Fórum dos Leitores

-

O Estado de S.Paulo

24 Junho 2018 | 03h00

PETROBRÁS

Mais uma

A Petrobrás, essa empresa de uso privado do PT e de seus amigos, incluindo o sindicato dos petroleiros, continua sugando a sociedade. Explicando: a empresa foi multada em R$ 15 bilhões (sim, bi!) porque retirou o adicional de periculosidade – concedido normalmente apenas aos funcionários que trabalham em plataformas – de módicos 30% dos funcionários administrativos. É mais do que óbvio que, neste país de regras trabalhistas ridículas, essa concessão só podia dar em porcaria. Mas os diretores que concederam tal benesse a si próprios não estavam nem aí. Afinal, o que são meros R$ 15 bilhões para a Petrobrás? Pfff... E alguém tem dúvida de quem vai pagar por isso?! Esses funcionários, diretores, agem sem o menor constrangimento, sempre sabendo que vai, sim, dar porcaria. Enfim, empresa sem dono, que não quebra de jeito nenhum e sem supervisão profissional (que tem o interesse dos acionistas e da sociedade em primeiro lugar) é nisso que dá. Privatizem essa porcaria!

OSCAR THOMPSON

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba 

Pobres petroleiros

Uma empresa de ônibus admite um motorista para dirigir ônibus. Passado algum tempo, ele entra com uma reclamação trabalhista pretendendo um adicional, pois está dirigindo ônibus. Penso que todos acharão um absurdo tal pretensão. No caso da Petrobrás e seus petroleiros, eles são admitidos para essa função, por exemplo, trabalho em plataforma. O salário deve ser compatível com as condições e o regime de trabalho necessários. O básico deve estar ao redor de R$ 14 mil. É um salário que muito profissional com curso superior não ganha. Mas o petroleiro quer um adicional por periculosidade (30%), adicional por trabalho noturno (26%), adicional por horas de repouso (39%) – repouso??? –, adicional por confinamento (30%) e um complemento negociado (4%). Total: 125%! Pelo jeito, tudo isso havia sido excluído do contrato de trabalho. Como o regime é duro, períodos de trabalho são intercalados com períodos de repouso em terra. E nós, consumidores de gasolina e óleo diesel, não entendemos por que esses combustíveis são tão mais baratos em países vizinhos. 

MARIO HELVIO MIOTTO

mariohmiotto@gmail.com

Piracicaba

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

O que está valendo?

A insegurança jurídica no Brasil é absurda. A Justiça do Trabalho da Bahia proferiu a determinação de que 12 empresas do Estado podem descontar a contribuição sindical obrigatória, o famoso imposto sindical. Ora, a contribuição sindical obrigatória foi extinta com a modernização trabalhista, liderada pelo governo de Michel Temer e aprovada pelo Congresso Nacional. Conforme o novo texto, essa cobrança deixou de ser compulsória, precisando os empregados que quiserem contribuir expressar esse desejo e a autorização para desconto em seus vencimentos. Há vários casos esperando a análise do Supremo Tribunal Federal (STF), mas conhecemos a morosidade do guardião da Constituição, em que pese a apreciação do tema ser de suma importância. De duas, uma: ou a reforma trabalhista vale ou nenhum de seus pontos deve ser levado em consideração. O que não pode é prejudicar o trabalhador e beneficiar os sindicatos e todo tipo de sanguessugas.

WILLIAN MARTINS

martins.willian@globo.com

Guararema

Esperando o Supremo

Vivendo num clima de desconfiança generalizada, é natural que a sociedade às vezes se surpreenda com iniciativas do Judiciário no sentido de deliberar sobre lei já aprovada no âmbito apropriado para tal, o Poder Legislativo. É o que ocorre quanto à decisão do ministro Edson Fachin, do STF, de manter exame pelo plenário da ação direta de inconstitucionalidade que trata do fim da obrigatoriedade da contribuição sindical e condicionar a não apreciação da matéria até dia 28, quinta-feira, para quando está pautada, ao exame de liminar suspendendo a eficácia de dispositivos importantes da Lei 13.467/2017 (reforma trabalhista). Espera-se que os membros do STF, ao avaliar a questão, reflitam sobre o inconveniente e injusto desconto compulsório, cuja eliminação obrigará as entidades a focar com afinco na filiação voluntária que decorrerá da atenção aos reais interesses do trabalhador.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

Ao batente!

O fim do imoral imposto sindical, na reforma trabalhista de Temer, foi uma decisão justa e elogiável do Congresso em defesa dos trabalhadores; e de correção para os boas-vidas sindicalistas, alérgicos a trabalho, que usavam esses recursos bilionários para enriquecer, financiar campanhas políticas esquerdistas e patrocinar desordens públicas. Esse mal do imposto sindical não pode voltar nunca mais. Os sindicalistas que mostrem serviço e conquistem os trabalhadores para financiarem o que é sua obrigação, a de representá-los, o que há muito não fazem.

BENONE AUGUSTO DE PAIVA

benonepaiva@gmail.com

São Paulo

TRANSPORTES

Fretes

Está mais que comprovada a incapacidade, o desconhecimento técnico do setor e a inabilidade do governo nas negociações que tumultuaram de maneira brutal a área dos caminhoneiros, que chegaram a paralisar o País. E continua criando sérios obstáculos nas negociações de fretes em especial no transporte da safra de grãos, que este ano bateu novo recorde e os agricultores nem têm mais onde estocá-la.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Inconstitucional

Parece que a questão do tabelamento invertido do frete é da competência do Executivo. Cabe ao Judiciário, salvo melhor juízo, dizer se é constitucional ou não. Mas foi anunciado que isso depende de um acordo entre as partes, e não da letra da Constituição, ficando aos cuidados de um ministro do STF celebrar esse acordo. Um acordo que claramente viola a Constituição democrática brasileira.

CARLOS VIACAVA

cv@carlosviacava.com.br

São Paulo

Resolver de forma correta

O governo devia aproveitar o impasse com os fretes e o preço do diesel e rever toda a formatação do afoito acordo com os caminhoneiros, passando a adotar medidas que os auxiliem sem afrontar a lei e o mercado. Que tal substituir todo o então acordado por reduções de impostos e outros gastos que afetam os caminhões, a escolher entre custos de seguros, pedágios, revisões, pneus, manutenção, etc.? 

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

*

“E o time dos empresários só desencantou nos acréscimos. Tudo indica que já não somos o ‘impávido colosso’ no futebol”

FRANCISCO SIDOTI / SÃO PAULO, SOBRE BRASIL 2 X 0 COSTA RICA

fransidoti@gmail.com

*

“Ainda bem que o ministro Fachin mandou arquivar o recurso liberatório de Lula. Como é para o bem do povo e a felicidade geral do Brasil, que ele continue onde está”

CARLOS EDUARDO DE BARROS RODRIGUES / SÃO PAULO, SOBRE O CONDENADO POR CORRUPÇÃO

ceb.rodrigues@hotmail.com

*

ATENÇÃO AO DIA 26 DE JUNHO

Tudo indica que, no próximo dia 26, o País começa sua grande arrancada para a anarquia oficial e a ser entregue, definitivamente, aos corruptos, aos “petralhas”, aos comunistas e a “elle”, o chefe da maior organização criminosa até hoje instalada para desviar dinheiro público. Isto, caso o Supremo Tribunal Federal (STF) suspenda a condenação de Lula, permitindo que dispute as próximas eleições e, mostrando ao mundo, que o Brasil é mesmo corrupto. A maioria da população não sabe votar e adota o lema “rouba, mas faz”. Pior, que boa parte de sua Justiça está voltada a atender seus interesses pessoais em primeiro lugar. Parece estar tudo “armado” neste sentido, pois o recurso será julgado pelo chefe do Tribunal Superior – às vezes bem inferior –, “Gilmar HC Mendes” e acompanhado por Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio de Mello, Dias Toffoli, Celso de Mello (os mesmos que acabaram de derrubar a condução coercitiva) e o próprio Edson Fachin, que deve ter sido obrigado a colocar Lula na rua, provavelmente, pelas “forças ocultas” de sempre compostas por comunistas, anarquistas, “petralhas”, corruptos e os demais que também querem o ladrão como presidente mais algumas vezes.

João Direnna joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

UM INSULTO AO PAÍS

É profundamente desalentador, afrontoso a moral e desrespeitoso às leis do País sabermos que o incorrigível Lula, ladrão confesso da República e autor do maior esquema de corrupção já visto neste país, condenado por três tribunais pelo conjunto da obra, com provas indefensáveis e absolutamente incontestáveis, se utiliza de recursos desviados para bancar caríssimos advogados, na busca desesperada pela liberdade por meio do vil instrumento das infindáveis apelações. Creio que as nossas instituições estão e devem permanecer vigilantes para não permitir que este descalabro sobreponha as leis, a ordem institucional, nem afronte o povo trabalhador e honesto deste país. Cabe ao STF manter a decisão firme e absolutamente inquestionável do juiz Moro e do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), se desejarmos ver punidos os corruptos que infelicitam a nossa Pátria e o nosso aguerrido povo.

Moacyr Rodrigues Nogueira moaca14@hotmail.com

Salvador

*

PESQUISA DE OPINIÃO

Os órgãos de pesquisa do País deveriam, urgentemente, pedir a opinião do povo brasileiro sobre os seguintes temas: “O senhor é a favor da soltura de Lula?”; “O senhor é a favor da absolvição de Gleisi Hoffmann?”; e “O senhor é a favor do impeachment do ministro do STF, Gilmar Mendes?”. Certamente o resultado surpreenderá muita gente!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

DELÍRIO DE GRANDEZA

Voltar para “arrumar a casa” ou para arruinar? Senhor ex-presidente, me desculpe, mas o senhor está precisando com urgência de um bom psiquiatra.

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com

São Paulo

*

‘SUPREMO PODE CONCEDER PRISÃO DOMICILIAR PARA LULA’

Infelizmente a única dúvida que fica é em qual domicílio o elemento ficará: São Bernardo do Campo, Guarujá ou Atibaia?

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

*

LULA LEITOR

Acredito que os íntimos de Lula espalharam a notícia de que ele já leu diversos livros apenas para impressionar parte dos eleitores de classes mais altas, afinal, pelo prazo dito nem o mais habitual leitor teria tempo para tanto. Ainda mais sendo comentarista de futebol, algo feito para ele continuar na mídia mesmo em cana. Acredito que a leitura de Lula, aliás, o mais honesto ser deste país, mesmo com oito processos nas costas, deve estar mais para o antigo e genial Carlos Zefiro – quem tem mais de 60 sabe do que estou falando, quem não tem, é só consultar o Google. Como piada é aceitável.

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

LULA LEU?

Talvez Lula não tenha mesmo lido tantos livros quanto ele afirma. Afinal, não só leitura como também matemática, nunca foi seu forte. E se trata de uma soma de dois dígitos. Basta assistir às suas declarações: quem lia tudo, somava tudo e sabia de tudo eram sempre outras pessoas ou a sua falecida esposa para quem não dá mais para perguntar coisa alguma. Mas, e daí se não foram vinte e um, os livros os que Lula leu? Discutir “Lula-leu” é muito mais salutar para o Brasil do que “Lula-lá”.

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

SETEMBRO VEM AI

Será que chegamos ao fundo do poço? A bandidagem até então impune, quando presa ou em via de sê-lo, com seus hábeis e caros advogados, recorre ao STF e boa parcela, em curto espaço de tempo, obtém êxito, se safa. A bandidagem anseia pela chegada da Primavera. Sabe por quê? A partir de setembro Dias Toffoli presidirá o STF. Está ruim e tende a piorar...

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

NO FIM

Os desacertos e as mancadas do Poder Legislativo, lamentavelmente, migraram para os outros Poderes da República. Agora, sim, o Brasil está no fim.

Lígia Maria Venturelli Fioravante lmfiora@uol.com.br

São Paulo

*

STF E A PRIORIDADE NAS AÇÕES DE LULA

O STF, com prioridade total para julgar os inúmeros recursos e habeas corpus do ex-presidente Lula, impetrados pela sua milionária bancada de advogados que nos últimos oito meses e com muita certeza mais de 10 ações foras discutidas e julgadas na Suprema Corte, nesse período. No próximo dia 26/6 teremos mais um recurso, cirurgicamente impetrado agora na bancada da 2.ª Turma do STF, benevolente com a liberação dos condenados. Além do mais, o ex-ministro Sepúlveda Pertence recentemente incorporado à essa bancada não só entra com o recurso, como também faz lobby juntos aos ministros com reuniões específicas como a já aconteceu com diversos integrantes do STF, usando o seu currículo  e influência de ex-ministro da Suprema Corte. Por outro lado, esta semana ficamos sabendo da morte da voluntária Alcione de Oliveira que entrou com uma ação no STF em setembro de 2011 pleiteando a liberação de um remédio canadense que as três caixas necessárias para sua sobrevivência custa R$ 2.300, 00 por mês, e até hoje a mesma não foi julgada, sendo que a ausência desse medicamento ocasionou a sua respectiva morte. Isto é justo? Essa é a Justiça com direitos iguais? Por que tanta prioridade as ações que visam livrar o ex-presidente da cadeia enquanto outras ficam anos e anos tramitando sem o devido julgamento?

Carlos Sulzer csulzer@terra.com.br

Santos

*

A RECÍPROCA

Cada vez que Dias Toffoli julga o PT, o Brasil julga Dias Toffoli.

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

VETO A SÁTIRAS

É louvável a derrubada do veto, por parte do STF, do dispositivo legal que impedia emissoras de rádio e TV de fazer trucagem, montagem ou sátiras com candidatos a cargos eletivos a três meses das eleições, por considerá-lo cerceador da liberdade de expressão. Entretanto, pode se dizer que este veto foi mera formalidade. Muitas das falas de grande parte dos candidatos já são desde já, e por si só, satíricas e cômicas, sem necessidade de trucagens.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

A ESCOLHA

A falta de confiança na Corte Suprema do País decorre do processo de escolha eminentemente político dos ministros, iniciado com a indicação do candidato pelo presidente, seguido de aprovação em sabatina e em plenário no Senado, podendo aí ocorrer rejeição ao nome proposto, fato observado só em cinco ocasiões ao longo da República, a última há mais de 100 anos, o que mostra tratar-se hoje, por indução, de etapa quase pró forma. O método apoia-se também em critérios subjetivos, encapsulados em atributos vagos como os de notável saber jurídico e reputação ilibada, a serem avaliados também pelos senadores, sem necessidade de apresentação de currículo onde conste carreira de advogado, atuação como juiz ou mesmo formação em direito. Acrescente-se o fato de que a substituição ocorre somente por aposentadoria ou morte de um dos componentes. Vinculações políticas, excesso de subjetivismo, longo tempo de atividade em cargo tão sensível e, às vezes, pouca qualificação jurídica são ingredientes infalíveis para formar um cenário de desconfiança por parte da população. Urge o debate sobre formas mais adequadas de seleção.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

VERGONHOSO

Realmente, ser político no Brasil deve ser algo de fascinante, além de altamente vantajoso e rentável, basta ver o enrosco da população nas próximas eleições, de que fazer, como e quem escolher no meio de toda essa sujeira inimaginável, desfaçatez e sem-vergonhice e muitos outros atributos que cabe aos senadores em questão. Uma vez que 70% deles vão tentar reeleição, mesmo estando com processos na Operação Lava Jato. Vergonhoso!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

IMPORTANTE FUNÇÃO

Só faltava o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) proibir o humor na sátira aos políticos. Eles são a grande inspiração.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

SEM FUTURO

Como sabemos, a solução dos problemas do Brasil é o voto, como brasileiro não saber votar estamos perdidos.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

DISSIMULADO

Ora bolas, Geraldo Alckmin está evidentemente se furtando a dar explicações sobre os desvios de dinheiro público milionário ocorrido no Rodoanel durante toda sua gestão. Dizer que aprova as investigações parece mais dissimulação do que propósito honesto de assumir as responsabilidades do cargo de governador a quem cabe à responsabilidade maior.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

DONALD TRUMP

A crueldade de Donald Trump em separar crianças de seus pais fez-me lembrar da perversidade de Herodes, aquele débil mental governador da Palestina – de que nos conta a História Sagrada – mandando assassinar todas as crianças menores de dois anos, na desvairada expectativa de matar o Menino Jesus.

Rui da Fonseca Elia rui.elia29@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FUTEBOL BRASILEIRO

O futebol brasileiro há algum tempo perdeu a aura de melhor do mundo. E o problema não atinge apenas às equipes em campo, mas também nos bastidores. E duas situações podem confirmar que o desprestigio é patente. Durante o jogo de estreia do Brasil na Copa, o dirigente máximo da CBF ficou isolado, longe do presidente da Fifa e de autoridades russas. E, durante o jogo, a tecnologia que poderia alterar o resultado do jogo por irregularidade no gol suíço e em penal que foi cometido contra um atacante brasileiro. E a Fifa não atendeu à reclamação da CBF. Até quando vamos conviver com direções que não incentivam o respeito que merecemos e precisamos?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

‘FUTEBOLA’ MURCHA

O que se viu até agora nos dois jogos do Brasil na Copa do Mundo, foi uma seleção brasileira de “futebola murcha”. Será necessário muito mais suor daqui por diante para que a estrela do hexa possa ser bordada na gloriosa camisa canarinho pentacampeã mundial! Vai, Brasil!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

BRASILEIROS NA COPA

Indignação e vergonha. É o nosso sentimento sobre as criaturas que aproveitaram da educação dos russos e os fizeram dizer coisas que, certamente essas criaturas estão acostumadas a fazer. Deveriam ser punidos seriamente. Mas, como vivemos em um país de bananas. Vamos (tentar) dormir com mais essa.

Antônio Sérgio Isnidarsi isnidarsi@icloud.com

São Paulo

*

TORCEDOR ALOPRADO

Pimenta nos olhos dos outros é refresco. Nessa linha, creio que o torcedor destemperado, grosseiro e bêbado que insultou o presidente da CBF, Antônio Nunes, num restaurante, na Rússia, mereceu o revide do assessor de Nunes. Quem não respeita os outros, não merece ser respeitado.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

PERGUNTA

Você que acompanha a Copa do Mundo e o futebol como um todo. Você vê Cristiano Ronaldo ou Messi caírem tanto quanto Neymar? Meu pai estava assistindo o jogo da seleção brasileira conosco e disse: “Manda alguém avisar Neymar que futebol se joga em pé, e não deitado”.

Carleones Fonseca carleonesfonseca@bol.com.br

São Paulo

*

NEYMAR NÃO MERECE A SELEÇÃO

A má conduta de Neymar em campo prejudica o Brasil. Tem que tirá-lo da seleção, até porque não tem feito absolutamente nada de produtivo.

Milton Córdova Júnior milton.cordova@gmail.com

Brasília

*

CHANCHADA VERDE AMARELA

Com o ridículo “piti” do “Lord Brummel Neymar” a seleção entrou, definitivamente, em ritmo de chanchada dramática. “A pensão de D. Estela” pós-moderna.

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

CRIANÇAS TRABALHANDO EM LOJA

É impressionante a naturalidade com que alguns pais permitem que seus filhos trabalhem como se já fossem adultos. Dia 22 de junho deste ano, compareci às 14h30 a uma loja de malas e bolsas, situada no Viaduto Dona Paulina, na região da Sé. Fiquei chocado ao ver que o único vendedor da loja era uma criança de aproximadamente 12 anos! Ao vê-lo querer me atender, declarei que só aceitaria ser atendido por um adulto, pois do contrário estaria incentivando o trabalho infantil. Inclusive, perguntei a esta criança se ela estudava e ela sequer me respondeu, o que sugere a pouca educação que seus pais devem lhe atribuir, por não responder a uma pessoa mais velha. Fica aqui o meu repúdio por esta situação lamentável, a de ver uma criança trabalhando quando deveria estar estudando ou brincando, e meu apelo para que o Conselho Tutelar ou outra entidade de defesa do menor tome algum tipo de providência.

Carlos da Silva Dunham caduque.pezao@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.