Fórum dos Leitores

.

O Estado de S. Paulo

28 Dezembro 2017 | 05h00

GOVERNO TEMER

Natal gordo

O aumento de 5,6% no faturamento dos shopping centers foi resultado de quê? De onde veio esse dinheiro? Será que foi alguma mágica petista? Foi o Lula que decidiu distribuir a sua fortuna? O povo brasileiro precisa refletir muito bem para discernir qual governo defende os interesses do País e qual é o que o usou para seus interesses políticos. O presidente Michel Temer tem tomado todas as medidas para reconduzir o Brasil ao equilíbrio social e econômico. Já está chegando a hora de reconhecê-lo como o melhor presidente dos últimos anos.

JOSÉ E. BANDEIRA DE MELLO

josedumello@gmail.com

Itu

Graças ao governo responsável do presidente Michel Temer, o brasileiro teve um Natal da recuperação, título do editorial do Estadão de ontem (A3), com previsão de condições bem melhores para 2018. Agora, para 2019 vai depender muito de os eleitores, no próximo pleito, não votarem em candidatos populistas e enganadores, que, se voltarem, vão arrasar o País de novo, destruindo o que esta administração logrou consertar num ano e meio.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo 

O melhor desde FHC

O governo Temer, apesar dos pesares, é o melhor que o Brasil já teve desde Fernando Henrique Cardoso. Prova definitiva disso são os acirrados e constantes ataques que sofre dos ideólogos e militantes da esquerda, dentro e fora do governo. 

OTTFRIED KELBERT

okelbert@outlook.com

Capão Bonito

ESQUERDA RADICAL

Boulos, obsoleto 

O sr. Guilherme Boulos de bobo não tem nada. Sabe muito bem que os conceitos contidos na tal Cartilha de Princípios do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST) pertencem a um mundo obsoleto, morto e enterrado e que, no Brasil, não existe a mínima possibilidade de revolução popular capaz de destituir um governo pela força. O que o líder do MTST quer é criar factoides para justificar sua liderança perante seus comandados, a quem ele não tem o mínimo interesse de ensinar a pensar, mas tão somente a aceitar sem discutir o que ele prega.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Propaganda

Velho método de comunicação social nazista: uma mentira repetida muitas vezes se tornava “verdade” para a opinião pública. Já tivemos inúmeros exemplos de usuários dessa técnica no Brasil. O mais recente, sem dúvida, é o sr. Guilherme Boulos, líder dos sem-teto. Mas o “teto” dele é de abastado, tal como o “teto” do portador da “alma mais honesta” do Brasil.

JOSÉ PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

Santo André

Suicídio coletivo

Flávio Dino (do PCdoB), governador do Maranhão, afirmou categoricamente ser a favor da candidatura de Lula e advoga a vitória dele para evitar um suicídio coletivo. Por seu lado, Lula diz que governará sem ódio, caso volte ao poder. Relembrando: Flávio Dino governa o Estado mais pobre do País e Lula é o grande responsável pela divisão da Nação em “coxinhas” e “mortadelas” ou “nós contra eles”. Manter políticos do naipe de Lula, Flávio Dino e outros da mesma estirpe no poder é, de fato, promover suicídio político.

J. A. MULLER

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Desperdícios

Deu na Coluna do Estadão: a deputada Priscila Krause (DEM-PE) pediu ao Tribunal de Contas de Pernambuco investigação sobre a compra pelo Estado de 700 motocicletas por R$ 20,7 milhões. A deputada justificou o pedido dizendo que o custo unitário das motos ficou em R$ 25,98 mil, valor R$ 8,48 mil superior ao desembolsado em São Paulo para a compra do mesmo tipo de equipamento. Numa conta simples, multiplicando R$ 8,48 mil por 700, teremos R$ 5,9 milhões – valor que, aparentemente, estaria sendo desembolsado a mais que o devido, com a agravante de que Pernambuco está enfrentando dificuldades orçamentárias para tocar a administração. Nada obstante, Isaltino Nascimento (PSB), líder do governo na Assembleia Legislativa, acusa (!) a deputada de “buscar holofotes”. Neste país, ainda imerso na maior crise econômica de sua História, com a União, os Estados e os municípios literalmente de pires na mão – vide o “socorro” de R$ 600 milhões pedido à União (e negado) pelo governo do Rio Grande do Norte –, quem ousa fiscalizar os atos do Executivo e chamar a atenção para eventuais abusos, ao invés de ser elogiado, é acusado de “buscar holofotes”... Como se vê, racionalidade política, financeira, orçamentária e administrativa não é, definitivamente, o forte neste país – o que é confirmado, na mesma edição do Estado, pelo artigo Uma crise anunciada (26/12, A2), da lavra de José Antonio Segatto, a respeito da crise financeira que vivem as três universidades públicas paulistas: USP, Unesp e Unicamp. O princípio da irresponsabilidade, aparentemente o mais “observado”, é o mesmo. Só muda o local.

SILVIO NATAL 

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

Universidades paulistas

O sociólogo José Antonio Segatto aponta caminhos para as universidades públicas paulistas saírem do sufoco e, eventualmente, retomarem o protagonismo como importantes centros de ensino e extensão do País. Um dado ali não mencionado, e que muito contribuiria para ajudar a resolver esse impasse, foi apontado no artigo USP – incoerência e possível solução (19/12, A2), de Carlos Alberto Paes Barreto, o qual destaca que a meta do governo deveria ser a cobrança de mensalidade dos universitários, com financiamento e/ou desconto para os alunos carentes.

MARIA LUCIA RUHNKE JORGE

mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de boas-festas e próspero ano novo de Abrão Stokfisz Feferman, Amaury Elias Xavier – Sindicato Rural de Itapetininga, André Rizzatto – Bandeirantes, Carlos Renato Napoleone, Equipe Liberty Seguros, Fernando Vieira de Mello – Grupo Globo, Grupo CDI-IBCG, Grupo Chopp Brahma Express – Festas e Eventos, Iasmin Moraes e família Frisene, José Eduardo Coelho, Júlio Roberto Ayres Brisola, MapFre, Marco Cortinovis – Prometeon Tyre Group, Samuel Grossmann – Associação Brasil Parkinson, Stern, The Economist, The New York Times, Thiago Pugliesi – Mondeléz Brasil, TozziniFreire Advogados e Walber Gonçalves de Souza.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

UM ARTIGO QUE RELUZ

Com as retinas exaustas de tanto ler mais e mais casos de corrupções desvendadas, com os tímpanos exauridos de tanto ouvir as ladainhas (ainda que dissimuladas) dos que padecem da doença infantil do esquerdismo somadas às dos políticos que se articulam cinicamente "pelo bem do País de de seus eleitores", com todo o mal estar de um Brasil travado como um rio que não desemboca, fui surpreendido com o artigo "O Eterno Retorno" de José Nêumane Pinto na página 2 do Estadão de 27/12/2017. Um texto iluminado pela criatividade literária e, principalmente, pela amarração vivaz de memória filosófica, memória histórica, chistes populares e um raciocínio sem exasperação ou contumélias. Sua leitura foi um prazer do princípio até o ponto final.

Carlos Soulié do Amaral souliedoamaral@gmail.com

São Paulo

*

CONDUÇÃO COERCITIVA NÃO É SEQUESTRO RELÂMPAGO

Se minha memória não falha, não me lembro de conduções coercitivas de suspeitos sem "culpa no cartório". Portanto, na maioria dos casos, foram instrumentos importantíssimos para evitar que o larápio tivesse tempo para alterar a cena do crime, muito provavelmente sob a orientação de um criminalista, preocupado em transformar o réu em vítima. Na minha modesta opinião, fraudando o princípio humanitário do direito de defesa do acusado. Há ainda o caso do Lula, tido como injustificável condução coercitiva. Como injustificável se tinha se recusado a comparecer perante o Juiz por 3 vezes? Como consequência, meu estado de cidadão brasileiro permite-me discordar do artigo " O fim do 'sequestro relâmpago'", do criminalista J. R. Batochio (Estadão, A2, 27/12/2017), cujo título é inapropriado e visa desmoralizar esse instrumento que permitiu esclarecer inúmeros crimes perpetrados pelo colarinho branco. Critico ainda o elogio a um Ministro, Gilmar Mendes, autor da liminar que proibiu a condução coercitiva, pois perdeu toda credibilidade ao serem reveladas condutas absolutamente intoleráveis para um membro da Justiça. Talvez pudesse tentar recuperá-la se propusesse alterar a Constituição para punir os juízes que autorizassem conduções coercitivas de cidadãos inocentes.

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

*

ANDAR DE CIMA E ANDAR DE BAIXO

Alguém avise para o dr. Batochio, a respeito do seu artigo do dia 27/12/2017, que os por ele denominados "sequestros relâmpagos" só não mais acontecerão, depois da decisão do ministro Gilmar Mendes, para os riquíssimos clientes dele. Em relação aos meus assistidos da Defensoria Pública, a vara da polícia continuará comendo solta, em que pese a brilhante sabedoria jurídica do ministro supramencionado.

Felippe Moreira Favilla, defensor público do Estado de Minas Gerais felippe.favilla@defensoria.mg.def.br

Ouro Fino (MG)

*

HONORÁRIOS

Pois é, dr. JR Batochio, faltou dizer que a pontaria das conduções coercitivas acertou 99% e o 1% foi liberado sem precisar de advogado. É pena que os clientes de 10 milhões estejam acabando, não é? Talvez sua turma deva baixar os honorários para arrumar novos clientes Se não fosse o bondoso Gilmar Mendes (cujo instituto é patrocinado por bandido confesso), sua clientela seria bem menor.

Elvio M. Lagazzi

Araras

*

PRIVILÉGIOS ECONÔMICOS

Prezado Dr. José Roberto Batochio, (Estadão 27/12), uma sociedade que se afirma democrática e civilizada não consegue conviver com a maioria de criminosos milionários impunes. Simples assim! 

Luiz Frid frid@globomail.com

São Paulo

*

LIBERTADORES

Data vênia, Grêmio Futebol Porto-alegrense, mas os verdadeiros Libertadores em 2017 deveriam ser o ministro do STF Gilmar Mendes e o presidente Michel Temer. Ninguém libertou mais do que eles neste ano que passou. Te cuida, Brasil!

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

INSULTO DE NATAL

Temer assinou indulto de Natal para os corruptos da Lava Jato. Podemos nos preparar para mais atos de corrupção e fugas. Não é isso que acontece nas saidinha de Natal dos bandidos?

Angela Maria de Souza Bichi angela_bichi@hotmail.com

Santo André

*

INDULTO QUESTIONADO

Entidades ligadas ao Ministério Público pressionam para que ocorra o ingresso de uma ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade) no STF, inclusive por parte da PGR. Na realidade, o indulto exarado pelo Presidente Temer, embora com base constitucional, parece ferir a Carta Magna. visto que praticamente anula a penalidade a ser cumprida, dado que 80% de benefício da pena é torná-la quase ineficaz. De outro lado, até o próprio Temer poderá ser beneficiado, de futuro, com o seu próprio decreto, o que contraria o princípio geral do Direito: "a ninguém é lícito invocar em seu benefício a própria torpeza". Na verdade, o Presidente não foi feliz com o seu ato !

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

INDULTO NATALINO

O polêmico indulto de Natal do presidente Temer poderia aplacar a fúria dos oposicionistas ou colocar mais gasolina na fogueira, se os nomes dos beneficiários fossem revelados.

J. A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

CHANCE PERDIDA

Tão fácil, era só o presidente Temer incluir em seu pronunciamento: "Quero ainda dizer ao povo brasileiro, que esse indulto de Natal eu não assino". Sua popularidade subiria de 6% para 12%, instantaneamente.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

ESSES LATINOS...

Nós, os latinos, somos um povo curioso. Aqui, no Brasil, o presidente Temer concede indultos amiúde. No Peru, Fujimori, condenado por "crimes contra a humanidade", é beneficiado pelo presidente PPK com um "indulto humanitário". Faz sentido?

Luiz Leitão da Cunha luizmleitao@gmail.com

São Paulo

*

MOEDA DE TROCA

O indulto humanitário concedido pelo presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, a Alberto Fujimori foi fruto evidente e esperado de negociação política. Que não nos iludamos por aqui: este recurso poderá ser (e provavelmente, será) usado como moeda de troca, já que, atualmente, prisões de Brasília e Curitiba estão abarrotadas desse valioso metal.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

O PERU APRENDEU RÁPIDO

Todos os principais políticos do Peru estão envolvidos até as orelhas nos escândalos das propinas da Odebrecht, investigados pela Operação Lava Jato. A solução foi fazer o mesmo que foi feito no Brasil: todos têm culpa no cartório, então um livra a cara do outro e fica tudo por isso mesmo. No Peru o ex-presidente Fujimori livrou a cara do presidente Kucynski, que retribuiu o favor concedendo indulto a Fujimori. Aqui, no Brasil, o presidente Temer vai livrar a cara de Lula, que vai retribuir a gentileza livrando a cara de Temer quando for eleito presidente novamente. Aécio Neves pega uma carona na troca de gentilezas entre Lula e Temer e tudo continua às mil maravilhas no império da corrupção.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

AINDA ACREDITAMOS NA JUSTIÇA

Em entrevista na sede de seu instituto, o ex-presidente Lula disse que não é um radical. "Não tenho cara de radical e nem o radicalismo fica bem em mim" - asseriu aquele que é amicíssimo dos notórios João Pedro Stédile (MST) e Guilherme Boulos (MTST); de Raul Castro (ditador cubano) assim como também o fora dos falecidos Fidel Castro e Hugo Chávez, já falecidos. Convém incluir nesse rol o atual ditador venezuelano Nicolas Maduro, apoiado desde sempre por ele e por seu partido, o PT. Como se sabe, o nosso "neomoderado" vê na Venezuela um "exemplo" de democracia para todo o continente. Esse é o "novo Lula" que pretende, aparentemente, reeditar a versão 2.0 do "Lulinha paz e amor", agora passando-se por "vítima" de perseguição judicial: "Não quero passar para a história como um inocente condenado" - afirmou o petista. "A única chance que tenho é pedir provas. Não é possível que alguém seja dono de uma coisa que não é dono", completou o heptarréu sua lamentação perante os jornalistas que o escutavam. Lamento discordar. "Dize-me com quem andas e dir-te-ei quem és", reza um dito. Ora, se Lula sente-se bem e se enturma com tipos como os citados e pretende passar por não radical, está, certamente, falseando a verdade e pretendendo zombar da cara de todos os brasileiros. No mais, se é verdade que o chefão petista não tem a propriedade formal de imóveis, à esta altura dos fatos - e considerando todas as provas amealhadas - já ficou mais do que claro que Lula vale-se, há muito, de laranjas para ocultar a propriedade de seus bens imobiliários, tais como a cobertura vizinha ao apartamento onde mora em SBC, o famoso sítio de Atibaia e o tríplex do Guarujá, sendo que este último já lhe rendeu condenação em 1º grau. Todos imóveis com generosas benfeitorias arcadas por empresários amigos, envolvidos em escândalos de corrupção. Lula pode, sim, espernear à vontade, mas, ao fim e ao cabo, haverá de pagar por tudo de mal que fez a este País. Ainda acreditamos na Justiça. 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

DIREITO PENAL E VINGANÇA 

A mídia noticiou: sim, Paulo Maluf tem câncer; sim, Paulo Maluf tem doença coronariana; e sim, a despeito disso tudo continuará preso. Tratamento ambulatorial. A turba aplaude. Por quê? Porque este político idoso, doente e agora inofensivo à nação, causa tanta satisfação dentro das grades, preso, do que um outro ladrão qualquer? Porque a sede de justiça aumenta na proporção exata da judiciarização, do ativismo judicial, dos movimentos e redes sociais dos Ministérios Públicos estatuais e federal, enfim, da popularização daquilo que até então era distante do cidadão: a Vingança. Parece que regredimos no pensar jurídico. Saímos da fase da "vingança privada" ilustrada pela obra shakespeariana "Romeu e Julieta"; evoluímos para a Lei do Talião ("olho por olho, dente por dente"); até alcançarmos a fase atual, em que o "jus puniendi" é monopólio estatal, que, no entanto, é limitado por cláusulas pétreas que garantem ao acusado direitos inalienáveis, assim como outras garantias e direitos constitucionais e infraconstitucionais que limitam o poder de punir do estado. Penso que o regozijo nacional com a prisão dez Paulo Maluf tem sim uma faceta reeducanda, na medida em que faz cair o mito do "rouba, mas faz"; todavia preocupa, na medida em que dá a estreita medida do regresso da ideologia popular. O Direito, não apenas o Direito Penal, aplica-se igualmente para todos, e na medida em que o Constituinte e depois o Legislador, autorizam o estado a agir, a exercer o jus puniendi. Imprescindível lembrar isto nesta época em que "mocinhos e banidos" se espraiam em todos os poderes, até entre as turmas do Supremo Tribunal Federal.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

PAPUDA X SÍRIO-LIBANÊS

Segundo o IML de Brasília Maluf pode ser tratado e ter atendimento médico nas dependências do CDC da Papuda. Que beleza ! A notícia deve ter agradado aos "grandes" de Brasília que não mais precisarão vir a São Paulo para terem atendimento no Sírio-Libanês. Principalmente o presidente Temer, que é oriundo, como Maluf e outros sírio-libaneses que tanto enriqueceram nosso multiculturalismo.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

DE VERGONHA

Perícia médica afirma que Maluf está corado. Certamente é por ter sido ladrão contumaz.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

AND THE OSCAR GOES TO...

Maluf mereceria a estatueta hollywoodiana pela atuação de coitadinho, quando de sua prisão. A qualidade do trabalho de ator é impecável. 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

PARA REFLEXÃO

A revogação, em 2015, do título de doutor honoris causa concedido em 1972 ao general Emílio Garrastazu Médici foi decidida pelo amplo e democrático - como qualificado em jornal pelo atual reitor - conselho universitário da UFRJ. Este mesmo colegiado, no entanto, mantém entre agraciados com a mesma honraria, Antonio de Oliveira Salazar, Getúlio Dornelles Vargas e Luiz Inácio Lula da Silva. Os dois primeiros lideraram extensas ditaduras responsáveis por um número expressivo de mortos, torturados e desaparecidos e o último, que já se gabou de nunca ter lido um livro, é hoje multi-réu e condenado pela justiça, além de ter protagonizado a maior rede de corrupção do história do Brasil. Para reflexão.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MINISTRO DO TRABALHO SEM TRABALHO

Na tarde desta quarta-feira, 27, o Palácio do Planalto informou que o ministro Ronaldo Nogueira, do Trabalho, pediu demissão. Nogueira sai da pasta sob a justificativa de querer se dedicar à campanha para deputado federal e no mesmo dia em que se tornou público que com a reforma trabalhista o número de empregos fechou em queda. Nogueira foi indicado pelo condenado (réu confesso) do mensalão Roberto Jefferson, do PTB. Só num país como o Brasil um condenado por um dos maiores escândalos de corrupção indica um ministro de Estado. Uma coisa é certa: com a crise política e econômica, nem mesmo o ministro do Trabalho ficou livre da demissão.

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

HORTA SOLIDÁRIA - UM PROJETO CINCO-ESTRELAS

Em primeiro lugar, parabéns à redação do OESP por ter valorizado o trabalho de escolares, ao colocar a original fotografia deles na capa deste jornal. Em seguida, parabéns à diretora da Rede Vicentina de Colégios, Luci Rocha de Freitas, cuja Ordem é responsável pelo Projeto Morador de Rua em São Paulo, e a chácara de 3 mil metros quadrados em Jundiaí, à Daniele Gutierres, diretora da unidade, e aos 3 funcionários da escola que possibilitam aos alunos, plantar, cuidar, regar e colher as coloridas hortaliças e frutas de forma orgânica e sustentável. Merecedores de parabéns são também as crianças que fazem esse belíssimo trabalho agrícola e solidário. Por último, e mais importante, é ressaltar o valor de quem teve a brilhante ideia de unir a importância do cultivo de alimentos saudáveis, à quem tem fome, criando uma rede de distribuição para que os alimentos cheguem até eles. Conseguir mostrar o valor da solidariedade às crianças, equivale a torná-los cidadãos conscientes. Isto é Educação!

Fabia Atlântica Terni Leipziger, autora infanto-juvenil e educadora atlântica.fabia@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.