Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2018 | 03h00

AGÊNCIAS REGULADORAS

Feudos políticos

Sem regra clara, agências são dominadas por políticos (23/4, A1). E por que são tão disputadas por políticos? Pela simples razão de serem os diretores dessas agências que definem – por vias tarifárias – o dinheiro que entra e sai nas empresas monopolísticas. Dá para imaginar essa disputa com a Eletrobrás nas mãos de particulares? Daí a conclusão de não haver privatização séria sem estatização do Estado.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

Tudo dominado

Este é um dos motivos por que o nosso país não evolui: as agências reguladoras são dominadas por políticos, que disputam as posições de comando acirradamente. Posições que deveriam ser preenchidas por técnicos capacitados e concursados. Os políticos querem mais é criar cabides de empregos para seus asseclas e apaniguados, coletar dinheiro para seus partidos e outras finalidades que nem precisamos mencionar. Acorda, Brasil!

KÁROLY J. GOMBERT

kjgombert@gmail.com

Vinhedo

Só más notícias

A Nação em plena luta por transparência de conduta e somos brindados com mais essa infausta notícia da disputa de vagas políticas em agências reguladoras. É o que faltava! O descaramento continua com a certeza da impunidade. A agência que regula a aviação civil já emplacou a cobrança de bagagem sem baratear as passagens, conforme prometido. A de saúde complementar vende ao público a ideia de novo plano (ou seguro?) coparticipativo e com franquia, também usando a ideia de barateamento para justificá-la. Quem acredita? Impede-se que usinas vendam etanol diretamente aos postos e assim o preço dobra. Essas agências estão regulando bem? A corda está esticando demais. Isso não acaba nunca?!

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

Intervenção e popularidade

O presidente Michel Temer, que luta para reduzir seu índice de rejeição, poderia intervir na ANS e acabar com esse vergonhoso reajuste de 13% nos planos de saúde individuais, corrigindo uma enorme injustiça que vem sistematicamente sendo cometida nos últimos quatro anos. Esse reajuste aprovado pela ANS, que tem sua diretoria indicada por políticos corruptos, atende apenas aos interesses dos planos de saúde. Tenho a certeza de que boa parcela da população brasileira iria passar a ver com olhos mais condescendentes a atuação de Temer na Presidência da República.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

DITADURA NA ACADEMIA

Direito de discordar

No artigo A ditadura na academia e o golpe de 2018 (22/4, A2), o professor Carlos Mauríco Ardissone fala das dificuldades para um professor se contrapor às falácias sobre o “golpe” de 2016. Sou professor e enfrento o mesmo problema, colegas não me cumprimentam quando sabem que não endosso o discurso do “golpe” e aplaudo a prisão do chefão petista. Mas não deixo de tomar posição com vigor, devo isso aos alunos, que não podem ser enganados, e aos vários colegas que se sentem intimidados pela verve esquerdista. A escola, básica ou superior, não pode ser local de manipulação ideológica, temos de reagir e levar para a sala de aula a pluralidade de argumentos e ideias.

EVALDO VALENTE GUIMARÃES

evaldovg@hotmail.com

São Paulo

Coragem de denunciar

Precisamos que mais professores tenham a coragem de denunciar a ditadura que impera nas nossas universidades, onde, conforme o dr. Ardissone, professores que “ousem” questionar a cartilha marxista enfrentam duras penas: frequentemente são punidos com a perda de disciplinas e prejudicados em bancas de seleção para muitas universidades públicas! Sabemos que nossas universidades estão sendo dominadas por panelinhas ideológico-partidário-sindicais. Diante desse quadro, não nos surpreende a oferta de muitos cursos sobre o “golpe” de 2016.

CLEO AIDAR

cleoaidar@hotmail.com

São Paulo

Populismo vicioso

Parabéns e obrigado ao professor Ardissone pela coragem de falar de um assunto que é tabu em nossa sociedade e tanto desgoverna a juventude. Esse populismo vicioso, essa esquerda dependente, arrasa e aniquila sonhos, distorce a educação e tenta reescrever a própria História.

JOSÉ PELA FILHO

jpf@tpcc.com.br

São Paulo

O outro lado da História

Certeiro e corajoso o artigo de Carlos Maurício Ardissone. Infelizmente, as ciências humanas no Brasil foram tomadas pela ideologia marxista, o que explica o patrulhamento ideológico a que continuamos sujeitos. Por outro lado, nestes tempos em que começa a renascer a direita democrática, está aí uma excelente oportunidade, um “nicho de mercado”: criar novos centros de pensamento para estudar, por exemplo, versão não marxista da História do Brasil.

RICARDO FERREIRA

fredrfo@gmail.com

São Paulo

Meia-boca e blá-blá-blá

Gostei do filme e resolvi ler os livros das Quatro Estações de Havana, do ótimo Leonardo Padura. Dei-me conta, então, de que já são 59 anos da revolução, ou seja, pouquíssimos cubanos conheceram outro regime, diferente do comunismo castrista. O que para o exterior parece conformismo, na verdade é o povo manipulado pela propaganda tentando sobreviver. Aqui também o lulopetismo tentou fazer algo semelhante. Lembro-me de Dilma, num de seus discursos, dizendo na maior cara de pau que foram eles que controlaram a inflação, como se Itamar Franco e FHC nunca tivessem existido. Como os brasileiros têm memória curta e educação deficiente, sempre há alguém para acreditar nessas bobagens. São hilariantes os refrões “Lula está preso porque queria que os brasileiros tivessem três refeições” e “Lula colocou os jovens pobres na universidade”. Aliás esta última afirmação tem até um pouco de verdade, já que os programas de financiamento e a proliferação de faculdades meia-boca, com cursos blá-blá-blá, acabou por propiciar a criação de empresas monstruosas, que são as grandes beneficiárias dessas “políticas”. Outro grande aliado nessa cruzada pela ignorância são alguns representantes da classe dos professores, movidos não somente por suas utopias, mas, principalmente, pelo desejo de “serem diferentes”.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


BARRADOS no baile


Pensando se tratar de uma festa, a tigrada petista foi “barrada na porta do baile", ou melhor, na Polícia Federal (PF). A impedida Dilma Rousseff e a ré Gleisi Hoffmann foram algumas delas. Ora, existem dias e horários certos para o demiurgo receber seus familiares e advogados. As excursões petistas para “matar a saudade” não são permitidas mesmo. Mais uma regra que o PT quer quebrar, afinal, “elles” são craques nessa tarefa. Só colocando uma placa: “entrou não sai mais”!


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

VISITAS


Parabéns a juíza Carolina Lebbos que negou a possibilidade de visitas não relacionadas com as que haja permissão legal para tal. Será que esta turba que pretendia visitar o sr. Lula da Silva ainda não percebeu que ele é um condenado pela Justiça, que passou pela decisão de 17 juízes antes da condenação que o levou a prisão? Chega dessa balela de que ele é um preso político e aceitem que a lei é igual para todos ou mudem de país. Ele tem algumas prerrogativas como ex- presidente que estão sendo rigorosamente cumpridas dentro da lei. A prisão do Lula não é um salão de festas em que os convidados entram e permanece livremente. Chega de politicagem!


Roberto Luiz Pinto e Silva robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

*

VISITAS AO ‘MUQUIFO’ DO LULA


Corretíssima a posição da juíza que está proibindo visitas a bel prazer da politicalha ao Lula, afinal, ele é apenas um presidiário condenado por corrupção e sujeito as normas de visitas de uma cadeia e não está num boteco onde entra quem quer e hora que quiser.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

VISITA NEGADA

A ex-presidente Dilma Rousseff entrou com pedido para visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sua cela na Polícia Federal de Curitiba. O pedido foi negado pela juíza Carolina Moura Lebbos. Discordo de tal medida e acho que a ex-presidente deveria sim entrar na cela junto com o Lula e de lá nunca mais sair.


Carlos Avino carlosavino.jaks@hotmail.com

São Paulo


*

PARA LULA: TUDO


Qual é a reação de Gleisi Hoffmann e Dilma Rousseff, preocupadas com a cela cinco estrelas de Lula (15m² com TV e banho privativo) sobre a notícia publicada pela OAB, após vistoria, que os presos passam fome e estão sem acesso a itens de higiene pessoal e direitos básicos nos presídios de Anápolis e Formosa?


Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

VISITAS VETADAS


As viúvas de Lula foram barradas!


Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo


*

POR QUE VISITAR LULA?


Afinal, Lula está preso ou não? O que querem esses deputados, senadores e a dona Dilma com o preso? Ele está protegido por lei, numa sala maior que a dos presos comuns e separado de outros presos. Jamais Lula saberá o que é uma prisão tendo tantos privilégios. Por ter ocupado a Presidência da República, maior cargo desse país, sua pena deveria ter sido mais severa, pois ele conhece os riscos de seus crimes e também dispõe de muito dinheiro para pagar caríssimos advogados. Já passou da hora de tanto “mimimi” para esse caso, que nem um mês completou e quase ninguém fala mais nisso.


Luciana Lins lucianavlins@gmail.com

Campinas


*

AS VISITAS DE LULA


Ficar “hospedado” numa cela da Polícia Federal em Curitiba, com banheiro privativo, televisão, chuveiro quente e com direito a visitas frequentes, sempre que desejar. É isso que qualquer detento do país deseja e sonha. Entretanto, esta exceção só é pleiteada a um preso considerado especial, o ex-presidente. Os correligionários, amigos e admiradores de Lula fazem campanha e reclamam quando não conseguem estas “deferências”, ao “ídolo das massas”, que não se conforma em ser tratado como um preso comum, desacostumado com as regras impostas pelas leis brasileiras. Seus seguidores espalhados por vários partidos considerados “puxadinhos do PT”, como PCdoB, PSOL, PSB, estão unidos nesta batalha para, na melhor das hipóteses, tirar o ex-presidente desta incômoda situação, esquecendo-se que o Brasil está mudando, às duras penas, mas com o firme propósito de passar definitivamente este país a limpo.


Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo


*

APROVEITE LULA


Lula aproveite esse tempo de recolhimento que você obteve. Longe dos que só querem se aproveitar do seu carisma se eleger ou fugir da Lava Jato, faça desse tempo um período sabático. Aprenda inglês. Afinal todo político importante sabe falar essa língua que se tornou padrão. Faça um curso virtual. Há muita coisa boa e reconhecida. Aprenda a gostar de leitura e veja o mundo com outros olhos. Há males que vêm para o bem.


Geraldo de Paula e Silva siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro



*

JOGOU A TOALHA


Lula jogou a toalha e, no entanto, o partido se encontra aparentemente sem uma válvula de escape. E agora PT? Vai para onde? As eleições municipais de 2014 foi um filme triste para o partido. Tudo indica que teremos um repeteco.


Leandro Ferreira ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

São Paulo


*

BRASIL, UM PRESO POLÍTICO!


O Brasil é um preso político dos corruptos e dos privilégios dos funcionários públicos que saqueiam esta Nação!


Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas


*

AS CERTEZAS DE DAMOUS


Circulou em redes sociais no domingo, um vídeo em que o deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) explica a correligionários que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, é um aliado do PT. Segundo o deputado: “Gilmar hoje é nosso aliado, amanhã volta a ser o nosso inimigo, mas hoje ele é nosso aliado. E nós somos aliados dele”. A declaração surpreende, mesmo sendo Gilmar sabidamente inconstante em suas decisões. É que, desde 2012, Gilmar que foi íntimo amigo de Lula – ele e a esposa eram convidados frequentes do casal Lula da Silva – romperam a amizade e de lá para cá Gilmar passou a tratar Lula como desafeto e a ser visto pelos petistas como um inimigo mortal. Mas, onde há fumaça há fogo. Pois não é que consulta à agenda oficial de Gilmar (portal STF, 22/4), revela que desde 10 de abril – quando retornou de temporada em Portugal – foi visitado: no dia 11 pelo ex-ministro Gilberto Carvalho; dia 17, pelo ex-ministro José Eduardo Cardozo; e dia 18, pelo próprio Damous, acompanhado dos deputados Paulo Teixeira e Paulo Pimenta. Daí fica mais fácil perceber de onde vem a estrela-guia que transformou Gilmar num ardente defensor da libertação de Lula. E constatar que das contradições de Gilmar nascem as certezas de Damous e os medos dos brasileiros honrados.


Sergio Saraiva Ridel sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo


*

JUDICIÁRIO INEFICIENTE E CORRUPTO


A Organização das Nações Unidas (ONU) classificou o Judiciário brasileiro de ineficiente e corrupto. Por que será? O que todos brasileiros sabem... Sem generalizar, o nosso Judiciário está mais para ineficiente do que para eficiente, além de muito deficiente no que tange a demora nos julgamentos, que na melhor das hipóteses ocorrem entre 5 a 10 anos... A um custo estratosférico ao País. Os juízes, para mostrar o “sábio saber”, julgam de acordo com a sua interpretação e convicção de uma lei, quando deveriam fazer valer a “Súmula Vinculante” do que será julgado – obviamente perderiam muito menos tempo para proferir as sentenças e sem sofrerem as conhecidas tentações e influências dos “intere$$ados” nos processos. O que na atual conjuntura podem ser tentados nas corrupções tão comuns onde se incluem com frequência as no$$as “autoridades” dos Três Poderes e até servidores. Quanto mais demora uma sentença, entende-se que a Justiça não está sendo feita... Justiça atrasada não faz Justiça! Por isso a população carcerária em nosso País é uma das maiores do mundo, tudo em razão da lentidão dos julgamentos. São inúmeros os detentos que ficam “amontoados” em presídios à espera de uma decisão. Após a aprovação da Lei n.º 12.403/11, referendada pela presidente Dilma. Diante dessa situação são raríssimos os marginais, meliantes ou bandidos que ficam presos após a promulgação dessa Lei. Bastando o registro da ocorrência, independentemente dos delitos cometidos, até em flagrante, que apenas aguardam a arbitragem da “fiança”, que pagam e voltam à criminalidade. E Aguardarão em plena liberdade o julgamento que poderá ocorrer em até 10 anos, ou prescrevem. Será que é por isso que enfrentamos uma violência urbana sem limites e a falta absoluta de segurança pública? A imoralidade e desonestidade imperam no País. É a impunidade da nossa Justiça com um contingente imenso de servidores que ganham super salários e produzem muito pouco em benefício para a sociedade brasileira. É isso ou pior?


Luiz Dias lfd.silva1940@gmail.com

São Paulo


*

PÁTIO DOS MILAGRES


O polêmico ministro Gilmar Mendes do STF declarou que seu gabinete transformou-se no pátio dos milagres dos petistas, após ter mudado seu entendimento a respeito da prisão em segunda instância. Afirmou ainda que a pena de 12 anos e um mês, imposta ao presidiário Lula da Silva, pode ser reduzida no STF, porque não ficou clara a acusação de lavagem de dinheiro. A impunidade nunca vai acabar no Brasil porque determinados ministros fazem milagres em prol dos poderosos.


José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

TRÂNSITO EM JULGADO


Seria interessante saber de ministros do STF se, descoberto o assassino de Marielle Franco, a prisão somente seria possível após o trânsito em julgado da sentença que o condenar.


Hugo Policastro hjpolicastro@terra.com.br

São Carlos


*

LAVA JATO NA ROTA DO PSDB


O Ministério Público de São Paulo, ao instaurar investigação por suspeita de improbidade administrativa praticada pelo ex-governador Geraldo Alckmin, que teria se beneficiado de caixa dois na eleição de 2010 e 2014, literalmente coloca o PSDB, na rota da Lava Jato. E leva um risco à candidatura de Alckmin, ao Planalto, já que, também o seu desempenho não é bom nas pesquisas eleitorais divulgadas! E para piorar, a imagem do partido sofre também fissura quando Aécio Neves é declarado réu por corrupção! É uma pena que esses eventos acontecem justamente a seis meses da eleição! Já que, Alckmin, pela sua experiência como administrador público, e capacidade de articulação política, pode se for eleito para o Planalto, em outubro próximo, ajudar a desenvolver o País. Mesmo porque, desde a gestão de FHC no Planalto, a eficiência administrativa de governadores do PSDB, nos Estados, tem correspondido melhor do que os eleitos pelos demais partidos. E o tucano Geraldo Alckmin, com três mandatos na administração de São Paulo, mesmo durante a recessão econômica, conseguiu equilibrar as contas do Estado, e com a austeridade necessária, ainda conseguiu tocar num bom ritmo o nível investimentos em áreas prioritárias. Espero que os efeitos desta denúncia se dissipem, com as necessárias explicações de Alckmin, e o PSDB, hoje fracionado, caminhe unido em apoio ao seu candidato...


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*

UNIÃO MDB E PSDB


O presidente Temer propõe chapa única ao PSDB: Temer presidente e Aécio vice, algo assim. Melhor seria uma aliança maior, que envolvesse o PT também: Lula presidente, Aécio vice, Dilma e Temer no Senado, vale qualquer coisa para escapar da cadeia.


Mario Barila mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


*

ESGAR OU DEBOCHE?


Alguém pode me dizer por que o senhor Jorge Yunes, amigo de Michel Temer, aparece sempre invariavelmente sorrindo nas fotos, nas filmagens, nas entrevistas, ainda que se encontre sob negras suspeitas de coadjuvante de corrupção? Estranho...


Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião


*

DESCRENÇA


Os políticos continuam aparelhando as estatais, vide Eletrobrás. Devem acreditar que nada vai mudar neste país. Espero que estejam enganados, inclusive para o bem deles.


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

DESEJO ARDENTE


Trabalhar em estatal é a grande ambição dos acomodados e “cumpanheiros”.


José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro


*

FUNCIONALISMO


“O nó do funcionalismo” é o título do editorial do “Estadão” (24/4, A3). Está certo. Vejamos quais candidatos a qualquer dos cargos terão coragem de propor uma redução do número de funcionários, cortes nos penduricalhos dos vencimentos, reforma da Previdência, privatizações, extinção de municípios que não autossustentam a sua administração etc.


Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo


*

‘O NÓ DO FUNCIONALISMO’


O editorial descreve bem o crescimento metastático do funcionalismo no Brasil, principalmente depois do estado que surgiu no espírito da Constituição Cidadão, onde há muito direitos, poucos deveres e responsabilidades. 30 anos depois assiste-se à falência deste estado, nos níveis que vão do município até a União, passando pelos Estados federados. Os petistas deram o golpe de morte, ao gerirem irresponsavelmente as finanças públicas, ao se chegar à quase inadimplência. Mesmo com algumas reformas adiadas como a da Previdência, falta muito para colocar as coisas em ordem. Qualquer constituição que mais se assemelha a um programa político, do que a regulamentação do poder do Estado, dos tributos e diretivas gerais do direito civil e penal, etc., sempre será fadada ao fracasso. Todas as atuais constituições bem sucedidas no mundo são objetivas e precisas, muito diferentes da nossa atual, que mais parece com um sonho que ignorou a realidade. A atual quase falência, nos mostra que uma constituição não pode ter cores ideológicas, bem como a capacidade do Estado (que já consome 1/3 do PIB com tributos), via leis resolver os problemas da sociedade. Tem que haver algo mais!


Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)


*

A VERGONHA


Excelente o editorial “O nó do funcionalismo”. Apenas um leve reparo, em vez de “O nó” o título deveria ser “A vergonha do funcionalismo”.


Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas


*

AGÊNCIAS DOMINADAS POR POLÍTICOS


Pergunto: por que senadores e deputados querem mandar e desmandar nas agências reguladoras e órgãos estatais? Respondo: para continuar roubando descaradamente o Brasil? Até quando? Gostaram ou não da resposta? Posso ir depor em Curitiba com prazer. Escrevi.


José Rafael Novaes Damico bonecaodamico@uol.com.br

Campinas


*

CONGRESSO


É inacreditável e revoltante as informações sobre os gastos dos senadores com as mordomias bancadas por nós trabalhadores. Além de absurdas, certamente os comprovantes são falsos para permitir a lavagem de dinheiro. Como não existe fiscalização, eles se dão ao direito de roubar-nos. Os dos deputados petistas exigirem reembolso de despesas para participarem do deprimente espetáculo circense montado para apoiar o corrupto mor, Os palhaços como sempre, somos nós os contribuintes! Como esse pessoal não nos respeita mesmo, na próxima eleição temos que eliminá-los da vida pública para iniciar a limpeza do País!


José Maurílio Pereira mauriliopereira@uol.com.br

São Paulo


*

11.º MANDATO CONSECUTIVO!


Realmente nossa política e nossos políticos são uma verdadeira piada, um disparate e algo sem nenhum significado e muito menos sentido, pois nada fazem em prol da população, a não ser em benefício próprio visando vantagens, mordomias e etc. Como exemplo podemos citar um, pois temos um universo deles na mesma situação, alguém já ouviu falar algo a respeito do deputado Simão Sessim (PP-RJ), ou que o mesmo tenha feito algo de importante em benefício da população carioca nesses 40 anos de Câmara? Pois bem, esse senhor planeja seu 11.º mandato consecutivo. Quanta vergonha, né não?


Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo


*

SAÚDE COMPLEMENTAR


A Agência Nacional de Saúde, não deve propor normas que transformam os segurados e os médicos em apenas uma mercadoria: franquia, judicialização, inflação, explorando os pacientes, principalmente os idosos, além dos problemas vivenciados no SUS. Seria fundamental uma gestão eficiente e fiscalizadora, reduzindo custos da saúde, incentivando: 1) Alimentação saudável; 2) Exercícios físicos regulares; 3) Sono reparador; e 4) Consultas preventivas e educativas. Diante da realidade da Agência Nacional de Saúde, conclamamos a participação nessa luta do CRM, CFM, APM e um debate nacional.


Pedro Antonio Armellini paarmellini08@gmail.com

Amparo


*

ELEIÇÃO DE UM ‘NOVO’


Já imaginaram uma situação de um médico especialista em transplantes de rim, pilhado em alguma desonestidade? Seria uma boa solução escolher um juiz honesto para fazer o próximo transplante? É o que estamos nos preparando para fazer na eleição do próximo presidente da República?


Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo


*

ELEIÇÃO NO PARAGUAI


Mario Abdo Benítez, do partido Colorado venceu a eleição no Paraguai. Mais uma vitória da direita que se soma a Argentina e Chile na América do Sul. O Congresso do Paraguai vetou as urnas eletrônicas brasileiras, usadas em eleições anteriores. O exemplo do Brasil na última eleição para presidente deixou claro que além de não serem confiáveis elas podem ser burladas, razão pela qual foram abandonadas no Paraguai. A falta de confiabilidade do modelo DRE foi abandonada por países como Holanda, Alemanha, Estados Unidos, Argentina, Canadá, Rússia, México e Paraguai. Enquanto em 2014, Índia e Equador adotaram modelos mais avançados, o Brasil, do atraso, desde 1996, permanece com o modelo DRE de 1.ª geração em todo mundo. Temos motivos de sobra para desconfiar.


Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

VENEZUELANOS EM FUGA


Onde está Gleisi Hoffmann, admiradora do regime de Chávez e Maduro, que não se apresentou para ajudar os refugiados venezuelanos? Se o PT realmente apoiasse a Venezuela, cada petista levaria dois venezuelanos para suas casas, cuidaria deles e os convenceria a voltar para a Venezuela, sob o maravilhoso “Socialismo Bolivariano”, apoiado pelo PT. Em lugar de chamar estrangeiros para libertar ladrões no Brasil, Gleisi deveria estar em Roraima, ajudando os venezuelanos.


Celso Francisco Alvares Leite celso@celsoleite.com.br

Campinas


*

REVISÃO CONSTITUIÇÃO DE 1988


No artigo “Liberdade e democracia” (22/4, A3) assim como na apropriada percepção no “Fórum dos Leitores”, da parte de Luiz Roberto da Costa Jr., contamos com a abordagem renitente da revisão da Constituição de 1988. Fica a pergunta: por que esse assunto não se resolve? Para não ficar no terreno das elucubrações, convém recorrer a um conceito de resolução de problemas, o denominado: 5W e 1H. Vamos a eles: What (O quê). Revisão da Constituição de 1998, por meio de uma Assembleia Nacional Constituinte; Why (Por quê). Além dos argumentos expostos neste jornal, temos o célebre comentário de José Sarney, quanto à impossibilidade de governar com a mesma, data vênia, ao saudoso dr. Ulisses, e a constatação de FHC, quanto ao presidencialismo de cooptação, tanto que o atual centrão se mobiliza para reforçar presença na Câmera, e não para ter candidato à Presidência, afinal para que se o poder está na Câmera, e o dinheiro para as campanhas anda curto no momento; Who (Quem). Artigo 6; 1/3 da Câmara ou Senado; ou/e presidente da República; ou/e metade das assembleias legislativas da Federação por maioria relativa; When (Quando). A partir das eleições de outubro de 2018, com Congresso renovado; Where (Aonde). Congresso Nacional; How(Como). Antes cabem alguns comentários: Desde 1999 o deputado Miro Teixeira, tenta, nos temas: Sistema Eleitoral, tributário e competências federativas. Em 2006, durante o governo Lula, o deputado Luiz Carlos Santos tentou. Em 2013, Dilma também tentou. Já em 2016, o deputado Rogério Rosso fez sua tentativa, juntamente com o incansável Miro Teixeira. Em 2017 o deputado Danilo Cabral faz a sua tentativa. Percebe-se que, o como, é a parte mais difícil, assim como a controvérsia da instauração de uma Assembleia Constituinte, mas o cenário atual urge por uma solução, pois da forma como está a Constituição de 1988, a mesma facilita meios de corrupção, quebra as finanças do governo federal, e promove desigualdades, e não adianta elegermos o presidente mais honesto, da mais exímia capacidade de gestão, e voltado as nossas causas sociais, do mundo, que continuaremos na mesma maré de águas revoltas. Portanto, entendo que a única forma de viabilizar o como é cobrar dos candidatos às eleições de outubro 2018 em todos os níveis, um posicionamento acerca desse tema fundamental, que a meu ver, não consta da agenda de nenhum deles.


José Nestor Cavalcante Cerqueira nestor.fwb@terra.com.br

São Paulo


*

‘O RESGATE DA ESPERANÇA’


O editorial de hoje “O resgate da esperança” (23/4, A3) aborda a crise de confiança nas instituições, nos poderes, nos políticos. E estranhamente põe a responsabilidade no eleitor que não sabe votar e se torna apático e indiferente com os destinos do País, reclama dos políticos, mas nada faz... São alienados. Estranhamente o editorial não fala dos políticos e das instituições como os principais responsáveis pelo estado atual de degradação, corrupção desenfreada, falta de ética, falta de moral e de responsabilidade das pessoas que ocupam os cargos nessas instituições e na política. A meu ver os políticos e funcionários públicos em geral são os maiores responsáveis. Não estão a serviço da Pátria, das instituições, do povo – ao contrário estão no governo e na política para se servirem de tudo que puderem, tirar todo proveito em benefício próprio e de suas famílias e amigos. Os partidos políticos, todos, sem exceção, se organizam em torno de bandos de salafrários e corruptor, sem qualquer ideal, sem qualquer propósito edificante, sem qualquer programa em benefício do povo. Não estão a serviço da Nação, a serviço do povo, estão a serviço de seus membros, negociando vantagens em benefício próprio. O povo, o eleitor, é enganado o tempo todo e não tem como se defender, como saber do caráter e moral dos candidatos – todos se apresentam como santos, de elevada moral e princípios, prometem defender o povo – até serem eleitos, aí muda tudo. A imprensa pode e deve ajudar o povo, divulgando informações corretas e completas sobre os candidatos, identificando os mentirosos e cínicos, pois a imprensa tem estrutura de pesquisa e de investigação, além do enorme poder de difusão dos fatos em jornais, revistas, rádio e TV, coisa que o povo não tem e nunca terá.


José Bueno jbueno526@gmail.com

São Paulo


*

VIII CÚPULA DAS AMÉRICAS


Essa cúpula, como também a Nafta, o Mercosul etc., são formas dos americanos e canadenses manterem o curral latino, ainda que de forma secundária no cenário. Os americanos do norte nunca acreditaram nos do sul, e até por culpa destes, veja Cuba, Venezuela, Equador, Bolívia e até o próprio Brasil. Nunca foram além de republiquetas das bananas. E esse circo (igual aos da ONU pelo meio ambiente) foi em Peru, e completamente “fora de propósito” aos americanos, que sequer deram os ares da graça. Essa cúpula como o Mercosul, são duas piadas políticas, uma dos americanos do norte, outro dos latinos do sul.


Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo


*

‘MENSAGENS DE ESPERANÇA’


Três colunas para o general, duas colunas para os bispos. Enquanto o general foi ao cerne da crise, enfático em sua mensagem, os bispos da CNBB foram vagos na sua mensagem sob o título “Eleições 2018 compromisso e esperança”, ao se referirem à corrupção, à falta de boas políticas públicas, à normalidade democrática, à superação da crise institucional e à confiança e esperança do povo brasileiro.


Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)


*

O BRASIL QUE EU QUERO


Uma grande mídia lançou um slogan “o Brasil que eu quero no futuro”. Muitas opiniões importantes são divulgadas e bastaria que nossos políticos atuais as vissem e as seguissem que certamente viveríamos melhor. Minha opinião sobre o assunto é que não existissem famílias com sobrenomes tais como, Mendes, Mellos, Toffolis, Lula da Silva, Rousseff, Temer, Padilhas, Hoffmanns, Piccianis e milhares de outras amplamente divulgadas pela mídia quando o assunto é roubalheira. E não para o futuro e sim para ontem.


Iria de Sa Dodde iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro


*

O BRASIL QUE NÃO QUERO


Este é o Brasil que eu não quero: 1) Executivo: uma pessoa mais preocupada, em fazer alongamento com as mãos, em seus discursos; 2) Legislativo: parecendo um galinheiro com muitos galos e suas consequências; e 3) Judiciário: parecendo que está governando, com juízes, tribunais e sindicatos.


Lenir Olyntho lenir.olyntho@hotmail.com

São Paulo


*

LAVAGEM CEREBRAL


Com efeito, é preciso instaurar urgentemente uma Lava Escola no sistema educacional do País para pôr cobro e dar um basta definitivo nessa absurda, condenável e inaceitável prática de lavagem cerebral a que são submetidos diuturnamente os estudantes brasileiros por essa corja de professores esquerdistas que grassam nas salas de aula Brasil afora. Escola sem partido, sim, doutrinação esquerdista, não. Vão lecionar em Cuba!


J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

SUICÍDIO DE MÉDICOS


Só uma sociedade profundamente doentia e desestruturada pode conviver com um elevado número de suicídios e, destacadamente, de médicos, seus membros destinados a salvar-lhes e prolongar suas vidas. As causas são óbvias: baixos salários, falta de tempo de lazer e de convivência com seus entes queridos, da dialógica social sem a qual muitos não resistem à solidão, expectativa falsa de que são super-homens, e ainda, quanto a eles próprios, ilusão quanto a não deverem ter cuidados com a própria vida, recorrendo a colegas, por se considerarem capazes, por si só, de administrá-la. Assim com a OAB recomenda (não obriga) que advogados não postulem em causa própria, é preciso que o médico tenha plena consciência de quanto está como paciente e de quando se encontra como médico. Enfim, um torvelinho de problemas que os desafiam e às suas entidades de representação, muitas delas corporações voltadas aos interesses pessoais de seus ocupantes ou utilizadas como instrumentos políticos.


Amadeu Garrido amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo


*

NELSON PEREIRA DOS SANTOS, MEU AMIGO


Era 1955, Paulo Fontoura Gastal e eu recebemos em Porto Alegre, um jovem cineasta e seu filme de estreia: “Rio 40°”. Ali, no Cinema Imperial, na Rua da Praia, assistimos o primeiro clássico do Cinema Novo nacional. Nelson Pereira dos Santos se tornaria nosso amigo para sempre. Em 1958, eu era colunista do Diário Carioca, do Rio, em sua sucursal gaúcha. Um dia entro na redação e lá está o Nelson me saudando. Fico impressionado com sua memória e ele diz que me lê todas as semanas! O nosso maior cineasta era copydesk do jornal! Era muito difícil fazer cinema de arte no Brasil. Morre um imortal da Academia de Letras, um imortal do cinema mais brasileiro de nossa história. Obrigado por “Rio 40°”, por “Vidas Secas”, por “Memórias do Cárcere” e todo o magnífico cinema que colocou o Brasil no cenário cinematográfico mundial!


Paulo Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre


*

RELATIVIZADO O RACISMO


Tem uma coisa que eu nunca vou entender! No seriado Mister Brau, quando o casal está em Angola, eles dizem: “Ah que coisa incrível, aqui todo mundo é igual a gente, todos tem a mesma cor”, ou algo assim, agora imaginem se um casal branco faz isso? É racismo. Nunca vou entender.


Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.