Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

13 Março 2018 | 03h00

SERVIÇO PÚBLICO

Dreno dos impostos

Pouco a pouco, graças às sucessivas reportagens do Estadão, o cidadão começa a entender por que o governo não tem dinheiro para hospitais, escolas, creches, segurança, estradas. Após ter lido que o governo gastou R$ 23 bilhões em 2017 com pagamento de bônus, ontem vi que os auditores, cujo salário inicial é de somente R$ 20.126, querem mais bônus, que alcançariam R$ 7 mil por mês! Tudo pago com impostos dos contribuintes que batalham diariamente para defender seu sustento e se garantir no emprego, o que não é o caso dessa casta. Até onde vai isso? A quem reclamar? Toda essa dinheirama é drenada para beneficiar uma minoria. Se nada for feito, e parece que não o será, fica a pergunta: este país tem jeito?

ADEMIR ALONSO RODRIGUES

rodriguesalonso49@gmail.com

Santos

Mordomias absurdas

E ainda por cima um terço da renda da elite dos servidores é isento de Imposto de Renda. Os nobres da corte de Luís XVI ressuscitaram? Cuidado, pois sabemos do triste destino que estes tiveram na Revolução Francesa.

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

GREVES

Dos Correios

Mais uma greve nos Correios, desta vez por conta de mudança nas regras dos planos de saúde dos funcionários. No tempo em que a empresa foi criada, talvez fosse necessário, por motivo de segurança da informação, a administração dos Correios ser estatal, mas hoje, na era da informática e da comunicação instantânea, não tem o menor sentido. Diante do descrédito da empresa e do péssimo serviço prestado à população, muita gente estranhou a notícia da greve, por achar que ela já estava em vigor há muito tempo. 

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

De fato, com o péssimo serviço apresentado – um sedex demorando 15 dias para chegar, no âmbito estadual –, pensava também este cristão que a dita classe já estava há um bom tempo de braços cruzados.

JOAQUIM QUINTINO FILHO

jqf@terra.com.br

Pirassununga

Antídoto

O melhor antídoto para as greves seria privatizar os Correios o mais rápido possível, dividindo-os em três ou quatro empresas e diluindo, assim, o risco de novas paralisações. Os Correios são um cabide de empregos nada republicano.

LUIZ ROBERTO COSTA

costaluizroberto@bol.com.br

São Paulo 

Regulamentação

Há mais de um ano escrevi neste Fórum que o presidente Michel Temer prestaria um grande serviço à Nação se acabasse com o imposto sindical e regulamentasse a greve do setor público. Com o imposto ele acabou. Mas a regulamentação da greve não saiu. Assim, continuaremos a ser prejudicados por greves a mando dos sindicalistas encastelados no serviço público.

JOSÉ GILBERTO SILVESTRINI

jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga

Dos juízes federais

Juízes federais (principalmente os trabalhistas) pretendem fazer greve a partir do dia 15 para defender o seu auxílio-moradia. Tudo bem, um, dois, três meses de greve não farão muita diferença no que se refere ao lerdo andamento dos processos.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Para qualquer pessoa que espera 10, 15, 20 e outros tantos anos pelo julgamento de um processo, é só acrescentar o período da greve. Tudo normal.

JONAS DE MATOS

jonas@jonasdematos.com.br

São Paulo

A única forma de esses juízes chamarem a atenção da população seria julgando os milhões de processos que tramitam lentamente nos tribunais do País.

MOYSES CHEID JUNIOR

jr.cheid@gmail.com

São Bernardo do Campo

Ah, e ninguém é insubstituível...

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

Letargia

Greve de juízes federais? Por quê? A Justiça está paralisada há muito tempo. Só não veem isso os magistrados. Nossa Justiça vive em letargia, os processos caducam. Tenho uma ação contra o Estado desde 1994 por causa de um terreno que foi desapropriado na duplicação da Rodovia Fernão Dias e até hoje não obtive solução. Minha mãe, falecida há mais de 14 anos, não recebeu seus direitos e estou vendo que o mesmo acontecerá comigo.

JOSÉ OLINTO OLIVOTTO SOARES

jolintoos@gmail.com

Bragança Paulista

PODER JUDICIÁRIO

CNJ

Com relação ao editorial O CNJ já não é o mesmo (10/3, A3), as decisões do Conselho Nacional de Justiça contrárias aos anseios da sociedade podem ser creditadas à pouca representatividade de seus diversos segmentos, na composição de seus membros. Dos 15 conselheiros, 9 são indicados pelo Judiciário, 2 pelo Ministério Público, 2 pela OAB e 2 pelo Congresso Nacional. 

WAUTERLÔ TEIXEIRA PONTES

wauterlo.pontes@infolink.com.br

Rio de Janeiro

STF apequenado

Que me desculpe a ótima cronista Vera Magalhães (11/3, A8). O STF pode estar apequenado, mas tem na figura da competente e honrada ministra Cármen Lúcia um exemplo de dignidade que engrandece a alma de todo o brasileiro.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

HONORÁRIOS

Dinheiro sujo

Efusivos parabéns a Carlos Alberto Di Franco pelo brilhante artigo Honorários sujos, um questionamento (12/3, A2). Já passou da hora de abrir a caixa-preta desses advogados de políticos corruptos e traficantes. O sigilo legal não pode servir de motivo para que polpudos honorários pagos com dinheiro sujo abasteçam o bolso desses advogados. A ética deve prevalecer! No caso de envolvimento de dinheiro público, como bem esclarecido no artigo, não deve existir o sigilo, e sim a maior transparência possível: quanto pagou, quem pagou e qual a origem do dinheiro!

RICHARD OCAÑA ZANGARI

rozangari@gmail.com

Londrina (PR)

DE CALÇA CURTA

Delfim Netto foi ministro da Fazenda, embaixador, ministro da Agricultura, ministro do Planeamento e deputado federal. Começou a ocupar cargos no primeiro escalão do governo em 1967. Trabalhou junto com os ex-presidentes militares e com os eleitos através das urnas também. A Polícia Federal (PF) está verificando se o ex-ministro cometeu crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, fraudes em licitações, entre outros. A empreiteira Andrade Gutierrez teria desviado dinheiro da Usina de Belo Monte para pagamento de propina a Delfim. O bom e velho Delfim Netto foi pego de calça curta.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

DELFIM NETTO

O envolvimento de Delfim Netto em mais um caso de propina mostra que não existem políticos honestos no País, há apenas os que não foram investigados e pegos ainda. O problema da corrupção no Brasil é sistêmico, todo o sistema é podre e só funciona se houver propina. Desde que começou a operação Lava Jato até agora ninguém teve a brilhante ideia de mudar as regras do jogo, acabar com a palhaçada criminosa que são as licitações, todas elas sistematicamente fraudadas. Ninguém teve a ideia de mudar as regras da política: nas próximas eleições os partidos irão escolher o presidente da República e o povo irá pagar bilhões de reais para os partidos fazerem propaganda de seus paus mandados. O povo ingenuamente acredita que vai eleger o presidente da República nas urnas quando na verdade ele já foi escolhido pelos partidos. O Brasil precisa mudar no atacado, não dá para investigar de um em um quando o sistema todo está podre, as mudanças tem que ser muito maiores e mais profundas e tem que começar um dia. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo

*

DELFIM, O GRANDE PROFESSOR DE JOGO DE CINTURA

Delfim Netto, o "professor', é uma figura política interessante e especialmente versátil. Nos lugares em que havia concentração de poder, lá estava ele transitando livre, no topo, atravessando sem nojos, todo o espectro ideológico. Bem, depois de Renan, Jucá, Temer, Collor, Lobão, Sarney e cia. aliarem-se umbilicalmente à extrema esquerda totalitária, isso deixou de ser algo surpreendente na "jabuticabeira". Agora se sabe - com provas - que o propósito do "professor", como o de todos os outros, além de apoiar governos de qualquer matiz, era o de se dar bem a qualquer preço. Pena que foi pego muito tarde, nem vai sentir a mão pesada da Justiça no cangote. 

 

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br

Cotia

*

NA FRANÇA

Interessante, já em 1978 o deputado federal Francisco Pinto afirmou que o adido militar em Paris, durante a gestão diplomática de Delfim Netto na França, teria encaminhado um relatório a seus superiores acusando o embaixador de cobrar comissão para intermediar transações comerciais entre Brasil e França. Delfim ficou de processar o deputado.

Paulo Marcos Lustoza pmlustoz@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ATÉ TU?

Até tu, Delfim Netto?

Artur Topgian topgian.advogados@terra.com.br 

São Paulo 

*

CADEIAS GERIÁTRICAS

Com Maluf cumprindo pena, Delfim investigado (finalmente), e uma fila com Sarney, Lobão, etc., em breve precisaremos de cadeias geriátricas, para os corruptos acima de 80.

Luiz Henrique Penchiari lpenchiari@gmail.com 

Vinhedo 

*

ESQUEMA DO PT

O esquema do PT Delfim.

Luiz Fernando de Camargo Kastrup duasancoras@uol.com.br

São Paulo

*

NOVA VARA COMEÇA MAL 

Será que essa nova Vara Federal, criada em Brasília, foi para livrar da prisão, corruptos da Lava Jato? É o que parece...  Já que, o juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, tirou da cadeia ninguém menos do que Joesley Batista, dono da JBS e seu diretor Ricardo Saud, que confessaram pagamento de R$ 1,4 bilhão, de propina, para mais de 200 parlamentares. E não convence sua decisão de que, Joesley tem residência conhecida, ocupação lícita, colabora com as investigações, e não põe risco a ordem publica e econômica. Ora, Joesley, neste emaranhado da corrupção petista, se configura como o maior corruptor da nossa história. E por essa perversidade de grande repercussão que praticou, prejudicou a nossa economia, e ainda maculou a imagem da Nação.  E sendo dono da JBS, é irreal afirmar que tem ocupação lícita...  Já que, sua empresa cresceu sob signo das falcatruas! É só abrir a caixa preta do BNDES... Porém, não será desta forma que vamos combater a corrupção neste país, se o Judiciário não ajudar...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

JOESLEY

Joesley não pode falar com Wesley, é a lei! Joesley foi solto por um juiz para evitar "constrangimento ilegal"! Por estar "presinho"           há muitos dias. Tadinho! Nunca roube pouco! Você ficará preso!        Roube sempre mais de R$ 100 milhões e você será solto logo, logo! Se algum juiz demorar muito a soltá-lo, seu advogado caríssimo e nosso meritíssimo ministro Gilmar Mendes vão mandá-lo para casa, para roubar de novo!

           

Paulo Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

TRISTE CONCLUSÃO

Juiz que solta Joesley conclui de forma brilhante, "ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão". Conclusão: o povo brasileiro é ladrão, CQD!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

O ACUMULADOR

O problema da corrupção no Brasil é endêmico, deriva de uma deformação de caráter construída na infância, embasada em uma educação inconsequente e complacente com o malfeito: "o que é que tem? Não é nada demais...", que logo evolui para o "coitadismo", finalmente chegando ao famigerado jeitinho brasileiro. É como a velha história do padre acumulador que precisava de um cantinho para dormir, então edificou sua casa e como monsenhor era santo, deram-lhe serviçais, incomodada com sua locomoção, a igreja adquiriu um carro, mas o clérigo também gostava de receber os fiéis, a solução foi contratar um bufê... E assim gastou-se todo o dinheiro da paróquia, afinal, o que é que tem?

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

CORRUPÇÃO

Corrupção sempre há de existir, mas com severa punição pode ser drasticamente reduzida. Basta querer. Que tal prisão isenta de qualquer benefício, integralmente punida em regime fechado (30 anos são 30 anos de cadeia) e confisco de todos os bens e, se comprovado, também confisco e prisão dos laranjas e familiares envolvidos? Hoje as penas são simbólicas, mesmo assim são legalmente reduzidas e o prejuízo material, quando restituído, o é parcialmente - o que, convenhamos, é um incentivo à lucrativa corrupção.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

BUENA FORTUNA

Após sete anos, o Brasil toma conhecimento do assalto ocorrido na obra do Rio Xingu, em Altamira, Pará. Orçada em R$ 18 milhões, quando concluída, terá consumido mais de R$ 31 bilhões, com cerca de R$ 22 bilhões concedidos pelo BNDES. Em março de 2016, o Blog de Fausto Macedo revelou repasses em Belo Monte ao professor Antonio Delfim Netto, o principal conselheiro de Lula. A 49.ª fase da operação Lava Jato Curitiba, de nome "Buena Fortuna", deflagrada nesta sexta-feira, 9,  teve como alvo a suposta propina de R$ 15 milhões acertada para o ex-ministro do milagre econômico da ditadura, por intermédio de Antonio Palocci. Segundo o procurador Athayde Ribeiro Costa, da força-tarefa da Lava Jato,  a "consultoria de Delfim,  na verdade constituiu uma fraude ao leilão". Nenhuma novidade para quem acompanha o brilhante trabalho da operação Lava Jato tendo à frente o juiz Sergio Moro. PT, PMDB e as grandes empreiteiras  estão envolvidos até o pescoço com propinas. Está tudo documentado, certamente os envolvidos negarão, pois é assim que estamos vendo desde que a Lava Jato iniciou seu trabalho. O tempo mostra que os canalhas também envelhecem. Alguns alcançam a prisão, como Maluf, Bendini, Palocci, Vaccari. Outros correm por fora afrontando e ameaçando a justiça, como fazem Lula, e o MST.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

Convocar o plenário do STF

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmén Lúcia, já disse que não convocará o plenário da Corte para rever a jurisprudência firmada em 2016 a respeito do início do cumprimento da pena após condenação penal em segunda instância, como é o caso de Lula. Segundo suas palavras, trazer o assunto novamente a debate neste momento seria "apequenar muito o Supremo". Contudo, qualquer membro do STF pode provocar o debate - dando nome aos bois - um deles certamente seriam o ministro Lewandowski ou DiasToffoli, esse último foi advogado do PT por isso foi nomeado por Lula para o STF, diga-se de passagem, que nunca passou num concurso público para juiz de primeira instância. Para acompanha-los possivelmente seria o imprevisível Gilmar Mendes, sempre surpreendendo com suas longas cansativas justificativas injustificáveis.

José Carlos Rios jc.rios@globo.com

São Paulo

*

PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA  

A presunção de inocência ou a presunção da não culpabilidade significa que ninguém poderá ser condenado até o transito em julgado. E qual é esse trânsito? . Pelo que os advogados de Lula pleiteiam é de que o Supremo decida isso. Ora Lula, na primeira rodada perdeu de um a zero, na segunda de três a zero e na repescagem de cinco a zero. Agora pretende que a FIFA, perdão, o STF reverta esses resultados. Se essa decisão for favorável a ele decorre daí que todos os condenados em primeira, segunda ou terceira instâncias podem recorrer ao Supremo. Nesta altura, ficará provado que os brasileiros não são iguais. Só os criminosos ricos, que gastam fortunas com advogados poderão se valer desse expediente. Para que todos os réus tenham essa presunção ou não definida e sem gastar, basta que o juiz que condena em primeira instância, recorra "ex-ofício" ao seu Tribunal Regional e este em seguida ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para finalmente encaminhar ao Supremo que analise, julgue e produza a irrecorrível decisão final. Todavia, melhor seria que o Ministério Público (MP), ao oferecer a denúncia, simplifique essas etapas e envie diretamente ao Supremo e este que se vire.

Alberto Martinez alberto.martinez@terra.com.br

São Paulo

*

DECISÃO DO SUPREMO

O Supremo Tribunal Federal não deve se "acovardar nem se apequenar", voltando a pôr em pauta questão já acertadamente decidida. A prisão do réu após condenação em segunda instância, embora por um placar de 6 votos a 5 foi muito acertada, evitando que o mesmo ficasse anos e anos, através de numerosos recursos, aguardando a ordem de prisão. Fato que só beneficiava os criminosos de "colarinho branco", políticos, quase sempre. A presunção de inocência deve ser igual para ricos e pobres.

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com

São Paulo

*

A ESPERANÇA DE LULA

Mesmo que não ocorra agora a colocação em pauta no STF para apreciar a questão da segunda instância, porque sua presidente, ministra Carmén Lúcia, por saber ou no mínimo desconfiar que haverá um revertério para um placar que virá favorecer Lula, ela tentará adiar para seu sucessor essa data para se livrar da responsabilidade. Por acaso seu sucessor será o ministro Dias Toffoli e ele, teria a grandeza de julgar-se impedido de votar porque já foi advogado do Lula? Duvido. Se ocorrer a reviravolta com a segunda instância, toda trabalheira da Operação Lava Jato e outras, que estão conseguindo algo inédito no País, que é colocar na cadeia políticos e empresários bilionários ladrões, irá para o lixo. Não sei não, mas começo a pensar como muitos, que defendem nova intervenção militar para evitar tamanha tragédia para o País, porque nós civis não conseguimos conviver com a democracia e falhamos vergonhosamente e a prova está aí, porque alegremente demos poder a essa cambada responsável por uma corrupção gigantesca que está levando o País para o buraco.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

VAI PARA O ESPAÇO

"Lulla" se acha tão acima da lei que já é quase um astronauta. Em assim sendo, já passa de hora de mandá-lo para o espaço...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

HORÓSCOPO DO DIA

Os astros não estão favoráveis a Lula que é um nativo do signo de peixes. Conforme horóscopo do dia no "Estadão" (Quiroga) temos: "A falta de colaboração nem sempre se deve à má vontade das pessoas (Carmén Lúcia), observe melhor e talvez você (Lula) verificará que neste momento elas estão ocupadas com outras urgências e com pouca disponibilidade para você". Nota do comentarista: talvez você, Lula, estejas se dando muito mais importância que realmente tem, com sua condição de já quase apenado no Tribunal Regional federal da 4.ª Região (TRF-4.)

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

*

HABEAS CORPUS

Para que Lula vá para a cadeia, é necessário que a segunda instância defina logo seu novo parecer.

Robert Haller robelisa1@terra.com.br 

São Paulo

*

LULA E O SUPREMO

Perfeito o editorial "O Supremo diante de Lula" (9/3, A3). Melhor seria: "O Lula diante do Supremo". Aprendemos que a jurisprudência é quem dá alma ao Direito, vale dizer, é quem o atualiza, o vivifica. Os textos legais envelhecem e se desatualizam. Daí a importância da jurisprudência. Pois bem.  Enquanto não houver o trânsito em julgado, presume-se inocente o acusado. Texto constitucional em clara dissonância da nossa realidade, pois, por aqui, o trânsito em julgado pode demorar duas dezenas de anos, o que significa impunidade revoltante. Sobretudo, impunidade para aqueles que saquearam os cofres públicos, ou seja, nosso dinheiro. No caso de Lula, já houve condenação em primeiro grau e condenação em segundo grau. Assim, não dá para aceitar que haja presunção de inocência no caso dele. A presunção é de que é culpado, claro, e deve ir para a merecida cadeia, sem demora. Aliás, onde estão todos os seus amigos petistas e não petistas. Ademais, a Lei da Ficha Limpa foi promulgada por ele. Não viram inconstitucionalidade na época. Nem a Advocacia-Geral da União (AGU) nem o seu ministro da Justiça nem os deputados e senadores petistas de então. Agora, veem. Por outro lado, o que esse cidadão fez de mal para esse país é de estarrecer. Não só quebrou financeiramente o País, como destruiu a ética, a decência na administração da coisa pública, na educação, na saúde, etc.. Partilhou os órgãos públicos federais com os amigos de fora e os petistas de dentro. Parte da mídia e da própria Justiça já foi complacente demais com ele. Já era para estar preso preventivamente há muito tempo. A cada fala dele, temos a pregação do "nós" contra "eles"; temos agressões ao Judiciário e ao MP; o vemos fazendo campanha eleitoral antecipada e mal disfarçada. Por que respeitar um indivíduo assim? Lula nada tem de democrático, já que não aceita as regras que são para todos (o que é a maneira de ser para a maioria dos petistas, diga-se). Aceitam a "democracia" cubana, venezuelana, colombiana, equatoriana etc.. Portanto, ministra Carmén Lúcia, mantenha-se firme, tendo ao seu lado, ainda, alguns ministros que honram o cargo público que ocupam e a sociedade que está com Vossa Excelência, não duvide.

Sebastião Vanderlei Pinheiro vanderlei106@terra.com.br 

São Paulo 

*

GRAVE MANOBRA

"O Supremo diante de Lula". Está tudo errado, a começar pela manchete: É Lula quem estaria diante do STF, caso fosse pertinente. Pois um condenado por corrupção tem de cumprir a pena sem dúvida e exceção alguma, entende qualquer um.  Julgamento "político" no STF é uma piada: julgamento político acontece no Congresso, como foram os impeachments de Collor e Dilma. Toda a discussão atual foi gerada por uma autêntica bravata de "condenação política" que conseguiu criar uma nuvem de fumaça... Se é que há mesmo alguma incerteza de julgamento e não apenas encenações sofistas. Não cabe ao STF manifestar-se sobre condenação por corrupção, de crime de apropriação indevida.  É até uma jabuticaba engraçada, não fosse a gravidade da manobra.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br 

São Paulo

*

CONFIANÇA

"...O País também confia no Supremo. Espera que o principal tribunal do País não se dobre aos caprichos de um cidadão que se julga acima da lei...". Parabéns pela objetividade de todo o texto, que reflete a vontade da maioria dos cidadãos brasileiros! 

Silvia Maria Pinheiro Rezende silviapr54@hotmail.com

São Paulo

*

INOMINÁVEL

O inominável será preso, mas só ficará até setembro, quando o estagiário vermelhinho assumir a presidência do STF, confirmando o seu já conhecido "apequenamento".

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br 

São Paulo 

*

PAUTA BOMBA

Cinco dos 11 ministros do STF são pró-Lula. Basta mais um para livrar a cara do chefe da quadrilha da estrela vermelha. A ministra Carmén Lúcia com toda serenidade que lhe é peculiar, já divulgou a pauta do mês de abril e, frustrou os fanáticos petistas ao não incluir o pedido de habeas corpus do mais honesto e muito menos a questão da prisão em segunda instância e, como o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, parece não estar propenso a discutir tais temas, conclui-se que o próximo mês será mais um, de noites mal dormidas para Lulinha paz e amor.

Jose Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

A HORA E A VEZ DO STF

A ministra Carmén Lúcia, presidente do STF, assevera que a Corte não pode apequenar-se. Também salientou que o povo está descontente com a Justiça. Então, chegou a hora e a vez de a Corte Suprema demonstrar ao País, no caso Lula, que não ocorrerá modificação no decisório de 2016, por 6 X 5, com relação à possibilidade de prisão após decisão de segunda instância, proferida por Tribunal. O habeas corpus de Lula da Silva foi encaminhado pelo ministro Fachin ao plenário da Corte. Espera-se que, convocado o Plenário, não altere a resolução anterior de 2016. Se o fizer, Lula da Silva demonstrará que é melhor que o brasileiro comum. Por sua vez, o STF despencará, de vez, no conceito dos brasileiros. Apequenou-se, por que é pequeno?

José Carlos de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

Sobre livrar Lula da cadeia

Dos apóstolos do STF, quem será o Judas do povo brasileiro?

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

PRINCÍPIO CONSTITUTIONAL

Como pode um ministro da Justiça, o sr. Torquato Jardim, dizer que presidente tem de receber tratamento diferenciado? Ora, tem que avisar a este senhor que existe um princípio constitucional, artigo 5.º caput da Constituição Federal de 1988, que estabelece que: "Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza...". Trata-se de um princípio constitucional de igualdade, portanto, inviolável!

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo 

*

JANOT

O ex-procurador da República, Rodrigo Janot, saudoso do protagonismo, tenta sair das sombras, não de forma construtiva, mas por meio de "pitacos" cômicos e estapafúrdios. Teve a ousadia de, pelas redes sociais, criticar o encontro, normal e republicano, entre a ministra Carmén Lúcia e o presidente Temer, e a insolência de repreender sua substituta, Raquel Dodge, por ela não ter apresentado, até o momento, nenhuma delação contra um político ou agente público, como se isso fosse obrigação com prazo determinado. Ao contrário do que possa parecer ao ex-procurador, ninguém esqueceu ainda nem seu encontro furtivo (e nada republicano) com um dos defensores de Joesley Batista, num boteco em Brasília nem sua delação irrefletida, mal feita e atabalhoada contra Michel Temer e que não só não deu em nada como ainda custou a tão necessária reforma da Previdência. Na falta de coisa melhor para falar, Janot faria melhor se continuasse nas sombras. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DROGAS NO CARRO DE TÂNIA BORGES

A mãe de Breno Fernando Solon Borges é tão culpada quanto o próprio, pois tem conhecimento dos fatos e se mostrou conivente. A vergonha é exponencial por ela ser uma autoridade. O nosso País não tem mais jeito, o câncer se alastra pelo corpo social. O povo é passivo e só espera benefícios sem batalhar pela ordem desta Nação. Vergonha.

Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com

Capão Bonito

*

VOTO IMPRESSO

Peritos da PF defendem voto impresso nas urnas como noticiou a "Coluna do Estadão" (9/3, A4), sob o argumento de que, o eleitor deva ter a confirmação de seu voto.  Se por um lado será dado ao eleitor a confirmação de seu voto, por outro lado, também, facilitará aos "coronéis", a conferência dos, tristemente famosos: "votos de cabresto" e colocar em cheque a confidencialidade do voto. Quanto aos pontos de vulnerabilidade nos testes de segurança, verificados pelos peritos da PF e um estudante da Unicamp, entendo que todo e qualquer sistema eletrônico deve apresentar eventuais falhas. O sistema bancário brasileiro é um dos mais avançados e confiáveis; entretanto, ocorrem invasões em contas, clonagem de cartões e fraudes em caixas eletrônicos; entretanto, essas falhas são percentualmente desprezíveis, em nada justificando a volta dos cheques, eliminação dos cartões de créditos e abandono dos caixas eletrônicos. Fica aqui uma pergunta: será que um hacker mal intencionado não poderia também adulterar a urna eletrônica, de modo que ela imprimisse o voto do eleitor e registrasse um outro voto, antecipadamente programado? 

Luiz Antônio Alves de Souza zam@uol.com.br

São Paulo

*

PRÓXIMAS ELEIÇÕES

Podemos até considerar que Michel Temer pode não ser o presidente ideal para o Brasil, porém não devemos deixar de reconhecer que ele assumiu o País numa situação caótica, deixado pelas administrações corruptas e sujas durante 14 anos do "PeTelulismo" no "pudê", destruindo totalmente o País. Portanto, de uma maneira geral, devemos admitir que bem ou mal, muito ou pouco houve uma evolução para melhor, além de que, devemos levar em consideração as batalhas dele para aprovar medidas em geral indispensáveis para a evolução do Brasil junto aos políticos que compõem a Câmara e o Senado, remanescentes, velhos e viciados que não o deixam trabalhar, além de só se dedicarem pautar e aprovar sempre algo que lhes proporcione vantagens, benefícios e mordomias. Portanto meus amigos, temos em mãos a única arma disponível para combater e raspar até o fundo do taxo nas próximas eleições, para limpar e banir de vez todos esses corruptos, caso contrário, pouco ou nada adiantará elegermos um novo presidente, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo 

*

11 PRÉ-CANDIDATOS

Confesso ter ficado surpreso e confuso ao ler a matéria "Eleição presidencial já tem 11 pré-candidatos", mais especificamente o quadro ilustrativo dos mesmos.  Se a candidata Marina Silva é considerada de "centro", ao lado de Geraldo Alckmin e, mais assustador, Fernando Collor de Mello, sugiro vocês esclarecerem aos seus leitores o que consideram ser de centro, direita repulsiva e esquerda tacanha. Com o desembarque dos principais apoiadores de Marina Silva de sua campanha, esses sim com viés mais de centro, acredito que ela deveria estar mais para Boulos e Manuela D'Ávila do que para Alckmin e Collor.

José Eduardo Lacerda Soares je.lacerda@yahoo.com

São Paulo

*

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA

Na próxima eleição não haverá financiamento com dinheiro de empresas, só de pessoas físicas. Lembrando da arrecadação "miraculosa" do PT para pagar as multas de alguns condenados, pergunto-me se teremos uma bancada do crime organizado eleita com as contribuições de milhões de CPF's fajutos. A única vantagem é que, quando tivermos um presidente eleito pelo PCC, não haverá mais tiroteios entre polícia e bandidos, seremos todos bandidos.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

SOPA DE CAMPANHA

Os comentários mais esdrúxulos a respeito do rol dos candidatos à presidência estão se espalhando por aí. O mais comum é tentar colocar todos dentro de um mesmo balaio de avaliação, juntos e misturados, um desserviço prestado pelo zumzumzum das militâncias de partidos que se destacam por terem colegas seus como réus da Lava Jato e assim pretendem nivelar a todos no mesmo baixo patamar. Querer comparar Ciro Gomes ou Rodrigo Maia com Geraldo Alckmin chega a ser desrespeitoso para o paulista. Do mesmo modo, Lula da Silva continua afirmando que concorre, mas já está fora da disputa e em seu lugar a esquerda aposta em Manuela D'Ávila (PCdoB), Guilherme Boulos (Psol) e Ciro Gomes (PDT), sendo que Marina Silva (Rede) é considerada candidata de centro... Pois sim.  A imprensa já está considerando Boulos e Bolsonaro como opostos complementares, mas isso é fazer injustiça com Lula... Boulos não passa de um mauricinho mal resolvido a ser comparado com o imigrante nordestino filho de mãe analfabeta. João Amoedo (Novo) é apenas um que quer ser sem nunca ter sido, e dizem que esta é sua maior qualidade. Rodrigo Maia tem como maior feito haver engavetado as 10 Medidas contra a Corrupção com o apoio de seus pares. Nasceu morto para a campanha. Bolsonaro, esse fala demais quando se jacta de que formará a bancada da metralhadora, mas se for eleito não governará sossegado, pois vai provocar a união de toda a esquerda a bagunçar o País de forma pior do que aqueles que prometem colocar fogo no Brasil se Lula for preso... Esses são, mais ou menos, os ingredientes desta sopa de campanha... Quem se habilita?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PAPO FURADO

Num exercício previsível da politica tupiniquim, presidenciáveis vão ter a segurança como tema central de suas plataformas, a partir da ação realizada por nosso presidente no Rio de Janeiro e aplaudida pela população. Só que precisam combinar com os russos se haverá credibilidade suficiente para o que dirão. A região em que vivo é a campeã em roubo de cargas, roubo a empresas fabricantes de celulares e eletrônicos, a ponto de determinadas cargas serem enviadas a outras regiões do País de avião, devido ao custo do seguro ou seu não aceite pela seguradora. O roubo noticiado em Viracopos não foi o primeiro e não será o último. A explosão de caixas eletrônicos no HC de São Paulo há poucos dias dá a dimensão da ousadia dos meliantes nesta questão. Explosões de caixas eletrônicos ocorrem em cidades do interior com frequência, aterrorizando os moradores e expondo a fragilidade da segurança existente. Como diz o velho ditado "o papel aceita tudo", até estatísticas reveladoras de uma situação não sentida de fato pelas pessoas em seu cotidiano.  Assim sendo, melhor seria se os candidatos propagassem como seus feitos, realizações críveis. Caso contrario, será apenas o mesmo papo furado de sempre.

Sérgio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 

Indaiatuba 

*

NÓS E ELES 

Lula sempre se autoproclamou o maior e melhor brasileiro de todos os tempos, relegando a segundo plano todos os seus conterrâneos - vivos ou mortos. Entre os vivos, distinguiu os "nós", a saber: o pessoal de sua turma que abrange a elite corrupta (empreiteiros, marqueteiros, doleiros, etc.) os membros do PT, do "Pistu", do "Pisol" e políticos de outros partidos da esquerda ou não que a ele se aliam, os "sem-terra" e os "sem-teto" e uma considerável parte das entidades sindicais, além de artistas e outros quejandos, sem olvidarmos aqueles que habitam o Brasil profundo, ou seja, espalhados ao longo dos quatro cantos da Nação, que não sabem ou não acreditam que ele não passa de um criminoso comum, condenado em segunda instância e, portanto, inelegível. Entre estes últimos, há poucos dias se destacou um deles que disse estar pronto a cumprir a metade da pena de prisão imposta ao seu líder, alegando que se ele havia roubado, tinha sido para beneficiar os pobres, ao que Lula retrucou: "não roubei não, seu filho da p*", o jeito "carinhoso" como trata seus apaniguados. A outra parcela, os "eles" somos todos nós, os verdadeiros brasileiros honrados: estudantes, trabalhadores, empreendedores, enfim aqueles que desejam um Brasil melhor para si e seus descendentes, independentemente de cultura, raça, religião, ou "status", que apenas almejam nossa inserção entre as grandes nações do mundo aonde não existam as subdivisões projetadas pelo lulismo para os homens de boa vontade. Após o resultado que obteve no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) por 5 x 0, a tática até agora sustentada pelo líder revela-se precária e não vai deixar de conduzi-lo à Papuda ou a sua similar em Curitiba ou São Paulo. Diante dessa realidade inexorável, outra postura se impõe. Afinal, em se tratando do maior brasileiro de todos os tempos, deve assumir com ousadia que será sem qualquer dúvida: "O primeiro ex-presidente do Brasil a ser encarcerado, condenado pela prática de crimes comuns", tornando-se, assim, o maior protagonista de fato entre seus antecessores no exercício do cargo. Se os que anseiam vir a ocupá-lo no futuro continuarem repetindo temerariamente que ele não deve ser preso é porque todos eles sentem que daqui por diante nenhum deles evitará a masmorra quando vierem a escorregar e prevaricar como Lula o fez. Assim se extinguirá de fato o péssimo hábito de só submeter ao alcance da lei os pobres coitados desprovidos de amizades e recursos para escapar da Justiça. Cumprida sua dívida com a Justiça, Lula poderá livremente concorrer ao cargo público que desejar, se Deus assim lhe permitir.

Lairton Costa lairtoncosta@uol.com.br

São Paulo

*

TUCANOS E AS FILAS

Senhores, o pré-candidato Floriano Pesaro ao criticar a postura do Prefeito João Doria por estar querendo furar a "fila" deveria explicar a seus eleitores que sendo eleito deputado federal por pessoas que o imaginavam ir para Brasília a fim de moralizar a conduta dos políticos atuais, sem a menor cerimônia e sem dar qualquer satisfação aos incautos que o queriam no legislativo virou secretário do governador Alckmin para apenas e tão somente fazer de seu cargo um trampolim para o cargo de governador. E aí, deputado ou secretário?

Marcelo Cabral mfalsetti2012@gmail.com

São Paulo 

*

N?O ME REPRESENTARÁ!

Bom, uma coisa é certa, Lula é carta fora do baralho. E já começaram a surgir os atores, de olho no espaço aberto. Mas o que me faz refletir é a boa entrevista de Ricardo Galhardo (10/3, A8). Afinal, respostas como a que o possível candidato Guilherme Boulos (Psol) deu ao amigo esclarece as minhas dúvidas. Por exemplo: "...depois do fracasso do governo Temer...", diz ele, pergunto eu: que fracasso? Arrumar a cagada de Dilma e toda a sua criatividade? Ou será um grande fracasso reduzir juros e melhorar crédito? Ou o fracasso da Bolsa de Valores? Boulos também nos ajuda e muito quando diz que "privatizações não são a solução". E tem mais outras pérolas, como: "Vamos nacionalizar empresas privadas". É como eu disse, a entrevista ajuda e muito. Quase uma corda para o candidato se enforcar. Boulos, por onde você andou por todos estes anos macabros, de aparelhamento do Estado? Certamente de que no Brasil não foi. Estado mínimo para o candidato seria um palavrão, o bom mesmo é um estado parrudo e generoso, sobretudo com movimentos sociais. Agradeço a elucidada entrevista, obrigado, este não terá o meu voto, não me representará, sobretudo com o ataque á imprensa feito pelos ditos "movimento sociais" (sobre o parque gráfico do jornal "O Globo").

Leandro Ferreira ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

São Paulo 

*

GUILHERME BOULOS

O notório líder social do famigerado Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, recém-filiado ao Psol para disputar a Presidência da República, disse em alto e bom som na entrevista ao "Estadão" (10/3, A8) que "não há mais margem de manobra para ganha-ganha no Brasil. Para avançar nos direitos sociais é preciso enfrentar os privilégios. Não é uma questão de excluir alguém, mas de tomar lado. O 1% que sempre mandou no Brasil, essa turma vive num capitalismo da casa-grande, num mundo de fantasia. O lema deles é privatizar lucros e socializar prejuízos (...). As privatizações não são solução. Temos várias experiências que mostram isso (...). Não vamos apenas interromper as privatizações, vamos renacionalizar empresas privatizadas". Com efeito, o teor inflamável de suas palavras configura claramente uma ameaça e o protótipo de uma declaração de guerra civil. Durma-se com um palavrório desses!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo 

*

INTERVENÇÃO NO RIO

Parece que as Forças Armadas no Rio de Janeiro estão entrando no jogo dos bandidos. Estes colocam barricadas, as Forças Armadas retiram. Os bandidos repetem a cena, fica um põe e tira, frequente. A evolução da situação dá a impressão que os bandidos fazem o jogo de balão de ensaio e os militares entram na deles. É o caso de patrulha permanente em locais estratégicos e espiar o momento da colocação dos obstáculos e pegar com a mão na massa. Por que tanta tolerância? Por que entrar no jogo dos bandidos e se desgastarem? Afinal, a intervenção foi decretada para pôr fim à situação dominada pelo crime. Por que não tolerância zero? Os bandidos estão provocando o desgaste dos militares, cansando-os e se tornando senhores da situação.

Henrique Gândara clineurohenrique@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

O PRECONCEITO AOS MILITARES

O general Heleno, ex-comandante das tropas brasileiras no Haiti disse que os militares passam a vida inteira estudando, são mal aproveitados e ainda sofrem preconceito. "O País luta contra todos os preconceitos, menos contra esse" - afirmou, sob aplausos de militares a acadêmicos na Escola Superior de Guerra (ESG). Os que queriam derrubar o governo e, por isso, confrontaram os militares de 64 e foram por eles vencidos, presos ou até exilados, ao receberam a anistia, voltaram à política e desde então se ocupam em desconstruir o militar. Vem daí o clima de rejeição criado a todos que vestem farda, inclusive aos policiais militares, fortemente criticados por aqueles que defendem os bandidos incondicionalmente. Esquecem esses revolucionários de antanho que o regime militar já acabou há 33 anos e que muitos dos seus integrantes daquela época já morreram ou estão na reserva e com idade avançada. Todos os militares hoje na ativa vestiram a farda no País já redemocratizado. Atribuir-lhes as coisas do passado chega a ser desatino. Melhor seria chamá-los, não para assumir o governo sem voto, mas para ajudar a endireitar esse país, não só na intervenção do Rio de Janeiro...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

MUITA DISCUÇÃO E POUCA AÇÃO

Enquanto o governo cria um ministério para cuidar da segurança, sem planejamento, e ficam discutindo se um militar pode ocupá-lo, os traficantes usam ex-militares para treinar seu pessoal. Enquanto discutem quem é que deve fazer um planejamento, os assaltantes roubam milhões de dólares em um roubo muito bem planejado. Enquanto discutem se os meliantes devem ser abordados com armas ou com flores e se isso não vai violar seus direitos constitucionais, eles não hesitam em atirar. Enquanto os políticos, com seguranças armados e carros blindados, decidem que o povo não pode (é diferente de não deve) se defender, todos ficam reféns em suas casas. Enquanto ficamos esperando uma mudança na política, são apresentados os mesmos para concorrer aos cargos. Enfim, enquanto estivermos frágeis e incapazes ou desinteressados de nos organizarmos, pela nossa carência continuaremos a comprar ilusões. Somos vítimas de nossas escolhas e de nossa apatia.

Vanderley Jordão vanjord@outlook.com

São João da Boa Vista

*

MST X 'O GLOBO'

Esse ataque de um "comando" do MST ao parque gráfico do jornal "O Globo" mostra bem que o movimento não é simplesmente de caráter reivindicatório, mas sim uma verdadeira milícia. Organizadas e treinadas durante os governos petistas, com assessoria venezuelana, essas milícias buscam agora intimidar a mídia e a Justiça em favor do seu "mitológico" líder. A logística necessária para a movimentação desses "comandos" mostra que ainda há recursos financeiros consideráveis à disposição dos mesmos. A questão é saber a procedência desses recursos e as verdadeiras razões para esses aportes. Excetuando-se os líderes, as demais pessoas envolvidas são apenas massa de manobra, enganadas por falsas promessas, e, não percebendo que estão acendendo velas para um mau-defunto. 

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo                                                                                                 

 

*

'CONTRA O MST, A LEI'

Irretocável o editorial do "Estadão": "Contra o MST a Lei" (10/3, A3). Vale lembrar que tramita no Congresso um projeto de Lei do deputado Jerônimo Goergen (RS), que tipifica como ato de terrorismo as invasões de terra, prédios públicos e privados. Até lá, a Lei de Segurança Nacional (7.170/83) pode ser aplicada contra esses vândalos.

Frederico Braun d'Avila frederico@fda.agr.br

São Paulo

*

'DO QUERER SER AO CRER QUE JÁ SE É'

Como sempre coerente e correto o eminente ex-ministro Pedro Malan (11/3, A2) tocou num assunto que temos sim que ler e reler essa maravilhoso pensamento e em especial o trecho que ele brilhantemente diz: "Promessas tidas como gloriosas no passado? Isso e fundamental para não cairmos nas armadilhas do discurso fácil e mentiroso que em geral nas campanhas tentam nos enganar fazendo com que as promessas sejam verdadeiras algo que temos visto são grandes engodos e mentiras, ou seja, não podemos mais acreditar em especial nos ditos políticos profissionais que só querem mesmo além de se darem bem se perpetuarem nos cargos.

Zureia Baruch Jr. zureiabaruchjr@bol.com.br

São Paulo

*

FEBRE AMARELA VEIO PARA FICAR

Li a notícia "Febre Amarela veio para ficar" na qual se afirma que ainda não se encontra a cura para a Febre Amarela. Eu me encontrei indignada, pois o governo fez pouco para prevenir a doença e para convencer a população de que a vacina é confiável e própria para o uso. A Febre Amarela é uma doença infecciosa grava, propiciada por um vírus e transmitida por mosquitos, e não por macacos. Estes mosquitos estão presentes em ambientes de mata, e não se adaptaram ao meio urbano, por este motivo a maioria dos casos de febre amarela tem ocorrência no interior, portanto precisamos nos prevenir e tomar a vacina. A solução para este problema é bem simples, o governo poderia investir em propagandas incentivando o uso da vacina, e encorajando a população a perder o seu medo de toma-la, podendo assim salvar inúmeras vidas.

Yasmin C. B. Novoa yas_novoa@hotmail.com 

São Paulo

*

EDUCAÇÃO PARA JÁ

Sobre a matéria "O brasileiro quer educação para já", vale a pena fazer algumas considerações: 1) nenhuma menção é feita em relação à avaliação de alunos por escola ao longo do ano; 2) o mesmo ocorre no tocante aos professores em função dos resultados dos alunos ou da escola; 3) resta saber quantos professores de escolas públicas têm seus filhos matriculados na escola em que lecionam e se não tem, por quê? 4) fala-se de professores, mas não se menciona os diretores, estes é que respondem pela eficiência da unidade escolar e na maioria das vezes são nomeados politicamente de modo a incorporar gratificação no salário para fins de aposentadoria, sendo quase todos titulados, mas não dão aulas; 5) a escola pública responsável pelo ensino fundamental não precisa e não tem obrigação de preparar alunos para o ensino superior precisa sim é de conhecimento básico para enfrentar as necessidades da vida cotidiana; essa visão final obsessiva de curso superior é que atrapalha a criação e o desenvolvimento do ensino técnico e profissionalizante; 6) o vínculo empregatício nas escolas públicas, decorrente de concurso, gerando estabilidade quase vitalícia impedem depuração de professores não vocacionados para o magistério levando ao desvio de função; 7) todo é qualquer município brasileiro é obrigado a destinar 25% (1/4) do orçamento para a educação o problema é saber o quanto chega a sala de aula na forma de qualidade de aprendizado; 8) os Conselhos Municipais de Educação deveriam ter obrigatoriamente 50% ou mais de pais com filhos nas escolas públicas e não pessoas indicadas politicamente. 9) sem dados estatísticos públicos e confiáveis será muito difícil corrigir os rumos da educação fundamental no Brasil.

Pedro Luiz Bicudo plbicudo@gmail.com

Avaré

*

O VÍCIO DO PODER

Cinco anos passam rápido, e não bastam, é preciso ter o poder vitalício - já que o eterno é impossível por imposição da natureza. Assim, ao mudar a constituição para permanecer indefinidamente no cargo, o presidente chinês Xi Jinping destroça a virtuosa obra de Deng Xiaoping e cristaliza condições para o retrocesso da grande China. O poder vicia, e, por isso, é preciso que cada vez mais pessoas se conscientizem da grande verdade cristalinamente formulada nas páginas do "Estadão" pelo jornalista Fernão Lara Mesquita, especialmente naquele seu estupendo artigo "O Brasil na casinha do cachorro" (21/12, A2), no qual, em suma, ele ensina que: "É uma ilusão de noiva achar que algo vai mudar mudando-se apenas as pessoas na operação do mesmo sistema político". Se nós, brasileiros quisermos ter uma democracia de fato, que ainda não temos, precisamos ter em mente o argumento óbvio de que não se deve empregar ninguém - servidores públicos, parlamentares, presidentes - que não possa ser demitido. No caso, através do voto distrital puro com recall. Do contrário, nós, os patrões, continuaremos como estamos: na casinha do cachorro, enquanto nossos empregados, os servidores, que mais se servem do que servem a nós, permanecerão deitados em nossas camas.

Luiz Leitão luizmleitao@gmail.com

São Paulo 

*

HONORÁRIOS

Carlos Alberto Di Franco inicia a semana (12/3, A2) pedindo luzes aos ganhos como honorários de advogado. A seção III, do capítulo II do novo Código Civil disciplina o pagamento dos horários que advocatícios de maneira minuciosa. Óbvio que além dos horários pagos em virtude do princípio da sucumbência, existem outros que foram contratados pelas partes. A liberdade de contratar e a autonomia da vontade devem ser exercidas, sem intervenção do Estado. Alguém perquirir quanto foi gasto no Hospital Sírio Libanês (o preferido de cada 10 a 10 em Brasília). E os gastos absurdos de algumas mulheres que se inserem na política e se apresentam deformadas, tamanho as intervenções estéticas! E o que cada um gasta de passagem aérea para voltar a sua cidade, mesmo possuindo apartamento funcional em Brasília?

Para "eles" não há valor extorsivo, pois via de regra, a conta é debitada a outrem.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo 

*

DESPERDÍCIO

Relatório do Banco Mundial, divulgado em 8/3 apontou que 52%, dos jovens do País estão em risco.  Pessoas na faixa etária entre 19 e 25 anos, num total de 25 milhões, podem ficar fora do circuito de bons empregos e como consequência, a pobreza tende a aumentar.  "Precisamos de uma educação de qualidade que dê competência aos jovens", afirmou Rita Almeida, economista do Banco Mundial, como solução para o grave problema. Esses apontamentos não são novidades. Há décadas nossos governantes são cobrados por melhorias no ensino, porém sem resultados; alertas da imprensa, de críticos e analistas e os apelos do povo foram ignorados.   Após 1985, final do governo militar, tivemos cinco presidentes, sem contar Tancredo Neves, que não chegou a tomar posse, faleceu antes, e Michel Temer, que pegou o "bonde descarrilado", está no final de seu curto reinado, dois anos, e, Justiça seja feita, nesse período a reforma do curso médio, estagnado há tempos, sancionada há um ano, já tem surtido efeitos positivos.  Os demais pouco ou nada fizeram em prol da Educação, só em benesses próprias, tanto que, em razão desse desdém, ainda temos hoje, Brasil afora, "escolas" de pau a pique, sem o mínimo conforto para um ensino decente e, indecentes salários regionais pagos a abnegados professores. Como dar qualidade e competência aos nossos jovens? Com a palavra o "punhado" de candidatos à presidência da República!     

  

Sergio Dafré sergio_dafre@hotmail.com 

Jundiaí

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.