Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2018 | 03h03

ECONOMIA

Juros bancários

O Estadão de ontem informa que o Banco Central (BC) está pressionando os bancos por corte de juros do cheque especial e a Febraban “estuda” reduzir o custo dessa modalidade de crédito. Considerando que a União, por intermédio do Banco do Brasil (BB) e da Caixa Econômica Federal (CEF), detém mais da metade dos ativos financeiros do País e que a taxa Selic está inferior a 7%, nada justifica as taxas escorchantes cobradas pelos bancos, que superam os 320% (!) ao ano. Se a “pressão” do BC fosse realmente pra valer, poderia “forçar” o sistema bancário privado a baixar os juros começando pelo BB e pela CEF. Da mesma forma, os “estudos” da Febraban são somente cortina de fumaça, para no final concluir que os bancos poderão fazer uma redução mínima, provavelmente de 1% ou 2%... Até quando seremos forçados a engolir tanta hipocrisia e ganância dos banqueiros, os do governo incluídos, e tanta incompetência técnica e política para termos juros civilizados?

FRANCISCO PAULO URAS

francisco.uras@uras.com.br

São Paulo

Solução exige ação

Enquanto a economia do setor privado melhora, por produzir mais, a dos governos (todos eles) piora, por gastarem muito mais. Se os gastos governamentais fossem lógicos, a solução seria aumentar impostos. Como não são lógicos, o aumento de impostos sofre repulsa geral. A solução para os governantes é diminuir gastos. Para começar, por que não diminuir secretarias e ministérios e, alegando emergência financeira, reduzir em pelo menos 10% as transferências feitas aos Poderes Legislativo e Judiciário e ao Ministério Público, para que sejam obrigados a cortar as mordomias? Em seguida, forçar, na reforma da Previdência, a remoção dos antiéticos e amorais privilégios. Para resolver é necessário agir.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com .br

Cotia

CORRUPÇÃO

Indecoro parlamentar

“Para prender o Lula, vai ter que prender muita gente, mas, mais do que isso, vai ter que matar gente. Aí, vai ter que matar”, assim se pronunciou a petista Gleisi Hoffmann. Manifestação completamente inadequada para uma senadora da República, que representa o Poder Legislativo da União; e totalmente inaceitável para a presidente de um partido político com dezenas de parlamentares no Congresso Nacional. Lamentamos essa posição da sra. Gleisi Hoffmann em relação às decisões que eventualmente venham a ser proferidas pelos representantes do Poder Judiciário. Exterminar pessoas por causa da condenação de um criminoso...?! Isso jamais poderia ter sequer sido sugerido por uma parlamentar.

JOSÉ CARLOS SARAIVA DA COSTA

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

Expertise

Quando a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirma que para prender Lula “vai ter que matar gente”, ou ela é totalmente destemperada ou deve saber o que fala. Mas se alguém tiver dúvida, pergunte aos familiares dos inúmeros cadáveres que surgiram no rastro da morte dos prefeitos Toninho do PT e Celso Daniel, incluindo o legista Carlos Delmonte Printes, que contrariou a versão do advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, na época deputado federal pelo partido, e concluiu que o ex-prefeito havia sido torturado. Essa senhora deveria ser mais cautelosa em suas catarses, em vez de proferir ameaças e tentar reverter o Estado Democrático de Direito que, por mais que seu partido negue quando interfere em seus interesses, está em vigor no País.

KARLA SARQUIS

kasas@uol.com.br

São Paulo

Buscando mártires?

A declaração da “presidenta” do PT de que para prender o Lulla vão ter de prender muita gente tem toda a coerência, se é que ela não percebeu o ato falho da proposição: prender os demais petroladrões que militam no partido. Já a declaração de que “vai ter que matar gente” pretende incitar seus fanáticos seguidores na provocação às forças de segurança na Praça da Harmonia, em Porto Alegre. Afinal, o que pretende o PT, criar mártires? Agir à moda do Estado Islâmico, escalando um petralha-bomba? Quanta ignorância e irresponsabilidade!

PAULO M. BESERRA DE ARAUJO

pmbapb@gmail.com

Rio de Janeiro

Gastos com segurança

Quanta despesa e quanto prejuízo para os cofres públicos só com a segurança preventiva no julgamento de segunda instância do rei demiurgo de Garanhuns! Vergonhoso. E muita gente ainda apoia o “injustiçado”. Fala sério, Brasil, vamos respeitar os dizeres da Bandeira Nacional, ordem e progresso!

ROBERTO C. M. VASCONCELLOS

vetrobertocmv@uol.com.br

São João da Boa Vista

Falência da autoridade

A incitação à violência e revolta popular – caso a condenação do “capo” seja confirmada no TRF-4 – pela patota petista, em especial sua presidente, protegida (ainda) pelo foro privilegiado, deixa-nos perplexos. Como nossas autoridades constituídas não reagem à altura? Estarão com medo? Começo a ficar preocupado com o que vejo e ouço na mídia e nos “zaps” da vida. A batalha que no momento está sendo deflagrada pelos soldados petistas no seio da família brasileira parece indicar que vencerão a guerra se o Judiciário (principalmente), nossa vigilante Polícia Federal e o povo nas ruas, vestido de verde e amarelo, não reagirem. A tropa petista alienada está levando à falência a nossa ainda tênue democracia e as liberdades dela oriunda.

ALOISIO ARRUDA DE LUCCA

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

Está chegando a hora

Vamos ficar tranquilos e serenos no que toca ao julgamento do sr. Luiz Inácio no próximo dia 24. O direito de manifestação ordeira é de todos, seja a favor ou contra. Não vai haver baderna, não, porque os brigadianos – os policiais militares do Rio Grande do Sul – vão estar alertas e não vão permitir. A justiça será feita e o que for decidido será cumprido, dentro da lei.

RUI BITTENCOURT

rcbit@fns.matrix.com.br

Florianópolis

Pé na estrada

Lula já disse que se provarem corrupção vai a pé para ser preso. Recomendo começar a caminhada já, visto que o trajeto mais curto de São Bernardo para Curitiba, via BR-116, tem 401 km, saindo do Guarujá são 405 km (inclui um trajeto de balsa) e 458 km a partir de Atibaia.

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

“Lugar de político corrupto é na cadeia” - frase de Lula em 1989, aguardando confirmação”

ROBERTO TWIASCHOR / SÃO PAULO, SOBRE O JULGAMENTO NO TRF-4

rtwiaschor@uol.com.br

“Sugestão aos juízes: decretar prisão domiciliar ao réu dando-lhe a opção de escolher entre o ‘tripex’ no Guarujá e o sítio em Atibaia”

CECILIA CENTURION / SÃO PAULO, IDEM

ceciliacenturion.g@gmail.com

 

JUSTIÇA INÚTIL

A senadora Gleisi Hoffmann afirmou que haverá mortes caso o ex-presidente Lula seja condenado. Ela deveria dizer quem vai matar quem! O pronunciamento soa como uma ameaça e uma pressão indevida aos juízes do Tribunal Regional Federal da 4ª. Região (TRF-4), o que se configura como crime. Será que a senadora deseja desobedecer a Justiça? Será que ela pensa que Lula é um homem acima da lei? Que a lei não deve ser igual para todos? Se ela pensa assim, seria melhor fechar os tribunais, fechar o Supremo Tribunal Federal (STF) e, enfim, acabar com o poder Judiciário. Para que a justiça? Suas sentenças não valem nada! O comportamento desta senhora parece mais aquele ditado: “cão que ladra não morde”.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

ORDEM PÚBLICA

O caso Gleisi Hoffmann agride a ordem pública, o que não tem a menor importância, num país em que político condenado passa o ano novo em casa zombando dos cidadãos. 

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

QUALIDADES INDISPENSÁVEIS 

A senadora Gleisi Hoffmann não possui as qualidades indispensáveis e necessárias a um senador da República, pois a falta de senso de responsabilidade social e humanística que demonstra ao incitar à violência e ameaçar os poderes públicos constituídos é patética. O Brasil, esse país misto de primeiros e quintos mundos, precisa de homens de caráter e de reputação ilibadas, pessoas de bom senso que respeitem as leis enquanto não conseguem mudá-las.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br 

Rio de Janeiro

*

O TERROR DE GLEISI

Para a senadora Gleisi Hoffmann: "Para prender o Lula, vai ter que matar gente”. Senhora, não vale a pena prender, muito menos matar uma única pessoa para protestar contra a prisão de Lula!

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

BAIXAS 

Dizendo que: "Para prender o ‘Lulla’ vão ter que matar gente",

a senadora, com certeza, não se incluiu entre as baixas...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

LULA X TRF-4

A senadora Gleisi tem toda razão: “para Lula ser preso muitos terão que morrer”. Que morram, quantos cadáveres vale um Lula? Com a palavra, a nobre senadora.

José Roberto Iglesias rzeiglezias@gmail.com

São Paulo

*

ENJOADO

Acredito ser o sentimento de grande parte da sociedade. O meu é. Enojado é como me sinto sobre Lula e as manifestações agressivas de seus fanáticos seguidores e alguns cúmplices, começando com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, diante do julgamento no próximo dia 24, em Porto Alegre. Como se não bastassem as ameaças de manifestações, chegam as de morte, em caso de condenação e prisão do indigitado ex-presidente. Em que lugar estamos? Na Venezuela? Que o PT tanto admira e apoia? Não, não serão, nem devem ser admitidas ameaças ao poder Judiciário, mesmo em se tratando do homem “mais honesto” do País, como Lula e seus asseclas se definem. Condenado, vai para a prisão pelas falcatruas que enriqueceram, ele em especial, depois de anos pregando a ética e a seriedade com o dinheiro público.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com.br 

São Paulo

*

GEOGRAFIA DE LULA

Lula foi boia fria em Pernambuco. Operário em São Paulo. Imperador em Brasília. Réu em Curitiba e defenestrado em Porto Alegre! Santificado como mártir, será homenageado pela Beija Flor no Rio e pela Águia de Ouro, em São Paulo, no Carnaval de 2020! Volta em 2026, tendo Gilmar Mendes, como vice. Por pura gratidão!

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com 

Porto Alegre

*

LULA, ETIÓPIA E FEBRE AMARELA

Por favor, Lula, leve junto Zé Dirceu, Gleisi, Bernardo, Delúbio e os demais "cumpanheros" que ainda estão soltos, mas todos enrolados com a Justiça, igual a ti, "capo di capi". E não voltem nunca mais! Se a Etiópia exigir a vacina contra a febre amarela, não se preocupem com filas, providenciaremos de imediato!

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br 

São Caetano do Sul 

    

*

MILITÂNCIA TRUCULENTA

A truculência da militância petista é velha conhecida, sempre foi assim. Portanto, são mais que esperadas as pressões intimidatórias e as ameaças de violência às vésperas do julgamento de Lula na 2ª. instância. A melhor resposta a esta truculência, pelas pessoas de bem, não é o enfrentamento, mas a tranquilidade e a fleuma de quem confia na justiça e nas autoridades encarregadas de coibir atitudes violentas. Na iminência da condenação de sua liderança maior, só resta à tigrada a celeuma. A indiferença é a melhor resposta. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

POR CARIDADE

Encerrem esse julgamento, punam efetivamente quem precisa ser punido, mas por caridade devolvam nosso Brasil que há muito deixou de refletir o esplendor e a beleza de seu povo e sua raça. #devolvamnossobrasil

Manoel Braga mbraga1951@gmail.com 

Matão 

*

DONO DO MUNDO

O homem mais honesto do mundo, entre outras “qualidades”, está exigindo que o juiz Sérgio Moro peça desculpas, caso ele seja inocentado em 24 de janeiro. Se ele não for condenado pelas suas falcatruas, deveria ser pela arrogância, prepotência e autossuficiência. Quem ele pensa que é, o dono do mundo?

Ariovaldo J. Geraissate ari.bebidas@terra.com.br 

São Paulo

*

O PORTEIRO

O único petista que não está envolvido em corrupção é o porteiro da sede do PT. 

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com 

Campinas

*

COINCIDÊNCIAS 

Lula não será vítima da direita, mas do Direito. Afinal, “dura lex, sed lex”e todo o Brasil sabe que o único apartamento com elevador privativo do Guarujá é o seu triplex. Luiz Inácio pode se esquecer do pleito, sendo que ainda receberá votos de “preito”. Aquele que propôs, em seu favor, um dia da revolta será quem lhe fará o dia de boas-vindas. E, pela primeira vez depois de tantas décadas, vocês serão realmente companheiros. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com 

São Paulo 

*

MATAR GENTE

É legítimo o direito do PT e seus seguidores de defenderem o ex-presidente Lula, seu líder máximo, contra as decisões do juiz Sérgio Moro e do TRF-4. Mas até o exato ponto em que exigem sua absolvição, ameaçando juízes e desrespeitando a própria democracia que os permite ir às ruas defender suas bandeiras e ideologias. Nesse sentido o discurso da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, é emblemático e em nada parece ter vindo de uma senadora da República, muito pelo contrário, se assemelha a uma convocação de bandido, excitando sua quadrilha a cometer atrocidades.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br 

Rio de Janeiro

*

ELEIÇÃO 2018

O voto de 150 milhões de eleitores nas próximas eleições depende do voto de três juízes de Porto Alegre. Nunca antes na história deste país tantos deverão tanto a tão poucos.#Lulanacadeia. Basta!

J.S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

*

NO TWITTER

Jaques Wagner escreveu no Twitter que “estão querendo que a gente entre em campo sem @LulapeloBrasil, o nosso melhor jogador. É como se os russos quisessem que a gente fosse para a Copa sem o Neymar”. Mesmo dopado. Mesmo condenado pela Justiça. Típico russo. Típico PT.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

AINDA O MINISTÉRIO DO TRABALHO

Cristiane Brasil, filha de Roberto Jefferson (PTB), está proibida de assumir o Ministério do Trabalho. Este imbróglio demorou demais para ser resolvido. Muito se especulou e o principal não foi decidido. Afinal de contas, quem ocupará a pasta do Trabalho? O governo do presidente Michel Temer tem esta característica: troca-se de ministro como se troca de roupa. Será tão difícil assim manter uma equipe trabalhando pelo período de 2,5 anos? Os interesses políticos mais uma vez estão acima de qualquer compromisso com o País, que necessita de comprometimento profissional estável do primeiro escalão do governo.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br 

Belo Horizonte

*

FRAGILIDADE

Michel Temer é refém até de Roberto Jefferson. Infelizmente, é pouco presidente para muito Brasil.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

UM NOME MELHOR

Passaram pelo Ministério do Trabalho, no Brasil, grandes nomes: Almir Pazzianotto Pinto, André Franco Montoro, Jarbas Passarinho, João Mellão Neto, entre tantos outros. Houve, também, os que foram razoáveis, os ruins e até mesmo folclóricos como Antonio Rogério Magri, por exemplo, que afirmava ser o cão um ser humano como outro qualquer... Vá lá. Podia até estar coberto de razão. Mas indicar para cargo de tamanha relevância alguém que não tem noção das leis trabalhistas, a ponto de desobedecê-las em sua vida particular, é inédito e inaceitável. O fato de a deputada Cristiane Brasil ser mulher (o que seria politicamente desejável para o Planalto, carente de nomes femininos de peso) e representar uma arma a mais para o convencimento do Congresso quanto à aprovação da reforma previdenciária não me parece justificativa que sustente essa indicação. O presidente Temer, agora com a saúde restabelecida, não poderia estudar um nome melhor? Tenho certeza de que há muita gente respeitável e competente, no ramo trabalhista, para ocupar a pasta do Trabalho.

Edméa Ramos da Silva paulameia@terra.com.br 

Santos 

*

VIRADA FEMININA

Até que o presidente Michel Temer tem se esforçado para colaborar com esta nova onda global de empoderamento feminino, mas, com Luislinda Valois e Cristiane Brasil, parece que não vai dar nada certo.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com 

Monte Santo de Minas (MG)

*

MINISTÉRIO FRANKEINSTEMER 

O ministério dos horrores está sempre se superando em surrealismo. Temer fez pacto com o demônio para ganhar a permanência no cargo e, depois, emplacar a reforma da Previdência. Em vez da alma, entregou a dignidade, ou talvez esteja apenas mostrando quem sempre foi.

Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uo.co.br 

São Paulo

*

FORA DE SÉRIE

A tentativa de alguns juízes de impedir a posse da deputada Cristiane Brasil no cargo de ministra do Trabalho, em face de ela ter perdido algumas reclamações trabalhistas, é algo fora de série. Por isonomia, fica proibido, então, a qualquer cidadão aprovado em concurso público tomar posse no Ministério do Trabalho, na Justiça do Trabalho e no Ministério Público do Trabalho, se verificado que perdeu em reclamações trabalhistas contra si.

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br 

Araruama (RJ)

*

INDEPENDÊNCIA DOS PODERES

Não sou advogado, muito menos constitucionalista, mas me indago se a nomeação de deputados e senadores pelo chefe do Poder Executivo para cargos de ministros ou outros postos neste poder não é ingerência de um no outro. Pode? Se assim fosse, Temer não estaria passando pelo constrangimento de nomeação da deputada Cristiana Brasil para ministra do Trabalho. Com a palavra, os guardiões da interpretação da Lei Máxima. 

Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com 

São Paulo

*

O ROMBO DOS ESTADOS

De acordo com levantamento do economista Raul Velloso, feito a pedido do “Estadão”, em três anos os Estados brasileiros saíram do azul e entraram no vermelho, com um rombo de mais de R$ 60 bilhões em suas contas. É a velha política do aumenta a receita e esquece a despesa. Empregos para os cabos eleitorais e amigos e gastos supérfluos diuturnamente que levam as administrações perdulárias ao déficit profundo. Como a União também não tem caixa para suportar tamanho rombo, os governadores dos Estados deficitários terão de demitir os apaniguados e reduzir gastos drasticamente, já que aumento ou mesmo pagamento de tributos se encontram, na atualidade, em baixa completa. As más administrações chegaram ao dia da cobrança e dos castigos.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 

Rio Claro

*

ESTADO FALIDO

Uma coisa para qual a sociedade ainda não acordou é que o Estado brasileiro, tanto na União como em alguns Estados federados, além de muitos municípios, já está ou semi ou falido faz tempo. A atual reforma da Previdência, como está, é apenas uma esperteza para empurrar para a frente com a barriga a crise que virá quando perder seu crédito na praça. Os representantes políticos no Congresso se fingem de cegos e querem ser “espertos” enrolando os eleitores, olhando apenas o curtíssimo prazo. 

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br 

São José (SC)

*

CRISE CARCERÁRIA

Ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), foi a Goiás e ao Rio Grande do Norte “cobrar medidas para resolver a crise carcerária”. Ela, que não está conseguindo resolver a questão dos superssalários e penduricalhos na Justiça, fazendo justiça com os salários e as mordomias a juízes, economizaria para investir em presídios. Mas no Brasil sempre se preocupam em resolver o problema do outro, não os próprios. É como criticar a educação que os vizinhos dão aos respectivos filhos.

Marco Cruz mm.cruz23@gmail.com 

São Paulo

*

QUE PAÍS É ESTE?

Creio que o nosso Exército sempre representou para todo o cidadão a segurança de nossas terras e fronteiras. Concordo que o papel das Forças Armadas não é dar segurança pública no tocante a roubos, assassinatos e furtos, afinal isso é de competência das polícias estaduais. Agora, muito me preocupa quando, por outro lado, o general do Exército, o senhor Eduardo Villas Bôas, diz em entrevista ao “Estadão” (15/1, A10) que está preocupado, pois suas tropas podem ser contaminadas pelo crime organizado no Brasil. Isso, para mim, é o fim da picada! Então pergunto: que Exercito é este? Se o general disse isso, significa que a segurança territorial do Brasil também não está preparada pelo nosso Exército para conter o avanço inimigo vindo de fora, e com isso a nossa bandidagem interna, aliada a políticos sem escrúpulos, pode nadar de braçada com objetivo de desestabilizar a ordem social sem ser incomodada. E, por fim, que entrem os “bolivarianos e comunistas”, que serão bem-vindos!

Julio Simi Neto j.simi@terra.com.br 

São Bernardo do Campo

*

TRABALHO DE INTELIGÊNCIA

Com referência à reportagem sobre a entrada ilegal de armas no País, publicada na edição de (9/1, A10) o setor de transporte de valores destaca a importância do trabalho de inteligência realizado pela Polícia Federal (PF). Este é o caminho para combater e vencer o crime organizado, que tanta preocupação traz à sociedade. O setor de transporte de valores, que tem papel fundamental na movimentação da economia em todo o território nacional, renova seu apoio à PF e às polícias estaduais nesta ação urgente. O jornal também presta relevante serviço à sociedade ao informá-la sobre iniciativas que têm por objetivo proteger trabalhadores do setor, patrimônio e a população em geral.

Marcos Paiva administracao@abtvalores.com.br 

São Paulo

*

A FEBRE AMARELA AVANÇA

No Estado de São Paulo, em 12 meses, a febre amarela matou 21 pessoas, e 11 somente neste janeiro de 2018. Diante disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) colocou todo o Estado como área de risco, já que considera elevado o nível de contágio pelo vírus. E a organização ainda sugere que estrangeiros com viagens marcadas para o Estado sejam vacinados. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) garante que não vai faltar vacina para aplicar em todos os 45 milhões de paulistas. E cientistas indicam que a vacinação fracionada que será aplicada funciona há oito anos com sucesso em áreas de risco atingidas pela febre amarela, como em países africanos. A hora é de responsabilidade, e de não desprezar a importância dessa vacinação, já que Estados vizinhos, como Rio de Janeiro e Minas Gerais, além da Bahia, já apresentam óbitos causados pela febre amarela.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos

*

100 ANOS

Há 100 anos Oswaldo Cruz, sem as tecnologias de hoje, erradicou a febre amarela no Rio de Janeiro. Hoje, por falta de saneamento ambiental, o governo vem pôr a culpa no macaco.

Alcindo Garcia alcindogarcia@uol.com.br 

São Paulo 

*

REPETIÇÃO

Há décadas assistimos às mesmas notícias: desvio de verbas, hospitais sucateados, violência, colégios fechados, dengue, zika, chikungunya, febre amarela... Das duas, uma: ou o tempo parou, ou somos muito, muitíssimo incompetentes.

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

FGTS: A PRÓXIMA VÍTIMA

Depois da Constituição de 1988 o País só piorou. Faltou cá, governos decidem tirar de lá. Na era FHC faltou na Previdência, tiraram direitos adquiridos de quem trabalhou mais de 30 anos, pagando pela aposentadoria até 20 salários mínimos e que hoje se transformaram em 40% de dez. No “lullodillmismo”, faltou dinheiro para as chamadas “ações sociais”, tiraram dos fundos de pensão, à época com mais de R$ 500 bilhões em caixa, e transformaram os aposentados públicos em devedores. Conseguiram enfiar as mãos até nos bancos públicos, antes joias da coroa brasileira. Agora, com a Caixa Econômica Federal (CEF) falindo, e como só sobrou dinheiro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), começaram a retirar para emprestar ao banco estatal que foi vilipendiado e levado quase à falência. Se continuar nessa toada, daqui a pouco tempo o trabalhador só terá direito a retirada do seu benefício quando se aposentar, isso se não transformarem o FGTS em “imposto”, retirando do trabalhador seu direito. Porque político nunca foi gestor e para se manter no poder precisa empregar correligionários, cabos eleitorais, familiares e agregados. O dinheiro vai continuar faltando e a máquina pública cara e inoperante! Querem apostar?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 

São Paulo 

*

CORRUPÇÃO NA CEF

Precisou o Banco Central (BC) alertar o governo sobre o rombo nas contas da CEF para que o presidente Michel Temer finalmente se convencesse da necessidade de afastar alguns ocupantes de cargos de direção indicados por partidos aliados. Investigadas por suposto envolvimento em esquemas de corrupção, as vice-presidências têm sido acusadas pelo MPF de facilitar a concessão de empréstimos em troca de propina para parlamentares do PMDB. Por que uma instituição que basicamente administra o fundo de garantia do trabalhador precisa de 12 vice-presidências, enquanto o Banco do Brasil tem apenas 5, todas ocupadas por dirigentes altamente qualificados?

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br 

São Paulo 

*

‘GEOGRAFIA DA FOME’

O artigo “Geografia da fome” (16/1, A2), de Almir Pazzianotto Pinto, que trouxe estatísticas que comprovam que “o dinheiro que vai para o ralo do desperdício e as malas da corrupção falta para enfrentar a miséria”, faz reviver na alma dos brasileiros uma profunda tristeza e uma dolorosa indignação que nos faz perguntar: por que, num país de tanta fartura, aceitamos que injustas e más administrações façam com que tantos dos nossos irmãos brasileiros vivam na miséria e na pobreza? Por que aceitamos que nossos representantes não nos representem e mantenham salários, assessores, aposentadorias e privilégios sugando o dinheiro público que falta nos hospitais, nas escolas e na erradicação da miséria? Por que nos omitimos com o escancarado mau uso do dinheiro público nas negociatas políticas do presidente da República? Por que ficamos omissos diante da impunidade que livra criminosos, que conserva em cargos públicos e paga aposentadorias milionárias a políticos envolvidos em organizações de estelionato ou que saem pelo mundo denegrindo o próprio País? Por que aceitamos pagar o fundo eleitoral? Por que aceitamos as coligações partidárias que não mantêm o nosso voto soberano, como manda a Constituição, para que possamos fazer melhor uso dele? Acredito, ainda, que é mais do que hora de os movimentos sociais se organizarem, como em março de 1914, e sairmos às ruas por justiça. Peço a Deus, que neste novo ano, nos ajude e nos dê forças para que não continuemos omissos, submissos e indiferentes ao sofrimento de tantos brasileiros. 

Maria T. A. Galvão de França mariatoledoarruda@gmail.com 

Jaú

*

AMBIENTE TÓXICO

O Brasil está indignado com seus parlamentares. Gritos de ordem pipocam: "Não reelejam nenhum deles". Mas o problema não se reduz à falta de vergonha na cara! O problema é que o ambiente da Câmara é tóxico! A virtude não é um dom natural do ser humano, assim, não basta trocar os humanos. Urge mudar o ambiente doente, claramente identificado pelos sintomas: compadrio, corrupção, “toma lá, dá cá”, salve-se quem puder, etc. E o que é tóxico na Câmara? O foro privilegiado é tóxico! Dinheiro abundante (R$ 5,9 bilhões anuais) é tóxico! Presidencialismo de coalização é tóxico! Temos que colocar humanos novos lá dentro, com certeza, mas só aqueles que enunciarem com clareza que sua missão é atacar o touro à unha e lutar e legislar para sanear a Casa: reduzir à metade o número de parlamentares; reduzir a 1/3 o número de assessores de cada um; reduzir à metade a verba disponível para gastos diversos; acabar com auxílio moradia; permitir somente uma reeleição; acabar com o foro privilegiado; implantar o voto distrital com recall. Essa missão, que o eleitor deverá acompanhar de perto e cobrar, servirá de proteção para os novos humanos que adentrarem na Casa,  enquanto não for possível eliminar todos os agentes tóxicos. 

Sandra Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

MÁFIA DA MERENDA

Procurador de Justiça licenciado do Ministério Público de São Paulo, ex-chefe da Casa Civil de Alckmin, ex-presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo e ex-aspirante ao governo paulista é denunciado pelo procurador-geral de Justiça do MP-SP, sob a acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no escândalo da “máfia da merenda”. Acusado de receber propinas em fraude da merenda e no transporte escolar. Ora, até tu, Fernando Capez, é capaz? Que vergonha!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br 

São Paulo

*

FALTA DE VERGONHA NA CARA

Que vergonha, sr. Capez, corromper na merenda escolar? Não existe crime pior do que este de levar vantagens em cima de crianças pobres.  Sujou seu nome junto à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Peça demissão imediata do seu cargo político.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br 

São Paulo

*

DECEPÇÃO

Não bastasse seu polpudo salário como promotor de Justiça, Fernando Capez elegeu-se para a Assembleia Legislativa de São Paulo na última eleição e foi deputado mais votado. E agora, qual será a desculpa a seus eleitores? 

Maria Lúcia R. Jorge mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

*

DITADURA

Evo Morales, ditador da Bolívia, proibiu, num primeiro momento, falar sobre Jesus Cristo. Agora, está proibindo a religião católica de efetuar suas missas e pregações naquele território socialista/bolivariano. Como será que estão se sentindo Dom Claudio Hummes e os demais bispos da Igreja Católica no Brasil, que apoiam sem limites a ideologia “lullopetista” bolivariana? Será que a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) não tem conhecimento do que ocorreu com a Igreja Católica nos países aonde o socialismo/comunismo foi implantado? Que a CNBB abra os olhos rapidamente porque senão será tarde demais para um milagre!

Antonio Carelli palestrino1949@hotmail.com 

São Paulo

*

RECONHECIMENTO

“Ab imo pectore” (do fundo do coração) e vangloriando-me de ser seu assinante há mais de 40 anos, sinto orgulhosamente, que o ínclito jornal “O Estado de São Paulo”, guardião da honradez jornalística brasileira, mais uma vez, nos dá imensa satisfação ao ser contemplado com nove premiações. Entre as quais, a da Sociedade Interamericana de Imprensa, ficando, em primeiro lugar entre os jornais em 2017. Congratulando-me, com todas estas distinções jornalísticas. Congratulo ainda com o “Estado” e com todo louvor, com os seus diretores, jornalistas e funcionários. 

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br 

Assis

*

GREVE DO METRÔ

Uma classe “para lá” de privilegiada sempre querendo se dar bem. E, claro, com o apoio da ética CUT/PT. Por essas atitudes e similares é que a população cada dia mais quer que tudo seja privatizado. Afinal, chega de cabides de emprego, pressão de demagogos e prejuízo sem fim para a população e o comércio em geral. Não dá mais para tolerar esta nova greve do metrô. Afinal, ganhando mal não estão; privilégios têm muitos e ainda não podem ser mandados embora. Chega de tanta impunidade, afinal o Brasil quer melhorar, e não com uma classe dessas. Corporativismo fora.

Zureia Baruch Jr. zureiabaruchjr@bol.com.br 

São Paulo 

*

CARNAVAL

Como é de nossa tradição, até o carnaval passar, nenhuma decisão fundamental será operacionalizada entre nós. Isso ocorre tanto na gestão pública como na inciativa privada e até em nossos projetos pessoais. Por isso as reformas tão faladas só deverão ser discutidas e implementadas após a passagem de ditas festas carnavalescas. Evoé.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.