Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2018 | 03h00

STF X CORRUPÇÃO

Demóstenes Torres

Quando, milagrosamente, o Senado cassa um senador por corrupção, tornando-o inelegível até 2027, vem a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) – leia-se Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes – e revoga a punição. A decisão é tão descolada da realidade que fica difícil contextualizar a motivação no sentido de frustrar o cumprimento do prazo de inelegibilidade.

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

Saída para Lula?

A Turma 2 do STF, precisamente “Os Intocáveis” (Gilmar, Lewandowski e Toffoli), está criando jurisprudência (contra a lei, diga-se) para que amanhã Lula, condenado e com direitos políticos suspensos, possa concorrer a qualquer cargo eletivo.

JOSÉ CARLOS THOMAZ

josecthomaz@gmail.com

São Paulo

‘Mula’ de criminoso

Infelizmente, esse sr. Demóstenes Torres foi liberado pelo STF para se candidatar ao Senado, de novo, nas próximas eleições. Lembro que ele foi uma espécie de “mula” usada pelo criminoso Carlinhos Cachoeira em suas práticas de corrupção, para favorecimento na obtenção de registros de drogas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), na época, por gerente ligado ao próprio Demóstenes, liberando a “indústria farmacêutica” de Cachoeira para produzir e comercializar remédios de qualidade duvidosa, pondo em risco a saúde da população.

SILVIA REBOUÇAS DE ALMEIDA

silvia_almeida7@hotmail.com

São Paulo

Anarquismo jurídico

Temos no STF um grupo de ministros que se dizem “garantistas” (garantia de impunidade). Na verdade, criaram um novo conceito, o “anarquismo jurídico”. No anarquismo político seu significado seria a ausência de governo. No linguajar jurídico, seria a “ausência de justiça”, ou como lembrou o ministro Luís Roberto Barroso, “a defesa de interesses que não o da justiça”.

PAULO HENRIQUE C. DE OLIVEIRA

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

‘Garantistas’ x Nação

A opinião do povo fica evidente quando o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, sem campanha, já obtém 10% na escolha para presidente da República, enquanto os quatro “garantistas” nem podem frequentar lugares públicos. Está na cara a opção popular e os quatro deveriam entender o recado, mudar sua atitude na direção da justiça.

MÁRCIO DA CRUZ LEITE

marcio.leite@terra.com.br

Itu

Judiciário midiático

Esse espetáculo que o STF nos vem expondo de maneira cansativa e repetitiva desde o mensalão evidencia a ineficiência e incompetência de um sistema falido. Prender em segunda instância. Recursos dos recursos. Trânsito em julgado. Pedido de vista. Expressões que nós de mais de 50 anos crescemos sem nem saber que existiam e agora minha filha de 12 anos sabe até o nome dos ministros. Mais famosos que atores globais, cansam-nos com suas falas bonitas, mas pouco objetivas. O que aconteceu para isso ficar assim? Por que vivemos esta “supremocracia”? Sem uma reforma urgente de todo esse sistema ineficaz, jamais sairemos desta lama e nossa democracia permanecerá de Terceiro Mundo.

JOÃO BRÁULIO JUNQUEIRA NETTO

jonjunq@gmail.com

São Paulo

Prisão após 2ª instância

Corajosa a recente afirmativa do ministro Barroso, em Harvard, atribuindo reações contrárias à prisão após condenação em segunda instância a pessoas poderosas debruçadas em setores governamentais, que não querem mudar a situação de conveniência em que vivem. Entende melhor quem, como eu, sofre diretamente a influência de tal comportamento delitivo, que invalida decisões transitadas em julgado há anos, chegando a ponto de até mesmo anular cumprimento de sentença. Não temem nada. Por quê?

CARLOS ARTHUR CHRISTMANN

lavinox@terra.com.br

Itu

Trânsito em julgado

Uma pergunta que não quer calar: será que toda a população carcerária do Brasil já teve seus processos transitados em julgado e por isso mesmo está cumprindo a pena? Ou esse artigo na nossa Constituição beneficia só os poderosos, corruptos e ladrões abonados, que podem pagar advogados caros e chegar ao STF, para nunca serem presos?

JOSÉ DONIZETI MACHADO

donizetimachado7@gmail.com

São Paulo

PLANOS DE SAÚDE

Pacientes como mercadoria

É de conhecimento geral que os planos de saúde operam como bem querem, em benefício próprio, e não dos associados. E agora, além de cobrarem altas mensalidades – o que fez muita gente abrir mão deles por inadimplência –, querem impor a cobrança de franquia, que poderá ser de uma mensalidade! Tal mudança está em norma da Agência Nacional de Saúde, com previsão de publicação até junho. Ou seja, seremos tratados como mercadoria e os planos, equiparados a seguro de veículos. Só falta, em caso de necessidade de cirurgia, termos de apresentar três cotações de diferentes hospitais para que os planos possam optar pelo mais barato. Consultas, exames, raios X, etc., serão pagos pelos pacientes, na tal franquia.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

PÁTIO DO COLÉGIO

Pichadores

Não me conformo com a falta de punição mais rigorosa para os pichadores de monumentos e bens públicos. Os que vandalizaram o Pátio do Colégio, reincidentes, depois de identificados prestaram declaração e foram postos em liberdade. Isso é um estímulo a outros pichadores, porque é fácil atuarem de madrugada e continuarem livres para novas pichações. Multas não funcionam, eles alegarão não dispor de recursos, embora não lhes falte dinheiro para comprar tintas e contratar advogados. Seria contraproducente forçá-los a limpar o que fizeram, eis que poderia ficar pior. No meu modesto entender, deveriam ser punidos exemplarmente, digamos, sendo obrigados sob escolta policial a passar uma semana limpando os sanitários da Estação Rodoviária do Tietê. Na reincidência, dobrar a pena, duas semanas na mesma função. Se ainda assim insistirem em seu “trabalho”, serem designados para o Cadeião da Marginal de Pinheiros, com direito a estadia, por um mês. Assim que o primeiro for punido, fim das pichações.

CARLOS ICARAHY GONÇALVES

icarahyrg@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


AÉCIO NEVES


O senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse que foi vítima de armação e que o dinheiro envolvido não era dinheiro público, ninguém foi prejudicado. Alugando nosso ouvido senador? Em que mundo o senhor está? Como não é dinheiro público? O sr. acha que o sr. Joesley ia lhe dar R$ 2 milhões de reais a troco de nada? O que lhe ia ser dado em troca não é dinheiro público? Aliás, o sr. mesmo falou, segundo os autos do processo, que teria uma atuação parlamentar para ajudar a JBS. Olha a incoerência aí senador. Por um lado, diz que não é dinheiro público e pelo outro se compromete em atuar no Senado para ajudar a empresa do sr. Joesley. Aliás, como todos os parlamentares. Estão lá a serviço próprio e dos empresários. Casa do Povo, como dizia o deputado Ulysses Guimarães... Me engana que eu gosto. Esse Congresso deveria ser fechado.


Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com  

Rio de Janeiro


*

ERRO


O Supremo Tribunal Federal (STF), ao aceitar a denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o senador Aécio Neves, cometeu outro erro como o do caso de Lula. Aécio Neves foi denunciado por corrupção passiva, crime este que, para se caracterizar, deve ser comprovado o “ato de ofício”, ou seja, a denúncia não comprovou qual a vantagem que a autoridade ofereceu em troca do dinheiro recebido. Tal ato não foi comprovado em ambas as denúncias e condenações. Ficou fácil a defesa de ambos...


Artur Topgian topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo


*

DURA LEX, SED LEX

Teremos agora pneus queimados, ameaças de paralisação do País, artistas indignados, acampamentos, showmissa, bispo falando em “golpe”, camiseta “mexeu com Aécio, mexeu comigo”.


Carlos A. Idoeta carlosidoeta@yahoo.com.br 

Santana do Parnaíba


*

PT SEM PARANOIA?


A aceitação da denúncia contra o senador Aécio Neves, por decisão unânime da 1.ª Turma do STF, sepulta de vez a paranoia petista de que tucano nunca é alcançado pelas garras da Justiça. O PT precisa olhar para o futuro e abandonar de vez ressentimentos, teorias conspiratórias sem fim e desejo de vingança. Será que conseguirão?


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

GLEISI NA ‘AL JAZIRA’


A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, gravou um vídeo para a rede de TV “Al Jazira”, no qual afirma que o ex-presidente Lula é um preso político no Brasil, e ainda que sua prisão se deu apenas para impedi-lo de vencer as próximas eleições presidenciais. Não fosse a própria senadora alvo de denúncias criminais, cabe à diplomacia brasileira, em direito de resposta, também manifestar-se na mesma emissora, e deve o governo brasileiro, em nome do País e da sociedade, mover ação por calúnia e difamação em foros nacionais e internacionais contra ela, pedindo indenizações morais a altura da dignidade do Brasil e, por consequência, inibir essas manifestações ridículas, e ainda impunes, tão ao gosto de algumas “esquerdas” brasileiras.


Marcelo Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com 

Rio de Janeiro


*

RECADO DE GLEISI


A rede de televisão do Catar, maior e mais influente emissora do mundo árabe, divulgou nesta terça-feira (16) mensagem da presidenta nacional do PT, nestes termos: “Me dirijo ao mundo árabe através da ‘Al Jazira’ para denunciar a prisão política do ex-presidente Lula. Lula é um grande amigo do mundo árabe. Em toda a história o Brasil recebeu milhões de árabes e palestinos, mas Lula foi o único que visitou o Oriente Médio. Em seu governo o comércio com a região multiplicou por cinco. Em 2005, Lula promoveu em Brasília a primeira Conferência da América do Sul com o Mundo Árabe estendendo os laços entre as regiões”. Fica evidente que a senadora Gleisi vislumbra que a mensagem chegue aos grupos terroristas. A conduta da senadora enseja, desde já, sua prisão em flagrante (artigo 53, § 2.º, Constituição Federal de 88) e prisão preventiva, por violação ao artigo 17, caput (soberania nacional) e respectivo inciso II (apoio de governo estrangeiro), mais o artigo 144 (segurança pública como dever de todos). A irresponsável senadora Gleisi atentou contra a segurança nacional, nestes termos (Lei 7.170/1983): artigo 1.º. Esta lei prevê os crimes que lesam ou expõem a perigo de lesão: I) A integridade territorial e a soberania nacional; II) O regime representativo e democrático, a Federação e o Estado de Direito; III) A pessoa dos chefes dos Poderes da União. Assim, a senadora deve sofrer as consequências – para o bem e segurança de todos –, assim como o Partido dos Trabalhadores, pois a senadora também falou em nome deste partido. A cassação do registro do PT é uma opção.



Milton Córdova Júnior milton.cordova@gmail.com  

Vicente Pires (DF)

*

FUTURO X PASSADO


Após a visita dos senadores a Lula na prisão, Gleisi Hoffmann diz que ele está bem, mas preocupado com o futuro do Brasil. Ora, se esse mau brasileiro tivesse se preocupado com o futuro do Brasil quando foi eleito presidente, o presente do Brasil, que é hoje, não estaria tão lastimável como está. O que deveria estar lhe preocupando é com o seu passado criminoso dos últimos 13 anos, e não com o futuro, já que o futuro dele acabou!


Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo


*

COITADO!


Pertences do mais honesto foram roubados em Curitiba. Ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão, portanto, nada há de se fazer.


José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

APELAÇÃO


Sempre os mesmos, o PT “inventa” notícias para ser evidência. Essa última com o roubo de documentos e roupas do cara sé bem suspeitos e, como tudo ligado ao PT, não merecem crédito. Eles inventam de tudo para permanecer na mídia, chegam a apelar, acredite se quiser!


Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo


*

COMISSÃO DIREITOS HUMANOS


Beira ao ridículo a iniciativa da comissão do Senado querer verificar as condições de prisão de Lula na Polícia Federal (PF) de Curitiba. Primeiramente porque se a lei fosse aplicada em seu rigor, Lula não teria direito a nenhum privilégio em relação a todos os demais condenados, mesmo porque não corre risco de vida, goza de boa saúde e não possui curso superior. Os privilégios que lhe foram concedidos pelo juiz Sérgio Moro são uma deferência que nenhum outro preso recebeu. Essa comissão deveria investigar as condições carcerárias Brasil a fora, mormente no Maranhão, Ceará ou no Presídio Central de Porto Alegre, mas isso suas excelências não tem interesse algum, mesmo porque não dá voto, nem a chance de puxar o saco do detento ou obter algum ganho político com a militância.


Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo


*

QUEM PAGA OS CUSTOS?


Uma comissão de senadores foi verificar se os luxos (que outros não têm) estão inseridos na “cela” do presidiário Lula. Por que não se propuseram a pagar os custos desse presidiário, para livrar os cidadãos honestos que os pagam?


Mário A. Dente eticototal@gmail.com 

São Paulo


*

CHEGA DE CINISMO


A maioria dos políticos brasileiros são picaretas e cínicos. Embora os próprios petistas não reclamarem das condições da cela onde Lula está preso, criou-se mais uma comissão para verificar in loco tais condições. Alguém deles mostrou tanta comoção com os demais 726 mil presos nas penitenciárias brasileiras?


Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com  

São Paulo


*

COMITIVA DO SENADO


Seria louvável se a malta de senadores se dispusesse a visitar os presídios de Manaus, de Boa Vista, de Fortaleza, de Natal dentre outros tantos que tem uma população carcerária enfrentando condições sub-humanas de confinamento, os quais são verdadeiras masmorras. Mas, não! Foram visitar o segundo maior ladrão do Brasil, desde seu descobrimento. Não se tem notícias de que essa corja, que sob o escudo de defesa dos direitos humanos, tenha sequer falado sobre a situação dos presos, que dirá visitas in loco. Esses senadores hipócritas e oportunistas devem ser execrados da vida pública dos Estados que representam. As eleições estão próximas, e é a oportunidade do povo brasileiro se ver livres dessa banda podre da sociedade: políticos profissionais.


Carlos Benedito Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro


*

VISITAS A LULA


Os políticos esquerdistas que visitam Lula, o fazem para avaliar o quanto ainda podem aproveitar da remanescente empatia popular do ex-presidente. À medida que sua popularidade se esvai, sumirão também os seus bajuladores. E Lula sabe disto.


Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com

Capão Bonito


*

ISOLAMENTO DE LULA


Todos os dias temos notícias do sofrimento dos brasileiros que buscam atendimento nos hospitais públicos. É degradante o que nos é mostrado. Parecem hospitais de campo de guerra. Todos os dias tomamos conhecimento das condições deploráveis em que se encontram as nossas escolas públicas. Estão mais para pocilgas. Todos os dias tomamos conhecimento da quantidade de brasileiros que perdem as suas vidas, vítimas da falta de segurança que tomou conta das nossas cidades. Nossas rodovias estão mais para estradas para trânsito de carros de bois. Nosso transporte público é uma vergonha. Como sofrem aqueles que não têm outra opção. Metade da população brasileira não tem acesso a sistemas de esgoto sanitário. Estatísticas revelam que são necessários construir aproximadamente 7 milhões de moradias para abrigar brasileiros que vivem praticamente “ao deus dará”. Gostaria de perguntar aos políticos que foram visitar Lula na prisão e que voltaram preocupados com o isolamento dele, se eles podem entrar firme no combate à corrupção, para que possamos ter um Brasil melhor. Usem o mandato para resolver os problemas brasileiros. A nossa sociedade agradece.


Jeovah Batista jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)


*

SALVO DAS PROFUNDEZAS


Será que a pedido da solidária Cristina Kirchner, o papa Francisco ousou abolir o inferno só para livrar Lula?


Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)


*

PT VERSUS BOM SENSO


Depois da frustração por ter ouvido o áudio vazado do jornalista da Globo, em que ele se utilizada de termos que não condizem com a imagem que eu tinha daquele profissional, sobre a prisão do delinquente Lula, sou brindado por dois brilhantes artigos publicados no “Estadão” (16/4): “A religiosidade petista” (A2), do professor Denis Lerrer Rosenfield e “Lula atrás das grades” (A8), do escritor e laureado com o Prêmio Nobel, sr. Mario Vargas Llosa. Em ambos os artigos os dois discorrem sobre a conduta do PT e a condenação do meliante Lula, de forma elegante com bom um bom senso que faltou, infelizmente, aquele jornalista. Opiniões divergentes são sempre bem vindas, mas desde que venham dentro do campo do razoável e com argumentos suficientemente inteligentes que permitam a reflexão sobre o tema em discussão. É o que se lê nos dois artigos mencionados e que se contrapõem ao áudio vazado. Se me fosse permitido falar com ele, iria sem dúvida sugerir a leitura dos artigos.


Ademir Rodrigues rodriguesalonso49@gmail.com

Santos


*

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO


É triste e frustrante, mas infelizmente não nos causa surpresa que esta transposição tão alardeada por “Lulla” seja mais um projeto deste megalomaníaco. Conforme exposto na reportagem do “Estadão”, para variar faltou planejamento, com investimentos absurdos que já consumiram R$ 9 bilhões e ainda gastará mais R$ 11 bilhões, correndo sérios riscos de não ser autossustentável. Conforme relatório da auditoria, sua operação e manutenção podem ser mais caras que a própria obra. Quem vai responder por estas inconsistências, quem fez o projeto, será que a empresa que ganhou a licitação é mais uma financiadora petista? Estou certo que alguém levou vantagem indevida, portanto, que sejam punidos os (irres)ponsáveis!


Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo


*

TRIBUTO A MADURO


O furibundo deputado Wadih Damous (PT-RJ), ao criticar o posicionamento do ministro Barroso, que defende com ardor a punição dos políticos corruptos, sem querer confessou o desencanto seu, e dos “cumpanheiros”, a respeito das nomeações dos ministros do STF pelo governo petista. Com efeito, disse o nobre deputado, talvez traído pelo inconsciente, que: “não foi pra isso que essa turma foi colocada lá!”. Portanto, disse nas entrelinhas que lá foram colocados para agirem como o fez Lewandowski, que no julgamento do impedimento da culta sra. Dilma dilacerou o parágrafo único do artigo 52 da Constituição Federal, eliminando a parte final do texto, que determina categoricamente que a condenação implicará na “perda do cargo com inabilitação por oito anos, para o exercício da função pública”. Acertou o PT ao nomear o sr. Toffoli (aquele que era advogado de José Dirceu e que foi reprovado em dois concursos para ingresso na magistratura estadual). Contudo, no que diz respeito aos drs. Ayres Britto, Peluso, Joaquim Barbosa, Fux, Rosa Weber, Teori, Fachin e Cármen Lúcia, “os tiros saíram pela culatra”. O fanatismo dos que cultuam o “entidade-ideia” é tão alarmante, que o nobre deputado [que já presidiu a OAB?!] prega o engajamento dos ministros à causa, caso contrário, o Supremo deve ser fechado. E viva a democracia dos bolivarianos!


Ulisses Nutti Moreira ulissesnutti@uol.com.br

Jundiaí


*

DOIS PESOS DUAS MEDIDAS!


Francamente, não da para entender a esquerda brasileira! Cobram insistentemente por meio da imprensa o esclarecimento do crime envolvendo a vereadora Marielle (PSOL-RJ) e seu motorista Anderson. Não aceitam que esse crime fique sem solução, sem que seus executores sejam presos. Já os crimes que envolveram Celso Daniel e Toninho do PT, não chegaram a um veredicto final, ficando no esquecimento, será que não há interesse no esclarecimento desses crimes também? Envolveria peixe grande?


Arnaldo Luiz de Oliveira Filho arluolf@hotmail.com

Itapeva


*

TEIMOSA DIVERGÊNCIA


A primeira turma do Supremo Tribunal Federal, composta pelos ministros Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Alexandre de Moraes, aceitou, por unanimidade, a denúncia da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, contra Aécio Neves, por corrupção passiva e obstrução da Justiça, e o tornou réu pela primeira vez na Suprema Corte. Parabéns aos ministros! Essa decisão oferece aos descrentes um alento de que não existem privilégios no Judiciário. Ao contrário dessa brilhante decisão, a segunda turma, com Dias Toffoli, Lewandowski, Gilmar Mendes, Edson Fachin e Celso de Mello, por 3 x 2, concedeu ao ex-senador Demóstenes Torres, cassado pelo senado até 2022, por quebra de decoro parlamentar, o direito em disputar as eleições deste ano. Desnecessário declinar o nome dos votos favoráveis, né! Pois é, são os mesmos que não saem da mídia, contestados pela população, por libertarem políticos envolvidos em falcatruas. Congratulações aos ministros Fachin e Celso de Mello e pêsames ao trio destoante, que não dá a mínima à opinião pública que suplica constantemente por faxina geral na política.


Sergio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

São Paulo


*

SUPREMA FRAGILIDADE INSTITUCIONAL


Quando passaremos a questionar as regras institucionais do STF? Qual o sentido do colegiado ser formado sob a tutela absoluta dos políticos? E a vitaliciedade, mais ajuda ou atrapalha? Como funcionam nos países desenvolvidos? Inaceitável a visão de que o STF possa estar contra os interesses da Justiça.


George Paulus george@salaviva.com.br

São Paulo


*

BAILE DE MÁSCARAS


O Senado cassou. O STF “descassou”. Enquanto se verifica “quem manda mais”, no bordel institucional segue o baile. E a Nação, passada de mão em mão, rodopia, rodopia...


Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ATÉ APOSENTAR


Infelizmente temos que tolerar determinados ministros do Supremo até a sua aposentadoria.


José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 

São Paulo


*


FAMÍLIA DOS ‘MELLOS’?

Quando será que o decano ministro do STF, Celso de Mello vai colocar em mesa, para julgamento, o processo de crime de peculato contra o réu e deputado federal do Ceará, Flaviano Melo, que repousa em suas gavetas há dez anos? Ministro a prescrição punitiva se aproxima e o andamento processual está “empacado” e sob a sua custódia. Mas, serão parentes os “Mellos”?


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

DEMÓSTENES


A 2.ª Turma do STF, precisamente “Os Intocáveis” (Gilmar, Lewandowski e Toffoli) estão criando jurisprudência (contra a lei, diga-se) para que amanhã Lula, condenado e com direitos políticos suspensos, possa concorrer a qualquer cargo eletivo. E a imprensa não se manifesta. Será que interpretei de forma equivocada?


José Carlos Thomaz josecthomaz@gmail.com  

São Paulo


*

ESTATAIS


As indicações políticas travam processos de venda da Eletrobrás, apadrinhados ocupam pelo menos 13 subsidiárias da estatal, que acumula prejuízos. É preciso ter uma suprema ingenuidade para acreditar que as indicações políticas e os apadrinhados irão render apenas favores como obras aceleradas e eventos patrocinados em redutos eleitoras dos apaniguados. É evidente que o enorme interesse dos políticos pela Eletrobrás se deve ao potencial enorme de promover desvios sistemáticos de dinheiro público, nos moldes do que houve na Petrobrás. O Brasil precisa aprender com os seus próprios erros para não continuar errando para sempre.


Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo


*

PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRÁS


O Congresso vai privatizar a mina de ouro dos políticos? Vai ser difícil, ou quase impossível. Parte dos congressistas tem um pé em uma das empresas ligadas à Eletrobrás. Será que eles vão votar pela perda de uma das fontes de renda?


Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

PROPOSTAS


Chances do eleitor? É pouco provável que algum candidato apresente um programa com os seguintes interesses do eleitor e contribuinte: 1) Equilíbrio fiscal; 2) Redução das despesas de custeio; 3) Eliminação dos penduricalhos nos vencimentos do Judiciário e de deputados, senadores e vereadores a exemplo de ajuda de moradia, de terno, veículos, etc.; 4) Redução do número de deputados de senadores; 5) Reformada da Previdência pública para aceitar a Previdência da reforma privada; 5) Reforma política – eleitoral; 6) Continuação do combate à corrupção e penalização dos condenados; 7) Desflorestamento zero em dois anos; 8) Severas punições de infrações contra o meio ambiente, proteção dos biomas; 9) Trabalho remunerado para a base da pirâmide social – obras de saneamento, recuperação de bacias hidrográficas, reflorestamentos, obras em infraestrutura; 10) Incentivo ao etanol e aos veículos híbridos com etanol; 11) Incentivo às energias renováveis eólica, solar e cogeração com biocombustíveis; Estrada de ferro Ferrogrão; derrocamento do rio Tocantins; reforma de ferrovias no Sul e Sudeste. Até agora nenhum potencial candidato comprometeu-se com uma lista deste conteúdo porque fere interesses próprios e de seus “amigos”. Educação e saúde são genéricos que servem de nuvem de fumaça, tal como as diversas “igualdades” facilmente decantadas.


Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo


*

O BRASIL E AS ‘NOVAS’ ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS

A grande e única verdade é que, enquanto não houver uma grande mudança no atual sistema eleitoral brasileiro nada irá mudar. Até porque, hoje, qualquer pré-candidato que se diz “honesto” para disputar as eleições presidenciais não passa de novo oportunista que estará, todos, e sem exceção – caso eleitos – também fazendo parte deste mesmo sistema político corrupto que eles mesmos tanto criticam quando estão aqui, do lado de fora. Algo parecido com o que fazia o PT quando ainda não era governo. Ao entrar para a política, acabam todos comendo no mesmo coxo. Se não houver mudanças profundas e sérias no atual sistema político, continuaremos elegendo mais dos mesmos. Mesmo porque, esses candidatos “honestos” que agora se apresentam como salvadores da pátria” – e que insistem em dizer que farão “diferente” continuarão sendo eleitos graças a grandes financiadores de campanha tão “honestos” quanto, que muitas vezes ainda tem a desfaçatez e a cara de pau de se intitular como pessoas de bem – geralmente usando a farsa desses tais movimentos ditos sociais – e que sai às ruas para protestar contra a corrupção. Corrupção esta que eles mesmos ajudam a financiar ao injetar quantias milionárias nas campanhas de políticos de caráter e idoneidade duvidosas somente em prol dos seus intere$$es. Antes desta mudança acontecer, qualquer que seja o candidato – dentre muitos que irão se aventurar e aparecer até o processo” eleitoral –, assim como desses partidos que se autodenominam como “novo”, e que se apresentem também como “salvadores da pátria” estarão mentindo ao povo brasileiro, pois, ou eles ficam de joelhos a esse sistema político corrupto e pútrido, ou não governam. Não há fórmula mágica no atual sistema. Ou você entra e faz parte do esquema, ou está fora. Até porque, o processo eleitoral no Brasil hoje é, na verdade, uma grande prostituição eleitoral. Somente por meio da educação, de uma ampla reforma política e do Judiciário, aliada a muita conscientização é que poderemos mudar o destino político desse país. Um povo educado, bem informado, politizado e culto, dificilmente se deixará enganar por larápios e oportunistas que entra eleição e sai eleição infestam nossas TVs, rádios, jornais e etc., propagando promessas baseadas em suas mentiras deslavadas e fúteis para iludir e ludibriar seus currais eleitorais visando somente suas reeleições. O futuro do nosso país, dos nossos Estados e dos nossos municípios não pode mais estar condicionado na base da moeda de troca e fundamentado, muitas vezes, em um 1 kg de carne.


Roberto Prota RobertoProta@hotmail.com

São José do Rio Preto


*

FUTURO DO BRASIL


Em outubro vamos eleger não só o próximo presidente da República, mas o futuro do País. Vota certo, Brasil!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PT E AS ELEIÇÕES 2018


Se para o PT Dilma era tão boa presidente e sofreu um “golpe”, por que em nenhum momento eles citam o nome dela como candidata à Presidência em 2018[META 20%]?[/META 20%] Já que o chefe é ficha-suja e terá sua candidatura vetada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)?


Moyses Cheid Junior jr.cheid@gmail.com

São Bernardo do Campo


*

ELEIÇÃO


O editorial “O desafio das eleições” (17/4, A3) nos fez reviver “As falhas da democracia” (E4) do “Aliás” deste domingo (15), em que David van Reybrouck e James Fishkin nos alertam que as eleições não são a melhor ferramenta de representação e nos apontam a democracia deliberativa como alternativa aos vícios cristalizados da democracia representativa. Claro que temos de pressupor que o conjunto de agentes que iriam representar o povo, opinando previamente à tomada de decisões, deveria ser formado por indivíduos preparados, mesmo que o processo seja “at random”, como o próprio editorial assinala: “A maturidade de um país se revela na capacidade do eleitorado de assumir responsavelmente o encaminhamento e a solução das questões nacionais, o que começa por procurar se informar bem sobre o País, suas prioridades e seus próximos desafios”. Consideramos que o desinteresse do eleitorado brasileiro pelo assunto tem várias vertentes, mas a que mais o ilustra é o mau desempenho da maior parte dos atuais políticos, além da incredulidade sobre o bom desempenho das urnas eletrônicas; não resta nenhuma dúvida de que muita coisa tem de mudar até às eleições para que o povo se convença de que vale a pena comparecer.


Carmela Tassi Chaves tassichaves@gmail.com

São Paulo


*

DEPENDE DE NÓS...


O combate à corrupção via Lava Jato mostrando podres e atingindo indivíduos até estão incólumes, nos deu esperança de um amanhã alvissareiro, mas os atuais e propensos envolvidos se unem contra o combate à corrupção, a exemplo da bicharada no incêndio na floresta. Em ano de Copa do Mundo e eleição estamos esquecendo o principal, precisamos punir todos os corruptos, retomar a reforma da Previdência, a saneadora “Dez Medidas Contra a Corrupção” (descaracterizada e engavetada na Câmara e em banho-maria no Senado), além de, nas próximas eleições renovar o Congresso (expurgam todos contra as “Dez Medidas” e contra a reforma da Previdência – contra o Brasil honesto que sonhamos). É de suma importância o nosso voto, pois depende de nós, eleitores, um porvir promissor ao Brasil. Está em nossas mãos, para o bem do Brasil, expurgar os maus políticos que, infelizmente, é maioria.



Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES)



*

CASO A ESTUDAR


Por que o PSDB, partido que já contou com a preferência de boa parte da sociedade, o único em toda esta triste nova república que conseguiu eleger um presidente em primeiro turno, que contou em seus quadros com técnicos notáveis, responsáveis pelo soerguimento da economia brasileira após um período de inflação estratosférica, inédito na história da humanidade pela duração, atingindo gerações inteiras, se mostra, ao fim das últimas décadas, derretido, a ponto de não possuir hoje um nome representativo no panorama eleitoral confuso que se avizinha? Talvez, bicos e penas não tenham, ao longo dos anos, conseguido conviver cooperativamente em espaço restrito ou, quem sabe, seus ídolos políticos, na verdade, agora se constata, sempre possuíram pés de barro. É provável também que o partido, finalmente se tenha revelado igual a qualquer outro, tentando sobreviver nessa balbúrdia de siglas, mera sopa de letras, sem programas ou diretrizes convincentes. Caso a estudar.



Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro


*

A CÚPULA DAS AMÉRICAS



Esse Temer é um demagogo pequenino mesmo. Saíram da Venezuela 4 milhões. 70 mil (1,75%) veio para o Brasil, praticamente amontoados em Roraima, sem assistência do governo federal até agora (pelo menos é que se vê nos jornais), e o pilantra aparece nesse evento para “fazer bonito com chapéu alheio”.


Ariovaldo Batistas arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo


*

‘DESPESAS BÁSICAS SOBEM MAIS QUE A INFLAÇÃO E TIRAM R$ 14,5 BI DO CONSUMO’


Sobre a matéria com o título acima, publicada pelo “Estadão” (15/4, B1): o encarecimento da eletricidade, bem como dos derivados de petróleo, são devidos à irresponsabilidade do governo Dilma do PT. A eletricidade quando as tarifas politicamente baixaram de 20%, fizeram que todos entrassem num negativo de 10%, gerando um prejuízo e uma dívida, que só recentemente foi resolvida e está sendo paga via maiores tarifas. No petróleo então uma política de não atualização de preços, além das roubalheiras na Petrobrás, gerou uma divida em dólares da ordem de US$ 400 bilhões. A petroleira, embora hoje saneada, levará muito tempo para pagar as dívidas contraídas em dólares no mercado internacional. Estamos pagando mais devido a irresponsabilidade dos maiores criminosos que já governaram o Brasil.



Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br 

São José (SC)


*

PRECISAMOS DA REALIDADE


A inflação está baixa porque só conta com os preços baixos dos alimentos que a dona de casa compra e leva para comer em casa. Precisamos que no índice inflacionário seja considerado os preços dos combustíveis, da conta de luz, do gás de cozinha, das escolas dos filhos, dos planos de saúde, entre outros como comer fora, IPVA, etc., etc. Precisamos que a realidade seja mais exposta.


Arcângelo Sforcin arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo


*

MÍSSEIS NORTE-AMERICANOS


A propósito do lançamento de mísseis norte-americanos sobre a Síria, o presidente russo Putin rotulou como “uma agressão contra um Estado soberano”. A soberania é do povo sírio, seu único titular, cedida ao Estado sírio, cessionário, cujo supremo magistrado político usurpou para administrá-la em proveito pessoal, ao invés de revertê-la em favor do cedente. O que subsiste é a contínua agressão do cessionário, representado por seu presidente, contra o povo sírio, titular natural e exclusivo de sua soberania.


Carlos Eduardo Pellegrini Di Pietro dipietra@uol.com.br 

São Paulo


*

INSTITUTO BUTANTÃ


Li no “Fórum dos leitores” do “Estadão” a missiva do dr. Isaias Raw contendo informações que não podem ficar submersa, pois, tratam de assuntos sérios e que a sociedade precisa conhecer. O início do conhecimento foi dado pelo dr. Raw, o próximo passo é do secretário de Saúde. Muita gente precisará ser ouvida para que a sociedade conheça de fato o que ocorre com tão importante instituto e eu sugiro que o seu chefe seja ouvido, o dr. Dimas Tadeu Covas, que é da especialidade.



Sérgio Barbosa sergiobarbosa19@gmail.com 

Batatais



*

A NONA


Almir Pazzianotto Pinto indaga, em “Cláusulas Pétreas da Constituição” (17/4, A2), como e com quem elaborar a nona Constituição da República, para torná-la verdadeira, aplicável e duradoura, sendo este o enigma que o Brasil deverá decifrar. A oitava, a cidadã de Ulysses Guimarães, promulgada em 1988, previa sua revisão passados cinco anos, o que aconteceu em 1993, sem que qualquer alteração surtisse efeito. Em plena era Collor! Como se estivéssemos numa teia de aranha, como se uma pedra tivesse dilacerado os cérebros de todos os brasileiros, teremos de conviver com as aberrações contidas nessa “Constituição” que poucos, mas lúcidos e probos homens públicos, já denunciaram e que inviabilizam o desenvolvimento harmônico do Estado? O que afinal é preciso, não para rasgá-la e mandar às calendas os avanços democráticos elencados no texto constitucional, mas para transpô-los a outros textos legais, relegando à Constituição apenas os princípios de fato pétreos e imutáveis?



Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com

São Paulo


*

FOTO FALSA



Falsificaram meu jornal! A foto de Neymar com bota ortopédica é falsa, não tem patrocinador.



Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 

São Paulo



*

RESPOSTA


Em relação à carta do senhor Devanir Amâncio sobre a instalação de banheiros públicos, a SPObras esclarece que o banheiro público da praça Dom José Gaspar funcionou para testes até o dia 30 de março, por meio de um termo de cooperação firmado entre a Prefeitura e uma empresa privada. Os resultados dos testes serviram de base para construção do edital de licitação de 500 banheiros públicos fixos e 100 móveis, lançado em 17 de março. Uma empresa, porém, entrou com pedido de impugnação do edital. Para evitar que a questão passasse a ser discutida na Justiça, a SPObras suspendeu a licitação para melhores estudos sobre o edital.


Vera Freire

Coordenadora de Comunicação – SPObras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.