Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

04 Maio 2018 | 03h00

FORO PRIVILEGIADO

Primeiro passo

A principal vilã das mazelas nacionais, como desemprego, violência, falência da saúde e do ensino públicos, é, sem dúvida, a corrupção. E o fim do foro privilegiado será o primeiro passo para minimizá-la.

LUIZ FELIPE SCHITTINI

fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

Exemplo a seguir

Nos EUA não há foro privilegiado. Autoridade que se envolve em atos criminosos é processada e julgada em primeira instância. E se a primeira instância errar? Existe segunda instância. E o sistema funciona muito bem, obrigado. Por lá as autoridades temem a lei e o efeito disso é que a corrupção é incomensuravelmente menor. Que bom seria se pudéssemos dizer o mesmo.

JORGE ALBERTO NURKIN

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

Livres para falar

Foro especial foi idealizado para garantir a liberdade de expressão dos políticos em seus discursos, sem medo de retaliações. Jamais deveria ter passado disso.

CARLOS A. DE ANDRADE BORGES

borges.ca@gmail.com

Rio de Janeiro

Contradições

O ministro do Gilmar Mendes, em prolífico e extenso discurso ontem no STF, atacou a Justiça Criminal, que, segundo sua apreciação, não possui recursos suficientes para se adequar às exigências modernas, salientando que o fim do foro privilegiado muito contribuirá para seu desgaste. Porém se mostra profundamente contraditório ao criar obstáculos, com suas decisões, à Lava Jato e também livrando réus denunciados por corrupção. Afeto ao palavrório dos raciocínios abstratos, e em clara dispersão da objetividade, arrolou exemplos e fatos esparsos que mais distraem que contribuem para a solução do tema.

MARCELO GOMES JORGE FERES

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

O ministro Ricardo Lewandowski também se dirigiu depreciativamente aos juízes de primeira instância, como pessoas que prestam concurso e obtêm privilégios pelo restante da carreira. Não se trata de privilégios, mas de garantia vitalícia no exercício da função, e eles são suscetíveis à hierarquia. Nota-se que o(s) crítico(s) chegaram ao STF somente por indicação política.

ARNALDO RAVACCI

arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

Em xeque

A insatisfação da opinião pública com o foro privilegiado para senadores e deputados deve-se, em primeiro lugar, aos atuais membros que compõem o STF. Em segundo lugar, ao modo de como são feitas as nomeações dos ministros, pelos próprios políticos e, logicamente, de acordo com seus interesses, aprovando até quem não tem nenhuma experiência. Em terceiro lugar, porque alguns foram advogados de um partido ou dos próprios réus e, por ocasião dos julgamentos, não se declaram impedidos. A isso tudo se somam os exemplos de impunidade que essa Corte tem dado em decisões esdrúxulas, distorcendo fatos para beneficiar determinados réus. Houve caso até de desconsiderar a Constituição da República, da qual os membros do STF deveriam ser, por ofício, os guardiões. Daí vem a questão: mudar o foro privilegiado ou mudar os ministros do Supremo?

JOSÉ OLINTO OLIVOTTO SOARES

jolintoos@gmail.com

Bragança Paulista

OCUPAÇÕES E TRAGÉDIAS

Crime de extorsão

Os ocupantes do edifício Wilton Alves de Almeida viviam em precárias condições e ainda pagavam “aluguel” aos “administradores” do Movimento de Luta Social por Moradia para cuidarem do prédio que ruiu na madrugada de terça-feira. O dinheiro seria para pagar material de limpeza e advogados do movimento. Segundo uma moradora entrevistada pelo Estado (3/5, A23), havia uma infestação de ratos no local. Mas os verdadeiros predadores eram os que extorquiam e ameaçavam de despejo quem não quitasse o “aluguel”. Os “gatos”, com perdão dos bichinhos, se ocupavam roubando energia de prédios vizinhos e da rede pública, têm nome e endereço e obedecem a uma ordem hierárquica: comandante, administrador, coordenador e advogados contratados, conforme a reportagem. Com tantas evidências de extorsão, crime tipificado no artigo 158 do Código Penal Brasileiro, será fácil à Polícia Federal apurar os fatos e enquadrar os meliantes, rapidamente. Assim espero.

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Exploradores da miséria

Após a tragédia no prédio invadido no centro da capital, ficou bem clara a real face desses chamados “movimentos sociais voltados para a moradia”. Não passam de organizações criminosas que exploram a miséria de pessoas humildes. Incentivam a invasão de prédios públicos sem a menor condição de serem moradia, depredam os imóveis, roubam água e luz por meio de gambiarras e ainda cobram aluguel! São verdadeiras quadrilhas.

ELISABETE DARIM PARISOTTO

beteparisotto@gmail.com

São Paulo

A indústria da invasão

Foi preciso uma tragédia para algumas autoridades e até setores da imprensa abrirem os olhos para a lucrativa indústria da invasão. A maioria da população conhece o problema há tempo. Há milhares de imóveis invadidos na cidade de São Paulo e Brasil afora. Por trás da conveniente desculpa da carência de moradia existem vários movimentos ditos “sociais” que exploram a pobreza. São grupos de aproveitadores muito bem estruturados em matéria de equipamentos, logística e apoio jurídico. Esses movimentos mantêm gente preparada para pesquisar, analisar, arrombar, ocupar, preparar, alugar, cobrar e despejar. Para multiplicar as vagas a “locar”, transformam quartos e salas em minúsculos cubículos com divisórias de madeira. Como qualquer um pode “alugar” os imóveis invadidos, disso se aproveitam criminosos – ladrões e traficantes – para se refugiarem e esconderem armas, drogas e objetos roubados. Para evitar ou dificultar reintegrações, os malandrões usam mulheres e crianças na linha de frente e mantêm advogados de prontidão. No sequestro de pequenos imóveis particulares, eles até os devolvem, mas mediante resgate a combinar, pois sabem que, pelas vias legais, os proprietários levarão anos para reavê-los na Justiça. Os custos dessa indústria são mínimos, pois os proprietários dos imóveis invadidos é que arcam com os impostos, a destruição de suas propriedades e as ligações clandestinas de água e luz. A miséria é um grande negócio e a desordem tomou conta do País.

JOÃO CARLOS A. MELO

jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


RESTRIÇÃO DO FORO PRIVILEGIADO


Ao apresentar seu voto na sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) que definiu a restrição do foro privilegiado para os integrantes do Congresso Nacional, o ministro Dias Toffoli aponta para que a decisão seja estendida para todas as áreas públicas, de todos os eleitos, a partir dos municípios, Estados, do governo federal e também para cargos públicos os mais diversos, para os quais os integrantes são nomeados. É um assunto que deveria ser levado em consideração, pois todos devem responder por igual nos termos amplos da Constituição.


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

UNIR ESFORÇOS


Diante da situação emergencial da segurança pública no Rio de Janeiro, a população aguarda providências no sentido de equipar as forças de segurança e de melhorar a sua qualidade, visando a restabelecer o direito de ir e vir dos cidadãos, o que permitirá reacender a atividade econômica de uma cidade com natureza incomparável, mas que vê seu comércio e sua atividade ligada ao turismo ameaçados por paralisia preocupante, surgida na esteira de décadas de robusta corrupção. Dentro deste contexto, no entanto, poucos se referem à postura da Justiça e à sua parcela de responsabilidade para o atingimento desse triste cenário, ao liberar, para perplexidade o cidadão comum não versado em leis, às vezes em curto espaço de tempo após as prisões, perigosos marginais que retornam às ruas e voltam a cometer crimes. Está mais do que na hora de dividir as responsabilidades e unir esforços.


Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro


*

DESABAMENTO EM SP


A discussão sobre o desabamento do prédio em São Paulo não pode ficar restrita a quem recai a responsabilidade: União, Estado, Município ou ambos, se a ocupação era ou não regular. Como cidadãos, torcemos para que desses escombros (ainda que por milagre) brotem vidas, e, dos desgovernos, que tenham moral e seriedade para enfrentar outros problemas de igual natureza e evitem novas tragédias.


Marco Dulgheroff Novais marcodnovais@hotmail.com

São Paulo


*

OS SEM TETO


Muitas das famílias do prédio que desabou em São Paulo gostariam de ter sido “castigadas” morando em condições semelhantes às de Lula em Curitiba, com toda esta atenção!


Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo


*

TRAGÉDIA


O desmoronamento daquele prédio imenso em chamas, trazendo um homem pendurado, que fora quase salvo, “por trinta segundos”, como disse o bombeiro, foi patético. A tragédia, uma cena dantesca, inaceitável. Mas os governantes não se preocupam nem se ocupam com nossa São Paulo tão rica. Todos estão abandonando edifícios nesse estado e com pessoas morando lá. Imaginem as pessoas que dormiram ao pé da igreja acordarem para a realidade... Sem casa, sem banheiro. E os governantes com cara de tacho se desculpando. A culpa é de ninguém. Tão poderosos... Tão indiferentes... Assim como o movimento que promoveu a ocupação e também desapareceu, apesar de receberem “alugueis” dos ocupantes... É uma vergonha. Nos meus 89 anos rezo...


Maria Cecilia Huet de O Castro hildavillaca@hotmail.com

São Paulo


*

EDIFÍCIO WILTON PAES DE ANDRADE


Múltiplas e emblemáticas são as implicações político-econômicas do incêndio do Edifício Wilton Paes de Andrade, em São Paulo, que conheci logo após sua inauguração, em 1968. Era sede do Banco do Oeste Mineiro, de Sebastião Paes de Andrade, o milionário dono do belo edifício. Este capítulo de horror é um resumo da sociedade iníqua em que vivemos neste edifício Brasil, que está em processo de colapso moral!


Paulo Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre


*

TRAGÉDIA NO LARGO DO PAISSANDU



Novamente irão verificar os 70 prédios que estão sem condições de serem habitados. É a mesma história de sempre. Após três ou quatro edifícios, tudo volta ao normal. Tudo para. Não deveriam entregar a solução deste gravíssimo problema para os bombeiros? Eles resolvem tudo. São fantásticos.


Ariovaldo J. Geraissate ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo


*

HERANÇA MALDITA


Só pra lembrar quem mais incentivou as invasões foi a prefeitura do PT. Não é Haddad?


Moisés Goldstein mg2448@icloud.com

São Paulo


*

RESPONSABILIDADE


Como foi que Boulos se tornou a estrela ascendente dos movimentos “sociais”? Comandando numerosas e bem-sucedidas invasões de terrenos e imóveis na capital paulista e pousando para as câmeras como o chefe e responsável pelas ações. Ora, quando, depois de invadir, seus seguidores ocupam um imóvel por anos, será que o movimento e seus líderes não tem mais responsabilidade alguma sobre o que vier a acontecer com estas almas e este patrimônio? Nem sequer com a segurança das miseráveis famílias que manipulam visando seu benefício político? Faltou Boulos no local. Não basta ser o pai da invasão. É preciso participar no que vem depois.


Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo


*

PERGUNTAR NÃO OFENDE


O que tem a dizer o senhor Boulos? Acaso ele sabe que há cobrança de mensalidades dos ocupantes de prédios? A que título são feitas tais cobranças? Qual a destinação desse dinheiro? Onde estão os coordenadores que recebem as mensalidades? Onde estão as respectivas prestações de contas? Se acaso inexistentes haverá inquérito policial para o devido enquadramento no delito de estelionato? Por que o Ministério Público estadual decidiu arquivar investigação concluindo que não havia risco com a ocupação? Quem elaborou os laudos? Parece que há muitos mistérios entre prédios ocupados além daquilo que possa chocar nossa compreensão!


Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém


*

A COISA PÚBLICA


Governo e autoridades não estão nem aí para a coisa pública. Prédios que outrora serviram para várias utilidades estão hoje abandonados e a mercê de invasores (os famosos vagabundos, que se dizem sem- teto, todos arregimentados pelo Partido dos Trabalhadores). O nosso desgoverno chegou a tal ponto que, francamente, tá dando vergonha de ser brasileiro. Na visão dos europeus e do resto do mundo estamos mais sujos que pau de galinheiro e tudo por culpa de uma minoria, pouco mais de 600 ladrões que se apoderaram do País, que ficam trocando de lugares e posições entre si e criando leis e brechas que os beneficiem e que os mantenha, apesar de tanta roubalheira, livres e soltos e sorrindo de nossas caras.


Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo


*

QUEM É O MLST?


A sigla corresponde ao Movimento da Luta Social por Moradia, luta essa que corresponde a invasão de prédios, de preferência federais, não importando se as condições do prédio sejam uma arapuca melhorada pelos próprios moradores. Quem autoriza ou faz vista grossa para a cobrança de aluguel para o prédio invadido? Essa tragédia está anunciada também no Rio de Janeiro onde dezenas de prédios federais são ocupados por ordem de entidades “esquerdopatas” (PT), que embolsam os comentados alugueis. É incrível, uma entidade ligada a movimentos políticos extorquir os sem-teto sem a fiscalização dos governos. Esse é o Brasil que temos. Fazer o quê?

Jair Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras


*

EXPLORAÇÃO DA POBREZA


Já dá para saber do que vivem os líderes dos movimentos sociais. Perguntem aos “inquilinos” do trágico edifício que desmoronou.


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

‘REVOLUCIÓN’


Para não dizerem que sou radical e não apoio movimentos sociais, vou dar uma dica ao MTST. Existe um imóvel de 400 m², instalado em um terreno de 720 m², desocupado, na Rua Paula Ney, 446, Vila Mariana-SP, avaliado em mais de R$ 2.800.000. A construção, da década de 70, faz parte do espólio do pai de um rico médico infectologista. Um legítimo membro da burguesia, da elite. Esse médico, por acaso, é o Dr. Marcos Boulos, pai do “sem-teto” Guilherme Boulos, o socialista nascido em berço de jacarandá que vos manobra. Mas ele não vai se importar. Afinal, é contra a propriedade privada. Não é? Tudo em nome da “revolución”!


Marly N. Peres marly.lexis@gmail.com

São Paulo


*

SEMPRE TEM ALGO CRIMINOSO


Enquanto em Londres toda imprensa divulga que o príncipe William e a duquesa Kate Middleton, registraram na última terça feira formalmente o nascimento do filho Louis, o mais recente membro da família britânica. Aqui no Brasil, registravam-se na rua os sem-teto que perderam o pouco que tinham face ao incêndio que fez desabar um prédio de 24 andares, por total irresponsabilidade, incompetência, desleixo e pouco caso da Prefeitura que tem por obrigação supervisionar, controlar e evitar tais invasões de alto risco. Com um agravante todos os invasores do imóvel eram obrigados a pagar aluguel mensal para terem o direito de ocupação, o valor era pago ao Movimento Luta por Moradia Digna (LMD), (imaginem se fosse indigna), conforme afirmou o próprio coordenador, Ricardo Luciano, sob a alegação que os pagamentos custeavam a manutenção do local. Sem sombra de dúvidas esse gentil senhor tem todas as razões justificáveis. Pois caso contrário como ele pagaria o zelador, o garagista, o manobrista, o ascensorista, a segurança, a iluminação dos espaços comuns e etc?


Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo


*

MICHEL TEMER


Creio que são injustos os ataques ao presidente Temer. Sua herança veio da ex-presidente Dilma que teve um governo desastroso em vários setores do governo, como por exemplo, na economia, na questão ambiental, nas relações internacionais dentre outras. Os ataques referem-se mais à ideologia do que propriamente as ações executivas, motivo pelo qual não podem ser imparciais. O presidente não mediu esforços para aprovar projetos importantes para a sociedade. Infelizmente o Congresso Nacional manteve-o como refém para obter benesses em troca das aprovações. Os seus adversários políticos disseminaram denúncias de crimes que, embora possam ser verídicos, embaraçaram a aprovação das reformas necessárias e prejudicaram o futuro da Nação. “Aquele que não tem pecado que atire a primeira pedra”, é o que está escrito na Bíblia. O presidente pagará pelos seus crimes após terminar seu mandato, mas enquanto estiver trabalhando pelo País ele deve ser poupado.


Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro


*

DESABAFO


Sérgio Moro nos deu esperança de que o Brasil tem jeito, de que pode mudar, mas as forças contrárias são mais poderosas e numerosas a sabotar a possibilidade de acontecer o Brasil que sonhamos: honesto com “ordem e progresso”. A cúpula do Executivo tem o rabo preso e impeachment é taxado pelos inconformados correligionários de “golpe”, 1/3 dos congressistas têm processo na Justiça e o STF luta para que todo apenado só seja preso após esgotar todos os recursos jurídicos, quando a nossa população carcerária é de 726 mil e o próprio STF, última instância, leva mais de 20 horas para julgar um simples habeas corpus. Pior é que a juventude, esperança do futuro que sonhamos, está contaminada pela cartilha marxista disseminada pelos professores universitários. Minhas cartas aos jornais são desabafos contra a corrupção e os interesses pessoais de nossas lideranças, faço a minha parte, mas só um milagre coletivo, dado o generalizado comprometimento negativo, poderá reverter à crítica situação brasileira.


Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)


*

DEMOCRACIA INCOMPLETA


É de um cinismo sem tamanho o chororô de Lula, ao discorrer sobre a democracia brasileira. Diz o presidiário de Curitiba: “A democracia está incompleta, com um presidente que não foi eleito pelo povo no poder”. Ora essa, a democracia está andando apesar das críticas do PT. A Constituição Federal não diz que no impedimento do presidente assume o vice? A decisão foi constitucional. Alardeiam que o impeachment de Dilma foi um golpe, mas nada dizem quando o Senado, numa pernada decidiu não aplicar à ex-presidente Dilma Rousseff a pena de inabilitação para assumir cargos públicos por oito anos. Todos sabemos o que não é bom para o PT é golpe. Temer assim como seu partido, MDB, o PT e o PP cometeram crimes, mas para mostrar que a democracia está completa temos as instituições funcionando, um ex-presidente preso e diversos políticos e outros a caminho da prisão.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

OUTRO ATAQUE FAKE CONTRA PETISTAS


A polícia já sabe que os tiros, três, disparados por atirador com garrucha de colecionador, contra o ônibus da caravana do Lula no Paraná foi intencional. Uau. Pensei que fosse sem querer. Como a repercussão foi próxima a zero tiveram que arrumar outro. Desta feita contra os invasores do terreno onde estão à espera da volta de Dom Sebastião alguns aficionados mantidos pelos petistas e esquerdistas de outros matizes. Seria bom aguardar do que efetivamente se tratou, antes de se classificar como atentado político ou qualquer outra bobagem supostamente antidemocrática.


Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro


*

SEM LULA, MAS COM LULA


O manual de redação da imprensa adotou o tópico frasal “sem Lula” para introduzir qualquer texto que venha a reproduzir pesquisas eleitorais para 2018. Sim, diz-se que “sem Lula” é tópico frasal porque tem a função de deslegitimar qualquer resultado que se apresente sem a participação do Lula. Enfim, é uma forma de dar a notícia “pagando pedágio” aos órfãos, sobretudo na imprensa, do criminoso condenado.


Werly da Gama dos Santos gama_eamsc@yahoo.com.br

Rio de Janeiro


*

FALTOU TRABALHADOR


Discordo da última frase do editorial “Faltou trabalhador” (3/5, A3), quando afirma que Lula já não vale um show sem graça. Para mim, faltou trabalhador porque Lula não vale um show de graça (isto é, sem carros e outras prendas).


Luciano Nogueira automatmg@gmail.com

Pouso Alegre (MG)


*

MISTÉRIO & PARADOXO


Se “não há provas processuais contra o inocente”, por que então o impedimento de algumas delas?


Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*

DILMA


Execrável Dilma: a juíza de 35 anos sabe o que faz (segue a lei), com certeza. Dilma, seus argumentos são muito insultuosos ao Judiciário e ao País. Espero que os juízes não se esqueçam disto na sua sentença.


Carlos A Borges borges.ca@gmail.com

Rio de Janeiro


*

VENDO O TEMPO PASSAR


O “Engenhão”, estádio do Botafogo do Rio de Janeiro, neste 1.º de maio ficou completamente lotado por desempregados ávidos em conseguir uma das cinco mil vagas de emprego ofertadas. No mesmo momento, em Curitiba, o acampamento de desocupados que fazem vigília em prol de um presidiário e criminoso condenado recebia mais militantes, sindicalistas e políticos responsáveis pela desastrada política populista que colocou o Brasil na sua maior recessão da história. Enquanto milhares trabalham ou buscam emprego, os fanáticos adoradores de Lula acampam na capital paranaense vendo o tempo passar.


José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

O PT E O EXCELENTE COMENTÁRIO DE BERNARD APPY


Todo pai tem seus princípios de educação para formar seus filhos e tais princípios se formaram na sua família, na escola e na sociedade. São princípios culturais, éticos e religiosos. Assim, a essência de toda educação se assenta na verdade, que deve ser formada pelo equilíbrio e distante da paixão. Em nosso mundo, infelizmente dois campos distorcem a verdade: o político e o esporte. A paixão impede os fatos da verdade e quando vejo alguém se manifestar publicamente sobre sua mudança para encontrar a verdade, tenho vontade de indicá-lo como exemplo raro e maravilhoso! É o caso do sr. Bernard Appy, economista que participou do governo petista de 2003 a 2009 e que escreveu o artigo “Os fins, os meios e os fins dos meios”, no “Estadão” (1/5, B2). Ele começa assim: “estou triste com a prisão de Lula. Não apenas pelo que ele representa para a história do Brasil, mas também porque fui próximo do PT por muitos anos, até meu afastamento do governo, em 2009. Minha aproximação do partido deveu-se não apenas a uma identificação com a agenda social e o foco na parcela mais pobre da população, mas também porque achava que o PT era o melhor caminho para mudar a forma de fazer política no Brasil. Obviamente eu estava errado”. E depois faz um histórico equilibrado dos 13 anos do lulopetismo. Quantos petistas já encontraram a verdade, afastando-se do partido? Como tenho no rol de meus amigos gente maravilhosa, já cheguei à conclusão de que a ideologia é o fator principal para que a verdade política seja a caneca de duas asas...


Osny De Oliveira Leite oo.leite@uol.com.br

Campinas


*

O STF POLÍTICO X PRESIDENTE DO CHILE


Os 11 ministros do STF não estão na função por notório saber e competência, eles lá estão porque foram indicados pela vontade de uma única pessoa, o presidente da República de plantão. Os 11 ministros do STF, se não tiverem cultura e coragem para exercer o mandato, tornam-se reles despachantes dos interesses dos que os indicaram. Vejam o questionamento do presidente do Chile Sebastián Piñera no dia em visita de cortesia aos ministros do STF perguntou: “Quando falha a Suprema Corte, a quem se recorre?”, sob a resposta da ministra Cármen Lúcia, de que não cabe recurso, continuou o presidente do Chile: “Então cabe a Deus?”. Fachin respondeu que a última palavra no sentido amplo e largo, “é da sociedade”; o presidente do Chile retrucou, se a sociedade poderia revogar uma decisão do STF, os nossos ministros responderam que “não”. Pareceu-me constrangedor. O presidente do Chile sabe que nosso STF é político; basta compreender inteligência das suas perguntas.


Alpoim S. Botelho alpoim.orienta@uol.com.br

São Paulo


*

AVISO AOS TOGADOS


Não adianta tentar buscar luz nas chamas mantidas por Lúcifer porque já estão reservadas para uso restrito de alguns ministros da nossa Suprema Corte.


Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)


*

A DECADÊNCIA DO SISTEMA


Numa crise política sem precedência alguns ministros do STF tendem a favor de criminosos! É a decadência do sistema!


Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas


*

IMPEACHMENT PARA GILMAR


Catão, o antigo, foi embaixador de Roma em Cartago. Como se sabe esta cidade de origem fenícia protagonizou as guerras púnicas contra Roma. Embora sempre derrotada Cartago rapidamente se recuperava e voltava a oferecer perigo a Roma. Catão, o antigo, sempre atento percebia a ameaça que Roma sofria. Assim sempre que discursava no Senado (sobre qualquer assunto) terminava com a frase “Delenda est Cartago”, ou em português, “Cartago deve ser destruída”. Assim devemos dizer sempre que falamos em Justiça: “Delenda est Gilmar”.


Renato Martins de Oliveira oitentaenove@terra.com.br

Rio de Janeiro


*

SUPREMO APEQUENADO?


Certamente veio à mente de quem leu os dois últimos (e ótimos) artigos de Eliana Cantanhêde sobre o STF o ditado popular segundo o qual: “não ha almoço de graça”.


Francisco Cesar fgscesar@hotmail.com

Guarujá


*

DECADÊNCIA SOCIAL


Nos anos do governo militar, havia sim, muita discussão política no Brasil e essa discussão era de cunho ideológico. Apesar das censuras e algumas perseguições, existia um questionamento sobre a atuação de um regime de direita e o que seria atuação de um regime de esquerda e um sonhado ambiente de liberdades. A população brasileira, me parecia, tinha mais senso de politização. Na abertura política, no governo Figueiredo, começam as movimentações e militâncias dos partidos e o nível e detalhamento das discussões levava a crer que teríamos governos democráticos, éticos e que promoveriam o desenvolvimento social e cultural do País. Engano. Nossa discussão hoje não tem nenhuma ideologia e o que vemos é uma polarização entre crime (corrupção, parasitismo, violência, aparelhamento do Estado) x trabalho (cumprimento das leis, investimento, progresso, transparência). Os militantes políticos da esquerda de hoje são verdadeiros cãezinhos nazistas amestrados, a direita liberal ainda não está definida e mesmo a imprensa tem tido dificuldades de analisar o Brasil. Falta-nos liderança de qualidade, que não foi formada nem no governo militar e muito menos nos anos de democracia corrupta.


Chegamos a um nó cego?

André Luis Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas


*

ACORDA FORÇAS ARMADAS


Vou ser curto e grosso e gostaria que os jornais publicassem, o que sinto ser o desejo da maior parte dos brasileiros: “Para o Brasil voltar a ser Brasil, se faz necessário que as Forças Armadas assumam o comando do Poder Executivo, feche os Poderes Legislativo e Judiciário e volte a governar com Atos Institucionais”.


Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)


*

MULHER INVADE PISTA


A mulher em Guarulhos que praticou a sandice de querer correr atrás do avião na pista, que partiu sem ela por ter chegado atrasada ao aeroporto, não deveria ser presa pela PF, mas sim internada por problemas mentais evidentes e somente liberada após um devido laudo psiquiátrico.


Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)


*

PROIBIDO PROIBIR


Na semana do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa (3/5), em que o “Estadão” nosso de cada dia completa inacreditáveis 3.13_ dias (!) sob censura, em pleno Estado Democrático de Direito, cabe, por oportuno, relembrar os 50 anos de maio de 1968, em Paris e a frase símbolo do movimento revolucionário: “É proibido proibir!”.


J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

ECONOMISTA OU ECONÔMICO EM SOLUÇÕES?


Creio que antes de publicar entrevistas como essa do “economista” Marcio Pochmann, o jornal deveria analisar se compensa ou não, colocar para nós leitores conhecer, porque essa do petista, comunista, esquerdista ou “ista” qualquer coisa, melhor não, porque apenas encheu espaço numa página que poderia ser melhor aproveitada...


Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

SEGURANÇA DO SISTEMA PRISIONAL


O cara que delinqui, não tem respeito à sociedade, portanto ele perde os direitos de cidadão temporariamente, até pagar sua pena. Nos os cidadãos, que pagamos impostos escorchantes, também temos que sustentar essa população, já sabemos que o sistema prisional brasileiro é corrupto e não integra ninguém à sociedade, pelo contrario, é escola de banditismo. O preso deve ser socializado com trabalho e perda dos privilégios que tem um cidadão comum. As prisões devem ter trabalho remunerado para o preso pagar sua estada, na instituição prisional e sustentar sua família que também é vítima. Como a sugestão do advogado Evandro Mesquita (2/5, A2) é boa, gostaria de acrescentar outra possibilidade: prisões em navios, onde os presos de periculosidade alta irão cumprir a pena, com isso fica mais difícil a fuga e se gasta menos com segurança. Quem fará o controle de fugas serão os tubarões, para isso sugiro que esses navios prisões, sejam ancorados em áreas com tubarões tigre o os brancos.


Edison Monaco edisonmonaco@gmail.com

São Paulo


*

PARA DESTRAVAR O BRASIL


Mais uma vez o editorial do OESP “Estadão” está enganado. O que trava o País não é a economia, é mera consequência. O que trava o País é a baixa moral e ética de suas elites, políticas, empresariais e culturais, todas comandadas como marionetes pelos banqueiros, os atuais pajés que substituíram os religiosos.


Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo


*

‘A VIDA QUE SE LEVA’


Creio que o erudito senhor Leandro Karnal, talvez pela pressão de sua agenda não tenha lido a crônica da senhora Ruth Manus logo a seguir da sua, no “Estadão” de domingo (29/4). Sorrisos banguelas de quarenta e oito crianças abasteceram por dez minutos o astral da colunista enquanto que a gagueira de um septuagenário e a necessidade de não perder dez minutos, perturbou o astral do erudito senhor. A vida que se leva é o presente sem condicionantes de tempo ou de agendas, e não volta jamais.


Pedro Luiz Bicudo plbicudo@gmail.com

Avaré


*

MITIFICAÇÃO


Fala-se tanto em temas afetos à Psiquiatria, Psicologia e ciências a ela ligadas, como o “narcisismo”, o “complexo de Édipo”, o “TOC”, porém não se trata, por este viés, da mitificação endêmica, que eterniza o ódio. E isso se dá desde na religião, como em vários outros nichos, inclusive no futebol e na política. Penso nisso quando ouço ou leio os lulopetistas.


Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo


*

ESCOLA SEM PARTIDO JÁ!


Enquanto por anos a fio professores, notadamente da esquerda, manifestavam em sala de aula suas posições políticas, ideológicas ou religiosas, fazendo uma verdadeira lavagem cerebral na mente de jovens estudantes, a Advocacia-Geral da União nunca se manifestou sobre o fato, que passava batido. Agora, como deputados alagoanos se insurgiram contra esta situação e criaram o “Escola Livre”, rapidamente a advogada-geral da União, Grace Mendonça se posicionou pela inconstitucionalidade da lei aprovada em Alagoas, por entender que a legislação estadual fere a Constituição Federal ao tratar de tema que é de competência da União. Já existe uma Ação Direta de inconstitucionalidade, movida pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, cujo relator é o ministro Luiz Roberto Barroso, que cuidará deste tema. Como se vê, o Projeto de Lei “Escola Sem Partido” veio incomodar a categoria de professores e políticos de partidos de esquerda, pois para eles era muito cômodo e apropriado a escola fornecer livremente a matéria prima (os estudantes) para que eles a amoldassem às suas ideias, e com isso, criar muitas gerações de militantes de primeira categoria! “Escola Sem Partido” já!


Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.