Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal

O Estado de S.Paulo

24 Maio 2018 | 03h00

COMBUSTÍVEIS

Seis por meia dúzia

A manifestação dos caminhoneiros contra as constantes altas do preço do óleo diesel, muito justa, provocou reação do governo: tirar a Cide do combustível, mas compensar com a volta da oneração de impostos na folha de pagamento. Ou seja, o governo troca seis por meia dúzia, o que nada resolve. E o povo continua só se ferrando! Por que não diminui o custo da máquina da administração? O governo é incapaz de encontrar medidas positivas para aliviar os caríssimos encargos que pagamos, sem a necessária contrapartida. Deus salve o Brasil!

WALTER ROSA DE OLIVEIRA

walterrosa@raminelli.com.br

São Paulo

Perguntas à Petrobrás

Não é preciso ser bom gestor para fazer recuperação de caixa pela via dos preços, em se tratando de uma empresa monopolista que vende um produto essencial. A Petrobrás está devendo aos brasileiros uma informação detalhada sobre o que foi feito para reduzir custos, especialmente os de pessoal. É sabido que lá os salários são altíssimos e que há funcionários em excesso. Há dez anos – não tenho o número atual – a Petrobrás tinha 600 funcionários somente na área de comunicação, além de várias assessorias de comunicação contratadas! Os consumidores precisam saber, também, se e por que o petróleo produzido no Brasil, a US$ 7 por barril, está sendo vendido aos brasileiros a preços internacionais.

WAGNER TAVARES

wag2@terra.com.br

São Paulo

Reformas estruturais já

Diante do cenário atual de protestos dos caminhoneiros e da política de preços da Petrobrás, sempre é bom lembrar a afirmação de longa data do consultor econômico Raul Velloso de que 70% a 75% da receita federal é para pagar salários e benefícios do setor público. Sem reformas estruturais para valer, como as reformas previdenciária, tributária e de salários do setor público de acordo com a realidade brasileira, será muito difícil sair deste estado de desânimo geral que assola a Nação, infelizmente.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Preço da gasolina

Depois de tanta ladroagem no período de governo Lula-Dilma, quando dilapidaram a Petrobrás, sem a devida reposição das perdas pelos culpados, para levantar novamente a estatal praticamente falida somente aplicando aumentos constantes nos preços dos combustíveis, que movimentam a economia brasileira. Haja vista a comparação dos preços de derivados do petróleo no mercado internacional (nos EUA, nos nossos vizinhos Paraguai, Venezuela, Peru, Colômbia e Bolívia, para onde o Brasil exporta o combustível pela metade do preço pago pelos brasileiros, etc., etc.). Enquanto isso, o litro de gasolina vai se aproximando de R$ 5 antes mesmo de o dólar atingir esse referencial. Não demora muito.

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Usufruto popular

Lamentável a Petrobrás aplicar no mercado nacional preços do petróleo e seus derivados com base em cotações internacionais. E com a frequência de até quatro vezes por semana. Afinal de contas, o Brasil não produz nada? Não esqueçamos que o Brasil é atualmente, como propalado, autossuficiente e a população deveria usufruir essa conquista, não pagar a conta dos desmandos cometidos na Petrobrás por políticos e funcionários inescrupulosos. Excelente o trabalho de recuperação que o atual presidente, sr. Pedro Parente, vem fazendo e nada contra a empresa buscar o seu equilíbrio econômico-financeiro. Mas essa política de preços é nefasta para a população brasileira, que vem pagando essa conta.

CARLOS SULZER

csulzer@terra.com.br

Santos

Vai dançar

Nessa briga dos caminhoneiros contra o preço dos combustíveis, quem vai dançar é o sr. Pedro Parente. O uso da Petrobrás por todos os governos anteriores criou uma situação em que a empresa não pode desenvolver a política de preços que lhe convém, visto ser monopolista. Que falta faz a concorrência!

CLÁUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

EMPRESAS ESTATAIS

Diferença fundamental

Muito ilustrativo o artigo Qual é o papel das empresas estatais? (21/5, A2), do eminente professor José Goldemberg. De fato, em países do Primeiro Mundo, como os EUA, terra do capitalismo moderno, existem também as chamadas estatais. Mas lá – e isso é fundamental – as empresas estatais, como o próprio nome diz, pertencem ao Estado, e não ao governo, muito menos aos sindicatos e partidos políticos. Decorre disso uma diferença monumental. A questão não estaria no primeiro plano das discussões no Brasil de hoje se essa diferença fosse respeitada e consagrada nas leis brasileiras, que deveriam preservar as nossas instituições.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br 

Valinhos

INFLAÇÃO

Nonsense

Toda vez que abasteço meu carro, ponho a quantia fixa de R$ 100; assim, o aumento de 25% no preço da gasolina nos últimos seis meses para mim não fez diferença. Seguindo raciocínio análogo, a inflação anual de 3%, calculada e divulgada pelo IBGE, indica que o custo de vida, desde que mantidos os gastos, está sob controle... Não me enganem que eu não gosto!

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo 

CORRUPÇÃO

Indulto explícito

Já que foi levantado o assunto, nada mais adequado do que esclarecer a questão agora para evitar celeuma mais tarde. Cada um dos presidenciáveis deve manifestar de forma conclusiva se, no caso de ser eleito, concederá perdão judicial, ou “graça”, ao presidiário Lula. Isso porque o eleitor precisa ter o direito de dispor de tal informação para votar de forma consciente diante da intenção dos candidatos a presidente da República. Perdão judicial sem anúncio antecipado de tal medida seria trapaça.

JOSÉ ROBERTO SANT’ANA

jrsantana10@gmail.com

Rio Claro

Cana mamão com açúcar

Com a nova condenação, Paulo Maluf terá de ficar mais 2 anos e 9 meses recolhido na “masmorra” localizada na Rua Costa Rica, nos Jardins, em São Paulo.

ROBERTO BRUZADIN

bobbruza@terra.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PREÇO DO DIESEL

A estratégia política para reduzir o preço do diesel não é a de reduzir imposto, mas a de remanejar imposto. É descobrir um santo para cobrir outro. Será necessário e racional reduzir os gastos governamentais. Que tal diminuir drasticamente ou cancelar os penduricalhos nos Três Poderes (Fundo Partidário R$ 888 milhões, Fundo Público Partidário R$ 1,7 bilhão; reduzir em 1/3 o número de deputados e de senadores; passagem política, no máximo, uma vez por mês às origens; cancelar dos assalariados acima de R$ 4.999,99: auxílio-moradia, alimentação, creche, escola, vale transporte)? Pra que tantos ministérios, quando uma dúzia é mais que suficiente? O governo tem gordura em excesso e pode emagrecer sem prejudicar o funcionamento.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES) 

*

QUEDA DE PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS

Até 2% de queda no preço dos combustíveis? Só pode ser brincadeira, não é? Vendam esta empresa e acabem com o maldito monopólio. A concorrência livre vai trazer os preços dos combustíveis de volta para a realidade. A Petrobrás é um câncer para a nossa Nação!

Sérgio Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

TEMER E PARENTE DEVEM EXPLICAÇÕES

Michel Temer e Pedro Parente deveriam se apresentar em cadeia nacional de rádio e televisão para explicar ao povo brasileiro os motivos de o País ter a gasolina mais cara do planeta. Uma carga tributária absurda e a ganância cega da nova gestão da Petrobrás fizeram com que o País perdesse completamente a vantagem de ser um dos maiores produtores mundiais de petróleo e um dos pioneiros no desenvolvimento de energias alternativas, no caso o álcool. O País entrará em colapso em poucos dias se nada for feito nas próximas horas. 

Mário Barilá mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

OS CAMINHONEIROS E O COMBUSTÍVEL

A política da Petrobrás está correta e a empresa arribou e se recompôs com a administração de Pedro Parente. Entretanto, a redução da Cide nada significou, praticamente, no preço do diesel para os caminhoneiros. Mas uma solução precisa ser dada ao tema urgentemente. E qual seria? Parece que o governo federal precisará criar uma conta específica para os transportadores poderem abastecerem-se de diesel, cujo custo do subsídio deverá correr por conta, por exemplo, da redução das despesas com pessoal e outros custos dispensáveis dos Poderes da República, inclusive o Executivo. Eis que os interesses do País estão acima do empreguismo e das mordomias. Ou vamos enfrentar desabastecimentos e outras consequências gravíssimas para a Nação!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

PETROBRÁS

Desde a minha tenra idade ouço falar que a Petrobrás é a maior riqueza dos brasileiros! Agora, nos meus 70 anos de idade, infelizmente, cheguei a conclusão que a Petrobrás, é um privilegio de poucos, a transformaram no maior centro de corrupção e enriquecimento ilícito de políticos, grandes empresários e funcionários do alto escalão da estatal. Os partidos políticos viraram verdadeiras quadrilhas, indicaram seus apadrinhados, e se apossaram do comando da empresa para saquear o patrimônio público: afinal, o que podemos esperar de um país em que chegam a roubar até merenda escolar!

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho arluolf@hotmail.com 

Itapeva 

*

A AUTONOMIA DE PARENTE 

O sr. Pedro Parente, para presidir a Petrobrás, exigiu plena e total autonomia. Fato que a principio é correto, dado o bando de abutres políticos que ficam, por meio de seus "paus mandados" que povoam alguns cargos da estatal buscando benefícios, diretos e indiretos. Entretanto, o sr. Pedro Parente, não pode se portar como um Czar junto ao governo. Essa onda de aumentos quase que diários nos preços dos combustíveis é algo prejudicial ao povo e ao próprio governo. Qualquer executivo de uma empresa de menor porte, para ter uma administração de sucesso, precisa de um planejamento financeiro/econômico ao menos de 12 meses. Num empresa privada o sr. Parente, se assim agisse, eram imediatamente demitido. É fácil obter lucro como no último exercício acompanhando as idas e vindas do valor do dólar. No caso da Petrobrás, há necessidade de cortar despesas; planejar um preço médio dos combustíveis para, pelo menos, 12 meses. Ou seja, estabilizar o mercado, pois, sr. Parente, a economia do País, passa pelas rodovias, portos e aeroportos, e para essa movimentação exige combustível. Peça demissão para o bem de todos. Senhor presidente, aja com inteligência contrate um executivo de gabarito e competência para gerir profissionalmente a Petrobrás, afaste-se de indicar político ou aqueles comprometidos com a funesta classe política desse nosso Brasil. A propósito: sou advogado.

Carlos Benedito Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro 

*

ROUBO LEGAL

Hoje, graças a Deus temos uma greve de caminhoneiros para combater a "roubalheira legal", que é a cobrança de impostos pelos nossos governantes. Portanto tenho certeza que a vitória não será do governo. Os portos não terão o que exportar, ou importar. Os combustíveis também não chegarão aos postos. Nem todas as pessoas têm caminhões, muitas não tem nem bicicleta para fazer uma paralização, mas também sofre com a roubalheira sem limites. Sendo bonzinho nesta analise, o povo paga pelo menos trinta por cento de tudo que consome, desde alimentos, até medicamentos, sem receber nada em troca. Portanto essa greve deve permanecer, não só para baixar o preço dos combustíveis, mas para que sejam revistos todos os impostos em todas as áreas, que só vão à direção dos bolsos dos corruptos, sem retorno. 

Wilson Matiotta loluvies@gmail.com 

São Paulo 

*

MAIS UMA DERROTA DE LULA

Depois de perder aqui no Brasil nos julgamentos na primeira e segunda instância, perder nos recursos lá interpostos e também no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) sempre a zero, o ex-presidente sofre mais uma derrota. Desta vez na ONU. O Comitê da ONU rejeitou pedido de medidas cautelares de Lula. Recursos, recursos e mais recursos. Agora sua defesa vai recorrer ao Papa? Por que será que a imprensa e institutos de pesquisas teimam em usar o nome preso da Lava Jato como um dos pré-candidatos, se pela lei ele é inelegível? As leis são ou não são para serem cumpridas?

Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com

Cunha 

*

NEGATIVA

Os advogados de defesa de Lula, após o indeferimento dos infinitos recursos permitidos pela confusa Justiça brasileira, resolveram recorrer a entidades externas com o objetivo de restabelecer a liberdade do seu cliente, preso por decisão legítima e transparente de tribunais do País. Assim, solicitaram à ONU que intercedesse neste sentido e receberam, como retorno, uma negativa do comitê de direitos humanos daquele órgão. Além de configurar uma ação inconveniente e fora de propósito, os referidos causídicos, ao tentarem interferências invasivas ao funcionamento jurídico nacional, só explicitam a respectiva incompetência para representar seu constituinte com correção e dignidade.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

ONU

O Comitê das Nações Unidas rejeitou a cautelar contra a prisão de Lula. Os advogados de Lula ainda estavam esperançosos?

Robert Haller robelisa1@terra.com.br 

São Paulo 

*

DO CHALAÇA ÀS TUCHINAS

Nem o Chalaça foi tão danoso para o Primeiro Império quanto o PT para a República. Francisco Gomes da Silva, o Chalaça, amigo, conselheiro, comendador, confidente, secretário do príncipe depois dom Pedro I, circulava na corte como boa vida, malandro, devasso, canalha capaz de dar em cima da amante do melhor amigo, o imperador. Cara sem nenhum caráter, precursor de Macunaíma. Ponto. O PT vai além na foto. Corrupto, corruptor, militante da ideologia do bolso ladrão, o PT escangalhou a esquerda, destruiu a economia, seduziu a banca, engambelou as massas com esmolas, proclamou patifes guerreiros do povo brasileiro. E se estrepou. No salão de honra do partido, uma galeria de perigosos delinquentes presos: Lula, Zé Dirceu, Delúbio, Palocci, Vaccari. Dilma Rousseff foi para o lixo da História e Michel Temer bruxuleia melancolicamente. Todos tuchinas. Azeredo e Aécio no mesmo vaso.

José Maria Leal Paes tunantamina@gmail.com

Belém 

*

DEFUNTO POLÍTICO

Em 27 de maio será lançada a pré-candidatura do homem mais honesto do Brasil, que foi condenado injustamente com o apoio da mídia conservadora e das elites que não admitem ver um pobre viajando de avião ou cursando uma universidade. "Eta" conversinha fiada! Finalmente a Justiça brasileira agiu corretamente enclausurando o líder da maior quadrilha do colarinho branco e impedindo sua candidatura. O presidiário Lula da Silva tem de admitir que a partir de 7 de abril passado, tornou-se um defunto político, encerrando sua carreira como criminoso.

José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré 

*

O PAÍS À ESPERA DE PROFUNDAS MUDANÇAS

A decretada prisão do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), a negativa do recurso de Lula à ONU, o definhamento do acampamento de Curitiba e, de resto, a prisão de políticos importantes de diferentes partidos, jogam por terra a narrativa do "golpe", a tese de que o ex-presidente é um preso político (e não um político preso) e, também, a ideia de perseguição ao PT. Para desmentir essas falsas imagens, está aí, até, o encarceramento de Paulo Maluf, outrora inatingível. E mitos outros figurões ainda acabarão trancafiados se as apurações seguirem o curso normal. O processo do mensalão e a Lava Jato abriram a temporada de reforma do País. No entanto, precisamos de mais. Vivemos o resultado de décadas de enganos, desmandos e corrupção. Além de botar na linha os políticos, a sociedade precisa também combater as organizações criminosas, os duvidosos movimentos sociais, exigir que todos cumpram as leis e não apelem à desobediência civil. O poder público - federal, estadual e municipal - tem de cumprir suas obrigações e não tolerar, em momento algum aqueles, que tentem usurpar o poder da autoridades constituída, que emana do povo através das urnas. Estamos às vésperas de complicadas eleições. Na eleição e depois dela, temos de observar a pregação do almirante Barroso (na Batalha do Riachuelo): o Brasil espera que cada um cumpra com o seu dever... 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

FRASE QUE ARREPIA 

A frase já conhecida e que arrepia o povo, dita por Geraldo Alckmin que: "Não existe ninguém mais íntegro do que eu", deixou seus eleitores de cabelos. O plágio foi copiado de alguém que, por insistir que era "o homem mais honesto do País" agora, descansa enjaulado na Polícia Federal, em Curitiba. Portanto, muito cuidado nessa hora, Alckmin!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

GERALDO ALCKMIN

Li a declaração de Alckmin que pode ter gente honesta como ele, mas mais não. Discordo governador! Pelo que o acompanhei de perto e denunciei, inclusive pessoalmente, sobre as falcatruas na concessão de rodovias do Estado de São Paulo, sem que o senhor tenha tomado qualquer providencia dá-me o direito de lhe dizer que o senhor não tem o devido bojo moral pra cuidar da causa pública. O que tenho, em meus arquivos, de falcatruas na concessão de rodovias é uma pouca vergonha. E tudo aconteceu sob sua omissão por mais que eu insistisse durante dez anos. 

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br

São Paulo

*

EDUARDO AZEREDO

Em 1998, quando Eduardo Azeredo governava Minas Gerais, os servidores públicos estaduais recebiam os salários atrasados, numa odiosa escala de pagamentos. Ele era candidato à reeleição e prometeu, antes do pleito, pagar o 13.º salários dos servidores. Perdeu a eleição e "esqueceu" a promessa. Algum dia antes de deixar o poder quitou todas as dívidas de Minas com as empreiteiras que prestaram serviços ao governo. Muitas delas, colaboradoras de sua campanha eleitoral. Em sua passagem pelo Senado, só para dar um exemplo, Azeredo gastava com verbas indenizatórias em um único posto de combustível (Posto Mauritânia, em Belo Horizonte) valores permitiriam que um veículo rodasse mais de 15.000 km/mês, além de várias outras despesas absolutamente inexplicáveis. Eu enviei pedido de esclarecimentos ao senador em 24/3/2011, mas, naturalmente, não fui respondido. Que uma cela o aguarde com tudo que ele merece.

Luciano Nogueira Marmontel automatmg@gmail.com

Pouso Alegre (MG)

*

AÉCIO, PIMENTEL E AZEREDO

Minas está realmente bem representada politicamente. E se pensava que fosse apenas o Rio, São Paulo, Alagoas ou Maranhão!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

AÉCIO NEVES

Eduardo Azeredo preso. Aécio, melhor o senhor ter outro apartamento para vender pro Joesley.

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br 

São Paulo 

*

PASSANDO A BOLA

Diante das acusações que pairam sobre ele, o presidente Michel Temer decidiu desistir de sua candidatura a reeleição - mas para não perder tempo, disse que apoia a candidatura do ministro Henrique Meirelles à Presidência do Brasil. Em minha opinião, Henrique Meirelles herdará no máximo os 3% dos votos que hoje Michel Temer tem.

Virgilio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

MINISTRO DA SAÚDE

O ministro da Saúde, ("atchim"!), de que não lembro o nome, que roubou pra ele e pra família toda, disse a pérola de que a gripe é transmitida por mosquito. Hã? E está na Suíça, discursando na OMS! Santa incompetência! Que lástima! Isso não tem fim?

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

JOÃO AMOÊDO

Essa semana, assistindo ao programa "Roda Viva" fiquei surpreso com a postura do jornalista do "Estadão" fazendo coro à bancada hostil ao entrevistado. Imagino que o jornal que eu assino seja liberal, no melhor sentido da palavra. 

Carlos A. Arellano caas.arellano@gmail.com

São Paulo

*

TV CULTURA

Lamentável o caminho da TV Cultura. O programa "Roda Viva" com âncora e entrevistadores medíocres é um desserviço à população.

Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

*

A APATIA DO ELEITOR

O editorial "A apatia do eleitor" (21/5, A3) reflete uma realidade indigesta que está culminando também na apatia do leitor, cujo exercício diário e se informar sobre os tortuosos caminhos criados pelos que são responsáveis pelos destinos da cidade, do Estado e do País. Depois da entrevista de Guilherme Boulos no "Roda Viva" deixei de ver o programa, mas recebi mensagem no WhatsApp para que visse o de 21/5 com o candidato à Presidência João Amoêdo, do Partido Novo. Dois fatores concorreram para o interesse em ver o programa: ele é desconhecido e o Partido Novo não aceita o uso de dinheiro público para as campanhas, tudo o que mais queremos. Deu pena. Com propostas de reforma da Previdência, melhoria na qualidade dos serviços públicos, diminuição da carga tributária que não impossibilitaria a aquisição de recursos em função da redução dos custos da corrupção, aglutinação de impostos em um imposto único, tipo IVA, diálogo com o Congresso (obviamente teria de ser um Congresso renovado) e, por fim, se declarar liberal na economia e conservador nos costumes, foi o que bastou: o pré-candidato quase foi engolido pelos esquerdistas que o rodeavam na arena, muito mais preocupados com as minorias étnicas e de gênero do que com a corrupção e a economia arrasada da Pátria amada. Não faço proselitismo para ninguém, ainda é muito cedo para saber em quem votar. Dificilmente João Amoêdo será eleito, pois não terá muito tempo para se fazer conhecer. Ou para derrotar as máquinas eleitorais já montadas há décadas no Brasil, mas só o fato de arrepiar comunistas de todos os matizes é um ponto positivo para se refletir nas eleições.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@gmail.com

São Paulo

*

CANDIDATO À MODA ANTIGA

Pelo que deu para entender em entrevista, Ciro Gomes é um populista que usa vocabulário rasteiro para dissimular seu coronelismo.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo 

LIDERANÇAS

Há pouco tempo das eleições, os eleitores continuam apáticos no cenário da política... Parece que o fato tem pouca importância a esta classe. Depreende-se daí que seu objetivo maior seja garantir a reeleição daqueles que ali estão. A rejeição não os impacta, já que a máquina político-partidária é mantenedora da imutabilidade. Surpreende que num momento em que a turbulência cambial nos atinge em que milhares de desempregados sofrem desesperançados, não exista um líder com bandeiras e planos trazendo possíveis soluções. Faltam lideranças identificadas com as ruas. Ficamos na perspectiva do amanhã, na ilusão de um dia melhor como se a varinha de condão fosse se materializar. Acordem pelo Brasil, por favor! 

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 

Indaiatuba

*

UMA CONTRADIÇÃO E TANTO

Analisando o atual cenário venezuelano, o jornalista Roberto Godoy escreveu sob o título "No horizonte, uma crise entre os oficiais do Exército" (22/5, A10). Diz ele: "Há 15 anos, após o golpe frustrado, o governo chavista iniciou um expurgo nas três forças, afastando a classe média dos comandos e indicando para os postos apenas o pessoal alinhado com o regime". Ao ler fiquei me indagando se essa medida não teria reproduzido, por assim dizer, a "luta de classes" dentro da caserna, com o afastamento do oficialato representativo dos setores médios e sua substituição por militares oriundos dos setores "populares" alinhados com o discurso populista de Hugo Chávez. Com o tempo, tal condição parece ter criado o que o jornalista chamou de "obediência cega" nas forças. Não é difícil entender: num país onde grassa a escassez, "ninguém quer correr o risco de perder privilégios" como a estabilidade no emprego, o acesso a bens de consumo, assistência médica, linhas de crédito imobiliário subsidiado e outras. Nesse clima em que o governo dá moral aos oficiais "alinhados" e pune os demais, dificilmente um levante - talvez a única forma de afastar Maduro do poder - seria bem sucedido, por não contar com o apoio dos que, malgrado o estado de penúria em que está a nação, não consideram perder os privilégios que hoje têm. O curioso é que defendem algo a que chamam de "socialismo do século 21", um sistema que, em princípio, viria em nome da promoção da absoluta igualdade social. Convenhamos, é uma contradição e tanto.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo 

*

ELEIÇÕES NA VENEZUELA

Como brasileiro, democrata e republicano tenho acompanhado a crise política, as eleições e suas consequências na vizinha Venezuela. Não considero pertinente a interferência externa nos assuntos internos de qualquer país. Quando Hilary venceu e perdeu para Trump, todos reconheceram os resultados. Eleição senhores, são regras do jogo. Cada país tem o seu. Ninguém chama de ditadura a eleição indireta na China. Portanto, o processo eleitoral Bolivariano, se é que é um problema e pode até ser, quem deve decidir é o povo venezuelano. Vamos respeitar a autodeterminação dos povos.

Josué Alves Macedo josue_prudentino@hotmail.com

Presidente Prudente

*

UM MADURO QUE NÃO CAI

A reeleição de Nicolás Maduro para presidente da Venezuela, além de "provocar forte reação pelo mundo, inclusive como diz o "Estadão" "EUA adotam sanção e países vizinhos rejeitam Maduro, provocou também uma declaração do candidato opositor Henri Falcón, de que dita eleição foi fraudulenta". O Brasil também não reconheceu a votação e chamou seu embaixador para consulta. Todos os países que rejeitaram a aludida eleição também chamaram seus embaixadores para investigar suspeitas de corrupção, lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo. Simbolicamente falando, tudo nos leva a crer que Nicolás embora "Maduro", não caiu do galho porque como já disse, aludido galho e ele estão fortemente amparados por criminosa corrupção. Maduro, só no sobrenome, pois, seu falso prestígio de caráter e honestidade, infelizmente, permanece "verdinhos da Silva"! São duas calamidades que criminosamente se completam. "Há uma máxima latina que se aplica no presente caso: "calamitas nulla sola" ou" uma calamidade nunca vem sozinha".

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br 

Assis

*

ELOGIO AO CAOS

Durante entrevista ao jornal "O Estado de São Paulo" (23/5, A14), o engenheiro venezuelano Ignácio Porras relatou o inferno que vem ocorrendo em seu país, agora sob o jugo do socialismo, e classificou o governo Maduro como uma "ditadura assassina". O engenheiro foi torturado por três meses na solitária de um dos presídios mais violentos do país. Seu crime? Ter participado de protestos contra Maduro em 2014 por falta de alimentos liberdade e respeito aos direitos humanos. Segundo Porras, não há outra solução para acabar com o atual massacre imposto pelo regime bolivariano contra a democracia e o sofrido povo venezuelano, senão uma intervenção que pode ser até armada, já que o ditador fechou todas as portas para uma solução pacifica. Questionado sobre, se as sanções internacionais que afetam o povo valem a pena, ele disse: "sim, afinal estamos sendo castigados há 18 anos. É preciso romper este ciclo". Entrementes no Brasil, ainda há quem defenda esse regime sanguinolento. O PC do B emitiu nota parabenizando a "vitória retumbante do povo venezuelano" em comemoração ao resultado da fraude eleitoral venezuelana. Resumindo: como o golpe planejado pelo Foro de São Paulo não funcionou no Brasil com a deposição de Dilma Rousseff e a prisão de Lula, só restou nossos comunistas elogiarem a vitória do caos na combalida Venezuela.

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br 

São Paulo

*

COMO PODE?

O "Estadão" de hoje (22/5, A10) divulgou a notícia mencionando os países que não reconheceram a eleição de Maduro, na Venezuela, por a considerarem uma fraude. Sabemos, porém, que os países que praticam o mesmo tipo de "democratura" de Maduro, como a Bolívia, a aprovaram. Era isto que os "petralhas" gostariam de implantar no Brasil, o ditatorial bolivarianismo. E ainda tem gente que quer Lula e sua quadrilha livres, como pode?

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

REVOLTANTE

Nós, a população, sempre pagamos, de diversas formas, essas greves. A atual dos caminhoneiros, até é fundamentada, mas os custos (preços, trânsito...) sempre caem em nossa conta. Os produtos não chegam e os preços aumentam e imagine quantas pessoas são prejudicadas presas no trânsito (atraso no trabalho, compromissos, consultas...) e muitas outras situações que enfrentamos. Esperemos que esse sacrifício tenha retorno, realmente o preço do diesel está um absurdo e precisa ser analisado, infelizmente tudo no Brasil é feito por rodovia e tal situação (diesel elevado), torna o transporte quase inviável.

Laert Pinto laert_barbosa@globo.com 

São Paulo

*

DEMOCRACIA E FFAA

A calamitosa situação venezuelana dá um exemplo do que seria o Brasil se Dilmão & Co. tivessem conseguido alocar nossos militares em altos cargos políticos e administrativos (tentaram alguns, mas não avançaram). Graças a Deus (e a Ele unicamente), o "governo" foi soberbo, julgando que apenas sua própria caterva já iria dar conta de tomar o País e lobotomizá-lo totalmente. Não foi… Por aqui, parece que alguns acordaram e a constante presença das Forças Armadas (FFAA) nas sessões da Câmara, bem como as candidaturas de militares para o Legislativo demonstram que a retomada está sendo de baixo para cima, sólida, para perpetuar aquilo de que o Brasil necessita novamente, e de imediato: ordem e progresso. 

Antonio C. de S. Queiroz Cardoso acardoso@acardoso.com

São Paulo

*

DIREITO A MORADIA

Sempre que ocorrem incêndios como deste edifício ocupado clandestinamente ou noutros em favelas de terreno invadido, todos seus invasores não proprietários reclamam do direito à moradia e por isso invadem bem alheio. Não sei até onde vai o direito à moradia que eles exigem, porque se hoje tenho algum bem em meu nome, foi por começar a trabalhar diariamente com 13 de idade e aos 15 já era registrado em carteira de trabalho para poder estudar a noite em contabilidade. Quando migrei para São Paulo e só depois de trabalhar dezenas de anos saindo da cama por volta das 5 horas da manhã, com frio ou chuva, pegar ônibus ou trens lotados é que foi possível comprar algum bem, sem esperar esmola de governo nenhum. Por isso, não aceito muito essa conversa de direitos de migrantes que chegam a São Paulo, dos quais a maior parte não tem escolaridade ou profissão e chegam a uma capital que não é mais aquela de outrora em que se chegava num dia e noutro estava empregado. Isso acabou. 

Laércio Zanini spettro@uol.com.br 

São Paulo 

*

IGREJA CATÓLICA

Realmente fiquei decepcionado com o papel ridículo e vergonhoso o que a Igreja Católica fez durante as missas do domingo! Uma profanação no Santuário Nossa Senhora Aparecida ao pedirem que soltem este condenado e o maior ladrão de todos os tempos. É demais! Por isso que a Igreja Católica está perdendo cada vez mais fiéis.

Sidney Cantilena sidneycantilena@bol.com.br 

São Paulo 

*

ADEUS 

O Brasil perde um dos seus mais brilhantes jornalistas! Aos 86 anos, Alberto Dines, se despede deixando um grande legado! Trabalhou em importantes veículos de comunicação do País! Entre importantes iniciativas, criou o "Observatório de Imprensa", e escreveu 15 livros! Também foi preso por ter criticado a ditadura de 1964! Que vá em paz esse Alberto Dines, dos textos primorosos! 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos

*

ALBERTO DINES

O exemplo de coragem, ética e modernidade do jornalista Alberto Dines que acaba de nos deixar, deve nos servir para enfrentar os tempos complicados atuais que vivemos no Brasil. Principalmente as novas gerações deverão buscar no comportamento neste ícone do jornalismo nacional, inspiração para dar soluções aos grandes desafios que teremos de enfrentar no futuro que viveremos daqui em diante.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

ESTUDAR COMPENSA

O professor Carille, de origem humilde, estudou muito e ainda jovem vai ganhar o equivalente a seis pseudo e falsas palestras de um corrupto condenado que orgulhava-se de não ter estudado. Resumo da vida: estudar compensa! 

Jose Rubens de Macedo Soares joserubens@jrmacedoadv.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.