Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

28 Abril 2018 | 03h00

ECONOMIA

Legado a preservar

Inquestionável a análise do editorial Legado a ser preservado (28/4, A3). As críticas ao governo Temer são infinitas, mas as suas qualidades e os seus propósitos devem ser enaltecidos. Contrariamente, ao ler o caderno de Economia do Estado pensei tratar-se de páginas policiais, dada a conduta lamentável de grandes empresários, agora afastados de suas atribuições, que no passado recente buscaram favorecimentos ilícitos nos governos então constituídos, levando suas empresas à bancarrota. Esse é o Brasil que não queremos.

GILBERTO DE LIMA GARÓFALO

gilgarofalo@uol.com.br

Vinhedo

Momento de união

Importante o tema desse editorial e creio que os brasileiros já estão vislumbrando o fim do túnel, ou, pelo menos, já estamos no caminho da recuperação da economia, sob o governo de Michel Temer e sua equipe econômica. Vale lembrar que nenhum governo é ou será perfeito, mas o importante é que estamos de volta ao prumo da recuperação, sem a qual não podem existir programas sociais e serviços públicos de qualidade. Entendo que o momento deve ser de união, para continuarmos nessa direção no novo governo, por isso considero imprescindível que os candidatos de centro se unam e lancem uma chapa única para a Presidência da República, capaz de solapar os maus ventos do retrocesso.

SILVIA REBOUÇAS DE ALMEIDA

silvia_almeida7@hotmail.com

São Paulo

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Renovar é preciso

Dois editoriais do Estadão de 24/4 (A3) – O nó do funcionalismo e As agências ainda ameaçadas – dão a medida da necessidade premente de mudança da mentalidade que permeia os Poderes Legislativos dos Estados e, mais particularmente, o Congresso Nacional. Fala-se muito na mídia e nas redes sociais sobre quem será o presidente da República a partir de 1.º de janeiro, se fulano, beltrano ou sicrano, como se apenas a verborragia sobre segurança, educação, emprego, saúde, numa ladainha de imbróglios, pudesse sanar os tremendos males de que padecemos, que são os parasitas encastelados no Estado, que tornam inviável qualquer iniciativa sensata de mudanças estruturais. É preciso, enquanto há tempo, que os candidatos a presidente, a governador e a mandatos legislativos, que realmente desejam reconduzir o Brasil aos trilhos do desenvolvimento e da sanidade, se unam e em conjunto exponham claramente os ideais do liberalismo social: crença no trabalho, na iniciativa privada e na liberdade de ação. Os votos virão, sem populismos e alicerçados na crença de que o povo do Brasil está realmente amadurecendo e ganhando consciência política, como está claro após a prisão de Lula e os estertores de seus poucos, mas insanos adeptos, Gleisi Hoffmann à frente, que neste momento nacional desejam apenas baderna e confronto para se manterem na mídia.

CARLOS LEONEL IMENES

leonelzucaimenes@gmail.com

Nazaré Paulista

Parasitismo

O editorial O nó do funcionalismo reflete a triste realidade do País: uma casta de privilegiados suga o dinheiro dos nossos impostos sem nada produzir para a sociedade que a sustenta. É inaceitável e vergonhoso saber que salário médio na distribuidora de energia de Roraima é de R$ 15 mil. Enquanto isso, assistimos à miséria, à falta de saneamento, de educação e de saúde imperando nesse Estado, emblemático da tragédia social chamada Brasil. Não é possível um país inteiro trabalhar para sustentar essa máquina estatal paquidérmica, ineficiente e corporativista. Será que algum candidato a presidente colocará essa questão na mesa? Aguardemos os debates.

DOMINGOS SPINELLI

dspinelli@terra.com.br

São Paulo

É surpreendente e injustificável essa realidade, que nos causa terrível mal-estar, sempre envolvendo o funcionalismo público neste país. Nos dias de hoje não há como a sociedade aceitar tal situação. Já que não temos uma solução administrativa e muito menos política, o único jeito é privatizar urgentemente, a toque de caixa, para acabar com essa injustiça com o povo brasileiro. Por essas e outras mais é que não temos investimento em educação, saúde, infraestrutura, etc.

VITOR DE JESUS

vitordejesus@uol.com.br

São Paulo

Na Câmara paulistana

A Justiça suspendeu 1.068 cargos comissionados da Câmara Municipal de São Paulo, por considerar que a seleção para preenchimento dessas vagas viola a Constituição estadual. Se no governo federal de 70% a 75% da receita é só para pagar salários e benefícios – conforme o consultor econômico Raul Velloso –, imaginem o que acontece nos 5.570 municípios do País...

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

CARTÓRIOS

Fonte de incerteza

A Lei n.º 13.467/2017 alterou o texto do artigo 579 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e a contribuição sindical, que era obrigatória, passou a ser facultativa, respeitando o artigo 8.º da Constituição federal, que reza: “É livre a associação profissional ou sindical”. Com a reforma trabalhista conseguimos combater o abuso dos sindicatos. Mas quando vamos conseguir combater o abuso cartorial? Atualmente, para adquirir um imóvel temos de fazer um escritura de compra e venda num cartório e depois precisamos registrar essa escritura em outro cartório. Pagamos muito caro para adquirir um imóvel. Até quando vamos aceitar ser explorados?

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

CORRUPÇÃO

Fim de jogo

A punição aplicada pela Fifa em razão de seu “fabuloso” legado dá a dimensão da impunidade que grassa neste país. Num mundo em que ninguém é santo, o sr. Marco Polo del Nero conseguiu um “feito”: punição vitalícia, com a obrigação, ainda, de pagar indenização. Imaginem se tal medida fosse replicada aqui a todos os que fazem o mesmo que ele. Muito provavelmente a dívida interna do Brasil se tornaria um bônus para o cidadão.

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

ELEIÇÕES

Pesquisas

Não dá para acreditar nessas pesquisas eleitorais. Ou, então, o nosso povo gosta mesmo é de sofrer! Votar em Lula, Eduardo Suplicy, Marta... Isso é que é gostar do quanto pior, melhor. Vamos renovar!

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


PRIMEIRA PÁGINA HISTÓRICA


A primeira página de 27/4/2018 foi histórica. Sem nenhum texto ela desenhou a diferença entre os sistemas comunista e capitalista. Para quem não sabe, a Coreia foi governada pelo Japão, desde 1910. Após o término da Segunda Guerra Mundial, soviéticos e americanos dividiram a região em dois países distintos. Ao norte os comunistas e ao sul os capitalistas. Em 1948, os dois novos países iniciaram a sua jornada exatamente no mesmo patamar e com o mesmo nível de desenvolvimento humano. Ambos eram países subdesenvolvidos do terceiro mundo. Mais pobre e miserável que o Brasil, por exemplo. Depois de 70 anos de trabalho as diferenças foram estampadas na primeira página do “Estadão”. Imperdível, uma edição para entrar para a história. Parabéns a todos.


Alberto Cosme Gonçalves albertogoncalves@hotmail.com.br

Ribeirão Preto


*

UM SONHO, UMA TEORIA, UMA PROFECIA E UM PLANO B


Kim realizou o grande sonho de seus compatriotas: cruzar a fronteira para a Coreia do Sul. Comprovou a teoria de seus mestres: de que quando se tem dezenas de bombas atômicas à disposição, o tratamento é excelente. Se orienta por uma profecia: a de que se entregar de verdade suas bombas e seus mísseis, o tratamento será totalmente outro. E tem um plano B para seu arsenal de destruição em massa que não conta para ninguém, sendo que a única pista que se dispõe a respeito é o curso intensivo de persa que seus peritos balísticos e nucleares estão fazendo.

Jorge Alberto Nurkin Jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo


*

POUCO IMPORTA AS INTENÇÕES DE KIM


Ditador títere que “reina” num país imaginário, entre outros governantes de países limítrofes da China que ainda não perceberam que seus territórios serão riscados do mapa do sudoeste asiático, vítimas do inexorável expansionismo chinês. Coreia do Norte, Coreia do Sul, Taiwan, Vietnã, Laos, Camboja, Tailândia, Mianmar, Malásia e Cingapura, todos já eram. Não passarão, futuramente, de estados satélites da grande China. Como alerta dito popular, bicho pequeno não deve dormir ao lado de bicho grande.


Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)


*

‘KIM E MOON’


Um céptico diria que é bom demais para ser verdade, pois as concentrações de forças militares nas Coreias são as maiores do mundo para tais áreas. Como exemplo a Coreia do Norte tem maiores efetivos militares do que o Brasil. As possibilidades tem amplo espectro, mas cujo cerne seria a diminuição das forças na parte norte, para depois haver algo assemelhado no sul, como a difícil questão da fiscalização. A confiança é algo muito frágil, face às recentes demonstrações de força via mísseis nucleares, entre outros.


Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)


*

A SEGUNDA TURMA DO STF

Mais uma vez a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aparenta procurar auxiliar os políticos condenados pela Operação Lava Jato e outras assemelhadas, mais especificamente os ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, os dois primeiros indicados para o STF pelo ex-presidente Lula, ex-advogado do PT e amigo da família do réu, respectivamente. Parece-me que ambos no caso, deveriam se declarar impedidos, e é o que eu faria em lugar deles. No plenário do STF, com todos os seus ministros, acredito que se a Procuradoria-Geral da República (PGR) recorrer de tal decisão esse absurdo será reformado. Aliás, esse processo do ex-presidente, parece a teia de Penélope, quando parece que chegou ao fim aparece uma nova chicana e começa-se tudo de novo. O argumento inicial foi do ministro Dias Toffoli ao afirmar “que não há comprovação da relação dos fatos narrados na delação com fraudes na Petrobrás”, dando um nó na lógica dos fatos. Ora, a relação é evidente, independente dos depoimentos de Emílio e Marcelo Odebrecht, extremamente elucidativos. Os assaltos realizados contra a Petrobrás nos governos petistas foram tantos os desvendados pela Polícia Federal (PF), que seu rol não caberia neste espaço e não poderiam ter ocorrido sem a omissão ou participação dos seus dois ex-presidentes. E no caso do ex-presidente sua participação ficou comprovada. A nova decisão causa mais espanto quando lembramos que em 2017, a Segunda Turma havia decidido, por duas vezes, a segunda por unanimidade deixar os trechos da delação da Odebrecht com o juiz Sérgio Moro, tornando o voto atual do ministro Toffoli, mais incompreensível ainda. E não bastasse tanto, na mesma reportagem do “Estadão” lemos entrevista do ministro Gilmar Mendes, praticamente instruindo a defesa do ex-presidente como recorrer ainda mais junto ao Supremo, para livrar de vez o seu acusado. Sempre entendi que um ministro do STF deveria se comportar como a mulher de César.


Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo


*

MORO


Eu “Moro” de medo é o que vociferam os corruptos, bandidos, ladrões, criminosos, demagogos e advogados no Brasil.


Pedro Armellini paarmellini08@gmail.com

Amparo


*

POR QUE TRANSFERIR PARA SÃO PAULO?

Será que o pedido de transferência para o Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) pela “segunda suspeita turma do STF”, tem tudo a ver com o caso de Celso Daniel que desde 2002 nunca foi solucionado, já teve vários empecilhos, oito testemunhas assassinadas e está encruado até hoje, cujos membros do PT são os prováveis culpados? Será que o MPF do Estado mais desenvolvido do País vai à contramão, dos Estados do Paraná, Rio e DF, que vêm agindo corretamente como manda a Justiça brasileira? A contar com a insistência da defesa do ex-presidente “Lulla” na transferência do processo, dá a entender que em São Paulo já está tudo dominado. Fica um aviso! São Paulo não dormirá em berço esplendido, senão do que valeram aqueles milhões na Avenida Paulista pedindo Justiça?


Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo


*

SEM MEDO


O promotor público do Estado de São Paulo, Ricardo Montemor, responderá disciplinarmente por falar, sem medo, verdades sobre a atuação de alguns ministros do STF – Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Marco Aurélio – pelas insanas decisões pouco ortodoxas, concedendo benesses e soltando criminosos corruptos. Na verdade, o honesto povo de bem apoia suas declarações, mas, todavia, o apoio deveria se materializar explicitamente à Montemor. Muda Brasil!


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

INVERSÃO DE VALORES


É revoltante. Os três “chicaneiros” e 0 D’ D'Artagnan Lulla, invertem os valores éticos e morais da sociedade brasileira para encobrir seus “mal feitos” e crimes.


Roberto Carderelli robertocarderelli@gmail.com

São Paulo


*

DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS


Ricardo Montemor, do MP de SP, indignado com decisão favorável a Lula proferida pela Segunda Turma do STF, vai ser investigado e poderá sofrer severa punição. Por outro lado, um condenado por órgão colegiado e réu em outros seis processos que conta com os melhores escritórios de advocacia e com cinco ministros do STF em sua defesa, está prestes a voltar as ruas com suas bravatas, impropérios, mentiras deslavadas e ainda será candidato a esfolar outra vez os cofres públicos com apoio da nossa Justiça. É o fim do mundo!


José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

INFÂMIA


O que estamos esperando? Enquanto lutamos para tirar o País do atraso, da violência, da ignorância, da corrupção e do desgoverno representado por Lula da Silva e seu partido falido, três pseudo-ministros do Supremo não perdem a mínima oportunidade para tentar arrancar da nossa carne qualquer indício de vitória sobre o Estado podre que carregamos nas costas. Mais uma vez os mesmos inimigos do Brasil têm o desplante de se utilizar do seu poder ilegítimo, porque não foram eleitos, para por a perder toda a energia que estamos consumindo pacificamente, desde 2013, para melhorar o Brasil. É uma infâmia o que eles pretendem. Mas será também uma infâmia se não reagirmos. O trio LGT não manda no País. Não aceitamos que eles nos imponham o caminho para o inferno vermelho. O Brasil é grande e eles são pequenos, mas se valem das ambiguidades de leis mal escritas, obsoletas, ineptas, e inadequadas ao gigantismo nacional para vencer o País que se desespera sentindo-se impotente. Acorda gigante adormecido! Somos muitos e somos fortes. Vamos obrigá-los a entender que não os queremos no poder. Que desapareçam dentro das togas que não lhes pertencem, consumidos pelas brasas do arrependimento!


Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo


*

PIZZA NO FORNO


Já dá para sentir os primeiros aromas da redonda. Notícia publicada pelo “Estadão” com título “Fachin manda recurso para plenário virtual” (24/4, A6), mostra a maneira sutil, sub-reptícia como atua “o sistema” jurídico para atingir seus objetivos escusos. Um ministro do STF que até agora tem tomado decisões seguidas contra os interessas das forças que querem o ex-presidente solto, repentinamente resolve enviar o último pedido da defesa do internado para a Segunda Turma da Corte, constituída por dois ministros petistas de carteirinha, um ministro especialista em soltar bandidos e outro teórico e gongórico, ou seja, quatro ministros que já votaram contra a prisão do paciente por ocasião do HC não acolhido e que resultou na prisão em tela. Pronto, na pior hipótese, 4x1 pela soltura já que essa turma é formada por cinco membros. Para evitar que esses ministros libertários enrubescessem durante a votação encaminhou o recurso para um tal “plenário virtual” (pasme-se) onde os votantes podem votar por computador, remotamente, a partir de seus escritórios ou ainda de seus apartamentos funcionais. Tudo absolutamente “acobertado”. Preparem seus pratos e talheres porque os pedaços vão começar a ser servidos.


José Claudio Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo


*

FUTUROLOGIA


A recente ofensiva do STF contra a Lava Jato, liderada pelo ministro Gilmar Mendes, pode ser lida, diante das notícias veiculadas pela imprensa nacional, como medida preventiva, na tentativa de obstruir que as denúncias chegue aos ministros daquela Corte. É como já de disse a PF alhures, “eles sabem o que fizeram, mas não sabe o que nós temos”. Diante desse quadro, certamente, estão, alguns, salvando a própria pele. Se esses ministros tivessem dignidade e honra, deviam renunciar, pois não têm condições morais de exercer a mais alta magistratura do Brasil.


Carlos Benedito Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro


*

O STF E O PROCESSO DE LULA


A organização comunista está devidamente estruturada e organizada para fazer o diabo, como candidamente reconheceu a ex-presidente Dilma, a fim de inviabilizar a Nação brasileira. Em cima dos pretendidos escombros tencionam montar novamente o regime totalitário de esquerda.


Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com

Capão Bonito


*

AUTOCRÍTICA JÁ

Há notícias de que o Supremo Tribunal Federal pretende averiguar a conduta do corajoso procurador que pôs o dedo na ferida, quando se referiu ao trio de ministros cujos nomes não merecem ser lembrados. Entretanto, mais correto seria se o Supremo decidisse fazer uma severa autocrítica, evitando que aquele órgão se exponha ao ridículo permitindo, sem qualquer censura aparente, que um dos seus integrantes se refira aos colegas como pessoas “sem pedigree”, constrangendo os cidadãos contribuintes compulsórios, que acreditavam financiar um órgão com poder de dizer o direito e não um canil, um gatil ou algo semelhante! Com o devido respeito e desculpas aos animais!


Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém


*

PREOCUPAÇÃO


Gilmar, Toffoli e Lewandowski estão preocupados em soltar o “Lulla”. A Justiça e o Brasil estão em segundo plano.


Flávio Cesar Pigari Flávio.pigari@gmail.com

Jales


*

GILMAR O FRANGUEIRO


Como advogado, participo de diversas transações com empresas estrangeiras que geram empregos e recursos ao país. Repentinamente tudo parou! A explicação dos estrangeiros foi notável. Afirmaram que só iriam investir após a eleição presidencial ou se o Supremo Tribunal Federal parar de fazer diabruras jurídicas, especialmente Gilmar Mendes. Disse a eles que era um só ministro, mas e os outros? Quanto aos outros dois tendenciosos, o ex-advogado do PT e o amigo do Lula, eles já esperavam decisões favoráveis à corrupção, mas Gilmar... Acreditem brasileiros, estamos dependendo de Gilmar e não é o nosso Gilmar ex-goleiro que defendia o País. É outro Gilmar, que em termos chulos seria comparável a um “goleiro frangueiro meio amalucado”. Antes eu o admirava, mas traiu e desmentiu até seu próprio livro – se eu achar a nota fiscal vou pedir o reembolso – agora choro de raiva!


José Rubens de Macedo Soares joserubens@jrmacedoadv.com.br

São Paulo


*

GOLPE DE MESTRE


Parece-me que tem gente que não se acovarda ou apequena. Como outros que ficam mudando de voto a gosto do momento.


Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo


*

EXPOSIÇÃO EXCESSIVA


O televisionamento das sessões do Supremo acabou transformando julgamentos de questões simples em um reality show com direito a torcida, não a de advogados, estudantes e estagiários da área de direito, mas de cidadãos comuns, em uma rodada de cerveja e churrasquinho de espeto. Os aparelhos de TV instalados nos bares, lembrança da trágica Copa de 2014, a copa dos 7x1, mostram as imagens do plenário e a torcida é grande, todos sabem a escalação dos “dois times” e como votam os senhores ministros e os comentários publicáveis são: fulano é inimigo de beltrano, eles se odeiam, só uma mulher tem coragem de votar contra e por aí vai... É uma realidade lamentável que deve ser revista bem como o comportamento dos membros da Suprema Corte, sem TV, julgamentos breves e puramente técnicos, com TV direito a longos votos com citação de julgamentos do século 18 em outros países. Precisamos mais do que nunca do Supremo Tribunal Federal atuante, ágil, com decisões finais que encerrem definitivamente a discussão sobre um tema e que este não seja invocado futuramente com mudança de voto. Votou, “está votado”, se tem dúvida, não vote e se sempre tem dúvidas é melhor deixar o cargo para quem tenha sempre a certeza do que faz.


Luiz Ress Erdei portal@portasblindadas.com.br

São Paulo


*

DURA LEX


A Justiça e as leis são exata e rigorosamente as mesmas do Oiapoque ao Chuí. Nenhum condenado no sul pode ser inocentado no sudeste, pois não? Dura lex,sed lex.


J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

ALERTA AO SÉQUITO PETISTA


Existe um brasileiro digno, com capacidade de incendiar o País, não o fará pois não é um imbecil, mas poderá acontecer.


Sinclair Rocha sinclairmalu@uol.com.br

São Paulo


*

ABSTINÊNCIA


Os advogados de Lula estão pedindo assistência médica para ele. Será uma crise de abstinência? Delirium tremens?


César Garcia cfmgarcia@gmail.com

São Paulo


*

CONGRESSO SEM LIMITES


O vencimento da MP que alterava pontos da reforma trabalhista, sem que o Congresso sequer a tenha discutido, certamente não foi por esquecimento ou por outras prioridades. A velha e conhecida justificativa de que em “ano eleitoral” não se discutem medidas polêmicas não justifica absolutamente nada. Como pode o Congresso Nacional se isentar sem o mínimo pudor da obrigação de discutir questões importantes, meramente por ser ano eleitoral? Há limites para tudo. Política é uma coisa. Politicagem rasteira é outra.


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

XÔ CORRUPÇÃO


Todos os corruptos, sem exceção, de vereador a presidente, em sua devida hora e há seu tempo, têm que ser exemplarmente punidos, cumprindo integralmente a pena. Corrupção é o mais grave dos crimes. É preciso corrigir a lei: sem essa de corrupto apenado por 10 anos ficar detido apenas 2. Temos que nos unir em prol da governabilidade e pelo bem do Brasil, sem mágoas ou rancores. Toda critica construtiva será aceita. Quem não fizer parte do time brasileiro tem que, democraticamente, ser alijado do processo pelo nosso voto.


Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)


*

LEGADO A SER PRESERVADO


Sem dúvida algum o presidente Michel Temer do qual não sou advogado esta debaixo de uma campanha para desmoralizá-lo em todos os quesitos mesmo com tantas vitórias em especial na economia falida do País quando tomou posse no lugar da péssima e fraca Dilma do PT. É lamentável ver tanta gente como se fossem Maria vai com as outras repetirem a baixa popularidade graças aos honestos da esquerda em especial com a ridícula campanha fora Temer os quais se esquecem de que quem o escolheu para vice foram Lula Dilma e o PT ético e honesto? E pior ainda, nenhum presidente a ser eleito vai governar sem sentar no colo do MDB só por isso tá difícil ver e escutar qualquer político afinal o desemprego é algo que não deve preocupar os atuais candidatos?


Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro


*

MENTIRA


O ex-governador Geraldo Alckmin, após decretar o empobrecimento dos funcionários do Estado de São Paulo, disse que vai aumentar a renda dos brasileiros. Um verdadeiro cara de pau. Aliás os políticos creem que somos todos burros.


Edmar Augusto Monteiro eamonteiroea@hotmail.com

Mirandópolis


*

NOSSA ARMA É O VOTO


Cada dia que passa comprova a necessidade urgente de mudanças na atual composição dos Três Poderes da República. Em palavras mais simples, chega de corrupção, ineficiência e incompetência! Ora, este 2018 nos dá a oportunidade para corrigir a chefia do Executivo e toda a composição do Legislativo, ao mesmo tempo impedindo que a melhora da eficiência da Justiça, ora em curso (atabalhoado), seja barrada. Todos são igualmente importantes, pois são todos interdependentes. E para isso nossa arma é o voto! Então como vamos votar? Como escolher? A resposta é uma só: com coerência. Se quisermos acabar com a corrupção, ineficiência e incompetência, teremos que votar em candidatos a presidente, senador e deputado federal, além de governador e deputado estadual que sejam impolutos, confiáveis e competentes. E que empunhem uma bandeira desfraldada de combate á corrupção. O que nos deve impedir, mesmo arriscando alguma injustiça, o voto em candidatos que estão “sub judice”, investigados, réus ou condenados pela Justiça brasileira (devem constar de listas publicáveis). Isto é muito importante, principalmente na área federal, porque se deixarmos sobreviver essa onda de corruptos que hoje nos assusta, terminadas as eleições e com mais quatro anos de poder assegurados, teremos fatalmente o ressurgimento de medidas cada vez mais descaradas, visando exclusivamente os próprios interesses, sufocando as investigações e garantindo a final impunidade aos donos do poder. A renovação vai ser absolutamente necessária. Bem sei que a escolha será difícil, com essa enxurrada de candidatos e partidos em ebulição, antigos com experiência e novos cheios de vontade. Mas até 15 de agosto, data final para registros e coligações, esse panorama vai se definir, com desistências e acordos reduzindo e apontando as candidaturas viáveis. De aqui até lá, só nos resta manter os olhos bem abertos e torcer pelos nossos preferidos. Só depois poderemos finalizar as escolhas, pois muito provavelmente, não poderemos desperdiçar munição...


Luiz Antonio Ribeiro Pinto larprp@uol.com.br

Ribeirão Preto


*

O DESESPERO DOS SINDICATOS


O maior revés sofrido pelos sindicatos de todo o País, com o fim do imposto sindical, ainda não foi assimilado pelos mais de 17 mil sindicatos. A reforma trabalhista teve êxito porque cortou na veia a contribuição obrigatória dos seus associados. “A lei consagra o princípio constitucional de que a associação ao sindicato é livre. Portanto, não pode ter contribuição obrigatória”, diz o jurista Ives Gandra da Silva Martins, ex-presidente do Tribunal Superior do Trabalho. Portanto, a Justiça deveria manter a contribuição sindical extinta pela reforma trabalhista e ponto final. Mas como no Brasil os recursos nunca têm fim, o assunto só deve ser resolvido após discussão no Supremo Tribunal Federal. Até agora, 15 Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) questionando o fim do imposto sindical foram protocoladas no Supremo. Conhecendo o Supremo e vendo a forma como votam os ministros daquela casa, pode se esperar tudo, eles adoram contrariar a Justiça não interessando a repercussão de suas decisões. Por isso no Brasil estamos vivendo esse vai e volta e essa quebra de braços dos poderes, apenas para deixar claro quem manda mais.


Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

REBELIÃO EM PRESÍDIO


No último dia 26, estourou uma rebelião em presídio no município de Lucélia (SP) e cenas na tevê mostram incêndio e informação que há reféns, motivo pelo qual a PM não invadiu o local procurando preservar vidas. Interessante é que presidiários quando em liberdade aproveitam nossa condição de país de terceiro mundo para exercerem suas “atividades”, mas quando são detidos exigem presídios de qualidade sueca! Familiares que ficam esbravejando nas imediações, reclamam que neste presídio há superlotação porque comporta 1.400 detentos, mas já está com 1.800. Apenas 400 a mais que a previsão. Tem sorte esse pessoal, o excesso estar em torno de só 30%, porque há muitos presídios país adentro cuja ocupação marca o dobro do previsto!


Laércio Zanini spettro@uol.com.br

São Paulo


*

ESTADO-PARASITA


Muito pertinente o editorial de terça-feira (24/4, A3). A redução da máquina estatal deve ser perseguida pelo atual e próximos governos, para que nós brasileiros, possamos usufruir dos benefícios proporcionados pelo nosso pagamento de impostos, traduzidos em serviços públicos de qualidade, na educação, saúde, segurança, infra estrutura de transportes, entre outros. Hoje, nossos impostos tem sido “sugados” pela “máquina pública” inchada, ineficiente e, em muitos casos, corrupta, como por exemplo, os favoritismos e práticas não éticas nas agências reguladoras, formação e manutenção de “cabides de emprego” e “quadrilhas de propinodutos” nas esferas públicas e outros casos de corrupção; vale lembrar que o “estado-parasita” apregoado pelas esquerdas contra a burguesia, ou elite, desde os tempos da revolução francesa, tem se tornado a própria “casa” e “criadouro” dos adeptos ao estadismo, com a desculpa de defenderem maior equidade social, mas no fundo, trata-se da defesa de seus próprios privilégios!


Silvia Rebouças de Almeida silvia_almeida7@hotmail.com

São Paulo


*

BECO SEM SAÍDA


Magnífico o artigo da jornalista Eliane Cantanhêde (27/10, A6). O duro é saber que temos, entre outros, um STF que não respeita o Brasil, põe os interesses dos amigos à frente dos interesses do País, sem nenhuma vergonha na cara. Mas a questão crítica é: deixar o barco afundar? O que poderia ser feito? Por quem? Só uma revolução! Como não acontecerá, nada vai mudar, os larápios encastelados nos Três Poderes continuarão a roubar e a matar o povo brasileiro, este, representado por instituições de classe coniventes, vez nada fazerem são coniventes, e o Brasil que se lasque. O povo ordeiro nada fará, seria fazer uma revolução, para mudar esse sistema legal que autoriza a corrupção, mas isso não ocorrerá, o povo se tivesse essa coragem seria massacrado, restaria que as forças representativas de classes fizessem alguma coisa com resultado, é o que me ocorre, teriam coragem? Ou existe outra saída urgente, antes que o Brasil que acabe?


Alpoim S. Botelho alpoim.orienta@uol.com.br

São Paulo


*

A METAMORFOSE DE BOLSONARO

O artigo de Rogério L. Furquim Wernec

k foi claro e objetivo: será desastroso entregar a Presidência da República a uma pessoa tão despreparada para o exercício do cargo.


Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br

São Paulo


*

O PARAGUAI SEM AS URNAS ELETRÔNICAS


Quem diria em brasileiros! O pequeno país Paraguai, proporcionalmente ao nosso tamanho, nosso vizinho e divisor fronteiriço nos ensinando como proceder com honestidade eleitoral e contra as fraudes praticadas por esse sistema corrupto de urnas eletrônicas. O Paraguai nos dá uma bela lição de como combater efetivamente e com honestidade eleitoral esse vício de eleger corruptos com as maquininhas funestas e salvadora dos políticos malignos e destruidores da pátria. Todos os países com conduta séria eleitoral no mundo não as adotam por julgarem serem inseguras e de fácil manobras por interessados em praticar as fraudes eleitorais para eleger os candidatos corruptos.


Benone Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo


*

CADASTRO POSITIVO


Acabará por ser aprovado graças ao lobby dos bancos e do grande comércio. E abrirá a confidencialidade da situação econômico-financeira de todo cidadão, de maneira automática e compulsória. De livre vontade não funcionou porque ninguém embarcou na conversa mole do empresariado que quer facilidade para se meter na intimidade de seus explorador clientes. Querem capitalismo sem risco.


Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo


*

CENSURA BRAVA


Acho que está mais do que evidente aos usuários que o Facebook está praticando uma censura de liberdade de expressão quase nunca vista na História. Ela abrange não só os itens divulgados ontem, mas também e principalmente os temas de cunho político. Um enorme retrocesso.


Roberto W Penteado joserwpenteado@gmail.com

São José dos Campos


*

O PODER DO DINHEIRO


Caetano Veloso, simpatizante dos ideais esquerdistas, vai participar da virada cultural, patrocinada pela Prefeitura (paga pelos contribuintes) que é governada pelo PSDB. Quanto será o seu cachê? É aquela história: quando trata-se de dinheiro, a ideologia muda.


Paulo Boin boinpaulo@gmail.com

São Paulo 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.