Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 03h00

COMBUSTÍVEIS

Política de reajustes

Faz bastante sentido, e é largamente utilizada no mundo, a política de reajustes de preços de combustíveis da Petrobrás, de acompanhar o preço internacional do petróleo. Porém no Brasil há algumas correções a serem consideradas. Aqui temos no câmbio forte influência de fatores internacionais e internos, a recordar, e exemplificando, a recente alta de juros americanos e o efeito da incerteza eleitoral na cotação do dólar. Necessário se faz depurar a variação relativa dos efeitos da moeda americana. O gerenciamento de caixa da Petrobrás é operado em duas moedas e leva em consideração a produção e a venda interna. A greve dos caminhoneiros revela a dificuldade da economia brasileira de repassar as alterações de preços da origem para o consumidor. Como sempre, o consumidor absorve a alteração do preço e administra a relação de consumo, uma vez que dispõe de ingresso fixo e inelástico, e direciona a demanda conforme sua disponibilidade limitada de recursos. Para pequenas e espaçadas variações, as mais comuns na economia, há uma fluidez no processo de oferta e procura, mas isso não se verifica em frequentes e elevadas alterações, que geram incerteza no mercado. Será positivo para a Petrobrás aplicar somente a porcentagem de alteração no petróleo, ponderando a produção local e o aumento nas vendas, fatores suficientes para não se criarem subsídios, o que é saudável para o caixa da empresa e para o bolso do consumidor.

SYNESIO PAES DE BARROS NETO

sypaba@gmail.com

São Paulo

Imprevisibilidade

Nem no tempo da hiperinflação da era Sarney se viu uma política tão doida como a praticada pela Petrobrás. Digo isso porque ou há enorme incompetência na área financeira ou a empresa pretende ter ganhos adicionais. É inadmissível que a Petrobrás – como qualquer empresa que trabalha com commodities – não faça hedging do seu produto, bem como da moeda em que opera. Política de hedging no dólar e no petróleo, no caso da estatal, deveria vir em benefício do consumidor, que também é seu acionista, e não somente para engordar os seus lucros. Principalmente num mercado monopolizado, como é o caso. 

JAIR NISIO

jair@smartwood.com.br

Curitiba

Falha feia

O dirigente da nossa maior estatal não teve tino para avaliar o que aconteceria com a decretação de aumentos quase diários de um produto imprescindível na nossa economia. Falhou feio!

DARCY MARTINO

darcymartino@yahoo.com.br

São Paulo 

Só sobe

Quando sobe, sobe, porém, quando desce, não desce. Isso vem ocorrendo nas altas e nas baixas dos preços dos combustíveis praticados pela Petrobrás. Só em maio a gasolina aumentou 12 vezes e o diesel, cinco. Em todos esses aumentos as bombas foram ajustadas imediatamente. Entretanto, as parcas reduções jamais chegam ao consumidor final, fonte inesgotável de lucro de inescrupulosos empresários do varejo de combustíveis e derivados. Resultado: desrespeito total aos consumidores e desleixo dos órgãos fiscalizadores com relação a esses desonestos comerciantes. 

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Concorrência

Este é um bom momento para discutir o fim do monopólio do refino de petróleo e permitir a entrada de mais empresas no setor. Concorrência derruba preços e gera empregos. Mais empregos, mais arrecadação, mais desenvolvimento. 

ANDRÉ LUIS COUTINHO

arcouti@uol.com.br

Campinas

Todos sabemos que neste país nada é planejado para longo prazo, embora tenhamos um ministério para isso. No governo Juscelino, quando da euforia da implantação das montadoras de automóveis, mandaram-se para as calendas os planos para os demais tipos de transportes – hidrovia, ferrovia e navegação de cabotagem –, ficando o rodoviário, caro e poluente, como o senhor do processo. “Ou vai de caminhão ou não vai”, frase que li num para-choque de caminhão e diz tudo. Qualquer um sabe que a falta de concorrência é prejudicial para os negócios e torna o consumidor refém dos monopólios, que é o caso em questão. Se houvesse concorrentes para Petrobrás, Correios, Sabesp, Cetesb, etc., tenho certeza que teríamos serviços melhores e não viveríamos mais esse drama toda vez que uma dessas áreas resolve paralisar as atividades.

LUIZ FRANCISCO A. SALGADO

salgado@grupolsalgado.com.br

São Paulo

Mercosul

A sociedade brasileira deve exigir que o preço dos combustíveis no Mercosul seja unificado. Com a estrutura que temos, deveríamos ter o menor preço da região, não há justificativa razoável para a situação atual. Afinal, o combustível é que faz girar toda a economia, em especial o diesel. Querem crescimento do PIB estrangulando a produção?! 

DONATO L. BERALDO

donatolb@gmail.com

Araçatuba

Ineficiência

Enquanto a estatal norueguesa de petróleo, a Statoil, tem 20 mil funcionários, que produzem e processam 2,1 milhões de barris/dia, a Petrobrás tem 186 mil – entre funcionários próprios e terceirizados – para produzir e processar 2,8 milhões de barris/dia. Proporcionalmente, cada funcionário da Statoil trabalha 105 barris/dia e cada um dos nossos, míseros 15. Com uma ineficiência dessas – além da cobertura dos rombos bilionários provocados pela administração inepta e corrupta do PT –, não admira o que pagamos pelos combustíveis no Brasil.

MARCELO MELGAÇO

melgacocosta@gmail.com

Goiânia

E o ICMS?

Gostaria de externar a minha indignação pelo silêncio dos governadores quanto à alíquota do ICMS incidente sobre os combustíveis, diante desta situação que o País vive. Eles não se mexeram, ficaram quietos. O maior imposto sobre combustíveis é justamente o ICMS, de competência dos Estados. E daí, não vão reduzir a alíquota?

SYNVAL DELANO MOTTA RUNHA

srunha@outlook.com

São José dos Campos

Pobre sofre...

Embora a greve dos caminhoneiros se justifique pelo alto custo dos combustíveis, não podemos esquecer que os menos favorecidos são os mais prejudicados por essa paralisação.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

GOVERNO TEMER 

O governo Temer, encastelado no Palácio do Planalto, aparentemente ignora a realidade nacional e tenta cobrir o sol com a peneira enquanto os problemas do País vão se acumulando. Os caminhoneiros decretaram greve em protesto contra o preço do diesel, que só neste mês, até o dia 20, já sofreu um reajuste em torno de 12,3%, bem maior que a inflação. Quando o governo autorizou a Petrobrás a reajustar os preços dos combustíveis, de acordo com o custo do petróleo, tinha como meta recompor as suas finanças. Como sabemos, a ex-presidente Dilma levou a maior empresa do País quase à falência com a sua política de controle dos preços dos combustíveis em função da sua crença política irreal. Mas a recomposição das finanças da Petrobrás não poderia recair inteiramente no colo da população com as finanças também combalida, com 14 milhões de desempregados, por ordem e graça de Dilma. O ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deveria por obrigação planejar um esquema que atenuasse os reajustes dos combustíveis no poder aquisitivo dos brasileiros, que recolhem os impostos mais elevados do planeta. Como sabemos, foi desmantelada a malha ferroviária do País e a partir do governo Juscelino, o transporte de cargas passou a ser efetuado na grande maioria por caminhões. Portanto, o aumento no diesel afeta todos os produtos, significativamente os de primeira necessidade. Pois, bem, deflagrada a greve, o chefe de Estado resolveu "tomar providências convocando reunião para estudar a diminuição dos impostos incidentes do diesel, quando foi escolhido o Cide, diminuir o custo do litro do diesel na significativa importância de R$ 0,05. Depois comunicou em entrevista, fazendo cara de paisagem, que desistia de concorrer à reeleição e lançando a pré-candidatura do ex-ministro Meirelles para o cargo de presidente da República. Incrível, em plena crise nos transportes. Pela noite veio a notícia de que a Petrobrás reduziu o preço do diesel em 10% nas refinarias por 15 dias, em decisão de sua diretoria, sem consultar o governo, ante o risco de colapso nos transportes. Obviamente entendeu que não poderia esperar o blá, blá, blá dos políticos, tanto do Executivo como do Legislativo. E esses senhores do governo ainda pretendem se reeleger nas próximas eleições.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 

São Paulo 

*

ASSIM FICA DIFÍCIL!

O governo não dá ponto sem nó, como se usa dizer, primeiro faz aumentos de combustível quase que diariamente para testar a paciência da população, depois que explodem as manifestações por esse Brasil afora, ele vem todo mansinho com descontos de centavos e todos ficam felizes até uma próxima "cutucada". Atitude descaradamente eleitoreira. Fim da história, quem quiser que conte outra!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br 

São Paulo 

*

NÃO TEM MILAGRE!

Agora começo a entender o porquê da impopularidade recorde nunca vista na história de um presidente deste país, como é a de Michel Temer. Há denúncias de seus mal feitos todos os dias nos jornais, rádio, TV e revistas. Gás de cozinha batendo nos R$ 90, a conta de energia elétrica mais que dobrou nos últimos dois anos de seu desgoverno e o litro da gasolina em alguns postos já ultrapassa os R$ 5 o litro. Já por conta do preço do diesel, foi criado um movimento entre caminhoneiros que tem paralisado estradas por todo o País. Só falta agora ele esperar algum milagre com o lançamento da pré-candidatura de Henrique Meireles por seu partido, o (MDB), que tem a maioria de seus caciques enrolados até o pescoço em falcatrua e corrupção, além de alguns já atrás das grades e de outros que estão a caminho...

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

TEMER PEDE TRÉGUA

Com o devido respeito, pedir trégua de três dias, diante do sucesso da rápida mobilização dos caminhoneiros que travou totalmente o País, ou é ingenuidade ou é burrice mesmo.

Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

A TÃO ESPERADA REAÇÃO

Temer prometeu que a economia iria reagir. Os caminheiros deram início à reação.

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

REALIDADE

Realidade brasileira: ruim com Michel Temer, muito pior sem ele. 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES) 

*

PARENTE ÀS GALINHAS

Por dois anos, o governo tentou convencer o mundo de que a Petrobrás estava sob nova gestão, e de que Pedro Parente teria completa autonomia para gerir a quase moribunda empresa de forma profissional, sem qualquer interferência política. Mas ao impor dez por cento de redução no preço no diesel como resposta a caminhoneiros baderneiros, o governo Temer mostrou que era tudo "brincadeirinha". Parente, que já tem outro "empregão" na BRF perdeu qualquer credibilidade para alegar que não cede a ingerências políticas na Petrobrás. Agora o foco de Parente deve ser a venda de galinhas, e não de derivados de petróleo. A Petrobrás pra ele acabou, assim como acabou qualquer argumento de que uma empresa controlada pelo Estado pode ser bem gerida.

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba 

*

FERROVIAS

Entendo que o motivo da greve é justo, porém não concordo com a maneira que está sendo executada, prejudicando toda a população e cadeia produtiva de um modo geral. Há falta e consequente aumento de preços de produtos, frutas, leite, etc. Já que nossos governantes nunca deram a menor importância, não seria esta uma boa hora (com mais ou menos 30 anos de atraso) de recomeçar a revigorar nosso sistema ferroviário? Mais ágil e menos poluidor, contribuiria para desafogar o trânsito e outras inúmeras vantagens.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br 

São Bernardo do Campo

*

BLOQUEIO DOS CAMINHONEIROS

Pergunta que não quer calar: já sabendo do bloqueio, por que o governo não solicitou à Justiça a liberação do uso de forca para impedi-lo?

José Antonio Garbino ja.garbino@gmail.com

Bauru

*

DÓLAR E DIESEL

O preço da gasolina não pode seguir o dólar! Melhora a Petrobrás, mas destrói o Brasil?

Suely Racy suelyracy@gmail.com

São Paulo

*

TRIBUTOS

O maior problema que nos aflige não são os preços dos combustíveis no posto que nos assolam, mas sim a avalanche de tributos que incidem sobre eles. Basta ver que na gasolina incide 44% de tributos, sendo: (28% de ICMS, 14% de PIS e Cofins e 2% de Cide); no etanol incide 26% de tributos, sendo: (17% de ICMS e 9% de PIS e Cofins), e por fim, no diesel incide 27% de tributos, sendo: (14% de ICMS, 12% de PIS e Cofins e 1% de Cide). Tributos estes que só servem para alimentar e manter o enorme circo político armado denominado governo, totalmente incapaz, inoperante e inútil, que só sabe mamar nas nossas tetas incansavelmente, sem oferecer absolutamente nada em troca nem mesmo o mínimo que necessitamos com saúde, educação, segurança e transportes. Agora para tentar amenizar a revolta dos caminhoneiros, face aos movimentos que fazem, tomam uma atitude absurda, ridícula, inútil e totalmente sem pés nem cabeça, informando que vão zerar o Cide do diesel para reduzir seu preço, isso ocorrendo poderá baratear até R$ 0,05 por litro, valor tão insignificante que com certeza maioria dos postos não o adotará para o consumidor, passando a utiliza-lo para aumentar sua margem de ganho.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

SILÊNCIO

O povo brasileiro deveria só comprar comida e pagar as contas básicas, não comprar mais nenhum supérfluo, não fazer nenhuma dívida. Queria só ver se não se tomaria uma atitude. Tudo vazio, lojas, restaurantes, cinemas, teatros, estradas, postos de gasolina. Seria a revolução silenciosa, sem sair de casa.

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

BOMBA RELÓGIO

A Petrobrás foi usada durante 13 anos como caixa dois, cabide de emprego para os amigos do rei, usada como instrumento de campanha com o pré-sal sendo a salvação do País e a certeza da autossuficiência e de se tornar no futuro o maior exportador de petróleo do planeta. O que se viu foi a quase falência da empresa. Bilhões desviados e quase nada recuperado e os preços dos derivados de petróleo, gasolina e diesel principalmente, defasados e causando prejuízos que devem ser evitados por uma administração competente e honesta. Mas, não se recupera uma empresa com aumentos muito acima da inflação e sem abrir mão da absurda carga de impostos federais e estaduais, principalmente o ICMS que na Cidade de Duque de Caxias, na porta da refinaria faz com que o preço em uma bomba de combustível seja mais cara do que em cidades distantes mais de mil quilômetros, resultado da soma de uma empresa em recuperação e um Estado falido vivendo do imposto sobre os combustíveis e os royalties da produção de petróleo. O preço da gasolina e do diesel devem atender aos custos de produção, investimentos e lucro para que se tenha reserva em caixa para uma eventual variação dos preços internacionais, mas, financiar governos corruptos e incompetentes por meio de impostos escorchantes é penalizar a população que precisa se adaptar ao repasse de preço em toda a cadeia produtiva e transporte público. Se temos uma saída, a única possível é abastecer carros e caminhões no Paraguai e Bolívia que vendem a gasolina Petrobrás abaixo de R$ 3.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 

São Paulo 

*

LULA E NOVA DERROTA

Depois de perder em 1.ª instância, no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF), Lula acaba de amargar nova derrota, agora no Comitê de Direitos Humanos da ONU. Em sua petição àquele órgão, a defesa do multirréu procurou enxovalhar a Justiça brasileira, acusando-a de ser "arbitrária", de não considerar a "presunção de inocência" do réu, de não lhe ensejar proteção contra "ações arbitrárias ou ilegais", e, ainda, negar-lhe direito a um julgamento "independente e imparcial". Enfim, para a defesa do ex-presidente, a Justiça brasileira não tem qualquer legitimidade para processar e julgar aquele que se crê acima de nossas leis e fora do alcance de nossos tribunais. Como qualquer pessoa minimamente informada há de reconhecer, os argumentos do "mais honesto" não haverão de prevalecer, haja vista que os seus direitos foram rigorosamente observados em todas as instâncias do Poder Judiciário, lembrando que o condenado - agora encarcerado - cumpre sua pena em uma "cela especial" cheia de regalias que são negadas a mais de 99% dos presos no País. A propósito, as imputações assacadas na ONU pelos advogados de Lula cairiam como uma luva para caracterizar a situação vivida pelos presos políticos na Venezuela chavista - o vizinho país latino-americano onde Lula e os seus sequazes veem "excesso de democracia".

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo 

*

A DEFESA DE LULA

A defesa do ex-presidente Lula pediu que o juiz federal Sérgio Moro seja afastado da ação penal contra o petista, sobre as reformas no sitio de Atibaia, simplesmente porque Moro pousou para foto ao lado do candidato ao governo de São Paulo, João Doria e que, por tal, teve uma conduta "incompatível com a imparcialidade e a independência que se esperam de quem deverá julgar esta causa criminal". Na falta de argumentos melhores, e juridicamente idôneos, a defesa do ex-presidente tenta outros caminhos para tentar livrá-lo de Moro e de uma justiça cega e apartidária, porém, fosse tão simples assim como desejam, perguntaríamos: deveriam ser imediatamente também condenados, por analogia, todos os que pousaram para fotos ao lado, por exemplo, de Sérgio Cabral e de José Dirceu, ou ao lado de Suzane von Richthofen ou do goleiro Bruno? Realmente, nesse país dos escândalos que não mais constrangem, ou dos absurdos que não mais surpreendem, sequer soa como pueril confissão de culpa esse espernear da defesa do Lula.

Marcelo Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com 

Rio de Janeiro 

*

DIFERENÇA

Perguntar não ofende: qual a diferença entre bandidinho que usa celular na cadeia e as mensagens lidas pela presidente do PT, escritas pelo cara?

Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br 

São Paulo

*

DELÚBIO SOARES, MENSALÃO, PETROLÃO & PRISÃO

Seria "piada de salão", mas deu cadeia. Petistas em cana não devem achar engraçado, mas "o povo" aqui fora está se esborrachando de rir.

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

FOTOGRAFIA SUSPEITA

A defesa do presidiário Lula da Silva acusa o juiz Sérgio Moro de ser parcial em seu julgamento quanto ao mais honesto cidadão brasileiro, por ter sido fotografado ao lado do empresário João Doria, que é do PSDB. Se isso é motivo de suspeição, é de se perguntar: Lula está preso por ter aparecido na mídia ao lado do casal de larápios Sergio Cabral e Adriana Anselmo, inúmeras vezes? 

José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré 

*

BOMBEIROS RECEBEM AZEREDO

O ex-governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo, se entregou à Polícia Civil. Azeredo está trancafiado em uma sala especial no batalhão dos Bombeiros de Belo Horizonte. O juiz Luiz Carlos Rezende e Santos admitiu que os presídios mineiros passam por problemas de toda a sorte e está preocupado em manter a dignidade do tucano criminoso. Outros acusados no mensalão tucano, tais como, Walfrido dos Mares Guia, Cláudio Mourão e Lauro Wilson tiveram mais sorte que Azeredo, pois a punibilidade foi extinta por prescrição. O companheiro de partido, Aécio Neves, deve estar apavorado só de pensar na possibilidade de terminar os seus dias como Azeredo. 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

20 ANOS

Eduardo Azeredo vai cumprir 20 anos de cadeia na sala do comandante do Corpo de Bombeiros de "Belô"! Em vez do uniforme de preso, vai usar uniforme de bombeiro. Mas não vai pegar na mangueira. Diz que desde criança, adora os bombeiros! Se a moda pega vai haver grande aumento de bombeiros em todo o Brasil.

Paulo Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

PSDB TEM SEU PRESIDIÁRIO

Se já era ruim para o PSDB conviver com a prisão decretada do ex-governador de Minas, Eduardo Azevedo, pior ainda foi, e por algumas horas, ser declarado fugitivo da Justiça! Talvez tenha aprendido com o Lula, a fazer charme antes de ser preso, condenado que foi pelo mensalão, e cumprir uma pena dolorosa de 20 anos e 1 mês... Porém, esse fato pode prejudicar a campanha eleitoral visando o Planalto, do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Mas, num nível polido e elevado politicamente, bem diferente da vocação petista que só defende seus corruptos, Alckmin, sobre o caso de Azevedo disse: "decisão judicial tem que ser cumprida". E assim, Eduardo Azeredo, se entregou e vai cumprir sua pena, só que, confortavelmente numa unidade da Polícia Militar (PM), de Minas Gerais, e sem a necessidade de usar uniforme de presidiário. Por que essa deferência para um corrupto?

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos

*

LIMPEZA GERAL

Após 20 anos condenado no mensalão do PSDB, finalmente o ex-governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo acabou indo para prisão. Presumo que após a prisão de Lula, Azeredo, Geddel e Zé Dirceu, qualquer outro político que esteja envolvido em falcatruas deve colocar suas barbas de molho.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

FHC

"O Eduardo diz que não sabia, que não tinha o nome dele. Foi condenado a 20 anos de cadeia. É pesado, mas tudo bem", disse com certa ingenuidade Fernando Henrique Cardoso, como se fosse "leve" roubar o País.

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ) 

*

LAVA JATO

Inaugurada nova fase de investigação da Lava Jato, agora mirando políticos do PSDB. Renovam-se as esperanças de que os cinco inquéritos conduzidos pelo Ministério Público de São Paulo resultem na denúncia e condenação de políticos que vivem dando declarações de que decisão da Justiça se cumpre (para os outros).

Yvette Kfouri Abrão m.abrao@terra.com.br 

São Paulo 

*

MEIRELLES CANDIDATO

Temer indicou Meirelles como pré-candidato de seu partido. Ele tem qualidades para essa disputa, como vinha demonstrando à frente da política econômica do atual governo. Mas algumas conhecidas aves de rapina do MDB não o apoiarão, algumas delas já assim se manifestaram. O MDB não lança candidato próprio há quase 20 anos, quem será que os "donos do partido" gostariam de lançar? Renan, Sarney, Jucá, antigos e manjados envolvidos em muita corrupção?

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

APATIA OU EXPECTATIVA?

Alguma das opções atuais é aceitável? Apresenta-se à "esquerda" Ciro Gomes, que seria uma continuação do PT e de seus aliados (PCdB, MST etc.); na "direita" temos Bolsonaro, que nada apresentou de produtivo durante 30 anos como deputado federal e proclama armamento; no "centro" está Alckmin, pálido e sem programa, mas que discute bobagens com Bolsonaro. O silêncio do eleitorado reflete mais sensatez do que o editorialista parece perceber. O eleitor espera por algo novo, que demora a se articular. Talvez uma coligação de novos.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

BOULOS!

Escutando a entrevista de Guilherme Boulos à rádio Jovem Pan, fiz uma descoberta: este candidato tem uma fala macia, professoral e educada como a de Alckmin, mas com uma mensagem de terrorista baderneiro. Que amalgama difícil de ser conseguida... Um verdadeiro lobo em pele de cordeiro!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

'A ARMA É O VOTO' 

O articulista Manoel Vilela (23/5, A2) está certo, mas se observasse melhor, veria quem elege políticos são os banqueiros. O eleitor só vota em quem os banqueiros pagam para ser político, por meio dos partidos, que no Brasil são uma piada. Aliás, o jornalista é aquele que há uns 10 anos ganhava salário de mais de 35 mil como "funcionário jornalistas" do Senado? Está no site "http://congressoemfoco.uol.com.br", perguntar não ofende.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com 

São Bernardo do Campo

*

'A APATIA DO ELEITOR'

Apesar da apatia do eleitor brasileiro com Lula - e por consequência o PT - fora do páreo na vindoura eleição presidencial as perspectivas para o Brasil são animadoras, posto que o risco de nos tornarmos uma Venezuela estará contido.

Marcelo Melgaço melgacocosta@gmail.com

Goiânia/GO

*

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Um conto do vigário dos governos é que a Previdência é deficitária porque os valores dos que hoje contribuem são menores dos que hoje são pagos. O INSS é um fundo em que os funcionários privados aplicam para receber os rendimentos da aplicação quando se aposentarem. Os que hoje contribuem vão receber quando se aposentarem. Muitos contribuíram sobre 20, 30, 40 mínimos, mas só recebem no máximo 5. O governo deveria dar a opção de aplicar no INSS ou num fundo em um banco privado; os rendimentos seriam muito maiores, sem o limite de 5 salários mínimos e teriam a opção de continuar a receber os rendimentos ou sacar os milhões que alguns aplicaram durante ou 30/35 anos. Outra irracionalidade é estabelecer a idade em vez do tempo de contribuição. E o sistema de aposentadoria deveria ser o mesmo para funcionários públicos e privados, porque a constituição diz que todos são iguais perante a lei.

Mário A. Dente eticototal@gmail.com 

São Paulo

*

A HORA DA VIRADA

O Brasil segue impávido com a economia capenga, greves por todos os lados, desemprego altíssimo, déficit público se agigantando e completamente fora do controle, mas o governo não arreda pé de sua política: nenhum ministério a menos, nenhuma redução de gastos, nenhum aspone a menos, nenhuma propina a menos. O Brasil caminha para o colapso econômico, só uma revolução poderá impor as mudanças necessárias para tentar impedir a derrocada final da Nação brasileira. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo 

*

FOTO DEFRONTE CATEDRAL DA SÉ

Ao olhar a foto publicada pelo jornal "O Estado de São Paulo" (23/5, A18) fiquei estarrecido ao ver mendigo defronte à Catedral da Sé. Sou cristão não católico (luterano) e aprendi desde criança que as portas das igrejas (sejam quais forem) devem estar sempre abertas aos mais necessitados, dia e noite. Quando nós que possuímos o credo em Cristo vamos mudar esta situação? A pergunta fica para todas, digo todas as igrejas.

Hans Dieter Grandberg h.d.grandberg@terra.com.br

Guarujá

*

GREVE DE PROFESSORES SP

A greve dos professores de escolas particulares em São Paulo mostra que realmente não temos crise, porque o salário deles é bem diferenciado dos professores de escolas públicas, mas mesmo assim estão descontentes, ou seja, o desemprego de que todos falam não afeta esses professores? Que bom espero que todos fiquem empregados

Antonio José Gomes Marques a.jose@uol.com.br 

Rio de Janeiro 

*

DESRESPEITO À NOSSA BANDEIRA!

Os presidentes da República Federativa do Brasil conseguem desrespeitar o símbolo mor do nosso querido Brasil: a nossa bandeira, e, por conseguinte, fazem com que a desrespeitemos também! Com efeito, o Cruzeiro do Sul nela estampado está invertido e, para comprovar, é só vermos a constelação do Cruzeiro do Sul tanto no céu, como em sítios de astronomia e, também, vermos a bandeira da Austrália. Isso é inominável e vergonhoso. Para a correção necessária e devida é mister a autorização do presidente da República, razão pela qual, infelizmente, acreditamos que só veremos da forma correta no "dia de São Nunca" e, por enquanto, continuamos tendo de ouvir que o Brasil não é capaz de fazer corretamente a própria bandeira!

Fernando Geribello fernandogeribello@gmail.com

São Paulo 

*

ALBERTO DINES

Um minuto de respeitoso silêncio em homenagem a Alberto Dines, uma das mais importantes, íntegras, coerentes e criativas vozes da imprensa nacional, que enfrentou corajosa e bravamente os anos de chumbo grosso do regime de exceção. Sua luta pelo restabelecimento do Estado Democrático de Direito, a tão duras penas, reconquistado após a longa e interminável noite sangrenta e brutal da ditadura militar merece o reconhecimento e a reverência do Brasil em que vivemos atualmente, com plena e total liberdade de imprensa e de expressão, apesar da censura que ainda vige sobre o "Estadão" há 3.139 dias. Viva Alberto Dines!

J.S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.