Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas dos leitores

O Estado de S.Paulo

01 Julho 2018 | 03h00

ESTADO X NAÇÃO

Gastança eleitoreira

Desde outubro de 1988, os membros do Congresso Nacional estão autorizados a jogar contra o povo e a favor de seus interesses particulares, o que fazem diariamente e sem a menor preocupação. O tema do editorial Jogando contra (29/6, A3) não é novidade. Por que não conseguimos acabar com isso? Quando teremos uma Constituição que obrigue os políticos a resolverem os problemas do povo, sob pena de perda do mandato e de inelegibilidade perpétua?

SERGIO MOURA

saamoura@uol.com.br

Brasília

Jogando contra... eles!

Bem, tal qual a Segunda Turma da Corte Suprema, no Congresso suas excelências extrapolaram. Lá, a turma toda aprovou mais benefícios para os “grupos organizados de pressão”. Que tal nós, os eleitores, também nos organizarmos num sólido grupo de pressão? Isso se faz pesquisando e identificando as “excelências” que, pelo comportamento e pela atuação, terão o nosso voto. O resto que vá procurar sua turma em outra freguesia, fora do Congresso.

JOSÉ PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

Santo André

Judicialização da política

Pra que votar? O valor do nosso voto hoje está desprestigiado. Antes de votar vamos ver a ficha de cada deputado federal e senador na Lava Jato, saber sobre sua atuação política, suas ideias e tudo o mais. Mas chegada a hora das decisões, quem pia mesmo é aquela turma do Supremo Tribunal (STF) cujos ministros se consideram verdadeiras vedetes de TV. Que vergonha!

MARCOS POUGY

marcoslaly@gmail.com

São Paulo

Decisões impensadas

Jorge Amado, em seus livros sobre a ocupação de terras em Ilhéus e Itabuna, descreve processos desenvolvidos pelos posseiros com juízes de Salvador para obtenção de registros - as famosas chicanas, de sucesso absoluto. Passados tantos anos, vemos ministros do Supremo agindo com viés político que nos induz à mesma percepção. Dependendo da importância política do personagem sua soltura é garantida. E a população fica com a impressão de sempre: a polícia prende e a Justiça solta. Num período em que a Justiça é uma das últimas instituições com aprovação popular, manter essa postura é dar tiro no pé. De garantes da Constituição os supremos juízes passam a ser vistos como promotores de sua destruição. Em se tornando isso realidade, terão eles seu nome lembrado pela História como coadjuvantes da falência institucional. Terá esse possível cenário algum peso em suas decisões?

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

Absurdo jurídico

Hoje considero que os livros de Direito em que estudei e meus professores estavam redondamente enganados. Pois vejo ministros do STF votarem de maneira contrária a uma decisão do colegiado e esses “votos” terem, inexplicavelmente, validade e eficácia. Mesmo levando em conta que as provas que condenaram os abrangidos estão jurídica e permanentemente validadas, não mais cabendo dúvida jurídica quanto a elas. 

JOSÉ ETULEY B. GONÇALVES

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

Que futuro nos espera?

Enquanto o Brasil continuar deitado eternamente em berço esplêndido, os três Poderes, principalmente o Judiciário, “muito acordado”, vão ditar as regras de perpetuação no poder dos “donos do Brasil”, que os mantêm desde o descobrimento e muito mais hoje, em 2018. O Brasil está a caminho da degradação e do subdesenvolvimento, enquanto países como China, Coreia do Sul, Nova Zelândia, Austrália e outros deslancham. Na verdade, o Brasil vem fazendo exatamente o caminho inverso. O povo dorme e os três Poderes - que, queiram ou não, emanam do povo - crescem em riqueza, em detrimento ao desenvolvimento do País. O Brasil, como nação, está fadado ao enriquecimento de poucos privilegiados que se encaixam no Executivo, no Legislativo e no Judiciário, desde sempre. Quem não faz parte dessa “corte” nada consegue na vida. É simples assim!

VANDERLEI ZANETTI

zanettiv@gmail.com

São Paulo

Sociedade condenada

Em 1920, a filósofa russo-americana Ayn Band escreveu: “Quando perceber que a corrupção é recompensada e a honestidade se converte em autossacrifício, então poderá afirmar, sem temor de errar, que a sociedade está condenada”. Essa afirmação, infelizmente, aplica-se ao Brasil de hoje. Aqueles que deveriam dar um freio na corrupção sistêmica que estamos vivendo não cumprem o seu papel de guardiões da Constituição. Os corruptos são premiados pelas decisões esdrúxulas da Suprema Corte, cujos integrantes agem conforme interesses político-partidários e, quiçá, próprios.

JOSÉ OLINTO OLIVOTTO SOARES

jolintoos@gmail.com

Bragança Paulista

Justiça desmoralizada

A instituição da Justiça está, realmente, sendo desmoralizada, como nunca antes neste país. E é no Supremo Tribunal Federal, a instância mais alta da composição do nosso Poder Judiciário, que ela é mais golpeada. Como pode um sujeito condenado em primeira instância, condenado novamente em segunda instância - e por unanimidade! -, com habeas corpus já negado pela maioria da própria Suprema Corte, acintosamente exigir, por intermédio de famosos advogados - pagos não se sabe como, talvez até com o fruto dos crimes pelos quais o condenado foi sentenciado -, que o seu caso seja julgado pela Segunda Turma, não por acaso apelidada de “Jardim do Éden”, para em seguida partir para desmoralizar a Lei da Ficha Limpa?!

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Cada uma...

Só faltava mesmo essa, a defesa do ex-presidente querer escolher os juízes (a Segunda Turma) para julgarem recurso apresentado por ela. Não duvidamos que a defesa, que há muito tempo esgotou seus argumentos para tentar tirar o condenado da cadeia, venha a contestar o sorteio do relator, ministro Alexandre de Moraes, alegando que foi premeditadamente dirigido. Até quando teremos de aguentar essas baboseiras jurídicas?

ROBERTO LUIZ PINTO E SILVA

robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

Reclamação arquivada

Na sexta-feira, Alexandre de Moraes negou o pedido de liberdade de Lula. Ministro porreta!

ROBERT HALLER

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

STF

Depois de a 2.ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) inocentar Gleisi Hoffmann, que foi acusada de receber dinheiro de origem criminosa. De suspender a ação penal contra um deputado acusado de roubar R$ 1,1 milhão em verbas da merenda escolar. De colocar em liberdade o meliante José Dirceu - condenado a mais de 30 anos por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa -, e do ministro Gilmar Mendes mandar soltar 21 presos na Lava Jato no Rio de Janeiro em menos de 1 mês, ele declarou, sem se ruborizar que o STF está “voltando a ser Supremo”. Uma dúvida, como será que os demais ministros do STF se sentem diante de uma declaração estapafúrdia dessas?

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

PLENA DECADÊNCIA

Fico imaginando o estômago e dificuldade que tiveram os competentes jornalistas do “Estadão”, que redigem o editorial, para chegar ao título “O Supremo vacila” (28/6, A3). Um título forte, porém, muito educado, pelo tamanho da indignação que, infelizmente, o Supremo vem protagonizando nestes últimos 24 meses. Hoje, podemos dizer que, o maior temor da sociedade brasileira recai sobre as estranhas e malignas decisões dos ministros, principalmente da 2.ª Turma, composta por cinco ministros, destes Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski se mostram indiferentes com a corrupção, ao livrar da prisão, e por atacado, criminosos da classe política, empresarial, etc., que assaltaram sem piedade as nossas instituições! Cadê a nossa Suprema Corte?! Já que, “Suprema” mais parece no papel, e não como guardiã da nossa Constituição. E nesse excelente artigo do Estadão, o alerta de que os ministros não respeitam nem o que julgam e decidem como o da prisão em segunda instância! Deixando a impressão de que hoje, parte dos ministros está a serviço dos corruptos e principalmente do PT. Com o Lula, tentando fazer de gato e sapato alguns magistrados, que, não vão sossegar enquanto não livrarem o ex-presidente da cadeia. Uma vergonha! E, como expressa o editorial: “Esse comportamento tem graves consequências para o País, pois consolida a sensação de que o Supremo Tribunal Federal é uma loteria”! Por ser fraca, desunida e descompromissada com o País, da qual, só nos resta espernear e rezar...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, procura colocar panos quentes no racha do STF ao afirmar não acreditar que ministros do Supremo tomem decisões partidárias. Acerta a ministra ao defender a instituição - é este seu papel -, porém a argumentação é pouco convincente em vista dos fatos. O desrespeito à decisão plenária, no que tange a prisão em segunda instância - e que acabou por libertar temporariamente o ex-ministro José Dirceu - não é mera jurisprudência dinâmica que “amadurece com o tempo”, como afirma a ministra. Ao contrário, é como se num mesmo campeonato de futebol as regras aplicadas fossem diferentes a cada jogo. Interpretar uma determinada norma é uma coisa, afrontá-la descaradamente é outra.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

CONSTITUIÇÃO X STF

Pela Constituição, o STF é composto por 11 ministros e não por duas “turmas” de cinco cada. Como pode a Corte constitucional ser formada por duas sub cortes? Essa é mais uma das inúmeras excrescências constitucionais iniciada por Lewandowski e completada pelo trio “soltador” criado por Gilmar. Como tudo já foi quebrado esperar o quê? Para quê?

Jair Nisio jair@smartwood.com.br

Curitiba

*

Gostaria que alguém pudesse responder minha pergunta a seguir: “Os ministros do STF, além de gozarem mais de 100 dias de férias por ano, receberem altos salários, inúmeros benefícios, vantagens, mordomias e etc., o que fizeram de bom ou de bem ao País e por consequência a sua população, durante o período de 1.º de fevereiro de 2018 até 30 de junho de 2018, esta última data em que se inicia novo recesso?”.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

BANDIDOS DE TOGA!

Quando a ex-ministra Eliana Calmon afirmou que existia “muito bandido de toga”, o que causou uma revolta no Judiciário e um alerta à população brasileira estaria ela incluindo o STF também? Por que ao povo brasileiro é essa a impressão que passa, senão por que defenderem com tanta veemência tantos políticos bandidos?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

GILMAR MENDES

Não vai aqui essa observação no sentido pejorativo. Porém, com a simples análise do fascien desse ministro constatam-se desvios se ordem emocional e/ou psicológico.

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br

Monte Alto

*

LONGA DATA

E se a Procuradoria-Geral da República solicitar impedimento do ministro Toffoli para atuar como juiz de José Dirceu, o habeas corpus que ele ajudou a emitir pode cair?

Jorge Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

JUSTIÇA

Realmente é um absurdo o que acontece no Brasil! Esses figurões da política e do alto empresariado financeiramente, roubando ou não, têm a vida que pediram a Deus e que poucos brasileiros honestos conseguem ter. A maioria do povo brasileiro ou ganha uma miséria trabalhando como “mula” ou ganha praticamente nada como aposentado depois de 35 anos de recolhimento pelo teto ao INSS. Alguém acha que algum brasileiro do povo, trabalhador ou aposentado, teria condições de pagar esses advogados estrelas para passar pela primeira instância, tribunal, STJ e chegar ao STF tentando provar o improvável, mas conseguindo empurrar com a barriga até chegar à absolvição por decurso de prazo ou prescrição? Acorda, Justiça brasileira! E lembrem-se da letra da introdução do hino nacional brasileiro, de Joaquim Osório Duque Estrada, que foi excluída da versão oficial, mas é extremamente importante e de necessidade atual: “Espera o Brasil que todos cumprais com o vosso dever. Eia! Avante, brasileiros! Sempre avante. Gravai com buril nos pátrios anais o vosso poder. Eia! Avante, brasileiros! Sempre avante. Servi o Brasil sem esmorecer, com ânimo audaz. Cumpri o dever na guerra e na paz. À sombra da lei, à brisa gentil. O lábaro erguei do belo Brasil. Eia sus, oh sus!”. Vamos deixar de ser o País do futuro, vamos fazer o Brasil hoje! Para isso, a Justiça tem que ser rápida e igual para todos. O dinheiro não pode determinar o curso da Justiça!

Filippo Pardini filippo@pardini.net

São Sebastião

*

TOFFOLI SOLTA DIRCEU

Em sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), em setembro de 2009, José Antonio Dias Toffoli, candidato à vaga de ministro no Supremo Tribunal Federal, afirmou sobre como sua relação com o PT não influenciaria suas decisões, ergueu a Constituição e disse que, caso aprovado “julgaria para a República Federativa do Brasil”. Na mesma ocasião, declarou que se manifestaria impedido ou sob suspeição quando o processo assim demandasse. Em 2012, Toffoli julgou e absolveu José Dirceu - seu antigo companheiro no PT e ex-chefe na Casa Civil - do crime de corrupção ativa no processo do mensalão. Em 2016, Toffoli concedeu um habeas corpus de ofício ao amigo e outrora parceiro de militância petista, o ex-ministro Paulo Bernardo preso pela Justiça Federal de São Paulo. Em abril de 2018, Toffoli votou a favor do habeas corpus de Lula - a quem esteve atrelado em sua vida profissional, pública e privada até ser por ele indicado ao STF. Em junho de 2018, Toffoli concedeu habeas corpus de ofício para José Dirceu, sob a alegação de problemas na dosimetria da pena imposta pela Lava Jato. José Dias Toffoli é um exemplo de inabalável firmeza de princípios.

Sergio Saraiva Ridel sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

*

O HORROR DO PODER JUDICIÁRIO

As irresponsáveis e mercenárias atitudes recentes do STF e sua trupe são apenas a ponta do iceberg. Na verdade, isso fica notório porque estão na mídia e os julgados ficaram ou são famosos. O descaso do STF para com a sociedade brasileira é na verdade de todo o Poder Judiciário. Quanto tempo em média um cidadão comum espera por uma decisão trabalhista ou outra qualquer? E os criminosos da Justiça comum (ladrões, assassinos, traficantes) que são liberados e ficam nas ruas todos os dias? E os casos de presos que aguardam sua liberdade por meses ou anos? Fora as imensas mordomias e aberrações como punições a juízes que continuam recebendo salários de mais de R$ 25 mil. Se Gilmar Mendes e seus companheiros são inimigos do Brasil, temos milhares de outros juízes e desembargadores que também o são. Boa hora para abrir a caixa preta dessa organização e fazer uma bela reforma.

André Luis Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

BRASIL DO PT

Para o Brasil do PT, nada mais normal do que um presidente-presidiário, condenado por corrupção sistêmica enquanto esteve no poder, e com uma “ficha imunda”.

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

RECURSOS INFINITOS

A defesa de Lula baseia-se no ditado: água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

AVALIAÇÃO GOVERNO TEMER

Com todo respeito às pesquisas, jamais fui consultado sobre qualquer avaliação de quaisquer governos e não acredito sinceramente nelas. Afinal, o governo Temer dá de 10 a 0 em comparação com a péssima Dilma. Por isso o Brasil só melhorou, apesar da marcação cerrada de partidos que só querem ver o pior, como é o caso do PT, PSOL, PCdoB e outros menos cotados. Acho que essas pesquisas só pioram o País e não o governo Temer, que na verdade vai terminar logo e quem vai continuar com a batata quente nas mãos é o lesado povo brasileiro.

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

COLLOR FORA DA DISPUTA

O senador e ex-presidente Fernando Collor de Mello não vai mais concorrer à Presidência, segundo o PTC. Eis uma boa notícia! Faltam Boulos, Manuela, Ciro, a santa do pau oco e o coronel desistirem! Aí melhora ainda mais.

Sérgio Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

DATENA

O apresentador José Luiz Datena disse que vai ser candidato ao Senado, mas nos avisa de que “se pintar a possibilidade” de ser candidato à Presidência da República, talvez ele tente. Tendo em conta seu notório e vigoroso despreparo para tão importante cargo, vamos torcer para que a possibilidade não pinte.

Euclides Rossignoli clidesrossi@gmail.com

Ourinhos

*

OUTSIDER

O sr. José Luiz Datena, que dispensa apresentações, anunciou que será candidato ao Senado e quiçá, à Presidência da República. Sua atuação política teve início quando se filiou ao PT (há 20 anos) e depois com o passar da carruagem, ao PP, PRP e agora, pretende pedir votos pelo DEM. Essa trajetória, podemos dizer “política”, não traduz o que pensa, e principalmente o que trará de novo para a política brasileira. Deixa a impressão de que sua popularidade, como apresentador, é o suficiente como plataforma de atuação e não será mais um no Legislativo que tanto combate. Aguardemos!

Eduardo Augusto de Campos Pires eacpires@gmail.com

São Paulo

*

QUE PAÍS É ESTE?

Datena, o defensor dos pobres e oprimidos vai mudar de lado; governo autoriza aumento de 40% nos planos de saúde; STF da liberdade aos corruptos inimigos do povo; juros bancários são os mais altos do mundo; desemprego em alta... Nossa! Sobrou chorar, vamos só chorar, que é de graça!

Arcângelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

‘MARINA DEFENDE MANUELA

Os verdadeiros democratas sempre têm que ter em mente que a esquerda “supostamente democrática” (Marina, Manuela, Ciro e outros), na realidade nos quer impingir mais cedo o tarde, uma “ditadura do proletariado” na versão de Gramsci, semelhantemente ao que hoje ocorre na Venezuela, onde já impera uma versão tropical fracassada, apenas mantida com medidas de força ditatoriais no poder. Quer-se usar a democracia para destruí-la. Aliás, os antigos regimes socialistas da falida e acabada URSS e satélites só se mantinham no poder com muita repressão pelas polícias secretas, como o KGB, a Stasi, a Securitate e outras, pois quando Gorbachev quis democratizar o regime, sem o poder das polícias secretas ele caiu rapidinho.

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

*

VOTO DISTRITAL

Difícil entender o gritante mutismo enfrentado por quem propõe o sistema distrital. Este nem sequer é criticado, apenas é ignorado por aqui, nestas páginas que existem para dar voz à cidadania. Alguém pode explicar por quê?

Inês Levis ineslevis@hotmail.com

São Paulo

*

AS ELEIÇÕES, NÓS E O BRASIL

“O Estado de São Paulo” noticiou que, em encontro mantido entre grandes empresários do Brasil com a finalidade de analisar o quadro sucessório, a grande maioria dos presentes concluiu que a mais conveniente opção para presidente, em termos éticos, morais, de independência, estaria em João Amoedo, o candidato pelo Partido Novo. Porém (e sempre existe um “porém” na vida), esse partido ainda é inexpressivo em termos de probabilidade de vitória e, em assim sendo, votar Amoedo seria correr o risco de impedir a vitória do chamado centro, ou até propiciar ganho à dita esquerda. Correto o raciocínio, mas isto significa a opção da sociedade que deseja um novo país, condenada a exercer, mais uma vez, o chamado “voto útil”, ou seja, do “menos ruim”. Assim tem sido ao longo dos anos. Assim será mais uma vez... Quem sabe cheguemos a ser uma República, algum dia?

Celso Colonna Cretella cpropano@gmail.com

São Paulo

*

VOTO PARA CONGRESSISTAS

Após ler a manifestação do leitor Honyldo R. Pereira Pinto “Vamos agir!” (26/6, A2) ocorreu-me sugerir que todos pesquisemos quais foram os parlamentares que votaram pela aprovação dessa excrescência chamada fundo eleitoral, para que só por isso os excluamos das nossas intenções de voto nas próximas eleições.

José Ismeraldo de Farias ismeraldofarias@hotmail.com

Mairiporã

*

BASTA DE AGROTÓXICOS

Inconstitucional. Imoral e desnecessária mudança na lei dos agrotóxicos aprovada na Câmara dos deputados e patrocinada pela bancada ruralista. Usam como argumento a extrema necessidade de controle de pragas, pois, que o façam de maneira controlada por meio de receituário emitido por profissional competente, do mesmo modo que os remédios tarja preta são receitados aos humanos. Já é pública a notícia que esse é um lobby de empresas pra venderem os agrotóxicos que outros países proibiram. ONU, Ibama, Anvisa e diversos órgãos públicos e privados já se manifestaram contra esse retrocesso inconcebível em qualquer país que protege a saúde de seus cidadãos, animais e o meio ambiente. Ressalto que o Brasil já é o maior consumidor de agrotóxicos do planeta e usa 14 produtos que já foram proibidos em outros países e com essa nova lei serão imediatamente liberados 9 venenos. Compreensível que os deputados e senadores da bancada ruralista não se preocuparem com a saúde, visto possuírem planos de saúde que os atendem até no exterior e só comem produtos importados. Mas, esquecem que os agrotóxicos se dispersam na água, no ar, na terra, na chuva e fatalmente contamina todos os seres, independente de classe social. Cabe ao ministério público e nossas autoridades coibirem esse retrocesso que só trará prejuízos a nossa agricultura, a saúde da população e ao meio ambiente e principalmente anotarmos os nomes desses políticos pra não receberem nosso voto em nenhuma eleição.

Daniel Marques danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

*

BRASIL X MEXICO

Todos os movimentos da seleção do México serão friamente calculados para vingar o voto dos representantes da CBF a favor do Marrocos para sediar a Copa do Mundo de 2026.

Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

CONSELHO PARA GABRIEL JESUS

Dadá Maravilha se junta à dezenas de “comentaristas” de futebol que analisam a atuação de Gabriel Jesus, falando bobagem sobre o menino. O mais irônico é que justamente Dadá era, em 1970, reserva de um centroavante que não fazia gol, mas ajudava o time, e era reconhecido por isto. E ninguém se lembrava de Dadá. Vamos parar de palpitar e deixar a encrenca para o Tite, que é quem será cobrado se não der certo ou levará os louros, merecidamente, se der certo. Tomara que leve os louros!

Manoel Mendes de Brito mdebritovoni@gmail.com

Bertioga

*

JOGADOR MAIS JOVEM

Desculpem-me os srs. Leandro Silveira e Márcio Dolzam. José João Altafini - nosso Mazzola - foi o mais novo camisa 9 do Brasil em copas (1958), considerando o camisa 9 como sendo o centroavante. Pelé era o mais novo daquela seleção.

Victor Hugo de A. Raposo victor-raposo@uol.com.br

São Paulo 

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.