Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2018 | 03h08

ELEIÇÕES

Circo de horrores

A trupe dos horrores está sendo montada. O mais novo integrante é Fernando Collor de Mello, que vai juntar-se a Lula, Jair Bolsonaro, Marina Silva, Ciro Gomes, Roberto Requião, Manuela d’Ávila e Rodrigo Maia, todos ávidos por capitanear uma nau que está fazendo água e querendo aparecer como os salvadores da pátria. Que Deus continue a proteger o povo brasileiro!

J. A. MULLER

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

Geringonça

Em que outro país minimamente civilizado deste planeta um cidadão condenado por crimes de corrupção praticados a partir de seu primeiro mandato como presidente da República e réu em várias outras ações pela prática dos mesmos tipos de crime tem a coragem, o despudor, a sem-vergonhice de se apresentar e, o que é pior, ser-lhe permitido apresentar-se como candidato a um novo mandato para o mesmo cargo? Só nesta geringonça chamada Brasil.

JOSÉ CLAUDIO MARMO RIZZO

jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

Doria e a mosca azul

De tanto ouvir analogias entre política e esporte – herança da pobreza de formulação de Lula –, até analistas calejados cedem à tentação simplória de achar que a trajetória de João Doria deve obedecer à lógica do futebol. Quem disse que a Prefeitura da capital é série B e o governo do Estado é série A? Ademais, o tucanato paulista consagra as prévias assim como o Vaticano celebra no conclave a escolha do papa. Se Doria atravessar o rito, ficará evidente a morte do gestor e o nascimento do oportunista. Para o bem de Geraldo Alckmin e do PSDB, o prefeito tem de entregar o prometido e mostrar a que veio. Quadros, aliás, o PSDB paulista tem muitos.

FERNANDO DOURADO FILHO

douradofernando372@gmail.com

São Paulo

De responsabilidades

A opinião emitida no editorial A responsabilidade do eleitor (20/1, A3) chama a atenção para o óbvio: o cuidado que o eleitor deve ter na escolha de seus representantes. Mas como fazer isso num sistema eleitoral em que você vota num candidato e pode eleger outro? E até de outro partido? Num sistema em que o eleito nem bem recebe seu mandato e já é convidado para assumir um cargo no Executivo, sendo automaticamente substituído por um suplente, em quem o eleitor não votou, nem o conhece? Em que a verba para campanha é gasta em ações vazias de conteúdo, santinhos e equipes de cabos eleitorais que vendem os candidatos tal qual uma promoção de pizza? Precisamos é de voto distrital, de campanhas mais econômicas e com maior envolvimento direto do candidato, maior proximidade eleitor e eleito e possibilidade de aplicar um cartão vermelho antes do fim do mandato naqueles que se mostrarem incompetentes ou infiéis aos seus eleitores.

CARLOS DE OLIVEIRA AVILA

gardjota@gmail.com

São Paulo

Não nos representam

Acerca do editorial A responsabilidade do eleitor, segundo pesquisa divulgada pela Big Data, 84% dos entrevistados afirmaram que o Congresso Nacional não representa o povo brasileiro. A mesma pesquisa mostra que 79% dos eleitores não são capazes de dizer o nome dos parlamentares que foram eleitos por eles. Eleição é coisa seria, seriíssima. Porém grande parte dos eleitores, em sinal de protesto, vota em branco ou anula seu voto, outros votam por gozação, como foi feito nas duas últimas eleições, quando um candidato semianalfabeto foi eleito com a única intenção de ser puxador de votos, levando para Câmara mais quatro deputados inexpressivos, artimanha essa criada pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto, que foi julgado e condenado no escândalo do mensalão a sete anos e dez meses de prisão. Cinco anos depois de ter sido condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro nesse processo, Valdemar Costa Neto, do PR, continua dando as cartas em Brasília e circula pelos principais eixos de poder da capital. O Tribunal Superior Eleitoral, agora, a partir do dia 6 de fevereiro, passará a ser presidido pelo ministro Luiz Fux, do Supremo. Penso que com essa nova presidência o TSE, usando de suas prerrogativas institucionais, deveria fazer uma ampla e contínua campanha pelos meios de comunicação social, de modo especial pela televisão, até as eleições, chamando a atenção dos eleitores para a sua grave responsabilidade de eleger com seriedade os seus representantes no Parlamento. Aqueles que lá estão é porque foram eleitos pelos brasileiros. Depois estes não venham dizer que não estão sendo representados...

JOSÉ CARLOS DE CASTRO RIOS

jc.rios@globo.com

São Paulo

CORRUPÇÃO

Lula e seus cúmplices

Advogado da ONU vai a julgamento (20/1, A6). O sr. Geoffrey Ronald Robertson, além de representante do Lula na Comissão de Direitos Humanos da ONU, é declaradamente seu admirador e apoiador inconteste. A legião de pessoas cultas, inteligentes, intelectuais, profissionais liberais, diplomatas e artistas entusiastas, adoradores e sequazes do demiurgo de Garanhuns é de causar abespinhamento, perplexidade e incredulidade nos brasileiros de bem. Elas podem perfeitamente ser rotuladas de cúmplices dos roubos vultosos e escandalosos dos bens do Estado perpetrados por Lula e petistas durante os 13 anos dos governos do PT, conforme decisões da Justiça e trâmites processuais. O consolo é que elas não representam mais que 30% da nossa população ativa e capacitada ao sufrágio. Os três ínclitos desembargadores da 8.ª Turma do TRF-4, no próximo dia 24, em face da primorosa decisão, em primeira instância, do juiz Sergio Moro, com provas contundentes e irrefutáveis, devem concluir pela condenação de Lula e criar condições para sua prisão. Nossos aplausos.

JUNIOS PAES LEME

junios.paesleme@outlook.com

Santos

Ladrão de casaca

Larápio gente fina é outra coisa. O advogado de Lula na ONU e conselheiro da rainha da Inglaterra, quiçá regiamente pago com dinheiro desviado dos nossos cofres públicos, virá ao julgamento no TRF-4 para se certificar da garantia dos direitos humanos do cliente. Que é julgado justamente por não ter-se preocupado com os direitos humanos básicos dos que mais se prejudicaram com seus desvios.

EDISON RIBEIRO PEREIRA

edisonribeiro@hotmail.com

São Paulo

FEBRE AMARELA

Idosos

Como os idosos não podem ser vacinados, combinaram com os mosquitos para não picá-los?

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

“Sérgio Cabral, que ainda não se reconhece como o grande ladrão que é, foi algemado não por risco 

de fuga, mas para evitar que batesse a carteira dos policiais da escolta”

CELSO FRANCISCO ÁLVARES LEITE / LIMEIRA, SOBRE A TRANSFERÊNCIA DO RIO PARA CURITIBA DO CONDENADO 

A MAIS DE 80 ANOS DE PRISÃO 

celso@celsoleite.com.br

“É, o chefe da gangue dos guardanapos na cabeça se deu mal”

ROBERTO BRUZADIN / SÃO PAULO, IDEM

bobbruza@terra.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

AS ESTATAIS, O ESTADO E A REFORMA

O presidente Michel Temer afastou 4 dos 12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal (CEF), investigados pelo Ministério Público Federal (MPF), e o conselho da instituição se prepara para assumir a tarefa de nomear e demitir esses dirigentes, ficando a cargo do governo indicar só o presidente. A indicação de políticos para os postos executivos já trouxe muitos problemas, como o do ex-deputado e ministro Geddel Vieira Lima, hoje preso por causa das malas e caixas com R$ 51 milhões, e o de muitos outros. Isso demonstra a inconveniência do governo de atuar como empresário da área econômica. Movimentando bancos e empresas com grande numerário, o quadro estatal torna-se presa fácil dos políticos que ali nomeiam seus apadrinhados ou a si próprios e acabam não resistindo à tentação da corrupção. Isso sem falar que a administração estatal costuma ser perdulária e ineficiente, gerando prejuízos ao Tesouro. As estatais só se justificavam na época da implantação da infraestrutura brasileira, pois hoje seus serviços seriam mais bem prestados pela iniciativa privada. Não fôssemos o paraíso das estatais, jamais teriam ocorrido o mensalão e os atos de corrupção em apuração pela Lava Jato e por operações similares. Não haveria uma classe política com a imagem tão emporcalhada. Mais do que as reformas da Previdência, tributária e eleitoral, precisamos da reforma geral do Estado. Os governos devem ser apenas licenciadores e normativos. Ao Legislativo deve caber a discussão e votação das leis, além da fiscalização independente dos atos do Executivo. E ao Judiciário, a tarefa de resolver as contendas.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br 

São Paulo

*

MAIS DO MESMO

Onde houver a combinação de dinheiro público e nomeação política haverá corrupção. Depois da Petrobrás comandada por Dilma Rousseff, chegou a vez da Caixa Econômica Federal, onde Geddel Vieira Lima atuou como um dos presidentes. O Brasil precisa criar vergonha na cara e proibir toda e qualquer indicação política para cargos técnicos. É evidente que esse expediente é um dos mais usados para desviar dinheiro público de forma sistemática e ininterrupta para abastecer os cofres dos partidos políticos. A roubalheira começa com a extorsão dos partidos que vendem os votos em troca de nomeações para cargos com alto potencial de desvio de dinheiro. Alguém duvida de que os esquemas descobertos na Petrobrás serão encontrados na CEF e em todas as empresas do governo que forem investigadas? 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br   

São Paulo

*

A PROPÓSITO...

Pelo visto, os R$ 51 milhões de Geddel Vieira Lima encontrados no apartamento em Salvador (BA) já caíram no esquecimento. Pobre Brasil. 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com  

Jandaia do Sul (PR)

*

TEM DE APURAR, VIU?

O Ministério Público Federal requereu ao governo, na semana passada, o afastamento de todos os vice-presidentes da Caixa, por "suspeita" de irregularidades atribuídas a executivos. No entanto, o presidente Michel Temer não atendeu integralmente à recomendação. Foco de operações que apuram desvio de recursos, a Caixa mantém no seu comando cinco dirigentes sob suspeita de envolvimento em esquemas de corrupção, entre os quais seu presidente, Gilberto Occhi, e quatro vice-presidentes, alvos de investigações, supostamente envolvidos nas Operações Sépsis, Cui Bono? e Patmos, conduzidas pela Procuradoria em Brasília. Mensagens e documentos sob análise dos investigadores indicam que os dirigentes auxiliaram o grupo do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) e do ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) a viabilizar operações do banco nas quais teria havido suborno. Tem de afastar, apurar e manter isso (apuração), viu?

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net  

São Paulo

*

FALTA CORAGEM

Em meio a tantas críticas, falta ao presidente Temer a coragem dos estadistas de enfrentar o sistema corrupto e apodrecido que se mantém no poder há 30 anos em nosso país. Mesmo com toda a suspeição, ele insistiu em manter no governo amigos e aliados, alguns já presos, que mostram total falta de respeito e consideração pelo povo que brada nas ruas e redes sociais por uma limpeza ética na política brasileira. Em busca de "apoio", falta total sintonia com o povo, que realmente é quem lhe deveria dar o apoio necessário. Os casos recentes da nomeação da ministra do Trabalho, abortada pela Justiça, filha de um dos envolvidos no mensalão do PT e criminoso condenado, e dos dirigentes da Caixa Econômica Federal (vice-presidentes) envolvidos pelo menos em suspeitas de corrupção, com manifestação do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União (TCU) para que não se mantivessem tais elementos nos cargos, provam que o sr. presidente não tem qualquer compromisso com a ética, o combate à corrupção e a moralidade pública. Diferentemente de Itamar Franco, também vice, que assumiu o cargo porque também o presidente eleito fora afastado, por corrupção. A qualquer suspeita de corrupção, o sr. Itamar afastava o dirigente até que a apuração terminasse. É isso que deve fazer um homem público. Um presidente tem de ter compromisso com o povo e com o País, e não com um grupo que lhe "dá apoio". Mais uma vez nós, que lutamos por um país sem corrupção, que não tenha privilégios como auxílios-moradia (antes de qualquer reforma da Previdência Social, é preciso acabar com os auxílios e cumprir a Constituição quanto ao teto de remuneração!) e que seja um lugar mais justo e decente para nossos filhos, consideramos essas nomeações um tapa na cara de cada cidadão brasileiro.

Elaine Maria Holanda elainerenatac@bol.com.br  

Brasília

*

LIXÃO DE BRASÍLIA

Quanto vi a notícia de que será fechado o lixão de Brasília, fiquei contente, mas logo depois me decepcionei. Não era o lixão do cambalacho nacional, cuja podridão infecta o País inteiro. 

Laércio Zanini spettro@uol.com.br  

Garça 

*

DIFÍCIL DE MUDAR

Agora dá para saber por que Michel Temer, quando assumiu a Presidência, não pediu um relatório das estatais para revelar o estrago feito pelo PT. É que o PMDB, do qual ele é um dos líderes, está envolvido "até o pescoço" em todas as falcatruas. Fica difícil de acabar com a impunidade!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com  

São Paulo

*

CADA UM NA SUA

O PT roubou a Petrobrás e o PMDB roubou a Caixa Econômica. Bando de ladrões!

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

QUANTAS EMBRAPAS A DESCOBRIR?

O povo brasileiro nunca gostou do MST, por isso mesmo o ex-presidente "Lulla", em campanha para reeleição em 2006, categoricamente se manifestou contrário a esses foras da lei que invadem e destroem fazendas, produtivas ou não. Mas nos bastidores tudo estava sendo articulado para desenvolver a "agricultura familiar", cujos beneficiários da reforma agrária não sabem distinguir entre erva daninha e cebolinha. No entanto, nos governos "lullopetistas", se não fosse o agronegócio, já teríamos quebrado no nível da Venezuela. Portanto, nenhuma novidade que tenham transformado a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) - "Estadão", 12/1, A3 - num puxadinho do MST, demitindo mais de 10 mil pesquisadores e trocando-os por ideólogos. Resultado? O Brasil, antes denominado "celeiro do mundo", não passará de um emaranhado de favelas rurais. E, pelo jeito, no atual governo Temer a coisa terá continuidade e a Embrapa, relegada ao peleguismo inoperante e inconsequente. Continuaremos atrasados décadas, em comparação com outros países exportadores. Quanto mal o PT ainda deixará rastreado pelo País afora? Quantas Embrapas ainda a descobrir?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br  

São Paulo

*

BANCOS X JUROS ABUSIVOS

Enquanto o Banco Central faz vista grossa para os bancos privados, que cobram juros exorbitantes, coisa de 323,7% ao ano, podendo chegar a 410,4%, no caso do crédito rotativo, os banqueiros deitam e rolam com os lucros faraônicos demonstrados a cada trimestre. Enquanto tudo vai mal no País, para eles é melhor: captam dinheiro a preço de banana e nos emprestam cobrando o maior juro do planeta. E, ainda por cima, não pagam impostos. Seguem direitinho a cartilha do armador grego Onassis: trabalham com o dinheiro alheio e não pagam impostos. Assim, até nós, né não?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uoil.com.br  

São Paulo

*

O JULGAMENTO DE LULA

O julgamento do ex-presidente Lula, marcado para quarta-feira, cada dia apresenta um fato que justifica a preocupação de todos os que estão desejando uma atuação tranquila em todos os sentidos. A cada momento surgem indicativos até de ameaças aos juízes, numa caracterização de pressão contra os que não aceitam a ação que está sendo proposta. Um fato é concreto, ou seja, temos de acreditar no nosso pontos de vista e em que a democracia prevalecerá, com um julgamento sério e tendo base jurídica, e não política.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br  

Santos

*

AFRONTA ÀS INSTITUIÇÕES

A senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), demonstra bem seu desprezo por nossas instituições. Não somente porque é investigada na Operação Lava Jato por desvios de recursos públicos, mas por incitar a violência caso Lula seja condenado também em segunda instância esta semana, pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4). Em entrevista ao site "Poder 360", Gleisi zombou de nossa Constituição e do Estado de Direito afirmando: "Para prender Lula, vai ter de prender muita gente, mas mais do que isso, vai ter de matar muita gente". Como dirigente do PT, nenhuma surpresa, já que sua fala é compatível com a vocação incendiária do partido. Mas difícil é engolir que no Parlamento desta República exista uma figura tão ralé e desprezível como esta senadora.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com  

São Carlos

*

AUSÊNCIA DE SENSO

Depois de lançar a gravíssima ameaça de que, "para prender Lula, vai ter que matar muita gente", a polêmica e famigerada presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), disse, sem corar, que o presidente do TRF-4, de Porto Alegre, Carlos Eduardo Thompson Flores, "não tem como condenar o ex-presidente, por absoluta ausência de provas, aliás, ausência de crime". Diante da absurda declaração, só resta dizer que se trata de absoluta ausência de senso do ridículo e de qualquer traço evidente de vergonha na cara, pois não? Como se vê, cada partido tem os políticos que merece. Haja estômago!

J. S. Decol decoljs@gmail.com  

São Paulo 

*

TELHADO DE VIDRO

A senadora Gleisi Hoffmann e presidente nacional do PT está extrapolando nas críticas ao sistema judiciário brasileiro e incitando a violência no caso do julgamento do ex-presidente Lula, esquecendo-se de que é ré, juntamente com seu marido, Paulo Bernardo, em processo que apura desvio de dinheiro público. O que o Supremo Tribunal Federal (STF) está esperando para colocar esta desvairada senadora no seu devido lugar?

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com  

Avaré

*

INSURGENTES

Ao se insurgirem contra o julgamento de Lula, os petistas pretendem um movimento separatista e proclamar uma nova República!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com  

Campinas

*

ERRADO É O MUNDO

Lula, sem sombra de dúvidas, é o modelo inspirador daquela piada do indivíduo que teve seu bigode lambuzado de m... por seus amigos enquanto tirava uma soneca. Ao acordar, sentiu o mau cheiro e começou a procurar pela casa onde estaria o foco do fedor. Não o encontrando, chegou à rua, mas o fedor continuava. Não teve mais dúvidas e proclamou solenemente: "Defecaram no mundo!".

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br  

Itanhaém

*

FIEL DA BALANÇA?

Se Lula for candidato a presidente este ano, a eleição será... ilegítima. Se Lula não for candidato, a eleição será... ilegítima! Como se explica que é Lula quem legitima ou ilegitima a eleição presidencial de 2018?

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br   

São Paulo

*

OS TÍTERES

Lula é o títere da esquerda, Jair Bolsonaro, o títere da direita. Agora poderemos ter Luciano Huck, títere do capitalismo, capitaneado no Brasil por Jorge Paulo Lehman e seus R$ 100 bilhões e pelo ex-intelectual da social-democracia Fernando Henrique Cardoso. Nós, os 144 milhões de eleitores, entraremos de palhaços nesta ópera bufa em que transformaram o Brasil.

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com  

Porto Alegre 

*

'MINI EPIDEMIA!'

A volta da febre amarela não deveria ser tratada como novidade pela população e pelas autoridades da área da Saúde do Estado mais rico e desenvolvido do País, São Paulo. Até o momento já foram contabilizados 40 casos no Estado, com 21 mortes por febre amarela silvestre e 19 infectados. Entre julho de 2016 e janeiro deste ano há registro de 2.491 primatas (macacos, bugios e outras espécies) mortos ou doentes. Desses, 617 animais estavam contaminados pela febre amarela. 61,5% estavam na região de Campinas. Isso só vem ocorrendo por desleixo das autoridades, pois desde 1942 o Brasil não registrava caso de febre amarela urbana. Os primeiros sintomas são: febre súbita, calafrios, forte dor de cabeça, dores no corpo, fraqueza e vômitos. A maioria das pessoas melhora depois, mas cerca de 15% desenvolvem a forma grave da doença após um intervalo de até um dia sem sintomas. Nesses casos, pode haver icterícia, que deixa pele e olhos amarelados (daí surgiu o nome da doença), hemorragia e insuficiência de órgão que leva à morte. A febre amarela teve mais incidência nas Américas do Sul e Central. São dois os tipos de mosquitos transmissores: nas florestas é o Haemagogus, e nas cidades o transmissor é o já conhecido Aedes Aegypt (o mesmo da dengue). O que torna o Aedes um mosquito criativo e brincalhão com a medicina. Em São Paulo, as filas para tomar a vacina são quilométricas e demoradas, porém vale a pena antecipar a campanha de vacinação prevista a ser feita em 53 municípios do Estado no dia 3 de fevereiro. Até lá muita coisa pode acontecer. As mortes ocorreram em locais diversos, nos municípios de Atibaia, Itatiba, Monte Alegre do Sul, Américo Brasiliense, Amparo, Batatais, Mairiporã, Nazaré Paulista, Santa Lucia e São João da Boa Vista. As cidades do ABCD não contabilizaram nenhum caso. Em São Caetano do Sul 1/3 da população foi vacinada contra a febre nos últimos anos deliberadamente, e por conta própria!

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com  

São Caetano do Sul

*

FEBRE AMARELA

A atual incidência de febre amarela provavelmente está ocorrendo pela redução de 33% da verba destinada a prevenir as epidemias entre nós. Isso mostra como a incúria de nossos dirigentes é responsável pelos problemas que vivenciamos, muitos deles, como no caso em tela, que poderiam ser evitados. Urge, assim, que no próximo pleito eleitoral elejamos novas e éticas lideranças, que saibam priorizar medidas corretas na gestão pública e que evitem a ocorrência de males evitáveis, como os que estamos sofrendo agora.

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com  

Rio de Janeiro

*

VACINAÇÃO

O esquema montado pelo governo para vacinar a população contra a febre amarela me inspirou a adaptar a letra de uma canção de Zé Ramalho: "Ê, ô, ô, vida de gado / Povo vacinado, ê / Povo infeliz".

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com  

Monte Santo de Minas (MG)

*

TELAS ANTIMOSQUITO

Dever-se-ia fornecer telas antimosquitos para as pessoas que não podem tomar vacina contra febre amarela: grávidas, idosos, pessoas sob tratamento, etc. Não é caro, é eficiente e costuma-se usar nos demais países afetados. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com  

São Paulo 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.