Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

09 Junho 2018 | 03h00

ESTADO DA NAÇÃO

País sem rumo

A alta do dólar e a queda da Bolsa de Valores nos remetem ao sentimento de passageiros de um barco à deriva, só experimentado nos momentos de crise profunda e falta de perspectivas. Os investidores se retraem diante da crise dos caminhoneiros, ainda não resolvida por completo, de novas denúncias contra altos escalões do Executivo, do Legislativo e até do Judiciário e da total imprevisibilidade das eleições presidenciais, que se realizarão em quatro meses. Se essa tendência continuar, perderemos todos os esforços de controle da inflação começados em 1993, quando da criação do Plano Real. Infelizmente, temos hoje a classe política com a pior imagem de sua história, mercê dos escândalos descobertos, que já levaram figurões ao cárcere e ameaçam arrastar muitos outros pelo mesmo caminho. Oxalá o presidente Michel Temer e sua equipe de governo tenham forças para conduzir o Brasil sem maiores traumas até 31 de dezembro, quando termina o seu mandato. E que o eleitorado encontre entre os postulantes alguém que nos possa devolver a estabilidade e a perspectiva de futuro.

DIRCEU CARDOSO GONÇALVES

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

Prudência nesta hora

Mesmo que não se morra de amores pelo presidente da República, não é hora de apedrejá-lo, uma vez que a paralisação dos caminhoneiros, que alguns acham que foi greve e outros que foi locaute, ou um misto de ambos, deixou sérias dúvidas quanto à sua real motivação. Pois não é crível que atos de violência contra quem queria trabalhar, ou sabotar trilhos de uma ferrovia, provocando descarrilamento, ou a morte de um caminhoneiro idoso por uma pedra atirada contra o seu veículo tenham alguma coisa que ver com as dificuldades econômicas alegadas. Uma comentarista disse num jornal de TV que o governo é fraco porque um governo forte teria dito um sonoro “não” às reivindicações dos responsáveis pela paralisação. Citou o exemplo do presidente Emmanuel Macron, da França, que disse “não” quando houve greve naquele país. Todavia não consta que o presidente francês tenha sofrido as consequências do tsunami que foi o governo lulodismista, que deixou o Brasil quebrado. Também não consta que demagogos tenham vociferado, dentro do palácio do governo francês, que iriam “botar fogo” no país e que não deixariam o presidente (Temer, no caso) governar, ou que se Lula fosse preso “haveria gente morta”... Comentários levianos podem contribuir para um clima de apreensão que somente beneficia aqueles que querem a violência e tomar o poder pela força das armas. Ainda não conseguiram, mas todo cuidado é pouco, porque eles estão se esforçando.

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

Solução esdrúxula

Essa solução de subsidiar o preço do diesel vai contra os ditames da lógica e da boa administração. Feita para favorecer um grupo dos usuários do combustível, acaba por favorecer a todos, até quem não precisava desse favorecimento, pois usa o combustível para geradores, caminhonetas, locomotivas, etc., etc. Não haveria outra forma de auxiliar os caminhoneiros, como, por exemplo, reduzir o IPVA, as despesas de vistorias e outros gastos específicos dos caminhões? Com a “solução” adotada, o total do dispêndio em isenções será muito maior do que o que seria necessário para os caminhões. Roga-se por sua revisão. Os caminhoneiros entenderão.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

Palhaçada

Gostaria de entender a racionalidade de os meus impostos serem usados para subsidiar diesel importado por empresas independentes. Vão mesmo dar meu imposto a empresas privadas? Dependendo da resposta, vou ter de colocar meu nariz vermelho de palhaço de novo...

MÁRCIO PASCHOLATI

marcio.pascholati@gmail.com

São Paulo

Falas e confusões

Muita gente opinando, pressionando e falando sobre fretes e combustível, além de outros temas importantes. Muita confusão e pouca ordem. Cachorro de muitos donos morre de fome. Faltam determinação e diretrizes. Ou temos ordem e diretrizes exatas, ou teremos celeuma na economia e na segurança da Nação. A Bolsa e o dólar já demonstram essa situação.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

EM SÃO PAULO

Sobre pombos

Nossa cidade tem inúmeros problemas carecendo de solução, zeladoria, como um déficit habitacional que leva à invasão de numerosos prédios, com seus moradores correndo riscos permanentes, vítimas de incêndio acampadas no Largo do Paiçandu, postos de saúde com atendimento deficiente, transporte público longe de atender às necessidades, população de rua em número crescente, além das mazelas de políticos de que diariamente tomamos conhecimento. Apesar de tudo isso, o luminar edil Gilberto Natalini está preocupado com... os pombos! Ironia: S. Exa. é do Partido Verde e teve o aval de nosso alcaide. De minha parte, estou disposto em pagar a multa de R$ 200 e continuar o cuidado com as aves, que, como todos os animais, nunca me decepcionaram.

SERGIO CORTEZ

cortez@lavoremoveis.com

São Paulo

Ganhos acima do teto

Deputados estaduais e vereadores da capital aprovam medidas que garantem ganhos acima do teto constitucional para servidores do Estado e do Município. Com isso, recursos financeiros escassos serão direcionados para maior conforto de pessoas que já são muito bem remuneradas, sem nenhum benefício para a população. É por atitudes como essas que representantes eleitos contribuem para descrédito do regime democrático.

RUI MATTIOLI

ruimattioli@bol.com.br

Araraquara

Explorando o povo 

Depois do absurdo aumento que, na surdina, os vereadores de Sampa aprovaram para alguns privilegiados, vêm agora os deputados estaduais e aprovam emenda que eleva o teto salarial do funcionalismo, o que é inconstitucional, e privilegia poucos funcionários que têm salários mais altos. Cadê a OAB, o Ministério Público, os sindicatos, etc., que não se movem para pressionar pela revogação desses absurdos? E o salário mínimo do ano que vem teve um corte de R$ 4 porque o governo federal precisa economizar, ficando em R$ 998... Muda, Brasil!

CELSO NASCIMENTO

celso@directasa.com.br

São Paulo

PRESSÃO SOBRE A GASOLINA

Por culpa do Planalto, parece que vai prevalecer a máxima de onde passa um boi passa uma boiada! Já que, depois do sucesso da greve dos caminhoneiros, que mesmo recheada de violência e baderna, conseguiram entre outras concessões, uma redução significativa de R$ 0,46, por litro de diesel, agora, são os consumidores de gasolina, que também pressionam o governo visando redução de preço nas bombas, e do gás de cozinha. A direção da Petrobrás parece abrir espaço para rediscutir o reajuste diário dos combustíveis. E o governo estuda até seguro para enfrentar as variações dos preços. Nesse jogo de forças, e tentação de populismo político, o que não pode está ameaçado a eficiência e a arrecadação do Petrobrás! Esta estatal tem centenas de milhares de investidores pelo mundo. E, hoje, recuperada do desastre petista, gera empregos, paga regiamente impostos, é a que mais investe no País, e ainda transfere bilhões de reais em dividendos para o tesouro aliviando o déficit fiscal...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos

*

GOVERNO E SACRIFÍCIOS

Está mais do que evidente que nenhum acordo celebrado entre caminhoneiros, setor produtivo, Petrobrás e governo dará certo enquanto este último insistir em impor a solução da nefasta e desastrosa política da indexação, achando que assim pode satisfazer gregos, troianos e outros. Além disso, não há como o governo chamar para si a responsabilidade e subsidiar preços enquanto a máquina pública estiver escandalosamente inchada. Não há solução mágica. Se não houver sacrifício de todos os envolvidos será o caos. E o papel do governo neste momento delicado deveria ser o de, além de assegurar a ordem pública, atuar como moderador e estimular acordos, sem inferências ativas que só pioram o que já está ruim. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

ASSUNTOS ERRADOS

Os assuntos focados pela mídia: greve dos caminhoneiros, preço do diesel, preço dos fretes, etc. não são o foco certo, porque são manobrados parcialmente e não resolvem os problemas do País, que são: políticos e funcionários públicos desviando recursos, carga tributária abusiva gasta de maneira irracional, Judiciário lento e com focos errados, governo empresário e não gestor. O foco principal é o que fazer para transformar o País de 3.o para 1.o mundo e um povo, mais educado e progredindo. 

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

COMBUSTÍVEIS

Os preços dos combustíveis no início do ano, digamos meados de janeiro, significaram quanto em receita de impostos? Em meados de maio, qual foi o total? Esta diferença, não prevista, de quanto foi? Qual seria o valor de subsídios reais? São informações que julgo básicas para avaliação da realidade. Para mim, o sr. Temer se cercou de alguns ministros sofríveis, que nem chegaram a avaliar o impacto dos fretes no setor produtivo. Amadores em funções básicas? A União quer vender empresas deficitárias, que oneram à sociedade, e uma juíza se julga no direito de intervir, em nome de funcionários das mesmas? Se forem competentes e com salários compatíveis, eventual sucesso na venda não deveria ameaçá-los, não é mesmo? O Brasil não deslancha por milhares de bobagens como esta. Desanimador. 

Andre Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo 

*

A SEDUÇÃO DO CONTROLE DOS PREÇOS

Há alguns dias tenho visto diversas matérias, seja no "Estadão" ou em outros meios, criticando fortemente o governo sobre a forma de intervenção no preço do combustível e sobre a omissão no apoio ao então presidente Pedro Parente. Ora, antes de fazer meu apontamento sobre tais questões, gostaria de dizer que em muito apoio tal opinião. Acredito que devemos viver em um mercado de livre concorrência e que, portanto, com preços que flutuam conforme a oferta e procura. Agora, no caso do preço do combustível não podemos esquecer que temos uma variável a mais e não pouco expressiva nessa equação. Por responsabilidade do governo temos uma situação de monopólio nesse setor. Assim, fica praticamente impossível saber se a Petrobrás é uma empresa eficiente e, por isso, a variação de preço da matéria prima quando repassada para o produto final pode e deve ser questionada pelo consumidor brasileiro. Nesse caso dado que a postura do Estado é de manter tal decisão, ou seja, de não abertura para que o mercado seja competitivo nesse setor, acho que é mais do que razoável que o mesmo Estado faça intervenções por meio de subsídios para suportar variações do preço do petróleo. Reforço aqui que não entendo que esse seja o melhor caminho. Para mim, o mais sensato seria que houvesse uma abertura completa do mercado e a privatização da Petrobrás. Sendo isso feito, volto à minha opinião de liberdade completa dos preços.

Frederico Souza fredsouza1@gmail.com

São Paulo

*

TABELA DE PREÇO DE COMBUSTÍVEL

O governo, tanto federal como estadual, deveria tabelar o seu ganho. Oras, por que cobrar do povo um porcentual sobre o litro de combustível se pode cobrar um valor fixo? O impacto das variações de preço do barril de petróleo e da cotação do dólar cairiam pela metade nas bombas...

Marcos Jacob marcosrjacob@hotmail.com

São Paulo 

*

A RESSACA DA 'GREVE'

Muito bem os pontos salientados pela ilustre articulista Vera Magalhães (30/5, A6) quanto a esta "greve". Com sua anuência, permito ressaltar mais um ponto. A falta de ação dos governadores, ordenando ações das policiais militares, pois eles têm a responsabilidade de zelar pela segurança dos Estados que governam. Empurraram covardemente a responsabilidade total para os militares. Como cita a articulista: a sociedade embarcou que o que estava em curso era um levante estava patriótico... A reação dos brasileiros lembrou-me da Síndrome de Estocolmo - é o nome normalmente dado a um estado psicológico particular em que uma pessoa ou grupo, submetida a um tempo prolongado de intimidação, passa a ter simpatia e até mesmo de amor ou amizade perante o seu agressor.

José Luiz Abraços octopus1@uol.com.br

São Paulo

*

FÓRMULA DO CAPITALISMO

Monopólios estatais +oligopólios + preços combinados + preços gravosos + licitações combinadas + corporativismo + clientelismo + protecionismo + subsídios + desonerações ficais + embalagens de conteúdo reduzido + capital especulativo + baixa produtividade + dias úteis de trabalho + custo do frete + aversão ao risco = capitalismo brasileiro

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br 

São Paulo 

*

SOCO NA MESA

Com o indeferimento da quebra de sigilo telefônico pelo ministro Edson Fachin, o presidente Michel Temer se encorajou, deu um "soco na mesa" e disse: "Se quebrarem sigilo telefônico, fiquem à vontade, vão quebrar à cara". Ora, caso verdade fosse e nada houvesse a esconder, o próprio presidente num ato magnânimo autorizaria, peremptoriamente, a própria quebra. Haja sorte, hein Temer!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

COLCHÕES PARA O DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRESIDENCIAL

Quando li na "Coluna do Estadão" (7/6, A4) que a Presidência da República vai comprar 100  colchões de solteiro a R$ 33.966 para o Departamento de Segurança Presidencial, fiz uma pesquisa na internet. Em menos de 30 segundos, achei dezenas de colchões de solteiro, a grande maioria com preços entre R$ 150 a R$ 250. Poucos passavam dos R$ 340 (a média do preço dos adquiridos pela Presidência). Detalhe: os preços que vi eram unitários. Obviamente, quem adquire 100 colchões de uma só vez, deve conseguir bons descontos. Conclusão: ou o governo não tem bons negociadores ou alguém está ganhando uma bela comissão. Qual será?

Luciano Nogueira Marmontel automatmg@gmail.com

Pouso Alegre (MG)

*

PERIGOS DA DEMOCRACIA 

Em um de seus editoriais de quarta-feira (6/6, A3), o "Estado" comenta a dimensão alcançada pela greve dos caminhoneiros - aproveitada rapidamente por setores da sociedade interessados na prevalência da desordem "para provocar um clima propício para a volta dos militares ao poder, desta feita pela via democrática do voto", e alerta: "Aqueles que dizem almejar o poder em nome da corporação militar são declaradamente hostis à convivência democrática com a oposição, e já é possível antecipar que um governo nascido com esse espírito certamente substituirá o império da lei pelo arbítrio". Ninguém melhor que o "Estado" - ainda hoje sob censura por uma decisão judicial extravagante - para falar sobre o perigo dos regimes autoritários, dos quais vem sendo vítima frequente ao longo de sua história. E, por isso mesmo, sabe o jornal que apesar dos riscos é da essência da democracia a liberdade de opinião e expressão. O País conviveu com os governos petistas de Lula e Dilma Rousseff - sempre dispostos à integração com os regimes autoritários da América Latina - sem que houvesse qualquer sinal de intervenção militar, como não os há agora. Melhor será que os militares - os da reserva detentores dos mesmos direitos assegurados aos demais cidadãos - postulem democraticamente sua representação política. Se pretendessem, como teme o editorial, substituir "o império da lei pelo arbítrio", não haveria motivo para usar estrada tão tortuosa.

Sergio Saraiva Ridel sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo 

*

DEUS NA TERRA

O ministro Gilmar Mendes só age com tanta arbitrariedade porque não encontra resistência. Esse é um dos grandes males do Brasil, acima de determinada esfera, praticamente não existe punição, o sentimento é de que não devem satisfação a ninguém. 

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

São Paulo

*

BODE EXPIATÓRIO

Os quatro anos da Operação Lava Jato e, principalmente o juiz Sergio Moro são os grandes responsáveis pelo naufrágio da Petrobrás, segundo a Federação Única dos Petroleiros. Lula, Dilma, PT, MDB, PP, empresários são os mocinhos e, o juiz Moro é o bandido, responsável pela maior crise econômica, social e política brasileira. Moro na cadeia e Lula presidente, esse é o sonho petista se a justiça permitir.

José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré 

*

MITOMANIA

Mitomania é o nome dado à patologia de contar mentiras e inventar histórias compulsivamente. Um mitômano pode criar e acreditar nas próprias histórias como uma forma de se sentir melhor consigo mesmo. Para descobrir se alguém é um mentiroso compulsivo basta observar seu comportamento. Nossos políticos e em especial aqueles que foram enquadrados no mensalão e na lava jato e suas derivações têm o perfil desta patologia e seu expoente máximo se chama Luíz Inácio Lula da Silva.

Iria de Sá Dodde iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro 

*

PERSPECTIVA POLÍTICA

O "bolsonarismo" é tudo o que o Brasil não precisava, depois da devastação causada pelo "lulopetismo"!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo 

*

O QUE É PROPINA E CORRUPÇÃO REALMENTE?

Nossa definição de corrupção e propina precisa ser ajustada: as benesses de nosso Judiciário, de fisioterapia até auxílio-moradia, a PEC dos deputados estaduais de São Paulo elevando o teto ajustando-o ao dos desembargadores, somado a todas os penduricalhos de nossos servidores "públicos" que mais parecem "Gersons" que só pensam em levar vantagem (para si) em tudo, é o que devemos combater, pois os ladrões do erário não são apenas os que roubam escondido, mas estes que o fazem com leis que eles mesmo promulgam. Temos que acabar com isto. Se todos deixarmos de pagar nossos impostos, fechamos as rodovias de abastecimento destas mordomias injustas, como os caminhoneiros mostraram possíveis recentemente! Está na hora de praticarmos desobediência civil como explica Thoreau.

Frederico Krejici f.krejici@terra.com.br 

Sumaré 

*

ARAPUCAS ELETRÔNICAS

Qual o interesse da nossa Suprema Corte por o maior obstáculo para cumprir o que rege a Constituição Federal no tocante ao sigilo, garantia e respeito aos votos eleitorais? É sabido que com as arapucas eletrônicas não temos garantia que o voto foi para quem o eleitor tenha votado, e o Supremo insiste com elas ignorando o que rege a Constituição em benefício dos fraudadores eleitorais, e ainda lhes concede verba bilionária para a sua festa eleitoral? Para os candidatos corruptos tem verba ilegal à vontade e para a impressão legal de votos não? O bom senso e respeito a Constituição Federal manda que volte o sistema antigo com os votos escritos para impedir e nos garantir que ele foi para quem o eleitor escolheu e não para os fraudadores corruptos.

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com 

São Paulo 

*

URNAS QUE SABEM O QUE QUEREM

Suspeita-se que nossas urnas eletrônicas, assim como suas irmãs na Venezuela, irão eleger Maduro. Se isto ocorrer, não será mais preciso se preocupar com elas, afinal, qualquer tipo de urna deixará de ser necessário. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

URNAS ELETRÔNICAS

A questão da vulnerabilidade da urna eletrônica não é lenda urbana, como explicou a advogada Maria Aparecida da Rocha Cortiz, integrante do Conselho Multidisciplinar Independente, uma organização não governamental que aponta fragilidade no sistema eleitoral. Foi detectada a utilização de um software que conferia autenticidade a programas, o que poderia permitir a inserção de programas fraudulentos. O programa seria reconhecido como oficial e o computador que o carrega poderia ser conectado pela internet. O software é da empresa estrangeira Smartmatic, que não tinha registro na junta comercial quando foi utilizado. Lenda urbana é aquela do fulano, que, recém-chegado a uma cidade do interior, resolveu apostar numa rinha de galo. Perguntou a um matuto da terra, que aguardava a briga sentado num canto picando um fumo, qual era o galo bom. Este respondeu que era o branco. Veio a disputa e o galo branco morreu trucidado. O tal fulano indignado foi queixar-se ao matuto: "você não disse que o galo bom era o branco?" O qual retrucou: Pois é "dotô", o "bão" era o branco, o "marvado" era o preto. Ocorre que o galo preto era operador dos tucanos. Foi preso e não conseguiu habeas corpus.

Irene Dell' Avanzi irenedellavanzi@hotmail.com

Itapetininga

*

O PODER DO PCC

Os nossos políticos, autoridades atuais e aquelas que assumirão o poder a partir de 2019, deveriam levar a sério as colocações do editorial do "Estadão" (6/6, A3). Faço apenas um reparo quando classifica a importância do seu comando por meio das nossas penitenciarias, como um grupelho. Já foi o tempo em que ele poderia ser assim considerado. Muito pelo contrário, é uma estrutura bem organizada, graças à omissão das nossas autoridades e uma política carcerária desumana e irracional. E ela vem sendo aplicada há anos, pelos inúmeros governos que se sucederam. Muitos países adotam a pena de morte para os autores determinados crimes considerados absolutamente inadmissíveis. No Brasil não é adotada por motivos religiosos e pelo fato de não serem realmente bem aceitos pela nossa sociedade. Porém, nossos presos são mantidos em condições desumanas em nossas penitenciarias, que se assemelham aos campos de concentração dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Na realidade nossos governantes detestam construir presídios, pois não dão votos, muito pelo contrário, pois nenhuma comunidade quer saber de um presídio em sua localidade. Mas não dá mais para ignorar a realidade que se escancara aos nossos olhos. Estamos convivendo com uma barbárie inaceitável em nossa época. Faz-se necessário a construção de inúmeros presídios pelo País, abrigando em seu interior condenados de periculosidade assemelhadas. Não tem sentido misturar os prisioneiros jovens dos mais velhos ou de graus de periculosidade diferentes. E os prisioneiros devem ser tratados com a dignidade que merece um ser humano e jamais nas condições abjetas da atualidade. Não dá, também, para aceitar criminosos de colarinho branco, que saqueiam os cofres públicos, receberem penas mais brandas, inclusive por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que esquecem que esses crimes, matam centenas de pessoas nas filas dos hospitais e pelas ruas, por falta de segurança pública, ambas sucateadas devido às verbas desviadas pelo crime. 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 

São Paulo 

*

CÓDIGO PENAL

As ressentes atividades do PCC se devem principalmente ao Código Penal em vigência no Brasil. É brando demais. Se houver um código semelhante às mais avançadas nações, o PCC não vingaria como agora. Somos todos reféns a ele. Se tivéssemos o sistema de visita em que o visitante só tivesse contato por meio de uma parede com aberturas providas de vidro, a vigilância de um guarda que controla o tempo do encontro e eventuais presentes, os mesmos só seriam entregues após inspeção dos guardas e entregues em um cômodo aparte. Visitas íntimas seriam proibidas.

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

DEMOCRACIA AMEAÇADA

Há tempos o PCC vem mostrando sua força. Segundo o editorial do "Estadão", uma investigação revelou detalhes do funcionamento da facção criminosa capazes de estarrecer até os que se debruçam sobre ela por dever de ofício. Sinto discordar, mas se tivéssemos alguém debruçado sobre essa questão ela já teria sido resolvida. Câmaras municipais, assembleias legislativas e Congresso estão preocupados com seus umbigos, enquanto o povo se mata de trabalhar para sustentar a camarilha. O que foi feito quando se constatou a superpopulação nas cadeias? E o superfaturamento das quentinhas? E o diferencial que é prestado a preso do colarinho branco? O que acontece quando inocentes são mortos, eles apenas aumentam o índice de violência, sob os olhares contemplativos dos Poderes constituídos. O Brasil é o único país onde o preso comanda o crime do lado de fora. Como é possível perguntam os mais ingênuos? Não dá para tergiversar sobre o assunto, tem funcionário ajudando, facilitando a entrada de celulares, pois os governos nunca tomam providencias quanto ao corte do sinal nos presídios, não há preocupação dos legisladores em acabar com a violência. Não se reforma o Código Penal, ela é sempre adiada. O bandido tem medo da polícia, mas não têm medo das leis. Muitos pela mesma porta que entram, saem. Quem sofre com essa ameaça da violência, senão o cidadão que não tem como se defender? Nossa democracia está sendo ameaçada, por culpa daqueles que poderiam resolver, mas estão de costas para o povo. Os órgãos que deveriam dar segurança estão protegidos com carros blindados, seguranças e todo aparato a lhes garantir o ir e vir. E a população? Essa que "se exploda" como já dizia, certo humorista. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 

São Paulo 

*

HOMICÍDIOS

Observo que há dois crimes preponderantes na geração da violência e dos homicídios: o roubo e o tráfico de drogas. Quanto ao primeiro, urge uma reeducação em grande parte da população que tem no seu DNA  o sentimento de querer levar vantagens em tudo, ou a cultura da esperteza. Concomitantemente uma maior fiscalização no comércio de compra e venda de ouro, agência de automóveis que proliferam em vários bairros e investigação na camelotagem que envolve venda de celulares e suas reativações. No tocante ao segundo, urge uma atuação da escola na questão da prevenção ao uso de drogas e no tratamento e recuperação dos adictos, além de uma atenção redobrada nas fronteiras, em que diuturnamente entram armas e drogas.

Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

O RIO DE JANEIRO É AQUI! OU O CONTRÁRIO?

Sobre o jovem estudante de engenharia da UTFPR, Jorge Farias, "sem dinheiro no banco e vindo do interior" (Belchior), morador da saudosa Casa do Estudante Universitário (CEU), que foi covardemente esfaqueado e morto em uma rua de Curitiba, cabe apenas e tão somente uma palavra: indignação! O vídeo divulgado foi uma bofetada na cara de todos nós: o "abate" do estudante foi bárbaro, inacreditável e tremendamente repugnante, logo, pensei: o Rio de Janeiro é aqui! Ou o contrário? Aliás, em termos da "banalização de maldade" (Hannah Arendt), de uma violência rotineira, gratuita, fútil, mesquinha, ordinária e cotidiana que causa repulsa e ânsia de vômito, o "abate" do estudante de engenharia não é menor em indignação ao "abate" da socióloga Marielle no Rio de Janeiro (homicídio ainda não solucionado). Tanto o caso de Jorge Farias como o caso de Marielle Franco, guardam sob o ponto de vista social semelhanças incríveis, os dois eram de origem muito pobre, lutadores e comungavam em comum uma ânsia e um objetivo ao que parece: de estudar e ajudar os seus semelhantes a "fugir", a "furar o pano", a "escapar" das agruras e mazelas de uma sociedade desigual, desumana e estúpida que condena e joga no limbo aqueles que não são afortunados pelo capital ao proveito de uma vida melhor, nesse sentido, cabe, consequentemente, um regozijo ao contrário: o esfaqueador de Jorge Farias e o atirador de Marielle Franco: são eles homicidas contumazes ou frutos de uma sociedade doente?

Antonio de Azevedo antonio22yy@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

SOBRE ÔNIBUS INCENDIADOS

No topo da atual macro gastronomia mineira vem se destacando o "ônibus flambé".

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo 

*

BRASIL NA COPA

Tite é o paizão/técnico/psicólogo que tem a Seleção sob controle, afinada, "jogando por música". Em 19 jogos: 15 vitórias, 3 empates e 1 derrota. Na Rússia, o Brasil é um dos favoritos, mas não pode facilitar não se esquecer de 1950; no quadrangular final, para definir o campeão, nos dois primeiros jogos Brasil 7 x 1 na Suécia e 6 x 1 na Espanha, enquanto Uruguai 2 x 2 Suécia e 3 x 2 na Espanha. Para o Brasil bastava o empate para ser campeão; era franco favorito e campeão antes mesmo de entrar em campo, mas descuidou e foi aquele fiasco em 16 de julho, em pleno Maracanã com 200 mil eufóricos expectadores, depois silenciosos ou chorosos, de virada Uruguai 2 x 1 Brasil... 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES)

*

CAMISA 8 

Deuses do futebol em polvorosa: a "camisa 8" da seleção penta campeã, trabalhando em busca do hexa, na Rússia, que já foi de inesquecíveis gênios como Didi e Gerson, hoje, valha-me Deus, é de Renato Augusto. 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília 

*

COPA DO MUNDO ESTRANHA. O MUNDO ACEITAR ATRASO NO CONVÍVIO SOCIAL

Fiquei chocado com o manual de "conselhos" para quem vai à Rússia ver a Copa do Mundo. 1) Não externar afeição por mulheres, elas se ofendem; 2) Não demonstrar postura "homoafetiva" nem com quem você for viajar, como com os "locais". Enfim, uma infinidade de preconceitos, que mais parece os países mais tribais e miseráveis da África, onde leis são equivalentes ao tempo da idade média, eu tinha uma visão totalmente diferente da Rússia, principalmente pós-comunismo, eu pensava ser uma Europa clássica, afinal um povo que estudou tanto, tem cultura, tudo mentira, uma mentalidade pavorosa, que não combina, não orna com uma eurásia, lamentável. E pior, tem gente que vai lá, gastar dinheiro e apoiar de certa forma esse atraso, e a Europa, o turismo, a CBF, uma campanha de respeito ao próximo, nem deveria haver evento internacional em países atrasados no comportamento e que não respeita os outros. Muito estranho.

Roberto Moreira Da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.