Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 03h00

PETROBRÁS

Exemplo de boa gestão

A Petrobrás teve lucro de R$ 6,9 bilhões no primeiro trimestre, 56% maior do que no ano passado. O resultado foi impulsionado pelo aumento dos preços do petróleo, por maior volume na comercialização de gás natural e redução de despesas. Pedro Parente, seu presidente, salvou a empresa. Um bom exemplo a ser aplaudido, admirado e seguido por outros executivos do setor público. Enquanto o governo de Dilma Rousseff destruiu a Petrobrás, mantendo o preço da gasolina artificialmente baixo para se eleger, sem falar na corrupção, o governo de Michel Temer colocou na presidência esse grande administrador, que com competência e seriedade a recuperou totalmente. Espero que o próximo presidente da República escolha igualmente bem quem pôr nesse importante cargo. É muito importante para o País que nossa maior estatal seja sempre um símbolo de boa gestão, transparência e seriedade no trato da coisa pública. 

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@gmail.com

Campinas

Petrobrás

Parente pra presidente

A melhora visível da Petrobrás se deve, realmente, à competência e força de vontade do sr. Pedro Parente, profissional de altíssima qualidade e seriedade que tirou a empresa do fundo do poço. Pessoas assim é que deveriam ser candidatos à Presidência da República.

HARRY RENTEL

harry@citratus.com.br

Vinhedo

Agora vale R$ 312,5 bilhões

Graças à competente administração deste governo na Petrobrás, a estatal atingiu o maior valor de mercado de sua história, R$ 312,5 bilhões. Façanha que se deve também ao presidente da empresa, Pedro Parente, que assumiu a estatal tecnicamente quebrada pela quadrilha montada pelo PT, que assaltou seus cofres sem dó nem piedade, o que fez despencar seu valor de mercado para míseros R$ 67,8 bilhões em janeiro de 2016. Porém, com muita determinação e profissionalismo, e a necessária venda de ativos, Parente resgatou a imagem e a eficiência da Petrobrás. E hoje, para orgulho dos brasileiros, voltou a ser respeitada como uma das gigantes do mundo no setor petrolífero!

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Enquanto isso...

Por incrível que possa parecer, continuam os efeitos da corrupção no Brasil, mesmo com a Operação Lava Jato. Basta ver que o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), cujo custo inicial foi estimado em US$ 6,1 bilhões, porém mesmo com as obras paradas dá um prejuízo que já ultrapassa os US$ 13,5 bilhões. O absurdo do absurdo, o inaceitável e totalmente inadmissível, é que, mesmo com a paralisação das obras, a Petrobrás gastou R$ 2,7 bilhões para mantê-lo dessa forma inútil. E aí...?

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

O Comperj é o grande monumento da irresponsabilidade e corrupção do lulopetismo, aliado aos corruptos do PMDB do Rio de Janeiro, com Sérgio Cabral à frente. Algumas obras necessárias para processar o gás natural advindo do pré-sal estão sendo feitas para não se desperdiçar essa parcela. Faltou dizer que a maioria do prejuízo faz parte da imensa dívida em dólares da Petrobrás, que está sendo paga graças aos altos preços de derivados de petróleo, indexados a moeda estrangeira, bancados por nós, consumidores.

ULF HERMANN MONDL

hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

CORRUPÇÃO

Confiança no futuro

Já passado mais de um mês da prisão do demiurgo de Garanhuns, não há mais dúvidas de que o povo brasileiro sabe muito bem do mal que ele fez ao País e a todos os brasileiros. O lullopetismo, em quase 14 anos de desgoverno, só fez aumentar a inflação, detonou as contas públicas e deixou 13 milhões de desempregados, além de fechar milhares de lojas de comércio e centenas de pequenas e médias indústrias. Foram fechados no SUS 13 mil leitos e muitos hospitais, bem como o nível das escolas e da educação se tornou decadente. Portanto, aqueles que diziam que a prisão do condenado Lulla da Silva iria “esquentar” o clima político no Brasil se enganaram redondamente. O País, assim como seu povo, seguem calmos e confiantes num futuro melhor e sem bandalheiras.

ANTONIO CARELLI FILHO

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

Fogo de palha

Lula continua preso e as prometidas reações, como incendiar o País ou morrer gente, reduziram-se a manifestações isoladas e a um acampamento que dia a dia vai minguando. Atingida a jararaca na cabeça, o plano B passa a ser a única opção do partido responsável pela maior recessão da história brasileira. Fora, PT!

J. A. MULLER

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

A pobreza do Brasil

Diante do cenário atual, observamos que, ao invés de acabar com a pobreza, o PT promoveu não só o empobrecimento do povo, mas principalmente das instituições, do sistema político, da economia, das universidades, da cultura, dos valores... Enfim, os governos petistas deixaram um País empobrecido e sem perspectivas. Em pleno ano de eleições, o que os candidatos têm a nos oferecer? Estamos na miséria, em todos os sentidos. 

ELISABETE DARIM PARISOTTO

beteparisotto@gmail.com

São Paulo

Será que convence?

A respeito do sítio em Atibaia, agora, sim, está tudo “explicado” (sic). O sr. Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, revelou que o encarcerado pensava em comprá-lo, como presente para dona Marisa. E para decidir teve de frequentá-lo algumas vezes. Como ainda teve dúvidas, a OAS, boazinha, reformou-o todo de acordo com o gosto do casal, até com luxuosa cozinha Kitchens igual à do triplex no Guarujá. E para dar um toque pessoal, pedalinhos com o nome de seus netos. Tudo porque Lula “pensou” em comprar o sítio. (Eta, pensamento forte!) Dá para acreditar? Até a Velhinha de Taubaté estaria em dúvida.

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

‘Apud’ Abraham Lincoln

Pode-se roubar de poucos durante muito tempo. Pode-se roubar de muitos durante algum tempo. No Brasil, pode-se roubar de todos o tempo todo. A Operação Lava Jato que o diga!

PAULO SÉRGIO ARISI

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

BARBOSA E A SENSATEZ

Joaquim Barbosa acaba de anunciar a desistência de sua candidatura à Presidência da República. Impregnado de perplexidade, em face do randômico posicionamento político manifestado em declarações suas, divulgadas logo após a até hoje mal explicada e intempestiva aposentadoria da Corte Suprema, o lançamento de seu nome perturbou e inquietou, pois prenunciava o mergulho em mais uma aventura semelhante às últimas, nas quais a sociedade insistiu em propostas populistas, geradoras do presente desastre econômico, de difícil recuperação e da degradação da política. Neste indefinido quadro eleitoral, sua saída do páreo foi uma atitude sensata que, espera-se, seja seguida por outros desconcertantes pré-candidatos.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ELEIÇÃO SEM BARBOSA

Joaquim Barbosa dá um novo tom à eleição de outubro, quando decide não mais se candidatar à Presidência da República, como ensaiava pelo PSB. Eu que nunca acreditei que o ex-ministro e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, pelo seu temperamento tivesse ânimo para encarar uma candidatura visando o Planalto! Com todo o respeito, acho que Barbosa, ao desistir presta um bom serviço à Nação. Porque, apesar de probo e bem avaliado nas pesquisas – 10% de intenção de voto – e com possibilidade de até vencer o pleito, não basta ser bem intencionado! Falta ao ex-ministro do STF, o essencial, traquejo político! Capacidade de diálogo! Ter estômago para negociar governabilidade e cargos no Executivo, com 35 partidos, em que boa parte de seus membros estão atolados em denuncias de corrupção! Essa tarefa não é para qualquer um... E mesmo o mais experiente administrador público, como por exemplo, o candidato Geraldo Alckmin (PSDB) se vencer essa eleição terá dificuldades para obter ampla maioria no Congresso, em condições de aprovar, e urgente, reformas inadiáveis como o da Previdência, que permita de uma vez por todas colocar o País na rota sustentável do crescimento econômico e bem estar social! E essa não é uma tarefa para principiantes... 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos

*

OBAMA BRASILEIRO

Os homens de bem ficaram decepcionados com o ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa, que declinou da candidatura à Presidência da República. De qualquer forma, melhor agora, não é mesmo senhor “Obama brasileiro”?

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

JOAQUIM BARBOSA

Na luta contra a corrupção neste país, Joaquim Barbosa não apenas falou, como fez, desempenhando exemplarmente um papel da mais alta relevância. Lamento a sua saída da disputa presidencial. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

JOAQUIM BARBOSA E O SENADO

Joaquim Barbosa jamais teria o meu voto para a Presidência da República. Mas reconheço que a sua presença abrilhantaria – e muito – o Senado Federal. 

Milton Córdova Júnior milton.cordova@gmail.com

Vicente Pires (DF)

*

RENUNCIAS

Quando o Joaquim Barbosa renunciou ao STF, muito se especulou que teria sido por medo. Meses antes ele já tinha renunciado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). E agora renuncia a uma pré-candidatura presidencial, sem nunca tê-la admitido. Fico aqui me perguntando se eleito presidente, ele também não renunciaria. Sujeito estranho este.

Domingos Cesar Tucci d.ctucci@globo.com 

São Paulo 

*

LAMENTO

Lamento que Joaquim Barbosa tenha desistido de concorrer à Presidência. Ele deve ter as suas razões. É pena. Eu votaria nele. Os demais candidatos a gente já conhece. 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

ESCOLHAS

Quem disse que um candidato “outsider” à Presidência da República é melhor para o Brasil? O conhecimento político é imprescindível!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo 

*

TRANSFERÊNCIA

Joaquim Barbosa poderia, caso apareça, ou se identifique um “realmente bom” candidato para o Brasil, apoiá-lo. Conseguiria sem dúvida, transferir boa parte desta intenção de votos. Seria um grande gesto, em prol do Brasil.

Ulysses Fernandes Nunes Junior ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

DAS ‘CANDIDATURAS PORCINAS’

Depois da magistratura, Joaquim Barbosa desistiu da desistência e assumiu: não será! Sem nunca ter sido...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

JOVEM GUARDA X VELHA GUARDA

Tom Jobim, do alto de sua experiência e sensibilidade disse que: “O Brasil não é para amadores”. A desistência prematura dos outsiders Luciano Huck e Joaquim Barbosa à corrida presidencial, ainda que bem ranqueados nas pesquisas de intenção de voto, demonstra que em política o País também não é para principiantes. A “jovem guarda” ainda não tem vez neste Brasil da “velha guarda”. Até quando?

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

A SOMBRA DE MARIELLE

Bernardinho e Joaquim Barbosa são apenas dois pré-candidatos que desistiram da política nos últimos meses. Seria até natural, não fosse o medo um dos principais motivos da resistência. O ex-ministro confidenciou: “meu coração já vinha me dizendo, não mexe com isso, não...” A grande questão é saber o que estaria por trás de tanto pavor na vigência de um Estado Democrático de Direito?

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

VALOR DO VOTO

Nos meus 70 anos de idade, cheguei à conclusão de que todos os políticos têm seu preço, uns mais caro outros menos caro, mas todos têm preço. Partindo da premissa que, a multa por deixar de votar nas eleições gera uma dívida de R$ 3, acabei de concluir que nossos políticos não valem o valor da multa. Não voto mais!

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho arluolf@hotmail.com

Itapeva 

*

FAMIGLIA SOTEROPOLITANA 

O clã Vieira Lima, soteropolitana do bairro da Graça, de Salvador, Bahia, liderada pelo ministro de todos os santos governos brasileiros, Geddel Vieira Lima e seu irmão caçula deputado federal Lúcio e La Mama Marluce, disponibilizam sua poupança de R$ 51 milhões, já vistos à exaustão na televisão, bem como suas 12 fazendas baianas, à Fazenda Federal, como gesto de boa vontade para com o Estado brasileiro! Outros “descuidos” que tenham cometido poderão ser adicionados a posteriori! Famiglia que rouba unida vai para a cadeia junta!

Paulo Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

SOB NOVA DIREÇÃO

O “Jornal da Cultura” e o “Roda Viva” faziam a diferença no jornalismo “geleento” geral praticado no Brasil, graças ao embotamento gradativo que acomete quase toda a estrutura do pensamento, iniciado e cristalizado na era lulopetista, com o presidente que tinha azias ao ler e menosprezava os estudos, perante os quais ele se exorcizava. Mudou a direção do Estado, com a saída de Geraldo Alckmin, mudou também a direção da rede estatal. É inadmissível que no “Roda Viva”, que entrevistou Guilherme Boulos, “nenhunzinho” jornalista tenha perguntado a ele o destino dos R$ 89 milhões que o MTST recebeu do “Minha Casa, Minha Vida”. Augusto Nunes foi embora e levou junto a qualidade do ex-imperdível programa. O Brasil está cada dia mais insustentável com essa ditadura da esquerda tirana, se intrometendo em tudo, até no nosso parco lazer. E depois ficam indignados com o sucesso (escondido pela mídia) de Jair Bolsonaro junto ao povo...

Carmela Tassi Chaves tassichaves@gmail.com

São Paulo

*

GUILHERME BOULOS

O líder do MTST e candidato à Presidência da República pelo PSOL, Guilherme Boulos, sem dúvida alguma está sendo honesto ao condenar a cobrança de aluguel dos invasores de imóveis, por parte de aproveitadores oportunistas e imorais. Por outro lado, é pouquíssimo provável que Boulos não saiba que este tipo de cobrança corre à rodo por aí, e não é de agora. Se as propostas de Boulos para o País são respaldadas pela vontade de justiça social e pela ética, é imperativo que comece a praticá-las em “casa”. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

FORO PRIVILEGIADO

O STF acordou e parece (só parece) que deu um “passinho” para terminar com os vergonhosos e impatrióticos foros privilegiados. Resta saber quando acabarão com os privilégios dos detentores dos foros... Da forma como foi decidida me parece uma medida inócua. Momentaneamente só serviu para beneficiar os corruptos e criminosos. Com a devida vênia nossos ministros parecem mais apedeutas jurídicos.

Paulo Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

FESTA MERECIDA DOS TOGADOS

Os ministros togados do STF bem que poderiam promover uma festa de aniversário dos 15 anos de um processo contra o senador Valdir Raupp, por desvio de dinheiro, quando governador de Rondônia. Nada como as calendas do tempo como carimbo na certidão de impunidade que é acalentado pela Justiça. “Essa roda velha que ameaça ruína a todo instante”, mas que sobrevive com o azeite/dinheiro. A Justiça engavetada deveria ter além dos olhos vendados, algodão nos ouvidos e uma mordaça impedindo sua tradicional verborragia. Parabéns pra você...

Jair Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ) 

‘A PREVALÊNCIA DA LEI’

Irretocável a adjetivação do modus operandi do nosso STF. Somente uma imprensa livre e descompromissada com quem quer que seja apartidária e canal atuante do verdadeiro ideal republicano, ousa colocar os pingos nos is, num colegiado de magistrados, que no jargão popular, está colocando os pés pelas mãos. Não é por acaso que o cidadão bem informado e de cérebro não lavado, fica apreensivo e quase concordando com as “fake news” intervencionistas, que corre solta pela web da vida.

Aloisio Cotali Caminhões aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE

Controlar a judicialização, questão antiga e sempre discutida, é muito difícil por sua relevância tendo em vista seus integrantes, o doente, a doença, o médico, as ações e demais personagens. Quero destacar, neste imbróglio, e em atenção à coluna, que não existe remédio ineficaz, pois, caso contrário, estaríamos negando sua razão de ser. Duvidar da eficácia terapêutica de medicamentos registrados na Anvisa é, sem dúvida, um posicionamento que só interessa para os que querem a continuação dessa situação. Em boa hora mesmo, o STJ resolveu intervir. Atenciosamente. 

José Carlos Barbério carlitobarberio@hotmail.com 

São Paulo

*

PLANOS DE SAÚDE

Absurdo os reajustes superarem quatro vezes o índice inflacionário anual. Não é por acaso que há as bancadas parlamentares que defendem interesses de empresários, entidades e sindicatos. Enquanto esse regime presidencialista de coalizão não terminar, qualquer presidente da República continuará vivendo na realidade do “toma lá, dá cá”. E os interesses da população serão sempre relegados ao segundo plano.

Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FRANQUIA

Associados de planos de saúde pedem socorro aos órgãos de defesa do consumidor e ao Ministério Público, para que questionem na Justiça a norma absurda da Anvisa, que prevê a cobrança da franquia pelas operadoras dos planos.

Arnaldo Ravacci arnaldoravacci05@gmail.com 

Sorocaba

*

PROPOSTA SAFADA DOS PLANOS DE SAÚDE

Anualmente, nós, usuários de planos de saúde somos penalizados com aumentos das mensalidades acima da inflação e nem podemos reclamar, senão podemos ouvir o que sentiu um amigo que foi na prestadora dizer que o aumento estava absurdo, a resposta foi que não era obrigado continuar e podia depender do SUS. Agora, não bastassem tais aumentos, vem da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) mancomunada com as prestadoras, a proposta de franquia para o usuário ter um plano de saúde, como se fôssemos veículos. Gananciosos e não satisfeitos com seus lucros anuais, querem ganhar mais ainda, com esse absurdo tipo de contrato, que será inviável para idosos aposentados que recebem aumentos sempre irrisórios. A promessa que tal proposta pode baratear os planos é safadeza dessa cambada de espertalhões! Pior ainda, não apareceu político algum para nos defender desse absurdo proposto pela ANS em conluio com as empresas.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

MALES DA CORRUPÇÃO

O Brasil teve de usar R$ 1,1 bilhão do FAT-fundo de amparo ao trabalhador para pagar um calote da Venezuela e Moçambique, via empréstimo do BNDES. Uma irresponsabilidade total da dupla nefasta Lula-Dilma. Com esse dinheiro poderiam ser construídas cerca de 20 mil moradias populares, o que beneficiaria ao menos 80 mil pessoas, sem contar os empregos gerados. Isso nos dá uma ideia rápida dos males da corrupção e desvio de dinheiro no Brasil. Enquanto alguns poucos se beneficiam, de forma criminosa, milhares são prejudicados de maneira desumana.

André Luis Coutinho arcouti@uol.com.br 

Campinas 

*

INJUSTIFICÁVEL

Envolvidos e condenados na Operação Lava Jato no Estado do Rio, que saquearam os cofres da maior empresa brasileira e que já foi uma das maiores do mundo, a Petrobrás, estão sendo transferidos para o presídio de Bangu 8, por problemas de incompatibilidade do local para cumprimento da pena e evitar regalias. No mesmo momento, o ex-presidente Lula, preso em uma sala sem grades e porta trancada, da Superintendência da Policia Federal em Curitiba, teve autorização para que lá fosse instalada uma esteira ergométrica. Como o assalto foi o mesmo, à incompatibilidade do local em Curitiba também existem, as regalias são escancaradas e está tudo certo, não se justifica transferir os presos aqui do Rio.

Abel Rodrigues abel@knn.com.br

Campinho 

*

SÓ PODE SER PIADA?

E ainda há seguidores do ex-presidente Lula chamando tais regalias de prisão política... Esteira para exercícios diários, frigobar, TV de 32 polegadas, visitas a qualquer dia e hora, só falta instalar uma academia de ginástica, uma destilaria de bebidas alcoólicas e uma fábrica de charutos cubanos na cela em que Lula passa férias de onde vai comandar sua campanha eleitoral rumo ao Palácio do Planalto, como tem afirmado a presidente petista Gleisi Hoffmann. Todos os políticos que querem visitá-lo você acha que é para falar de quê? Pregar a Bíblia, para orar e falar de futebol? Não vai demorar e os mais de 700 mil presos não políticos vão reivindicar as mesmas mordomias. Afinal a Constituição é clara: “Todos somos iguais perante a lei”, ou não somos?

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com 

São Caetano do Sul

*

ISONOMIA

A concessão de privilégios ao Lula abre um precedente incontrolável, a isonomia! 

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

CURITIBA INN

Mantido na sua salinha com TV e esteira e não em um lugar apropriado para abrigar alguém na sua situação, Lula completou o seu primeiro mês de encarceramento na sede da Polícia Federal (PF) em Curitiba a um custo de R$ 300 mil, ou seja, quase R$ 4 milhões anuais. Quantas casas do “Minha Casa, Minha Vida” conseguimos construir a esse custo? O que Moro está esperando para transferi-lo? Se for assim, fica mais barato colocar o cara logo na cobertura do Copacabana Palace e parar com essa hipocrisia.

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

SITUAÇÃO PRISIONAL DE LULA

Lula está preso por ser político ladrão ou por ser ladrão político?

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo 

*

VIGÍLIA PRÓ-LULA

Trinta dias perturbando os moradores e já chega! Como os vigilantes não poderão ficar mais 12 anos, tempo da pena de Lula, é bom que desocupem a área, remetendo o dinheiro que irão gastar para casas de caridade. A finalidade será mais nobre.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

VELHICE DIFÍCIL

A carta do ex-presidente Lula à Frente Nacional de Prefeitos é mais uma demonstração de reconhecimento pela derrota do petista em sua luta para se livrar da cadeia. Ao cometer um pequeno erro no registro da cidade de origem do documento e trocar Curitiba por São Paulo o provável escritor do texto revela a falta de cuidado e açodamento que quase sempre houve nas ações do PT. A derrubada da CPMF e a crítica à intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro foram os dois pontos relevantes da palavra de Lula, fatos que ficaram engasgados na garganta do ex-presidente e que não foram digeridos por ele. Lula poderia ter ficado calado e evitado o desgaste de quem já espera sua condenação no processo do sítio de Atibaia e se depara com um horizonte sombrio em sua velhice.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CASO PARA PSIQUIATRIA

O Brasil pode ter presidentes como Lula, Dilma ou Temer, pois o alcance do estrago fica por aqui. Os Estados Unidos não podem ter qualquer presidente, ainda mais um Trump, cuja saúde mental foi questionada por 27 psiquiatras. O mundo deve combater as ações deste desequilibrado antes do circo pegar fogo! 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com 

São Paulo

*

O ARREPENDIMENTO DE DILMA

A ex-presidente Dilma Rousseff se diz arrependida de ter sancionado a Lei 12.850/2013, criando assim o diploma legal responsável por regulamentar o instituto da colaboração premiada, um marco divisor da Operação Lava Jato. Pois, então, prezados leitores, ao sancionar a Lei da Delação Premiada, ela não imaginava que estava também preparando a corda para o enforcamento da quadrilha de malfeitores que infestaram o cenário político nacional, inclusive seu partido, o PT, ou seja, ela preparou a própria cova. Por tudo isso é que digo: Deus é sim brasileiro.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uoil.com.br

São Paulo

*

O SUGADOR

A perversa elite paulistana não tem limite. Ou seja, o economista Pérsio Arida vai propor no seu plano de planejamento econômico, escrito à medida para o candidato a presidência Geraldo Alckmin, a retirada do artigo constitucional que força a destinação de porcentuais orçamentários fixos para a saúde, educação e outros. Neste contexto, caso a população perca a proteção dos seus direitos básicos, o Estado brasileiro será desligado de toda a obrigação de transformar esperança em vida apenas parcerias tipo “Criança Esperança”. Dando ênfase ao fator sociológico decisivo da história, ainda subjetivo, não se pode fugir de esclarecer a espetacular recuperação econômica alemã, no curto período relativo, entre as duas grandes guerras, ou melhor: entre a miséria total decretada no Tratado de Versalhes até a poderosa invasão da Polônia, ao som de trombetas. 

Salvador De Abreu salvadordeabreu@yahoo.com.br

São Paulo

*

BANCO DE BRASÍLIA PREJUDICA CLIENTES

O Banco de Brasília (BRB), já faz mais de duas semanas, está reformando sua plataforma digital, justamente na época do pagamento dos servidores. Você liga para o 3322-1515 e tem um saldo, quando tenta retirar um extrato, os valores são totalmente diferentes. Em qual acreditar para movimentar sua conta? Como pagar suas obrigações em dia? Grande parte de seus correntistas são da terceira idade e já têm dificuldade de lidar com informática e ainda encontram mais este obstáculo? Julgo que o momento foi inadequado para a mudança, que deveria ser testada várias vezes antes de ser implantada, tendo em vista o prejuízo que está ocasionando aos seus clientes. Quem vai pagar os nossos juros?

João Coelho Vítola jvitola@globo.com 

Brasília

*

QUER SABER?

Em um país onde há 13 milhões de brasileiros desempregados (se não for mais) certamente haverá concorrência acirrada por cada vaga de trabalho pretendida, procurada e não achada. Dinâmica de grupos, ponto de vista, comunicação, apresentação e outros bichos. Sofrer forte concorrência, para qualquer vaga, seja qual for o segmento. Logo eu diria, para as pessoas que estão fora do mercado de trabalho, que fizesse o esforço de ler um jornal. Treine e se exercite com a linguagem sem vícios e sem gírias. A leitura diária de um jornal ajudará e muito o candidato a se sobressair sobre os outros. O custo (jornal digital) para quem tem um smartphone (e quem não tem?) é muito baixo e os resultados são garantidos. Melhore a sua comunicação e atitude em uma entrevista, dinâmica de grupo. Leiam jornal diariamente e verás o seu desenvolvimento melhorar em termos de atuação, postura e linguagem. Duvido que certo canal de TV diria: “Quer saber? Faustão”. Não, amigos, apenas a leitura e o exercício diário é que em tempos de recessão te dará um suporte. Ao voltar ao mercado de trabalho, volte mais forte, mude os hábitos, olhe nos olhos com a faca na boca. Quer saber? “Estadão”.

Leandro Ferreira ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

São Paulo

*

‘A PREVALÊNCIA DA LEI’ 

O “Estado” (7/5, A3), analisa o desvio de conduta dos atuais integrantes do Supremo Tribunal Federal, os quais com frequência invadem competência dos outros Poderes e decidem em desacordo com a Constituição. O editorial cobra aos ministros “a responsabilidade de ser fiel ao texto constitucional, não a de ditá-lo como quiser” e ao final sentencia: “Numa República vale a lei – não a arrogância de seu intérprete”. Garantidos num cargo cujo afastamento só acontece pela aposentadoria compulsória aos 75 anos de idade, pela renúncia ou após processo e condenação pelo Senado Federal – quase metade dos senadores é alvo de investigação criminal – difícil que suas excelências baixem o tom de arrogância e ajam dentro da lei. Sendo assim, aparentemente restam duas possibilidades apenas para correção de rumo do STF: uma a de nova mobilização pacífica dos milhões de anônimos heróis brasileiros – a exemplo das anteriores que desaguaram no impeachment de Dilma Rousseff e fortaleceram as investigações da Operação Lava Jato – desta vez pressionando para que o Senado cobre responsabilidade dos ministros; a outra é melhor não mencionar.

Sergio Saraiva Ridel sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

*

ALOPOIESE

Formalizando o editorial “Constituição à la Carte” (6/5, A3), me vem algo como a alopoiese. A origem lexicográfica do vocábulo, advém “do grego alo (“um outro”) e poiesis (“criação”). Fenômeno em que os códigos, as leis e o social estão todos emaranhados, não havendo distinção entre um e outro”. Diz o Dicionário Informal Virtual que “A sociedade grega vivia imersa numa alopoiese total, onde não se fazia distinção entre o Direito Natural e o Direito Positivo.” Mas a alopiese é mais do que a confusão entre o direito natural e o positivo. Ela quebra os sistemas das ciências políticas, artísticas, econômicas e sociais de acordo com o “gosto do freguês” (tome-se por “freguês” o poder preponderante no momento e no espaço de vigência). Se o berço da democracia – Atenas – é um exemplo alopoiético, o nazismo de Hitler também é. Partindo de normas produzidas para tornar lícito o genocídio, pôde-se entender como o sistema da Política (poder/não poder) violentou os sistemas do Direito (lícito/não lícito) e da Economia (ter/não ter). Então está é a questão, o sistema do Direito julga lícito o que à ideologia de seus integrantes apraz. Aqui o “tirano” não é o Parlamento, tampouco o chefe do Executivo. Trata-se de ativismo judicial, como diz o editorial em comento. Mas ativismo oportunista, que interfere no poder constituinte reformador, como se o fosse. Como se vê, a alopoiese pode realizar o mais próximo que se viu de uma democracia, mas também pode tornar lícita uma ditadura. E com toda a sua lucidez advertia Ruy Barbosa: “A pior ditadura é a ditadura do Poder Judiciário. Contra ela, não há a quem recorrer".

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

‘POR UMA DEMOCRACIA REPRESENTATIVA’

O jornalista Fernão Lara Mesquita em seu excelente artigo (8/5, A2) mostra a necessidade de limpeza no atual sistema político e aponta solução que nos garantirá lugar entre os civilizados no futuro, é impossível não estar de acordo com o mesmo. Infelizmente o privilégio herdado do período colonial de assaltar o País de norte a sul por meio das indicações políticas tem de ser esclarecido à população para que a limpeza preconizada pelo jornalista aconteça: As candidaturas nas eleições somente são possíveis por meio dos partidos (quadrilhas) e naturalmente os candidatos são motivados pelas oportunidades permitidas na Constituição para indicação para os cargos de confiança e em comissão, se existe ou existiu algum bem intencionado nunca houve denuncia mostrando a consequência das indicações, a eterna precariedade dos serviços públicos (Educação, Saúde, Segurança, Saneamento, Transportes, etc.). O privilégio das indicações, seja por meio dos caciques existentes ou  dos troca trocas dos Legislativos com os Executivos se reproduz após cada eleição, o que resultou no aperfeiçoamento das eleições para seleção de bandidos. É necessário eliminar os privilégios para que as organizações do Estado não sejam escancaradas para os bandidos, eliminando assim a principal razão para a corrupção e precariedade nas mesmas. Não basta proibir e punir as indicações para as estatais (administração indireta) é necessário que aconteça também para as administrações diretas. O prejuízo em termos de imposto arrecadado jogado no ralo é fácil de estimar, mas o prejuízo para a população devido aos serviços precários é muito maior e difícil de estimar! Se conseguíssemos a proibição das indicações hoje, somente conseguiríamos os efeitos após muitas décadas tendo em vista a população de 204 milhões e a necessidade de preparar pessoal e estruturar as organizações do Estado.

Darcy Andrade de Almeida dalmeida1@uol.com.br 

São Paulo

*

VIOLÊNCIA NO CAMPO

Leio periodicamente, com atenção, as página A2 e A3 do “Estado”. Comentários lúcidos de pessoas com vivência, experiência em questões políticas, sociais, econômicas, etc. O pessoal do editorial tem proporcionado boas escolhas. O destaque das “Notas e informações” é sobre a violência no campo. O meu comentário surge da evidência que sociedade ressurge pelo cultivo da terra. É a base da alimentação e da economia resultando em trocas. A seguir surgem as manipulações para transformar grãos, vegetais, animais as vantagens, desejos ou ambições do consumidor, investidor, e benefício de quem produz. É a galinha que bota o ovo da prosperidade, usando deveres e responsabilidade. Todas as demais atividades humanas, sejam quais forem, são complementares, sobrevivendo com os recursos gerados por natureza, agricultura e indústria. Não existe ciência, política, saúde, educação, etc. sem alimentação. O artigo “Terra sem lei” (8/5, A3) coloca em questão pessoas das atividades complementares, não só invasores, mas assíduos transgressores. E os também complementares, que devem impor as leis para coibir abusos, introduziram direitos acima das responsabilidades. Trabalho e honestidade, ingredientes básicos da vida no campo e na indústria vem sendo violentados. Os que não enfrentam o dia a dia do campo e indústria, embora complementares, sugam os recursos gerados desta atividade. Vivem nas bolhas, com ilusões, poluindo a natureza, matando gradativamente a galinha que bota o ovo da prosperidade. Tá na hora de repensarem o convívio social. 

Geraldo Felipe Negrão gfnegrao@ig.com.br

São Paulo 

*

4.º MANDATO DE PUTIN

D-i-t-a-d-u-r-a! Ficou claro?

Sérgio Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.