Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 03h00

ESTADO X NAÇÃO

Trens da alegria

Vamos a algumas das últimas notícias: Com novo ‘trem da alegria’, servidores de ex-territórios podem onerar a União em R$ 2 bilhões; Com ingerência em outro Poder e corporativismo, o TRT suspende privatização de distribuidoras da Eletrobrás; No Brasil, existe obsessão dos políticos por subsídios; Assembleia Legislativa de São Paulo aprova emenda que eleva teto de salário do funcionalismo. Esta última medida, inconstitucional, privilegia poucos funcionários com os mais altos salários. Chega ou precisa mais? 

ÉLLIS A. OLIVEIRA

elliscnh@hotmail.com

Cunha

Explorando o povo

Os vereadores paulistanos e os deputados estaduais paulistas dão demonstrações de insensibilidade, no momento de crise econômica que vivemos, e total desrespeito à população laboriosa que paga seus salários. Os edis, em plena greve dos caminhoneiros, aproveitaram o rebuliço para fazer aprovar, em 23/5, inoportuno reajuste das gratificações de servidores públicos da Câmara Municipal, de autoria do vereador Reis do PT. Já os deputados estaduais aprovaram uma proposta de emenda constitucional que eleva o teto do funcionalismo do Estado de R$ 21 mil (salário do governador) para R$ 30 mil (ganhos dos desembargadores do Tribunal de Justiça). E por que mudaram o teto? Porque o salário do governador Alckmin ficou congelado nos últimos anos, travando o dos servidores. Assim, a jogada foi elevar o teto salarial para o dos desembargadores... A iniciativa foi do deputado Campos Machado, do PTB. O presidente da Assembleia, deputado Cauê Macris (PSDB), afirma que, apesar de ser contra essa mudança, teve de pautar a iniciativa, obrigado pelo regimento interno. Sei... Quando os políticos vão entender que estão legislando em causa própria com o dinheiro da população? Do lado de cá, estamos todos esticando os magros caraminguás para que S. Exas. aproveitem e gastem à tripa forra o fruto do nosso suor? Aguardo a eleição com ansiedade!

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

Dos 94 deputados estaduais paulistas, 67 votaram a favor da mudança na Constituição estadual que limitava o teto salarial do servidor paulista ao do governador, que fica em torno de R$ 22 mil – o novo limite, dos desembargadores, é de R$ 30 mil, escalonado em quatro etapas. Não sei quem foram os deputados que votaram a favor dessa proposta absurda, que traz mais gastos para o Estado, em vez de buscarem economizar para investir em áreas deficitárias, como saúde, educação, segurança e outras. Não sei como votou o deputado a quem dei meu voto, na próxima eleição escolherei algum candidato que dispute pela primeira vez, tenha ficha limpa e seja conhecido da sociedade por atuar em áreas necessitadas de apoio de governo.

LAÉRCIO ZANINI 

spettro@uol.com.br

Garça

Injustiça social

Ai, que vergonha ler no Estado que nossos operosos e patrióticos deputados aprovaram PEC que aumenta o teto dos salários estaduais para R$ 30 mil. O que dizer para a maioria da nossa população, que procura sobreviver com menos de mil reais de salário mínimo? Muda, Brasil!

NIVALDO RIBEIRO SANTOS

nivasan1928@gmail.com

São Paulo

Prensados

Vivemos prensados, de um lado, por um governo que arrecada quase 40% da renda nacional, infestado de políticos corruptos, e, de outro, pelo crime organizado, que cresce cada vez mais. Já fomos chamados de Ingana (pagamos impostos da Inglaterra e recebemos serviços de Gana), mas também poderia ser a Rusmala (corrupto como a Rússia e violento como a Guatemala). Desanimador, em especial para os mais jovens. Por tudo isso, cresce cada vez mais o número de brasileiros que procuram viver no exterior, sem ver perspectiva de futuro melhor.

PAULO DE TARSO ABRÃO

ptabrao@uol.com.br

São Paulo

CRIMINALIDADE

Barbárie

Brasil, uma nação em guerra civil não declarada: 62.517 assassinatos num ano! Somos um país que optou pela autodestruição. Barbárie explícita. Desistimos da civilização.

PAULO SÉRGIO ARISI

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

Recorde de homicídios

Uma classe política mais preocupada em desviar recursos da educação, da saúde, da infraestrutura, etc., infelizmente, também “se lixa” para o combate à violência. Em 2016 batemos o recorde de 62,5 mil assassinatos no Brasil, com média assustadora de 30,3 por 100 mil habitantes. Nesta terra infestada de corruptos e de corporativismo nocivo e incontrolável dentro das nossas instituições, perversamente se deixa a população refém da bandidagem.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

COMBUSTÍVEIS

Redução de preços

O Congresso concluiu que não há espaço na economia para redução dos preços dos combustíveis. A sociedade concluiu que na economia não há espaço para cobrança de tributos abusivos, que, além de não retornarem em serviços, só servem para sustentar políticos corruptos e ineficientes, cujos vencimentos e benefícios são os mais altos do mundo. A sociedade não tem mais carne de onde tirar pedaço, mas há uma enorme gordura no homem público. Nada como uma administração “fitness”.

IRENE MARIA DELL’AVANZI

irenedellavanzi@hotmail.com

Itapetininga 

O pior dos males

A Petrobrás venderia ao mercado global e interno pelo preço do mercado, o que é natural. O governo não tem de intervir em empresas nem criar subsídios, que falsificam toda a estrutura dos preços. No Brasil é cultura equivocada clamar por manipulação. O que se oculta mesmo é o pior dos males: dispêndios irresponsáveis com custeio de governo e Estado – servidores, juízes, senadores, deputados, vereadores. Essa é a razão de os impostos serem altos e onerarem também os combustíveis. O boicote à reforma previdenciária tem a mesma origem: Congresso e Judiciário.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Rescaldo da greve

AGU cobra mais R$ 506,5 milhões em multas a 46 empresas transportadoras. Será que recebe ou acabam anistiando?

ROBERT HALLER

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

GILMAR, O LIBERTADOR. 

O ministro Gilmar Mendes libertou 19 envolvidos na Lava Jato. O seu viés libertador é conhecido (e criticado) há anos e, ultimamente vem provocando a sua execração nas redes sociais, além de manifestações públicas de hostilidade. Entre seus libertos estão o médico Roger Abdelmassih, o megaempresário Eike Batista e outras figuras notórias. Nos casos mais recentes, há que se verificar as motivações e os enquadramentos legais. Se, por exemplo, o encarceramento foi resultado de excesso de rigor ou, ainda, se ouvidas as testemunhas e coletadas as provas, ainda permanecem (ou não) os riscos da liberdade do réu ao andamento do processo. Lembrar que, se não tivessem embasamento, as solturas certamente teriam provocado reações do Ministério Público, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e até dos demais integrantes da Corte. Aliviar ou agravar as sentenças é um direito dos juízes recursais. O silêncio dos outros 10 ministros leva ao raciocínio de que Gilmar deve pelo menos ter agido dentro da lei e que a manutenção das prisões não era mais necessária.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

GILMAR X BRETAS

Tem-se visto uma "briga de gato e cão" entre Gilmar Mendes do Supremo Tribunal Federal (STF) com o juiz federal Marcelo Bretas. Já se foram 19 habeas corpus concedidos para os presos que antes havia tipo as prisões determinadas pelo juiz Bretas. O ministro do STF, Gilmar Mendes, alega que a soltura dos doleiros não se constitui um crime violento. Como assim, sr. ministro? Os milhões de dólares desviados dos cofres públicos a mando de gente graúda e poderosa em muito afetou e continua a afetar os hospitais públicos, escolas públicas, creches, etc. Se tu não achas o desvio de verba pública algo violento e que deveria ir para estes lugares como determina a lei, o que é então violência para a sua pessoa? Isso tem cheiro de "guerra de vaidades" para não mencionar outra coisa que o possa atingir feio mais ainda.

Eugenio de Araujo Silva eugenio-araujo@uol.com.br

Canela (RS)

*

PUXÃO DE ORELHA

O subalterno hierárquico na Justiça Federal, Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro, deu um autentico puxão de orelha no ministro do STF, Gilmar Mendes. Em ofício, pediu "mais cuidado" e disse que corrupção não é um "crime menor" que autorize corruptos a estarem fora da cadeia - já são 19 libertados. É sabido que o "pai Gilmar" solta seu trambiqueiro predileto em alguns minutos e deixa claro que ele está exorbitando da sua competência, com o objetivo do "quanto pior, melhor". Menos "pai Gilmar"!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

QUADRILHA EXTENSA

A Polícia Federal passa meses e anos, até, investigando e fazendo seu trabalho. Tem o apoio do Ministério Público, às vezes de outros órgãos, como Receita Federal, Tribunal de Contas... Até que passa por todas as instâncias do Judiciário e a prisão é determinada. São milhões de reais gastos em operações e despesas operacionais. Aí chega um determinado ser, que se autodenomina supremo, que está onde está por indicação política - não por mérito - e numa canetada resolve soltar um, dois, dez, vinte... Vai soltando todos os criminosos. A análise honesta de qualquer pessoa só pode concluir uma coisa: este ser faz parte da quadrilha.

Domingos Cesar Tucci d.ctucci@globo.com

São Paulo 

*

ESTARRECEDOR

Estarrecedor! Patético! Difícil adjetivar o inaceitável comportamento do juiz Marcelo Bretas, durante o depoimento do presidiário Luiz Inácio (de terno e gravata verde/amarelo) no processo sobre mais um dos incontáveis procedimentos ilícitos quando da escolha do Brasil como sede dos Jogos Olímpicos. Após algumas perguntas, "Sua Excelência" despiu-se da toga e "ajoelhou-se" perante o maior criminoso que este país jamais produziu e confessou haver participado, quando jovem, de manifestação do PT, vestindo camiseta e boné do partido. O ladrão, gargalhando, convidou o juiz para participar da próxima manifestação! Espetáculo deprimente para nossa já desacreditada justiça (com "j") e que jamais ocorreria em um país minimamente digno de ser considerada uma Nação, o que - tristemente - não é o nosso caso.

Celso C. Cretella cpropano@gmail.com

São Paulo

*

DEPOIMENTO DE LULA

Não gostei da forma como foi conduzido pelo juiz o depoimento de Lula no processo contra Sérgio Cabral. Virou uma conversa amistosa, não condizente com um ato judicial. Além do mais, sabíamos que ele iria dizer que não tinha conhecimento de nada, típico dessa indecente figura. Receber condolências do réu, incabível também nesse ato. Ademais, é de conhecimento público que esse beberrão é mentiroso, assim, de que valerá o seu depoimento? Vade retro Satanás.

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

AUDIÊNCIA COM ÍDOLOS

Naturalmente, como poderia ser previsto até por uma criança, a audiência para ouvir testemunhas do réu Carlos Arthur Nuzman, sobre a compra de votos para a Rio-2016 foi uma inutilidade. Mas o grande destaque ficou com o juiz Marcelo Bretas, que confessou ser fã dos depoentes: Lula, a quem declarou ser eleitor, e Pelé, com quem mal acreditava estar falando. Pelo deslumbramento do juiz, se estivessem na mesma cidade, ele pediria uma selfie é um autografo de cada um dos dois ídolos.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br 

Campinho 

*

TIETE

Ridículo esse juiz Marcelo Bretas! Que fiasco! Tietando Lula durante depoimento! O judiciário e suas palhaçadas! Vergonhoso! CNJ manifeste-se! 

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo 

*

SOBRE A TIETAGEM DO JUIZ BRETAS A LULA 

Fiquei com vergonha alheia por Bretas. Como um juiz reverencia com admiração um político preso por corrupção que não foi pouca, classificada como a maior da história desse país? E condenado por seus pares em segunda instância? Tome tento meritíssimo! Tietagem tem hora e lugar certo para se fazer, mas jamais num interrogatório! 

Eliana França Leme efleme@gmail.com 

Campinas

*

DEPOIMENTO DE LULA 

Estratégica a ação da assessoria de Lula na sua "convocação" para depor em defesa de Cabral. Na verdade, foi uma forma de permitir que ele expressasse suas mirabolantes ideias perante um juiz federal e exibidas a quem interessar possa.

Geraldo Marcondes gfonsecamarcondes@uol.com.br

Taubaté 

*

DEPOIMENTO

O depoimento dos sentenciados Lula e Cabral é de total cara de pau, coisa jamais vista. A dupla deu um prejuízo de bilhões de reais ao Brasil e ao estado do Rio de Janeiro, por meio da corrupção. Desculpe-me o juiz Bretas, mas o senhor tão efetivo em suas sentenças, neste episódio Lula/Cabral deixou seu tribunal se transformar em um circo, dando oportunidade aos acusados de tentarem transformar o interrogatório em um programa de auditório. Fica aqui meu protesto, pois réu é réu, e deve responder só o que o magistrado pergunta.

Olavo Fortes Campos Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

*

ÁFRICA

Ao afirmar que o Brasil é o país mais próximo da África, Lula riscou do mapa, Portugal, Espanha, França e Itália entre outros! Não pensa, vai falando!

Gabriel Mamere Nero gmamere@terra.com.br

Barueri

*

PALANQUE

Perguntar não ofende: todo preso tem o mesmo tratamento que vimos essa semana? Fazer palanque pra um condenado. 

Moisés Goldstein mg2448@icloud.com

São Paulo

*

O PRESIDENTE PRESO 

Mesmo com mais de dez anos de prisão pela frente, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) insiste em fazer campanha como provável candidato a presidente nas próximas eleições. Será que ninguém contou a ele que a lei da Ficha Limpa veta a candidatura de condenados em segunda instância e muito mais a candidatura de condenados presos? Ou então ele faz campanha antecipada para as eleições de 2030, o que também não é permitido?

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

NÃO É TEMER QUE PREOCUPA

Desde que assumiu a Presidência, após o impeachment de Dilma Rousseff, Michel Temer, certo ou errado, em diversas e variadas situações procurou preferencialmente o caminho da negociação e do apaziguamento político no lugar do confronto direto. Portanto, não fugiu à regra não só com a cessão excessiva e criticada de benefícios aos caminhoneiros, como na aceitação sem resistência da demissão de Pedro Parente. O governo de Michel Temer sempre foi e será interino até o final do seu mandato e é sumamente benéfico para todos nós que a Nação seja conduzida até as próximas eleições com tranquilidade e sem traumas, na medida do possível. A esta altura não é mais Temer quem se preocupa, mas o próximo presidente. Os críticos contumazes ao atual governo fariam melhor se passassem a usar seu tempo para desconstruir sistematicamente as ideias absurdas e fascistóides dos candidatos extremistas à Presidência da República. Desastres futuros não são improváveis e não será surpresa alguma se atuais "Fora Temer" sentirem falta do próprio no próximo governo. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DILMA OU TEMER

Temer está com receio da insatisfação popular com o aumento de preço, e por isso vai lesar a Petrobrás, ou a população brasileira. Está fazendo como Dilma que segurou os preços pra não desagradar seus eleitores? Mas Temer, você não tem eleitores! 

Evelin da C. Cury evelincury@terra.com.br 

Ribeirão Preto 

*

PÉSSIMO ACORDO

Eliseu Padilha, Carlos Marun e Sérgio Etchegoyen não tiveram sucesso na condução das negociações durante a greve dos caminhoneiros. O imbróglio continua, com o valor do diesel nas bombas sem a redução dos R$ 0,46. Pedro Parente pediu demissão do cargo de presidente da Petrobrás. Os Estados não querem diminuir a tributação do ICMS e os empresários do ramo de transportes estão comemorando a trapalhada do governo. Os consumidores de gasolina e álcool estão pagando muito mais caro pelos combustíveis. Na realidade nada ficou decidido de forma clara e eficiente. A confusão geral no abastecimento colocou o País de joelhos. Esse é o resultado do acordo mal feito.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

PETROBRÁS: UMA LONGA HISTÓRIA

A Petrobrás foi estabelecida em 1953 para atender a então posição nacionalista que enfatizava o anticolonialismo, que defendia o monopólio estatal do petróleo. O petróleo, como um produto estratégico, não podia ficar a mercê do controle estrangeiro, em que predominava o oligopólio das temidas Sete Irmãs. A Petrobrás exerceu o monopólio de forma aparentemente correta, explorando, produzindo, refinando e distribuindo os derivados sem qualquer concorrência. Somente na entrega final do produto ao consumo havia concorrência de empresas estrangeiras, como a "Shell", "Esso" e "Texaco", e nacionais, como a "Ipiranga", "Nacional" e "São Paulo". Não havia, pelo menos visivelmente, nenhum interesse político na sua organização, tão pouco qualquer discussão do preço dos derivados. Em 1997, com o encerramento do monopólio, a Petrobrás tornou-se uma empresa de capital aberto, sob o controle da União, sendo esta própria a sua maior acionista. Apesar das atividades de exploração, refino, transporte, importação e exportação de petróleo e derivados terem passado a ser permitidas para outras empresas, fossem elas estrangeiras ou nacionais, não houve interesse dessas empresas em atuar no Brasil, porque até então não haviam sido tomadas ações necessárias para criar um ambiente em que outras empresas, além da Petrobrás, pudessem concorrer ativamente na área de petróleo. A forma de administrar a Petrobrás teve uma mudança considerável, inclusive do aspecto político, visto que a operação passou a exigir a realização e a distribuição de um lucro maior entre os acionistas, uma grande parte deles situados no exterior. Recentemente a empresa passou a custear sua operação e produtos exclusivamente pelo valor do barril de petróleo no exterior, sem considerar o valor do barril de petróleo explorado e produzido no Brasil e os custos operacionais da empresa. Mais recentemente e na contramão da atitude tomada pela administração da Petrobrás, a mais alta autoridade do Brasil decidiu, numa penada, alterar o preço do derivado de maior produção e consumo do País. 

Flavio Bassi flavio-bassi@uol.com.br 

São Paulo 

*

JUSTIÇA DO TRABALHO 

Justiça do Trabalho, a vanguarda do atraso do Estado brasileiro!

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

PARA ISSO ELES SÃO BONS!

A cada dia que passa nos convencemos mais da corja de políticos que arrebentaram e continuam arrebentando o Brasil praticando atos levianos e corrupções, aprovando decisões e determinações impostas por eles mesmos para se autobeneficiarem e a seus pares com mais vantagens, desconsiderando tudo que já possuem como também a situação caótica pela qual estamos passando. Para tanto, basta ver a atitude indevida, maléfica além de nojenta e suja que os deputados estaduais de São Paulo aprovando terça feira (05/06) uma PEC que eleva o teto do funcionalismo do Estado de R$ 21 mil (salário do governador), para R$ 30 mil (ganhos mensais dos desembargadores do TJ). Imaginem o disparate e absurdo que esta medida custará nada menos que R$ 1 bilhão aos cofres públicos, vale salientar também que na Câmara de São Paulo, 254 servidores ganham até R$ 59 mil acima do teto Municipal. Quem pagará mais uma vez a conta? Nós os frouxos e trouxas (me incluo neles), que votamos nestes indecentes e mal intencionados, os quais usam seus cargos só para enriquecer ilegalmente. Só "canetando", né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo 

*

O BRASIL CAINDO NO CONTO DO VIGÁRIO

O Brasil precisa evitar cair no conto do vigário do fundo partidário. É inacreditável que um país a beira da falência, com um déficit público absurdo, desemprego altíssimo, greves pipocando todo dia, se atreva a usar bilhões de reais dos cofres públicos para fazer propaganda política. O País vai entregar dinheiro público para os partidos políticos fazerem propaganda mentirosa de seus políticos, a maioria envolvida em escândalos de corrupção. O País deveria sustar o pagamento do fundo partidário, a propaganda política deveria ficar restrita ao horário eleitoral gratuito, esse dinheiro deveria ser usado para algo que beneficie a população e não jogado no lixo da política. 

Mário Barilá mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

O CENTRÃO É A SOLUÇÃO

De um lado, na corrida presidencial, Bolsonaro, que muitos tacham de militarista, pontua bem para a Presidência. Jovem, pouco disciplinado, em pleno regime militar foi excluído das fileiras do Exército. É o homem ideal para qualquer outra profissão, o que é indisciplina para as Forças Armadas é independência em outras áreas. De a sua vida militar guardou os valores da honra, probidade e amor a verdade ao Brasil. Na extrema esquerda, Lula ou um "poste-herdeiro", e fora os seus fanáticos seguidores, sabemos que foram eles que nos colocaram no fundo do poço. Possível herdeiro, Ciro, o "coronel". Se há um radical, este é o Ciro, visto em vídeos agredindo verbalmente pessoas que se manifestaram contra ele e fisicamente, dizem, até pessoas que o amavam. Aí vem o meião do Congresso e revive o centrão. Tal grupo, que sempre se existiu, reaparece, querendo posar de salvador da Pátria! Sabemos que é gente sem um norte, ou melhor, o seu norte não é o do Brasil, mas o da sua conveniência, da sobrevivência desta politicalha que temos esperança de nos livrar em outubro. O centrão não é solução.

Paulo Roberto Santos prsantos1952@bol.com.br 

Niterói (RJ)

*

BOLSONARO 

Ao comparar a corrida presidencial ao futebol americano, Vera Magalhães está certíssima. Assim como Trump foi beneficiado pelo descaso de seus adversários e pelo ressentimento de eleitores desprezados, Bolsonaro poderá ser eleito caso persista a indiferença arrogante de seus opositores, tanto os do centro, em estado de negação, quanto os da esquerda, que preferem insultar a debater. Ou esses times param de jogar de salto alto, ou vão perder feio. 

Alberto Dwek aldwek@gmail.com

São Paulo 

*

CANDIDATURA DE GUILHERME AFIF EM 2018

Parece-me que o sr. Guilherme Afif, ao lançar sua pré-candidatura à Presidência da República pelo PSD agora em 2018, esqueceu-se do que ocorreu-lhe em 1989 quando também se lançou candidato à presidente pelo extinto PL. Naquele ano também concorreram ao cargo máximo da República, nomes fortes e conhecidos como Aureliano Chaves, Ulysses Guimarães, Leonel Brizola, Mário Covas, Paulo Maluf e demais candidatos. Os nomes vencedores para o segundo turno, foram os de Lula e Fernando Collor, com vitória final do segundo. Com certeza, deseja novamente o sr. Guilherme Afif, que para o segundo turno do pleito presidencial de 2018, sejam consagrados os nomes do candidato da extrema esquerda a ser indicado por Lula e o da extrema direita, Jair Bolsonaro. É a história se repetindo mais uma vez, para desgraça de um Brasil massacrado pela irresponsabilidade de muitos, por mais de 30 anos.

Fausto Guaritá Sabino faustosabino50@hotmail.com 

São Paulo 

*

HENRIQUE MEIRELLES

Diferentemente da maioria dos candidatos, Henrique Meirelles, comprovando que tem estória, competência, seriedade e honestidade para candidatar-se a presidente, em resposta às dúvidas deixadas pela publicação de sua entrevista. Clara e sucintamente reafirma o cerne de sua proposta de governo, sem deixar de reafirmar que participou do governo de Michel Temer, sendo um dos responsáveis "quiçá o principal'' pela retomada do crescimento. Para mim, é mais do que suficiente para credenciá-lo ao cargo.

Carlos Coutinho cncoutinho@uol.com.br                         

Rio de Janeiro 

*

ÁGUA DE SALSICHA

Alguns candidatos preferem um vice-presidente cheio da grana e de bem com o mercado. Hoje somos governados por um vice-presidente (Temer) devido às circunstâncias. Logo, penso eu, não seria melhor buscar, não um milionário do mercado, mas sim um político nato? No país onde tudo pode acontecer? Se Temer fosse um "querido do mercado" e não um "animal político", seria muito pior, pode crer. O vice-presidente aqui no Brasil ainda é água de salsicha, não serve para nada, porque se servisse não seria negócio de mercado, e sim chamaria um "animal político" como garantia. Exemplo: O fulano de tal eleito, tendo FHC de vice. Surreal, pode até ser, porém muito mais viável para o povo, do que um balcão de negócio. Vice-presidente passa a ser importante num país em que quase ninguém se escapa, é bom garantir.

Leandro Ferreira

São Paulo

*

DEFINIÇÃO DOS CANDIDATOS

No "Estadão" da última terça-feira (5/6, A4): Marina Silva centro esquerda?! Ultra esquerda.

Sonia Maria Benfatti Resstel sbresstel@gmail.com 

São Paulo

*

'GREVE OU MOTIM' 

Excelente artigo de Almir Pazzianotto (6/6, A2) que expôs sabiamente a consequência da paralisação dos caminhoneiros, ops, autônomos. Somente acho que não se tratou de greve, tampouco de motim, mas sim de uma sublevação, quando uma parte conflita com outra, sem implicar as demais. Cabe às autoridades competentes negociar a parte conflitada, isolando as demais. Quando isso não acontece por incompetência do poder em saber isolar o caso, aí sim alastrasse para todas demais classes como bola de neve ao sabor dos oportunistas. 

Alberto Castellano Júnior castellanopenitenciaria2@gmail.com 

Serra Azul

*

DISCORDÂNCIA

Discordo em alguns pontos apresentados por Almir Pazzianotto Pinto. Creio que Pedro Parente foi nomeado com a retumbante finalidade de tirar a Petrobrás de seu estado calamitoso, decorrente da retorcida visão social do governo petista. Sua gestão foi empresarial, não política. Cabia ao governo prover as condições para respaldar essa gestão e, ao não fazê-lo, acabou sucumbindo à crise. Houvesse constituído um fundo de estabilização para fazer frente à flutuação dos preços internacionais do petróleo, O país teria sido poupado da crise e de suas consequências. 

Inês Levis ineslevis@hotmail.com

Jundiaí

*

NOVA GREVE?

Depois que o governo capitulou ficou refém dos grevistas. Caminhoneiros ameaçam nova greve se tabela de preços mínimos de frete for alterada. O governo deveria se organizar e dar um basta nessa situação. A população não pode pagar pelos erros de ninguém, ou pela falta de solução. Já foram aplicadas as multas? Pois é, o governo sabe da tentativa de derrubá-lo e vai ficar sentado esperando o caos? 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

PUNIÇÃO

A história coloca o Tratado de Versalhes como a principal causa da Segunda Guerra Mundial. Uma punição muito severa imposta a Alemanha gerou uma reação que criou ambiente para o surgimento do nazismo. Uma punição muito pesada aos caminhoneiros e às empresas de transportes pode criar um problema muito maior que os aumentos de preço de combustíveis.

João Bráulio Junqueira Netto jonjunq@gmail.com 

São Paulo 

*

DO AUXÍLIO-MORADIA À FISIOTERAPIA

Gostaria de aproveitar o tema pautado pelo "Estadão", em que se mencionam os gastos para aquisição de material de reabilitação fisioterápica para servidores do Poder Judiciário, brindando uma classe de funcionários públicos já muito bem paga - salários, auxílio-moradia para os que têm casa própria na cidade em que atuam, consultórios para atendimento fisioterápico, etc., etc., etc. - para sugerir à Rede Globo, que desfruta do jornalismo televisivo de maior audiência no País, que denunciasse de forma enfática esses desmandos praticados com o nosso dinheirinho, da mesma forma com que ela noticia diariamente e de forma exaustiva, o envolvimento do presidente Temer - aquele que em dois anos conseguiu interromper a situação caótica em que os governos populistas deixaram o país - com o problema dos Portos. 

Sebastiao Aun sebastiao.aun@uol.com.br

São Paulo 

*

FUNDOS DE PENSÃO

Os aposentados da CEF vêm amargando uma expressiva redução em seus benefícios, devido a contribuições extras para equacionamento do déficit na Funcef, nos balanços de 2014, 2015 e 2016. A cada ano um desconto vai se somando ao outro. O último, em vigor a partir deste mês, a ser acrescido aos anteriores, é de 9,59% sobre o total do benefício, pelo prazo de 220 meses (18 anos). A grande maioria desses idosos não terá a alegria de chegar ao final deste prazo. Terão que passar o resto de suas vidas cobrindo o rombo feito por "maus gestores". E, ainda há quem os defenda! Que a operação Greenfield prenda os responsáveis!

Maria Stella de Almeida Gomes Cardim msagcardim@gmail.com

São Paulo

*

SERVIDORES FAZEM VAQUINHAS... LIMINAR

Considerando que a liminar foi concedida por um juiz da Justiça do Trabalho, entende-se que os funcionários das distribuidoras da Eletrobrás não são funcionários públicos federais, deste modo estão amplamente protegidos pela CLT. É estranha essa movimentação, pois várias empresas energéticas já foram privatizadas, sem esse estardalhaço dos sindicatos.

José Luiz Abraços octopus1@uol.com.br

São Paulo

*

TETO FUNCIONALISMO X SALÁRIO DOS PROFESSORES

Deputados aumentam o teto dos salários para o funcionalismo. Não me lembro deles alguma vez terem aumentado substancialmente os salários dos professores. Por que será? Penso que todos sabem a resposta. Devíamos nunca mais votar nesses 94 "representantes".

Pedro Paulo Couto pedropaulocouto@terra.com.br

São Paulo

*

'ELDORÁDIO FM'

"Eldorádio" deveria ser o nome da "rádio dos melhores ouvintes", agora mais incrementada com o lançamento do site em parceria com a Fundação Brasil 2000. Bravo!

J.S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo                           

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.