provas são contundentes, inequívocas e, como espera a sociedade esclarecida, a justiça será feita.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Celeridade da Justiça

A que ponto chegamos, advogados reclamando da celeridade da Justiça no segundo grau!

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

O TRF-4 já deveria ter julgado Lula meses atrás, assim evitaria termos de ouvir tanta baboseira do advogado dele sobre tramitação recorde. Enquanto isso, José Dirceu convoca os petistas para irem a Porto Alegre no dia 24, para o que ele chama de “o dia da revolta”. Mal sabe ele que será o dia da vitória da Justiça!

ROBERT HALLER

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

Esperneio

Quanto às já costumeiras lamúrias e indignações, que se transformam em verdadeiras chicanas dos defensores do “santo milagreiro” Lula, não se esperava outra coisa senão reclamação quanto ao aprazamento do julgamento da apelação pelo TRF-4. Reclamam porque foi marcado para logo após o recesso judiciário. E reclamariam se fosse depois. À falta de argumentos fáticos, jurídicos e probatórios, só resta mesmo o jus sperniandi.

CARLOS BENEDITO P. DA SILVA

carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

Quem não deve...

Sinceramente, não sei o porquê de tanta indignação dos petistas pelo fato de o julgamento ser rápido. Se o Lula é inocente, como diz, não deve ter nada a temer. Quando temos certeza da nossa inocência, queremos nos livrar rapidamente.

ANGELA MARIA DE SOUZA BICHI

angela_bichi@hotmail.com

Santo André

De fato, para quem se crê injustiçado e vítima de erros de um juiz na primeira instância, o melhor que pode acontecer é o julgamento em segunda instância.

CELSO FRANCISCO A. LEITE

celso@celsoleite.com.br

Limeira

Trâmite preferencial

Enquanto petistas bradam que o agendamento do julgamento do Lula para 24/1 não passa de uma manobra judicial (teoria da conspiração) cujo único objetivo é tirá-lo da corrida presidencial, sugiro a leitura do inciso I do artigo 1.048 do Código de Processo Civil, que diz o seguinte: “Terão prioridade de tramitação em qualquer juízo ou tribunal os procedimentos judiciais: I – em que figure como parte ou interessado pessoa com idade igual ou superior a sessenta anos”. Considerando que o sr. Lula tem 72 anos, seu processo, nos termos da lei, não teria prioridade na tramitação? Um inocente não demonstra preocupação com a proximidade de seu julgamento, já um culpado é capaz de tudo, até de movimentar a militância.

JOSÉ PILI CARDOSO FILHO

pili@cardoso.adv.br

Bauru

Pacto com o diabo

O Brasil e o mundo assistem em tempo real a uma espetacular tragédia humana digna do bardo William Shakespeare. Como o rei Macbeth, embriagado pelo poder, Lula mantém-se convencido, até a última cena, de que seu pacto com o diabo lhe salvará a pele. Leitura recomendável de reflexão para os longos dias de carceragem à sua frente seria a tragédia de Júlio César, quando, um a um, seus antigos compadres lhe desferem as facadas mortais. No caso, chegará a vez do seu irmão de luta Antônio Palocci... Et tu Brute?

THOMAS JASON GREEN

sistemasolar@uol.com.br

Biritiba-Mirim

Eleições 2018

A próxima eleição para presidente será uma disputa entre os que apoiam a corrupção e os que apoiam a Lava Jato.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


FELIZ ANO NOVO


Notícia melhor não poderia haver: o desembargador Leandro Paulsen, que é revisor do voto do desembargador João Pedro Gebran Neto, determinou que a secretaria da 8.ª turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) marcasse data para colocar em julgamento o caso do tríplex do Guarujá, aquele em que o juiz Sérgio Moro já condenou o hexarréu Lula da Silva a mais de nove anos de prisão. Imediatamente, a ordem foi cumprida e a data foi marcada para 24 de janeiro de 2018. A notícia alvíssara dá novo ânimo aos brasileiros honestos que, certamente, comemorarão o aniversário da capital de São Paulo, 25 de janeiro, com um dia a mais.


Júlio Roberto Ayres Brisol jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

A RAPIDEZ DO TRF-4


Renomados operadores do Direito afirmam não se surpreenderem com a rapidez dos desembargadores do TRF-4 que julgarão o recurso de Lula sobre o caso do tríplex em 24 de janeiro. Os recursos da defesa de Lula naquela jurisdição acumulam-se em várias dezenas, exigindo dos juízes do TRF-4 um estudo profundo sobre o assunto, tornando-os altamente familiarizados e exímios conhecedores do processo, não havendo, portanto, a necessidade de longas e demoradas análises sobre o recurso. O mérito é de Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula, que infernizou os desembargadores com seus recursos inúteis e repetitivos. De tanto obrigar os desembargadores a serem instados a ler os autos do condenado Lula, a 8.ª turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região passou a conhecer melhor do que ninguém o processo. Logo, está em condições de julgar o caso até ontem.


Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo


*

EXPECTATIVA


O Tribunal Regional Federal de Porto Alegre designou o julgamento do caso do triplex do Guarujá para o dia 24 de janeiro de 2018, quando será analisada a decisão de primeiro grau, da lavra de Sérgio Moro, que condenou Lula da Silva a 9 anos e seis meses de prisão, por corrupção e lavagem de dinheiro. Bastante importante o julgamento, indicando que a decisão de Moro será mantida ou a pena até aumentada. Assim, estará o ex-presidente incurso na Lei da Ficha Limpa e não poderá ser, portanto, candidato. Entretanto, será bom para observar se não haverá alguma liminar possibilitando a sua candidatura, desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) se tornou, com suas decisões, uma verdadeira “caixa de surpresas”. A expectativa é muito grande no País.


José C. de carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

     

*

MÁS INTENÇÕES


O deputado Carlos Zarattini, líder do PT na Câmara, qualificou de má intenção, segundo ele, a antecipação para 24 de janeiro de 2018 da data marcada pelo TRF-4 para o julgamento em segunda instância do caso do triplex de Lula, pelo qual o ex-presidente está preliminarmente condenado pelo juiz Sérgio Moro. Por outro lado, o referido parlamentar é, ele sim, pródigo em más intenções quando procura protelar a ação da Justiça em relação a um réu que, durante os governos petistas, por ele conduzidos e orientados, arruinou a maior estatal do Brasil, faliu os fundos de pensão de estatais, sobrecarregando seus beneficiários, e promoveu o desenvolvimento de países que nada deram em troca, até criaram débitos com o povo brasileiro, tudo em nome de um insano projeto de poder partidário.


Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro


*

APELAÇÃO


Para os petistas, justiça tem de ser lenta para ser justa. Vai, TRF-4! Livre o Brasil desta praga!


Elisabeth Migliavacca

São Paulo


*

O JULGAMENTO DE LULA


Vivemos reclamando da morosidade da Justiça no Brasil. Agora, que ela decide com louvável rapidez, vêm os petistas e aliados e lhe jogam pedradas? Afinal, o que querem? O controle do tempo a seu bel-prazer? Complexo de Cronos, entre tantos outros que abundam na seara da esquerda?


Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo


*

LÓGICA


Enquanto a grande maioria dos brasileiros reclama da morosidade da nossa Justiça, quando milhares de detentos inocentes estão presos sem que seus processos fossem julgados, o ex-presidente “Lulla” e camarilha de petistas reclamam porque o TRF-4 marcou para o final de janeiro de 2018 o julgamento do processo em que ele foi condenado a cumprir nove anos e seis meses de prisão por corrupção. Ora, se “Lulla” é inocente, como costuma afirmar, por que reclamar da pressa nesse julgamento? Qualquer inocente estaria dando pulos de alegria, é ou não é? Pela lógica, “Lulla”, ao reclamar, é culpado mesmo!


Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo


*

TRIBUNAL SOB JULGAMENTO


Lula e seus advogados, com suas bravatas, querem “amarelar” ou, melhor, julgar os tribunais. É a impressão que dá a nós, simplórios eleitores. Ah, com Lula desempregado, quem está pagando as contas?


Jaime E. Sanches jaime@carboroil.com.br

São Paulo


*

UM SANTO REMÉDIO


A notícia de que o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região marcou para 24 de janeiro de 2018 o julgamento da apelação do ex-presidente Lula contra a sentença do juiz Sérgio Moro melhorou o estado de saúde do vovô, que estava acamado já há algum tempo. Ficamos todos surpresos quando o nonagenário gritou lá, no seu quarto: “Está chegando a hora de a jararaca ser capturada!”. E, contrariando recomendação médica, tomou três taças de vinho e pediu para que todos nós da família passemos a noite de 23 para 24 de janeiro de 2018 em vigília. A notícia levantou o astral do bom velhinho.


Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)


*

ESPERANÇA RENOVADA


Com certeza este será o Natal mais feliz dos últimos 15 anos. Um Natal de esperança renovada. Mas também será o Natal menos feliz para um contingente de brasileiros que confiaram cegamente na impunidade e traíram o povo. Em 24/1/2018 Lula receberá sua sentença, e tudo indica que será tornado inelegível, preso, e o Brasil poderá iniciar a caminhada para a prosperidade, livre da influência maligna do pior dos predadores. Lula foi um dos presidentes mais populares da história, mas, em vez de usar essa popularidade para fazer o bem, usou-a para disseminar a desonestidade, a corrupção e o ódio entre concidadãos. Que fique claro para todos: ele foi o maior culpado pelo que aconteceu no País, e está prestes a receber o castigo merecido, mas que ainda será pouco.


Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo


*

LIBERTAÇÃO


O dia 24 de janeiro tem tudo para se transformar em mais uma data importante da história brasileira. Assim como 7 de setembro é o Dia da Independência, 24 de janeiro será lembrado como o dia em que o Brasil libertou-se da quadrilha petista.


José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

AFRONTA À JUSTIÇA


Em discurso no Rio de Janeiro na semana passada, Lula culpou a Operação Lava Jato pela situação em que se encontra aquele Estado. Disse Lula: “Se um empresário errou, prende o empresário, mas não quebra a empresa”. Decididamente, este sujeito não tem escrúpulos, é um psicopata que usa o sujeito indeterminado para não citar que foi ele o culpado de todo estrago feito no País. Se a Petrobrás está inteira, deve sua ressurreição à Lava Jato. Não vimos nenhum órgão de apuração devolver tanto dinheiro fruto dos desvios nos governos Lula e Dilma. Ainda é pouco, pois o que se recuperou equivale a menos de 10% de todo o roubo. Mas o que dizer, se não fosse o trabalho do juiz Sérgio Moro? A tarefa de desmontar o engodo lulopetista é imensa. Este sujeito, que teve a imprensa a seu lado durante seu governo, não entende, agora, por que essa mesma imprensa acordou. Faltou dinheiro a ela ou descobriu que o maior roubo já descoberto no Brasil não pode ter cor? Com raríssimas exceções, a imprensa segue cobrando os roubos deste ególatra, que traiu não somente a sua pátria, mas a boa-fé daqueles que um dia acreditaram ser ele um defensor dos pobres. Lula tem muito dinheiro, pode pagar bons advogados, mas não haverá dinheiro suficiente para encobrir seus crimes. O Brasil clama por justiça. Ninguém aguenta mais ver este homem mentir e afrontar a Justiça.


Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

O GATO NO TELHADO


Tribunal da Lava Jato marca julgamento de Lula para 24 de janeiro. Lulinha paz e amor, o gato subiu no telhado!


José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul


*

‘LULA CAÇOA DO PAÍS’


Pouco conhecido, o pensador italiano Antonio Gramsci, que teve escritos no início do século passado, morou na Rússia, pregou o marxismo e morreu aos 37 anos, criou ou definiu uma linha de pensamento denominada “hegenomia”. De acordo com o que pensava e pregou, uma determinada parcela da sociedade (trabalhadores) tinha de ser induzida a pensar e decidir de uma única maneira, para, assim, algum esperto controlador alcançar o poder. A ideia seria boa, se não fosse uma falácia. Os que utilizaram esses métodos, ao atingirem o poder, destruíram suas bases dominadas e se perpetuaram em palácios. Foi assim no leste europeu, na Ásia, na África e na América. Ninguém fala de Gramsci, mas o PT e as esquerdas utilizam seus métodos, agora adaptados aos tempos atuais. Ou seja, a mídia, propaganda (Goebbels) e, principalmente, o marketing. Entenderam por que desfraldaram a corrupção para obter dinheiro? Foi utilizando a propaganda e o marketing caríssimos que o PT de Lula atingiu o poder e iniciou a destruição do País. Hoje, após a Lava Jato, Lula, manipulado, vive soltando frases de distorcem a verdade até mesmo dentro de fábricas destruídas por ele e seu governo. De fato, Lula caçoa do País, como disse este jornal em editorial de 11/12 (página A3).


Wallace Ferreira e Silva wareth@uol.com.br

Sao Paulo


*

GRADES NO ALVORADA


Se Lula, preso, ganhar as eleições de 2018 e tomar posse (Deus nos livre), vão ter de colocar grades no Alvorada.


Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo


*

MAIS UM POSTE?


Sendo o “demiurgo” inelegível, tornando-se, agora, um “mártir”, teria ele a cara de pau de apoiar mais um poste? E o povo brasileiro, teria estômago?


Leandro Ferreira ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

Guarulhos


*

LULA ELIMINADO


É o fim melancólico da mentira que foi o PT. Talvez o novo “poste” seja a “narizinho” Gleisi, para selar de vez o partideco que sempre foi o PT.


Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo


*

2018


O que leva tantas pessoas a ainda afirmar, quando consultadas, que nas eleições de outubro de 2018 votariam num ex-presidente respondendo a vários processos e já condenado em primeira instância num deles? Socorro!


Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com

São Paulo


*

LULA E FHC


O brilhante artigo de José Nêumanne no “Estado” de ontem (“Mas que diacho de democracia é esta?”, página A2) desautoriza o PSDB, na figura do ex-presidente FHC, a tomar a liberdade de anistiar o condenado Lula. Alias, a FHC, salvo melhor juízo, é atribuída a frase de que: “Lula estava nocauteado em pé” e seria derrotado em 2006. Deu no que deu: apoiado em Minas pelo Lulécio em 2006, ele triturou José Serra, e, quatro anos mais tarde, elegeu o poste ajudado pelo mineiro Dilmazia. Em 2014, o candidato mineiro do PSDB, recebendo o apoio do povo de São Paulo, foi derrotado em Minas. Pede-se a FHC para tirar a roupagem de magnânimo e ajudar o Brasil a ficar livre desta praga. Quem derrotou Lula duas vezes foi o PSDB que por três vezes foi derrotado pelo lulopetismo.


João Israel Neiva jneiva@uol.com.br

São Paulo


*

APOIO INCONDICIONAL


Mais uma vez Fernando Henrique Cardoso mostra seu incondicional apoio a Lula, que, segundo ele, deveria ser derrotado nas urnas, e não ser impedido de concorrer e muito menos ir para a cadeia. FHC foi diretamente responsável pela primeira eleição de Lula. Naquela ocasião, FHC não apoiou o candidato José Serra e não disse uma palavra que desabonasse o então candidato Lula. Anos depois, FHC foi contra o impeachment de Lula quando foi descoberto que o PT recebera dinheiro de Cuba, FHC achou melhor que Lula fosse derrotado nas urnas e não apoiou a abertura de um processo de impeachment. Lula foi reeleito. FHC sempre simpatizou com Dilma Rousseff – até hoje ele é da turma que acha que ela é um exemplo de honestidade e foi vítima de um golpe. Se Lula eventualmente for preso um dia, FHC será o primeiro a visitá-lo, quem sabe até vai bater panelas pela sua libertação. Quem viver verá.


Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


*

DIACHO DE DEMOCRACIA


Oportunos e precisos os comentários do ilustre jornalista José Nêumanne no artigo de ontem (13/12, A2). Felicito-o pelas inteligentes e muito bem elaboradas colocações em toda a matéria ali focada.


Cecília M. Silva Ramos cecilsilvaramos@gmail.com

São Paulo


*

DESRESPEITO


É um escândalo inacreditável a desairosa proposta que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso lançou em campanha pela anistia do “sapo barbudo”. O pleito despudorado lançado por FHC é um verdadeiro escárnio contra o povo digno e honrado deste país. Somente pode ser entendido e digerido num momento de surto psicótico do ex-presidente, que mesmo assim jamais deveria se dar a esse desrespeito com a Nação. Perde ele uma grande parte de sua áurea e trinca o respeito que a Nação outrora lhe deve. Estes tucanos parecem que vivem no mundo da lua! Desconsideram toda uma luta que o País trava contra a corrupção e os corruptos de alto coturno. Quero protestar, aqui, contra este golpe no Estado Democrático de Direito e contra as instituições livres deste país, que estão zelando pela moralidade nacional. O artigo de José Nêumanne Pinto é um primor e merece ser aplaudido de pé.


José Eduardo Medrado jevmedrado@terra.com.br

São Paulo


*

O BRASIL ESTÁ FARTO


O artigo de José Nêumanne (13/12, A2), como sempre brilhante, confirma que um esquerdista é e sempre será um esquerdista. São de todas as faunas. Alguns, soberbos, com suas plumas tucanescas, ostentando títulos da Sorbonne, autores de livros esquecidos pela História, declarando-se com empáfia sua condição de sociólogos, achando-se modernos e “aggiornatos”. Porém, com o passar do tempo e com a lupa da História, verifica-se que nada mais são do que defensores do atraso. Da tal esquerda para valer, do Estado musculoso, cabeças pretas, porém com cérebros para lá de grisalhos. Uns atrasados, que mais uma vez vão saborear em suas mesas requintadas, regadas a sofisticados supertoscanos, o gosto amargo da derrota. O Brasil está farto de vocês.


José Severiano Morel Filho zzmorel@icloud.com

Santos


*

ELEIÇÃO OU PRISÃO


Pelo que escrevem os leitores deste “Fórum”, eles não entenderam a colocação do sr. Fernando Henrique Cardoso quanto a preferir enfrentar Lula na eleição do que vê-lo preso. Eu penso igual: derrotando Lula nas urnas, some-se o herói, o coitadinho, o perseguido e por aí vai, estando ele vivo, morto, preso ou solto. Adeus, fantasma. Caso ele não possa disputar a eleição, o maldito por muitos e muitos anos permanecerá, na cabeça de seus seguidores, como o injustiçado. Passado o dia das eleições, ele que se exploda.


Sérgio Barbosa sergiobarbosa19@gmail.com

Batatais


*

SEM MEDO


Ontem, no artigo “Mas que diacho de democracia é esta?”, em que indaga se “tucanos pensam que, anistiando Lula agora, eles também serão perdoados”, José Nêumanne faz várias críticas oportunas e procedentes sobre o PSDB. Mas não me parece que entendeu a dicção de Geraldo Alckmin, quando disse preferir concorrer com Lula nas eleições. Não acho que com tal declaração o PSDB queira “absolver” Lula, que é investigado (pela PF), denunciado (pelo MPF) e sentenciado (por Sérgio Moro). E que tal “absolvição”, se estendesse até alcançar caciques do próprio PSDB. Acho apenas que a fala de Alckmin se insere nos tipos de discursos políticos, retóricos, anunciando que não teme a popularidade nacional do líder petista (mesmo após cair-lhe a máscara). No fundo, estou certa de que Alckmin preferia concorrer com “Bolsonaro e congêneres”. Mas poderia omitir-se quanto ao petista, que está em franca e aberta campanha e, pior, liderando as pesquisas?


Andrea Metne Arnaut  andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo


*

TUCANICES


Diante de tanto titubeio, indefinições e covardias, por que o PSDB não adere ao modismo de mudar nome de partido e adota nova denominação? Eu sugiro Pusilânimes. Na real, é isso que os dirigentes tucanos são.


Roberto Bruzadin bobbruza@terra.com.br

São Paulo


*

DECEPÇÃO


Continuo cada vez mais decepcionado e enojado com o posicionamento do PSDB e, especificamente, com alguns deputados desse partido que se posicionam contra a reforma da Previdência, esquecendo-se de que essa tem sido uma luta e um objetivo do PSDB desde os tempos do presidente FHC. Esta reforma tem de acabar com os privilégios e benefícios do funcionalismo público pagos pelos trabalhadores da iniciativa privada, o que é extremamente injusto e uma exploração dos menos favorecidos ao pôr em risco o próprio recebimento das suas aposentadorias. O outro aspecto é que não é só o funcionalismo em geral que também ganha mal, mas, sim, privilégios dos altos funcionários que se aposentam com mais de R$ 10 mil e até R$ 60 mil e R$ 70 mil, enquanto o funcionário da iniciativa privada, após contribuir com o máximo de contribuição, consegue se aposentar após 35 anos de contribuição com no máximo R$ 5.500,00 (teto). Se querem manter as características da aposentadoria do funcionalismo público, que criem, então, uma desvinculação dos trabalhadores da iniciativa privada e que seja autossustentável, e não sustentada com recursos dos trabalhadores da iniciativa privada. Estes deputados se esquecem da essência do PSDB e colocam argumentos insignificantes, não levando em consideração a situação grave, irresponsável e até insustentável do sistema previdenciário brasileiro. Com muita certeza, esses deputados estão mais preocupados com sua eleição do que com o futuro do Brasil. E não tenho dúvida: pagarão por esta posição irresponsável para com o País. O foco da reforma é acabar com estes privilégios, e não pôr em risco a aposentadoria dos trabalhadores da iniciativa privada, que atualmente sustenta esse sistema falido.


Carlos Sulzer csulzer@terra.com.br

Santos


*

REFORMA DA PREVIDÊNCIA


Por absoluta falta de amor à Pátria, infelizmente a maioria dos deputados federais humilha o País porque se nega a apoiar a inadiável reforma da Previdência. Rebeldia de pura frescura e estrelismo destes parlamentares... Apesar desta afronta, empresários de vários setores da atividade econômica, como informou o “Estadão” esta semana, estão fazendo um périplo indo até a casa dos deputados para convencê-los de que, para o reequilíbrio das contas públicas e recuperação da nossa economia, dos empregos dizimados e pelo aumento dos investimentos, a aprovação ainda neste ano, na Câmara, desta reforma é imprescindível para o País. Felizmente, é esta também a visão atualmente da maioria dos brasileiros, que, graças ao vigor do debate que ocorre por meio da nossa imprensa, diferente dos deputados irresponsáveis, apoia a reforma e sua urgente aprovação. Será que estes deputados, mesmo assim, vão continuar afrontando a Nação?


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*

DA REFORMA À ELEIÇÃO


Pelo bem do Brasil, deputado que não votar a favor da reforma da Previdência também não terá meu voto.


Adalberto Leme Ferreira adaleme@uol.com.br

São Paulo


*

INJUSTIÇA


Lendo o “Estadão” do dia 12/12 sobre a reforma da Previdência – acúmulo de aposentadoria com pensão –, gostaria muito que me explicassem sobre a injustiça que estão cometendo com os idosos já aposentados. Não haverá regras de transição? Suponhamos um casal com mais de 75 anos, ele ganhando da previdência (INSS) R$ 3 mil e ela, da previdência estadual (professora), R$ 2.500,00. É injusto, em caso de falecimento, um perder a parcela da pensão do outro. O idoso com certeza passará por dificuldades financeiras. Não resolverá seu problema optando pela aposentadoria maior. O mais correto e justo, na minha opinião, seria que o acúmulo de pensão e aposentadoria obedecesse ao limite máximo da previdência atualmente, de R$ 5.531,31. Pelo que entendo, os casais idosos que foram à luta desde cedo e sempre pagaram a Previdência, agora, na falta de um deles, serão punidos pelo limite proposto, e, consequentemente, perderão as condições mínimas de uma vida digna. Até hoje não vi nenhum pronunciamento de idosos, associações de aposentados (Apoesp; CPP; Apampesp; etc.), tampouco de políticos que se intitulam defensores dos idosos.


Celina Berthe Krappmann celina.krappmann@hotmail.com

São Paulo


*

O QUE TEMER NÃO FEZ


O atual presidente da República, Michel Temer, não reduziu a dívida brasileira, não fez a reforma administrativa, não reduziu a folha de pagamento do Palácio do Planalto, não reduziu o desemprego de forma drástica, não fez a reforma tributária, não fez esforços para aumentar as exportações, não diminuiu o tráfico de drogas pelas fronteiras brasileiras, não fez nada pela segurança, não fez nada para evitar fraudes, não fez nada para fomentar novos empreendimentos nos segmentos de óleo e gás e energia, nada fez pela educação e não deu isenção de impostos às empresas. Que desastre!


José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte


*

‘J’ACCUSE’


Aproveito o título do artigo escrito por Émile Zola em 1898 para denunciar o maior filão, ou veio, de corrupção que sempre existiu, existe ainda hoje e vai continuar a existir enquanto nada for feito para desbaratá-lo. Trata-se da corrupção desenvolvida pelo sistema constituído pelas instituições financeiras do País, em conluio com as conhecidas instituições político-jurídico-administrativas da União. Ou devemos imaginar que os bilionários lucros auferidos pelos maiores bancos, trimestralmente e continuamente, em períodos de atividade econômica favorável ou não, são conseguidos de graça, ou por obra do Espírito Santo? Ou que os banqueiros, os únicos empresários que nunca perdem dinheiro, sempre conseguem polpudos resultados em decorrência de sua inigualável competência? Minha inocência foi perdida na adolescência, aos 14 anos. Um caso emblemático que ilustra bem o que estou acusando está publicado no “Estadão” de ontem (13/12, B7), na manchete “Poupador receberá até R$ 5 mil à vista”. Vejamos, então: uma dívida líquida e certa de cerca de R$ 100 bilhões, que deveria ter sido paga à vista, mediante solicitação de resgate por poupadores em cadernetas de poupança na boca do caixa, entre 1980 e 1990, vai ser paga 30 (trinta) anos depois, com um desconto de aproximadamente 90%. E o escândalo não para por aí. O pagamento será feito por faixas de valor, uma parte com os 90% de desconto (chamada de à vista) e outra parte em até 5 parcelas semestrais com descontos adicionais crescentes até 19%. E este escárnio, chamado acordo, é comemorado pela bela advogada-geral da União como uma vitória, pois “(...) significa alguma (...) ânimo (...) para o reaquecimento”. E isso tudo de graça, ou por obra do Espírito Santo? A cara de pau dos banqueiros que defenderam o não pagamento dessa dívida até hoje é tamanha que a alegação para esse calote sempre foi de que seu pagamento comprometeria a higidez (vale dizer, a lucratividade permanente) do sistema financeiro. Eu acuso, portanto, a corrupção promovida pelo sistema financeiro como a maior que ocorre no País. Perto dela, o mensalão, o petrolão e outros “ãos” não passam de grãos de areia nesta praia de corrupção que é o Brasil. Se o Ministério Público e a Polícia Federal forem procurar a fundo, vão encontrar.


José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo


*

ESTRATÉGIA IMORAL


Há mais de três anos o juiz Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o pagamento de auxílio-moradia aos juízes por meio de uma simples liminar, inclusive aos que têm casa própria e já residem na mesma cidade onde estão lotados. Logo em seguida, ampliou o benefício – hoje de R$ 4.377,73 – para membros da Justiça do Trabalho, Justiça Militar e dos Tribunais de Justiça. Apesar dos recursos jurídicos impetrados na época contra essa decisão, até hoje o ministro Fux não os julgou nem encaminhou o caso ao plenário. Pelas estimativas da Advocacia-Geral da União, a manutenção das liminares já custou R$ 1 bilhão e, pelos cálculos da Consultoria Legislativa do Senado, o valor é estimado em R$ 1,6 bilhão. É lamentável esta imoral estratégia (decisão monocrática) em que os ministros do STF se sentem à vontade para engavetar processos, adiando-os por longo tempo, quando o Brasil necessita urgentemente sair do fundo do poço. E ainda dizem que a Justiça é o pilar mestre de toda a sociedade. Será?


Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas


*

GRANA DELES


“Fux nega ação para barrar a juízes auxílio-moradia.” Das superiores alturas de sua cabeleira basta e falsa (que nos faz lembrar quão mísera era a do pobre Eike Batista), ação que bilhões pouparia ministro veta e pontifica: “tal grana é muito nossa − e dela a gente não abdica!”.


J. B. de Souza Freitas jbdesouzafreitas@gmail.com

São Paulo


*

PERIGO, VEREADORES TRABALHANDO!


Vereadores paulistanos estão a trabalhar em turno dobrado estes últimos dias, esfalfados com um duplo projeto muito original: homenagear dois personagens, trocando o nome de conhecidos logradouros da cidade pelo nome deles. Marisa Letícia Lula da Silva se transformaria em nome de viaduto na zona sul e Dom Paulo Evaristo Arns acabaria com o velho e tradicional nome de nosso ponto zero desde o tempo da colônia, a Praça da Sé. Quanto à primeira proposta, não vejo por que nós, paulistanos, deveríamos homenagear a senhora Marisa Letícia, que nada fez por São Paulo e até chegou a externar seu desagrado com os moradores desta cidade de maneira bastante enfática e que não ouso repetir. Melhor seria ela ser homenageada em sua amada São Bernardo do Campo. Quanto ao segundo caso, sem demérito nenhum a Dom Paulo, quero lembrar que a palavra Sé é uma abreviação de Sedes Episcopalis (Sé Episcopal), uma estrutura de poder da Igreja Católica, e costuma estar associada à principal igreja de uma região ou sua catedral. Não tem sentido desconsiderar este fato pautado em nossa tradição, que tem o peso do poder consuetudinário, para homenagear um cardeal da Igreja que teve muita importância na defesa dos direitos humanos, sim, mas que bem pode ter sua emérita figura exaltada em outro logradouro. Já tivemos de engolir a súbita mudança do nome do Elevado Presidente Costa e Silva (Minhocão) pelo do presidente João Goulart. Mas, desta vez, estamos bem mais atentos! Vereadores Eduardo Suplicy e Arselino Tatto, por favor, trabalhem de verdade por São Paulo, e não só para exaltar figuras caras ao PT, mas não necessariamente a nós, paulistanos! A cidade não pode ser descaracterizada para servir aos propósitos de seu partido!


Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo


*

NADA MAIS IMPORTANTE?


Fiquei estarrecido com a sugestão de possível complemento ao nome da Praça da Sé, símbolo legítimo de nossa cidade, que não merece ou precisa de qualquer manifestação para que tenhamos por ela maior respeito, mesmo com o desleixo dos administradores da região, que deveriam ser banidos por incompetência. Quanto a nomear um viaduto com o nome de Marisa Letícia, alguém que nada representa para São Paulo ou seus arredores, a não ser constrangimentos e falta grande de educação, será que os “nobres” vereadores não teriam nada mais importante a tratar? Executem os trabalhos para os quais foram contratados e deixem a nossa cidade em paz.


Adilson Pelegrino gumerci@terra.com.br

São Paulo


*

SÓ BESTEIRAS


Abismado, li a notícia de que, por iniciativa de nulidades como o vereador Suplicy, pretendem mudar o nome centenário da Praça da Sé! Mais abestalhado fiquei ao saber que, dos 72 projetos votados esta semana pelos vereadores, 35 diziam respeito a nomes de ruas e avenidas... Tudo indica que alguns querem reescrever nossa história, com grande empenho em mudar nomes de logradouros públicos. Uma Câmara que só se ocupa dessas besteiras deveria ser sumariamente implodida.


Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo


*

PAULO


Há uns tantos anos foi renomeada (ou criada?) a Eletropaulo, em que o componente “paulo” representaria o Estado de São Paulo. “Coincidentemente”, o então governador, autor da mudança, era Paulo e ficou a dúvida sobre qual o “Paulo” homenageado. Assim, para dirimir qualquer dúvida, não seria melhor incluir Dom Evaristo Arns no nome da Praça da Sé, ao invés de Dom Paulo?  Acresce também que o ilustre prelado é muito mais conhecido por Evaristo Arns do que como Paulo.


Carlos H. W. Flechtmann chwflech@usp.br

Piracicaba


*

VIADUTO MARISA LETÍCIA?


À sorrelfa, vereadores do PT puseram em votação, não nominal, projeto que estava engavetado, para colocar o nome de Marisa Letícia Lula da Silva num viaduto aqui, em São Paulo. Essa figura nunca morou nesta cidade e nada fez para ser homenageada desta forma. O prefeito João Dória tem por obrigação vetar isso, sem a necessidade de pensar a respeito.


Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.