Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2017 | 03h00

CAMPANHA ANTECIPADA

Igualdade perante a lei

E não é que ele foi acusado de fazer propaganda eleitoral antecipada por ter dado umas poucas entrevistas em que exaltou as próprias conquistas e sua possível candidatura, o que é proibido por lei neste momento? Não, não se trata da alma mais honesta do mundo, a quem tudo é permitido, por se vender como “trabalhadô”. Falo de Bernardinho, o técnico de vôlei que até hoje só deu alegrias ao Brasil.

DOCA RAMOS MELLO

ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

Desvario onírico

Com o julgamento em segunda instância marcado pelo TRF-4 para o começo de 2018, Lula já pensa em recorrer à instância superior para garantir a candidatura à Presidência, uma vez que a condenação é praticamente impossível de ser revertida. Enquanto isso, incrementa sua “caravana” com descarada propaganda antecipada e faz reuniões com o diretório nacional do PT visando a manter alianças. Será que Lula já pensou que, se concretizado seu delirante sonho, receberá de volta a própria herança maldita, que criou em 13 anos no poder? Um País bem diferente daquele, sem crises generalizadas e com fundamentos econômicos acertados, que recebeu de seu antecessor quando assumiu o governo, em 2003.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Lula presta um grande serviço ao País em sua campanha, não deixando que os seus malfeitos caiam no esquecimento.

CARLOS LEONEL IMENES

leonelzucaimenes@gmail.com

São Paulo

Vaticínio

Em 1950, após a realização da Copa do Mundo, a eleição presidencial foi marcada pelo getulismo versus antigetulismo. Em 2018, o lulismo versus antilulismo retoma uma clivagem que deriva de figura carismática e acentua os efeitos do presidencialismo, do centralismo, do populismo e do nacionalismo em nosso país. A radicalização política e a polarização ideológica, portanto, não são propriamente novidades, assim como as dificuldades de formação de maioria parlamentar em tais circunstâncias. Ganhe quem ganhar a eleição, o vencedor terá problemas para aprovar qualquer emenda constitucional dentro das regras do presidencialismo de coalizão. Um convite para uma nova grave crise política no período 2019-2022.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

CALAMIDADE SOCIAL

Lulodilmismo

Um dos principais motes nos 13 anos de discursos demagógicos e das mentiras mais deslavadas que a dupla de demolidores do Brasil, Lula e Dilma, constantemente bravateavam era o de terem tirado dezenas de milhões de brasileiros da extrema miséria. Se tivessem vergonha estariam ruborizados, ao ser constatado pelo IBGE que o País tem 52 milhões de pessoas na pobreza, com renda de até US$ 5,50 por dia. Quem está no topo da pirâmide social tem todas as chances de permanecer nessa posição, enquanto dezenas de milhões estão condenados à estagnação da mobilidade social. No continente sul-americano o Brasil é, sem dúvida, depois da Venezuela, a anarquia mais bem elaborada por uma horda esquerdopata, que nos ameaça com seu retorno ao poder.

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

Desentendidos

A respeito da notícia – um desastre, na verdade – de que 52 milhões de brasileiros “vivem” abaixo da linha da pobreza, merece ser destacado o papel do Congresso, em especial dos políticos das Regiões Norte e Nordeste, que há muito decidiram ignorar esta triste realidade nacional. Reaja, Brasil!

EDIVELTON TADEU MENDES

ediveltontadeu@gmail.com

São Paulo

Quem se importa?

O cúmulo da injustiça no Brasil: 52 milhões de pessoas vivendo na maior miséria e 99% dos corruptos flanando por aí.

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

ASSEMBLEIA PAULISTA

Que feio!

Enquanto o País está em sua maior recessão, suas excelências os deputados estaduais de São Paulo tentam aumentar seus salários, que não são nada pequenos. Da forma como está planejada a alteração, os aumentos serão alinhados aos do Supremo Tribunal, sem a menor contrapartida que os justifique no Orçamento, com o qual nós, contribuintes, é que temos de arcar. Quando os nossos representantes vão entender que sua função é nos re-pre-sen-tar?!

JOAQUIM J. X. DA SILVEIRA

joaquimsilveira@gmail.com

São Paulo

DESPERDÍCIO

Obras paralisadas

O Brasil, diante da crise, tornou-se um imenso corredor de obras paradas, a pretexto de falta de recursos e de empresas capacitadas. Não se admite tamanho desperdício, eis que isso somente gera aditamentos para novos custos, em detrimento do contribuinte. As obras deveriam ter um luminoso digital com todos os dados, com destaque para a previsão de entrega. Qualquer mudança ou atraso puniria e imporia a mudança do contratado e a liberação da apólice de seguro para indenizar prejuízos e pôr fim à eternização da obra.

YVETTE KFOURI ABRÃO

abraoc@uol.com.br

São Paulo

EDUCAÇÃO

Ensino religioso

O Supremo Tribunal Federal decidiu que o ensino religioso tem de ser confessional e, por isso, é facultativo. O que o Conselho Nacional de Educação colocou na chamada Base Comum Curricular poderia ser chamado de História das Religiões, ou Antropologia das Religiões, ou Filosofia das Religiões, ou não sei que outro nome dar. Na verdade, não é ensino religioso e contraria a decisão do STF. Pode?

SARAH DE CASTRO F. BARBOSA

sarahdecfontesbarbosa@gmail.com

São Paulo

O Estado é laico?

O ensino de religião nas escolas tem sido vítima de feroz oposição, a pretexto de ser o Estado laico. Lembro-me de ao menos um magistrado que ordenou a retirada de um crucifixo da sala do júri porque o Estado é laico. O Natal, para muitos, é a festa do Papai Noel. Porém o Natal é reverenciado como a data do nascimento de Jesus Cristo. E o Estado laico se prepara para conceder indulto a criminosos de variada extração, em alusão ao Natal. É muita hipocrisia.

MARIO HELVIO MIOTTO

mariohmiotto@gmail.com

Piracicaba

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ERRO

Na opinião de Aécio Neves (entrevista ao “Estado”, 17/12, A6), pedir e receber propina no exercício do mandato de senador da República é apenas um mero erro. Erroneamente, Aécio procurou o mais notório pagador de propinas do mundo, Joesley Batista, propôs um trambique sem qualquer vestígio de legalidade, envolveu a irmã, o primo e até mesmo a própria mãe na jogada, recebeu os milhões por fora numa ação escandalosamente criminosa. Toda a lambança foi gravada com autorização da Polícia Federal, que já estava atenta às movimentações suspeitíssima dos criminosos em questão. O fato de Aécio Neves continuar a existir na vida pública atesta a completa falência moral e cívica das instituições brasileiras.


Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


*

CANDIDATURA EM 2018


Mesmo considerando que o povo de Minas Gerais é influenciável pelas famílias tradicionais, é de duvidar que Aécio Neves, o “Aecinho”, que reside e sempre residiu no Rio de Janeiro, tenha alguma chance de se reeleger senador (“Estadão”, 17/12, A6). Será deputado federal para não ser preso sem a proteção do foro privilegiado.


Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo


*

SOLIDARIEDADE


Sobre a frase de Aécio “não torço pela prisão de Lula”, está seguindo a máxima de que não devemos desejar ao próximo aquilo que não queremos para nós.


Marilia Volpiano mariliavolpiano@gmail.com

São Paulo


*

LULAÉCIO


“Não torço pela prisão do Lula”, disse Aécio, demonstrando estar de pleno gozo de suas faculdades mentais: corrupto não quer que corrupto seja preso! Simples!


Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo


*

MENTIRAS E MAIS MENTIRAS


O ex-presidente Lula, em passagem pela cidade de Piracicaba (SP), acusou o juiz Sérgio Moro, a Polícia Federal e os procuradores de Justiça de serem mentirosos, e disse que o seu julgamento no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), marcado para o dia 24 de janeiro de 2018, mostrará sua inocência. É claro que o sr. Lula da Silva é inocente de todas as acusações que lhe são imputadas. O homem “mais honesto” do Brasil, de uma infância miserável até os dias atuais, galgou os degraus sociais baseado numa reputação ilibada e em méritos próprios. Dá para acreditar nisso?


José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

LULA LÁ


A hora da verdade está chegando para Lula, com seu julgamento pelo TRF-4 marcado para 24 de janeiro do próximo ano. Sua defesa estrebucha, apontando uma bizarra “violação de isonomia de tratamento”. Nunca antes neste país alguém reclamou da celeridade da Justiça, entendendo, por conveniência ou ignorância, que os tribunais têm de funcionar como uma linha de montagem na qual processos com diferentes graus de complexidade não demandem diferentes tempos de tramitação para os relatores formarem sua convicção. Em que bloco estará Lula no carnaval?


Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uol.com.br

São Paulo


*

JULGAMENTO


Não entendo a indignação dos lulistas com o agendamento do julgamento de Lula para 24 de janeiro. Quanto mais rápido o julgamento, mais rápido poderá ser provada sua inocência. Claro que nem eles acreditam é que mais cedo ele será preso.


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

‘QUAL LULA?’


Li com indignação o final da coluna de Marcelo Rubens Paiva (“Qual Lula?”, “Estado”, 16/12) na qual descreve Lula como “um judeu com sotaque baiano”. Não nutro simpatia pelo politicamente correto, mas achei a expressão extremamente infeliz e racista. Ofende judeus e nordestinos. Lula, ademais, nem baiano é, é pernambucano.


Luis Claudio Manfio lmanfio@gmail.com

São Paulo


*

AROMA DESAGRADÁVEL


Sou admirador de Marcelo Rubens Paiva e, por essa razão, teço alguns comentários à sua brilhante crônica “Qual Lula?”. Nela, utilizando passagens importantes da ação política de Lula nas últimas décadas, Paiva traça um perfil perfeito deste personagem. É admirável a forma equilibrada e lúcida com que isso é feito, acentuando tanto atos positivos como negativos. Entretanto, no final, com a referência que é feita à religião de origem de um suposto candidato baiano, fica no ar um aroma desagradável de preconceito. Como sabe o autor, nada do que se escreve para o público, principalmente por pessoa tão experiente e consagrada, é inocente e neutro. Quanto a este ponto gostaria que o autor explicasse suas intenções de maneira clara. Talvez um pouco de coragem não faça mal à sua reputação.


Luiz Adelino de Almeida Prado laap@terra.com.br

São Paulo


*

QUAL MARCELO?


Quem vou ler daqui para a frente? O Marcelo Rubens Paiva equilibrado ou o Marcelo racista, que desqualifica duplamente um cidadão, chamando-o de poste e usando rótulos racistas (baiano e judeu)? Surpreende-me que ele tenha se permitido esse tipo de expressão.


Roni Gotthilf roni@foxcomunicacao.com.br

São Paulo


*

REFORMA DA PREVIDÊNCIA


Infelizmente, toda aquela ópera bufa e satânica protagonizada por Joesley Batista e Ricardo Saud foi utilizada pelo ex-chefe da Procuradoria-Geral da República Rodrigo Janot, com apoio da maior emissora de televisão do País, para em última instância inviabilizar a reforma da Previdência, vital para o crescimento do Brasil e a eliminação de privilégios hediondos de uma casta de funcionários públicos que gozam de uma vida nababesca num país de quase 50 milhões de miseráveis. Não bastasse isso, o sr. Janot e seus ex-braços direitos Miller e Pellela, agora, se julgam inimputáveis, classificando a CPI da JBS de uma iniciativa meramente retaliatória. Isso, claro, com o beneplácito de tucanos covardes que também atuam na defesa de privilégios de funcionários públicos que só votam no PT. Em suma, procuradores da República, empresários corruptos, jornalistas de aluguel e tucanos vermelhos atuaram e atuam contra o futuro do Brasil.


Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)


*

REFORMA E REBOLADO


Michel Temer e Rodrigo Maia não dão ponto sem nó, sabem muito bem o que fazem. O adiamento da votação da reforma da Previdência para fevereiro foi claro recuo estratégico, pois a opinião pública, embora ainda resistente quanto ao tema, já dá mostras de entender que os privilégios dos servidores públicos são insustentáveis e moralmente inaceitáveis. Não há como os deputados se furtarem a esta tendência e dissociarem esta discussão das eleições de 2018. A aprovação da reforma após o carnaval será benéfica para todos, embora alguns perderão o rebolado...


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

A CENSURA CONTINUA


Relembrando a célebre frase de Júlio de Mesquita Filho, “democracia se constrói com a imprensa livre”, lamento que chegamos, no dia 15/12, a 3 mil dias de censura por decisão judicial ao  “O Estado” (“Entenda o caso” em www.estadao.com.br/censura). Nós, leitores, unidos a todos os que defendem o Estado de Direito e a imprensa livre no mundo, aguardamos respeitosamente o julgamento dessa ação. O que não dá mais para suportar é a tentativa de postergação da data de 24 de janeiro próximo para o julgamento do ex-presidente da República Luís Inácio Lula da Silva, que, para alguns, ao contrário, deveria ser candidato em 2018, conforme sugeriu o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao afirmar que “prefiro combatê-lo (o ex-presidente Lula) na urna do que na cadeia” (conforme citou o jornalista José Nêumanne em seu excelente artigo “Mas que diacho de democracia é esta?”, de quarta-feira, 13/12, A2). Nos últimos 13 anos o Brasil foi lançado numa demeritocracia, em que a parlapatice de sabichões honoris causa própria dominou os muitos partidos políticos, tentando impor-se sobre a razão dos textos legais e do Judiciário, em desrespeito à Constituição federal brasileira.


Herbert Silvio Augusto h.halbsgut@hotmail.com

Rio Claro


*

À MESA FARTA


No sábado, 16/12, certamente a família Sarney esteve à mesa farta, tendo como convivas alguns representantes do Judiciário. Trata-se de um regabofe para marcar os 3 mil dias de censura ao honrado jornal paulista “O Estado de S. Paulo”, amordaçado de publicar qualquer matéria sobre um processo que envolve a família Sarney, durante longo tempo donatária da capitania do Maranhão. Ao nosso Judiciário, aconselha-se mandar as togas para uma lavanderia.


Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)


*

CENSURA AO JORNAL


É inadmissível que no século 21 a censura judicial tente calar o jornal “O Estado de S. Paulo”, nosso querido “Estadão”, desde julho de 2009. Diante de tantas notícias deploráveis que somos obrigados a encarar todos os dia, esta censura, ao meu ver, nos envergonha como brasileiros por tentar amordaçar a liberdade de imprensa, que seguramente é o nosso quarto poder, talvez o mais importante. Os editoriais do jornal são um exemplo de sua imparcialidade, visando sempre à informação precisa ao seu leitor. Que pena. Esta decisão torna mais pobre e mais triste o nosso querido Brasil.


Marili Nogueira Loureiro marili.loureiro@yahoo.com.br

Campinas


*

TRISTEZA


Como se não bastasse a triste e revoltante lembrança destes 3 mil dias, tempo em que está censurado nosso prestigiado e respeitado “Estadão”, no processo engavetado a pedido do filho do ex-senador José Sarney, cujos autos contêm maracutaias e dormem nas gavetas do fórum, em manifesta censura ao meio jornalístico, também me entristeço lendo no nosso importante jornal que a filha de Sarney, Roseana, uma das figuras questionáveis daquele singular feudo, vai se candidatar mais uma vez! Muito triste que num país que tem uma população de mais de 200 milhões de habitantes e imenso contingente eleitoral não tenha ninguém no Maranhão que se habilite ao cargo e remova a casta dominante dos Sarney naquele Estado, exemplo de péssima administração e tornado um ente federativo superatrasado, e os maranhenses numa miséria geral, faltando escolas, pronto-socorros, hospitais, asilos, estradas, infraestrutura básica, empregos e, sobretudo, políticos dignos! Que venha uma reforma naquele Estado e em outros Brasil afora.


Ubiratan de Oliveira Uboss20@yahoo.com.br

São Paulo


*

PAÍS DA DESESPERANÇA


Com 52,2 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza, por culpa dos governos do PT,  o maior jornal do Brasil censurado por 3 mil dias e um ex-presidente condenado a 9 anos de prisão correndo o País fazendo campanha para se eleger, chegamos à conclusão de que este é o país da desesperança.


Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

MUNDIAL DE CLUBES 2017


Real levou a taça em ritmo de treino. Depois das bobagens ditas pelo técnico do Grêmio, Renato Gaúcho, nada como perder um jogo em ritmo de treino, como foi para o Real Madrid no sábado. Quem sabe possa dar um pouco de modéstia ao treinador gremista.


Laércio Zanini  spettro@uol.com.br

Garça


*

COMPARAÇÃO


A frase esportiva do ano é de Renato Portaluppi, o Renato Gaúcho: “Fui melhor jogador do que Cristiano Ronaldo”. Vai ver a Fifa errou ao eleger por cinco vezes Cristiano Ronaldo o melhor do mundo.


Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)


*

CR7 X RENATO GAÚCHO


Senhores, a singela informação dada no sábado antes da transmissão do jogo Real Madrid x Grêmio, pela Sport TV, de que em 410 jogos o jogador Cristiano Ronaldo, pelo Real, marcou 420 gols, e Renato Gaúcho, 74 em 240 jogos, por si só serviria para liquidar qualquer comparação, salvo se for para atenuar a decepção de torcedores fanáticos!


Marcelo Falsetti Cabral mfalsetti2012@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.