Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 03h00

BRASIL REFÉM

Reles chantagem

Certa está a manchete do Estadão de ontem: O que mais eles querem?. Atendidos pelo Planalto em suas reivindicações, os caminhoneiros, mais os “agregados” de todas as profissões e matizes políticos que a eles se juntaram, transformaram o País e os brasileiros em reféns de sua vontade de tumultuar, muito mais forte que o desejo de corrigir quaisquer injustiças que a classe possa sofrer. E muito maior que o empenho do Palácio do Planalto em resolver a crise aparece a tibieza dos nossos dirigentes em enfrentar o movimento. Ora, a Advocacia-Geral da União (AGU) obteve do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) liminar cristalina: para as entidades responsáveis pela paralisação, multa de R$ 100 mil por hora parada em bloqueio; e para cada manifestante que se recusar a retirar o veículo, multa de R$ 10 mil. Por que não lançar mão da penalidade imposta pelo STF, ensejando o retorno à vida normal de todos os brasileiros? Qualquer resquício de motivação válida que tivessem os transportadores se esvai diante do descalabro que impuseram à Nação. Se pensam que esse movimento fará brotar um novo Brasil, estão enganados: nenhum resultado válido surgirá do sequestro da liberdade de ir e vir. Reles chantagem é o nome que se pode dar a essa paralisação do País, dada a reprovável atitude de seus agentes.

REGINA MARIA PEÑA

reginapena.adv@hotmail.com

São Paulo

Agora chega! Quem continua bloqueando as rodovias é bandido ou infiltrado. Sugestão: segurar os caminhões onde estão, liberar os motoristas e devolver os veículos somente após o pagamento de todas as multas.

GIAMPIERO GIORGETTI

giampiero@falcare.com.br

São Paulo

Na marra

O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, disse que motoristas autônomos que querem voltar a trabalhar estão sendo ameaçados de “forma violenta por forças ocultas” que impedem o fim da “greve”.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Na realidade, a categoria dos caminhoneiros está sendo pressionada por forças terríveis, como teria dito Jânio Quadros, para derrubar o governo, conforme alertou o presidente da Abcam. Ou seja, velhos e conhecidos baderneiros petralhas, que insistem em retomar o poder, se infiltraram no movimento e descaracterizaram o objetivo da greve. Só não vê quem não quer.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

Memória

A despeito da justíssima greve dos caminhoneiros, não custa lembrar que, recentemente, partidos de esquerda prometeram parar o País. 

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

Buchas de canhão

Após os caminhoneiros terem atendidas todas as suas reivindicações, ficou claro que a greve tinha fundo político. Os oportunistas aproveitaram a real distorção dos preços dos combustíveis e articularam um movimento com o fim precípuo de derrubar o presidente. E aproveitaram a ingenuidade dos caminhoneiros para usá-los como buchas de canhão para escamotear os verdadeiros golpistas da República. A quem interessa derrubar o presidente, por pior que seja, no final do mandato? Michel Temer, apesar dos erros, é bom negociador e conseguiu atender os grevistas. Radicais de esquerda e direita desejam implantar uma nova ditadura no Brasil. Lamentável!

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Intervenção militar?

Tenho acompanhado em sobressalto as crescentes manifestações nas redes sociais a favor de uma intervenção militar. Consigo compreender essa posição. O caos institucional que vivemos, resultado de questões estruturais que não se devem resolver com as eleições – sejam quais forem os vencedores –, abre espaço para posições radicais. O que escapa a esses manifestantes é que para sustentá-las é preciso assumir a premissa de que, uma vez controlado o mal maior, as Forças Armadas reconduzirão o País à normalidade constitucional. Já vimos esse filme. Em 1964, com o aval da classe média paulistana, que se manifestou na famosa Marcha da Família com Deus pela Liberdade, os militares tomaram o poder e, contrariando as intenções iniciais declaradas pelo marechal Castelo Branco – confirmadas pelo alto comando militar –, foram destruindo a democracia e se perpetuando no poder graças a sucessivos e abomináveis atos institucionais. Temos pela frente um caminho de pedras. Nenhuma solução nos livrará disso. Espero que tenhamos a lucidez e a perseverança para trilhar esse caminho com a manutenção do Estado Democrático de Direito.

JOSÉ ROBERTO MONTEIRO

joemonteiro@terra.com.br

São Paulo

Vitória de Pirro

Então, R$ 0,46?! Agora a conta vai chegar e o povo terá de pagar, pois os privilégios dos políticos e do Judiciário permanecerão. E talvez esses ainda tenham mais “auxílios” pelos aumentos que virão. Vitória de Pirro!

ALBERTO SOUZA DANEU

curtasuasaude@uol.com.br

Osasco

Não é só pelos R$ 0,46

Como nos 20 centavos de 2013, não é só o preço dos combustíveis que está em foco. São as reformas, mas, principalmente, o fim dos privilégios. Que a oligarquia se submeta às mesmas agruras de toda a população. Churchill fez esse chamamento aos ingleses, a nação sobreviveu com enorme coesão e venceu a guerra. Um acinte a criação de mais municípios. Um deboche continuar o pagamento de auxílio-moradia ao Judiciário, enquanto a AGU faz a moderação do caso (a perder de vista), tendo, de um lado, os “sindicatos” dos meritíssimos e do outro, o STF, que não quer decidir, como instituição, contra os seus interesses pessoais. Tem a AGU, órgão da Presidência, isenção para cumprir a tarefa, quando o próprio presidente está na mira do Judiciário? 

PAULO ROBERTO SANTOS

prsantos1952@bol.com.br

Niterói (RJ)

Viagem onírica

A fim de evitar novos aumentos de impostos, a notícia que o povo brasileiro gostaria de receber: “Em atitude patriótica, os membros dos três Poderes da República decidem abdicar de todos os ‘penduricalhos’ até o fim do ano, revertendo o montante aos cofres públicos”.

CRISTIANO WALTER SIMON

cws@amcham.com.br

Carapicuíba

OS CAMINHONEIROS E A SEGURANÇA NACIONAL 

Nunca antes - nem nas crises institucionais e nas catástrofes - o País enfrentou tamanha crise de abastecimento. A parada dos caminhoneiros, que insistem em continuar de braços cruzados, mesmo depois arrancar do governo todas as suas reivindicações, impacta a comunidade. Além de postos de abastecimento de combustíveis, centrais de alimentos, hospitais e farmácias, os restaurantes e similares entram em colapso. Eles pagam elevados preços para conseguir as mercadorias, mas não podem repassar ao cliente e, por outro lado, não conseguem dimensionar o fluxo da clientela, pois muitos estão parados por falta de transporte. Os alimentos que hoje estão se perdendo no campo vão potencializar a carestia nos próximos meses. O presidente Michel Temer e seu ministério devem à população a recolocação do País em estabilidade. O Congresso Nacional tem a mesma responsabilidade de resolver a crise, discutindo e votando as medidas do Executivo e, além disso, dando a sua própria contribuição. Se não o conseguem fazer, têm de pedir o socorro do Judiciário e até das lideranças da comunidade. O que não pode é continuar marchando para a inviabilidade sem a adoção de medidas eficazes para evitar o desastre... 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

CHANTAGISTAS 

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse em entrevista coletiva que há infiltração política na greve dos caminhoneiros, no que foi corroborado pelo presidente da Associação Brasileira de Caminhoneiros, Abcam, José da Fonseca Lopes, que acrescentou que a "meta é derrubar o governo". É claro que há infiltrados no movimento, e, são esquerdistas, dispostos a atingir esse objetivo a todo custo e, este dispêndio já beira R$ 13 bilhões, segundo o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia. Disse que vai cortar aqui, ali, acolá; mas, no final quem pagará a conta seremos nós, tanto que já se cogita o aumento de impostos. Fácil, né! Mas Temer sossegou o País dizendo que "tem absoluta convicção de que a greve está chegando ao fim". Tenho minhas dúvidas, senhor presidente. A extorsão deverá continuar, pois os criminosos sentiram a fraqueza do governo, que por três ou quatro vezes, até perdi a conta, cedeu aos chantagistas e, esta espécie horrenda de bandidos, enquanto não deixar a vítima, o governo, à míngua, não vai sossegar. Lembram-se dos black blocs, covardes mascarados que infernizavam passeatas ordeiras e pacíficas, pois é, estão de volta, só que disfarçados de motoristas. 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

AS VÍSCERAS EXPOSTAS

O movimento dos caminhoneiros expôs as vísceras do Brasil. Mostrou os cérebros de um Executivo e Legislativo envelhecidos e, portanto, insensíveis a uma gestão e legislatura condizente com a modernidade. Um esqueleto carcomido de um Judiciário que mantém em pé alimentado por um caríssimo e enfermo corporativismo, e praticando um direito lento e comodamente arcaico. Uma imprensa com um sistema digestivo alimentado quase que exclusivamente pelo noticiário sensacionalista, recusando os nutrientes complementares que poderiam repassar para seus leitores/telespectadores na construção de sinapses, permitindo-os, por exemplo, conhecer porcentuais de produtos obtidos na destilação do petróleo! Enquanto isso, o corpo da Nação, o povo, finge sobreviver em uma brasilidade que continua com sangue colonial nas veias, fornecido a conta gotas por aqueles enraizados no poder, na exata medida para que estes continuem a pagar as contas e o custeio desses falsos sangue azuis, bem como sobrevivam até as próximas eleições, preservando a falsa esperança de uma saúde melhor no futuro. Até quando manteremos essa subnutrição endêmica no exercício da cidadania?

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com 

Ribeirão Preto 

*

GREVE DOS CAMINHONEIROS

No regime democrático o custo do frete envolve combustível, impostos, mão de obra e transporte. Cada seguimento tem o seu custo, o seu preço. Conhecido o valor do litro do combustível, a incidência tributária e a quilometragem a ser percorrida obtêm-se o custo fixo, basta acrescentar despesas/lucro do caminhoneiro/empresa transportadora e cobrar ao dono da carga e tudo vai ser pago pelo consumidor final. O caminhoneiro tem seu o seu custo e é livre para aceitar ou não o valor para fazer o frete, mas caso não aceite vai que outro aceite e faça o serviço. Em resumo, embora a carga tributária seja alta, o governo errou ao atender as diversas reivindicações, pois democraticamente, a solução não está em suas mãos.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES) 

*

GREVE POR WHATSAPP

Na greve por WhatsApp se esqueceram de colocar o governo no grupo.

Luiz Henrique Penchiari lpenchiari@gmail.com 

Vinhedo (SP)

*

FILAS

As filas bancárias foram transferidas para os postos de gasolina. 

Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo 

*

A QUEM CONVÉM?

Minha esposa e eu não fomos muito afetados, até o momento, por esta paralisação chamada "greve de caminhoneiros". Acredito, porém, que ela cause situações incômodas e até mesmo, gravíssimas, sem que os tais grevistas demonstrem sensibilidade. A população virou refém dessa categoria e não parece perceber tal fato uma vez que, não são poucos, aplaudem a greve como se fosse realizada por heróis. Pergunto-me, então: a não ser a eles próprios, caminhoneiros, a quem convém tal movimento? Até o momento, só defenderam seus próprios interesses ao exigir redução no preço do diesel, e somente deste combustível. Qual o motivo de aplaudi-los? Quem mais está por trás deste movimento? Querem depor o governo? E colocar quem em seu lugar? Já não houve o compromisso de satisfazer a maioria (senão o total) das exigências dos grevistas? Por que a continuidade da paralisação? Em minha modesta opinião, as reformas de que o Brasil precisa são muito mais abrangentes e profundas. Como se costuma dizer há algo de podre nisso tudo.

Heleo Pohlmann Braga heleo.braga@hotmail.com 

Ribeirão Preto 

*

CONCLAMAÇÃO AO BOM SENSO

Respeitando o direito do protesto, por mais legítimo que seja, creio que chegou ao limite. Os caminhoneiros obtiveram o que pediram e agora parece ser a hora certa para encerrar os bloqueios que realizam, caso contrário perderão o apoio da população, que também está dando sua cota de sacrifício, privando-se de item essenciais, inclusive abstendo-se da livre movimentação. Cabe ressaltar que todos os subsídios dados aos caminhoneiros serão arcados por todos nós, via impostos e inflação. Ao estressar a atual situação os caminhoneiros jogarão o seu movimento na vala comum dos que protestam por protestar e apostam no quanto pior melhor. Bom senso nunca matou ninguém.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

*

PROTESTO

O Brasil é um país democrático, onde cada cidadão tem a liberdade e o direito de agir de acordo com seus desejos, e de expressar pensamentos/opiniões; desde que não prejudique/deprecie ninguém! Pois bem, os caminhoneiros podem protestar por melhores preços do diesel/frete/etc. O que eles não podem é impedir a liberdade dos outros caminhoneiros ou dos demais veículos de circularem livremente. E muitos deles usam de violência para os que não aderem ao "movimento". Um absurdo é assistir na TV os caminhões escoltados por policiais sendo parados no meio da pista para apresentar nota fiscal aos bandos amotinados. Isso para justificar a passagem! A polícia e as instituições sendo humilhadas por certos grupos! Os valores estão invertidos! É a maior aberração do planeta Terra! E com isso toda sociedade está sofrendo, e pior, pagaremos muito mais caro pelo protesto desta categoria! Reflexão: quando se tem "governo" com herança ruim, não podemos esperar muito! 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com 

Sumaré

*

OPORTUNISMO

Agora os caminhoneiros querem continuar com a greve para "consertar" o Brasil. Ora, que tentem a carreira política ou aprendam a votar. Chega de manobras políticas!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo 

*

PODER E DIGNIDADE

Por óbvio que possa parecer, os brasileiros parecem descobrir com os caminhoneiros, que, "o poder emana do povo", apenas, salvo engano, não sabem como exercer esse direito com dignidade!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo 

*

BRASIL PARADO: DICIONÁRIO DE DEFINIÇÕES 

Cassetete - Substantivo masculino: De borracha ou madeira é um instrumento usado para bater em professores, profissionais da saúde e estudantes em passeatas pacíficas (não serve para caminhoneiros). Cautela - Substantivo feminino: Precaução, prudência, medo das urnas em outubro. Infiltrado: Indivíduo mantido por partido político para desestabilizar o País, aproveita a boa índole da maioria para aterrorizar e ameaçar - quando recebem o comando de missão cumprida desaparecem sem deixar rastros. Missão cumprida é o caos instalado.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 

São Paulo 

*

NOSSOS VALORES SUCUMBEM

Em certas ocasiões, como esta, vividas nestes últimos dias, os brasileiros revelam o que tem de pior, como seres humanos. Greve, (isso é greve?) sempre soube, ser uma conquista dos trabalhadores. Mas o que vemos e sentimos é um oportunismo imundo, de aproveitadores sem caráter, baderneiros, políticos da pior espécie, autoridades submissas e frouxas. Mostramos nossa cara, nossos valores sucumbem. Vergonha!

José Perin Garcia jperin@uol.com.br

Santo André

*

GREVE DOS PETROLEIROS

Pergunto aos petroleiros onde estavam enquanto o PT e outros partidos roubavam a Petrobrás? Por que não se manifestaram? Eram solidários com os roubos? Levaram algum por fora para ficarem quietos?

Godofredo Soares godofredocaetanosoares@gmail.com

São Paulo 

*

PETROLEIROS

Durante os anos do PT, enquanto sangrava a Petrobrás, o sindicato dos petroleiros nunca se manifestou. Agora que Pedro Parente está recuperando a empresa, querem sua demissão. É a "honestidade" típica do PT. Temos que nos livrar dessa corja!

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

PRÁTICA SEM SENSO

Não tem sentido a Petrobrás aplicar o preço do nosso combustível com o mercado externo. Nossa renda per capita é imensamente inferior aos outros países, em especial com a Europa e tal condição é impraticável. Sendo o país autossuficiente tal condição é ilógica. Atendemos as necessidades internas (a um preço coerente) e exportamos o disponível, que é vendido a preço inferior ao mercado externo.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

GREVE DOS CAMINHONEIROS

Sendo o governo o maior acionista da Petrobrás, que tal distribuir o seu lucro artificializado por meio do "método" adotado para o reajuste de seus preços para quitar os acordos de redução de impostos?

Bernardo Schulze bernardoschulze@gmail.com 

São Paulo

*

PETRÓLEO BR.

Se o petróleo é brasileiro e o refino é feito no Brasil, eu gostaria de entender por que o preço dos combustíveis - determinados pela Petrobrás - é atrelado diariamente à cotação internacional e à oscilação do dólar?

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br 

São Paulo

*

SAUDADE

Que saudade do controle de preços de combustíveis e das pedaladas de Dilma!

Ricardo Nassif Hussni hussni@ig.com.br 

São Paulo

*

FERROVIAS

Senhor presidente, senhores senadores, senhores deputados federais: querem salvar o Brasil? Coloquem em suas mentes que o Brasil tem capacidade de ser o maior País do mundo, se vocês deixarem de lado suas posições pessoais e suas briguinhas políticas, como também os privilégios a empresários do modal rodoviário. Voltem às ferrovias, e terão aplausos de todos os brasileiros.

Ricardo Guilherme ricardoeeunice@icloud.com

Monte Alegre do Sul

*

BRASIL VISTO DE FORA

Os melhores hotéis no Brasil estão a preços excelentes para turistas que vêm de fora. Só depende dos aeroportos de acesso continuar funcionando, carros alugados terem onde se abastecer e não faltarem alguns outros artigos vitais. Se estrangeiros estão em dúvida até quanto a planejar suas férias no Brasil a preço de banana, imagine só quanto a investimentos de longo prazo... 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

FEDERALIZAÇÃO DO BRASIL JÁ

O radicalismo que faz o Brasil parar, só existe pela concentração de poderes em Brasília e pelo exagero do tamanho do Estado. Nunca foi tão urgente a privatização de estatais, a implementação da meritocracia nas atividades públicas e a plena descentralização, aos estados e municípios, dos Poderes do Executivo, Judiciário e Legislativo. Além de induzir o governante a se concentrar nas atividades típicas do Estado, é a forma vigorosa de combater a corrupção, garantir segurança jurídica, proteger os direitos à liberdade, em particular, ao de empreender e realizar negócios com garantias avalizadas pelo Estado. 

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

*

INTERVENÇÃO MILITAR JAMAIS!

Diante do caos com a paralisação dos caminhoneiros, vimos de tudo nas manifestações. Tudo mesmo, inclusive pedidos de intervenção militar. Intervenção militar não resolveria e não resolverá absolutamente nada. Aliás, ouso afirmar que pioraria consideravelmente a situação do Brasil. Nos anos em que os militares estiveram no poder não havia liberdade de imprensa e de expressão. Direitos e garantias individuais inexistiam. Muitos cidadãos, aliás, morreram nas mãos dos "milicos" justamente por expor seus pensamentos contrários ao regime e para que nós, hoje, tivéssemos o direito de escolher livremente nossos representantes. Outro dado importante: as discrepâncias sociais já existiam naquele tempo e, portanto, concentração de riqueza não é coisa da democracia. Enfim, é preciso conhecer melhor a história desse país. Não vamos passar vergonha defendendo o indefensável.

Willian Martins martins.willian@globo.com 

Guararema

*

QUEREM DERRUBAR O GOVERNO.

Grandes partes dos caminhoneiros, com infiltrações políticas e pregações ideológicas, tendem a desejar a derrubada do governo, mesmo que o ato seja recoberto com a temática da agressão aos políticos e ataque à corrupção. Observe-se que não se viu prisões de grevistas e nenhuma atitude agressiva ou incisiva das forças militares contra os grevistas renitentes. Parece haver até uma coincidência de pensamentos, o que torna o cenário bastante diverso do esperado: fim da greve e retomada das ações diárias e costumeiras no País. O governo, por outro lado, demonstrou a sua fragilidade e está sendo acuado diuturnamente, sempre com reivindicações aumentadas. Chegou a hora de atuar e de acabar com a greve, usando os meios legais de força para tanto. Ou teremos outros resultados não esperados ou desejados!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

LINHA DE FRENTE

Presumo que o presidente Michel Temer não esteja entendendo a complexidade dessa paralisação, pois se o tivesse não teria colocado Carlos Marun para discutir essa crise. Simples assim.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PEDRO MALAN

Sempre coerente e correto, o sr. Pedro Malan faz falta a todo governo e em especial ao atual, afinal de contas, são tantas idas e vindas que a coisa que está difícil acaba ficando complicada. Temos tantos líderes dos ditos caminhoneiros que é realmente uma verdadeira Torre de Babel, sem nos esquecermos de que esses grevistas não se importam nem com o povo brasileiro porque a saúde pública e os alimentos, em especial os perecíveis, já deveriam ter sido liberados. Deve ter alguém atrás dessa greve que seja favorável ao "quanto pior melhor" e por tabela devem ser alguns políticos que adoram acabar com incêndio com gasolina. Lamentável Brasil, mas é a tua cara. 

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

PADILHA

Padilha com cara de vítima, diz que "cumprimos nossa obrigação", claro que não fala que o governo e até ele mesmo, foram insistentemente alertados sobre as barbaridades que a Petrobrás estava fazendo com o sistema de transportes, não fizeram nada para cumprir obrigação alguma, e não evitaram os bilhões de dólares além dos prejuízos pessoais que a greve produziu. O ministro Guardia, igualmente falou um monte de besteiras como se o povo brasileiro fosse um idiota imbecil. Como resumo da ópera, do ponto de vista moral e ético, e até de competência, os ministros e todo o governo estão no mesmo patamar de nosso Supremo Tribunal Federal (STF), uma lástima. E nossas Forças Armadas com porta-vozes falando asneira, que saudade dá de Castelo Branco, que por muito menos, recolocou o País nos eixos! De fato o País não tem governo, não tem instituições confiáveis, não tem políticos sequer idôneos. O mundo está vendo um fim trágico tipo falência soviética, só falta aparecer um estadista para decretá-la.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmaila.com 

São Bernardo do Campo

*

SUBVENÇÃO DO DIESEL

O ministro Eduardo Guardia tem o dever de informar à sociedade onde se darão os cortes de R$ 3,8 bilhões em despesas para compensar a subvenção do diesel - na volumosa gordura da máquina estatal ou na débil musculatura da saúde, educação, segurança pública e infraestrutura.

Marcelo Melgaço melgacocosta@gmail.com

Goiânia

*

O SURFISTA POLÍTICO MARCIO FRANÇA!

O governador Márcio França na expectativa de pegar uma "caroninha" na greve dos caminhoneiros, fazendo-se mais conhecido para subir alguns pontinhos na pesquisa eleitoral, promete aos caminhoneiros "congelar os preços nas bombas de combustíveis". Já vimos esse filme no governo Sarney e foi um desastre, porque criou o ágio. Só encontrávamos produtos se pagássemos com ágio, e normalmente muito escondido. Será que ele vai pedir também ao povo paulista que crie os "fiscais do França"? Ainda bem que só faltam 6 meses para o surfista político França do socialista PSB, sair do poder. Esperamos que essa "ideia luminosa" não se propague a outros governadores do País. 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 

São Paulo 

*

O CÉU É O LIMITE

Caminhoneiros, governo, os a favor de Lula, os contra Temer, os a favor dos militares, não perceberam que estão se metendo "num beco sem saída"? Apostam no "quanto pior melhor" sendo o céu, o próprio limite. É melhor "baixar a bola" e não fazer marola!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

JAIR BOLSONARO

Bolsonaro não é a favor da greve. Mas que ele está ganhando eleitores devido incapacidade do atual governo resolver a atual situação, pois muitos eleitores que iriam votar em Alckmin, já mudaram de opinião, vão votar em Bolsonaro. Isto porque ele resolveria esta greve em dois dias. No primeiro, avisaria. No segundo, agiria. 

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

VAMOS PRESTAR ATENÇÃO

Uma coisa são governos ruins, ineficientes, corruptos, como foram nossos últimos governos, outra coisa é acabarmos com nossa casa, nossa Pátria! Vamos todos ter atitudes para melhorar nossas vidas, vamos votar bem nas próximas eleições e de mãos dadas vamos nos unir e orar um "Pai nosso que está no céu" nos proteja e nos ajude com suas bênçãos celestiais, e vivas ao Brasil! 

Arcângelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com 

São Paulo

*

SELEÇÃO BRASILEIRA

Neste turbilhão que o País vive hoje, leio a notícia que a seleção brasileira de futebol voa a Londres num voo fretado com custo estimado de R$ 500 mil. Essa seleção é de outro mundo? A diretoria da CBF não tem consciência do que o povo brasileiro está passando? Não cabe aí um pouco de sentimento de solidariedade controlando um pouco essa ostentação? E ainda quer que esse povo sofrido torça por eles?

Jorge Miyazaki miyazakijorge@uol.com.br

São Paulo                                                                                               

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.