Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2018 | 03h13

METRÔ DE SÃO PAULO

Leilão de linhas

Depois de mais uma greve (para variar, teremos outras, pois estamos em ano eleitoral), conseguiu o governo do Estado efetuar o leilão para concessão das Linhas Lilás e Ouro à iniciativa privada. E com ágio de 185%. Uma pergunta que não consigo calar: os tais 30% que o sindicato dos metroviários alega que não querem a concessão já andaram na Linha Amarela? Sorte dos futuros usuários das duas novas linhas privatizadas.

JOSE ROBERTO PALMA

palmajoseroberto@yahoo.com.br

São Paulo

Pós-greve dos metroviários

Parabéns aos metroviários de São Paulo, com a greve na quinta-feira fizeram uma grande propaganda da privatização das linhas do Metrô. A população pôde comparar como a coisa funciona: a Linha 4 (privatizada) funcionou normalmente, as demais linhas (popularizadas?) pararam e deixaram o povão – que não dá pitaco no assunto – na mão. Pergunte-se aos usuários agora o que eles acham disso. Privatização total já!

NELSON N. FERRAZ

nelfer2011@gmail.com

São Paulo

Agitadores políticos

Essa ação dos metroviários foi, para dizer o mínimo, burra. Pois ela em si, de fato, apontou para privatizações. Se o Metrô fosse privado, duvido que houvesse greves desse tipo. A solução automática seria a porta da rua. O lado bom dessa greve foi mostrar à população a cara desses agressores da vida dos trabalhadores, que terá reflexos nas eleições vindouras. O lado ruim é empurrar as opiniões para o extremo oposto. Passarinho em fase de muda das penas não canta.

NELSON MATTIOLI LEITE

nelsonmleite@uol.com.br

São Paulo

Os donos do pedaço

Mais uma vez a população da cidade de São Paulo, especialmente quem depende do Metrô para chegar ao trabalho, foi castigada por uma greve cujo motivo, em tese, seria protestar contra a concessão à iniciativa privada das Linhas 5 e 17. Na verdade, não se pode falar em privatização, pois o Metrô já tem donos, os metroviários, que constituem uma casta detentora de inúmeros privilégios. Além dos salários muito maiores que os das empresas privadas, os metroviários recebem todo ano, apesar dos enormes prejuízos, participação nos lucros e resultados (?!). O Metrô de São Paulo tem mais de 9 mil empregados, coisa de oito para cada metro de linhas, e todo ano apresenta elevados déficits, enquanto a Linha Amarela e o Metrô do Rio de Janeiro são lucrativos, além de não sofrerem greves. É mais do que tempo, portanto, de conceder à iniciativa particular não só as linhas 5 e 17, mas todas elas.

HÉLIO DE LIMA CARVALHO

hlc.consult@uol.com.br

São Paulo

Só o povo se rala

Essa greve política, patrocinada por um sindicato irresponsável, mostra que a nossa democracia está longe de ter atingido a maioridade. Mais de 3 milhões de pessoas foram prejudicadas, perdendo seu dia de trabalho, seus compromissos, suas consultas médicas, etc. A pergunta que fica é: o que acontecerá com os responsáveis? E com os grevistas? A resposta é: nada! O sindicato pode ser condenado a uma pesada multa, que jamais será paga. Os grevistas negociarão com seu “patrão” a reposição das horas não trabalhadas e fica tudo por isso mesmo. Os prejudicados? Bem, que se danem. Quando isso tudo vai mudar?

ROBERTO LUIZ PINTO E SILVA

robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

CAIXA ECONÔMICA

Vamos de mal a pior

A população brasileira continua sendo escorchada, roubada, massacrada e dizimada, basta ver a manchete absurda da capa do Estadão de ontem: Em crise, Caixa prevê 37% de aumento para seus vices. São 12 vice-presidentes e o vencimento de cada um deles, que foi de R$ 63,5 mil por mês em 2017, pode chegar a R$ 87,4 mil! Vale lembrar que quatro deles foram afastados por suspeita de corrupção e até o presidente dessa instituição está sob suspeita de improbidade.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Dá para acreditar?

Então, quer dizer que a Caixa Econômica Federal (CEF), que está de pires na mão, pedindo de joelhos recursos da conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) dos trabalhadores da ordem de R$ 15 bilhões, resolveu aumentar os salários dos 12 vice-presidentes de R$ 63,5 mil para R$ 87,4 mil mensais?! Dá para acreditar? Afinal, para que 12 vice-presidentes? Muda rápido, Brasil!

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

Patrocínio ao futebol

Para resolver sua crise financeira pretende-se transferir bilhões de reais do FGTS para a CEF. Por que não estudar uma fórmula de gerir recursos com eficiência e responsabilidade, nomeando diretores capacitados na aplicação desse dinheiro? Por exemplo, qual a finalidade de a Caixa patrocinar clubes de futebol?

EDSON BAPTISTA DE SOUZA

baptistaedson384@gmail.com

São Paulo

Um país que não muda

A indignação não sai da cabeça do povo brasileiro. Diariamente somos afrontados por decisões que demonstram que este país precisa de uma mudança radical, caso contrário vai continuar na sua sina dos dois pesos e duas medidas. Enquanto a Nação luta para estabilizar a economia, as benesses e mordomias continuam aí, na nossa cara, a elevar nossa pressão arterial. Desta vez, o caso dos vice-presidentes da Caixa, que vão ter um reajuste de 37% nos seus salários. Parece brincadeira, mas é a pura realidade neste país de malucos. Só para lembrar: bancários e aposentados tiveram pouco mais de 2% de reajuste.

ELIAS SKAF

eskaf@hotmail.com

São Paulo

Não tem conserto

Lendo o editorial A fonte dos déficits (19/1, A3) e a manchete sobre o aumento de 37% para a cúpula da Caixa Econômica Federal, pergunto-me como pode haver tanta incompetência e ganância na administração pública deste país. A Caixa precisa de socorro financeiro e seus dirigentes têm o desplante de pleitear um aumento de salário tão escandaloso, quando a maioria dos sindicatos não conseguiu nem 3% para a classe realmente trabalhadora, que leva nas costas o peso da privilegiatura que transborda da administração pública, do Congresso e do Judiciário para as estatais? Em que planeta essa gente vive?

LUIZ LEITÃO DA CUNHA

luizmleitao@gmail.com

São Paulo

“A Caixa Econômica tem 12 vice-presidentes, todos regiamente pagos: R$ 63,5 mil mensais. 

Como se não bastasse, aguardam um reajuste de 37%! Vem pra Caixa você também, vem”

NIVALDO RIBEIRO SANTOS / SÃO PAULO, SOBRE OS RALOS DO DINHEIRO PÚBLICO

nivasan1928@gmail.com

“Afinal entendi por que querem 15 bi. Com esses salários, peçam logo uns 50 bi, para não voltarem 

ao guichê (o FGTS do povo trabalhador)”

JONAS DE MATOS / SÃO PAULO, IDEM

jonas@jonasdematos.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

OS PRIVILÉGIOS DE CABRAL

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) pediu a transferência do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ) e o afastamento do secretário de Administração Penitenciária em razão da rede de serviços e favores montada para o ex-governador. Desde a questão daquelas comidas enviadas pelos restaurantes que deveriam ter pedido a transferência de Cabral. Negar que não há uma rede de serviços e favores montada para o ex-governador é querer fazer-nos acreditar em Papai Noel ou Branca de Neve. Independentemente do pedido de transferência, é preciso que essa rede seja apurada e que sejam apontados os responsáveis. Isso é um tapa na cara do cidadão carioca e os que têm conhecimento dessa rede montada e nada fizeram são coniventes e igualmente desrespeitam o cidadão carioca. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

XILINDRÓ 

Filho do jornalista Sergio Cabral, um dos fundadores do hilário "Pasquim", Sergio Cabral Filho iniciou sua carreira política na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, na década de 90. Desde lá já se tinha notícias de suas traquinagens com o dinheiro público. Bem articulado, competente e cativante, o ex-governador fatalmente chegaria ao topo da hierarquia política do País, se não fosse pego, pela Lava Jato, por falcatruas inesgotáveis, no maior esquema de corrupção que comandou no agora falido Estado do Rio de Janeiro. Agora, Cabral usa todas essas habilidades para negociar vantagens nas cadeias por onde passa, na tentativa de tornar menos angustiantes os longos anos de xilindró que certamente sabe que o esperam.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br 

Rio de Janeiro 

*

CABRAL E AS REGALIAS

Durante o período em que esteve preso no Rio de Janeiro, o corrupto ex-governador do Estado Sérgio Cabral transformou sua cela num aposento próximo de um potentado de Dubai. Denunciado pelas regalias, como se ainda fosse governador, foi transferido para Curitiba, onde se presume que deixará de ter a rotina de governador... Ora, direis, "a Justiça agiu prontamente". Ledo engano. Quando menos esperarmos a "dolce vita" de Cabral voltará a níveis anteriores porque não haverá presídios no País que não sejam contaminados pela corrupção sistêmica brasileira, desde os diretores, passando por carcereiros e toda sorte de funcionários. Presos sob regime carcerário mesmo só aqueles que não possuem poder político. Cadeia, mesmo, foi feita para pobre e negro.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com  

Vassouras (RJ)

*

'LA CATEDRAL'

O ex-governador Sergio Cabral foi transferido de Benfica para o presídio de Pinhais, no Paraná, depois de gozar de privilégios inimagináveis, semelhantes a "La Catedral", de Pablo Escobar. O artigo 5º da Constituição diz que "todos são iguais perante a lei", mas está provado que alguns são mais iguais que outros.

Jose Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com 

Avaré

*

FIM DAS REGALIAS

Demorou!  Mas, finalmente, o condenado a 87 anos de prisão por corrupção, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, vai perder as regalias que tinha na cadeia de Benfica, no Rio de Janeiro, tudo por culpa e cumplicidade do governador Pezão! A pedido do MP-RJ, o juiz Sérgio Moro decretou sua transferência para um presídio em Curitiba.  Com isso, o entra e sai a qualquer hora de visitas, a alimentação de luxo e muitas outras regalias na cela chegam ao fim... E Cabral perde o colarinho branco dos privilegiados e vai lavar banheiro, prato e comer uma quentinha, lógico, sem caviar...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com  

São Carlos 

*

ACIDENTES DE TRÂNSITO

Recentemente, dois graves acidentes de trânsito com vítimas fatais foram provavelmente causados por mal súbito dos condutores. No dia 18/1, um condutor alegou ter tido um ataque epiléptico (doença não comunicada no ato da obtenção da habilitação) e atropelou dezenas de pedestres na Praia de Copacabana, Rio de Janeiro. No dia seguinte, uma condutora diabética teria tido uma crise de hipoglicemia e matou um casal de idosos em Brasília. Além desses, em 17/1 dois outros acidentes ocorreram, em Bauru (SP) e Capinzal (SC), pela mesma razão, sem vítimas graves. Com certeza os exames para obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) precisam urgentemente ser aperfeiçoados. Quantos milhões de condutores sem condições estão rodando nas vias brasileiras?

Luciano Nogueira Marmontel automatmg@gmail.com  

Pouso Alegre (MG)

*

ATROPELADOR DE COPACABANA

O atropelador de Copacabana, que matou um bebê e feriu várias pessoas, alegou em seu depoimento ter tido um surto epilético. Aí eu pergunto: epilético pode dirigir? No Brasil, pode tudo! Para adquirir a CNH, pagamos o documento único de arrecadação e o exame de vista, aliás, o único exame exigido feito por um profissional! As outras avaliações são feitas através de múltipla escolha, o famoso sim ou não! Ora, quem garante a total sanidade física e mental do motorista? É por isso que acontecem acidentes trágicos como esse. Eu acho que, para ser aprovado e considerado apto a dirigir, o candidato tem que passar por exames rigorosos! Infelizmente uma vida foi ceifada e com essas nossas leis arcaicas o motorista vai responder em liberdade e a impunidade continuará destruindo famílias, que saem de casa para passear e voltam providenciando mais um enterro! Deus nos acuda!  

Deborah Farah deborah.farah@gmail.com   

Rio de Janeiro

*

PERIGO

Os veículos assassinos chegaram ao Brasil! Só faltava essa! Pra coroar a desgraça. Cancela o carnaval! Será que o Estado Islâmico (EI) teria coragem de ir para o Rio?

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

CORRUPÇÃO NA CAIXA

Se alguém ainda tinha dúvidas a respeito das interferências e influências políticas, interesseiras e comissionadas efetuadas nas instituições financeiras federais no País, para beneficiar indevidamente empresas e empresários, enganou-se redondamente. Basta ver o resultado da auditoria efetuada pelo escritório Pinheiro Neto na Caixa Econômica Federal (CEF), a qual reforça as denúncias contra políticos e funcionários que atuaram em favor deles. A auditoria contratada encontrou diversos casos de influência em nada menos que quatro vice-presidências anteriores. Bom seria se conseguissem fazer o mesmo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e no Banco do Brasil, além dos demais pelo Brasil. Tenham certeza de que os resultados seriam surpreendentes. Além de assustadores, né não?  

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo 

*

TÃO RICO, MAS TÃO PODRE

Finalmente prevaleceram o bom senso e a ética e foram afastados alguns dirigentes da Caixa Econômica Federal (CEF). Ainda é pouco. Mas pode ser o início. Foram apenas quatro dos 12 vice-presidentes da CEF, todos indicados por partidos políticos. Uma sopa de letrinhas que tem até suspeito indicado pelo PSDB. Para que 12 "vices" e 40 diretores na CEF? Não seria o caso de afastar todos e reestruturar essa orgia na cúpula da CEF? Os cargos devem ser ocupados, tanto na CEF como no Banco do Brasil e em todas as estatais, por funcionários de carreira ou técnicos sem qualquer indicação e vinculação partidária. Sr. presidente, faça o que o partido do homem mais honesto não fez: acabe com as indicações políticas nas estatais! Ainda é tempo de optar pelo caminho da moralidade, da ética e da causa pública. O povo saberá reconhecer. Ainda é tempo! Ao contrário, o que vemos são cortes de pessoal, redução do número de agências, mas os cargos de direção só aumentam. Cada cargo desse, além de salários de mais de R$ 100 mil, paga bônus anuais milionários. Isso acontece também nas empresas controlados por essas estatais e até nos fundos de pensão, em que diretores se aposentam acima do teto constitucional e independentemente do resultado. E mesmo em entidades sem fins lucrativos, que recebem bônus milionários por participação nos resultados. Não aguentamos mais ter os salários reajustados abaixo da inflação, sermos ameaçados por reformas que não mexem nos salários milionários nos Três Poderes e manter os auxílios e mordomias. É um escárnio. Uma vergonha. Um tapa na cara do trabalhador. Esperamos que o Ministério Público (MP), que também se beneficiam desses altos salários e auxílios, não se omita. Afinal, a moralização tem que começar dentro de casa! Que se cortem cargos e mordomias nas estatais e nos seus fundos de pensão, acabem as nomeações políticas, que se moralize de vez este país, tão rico, mas tão podre!

Elcio Silva Santos ele56@bol.com.br  

Brasília 

*

MUDOU DE NOME

CEF: Corrupção Econômica Federal... Basta!

J.S. Decol decoljs@gmail.com  

São Paulo 

*

O JULGAMENTO DE LULA

Leio as notícias sobre a transmissão ao vivo do julgamento de um ex-presidente e sobre os atos públicos que acontecerão. Mas dia 24 de janeiro não é feriado nacional! Eu não assistirei à transmissão nem comparecerei a atos públicos: estarei trabalhando!  Eu e os juristas que irão julgar! Conclamo os brasileiros a fazerem o mesmo: vamos dedicar o dia 24 para mostrar ao mundo que o que nos sustenta é o nosso trabalho, e não pseudo-salvadores da Pátria!

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br  

São Paulo 

*

CARTAS MARCADAS

Núcleos políticos, bases aliadas "et cetera", jargões corriqueiros que parecem tratar de política, de interesse social e de ideias com motivos sociais, mas não, tudo não passa de modos como o dinheiro público deve ser apropriado por classes que, assim, enriquecidas e privilegiadas, se diferenciam da patuleia, do povão, desses que financiam todo esse jogo de cartas marcadas.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br  

Rio de Janeiro 

*

AS AMEAÇAS DO PT

Se é certo que o desespero propicia situações desastrosas, também é correto que determinadas situações engendradas requerem respostas adequadas. Quando Gleisi Hoffmann, presidente da agremiação petista, fala da possibilidade de morrer gente com a condenação/prisão de Lula da Silva, significa que essa vontade ou possibilidade já foi ventilada entre os "lulopetistas", o que demonstra perigo, requerendo cautela. Assim, todas as forças de segurança necessárias devem ser mobilizadas para neutralizar qualquer vontade ou desejo de desconhecer as leis vigorantes no País, o que demanda gastos que seriam dispensáveis  para qualquer delinquente. Mas Lula da Silva enganou e cooptou a população, fazendo-se de líder máximo e de pai dos pobres, embora grande recebedor de propinas. É para rir, embora muita gente queira chorar e ser penalizada. Mas a mamata acabou, não é?

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br  

Rio Claro

*

A FRASE DA SEMANA

Como pode uma senadora pronunciar-se de forma tão irresponsável, incitando os seus "cumpanheros" a agir de forma tão violenta a ponto de provocar mortes; e nenhuma autoridade tomar providências, enquadrando-a como provocadora de revoltas? Desta forma ela se mostra exatamente como é: uma "zé ninguém", cuja boca só fala idiotices e cujo nariz é próprio para cheirar dejetos excretados pelo seu partido. Uma total irresponsável. Não adianta desculpar-se; palavras não retornam.

Bernardo Prevedel bernardo.prevedel@yahoo.com.br 

Vinhedo 

*

MÁRTIR

"(...) vai ter que matar gente". Gleisi Hoffmann sabe do que está falando. O PT precisa de um mártir para finalmente dominar o País. Acho bom prender Lula logo para protegê-lo dela!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br  

São Paulo

*

FRUSTRAÇÃO 

A frustração de manter o poder por vias legais está transformando os petistas em eventuais terroristas. Vide Gleisi Hoffmann.

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com  

Campinas 

*

CRIME

"Narizinho" e "Lindinho", me recuso a declinar os nomes desses senadores que não merecem nosso respeito, pois não respeitam a posição que ocupam de representantes do povo. Estão incitando a violência. O que estão esperando os representantes da Justiça para enquadrá-los? 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com  

São Caetano do Sul 

*

DORIA, OS PERNILONGOS E A FEBRE AMARELA

O prefeito João Doria deveria saber, como bom gestor que diz ser, que o combate aos pernilongos em São Paulo precisa ser permanente. O prefeito marqueteiro atacou os impertinentes voadores com muito barulho logo que assumiu e livrou a zona oeste da cidade desses insetos. Só que, um ano depois, eles estão de volta! Pior, voltaram em tempos de febre amarela!

Armando Stelluto Jr. armandostelluto@uol.com.br  

São Paulo

*

ÁREA DE RISCO

Tenho visto na mídia alguns intitulados doutores que dizem que a febre amarela oferece perigo imediato apenas nos locais de riscos. Queria, primeiro, criar uma historinha: Pedro tem loja de colchões em Osasco, Maria vai a Osasco comprar um colchão na loja de Pedro. Ela reside em Mairiporã e Pedro vai com seu furgão entregar a compra na casa de Maria. Ele chega, bate palmas, abre o baú do furgão e Lindomar, o ajudante entra e retira o colchão a ser entregue na casa de Maria. O problema é que, quando foi aberto o baú do furgão, alguns insetos entraram. Entre eles, o transmissor da febre amarela. Pedro e o ajudante voltam para Osasco e abrem o baú para colocar outros colchões. Nisso, os insetos transmissores da dengue são atraídos pela luz e saem para Osasco, onde picam Carlos, Rodrigo e Berenice. Eu pergunto: como Osasco pode não ser área de risco imediato? Lembre-se que existem trens, carros, caminhões e até aviões que circulam por São Paulo e pelo Brasil todos os dias levando passageiros, cargas e pernilongos. 

Carlos Roberto Marceu crmarceu@hotmail.com   

São Paulo

*

MINISTÉRIO DO TRABALHO

República ou republiqueta? É repugnante o que estamos vendo acontecer no Brasil nos últimos dias. Dá vontade de arrumar as malas e tomar outros rumos. Onde já se viu um país ficar sem ministro do Trabalho por tanto tempo, só porque Roberto Jefferson, presidente do PTB, determinou que a sua filha Cristiane Brasil fosse a ocupante da Pasta? Já falou para o presidente da República que não abre mão desse desejo. E no Palácio do Planalto está todo mundo - perdoe-me pela expressão que vou usar - se borrando de medo do papai da deputada que infringiu leis trabalhistas. Presidente Temer, coloque os interesses do Brasil acima dos interesses de políticos oportunistas e que sujam as páginas da nossa história. Cadê o povo?

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br 

Taquari (DF)

*

DIÁLOGO TEMER-JEFFERSON

O dono deste "partideco" PTB se chama Roberto Jefferson, aquele mesmo do mensalão. Chegou para Michel Temer e disse: "Cara, coloca lá minha filha, ou acontecerá o mesmo que aconteceu com Lula e Dilma, porque conheço seus podres". E Temer obedeceu!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com  

São Bernardo do Campo

*

NÃO ATRAPALHAR

Nomeação de ministros: a Justiça não deveria atrapalhar. 

Euclides Rossignoli euclidesrossignoli@gmail.com  

Ourinhos

*

INTERFERÊNCIA DO JUDICIÁRIO

É crescente a interferência do Judiciário em medidas do presidente da República, sempre baseado em detalhes insignificantes. Essa atitude não pode continuar, pois nenhum governo pode governar e levar um país adiante quando certos grupos entram na Justiça com petições esdrúxulas e vão de juiz em juiz até que um conceda uma liminar. Esse fato aconteceu também nas privatizações do presidente FHC. Essas intervenções indevidas põem em risco o Estado Democrático de Direito, pois poderá chegar a ocasião em que um presidente terá de decretar Estado de Sítio ou até agir de maneira inconstitucional, para poder governar.

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br  

Araruama (RJ)

*

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Faço das palavras do senhor Antonio Tuccílio, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP), as minhas: "O governo insiste no discurso de que a reforma da Previdência vai acabar com os privilégios. Eu pergunto: quais são esses privilégios, afinal? Parece-me que para o governo Temer uma viúva que usufrui de 100% da pensão por morte do seu marido é uma das privilegiadas, como se esse não fosse um direito da contribuição de décadas ao INSS. É por esse e outros motivos que essa reforma não pode ser aprovada. Não se enganem! Algumas pessoas influentes dirão que a reforma corta privilégios, mas a verdade é que os reais privilegiados são aqueles que a criaram: os políticos. Eles jamais aprovariam algo que os prejudicassem". Acrescento que a nossa sociedade vai pagar muito caro pela omissão, pela falta de luta e de posicionamento contra essa reforma. No futuro não irá adiantar reclamar, a hora é agora, antes da votação. Manifeste junto aos deputados federais e senadores sua indignação.

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br  

Bauru 

*

FALCATRUA OFICIAL

Países picaretas amigos do "lulopetismo" dão golpe no BNDES e no Brasil (12/1, A3 e 8/1, A1/B1) em proveito de campeãs nacionais - só empreiteiras e poucas outras já conhecidas. Além de mudar o foco do banco, ainda lhe falta nos prestar informações nas demais campeãs de "Luladilma". Por exemplo, na área de Educação, quem financiou tantas aquisições milionárias? E na área de Saúde? O Hospital Sírio-Libanês, queridinho de todos os políticos, cresceu exponencialmente na época de "Luladilma". Quais foram as condições e os valores de seus financiamentos pelo BNDES? Estão sendo quitados em dia? É mais simples o BNDES publicar relatório completo de todas as campeãs nacionais que o cidadão requerer dados com base na Lei de Acesso à Informação. E, a seguir, por que não, esperar o Judiciário responsabilizar o PT - autor e coordenador da falcatrua oficial.

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br  

São Paulo

*

O PREÇO DO COMBUSTÍVEL

Uma empresa que se preza, do porte da Petrobrás, trabalha com cenários num horizonte de tempo razoável. O que é razoável? Uma estimativa das tendências do mercado segundo o grau de estabilidade dele. O atual sistema de estabelecimento de preços da petroleira é um desastre nacional. Ninguém sabe projetar o preço do dia seguinte e assim os donos de postos e empresas correlatas fazem o óbvio, estimam um aumento, nunca uma diminuição nem a sua estabilidade. Na conta de empresas em que o combustível entra na composição dos custos, estimativas marotas já estão embutidas. Seria razoável se a Petrobrás fizesse como o Banco Central: estabelecesse o preço por um mês e, na virada para o mês seguinte, reajustasse com base em dados reais, projetando o viés do próximo mês. Do jeito que está, a conta salgada vai para o consumidor final, na forma de preços e inflação (que poderia estar ainda mais baixa).

Paulo Roberto Santos prsantos1952@bol.com.br  

Niterói (RJ)

*

FUTEBOL

Será que a Federação Paulista de Futebol (FPF) e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) desconhecem que das 19h às 20h de 2ª a 6ª as emissoras de rádio são obrigadas a transmitir a "Voz do Brasil" (de pouca utilidade para os brasileiros)? Marcar jogos de futebol para esse horário, no mínimo, é um grande desrespeito aos torcedores. No Campeonato Paulista de 2018, alguns jogos foram marcados às 19h30, prejudicando os interessados. O nosso futebol vai de mal a pior. A corrupção impera semelhante ao que ocorre em nosso país pós-PT. Será que é tão difícil marcar os jogos com início às 20h? Atrapalha a programação da Globo? Foi por isso que outro jogo só começou às 22h? A quem interessa o futebol brasileiro?

Luiz Dias lfd.silva1940@gmail.com  

São Paulo

*

VAIAS EM PARIS

Perdoem-me os que pensam diferente, mas o que o jogador Neymar vem sofrendo no Paris Saint-Germain é puro preconceito.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com  

Niterói (RJ)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.