Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

21 Janeiro 2018 | 03h04

SAÚDE PÚBLICA

A febre do descrédito

A histeria de grande parte da população da cidade de São Paulo para se imunizar contra a febre amarela, invadindo postos de saúde, deslocando-se para locais onde a vacinação é prioridade, como Mairiporã, e madrugando em filas, apesar dos alertas da imprensa de que não há motivo para pânico, merece uma análise mais acurada. Esse movimento deve ser atribuído, em sua totalidade, à “ignorância” da massa ou à descrença do povo nas autoridades? Tanta manipulação, tantas inverdades, tanto desprezo pelo bem público, tantas manobras espúrias, isso não poderia estar presente também nessa questão? Quem pode acreditar, realmente, que a verdade sobre o risco de a febre amarela virar uma pandemia é nulo? Na dúvida, é melhor correr para um posto de saúde em busca de uma vacina, mesmo porque está difícil acreditar que as autoridades estejam mais preocupadas com o bem-estar do povo do que com a possibilidade de levar vantagens ou escamotear falhas de planejamento.

LUIZ CARLOS DE MEDEIROS

medeiros0208@gmail.com

São Bernardo do Campo

Vacinação

A má vontade e falta de isenção de alguns profissionais da mídia em tudo o que se refira a São Paulo – Estado e capital – é tanta que eles não têm pudor de emitir opiniões que qualquer um com um pouco de massa cinzenta vê que são fruto de má-fé. A questão das filas enormes nos postos de vacinação (a população está preocupada, é claro) leva-os a concluir que não há vacinas para todos, uma vez que esses postos não aplicam mais de mil doses por dia. Plantam a discórdia e o medo contra o governo do Estado. Será difícil para esses “profissionais” concluir que as geladeiras dos postos não comportam mais do que esse número de vacinas por dia, sem o risco de se estragarem? Em ano eleitoral é difícil...

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

O despertar do vírus

Nada contra as medidas tomadas pelas autoridades no combate ao surto de febre amarela em São Paulo. Porém é preciso pensar mais longe, nas causas do despertar desse vírus, que “repousava” em alguma mata, longe das cidades. A causa mais provável é a vagabundagem, a busca pelo dinheiro fácil, tudo representado pelo desmatamento. Inicialmente são os madeireiros devastando a floresta, muitas vezes auxiliados pelos grileiros e pela inércia das autoridades que deveriam combatê-los. Depois as terras devastadas são ocupadas por gado e aí os mosquitos vão expandindo os seus domínios, contando sempre com a ausência de escrúpulos dos sugadores dos recursos públicos.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

DINHEIRO DO POVO

Haja desperdício!

A Empresa de Planejamento e Logística (EPL), fundada em 2011 para planejar o trem-bala – ideia, felizmente, abandonada – custa R$ 99 milhões por ano e mantém 143 pessoas ociosas, sem funções. A EPL e a Valec são duas estatais de projetos de ferrovias inconclusos. Outro grande desastre financeiro foi o foguete ucraniano Cyclone-4. Como forma de desafiar o “imperialismo americano”, em tempos de Lula e Dilma, foi criada em 2006 a binacional Alcântara Cyclone Space, cujo capital atingiu R$ 3 bilhões. No entanto, em 2012 as obras em Alcântara (MA) pararam. Como o Cyclone-4 incorpora tecnologia americana, o foguete só poderia ser lançado se o acordo com os EUA estivesse em vigor. O custo dessa desastrada artimanha bolivariana já orça os R$ 484 milhões. E as pendências jurídicas devem aumentar a conta final.

WALTER GONÇALVES

wg@mls.com.br

Rio de Janeiro

CAIXA ECONÔMICA

Demeritocracia

É impressionante a falta de respeito pela população brasileira! Esse reajuste de 37% no salário dos vice-presidentes da Caixa Econômica Federal (CEF) é, além de absurdo, por estar totalmente fora da realidade do País e do próprio banco, um prêmio à incompetência. Sou correntista da CEF como pessoa jurídica e o serviço é péssimo em todos os aspectos do atendimento, nas agências, nos caixas eletrônicos e no internet banking. Ou seja, a diretoria da Caixa não está nem aí para os clientes. Essa é mais uma prova de que empresas estatais não funcionam.

PAULO F. BARCELLOS

pfbarcellos@gmail.com

São Paulo

Corrupção

Primeiro foi o “mensalão”, depois o “petrolão” e agora, na CEF, começou o “caixão”?

GERALDO MODESTO DE MEDEIROS

gmm1931@hotmail.com

São José do Rio Preto

PRIVATIZAÇÃO

Leilão no Metrô

O aspecto positivo do polêmico leilão de operação e manutenção das Linhas 5 (Lilás) e 17 (Ouro/Monotrilho) é que a partir de agora o consórcio vencedor vai pressionar o governo Alckmin a finalizar a entrega de algumas estações. Afinal, o lance vencedor foi em torno de R$ 550 milhões e as receitas previstas são da ordem de R$ 10,8 bilhões nos próximos 20 anos de concessão. Ganham a iniciativa privada, o governo do Estado e, principalmente, a população paulistana usuária, que passará a contar com um transporte de massa rápido e de qualidade.

MARCOS ABRÃO

m.abrao@terra.com.br

São Paulo

Greve didática

Em São Paulo os metroviários demonstraram que a privatização do Metrô – inteiro! – é a solução. Quem for eficiente vai continuar no emprego, quem não for sairá. Os grevistas receiam demissões ou querem emprego, em vez de trabalho?

CARLOS A BORGES

borges.ca@gmail.com

São Paulo

ELEIÇÕES

Estado lindo?

Parece que de nada adiantou o recado dado pelos paulistanos ao prefeito João Doria, no ano passado, para que deixasse de almejar a Presidência da República em detrimento da administração municipal, o que levou à violenta queda de sua popularidade. Ao que tudo indica, o alcaide agora está de olho no governo do Estado. E seu projeto Cidade Linda vai para a pasta de “projetos sem acabativas”.

JOSÉ MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

Bom exemplo

José Serra diz que não concorrerá a nada neste ano. Outros políticos deviam seguir o exemplo.

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

“Isso é o que realmente podemos chamar de a volta de quem não foi”

VIRGÍLIO MEALHADO PASSONI / JANDAIA DO SUL (PR), SOBRE O LANÇAMENTO DA CANDIDATURA DE FERNANDO COLLOR DE MELLO À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

mmpassoni@gmail.com

“Então, Collor anuncia que vai disputar a Presidência neste ano? Ah, ah, ah, que sem noção! Não tem 

para ninguém, já é a piada do ano! Ah, ah, ah...”

RICARDO C. SIQUEIRA / NITERÓI (RJ). IDEM

ricardocsiqueira@globo.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

O governo tem R$ 30 bilhões para aprovar a reforma da Previdência. Esse é o dinheiro da chantagem parlamentar, referente a restos de emendas parlamentares e novas emendas. Valor que será pago para tentar aprovar algo que é de extrema importância para o País. É um tapa na cara do brasileiro, quando o presidente vem a público fazer candidamente este anúncio, admitindo a ação destes senhores como se fosse algo perfeitamente normal! Vergonha! Até quando teremos de suportar tanta desfaçatez?

Cesar Araujo cesar.40.araujo@gmail.com    

São Paulo

*

O CONGRESSO E A REFORMA

Se um presidente de República não tem competência para convencer o Congresso Nacional da necessidade de uma reforma legal que salvará a Nação e se o Congresso Nacional não tem competência para entender a necessidade de proceder com tal reforma legal para salvar a Nação, a solução é extirpar ambos. Já ou nas próximas eleições.

Ligia Maria Venturelli Fioravante lmfiora@uol.com.br   

São Paulo 

*

'TOMA LÁ, DÁ CÁ' 

O Congresso votará a reforma da Previdência assim que acabar o último vintém destinado ao toma lá, dá cá.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br    

São Paulo

*

DEMOCRACIA DA CHANTAGEM

O governo deveria trocar o verbo "convencer" por "comprar" parlamentares quando diz ter R$ 30 bilhões para aprovar a reforma da Previdência. A não ser que deputados e/ou senadores de partidos nanicos somente consigam aprovar verbas na base da barganha. Aí vem a pergunta: que regime é este? Por acaso a democracia da chantagem? Vergonhoso!

João Israel Neiva jneiva@uol.com.br   

São Paulo 

*

CONTA AMARGA

Michel Temer anuncia que a reforma da Previdência custará R$ 30 bilhões... Quase R$ 100 milhões por voto, será este o preço de cada político? Isso é chantagem, assim como a indicação de diretores para a Caixa com salários de quase R$ 90 mil mensais, dos quais a metade deve ir para quem o indicou, razão da não realização de concurso público para o cargo. O coração do Brasil está podre, os ventos da capital federal acabam contaminando os governos estaduais e já vemos vários Estados falidos como o Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul e muitos outros vivendo de migalhas arrecadadas por Estados produtores e distribuídas pelo governo federal. Cadê a transposição do Rio São Francisco? Ela foi iniciada há mais de uma década a um custo absurdo e poderia trazer progresso, empregos e renda à população sofrida do Nordeste brasileiro. O gato comeu o dinheiro? É lógico que não foi o gato, mas os gatunos de plantão. Aviso de um vidente: nenhum "privilégio" dos políticos, agora apelidado de direito adquirido vai ser afetado pela reforma da Previdência e Lula jamais será preso porque os gritos e o eco das celas seriam insuportáveis. Vai Brasil, meio devagar, pois os burros que puxam a carroça já estão no limite.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br   

São Paulo 

*

PPP

Vivemos realmente no "País da Piada Pronta" (PPP). 1) O governo não tem dinheiro, mas os cofres estão abertos para políticos que votarem com o governo no Congresso. Não fez nada para reduzir seu déficit, mas insiste em mudar a Previdência, que seria a única causa desse rombo! Pau nos aposentados! 2)A Caixa, banco dos pobres, sucumbe aos desmandos! Pretende-se que FGTS (dos trabalhadores) a socorra! Apesar de tudo, a Caixa estuda aumento de 37% para seus vice-presidentes (leia-se: políticos)! Funcionários de carreira: aumento de 2,75%! Vergonha!

Regina Souza juguimar@uol.com.br   

São Paulo

*

NÃO TEM FIM

Só para entender: "O Congresso aprovou novas normas para nomeação de dirigentes da Caixa Econômica Federal, não podendo mais ser por indicação política". Agora que afastaram alguns por condutas suspeitas os políticos não admitem de forma alguma perder o domínio sobre a estatal. Por que será? O pior é que não sentem o menor constrangimento. Que tempo vivemos...

Luiz Frid  luiz.frid@globomail.com   

São Paulo

*

FUNDO DO POÇO

Com as notícias diárias sobre a corrupção e a roubalheira que imperam no País, é bom saber que ela ainda não chegou ao fundo do poço, porque roubaram o poço!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br   

São Paulo 

*

NÃO É FESTA

Se reforma fosse para agradar todo mundo, não tinha esse nome, se chamaria festa. 

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com   

Santana de Parnaíba

*

ISTO É REAJUSTE?

Temer brindou a todos nós, aposentados, com o "enorme" reajuste de 2,07% nas aposentadorias, mesmo tendo a inflação ficado em 2,95% ao ano. Portanto, sua reforma da Previdência já começou com este achatamento vil tendo como alvo a lenta morte dos atuais aposentados. Mas Michel Temer vai arcar com seus atos assim que seu mandato findar, em 2018, quando terá de responder por seus crimes cometidos, mesmo tendo comprado votos no Congresso para permanecer no poder apesar de todas as provas contra ele apresentadas por Rodrigo Janot. Aí veremos o que é justiça, com Temer e Lula juntos na Papuda.

Boris Becker borisbecker@uol.com.br  

São Paulo

*

CONFISCO

Aposentei-me em 27 de abril de 1984, depois de ter trabalhado 39 anos no serviço público. Em 2003, época do nefasto governo Lula, fui surpreendido com a Emenda Constitucional (EC) 41/2003, denominada a EC do Confisco, passando a ser confiscado todos os meses com o desconto de R$ 2.369,76, voltando a pagar Previdência. Esse confisco foi a maior roubalheira criada por esta praga conhecida por Lula. Portanto, cuidado com ele! 

Newton Faro newtonfaro@yahoo.com.br  

Rio de Janeiro

*

ESCÂNDALO NOS FUNDOS

Passar o País a limpo é o desejo de todo cidadão brasileiro. Não há como apoiar qualquer reforma na Previdência sem que se cortem com urgência os altos salários e o famigerado auxílio-moradia que até policiais militares recebem. Um dos segmentos que deve ser devassado são os fundos de pensão das estatais, saqueadas no governo anterior. Só na Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, foram R$ 200 milhões, e ninguém responde ou foi responsabilizado por este roubo ao participante. Isso sem falar que naquele fundo os diretores recebem bônus milionários de R$ 500 mil anuais, mesmo a entidade não tendo fim lucrativo e com déficit em quatro exercícios. No mínimo, ilegal e imoral. O teto fixado por eles para suas aposentadorias é de R$ 54 mil, muito acima do constitucional. Assim, com apenas três anos de contribuição, levam para toda a vida esses salários milionários. Um escândalo! No governo passado, dito "dos trabalhadores", retiraram R$ 8 bilhões dos participantes para que o patrocinador pagasse mais dividendos ao governo. Com base num normativo da Previc, que contraria leis ordinárias. Mas na questão do teto salarial não respeitaram a Previc! Tudo isso sob a omissão do Banco do Brasil, do governo e controlador, da Previc e do Ministério Público. Os aposentados e pensionistas estão tendo pesadelos, pois ainda não se sabe o real valor do prejuízo. Outros fundos já apontam prejuízos bilionários e petroleiros e economiários estão sendo obrigados a cobrir o rombo cujos autores permanecem impunes! Cadê a Polícia Federal e o Ministério Público? 

Elaine Maria H. Santos hcampagnucio@hotmail.com   

Brasília

*

LEGISLATIVO ZERO PONTO ZERO

Enquanto empresários do setor privado, pagadores dos impostos que sustentam a Nação, ensaiam modernizar suas plantas, adquirindo equipamentos de ponta - robôs, mini robôs, sistemas integrados, exoesqueletos auxiliares na linha de produção, internet das coisas, etc. - com o propósito de reduzir custos, melhorar a produtividade, poupar a saúde dos operários e integrar à "indústria 4.0" suas plantas ("Estadão", 15/1), do outro lado vemos um Poder Legislativo disfuncional, arcaico, improdutivo, perdulário e desprovido de representatividade, onde veem com exasperante naturalidade um suplente de senador (que não recebeu um único voto) auferindo R$ 67,5 mil pelo exaustivo "trabalho" de uma única semana - caso de Wirlande da Luz (MDB-RR) em 2016 (15/1, A5). Fora isso, o custo das Casas Legislativas para o contribuinte é, seguramente, o maior do mundo, com servidores apadrinhados, sem concurso ou qualificação, mas obtendo gordos vencimentos que serão levados para a aposentadoria, aprofundando os déficits da Previdência que eles fazem de conta que não existe. Na mesma edição do dia 15/1, o "Estado" dá duas notas igualmente exasperantes: 1) a de que "comissões especiais" na Câmara têm um custo superior a R$ 13 milhões/ano - em geral para muito pouco ou quase nada; e 2) a de que desde 2015 as excelências fizeram nada menos que 1.400 viagens oficiais - 90% para o exterior, que ninguém é de ferro! -, turismo parlamentar ao custo de quase R$ 8 milhões arrancados dos contribuintes, excursões que incluíram países como Geórgia e Cazaquistão. O que foram fazer/aprender nesses locais o povo (que paga a conta) desconhece. Mas o dinheiro, estimo, deve ter sido "bem gasto", se é que me faço entender... De um lado, o setor privado, dinâmico, integrando-se à "Revolução 4.0" e reduzindo custos; de outro, um Legislativo "zero ponto zero", desafiando a cidadania e exaurindo a paciência dos eleitores e os recursos da Nação. Até quando?

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com   

São Paulo

*

ORGIA DAS PASSAGENS 

O nosso Brasil só será uma nação desenvolvida se os nossos dirigentes do Executivo, Legislativo e Judiciário derem um fim à orgia permitida no uso dos recursos dos contribuintes. Este é um fato que nossa imprensa vem denunciando há tempos, sem que se tomem medidas moralizadoras. E, para indignar ainda mais, o "Estadão" nos revelou há alguns dias que a Câmara dos Deputados paga aos parlamentares passagens na primeira classe no valor de até R$ 45 mil, ou 48 salários mínimos, para viagens aos EUA, ao leste europeu, à Ásia, etc. Um escândalo! E que, entre 2015 e 2017, a Casa patrocinou a compra de 1,4 mil passagens, ao custo de R$ 7,6 milhões (ou 8,1 mil salários mínimos). Só o radical deputado Jair Bolsonaro, por causa de sua pré-campanha para o Planalto, entre 2015 e 2016, gastou em passagens pagas pelo contribuinte R$ 362 mil, ou 386 salários mínimos! Se tivesse dignidade institucional, Bolsonaro deveria usar recursos do seu próprio bolso. Também sem se importarem com os gastos públicos, os parlamentares da Câmara e do Senado utilizam centenas de milhões de reais de verbas parlamentares sem que sejam fiscalizados devidamente. Isso faz desta pátria a terra dos especiais, os privilegiados servidores públicos do alto escalão. Sem ruborizar, eles recebem auxílio-aluguel de quase R$ 5 mil por mês; auxílio-paletó porque, com os salários que recebem (em torno de R$ 33 mil), dizem não poder comprar suas roupas para ir ao trabalho. Coitados. Fico pensando o que fariam estes esnobes, ou exploradores da Nação, se, inclusive para sustentar sua família, eles recebessem o salário mínimo de R$ 937,00 por mês, como ocorre com mais de 20 milhões de dignos trabalhadores brasileiros...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com   

São Carlos

*

A MÁQUINA INCHADA

A crise fiscal que se observa em todas as máquinas do governo, tanto federal quanto estadual ou municipal, tem uma origem: inchamento da máquina administrativa, ou seja, folha de pagamento consumindo o orçamento. Isso tem uma origem cultural, uma prática antiga de que aumentando a população a máquina também tem de acompanhar na mesma proporção. Não se levam em consideração o progresso tecnológico e os avanços processuais. Somente algumas secretarias ou ministérios justificam o aumento, como Educação e Saúde. Mas os políticos aceitam essa argumentação?

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br   

Piracicaba

*

REINVENÇÃO

Da esclarecedora entrevista da talentosa economista Ana Carla Abrão Costa ao "Estadão" ("Temos de reinventar a máquina pública", 17/1, B7), cabe destacar os trechos a seguir reproduzidos: "A regra de ouro é o último pilar que nos resta de responsabilidade fiscal. (...) No Brasil, as corporações, que têm seus subsídios, suas benesses, seus privilégios, dominam o processo. Há focos de resistência (às reformas) tão grandes na máquina pública que a sociedade não consegue quebrá-los. Nós precisamos quebrar esse processo. A gente precisa reinventar a maquina pública. (...) Tenho uma opinião muito radical em relação aos cortes nas contas do governo. Tem muito espaço para corte, porque a máquina é ineficiente. Nunca vou me convencer de que não há espaço para corte. O governo gasta muito e gasta mal. Há espaço também para alocar de forma mais eficiente os recursos economizados com os cortes. Não falta recurso neste país. Falta gestão, falta eficiência e falta alocar direito os recursos. Então, dá para cortar mais". A esta altura dos acontecimentos, a menos de um ano das decisivas eleições de outubro, suas palavras não poderiam soar mais contundentes e oportunas. É de profissionais assim que o País precisa para emergir do buraco negro sem fundo em que foi jogado pelo desastroso e sórdido desgoverno cleptolulopetista. O País tem jeito. Vira o jogo, Brasil!

J. S. Decol decoljs@gmail.com   

São Paulo

*

O ACORDO DA PETROBRÁS

A Petrobrás fez, recentemente, um acordo bilionário na Justiça norte-americana para encerrar a questão judicial contra ela. Quem deveria pagar este acordo são os que se beneficiaram da corrupção: os partidos políticos brasileiros envolvidos e, principalmente, o PT e o PMDB. Este acordo implica diminuir o resultado da Petrobrás nos balanços e, consequentemente, uma menor distribuição de dividendos. Quem vai ressarcir o acionista, em particular o brasileiro, que tem ações ou aplicação em fundos com ações da Petrobrás? O investidor norte-americano, com este acordo, está de alguma forma sendo indenizado. Mas e o brasileiro?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com   

Rio de Janeiro

*

SERRA E DORIA

Sabiamente José Serra afirma que não concorrerá nas próximas eleições. Por nunca ter terminado nenhuma gestão para a qual foi eleito, apesar de ter feito um bom trabalho, sabe que perderia de novo. João Doria, mais uma vez, ficou empolgado com a notícia, conforme diz o "Estadão" (19/1, A6), e, portanto, se anima em concorrer para governador, agora não mais para presidente. A pressa, prefeito, é inimiga da perfeição. Convoco a todos que votaram nele a não votarem outra vez (ainda não aprendemos a olhar o vice quando votamos!). Ele está começando a fazer um bom trabalho e precisa continuar. Precisamos ensinar a esses políticos que manter a palavra dada é necessário, considero isso também estelionato eleitoral. Prefeito Doria, para isso foi eleito e São Paulo merece!

Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com   

São Paulo

*

BOM SENSO 

O bom senso de José Serra, que tem mais cinco anos de mandato como senador - posto em que pode contribuir, e muito, para mudanças institucionais, como as que regulam as regras do sistema eleitoral -, renunciando sua candidatura a cargos executivos nas eleições deste ano, deveria sensibilizar João Doria a cumprir os três anos que tem à frente da administração de São Paulo - cidade que requer, e muito, uma administração eficaz, com continuidade, para a modernização e eliminação de velhos hábitos e conluios, como na rede de transportes.

Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com     

São Paulo

*

GREVE DO METRÔ

O editorial do "Estadão" "Reféns de agitadores políticos" (19/1, A3), mais uma vez defendendo os direitos dos cidadãos, expõe a irresponsabilidade de meros agitadores políticos convertendo a população em refém de seus interesses. Este fato só veio a comprovar a necessidade urgente da realização do leilão de concessão à iniciativa privada das linhas 5 (Lilás) e 17 (ouro). Só assim ficaremos livres destes irresponsáveis dirigentes do Sindicato dos Metroviários, apoiados pelo PT, centrais sindicais, partidos da esquerda e movimentos de baderneiros em geral, cuja finalidade é sempre tumultuar o País. Graças à Linha 4 (amarela), que é administrada pela iniciativa privada, não tivemos o caos total nos transportes. Portanto, privatização já, para o bem da população ordeira e trabalhadora de São Paulo, que não é adepta do quanto pior melhor.

Edson Baptista De Souza baptistaedson384@gmail.com  

São Paulo

*

PRIVATIZAÇÃO

Que os brasileiros vejam, com a paralisação do metrô paulistano, o que é uma empresa estatal - "está tal" como a esquerda e alguns "políticos" querem - e o que é uma empresa privada. Só funcionou a Linha 4 (amarela), que não é estatal. E, ainda, verifiquem quem são as entidades e partidos políticos que, sem se importarem com o sofrimento e prejuízo causados, apoiaram o "movimento" que prejudicou toda a cidade e os que nela trabalham de verdade. E escolham e apoiem toda e qualquer privatização que os governos de bom senso procurem fazer.

José Etuley B. Gonçalves etuley@uol.com.br    

Ribeirão Preto

*

INTERFERÊNCIA DESORGANIZADA

Temos lido e ouvido inúmeras interferências do Judiciário dizendo como "os outros" devem agir. Quem vai dizer ao Judiciário que ele deve seguir os prazos regimentais para decidir os processos sob sua alçada? Tenho simples processo de dissolução de condomínio em tramitação há mais de 17 anos!

Alfredo Guilherme Madeira  cortecampos@dglnet.com.br  

Conchal  

*

EDUARDO CUNHA: 386 ANOS DE CADEIA

Eduardo Cunha condenado a 386 anos de cadeia! O temido ex-presidente da Câmara deverá ficar preso até o ano de 2404. Nosso bandido favorito é um "Highlander". Quando sair da cadeia, vai concorrer com Lula à presidência da "Terra do Nunca", como o antigo Brasil será conhecido, por ser o lugar onde nunca nada dá certo. Sérgio Cabral, condenado a 428 anos, sai da cadeia em 2446! Tudo encenação, logo, logo estarão soltos e candidatos em 2026! Não é, Gilmar?

  

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com   

Porto Alegre 

*

TRUMPICES

O presidente dos Estados Unidos insiste em gastar bilhões na construção de uma cerca na fronteira com o México. Seria mais inteligente arrecadar com multas aos americanos que vendem e aos que usam as drogas que "vienem de México". Mas isso não seria favorável à imagem dele (que é o que lhe importa).

Mário A. Dente eticototal@gmail.com  

São Paulo

*

A PRESIDÊNCIA DOS EUA

Donald Trump diz que venceria Oprah Winfrey em eleição para presidente, e venceria mesmo, desde que contratasse os criadores dos "fake news" da Rússia.

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com   

Itapetininga

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.