Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2017 | 03h06

CORRUPÇÃO

Odebrecht em casa

Dono da maior empreiteira do País, que chegou a montar um departamento exclusivamente para pagar propinas sobre obras públicas a políticos, Marcelo Odebrecht deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde dividia uma cela quente de 12 metros quadrados com outros detentos, sujeito a horário para banho de sol, comida em quentinha, academia improvisada, sem privacidade para as necessidades fisiológicas e outras dificuldades. Agora Marcelo vai cumprir o resto da pena numa mansão de 3 mil metros quadrados no Morumbi, em São Paulo, com sistema de ar-condicionado, piscina, moderna academia de ginástica, cozinha cinco-estrelas e outras regalias, tudo sob forte esquema de segurança. Assim a chamada progressão da pena mais parece um prêmio.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Valeu a pena

Se Marcelo Odebrecht fez acordo de delação, confessou as práticas criminosas e já vai para casa, ainda que de tornozeleira, parece que o crime compensou. Até porque não arrastou ninguém para a cadeia.

PAULO TARSO J. SANTOS

ptjsantos@yahoo.com.br

Barretos

Prisão domiciliar

Essa história de bandidos cumprirem prisão em suas mansões parece gozação. A Justiça deveria providenciar um apartamento de preferência perto da prisão e pago pelo condenado. Acorda, Justiça!

CARLOS EDUARDO STAMATO

dadostamato@hotmail.com

Guaraci

Prisão de Maluf

Paulo Maluf está com 86 anos e sua defesa diz que ele sofre de câncer. A foto de Maluf frágil, amparado por duas pessoas e de bengala faz parte do seu show de hipocrisia e mentiras, que conheço há quase 50 anos. Desde 1970, quando o Brasil ganhou a Copa do Mundo, leio sobre falcatruas, picaretagens e roubalheiras desse elemento. Quantas crianças foram privadas de boa educação? Quantos doentes não tiveram assistência médica digna? Quantas pessoas foram assaltadas porque a segurança pública nos governos Maluf esteve sempre, literalmente, à mercê de bandidos? Demorou muitíssimo, mas finalmente aconteceu. Espero que Maluf, talvez o político mais corrupto do Brasil, vá da cadeia para os braços de Satanás. Ele merece!

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

Trombadinha

Como a corrupção no Brasil é dinâmica, Maluf hoje é considerado trombadinha perto de um Lula da Silva, que chegou ao poder contra tudo o que está aí.

LUIZ THADEU NUNES E SILVA

luiz.thadeu@uol.com.br

São Luís (MA)

Judiciário

Da prisão do esquecido Maluf ao Natal em casa de Marcelo Odebrecht, passando pelo intocável Lula, em algum momento, a sociedade brasileira tomará ciência do despropósito do sistema judiciário brasileiro.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.co

São Paulo

Incoerência petista

Em maio de 2010, o então deputado José Eduardo Cardozo, relator do projeto de Lei da Ficha Limpa, comemorou, efusivamente, sua aprovação. Nesse projeto, entre as várias mudanças nas regras para inelegibilidade, restou estabelecido que condenados em segunda instância por crimes graves não poderiam mais disputar eleições. E depois da aprovação unânime pelo Senado o texto foi sancionado, sem vetos, pelo então presidente Lula da Silva, no mês seguinte. Agora os petistas questionam a legalidade da Lei da Ficha Limpa. Quando interessa vale e quando não interessa não vale?!

ARTUR TOPGIAN

topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

Mente criativa

As declarações do advogado do condenado Lula da Silva (19/12, A3 e A8) demonstram que ele errou de profissão. Devia ser autor de obras de ficção. Ganharia os principais prêmios da literatura mundial.

FRANCISCO G. SALGADO CESAR

fgscesar@hotmail.com

Guarujá

Apartamento ‘alugado’

Há um aspecto acerca dos recibos de aluguel de Lula ao qual não tem sido dada a devida atenção: trata-se do local do pagamento, neles constante como sendo São Bernardo do Campo. Acontece que a alegação da defesa é de que os aluguéis teriam sido pagos em dinheiro vivo. Assim sendo, para que os recibos fossem válidos seria necessário que o proprietário, que assina aqueles recibos, Glauco Costamarques, tivesse comparecido em pessoa para receber, porém ele reside em Mato Grosso do Sul, pelo que é de todo inverossímil que tivesse feito viagem tão longa todo mês só para receber um aluguel que poderia perfeitamente ter sido pago por via bancária. É evidente, portanto, que aquele local de pagamento que consta nos recibos não corresponde à realidade, por consequência, caindo por terra toda a força de prova de tais supostos documentos. O Ministério Público não pode deixar de dar a devida atenção a esse fato.

FLÁVIO CALICHMAN

ibracal@uol.com.br

São Paulo

Ameaça à ordem pública

A atitude de José Dirceu conclamando a militância do PT a fazer baderna em Porto Alegre em 24 de janeiro, por ocasião do julgamento de Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, pode ser comparada à dos traficantes que comandam as atividades criminosas mesmo estando presos. Por esse motivo, Dirceu deveria perder o benefício de prisão domiciliar e voltar ao regime fechado. Ele é um prisioneiro que continua a delinquir e é uma ameaça à ordem pública.

JOSÉ OLINTO OLIVOTTO SOARES

jolintoos@gmail.com

Bragança Paulista

Passaram

Satura ler e ouvir, meses a fio, sobre Lula e José Dirceu. Este, “guerreiro do povo brasileiro”; aquele, a “alma mais honesta” do Brasil. O guerreiro, que fez “pós-graduação” em Cuba, quando a chapa aquecia, sumia. Fez plástica, casou (deu chapéu na esposa), descasou e ressurgiu com a anistia. Ao que me consta, o “guerreiro” não deu tiro nem com revólver de espoleta. Se deu tiro com espingarda, foi de chumbinho em parque de diversões. Como aquele, que vende falsa humildade e carência, este também vive no luxo. Ambos são verdadeiros nababos. Passaram. Portanto, fora!

JOSÉ PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

Santo André

“Enquanto Lula exerce seu lídimo direito de espernear, preocupa-me a possibilidade nada desprezível de, caso o TRF-4 confirme a sentença de Moro, o bondoso Gilmar conceder-lhe liminar...”

LUIZ LEITÃO DA CUNHA / SÃO PAULO, SOBRE O EDITORIAL ‘JUS SPERNEANDI’ (19/12, A3)

luizmleitao@gmail.com

“Pesquisas afirmam que melhorou a imagem do Lula. Deve ter aparado a barba”

LUIZ FRID / SÃO PAULO, SOBRE O MAIS HONESTO

luiz.frid@globomail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TOGA AMIGA?

Estranha a repentina decretação de prisão proferida por Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), contra o deputado Paulo Maluf, com tantos casos igualmente graves, ou até mais, e muito mais antigos! Será que o ministro pretende trazer um pouco de equilíbrio à balança em que pesam inúmeros crimes praticados pelo PT ainda não punidos? Por que Fachin ainda não pediu a prisão de Dilma Rousseff pela comprovada participação dela na fraudulenta compra de uma refinaria em Pasadena que causou prejuízo de bilhões à Petrobrás? Por que Fachin não pediu a prisão de Lula por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, com todas as provas existentes reveladas pela Lava Jato? E a pergunta que fica no ar: se, em vez de ter sido indicado para o cargo por Dilma, o ministro tivesse sido uma escolha de Paulo Maluf (caso fosse o presidente), sua prisão teria sido decretada?

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

FINALMENTE, MALUF PRESO

O deputado Paulo Maluf vai uma noite por semana, de terça a quarta-feira, a Brasília. O resto da semana, em vida social, dirigindo um dos inúmeros carros Ferrari e de marcas tão caras quanto esta, vai em alta velocidade para Campos do Jordão, seguido por seus seguranças. Ontem, para a TV, apareceu andando com bengala e dificuldade... Continua tratando o povo como idiota. Na última prisão, anos atrás, sofria de sistema digestivo, mas no dia seguinte estava na pastelaria e choperia de Campos do Jordão!

Paulo Ruas pstreets@terra.com.br

São Paulo

*

SHOW

Maluf está com 86 anos e sua defesa diz que está com câncer. A imagem de Maluf frágil, amparado por duas pessoas e de bengala faz parte do seu show de hipocrisias e mentiras, que conheço há quase 50 anos. Desde 1970, quando o Brasil ganhou a Copa do Mundo, leio sobre falcatruas, picaretagens e roubalheiras deste elemento. Quantas crianças foram privadas de boa educação? Quantos doentes não tiveram assistência médica digna? Quantas pessoas foram assaltadas porque a segurança pública dos governos Maluf esteve sempre, literalmente, à mercê de bandidos? Demorou muitíssimo, mas finalmente aconteceu. 

Leão Machado Neto lneto@uol.com.br

São Paulo

*

LONGA ESPERA

Se o deputado Paulo Maluf terminar seus dias em prisão domiciliar por razões médicas, tiver o mandato cassado e ficar sem poder concorrer nas eleições de 2018, ele será apenas um problema político a menos para o próximo ano. Depois de duas décadas de espera, finalmente a República das quatro instâncias manda prender alguém importante, com foro privilegiado no STF, após a condenação por lavagem de dinheiro ocorrida quando ele era prefeito de São Paulo no período 1993-1996.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

DÉCADAS DE IMPUNIDADE

Paulo Maluf foi condenado à prisão. Deu tempo!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

PRESENTE DE NATAL

Se Paulo Maluf permanecer encarcerado, será o melhor presente de Natal. Passarei, então, a acreditar que Papai Noel existe.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

O MUNDO CAIU

Maluf, o já idoso político paulista que vendeu sua alma ao diabo (PT), conhecidíssimo por tantas vezes escapar da Justiça graças a bons advogados, parece estar presenciando seu mundo até agora conhecido ruir. Talvez no seu final de vida verá o sol nascer quadrado, de sua cela na prisão em Tremembé,  conhecido "resort penitenciário" de paulistas VIP, apesar do "e$forço" dos causídicos classe "prime". Quem sabe em pouco tempo Lula também irá lhe fazer companhia? Seria interessante se algum preso lá, com pendores jornalísticos, fizer a crônica dos diálogos, sob um fundo musical adequado, como o cantado por Dolores Duran: "Meu mundo caiu..."

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

*

DECRETAÇÃO DE PRISÃO

Deve ser tudo combinado, mas vamos lá. O deputado Paulo Maluf dirigiu superbem São Paulo, tanto como governador quanto como prefeito. Não posso dizer que é santo, mas não é burro, como os atuais, ele roubava os ovos da galinha dos ovos de ouro. Lula, Dilma, PT, a esquerda, matou a galinha. Só mesmo um ministro do STF claramente petista para mandar prender, seja quem for, quando entra em recesso a Justiça.

Roberto Moreira da Silva  rrobertoms@uol.com.br 

São Paulo

*

CALMA

Maluf, fique tranquilo, se tiver a sorte de o ministro Gilmar Mendes ser sorteado, já sabemos...

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

IMPUNIDADE

Vamos votar no patrono da impunidade no Brasil: Paulo Maluf, Luiz Estevão ou Gilmar Mendes?

Marcelo G. Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br

Rio de Janeiro

*

A MALANDRAGEM IMPERA

Excelentíssimo doutor Gilmar Mendes, preste atenção no fato de a Constituição brasileira ter 30 anos, tão caduca quanto o senhor, com o devido respeito. Os tempos são outros. Está aí a prisão de Paulo Maluf, que demorou este vergonhoso tempo, pela ação de seus advogados, que, apoiados nas entrelinhas dessa mesma Constituição, quase conseguiram deixar escapar o símbolo da corrupção nacional. Levando em conta as minúcias da Carta Magna, ninguém seria preso. Basta contratar um advogado malandro com uma boa lupa que só haverá benesses para os bandidos. O povo está desiludido, cansado e, mais do que isso, sofrido e quer justiça para aqueles que, apoiados em "recursos legítimos", se aproveitaram e roubaram descaradamente.     

Geraldo Siffert Junior geraldosiffertjunior@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O DONO DO BRASIL

O ministro boquirroto Gilmar Mendes definitivamente tomou posse do Brasil, deita e rola, faz e acontece, e todo mundo simplesmente olha e se cala, assim como todos os ministros do STF ficam impávidos diante deste senhor a fazer o que bem entende - com exceção do ministro Barroso, que reage e enfrenta o mequetrefe. Desta vez, simplesmente num gesto de empáfia, arrogância e de total falta de respeito pela opinião pública, atendendo a um pedido do PT (visando ao interesse próprio) e da OAB (fazendo corporativismo, atendendo aos interesses das grandes bancas de advogados que defendem os maiores ladravazes que existem neste país), proibiu a Polícia Federal de exercer seu legítimo direito de condução coercitiva, em todo o País por ordem de algum juiz de primeira instância. Parentes seus são nomeados pelo presidente Temer, na maior caradura, e ditando sentenças na base do compadrio e de interesses espúrios e todo mundo fingindo que nada acontece. Se as coisas caminharem do jeito que estão indo, este senhor sozinho destruirá toda a Operação Lava Jato, o maior patrimônio que até hoje o povo brasileiro recebeu.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

*

CONDUÇÃO COERCITIVA

Ao dar seu parecer de que "condução coercitiva" é inconstitucional, o ministro Gilmar Mendes, aproveitando a correria de final de ano, começa a destruir a Operação Lava Jato. Qual estrago ainda fará até o apagar das luzes de 2017? Se eu fosse procuradora, de agora em diante levaria todo mundo à residência do investigado e faria todas as perguntas pertinentes na frente de cônjuges, filhos e empregados. Aí não seria constrangimento, concordam?

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

AS SANDÁLIAS DA HUMILDADE

Ministro Gilmar Mendes, há pouco menos de três meses o senhor disse que o STF deveria calçar as sandálias da humildade. Que tal ser coerente com suas próprias palavras? Se quiser fazer mais, poderia ser um exemplo de grandeza e nobreza e colocar o pijama da aposentadoria. O Brasil inteiro lhe será grato. Só estou sugerindo...

 

Luciano Nogueira Marmontel automatmg@gmail.com

Pouso Alegre (MG)

*

RESPEITO À LEI

Acabei de escrever um comentário sobre a seletividade da Justiça brasileira quando eis que o notório ministro Gilmar Mendes acabava de "melar" depoimentos obtidos por meio de condução coercitiva. Os pobres e indefesos, quando são acusados, como cordeiros, atendem à ordem das autoridades. Mas o que fazem os abastados? Constituem advogado, se intimados, e se preparam para ludibriar a lei. Ou seja, comparecem só quando "produzirem provas da sua suposta inocência". Exemplo maior foi o do ladrão Lula, que fugiu meses das intimações da Polícia Federal e, recentemente, "inventou" recibos. Não dá mais! Chega! Mais uma vez o Brasil precisa de disciplina e de respeito à Constituição, e só as Forças Armadas poderão pôr o Brasil na linha. 

Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

*

NO CRIVO DA LEI

Pelo andar da carruagem, a Lava Jato manda prender e o ministro Gilmar Mendes manda soltar. No frigir dos ovos, vamos ver que bicho isso vai dar...

Virgílio Mehado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PAPAI NOEL BAIXOU NO STF 

O ministro do STF Gilmar Noel Mendes, depois das cestas de Natal jurídicas (?) que presenteou neste final de ano, sei não, mas creio que ele será visto nos céus de Brasília saindo de férias num trenó puxado por renas voadoras ao som do bimbalhar de sinos.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

PRISÃO DOMICILIAR

Será que ninguém pode parar Gilmar Mendes? Solta criminosos em série - vide o escândalo da semana, ao mandar de novo para a prisão domiciliar Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

DEFESA PARA TODOS!

Quem é que precisa de advogados caros quando se tem um poderoso amigão dos criminosos no STF, soltando todo o mundo "gratuitamente", não é mesmo, senhor Gilmar Mendes? "Vai-se a primeira pomba despertada... Vai-se outra mais... mais outra... enfim, dezenas de pombas vão-se dos pombais, apenas raia sanguínea e fresca a madrugada (...)" (poeta Raimundo Correia)

Eleonora Samara eleonorsamara@bol.com.br

São Paulo

*

O FUNDO DO POÇO

Não se sabe quando o Brasil vai escurecer de vez, mas a junção da capa preta de Gilmar Mendes com a lama da corrupção deixa o País em estado de atenção. Equiparados pelo obscurantismo, poderemos, finalmente, compartilhar a experiência da cegueira ao lado da Justiça brasileira.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

A IRA DE UMA NAÇÃO

A cada dia que passa, cresce a indignação do povo brasileiro com as atitudes de determinados ministros da instância maior da Justiça brasileira. São ações feitas sob medida para revoltar este já incrédulo cidadão que não suporta mais posturas autoritárias vindas de onde mais se espera justiça. O Supremo Tribunal Federal (STF) se transformou no inimigo público número um do povo brasileiro. Diariamente, somos surpreendidos por ações unilaterais perpetradas ao arrepio da lei, com endereços comprovadamente comprometedores. A Justiça brasileira virou alvo de chacota, desconfiança e indignação. São ações que beneficiam criminosos, salários e mordomias aviltantes, atitudes antiéticas de pretensas autoridades, zombarias de toda sorte contra a população, corporativismo exacerbado, etc. Que Justiça é esta? Onde estão a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a presidente do Supremo, que permanecem calados diante de uma Casa que está explodindo de malfeitos e malfeitores? Este é o exemplo e a imagem que vocês querem passar para os jovens estudantes de Direito, para as crianças deste país e para o mundo? Uma terra de ninguém, num país à deriva, com uma Justiça inconfiável.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

O SUPREMO CULPADO

O Supremo Tribunal Federal (STF) não julgou nenhum dos casos envolvendo políticos presos na Operação Lava Jato este ano. A mais alta Corte do País tem uma dificuldade enorme para julgar os membros das quadrilhas criminosas especializadas em roubar dinheiro público, quadrilhas que se apresentam disfarçadas de partidos políticos. Todos os juízes do STF foram indicados pelas quadrilhas que mandam no País há décadas, com o evidente objetivo de ser o braço jurídico da sua respectiva organização criminosa. Como todas as principais organizações criminosas, PT, PMDB, PSDB, estão sendo investigadas e estão comprometidas até a alma com as ações dos seus membros, nenhuma quadrilha poderia ser punida sem que houvesse o grave risco de implosão do gigantesco esquema criminoso em que se transformou o governo brasileiro. Lula não vai preso porque levaria Temer junto, que, por sua vez, não vai preso porque levaria Aécio com ele. O STF entende essa lógica e trabalha duro para manter todos os membros das organizações criminosas fora da cadeia, apesar das acachapantes evidências e provas que abundam contra todos. Os políticos, por sua vez, trabalham incansavelmente para manter todos os milhares de esquemas de desvio de dinheiro público funcionando e alimentando as quadrilhas/partidos. Desmantelar esse sistema criminoso do qual o STF é importante parte só será possível com uma ruptura institucional que não deixe pedra sobre pedra no Brasil. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

SE MÉDICOS FOSSEM...

Senhores, lendo o editorial de segunda-feira ("Estranha lentidão do STF", 18/12, A3), ficou-me a sensação de que há um receio incontido do editorialista de tratar às claras e nomear as causas do sobejamente conhecido comportamento de legar às calendas qualquer decisão dessa Corte. Nomeados por políticos que aí têm seu foro de julgamento, até mesmo sem o notório saber jurídico que exibe um reprovado na aferição desse saber, dá para desconfiar de que há um quê de retribuição pela deferência da indicação, cada qual para o seu grupo. Além das exibições de erudição em discursos intermináveis e que a nada levam, a não ser esgotar a paciência de quem se dispôs a acompanhar alguma sessão da Corte pela TV, tentando dar brilho às próprias penas de pavão, até mesmo nas trocas de farpas e pedradas, pouco ou nada se salva. Talvez se se dispusessem a levantar das espreguiçadeiras, conseguiriam ultimar processos. Mas, quem sabe, leve muito tempo para conferir a exatidão dos indecentes penduricalhos que integram seus proventos, que parecem ser a única coisa que os preocupa, e não sobre tempo para o real objetivo. Ah, também devem achar tempo para reagir a considerações como a presente e desagravar seus pares, como ocorreu com os jornalistas de um jornal do Paraná. Se fossem médicos, como eu sou, atendendo num pronto-socorro pacientes que dependessem da sua atuação, com certeza dariam um lucro excepcional às funerárias. E estas fariam o papel dos indicadores dos plantonistas deste PS. Convém relembrar um pouco da História: a Revolução Francesa e a Revolução Russa foram desencadeadas pelos privilégios das insensíveis castas dominantes. Como se vê, a história se repete. 

 

Ricardo Hanna ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

*

SÍNTESE

Nunca o "Estadão" publicou uma carta tão sucinta ("Estranha lentidão do STF", 18/12, A3). Estranha lentidão. Estranho, né?

J. S. Morel Filho zzmorel@icloud.com

Santos

*

A LENTIDÃO DO STF

Por mais que estranhemos a lentidão do STF, os digníssimos ministros não movem uma palha para mostrar serviço. Isso configura um prêmio aos réus com foro privilegiado. De nada adianta a primeira instância sentenciar os réus e o Tribunal Regional Federal julgar os processos alterando as penas, se no STF os processos, as decisões, não andam. Um claro exemplo de que aqueles que têm foro privilegiado estão protegidos. Enquanto a sociedade aguarda como será a decisão do Supremo num caso da Lava Jato, consuma-se a estratégia, os ministros sentaram sobre os processos torcendo pelo seu esquecimento, prescrição e pela possibilidade de os réus mudarem seus status nas próximas eleições. Só pode. Com a palavra, o relator da Lava Jato naquela Corte, ministro Edson Fachin, que prometeu celeridade nos processos.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

FORÇAS OCULTAS

Nós, os mais de 200 milhões de brasileiros, precisamos deixar de ser hipócritas e sermos realistas: o que esperar de nossa Suprema Corte, cuja maioria dos seus componentes (ministros) foi nomeada pelos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, os maiores ladrões e facilitadores para que a Petrobrás fosse saqueada indiscriminadamente. Outra coisa: o presidente Temer faz parte da quadrilha. Ou vocês não sabem da sua origem? Ele foi vice da ex-presidente Dilma em seus dois mandatos, ou seja, todos, absolutamente todos, são farinha do mesmo saco. Enquanto isso, a presidente da Suprema Corte, ministra Cármen Lúcia, só sabe dizer que a Constituição será cumprida... Ora bolas, ministra, a Constituição já foi rasgada e picotada em vossas barbas por várias vezes, mas, parafraseando o antigo presidente Jânio da Silva Quadros, quando renunciou ao governo, "foram as forças  ocultas que me obrigaram a sair, a renunciar". Que força estaria tornando nossa Justiça, nossa Suprema Corte, muda e cega, mas não surda, pois ela nos parece ouvir bem o suficiente para cumprir ordens, talvez de alguma força oculta?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

PALHAÇADA

O Brasil caminha a passos rápidos para o fim de tudo o que construímos ou tentamos construir.  Vemos em nossos governantes a sede de poder que poderá nos destruir. Não peco quando digo que nossos políticos não são nada confiáveis e que nosso Poder Judiciário é composto por deuses, intocáveis em todas as suas camadas, a começar pelo STF, que, entre outras coisas estúpidas, permite que movimentos anarquistas cresçam, destruam fazendas, indústrias e nada faz para coibir tais ações. Permite que os endinheirados desonestos sejam mais "iguais" que todos os honestos juntos. Não sou arauto da verdade, mas digo: a palhaçada que nos é imposta acabará logo. Aí chorarão. 

Wilson Matiotta loluvies@gmail.com

São Paulo

*

STF

Ministra Cármen Lúcia, a sociedade esclarecida, tão ignorada nesta República, já se convenceu de que V.Ex. não tem perfil e muito menos pulso para exercer o cargo de presidente do STF, muito diferente do querido ex-ministro Joaquim Barbosa. Alguns dos vossos ministros abusam escancaradamente da sua fragilidade de liderança, observada e televisada por milhões de brasileiros e agravada por suas decisões vulneráveis, fracas e muitas vezes incompreendidas até por seus pares. Gilmar Mendes é emérito em atitudes e decisões ofensivas a todos nós, e com relações espúrias e interesses não compatíveis com o alto cargo que ocupa. Senhora ministra, a senhora não necessita de relatório da Polícia Federal para constatar o que está discriminado acima, basta ler as três páginas de reportagem da revista "Veja" da última semana. A senhora tem em mãos seis pedidos de impeachment, e nada acontece. Se não bastasse Gilmar, a senhora permite diariamente atitudes abusivas e fora do regimento interno do STF dos senhores Dias Toffoli, Alexandre de Moraes e Ricardo Lewandowski, sem qualquer decisão contrária ao que seria de esperar do mínimo do seu cargo. Quanto à Lava Jato, o seu tribunal tanto a combate, escondendo os processos dos políticos com foro privilegiado, que isso não passa despercebido da sociedade, pois diariamente a grande mídia cobra a Corte nesse sentido - vide "Estadão" de 17/12 e 18/ 12, com vasto editorial a respeito, com a certeza de que não haverá nenhuma alteração no seu tribunal. A Lava Jato não acabou graças às primeira e segunda instâncias, que são verdadeiros heróis sem nenhum suporte de V.Sas., a não ser os ministros Edson Fachin e Luis Barroso. Ministra, o povo esclarecido não é cego, tem ouvidos e olhos.

Jose Eduardo Serpa jeserpa@gmail.com

São Paulo

*

PREOCUPAÇÕES

"Cada poder tem as suas preocupações", diz Lewandowski sobre decisão que beneficiou servidores ("Estado", 19/12, blog Fausto Macedo). Que bom seria se os Três Poderes tivessem como única preocupação servir ao povo brasileiro. Seríamos, então, uma verdadeira República!

Jorge Alves jorgersalves@gmail.com

Jaú

*

NA CASINHA DO CACHORRO

Depois de ler "O Brasil na casinha do cachorro" (20/12, A2) e dentro dos conceitos de McLuhan (quem?) brilhante e sucintamente expostos por Fernão Lara Mesquita, só me resta erguer a voz em protesto: Au! Au! Au!

Helcio Veronesi heverona@yahoo.com.br

São Paulo

*

PONTO DE VIRADA

Que as eleições de 2018 sirvam de ponto de virada para que o País abandone seu eterno complexo de vira-latas, saia da casinha de cachorro ("Estado", 20/12, A2) e ocupe de vez seu lugar no cenário da nações, à altura de seu imenso e inexplorado potencial. Muda, Brasil!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

'CLUBE' DE EMPREITEIRAS

A denúncia de uma empreiteira que, ao lado de mais outras grandes empresas, formava um cartel para obter obras de metrô em sete Estados e no Distrito Federal, sarcasticamente denominado "Tatu Tênis Club", é emblemática destes tempos corruptivos que vivenciamos. Urge, assim, que as apurações e punições cheguem a quem de direito, para que possamos ter um processo de desenvolvimento sustentável, com padrões de moralidade ética na gestão pública e na inciativa privada semelhantes aos das grandes nações civilizadas do planeta. 

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

VERGONHA PAULISTA

Absolutamente chocante a realidade abjeta dos salários altíssimos de cargos subalternos na Universidade de São Paulo (USP) evidenciados no artigo "USP - Incoerência e possível solução", de Carlos Alberto Paes Barreto ("Estado", 19/12, A2). E o mais gritante é que ainda existe gente que defende aumento de dinheiro público para a universidade.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

USP PAGA

O autor do artigo "USP - incoerência e possível solução" (19/12, A2) propõe que "todos os alunos deviam pagar mensalidade, com financiamento e/ou desconto para carentes". É interessante adicionar que o procedimento proposto já existe nos EUA e é desastroso aos que recorrem a ele. As dívidas de formados chegam a alcançar os seis dígitos e há os que aos 50 anos ainda estão pagando as prestações. A inadimplência é grande e, frequentemente, os salários não compensam o "investimento", a não ser para os bancos. O que é "bom para os EUA" nem sempre é "bom para o Brasil"!

Tibor Rabóczkay trabocka@hotmail.com

São Paulo

*

EQUÍVOCO

Discursos como os de Carlos Alberto Paes Barreto, publicado em artigo no "Estadão" de 19/12 ("USP - incoerência e possível solução"), resultam de um equívoco: a confusão entre universidade e ensino profissionalizante. A missão da universidade, conforme nos disse Guilherme de Humboldt, intelectual alemão de vulto e fundador da Universidade de Berlim, é a pesquisa (quase) inteiramente livre de constrangimentos mercadológicos ou estatais. Cabe a ela criar ciência, sendo a casa de homens e mulheres engajados simultaneamente na pesquisa e no ensino. Universidades são, por natureza, recursos dispendiosos, cujo retorno se dá a longo prazo na forma de ciência de qualidade. Formar advogados, médicos, professores dos ensinos médio e fundamental, administradores e engenheiros é missão igualmente nobre, porém absolutamente distinta. USP, Unicamp e Unesp, embora vítimas de certa ambiguidade de projeto, são, no Brasil, as que mais se aproximam do conceito de universidade de Humboldt. Se tais instituições exibem desacertos financeiros e administrativos, isso decorre em grande parte do abandono pelo poder público, que deveria supervisioná-las. Porém asfixiar as universidades, impor-lhes custos equivalentes aos do ensino fundamental ou profissionalizante é abandonar a pretensão do Brasil de integrar o time das nações desenvolvidas.

 

Pedro de Azevedo Nunes pedro.nunes@hsl.org.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.