Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

11 Julho 2018 | 05h00

JAVALIS SELVAGENS

Final feliz

Enfim, terminou a Copa da coragem, da solidariedade, da competência e, principalmente, do amor ao próximo. Um final feliz, com o resgate dos 12 meninos e seu técnico da caverna na Tailândia. Nossa angústia terminou e saímos dessa quase tragédia com a sensação de que o ser humano tem jeito, sim!

EDUARDO A. DE CAMPOS PIRES

eacpires@gmail.com

São Paulo

Resgate do Brasil

Todos nós ficamos impressionados e felizes com o desfecho do resgate na Tailândia. Agora que tudo terminou, poderíamos pedir que a fantástica equipe de resgate viesse para o Brasil e tentasse tirar nosso país do buraco sem fim em que se encontra – especialmente nossos três Poderes, que não se cansam de aprofundar esse poço quase infinito.

PAULO HENRIQUE ANDRADE

elisampcandrade@gmail.com

São Paulo

CORRUPÇÃO

A clássica jeremíada

Ontem a desembargadora Laurita Vaz, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), declarou a absoluta incompetência do desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Federal da 4.ª Região (TRF-4), para revogar a prisão do sr. Lula da Silva, tendo já havido dois pedidos de liberdade para esse senhor negados pelo próprio STJ e pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A douta ministra, ademais, considera que a pré-candidatura do petista nem é “fato novo” nem argumento válido juridicamente. Permitiu-se até fazer uso das palavras de Nelson Rodrigues ao dizer que “é obvio e ululante que o mero anúncio de intenção de réu preso de ser candidato a cargo público não tem o condão de reabrir a discussão acerca da legalidade do encarceramento mormente quando, como no caso, a questão foi examinada e decidida em todas as instâncias do Poder Judiciário”. Depois de tal decisão, que não deixa pedra sobre pedra, provavelmente virá da defesa do petista a jeremíada que já se torna clássica: a presidente do STJ, os desembargadores da 8.ª Turma e o presidente do TRF-4, desembargador Thompson Flores, bem como os ministros do STF, são todos, tal qual o juiz Sergio Moro, “inimigos pessoais” do ex-presidente. Quem viver verá.

REGINA PEÑA

reginapena.adv@hotmail.com

São Paulo

Juiz amigão

Excelente o editorial O plantonista amigo (10/7, A3), que explica a manobra para tentar tirar Lula da Silva da cadeia, a prudência dos membros da Polícia Federal e a firmeza dos desembargadores que deram encerramento acertado ao caso. Mostra tal episódio a urgência de definir, de forma claríssima, a inelegibilidade de Lula, sem para isso usar os recursos da ficção literária. Infelizmente, não parece ser esse o único amigo plantonista que tem o condenado.

IRENE MARIA DELL’AVANZI

irenedellavanzi@gmail.com

Itapetininga

Excelente o editorial O plantonista amigo. Se o arremedo de desembargador sair ileso dessa aula de desrespeito ao Judiciário, o Brasil estará dando mais um passo rumo ao caos. É preciso ser muito ingênuo para acreditar que essa ação tenha sido orquestrada sem o conhecimento prévio de toda a turba, porém admitir isso pode caracterizar formação de quadrilha. Os três deputados e o desembargador petista conseguiram numa tacada só desrespeitar o TRF-4, o STJ e o STF. É preciso acreditar muito na impunidade!

JOÃO ISRAEL NEIVA

jneiva@uol.com.br

São Paulo

Faroeste caboclo

Nos filmes do Velho Oeste não havia desembargador amigo ou não, uma corda puxada por um cavalo arrancava a grade da cela e juntava o bandido ao seu bando, liberando-o para retomar os assaltos a diligências e bancos. Simples, não? Hoje as filigranas jurídicas exigem muito dos que tentam libertar cumpanheiros justa e legalmente encarcerados.

EDUARDO MENEZES SERRA NETTO

decimoserranetto@uol.com.br

São Paulo

Golpe merece castigo

Caso seja constatada articulação político-partidária judicial, dentro e fora do Poder Judiciário, para soltar o Lula, isso é golpe, é crime. E os criminosos devem ser punidos: deputados, desembargador e outros porventura envolvidos. Todos falam das consequências, mas o mais grave e imprescindível é conhecer as causas e punir os criminosos. Que sirva de exemplo a alguns ministros do STF que, a contrario sensu da decisão do próprio colegiado do Supremo Tribunal, soltam a rodo presos condenados em segunda instância, em flagrante desrespeito às decisões majoritárias da própria Corte, que já está fazendo escola na esfera inferior.

ALPOIM DA SILVA BOTELHO

alpoim.orienta@uol.com.br

São Paulo

‘Prêmio’

Soube que uma das “punições” que podem atingir o desembargador petista Rogério Favreto é a famigerada aposentadoria compulsória. Até quando a sociedade brasileira aceitará bancar essa obscenidade?!

ANTERO RUFUS

anterorufus@bol.com.br

Londrina (PR)

Suprema conspirata?

Será que a soltura do condenado José Dirceu, que, dizem, perpetrou o esquema deste domingo, não fez parte de toda essa palhaçada?

CARLOS EDUARDO RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

Hora de voltar pro xadrez

Tudo indica que o ardiloso ex-ministro petista José Dirceu está, de fato, envolvido no projeto fracassado de soltura do ex-presidente Lula, pois ele tem uma capacidade inata de comandar e executar atos antidemocráticos. Está na hora de mandá-lo de volta para a prisão, a fim de cumprir a pena que lhe foi estipulada e vem sendo ignorada pela tropa do “quanto pior, melhor”.

JOSE MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

Ardis judiciários

Hoje a Justiça, como instituição, inspira dúvidas. No caso de manobra para que novo habeas corpus do ex-presidente seja julgado no Supremo, liderada pelo mesmo ministro que liberou o Dirceu, o que podemos esperar? Liberação geral dos políticos e eliminação da prisão após segunda instância? Aprovação na Justiça Eleitoral da candidatura Lula? Confirmação da canonização dos petistas disfarçados de juízes? Podemos confiar no retorno do Dirceu à prisão?

DARCY ANDRADE DE ALMEIDA

dalmeida1@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

RESGATE NA TAILÂNDIA

 

A solidariedade internacional esteve presente e foi fator importante para superar o drama dos jovens atletas tailandeses e seu treinador, isolados em uma caverna há duas semanas. Vários países enviaram especialistas e equipamentos que foram essenciais para que eles saíssem sãos e salvos. O acontecimento pode servir de motivação para incentivar um relacionamento humano necessário e que estimule um mundo de paz.

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

SOLIDARIEDADE INTERNACIONAL

 

O sucesso dos resgates em eventos como o dos mineiros do Chile e o dos garotos da Tailândia trazem uma série de lições, entre elas a importância da cooperação internacional para a operação. Gostaria de abordar um dos aspectos: o da saúde mental de pessoas submetidas a uma provação extrema, onde não se tem certeza do desfecho. Este é um dos importantes fatores a serem considerados pelos médicos e psicólogos envolvidos na operação. É importante não entrar em pânico. E para tanto é fundamental realizar atividades que promovam a união do grupo e não o isolamento das pessoas. Elas devem, por exemplo, escutar músicas em grupo, mas não individualmente. Em outras palavras: por meio de alto-falantes e não fones de ouvido. Esta fórmula também é válida em outros contextos, em que jovens e pessoas são submetidas a situações altamente estressantes para eles. E o número dos que se sentem assim não é nada pequeno. Só que, ao invés de se unirem em busca de uma saída, estes indivíduos estão se isolando cada vez mais.

 

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

 

*

HUMANIDADE

 

Seria ótimo que o incrível empenho em salvar os garotos nas cavernas da Tailândia fosse um exemplo para o mundo, mas infelizmente há muito mais gente interessada em matar do que salvar pessoas. Triste!

 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

BRASIL E TAILÂNDIA

 

Se a equipe de resgate da Tailândia conseguiu resgatar as crianças que estavam presas numa caverna, aqui no Brasil por meio do voto podemos nos libertar dessa caverna que nossos políticos nos colocou.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

PLANTÃO JUDICIÁRIO

 

Os plantões do Judiciário mais atendem a interesses de bandidos do que pessoas injustiçadas. Exemplo: em 2013, no Ceará, um desembargador plantonista concedeu habeas corpus (direito de liberdade) a um mega traficante. E no último final de semana um desembargador do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) mandou soltar Lula. O partidário, tendencioso e malfeitor “homem da lei” foi filiado ao PT por 19 anos, participou nos governos petista desde o início, sendo nomeado por Dilma Rousseff (PT) para o atual cargo. Enfim, o PT com sua onda vermelha se enraizaram em todos os poderes desta Nação. Reflexão: Lula e Dilma ex-presidentes eleitos e reeleitos do Brasil (vergonha) que tinham como aliado Michel Temer, mostram que o efeito/resultado nacional não poderia ser diferente ou pior!

 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

 

*

RECURSOS

 

O condenado de Curitiba, segundo a mídia, já ingressou com 80 recursos processuais, não há na história dos processos qualquer caso análogo e isso provoca a desmoralização da Justiça e conflitos entre magistrados. Dizer que isso é possível no Brasil causa estarrecimento no exterior e demonstra que uma vez julgado o caso somente a Corte superior se manifesta. Na Alemanha foi preso o presidente mundial da marca Audi e, apesar do forte poder econômico, se convenceu sobre o erro e a necessidade de seguir a regra do jogo. Não há ninguém acima da lei, é isso que os envolvidos devem aprender como lição.

 

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br 

São Paulo

 

*

JUSTIÇA CINDIDA

 

Independentemente do mérito da questão, Lula preso ou solto, é de estarrecer a Nação brasileira a cisão da Justiça em duas facções em ferina batalha, de foice e martelo em punho, tentando se destruírem mutuamente, pretendendo fazerem-se donos da verdade, como se não lhes coubesse a missão de lutarem para chegarem a um acordo em sua defesa. É a instalação da insegurança jurídica, o maior entrave à construção de uma Nação justa para garantir os direitos de cidadania de um povo em busca de sua realização social.

 

Elizio Caliman elizio.caliman@yahoo.com.br

Brasília

 

*

DESEMBARGADOR PETISTA

 

Os recentes episódios mostram a veracidade de recente comentário do jornalista Augusto Nunes, de que o PT é composto de dois tipos de pessoas: os incapazes e os capazes de tudo.

 

Luiz Henrique Penchiari lpenchiari@gmail.com

Vinhedo

 

*

COMO GOVERNAR O PAÍS!

 

Após o imbróglio com Lula, juízes federais avisam que não vão admitir “ameaças”. A maior ameaça vem de decisões descabidas que ferem mortalmente nossa Constituição e também por contrariar regras estabelecidas pela maior Corte do País, o Supremo Tribunal Federal (STF). E todas estas decisões vieram de dentro do Judiciário.

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br  

São Caetano do Sul

 

*

PLANO LULA

 

Lula, uma vez liberto, qual seria o plano?

 

Carlos Roberto da Silva Calderon crscalderon@hotmail.com

São Paulo

 

*

O VERDADEIRO ‘PLANO B’

 

A entrada em campo de Fernando Haddad, nos últimos minutos da prorrogação, integra o plano A do PT. O seu verdadeiro “plano B” começa com a eleição de Bolsonaro.

 

Luiz Antonio Ribeiro Pinto larprp@uol.com.br 

Ribeirão Preto

 

*

‘SOLTURA DE LULLA’

 

Só resta às pessoas honestas pedirem para ficar em presídio de segurança máxima ou irem para o aeroporto. E viva a pseudo Justiça brasileira!

 

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

 

*

EM CANA

 

Na chicana domingueira, a prova cabal que, exceto acólitos, ninguém dá a mínima se o “Lulla” tá em cana.

 

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

LULA LIVRE

 

Uma tentativa de golpe fracassada.

 

Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

ESTRATÉGIA

 

Tenho uma visão diferente sobre a aparentemente desastrada tentativa de soltar Lula, na verdade uma artimanha para manter a chama acesa, ganhar a mídia, no fundo, sabiam que daria em nada. E não é que o PT, mais uma vez, conseguiu mobilizar o País?! Gleisi falou, Favreto ganhou os holofotes, Moro foi questionado, e Lula, para variar, fez às vezes do injustiçado.

 

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

GILMAR MENDES

 

Quando o ministro Gilmar Mendes critica a “canonização” da Lava Jato (7/7, A6), creio que estar certo, porque nunca o Brasil assistiu tamanha coragem de juízes e do Ministério Público Federal (MPF) no enfrentamento do combate à corrupção. Será que o ministro da mais alta Corte ainda não percebeu que o Brasil pede mudanças?! Ao mesmo tempo há essa indústria de habeas corpus, patrocinada pelo ministro Gilmar Mendes, colaborando com sensação de impunidade, protegendo certas pessoas e grupos protegidos. Dessa forma gera descrença na democracia, quando o Judiciário é o fiador da democracia, deve proteger a lei e punir que a viola. Por que o ministro está tão preocupado em proteger certas pessoas? Por que combate aqueles que “faxinam” o Brasil? Qual o interesse em acabar com a Lava Jato? Detém o monopólio da verdade? O que incomoda ver juízes de primeira e instância e colegiados preparados cumprindo a função constitucional de que a democracia é incompatível com a impunidade. Siga o exemplo e faça o mesmo. O Brasil agradece.

 

José Luiz Monteiro jlm.eng@hotmail.com 

Sorocaba SP

 

*

‘LAVA JATO CANONIZADA?’

 

A Lava Jato foi canonizada? Sim foi, e daí? É a primeira vez que nós, o povo, temos a sensação de Justiça que, aliás, os digníssimos doutores do STF teimam procrastinar mandando às calendas. Enquanto as algemas estavam longe dos privilegiados os nobres magistrados ficaram calados. Estamos errados dr. Gilmar?

 

Edson Gomes edsoncontec@uol.com.br

Lençóis

 

*

STF

 

O anátema de São Moro: “canonização” da Lava Jato ofuscou os santos do andar de cima! Vem aí indulgência plenária para os condenados! Sobre as declarações londrinas do ministro Gilmar Mendes.

 

Celso L. P. Mendes cpmconsult@uol.com.br 

São Paulo

 

*

CANONIZAÇÃO DA LAVA JATO

 

Alguns luminares do Supremo se manifestam contra os critérios do Lava Jato, inclusive sobre a prisão após condenação em segunda instância, é interessante conhecer o histórico destas sumidades com respeito à contribuição para a Justiça no País: Comparada com a contribuição da equipe da Lava Jato. Como cidadão, eu estou surpreso e envergonhado com o comportamento vergonhoso aético destas sumidades!

 

Darcy Andrade de Almeida dalmeida1@uol.com.br  

São Paulo

 

*

GILMAR E A SUA CANONIZAÇÃO

 

Concordo com Gilmar quanto à necessidade de uma “Lei de Abuso de Autoridade”. Se tivéssemos essa lei ele já estaria, há muito, fora do STF. Gilmar, tucano falastrão arrogante, quando as digitais dos seus patrões do PSDB começaram a aparecer nas propinas, mudou de lado e juntou-se aos “petralhas” Toffoli e Lewandowski no acordão para “estancar a sangria” da Lava Jato no STF. Com seu envolvimento em negócios mais que suspeitos e a proteção aos corruptos, seus amigos, Silval Barbosa e Aécio Neves (entre outros) não têm a necessária e exigida “reputação ilibada” para ocupar o cargo. E ele mesmo se “canonizou” como o santo protetor de políticos e empresários corruptos. Um dos problemas dele é aquela dorzinha entre o braço e antebraço, quando Moro recebe honrarias no Brasil e nos países civilizados e moralizados. Gilmar Mendes é uma vergonha para o Judiciário brasileiro.

 

Victor Hugo Moreira Moraes vhmmoraes@uol.com.br

Pouso Alegre (MG)

 

*

FIQUE NA SUA

 

Gilmar Mendes não gosta dos que estão lutando para punir corruptos, como mostra o “Estadão” em “Gilmar critica ‘canonização’ da Lava Jato” (7/7, A6). É seu direito gostar ou não gostar de alguma coisa. Mas fique na sua, e nos poupe de aparecer fazendo beiço e nos censurando por acharmos que ladrão de dinheiro público deve ir para a cadeia. Limite-se a impedir que isso aconteça. É um favor que nos faz.

 

Homero Vianna Jr. homeroviannajr@hotmail.com

Niterói (RJ)

 

*

VADE RETRO

 

O senhor Gilmar Mendes, pessoa travestida de juiz do STF, que a população brasileira despreza de maneira intensa, por sua personalidade histriônica, e também por soltar os presos declaradamente corruptos, que deveriam continuar como tal, veio com mais uma pérola mal cheirosa, ao afirmar o absurdo que denominou de “canonização da operação Lava Jato”. Parafraseando o que disse o ex-deputado Roberto Jefferson a José Dirceu na época do mensalão: “Gilmar Mendes provoca em mim os meus mais baixos instintos”. Vade de retro Gilmar Mendes.

 

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

 

*

REI DO EXAGERO

 

O ministro do STF, Gilmar Mendes, rotulado hoje, pela nossa sociedade como aliado dos corruptos da Lava Jato, para minimizar o estrago dos habeas corpus que anda concedendo, diz que a Lava Jato foi canonizada! Já que, qualquer decisão contra o juiz Sérgio Moro, era considerada “antirrepublicana, antipatriota, o que é uma bobagem”! Assim como certamente deve achar o magistrado, que, é bobagem combater a corrupção no País, que há tempos são desviados por ano bilhões de reais dos contribuintes, em detrimento da melhora dos serviços públicos à população! Por essas e outras nocivas bobagens que são protagonizadas por figuras públicas, como a de Gilmar, é que o Brasil continua uma Nação subdesenvolvida...

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos

 

*

‘CANONIZAÇÃO DA LAVA JATO’

 

A “canonização da Lava Jato” parece bem razoável a medida que o mundo político e Judiciário no Brasil está povoado de entes do mal, e ela vem fazendo uma pequena depuração, se contarmos que a corrupção até agora localizada é apenas a ponta do iceberg. Por outro lado, abuso de autoridade é a libertação de condenados pelo STF, contrariando quem vem trabalhando sério, dando cobertura para “bandidos do colarinho branco”, como se estes ministros estivessem acima da lei e da ordem, quando apenas estão hierarquicamente superiores, sem merecer.

 

Manoel Mendes de Brito mdebritovoni@gmail.com

Bertioga

 

*

DO CIDADÃO A MARIZ

 

Respondendo ao artigo “Cultura Punitiva, sociedade em risco” (7/7, A2), do advogado criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, nos direitos e deveres do exercício da cidadania, não existe diferenças entre a criminalidade violenta e aquela do colarinho-branco. Todos os desvios graves são igualmente criminosos. Seja o praticado com exposição e autoria definida, ou covardemente, camuflado no escuro do poder e atrás do anonimato, sujeitando-nos ao afano de nosso direito constitucional à vida, ou seja, saúde, educação e segurança. Assim, a corrupção, classificada pelo missivista como "crime não violento", é expressivamente mais danosa pela extensão de seus danos, certamente superiores àqueles cometidos pelos “750 mil presos”. O postulado do “garantismo penal” foi agora despertado após a punição alcançar as elites dominantes. A “sanha punitiva”, distante da “ruptura do ordenamento” e “de um estado de anomia jurídica e legal”, é, na verdade, o necessário ajuste isonômico de condutas e punibilidade que a sociedade brasileira anseia há séculos, sujeitando os criminosos, de qualquer segmento social, aos “males da cadeia”. Portanto, concordo unicamente em um ponto com o missivista: que “todos repensem os seus conceitos sobre o crime”, inclusive o próprio. Finalmente, a atual preocupação coletiva não é a “tirania investigativa e Judiciária”, e sim, a continuidade de um status quo constitucional avesso às reais necessidades do povo brasileiro, por roubar-nos o futuro e proteger os abonados.

 

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com 

Ribeirão Preto

 

*

‘CULTURA PUNITIVA, SOCIEDADE EM RISCO?’

 

O artigo do advogado criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira “Cultura punitiva, sociedade em risco” (7/7, A2) teria de sofrer um forte e lógico contraditório, com o seguinte título: “Cultura da impunidade, sociedade em risco”! É isto que vinha ocorrendo no Brasil, antes da Lava Jato, devido à infeliz determinação constitucional de que um réu só pode ter sua punição iniciada após ser julgado e condenado em todas as instâncias e protelações possíveis (prazo em que geralmente prescreve a causa). Isso representa a alegria dos grandes corruptos e felicidade de seus afortunados causídicos. Os que desviam fortunas do dinheiro público e, assim, podem pagar ricos honorários a advogados que protelam ao máximo os processos legais, vivem na certeza da impunidade. Na maioria dos países de primeiro mundo o réu condenado por colegiado ou júri em primeira instância já vai para a cadeia. Isso não representa “sanha punitiva”, e sim a aplicação efetiva da lei (dura lex sed lex). A corrupção não deixa recibo nem escritura passada, e tudo é documentado por meio de apelidos para evitar rastros. Daí a importância das delações. E a carga maior de culpabilidade devia ser a consciência do autor do crime. Em países orientais muitos que são pegos em corrupção cometem suicídio para isentar a família e não macular seu nome. Em outros é aplicada a pena de morte. No Brasil, infelizmente, impera a hipocrisia, a esperteza e o apelar para as mentiras. E o povo trabalhador, honesto que vive com bons princípios, enxerga perfeitamente os jeitinhos e as mentiras usadas para garantir a impunidade dos que estão roubando o futuro na Nação. Para resolver isto muito terá de ser feito. Baratear as campanhas eleitorais – voto distrital com recall – seria um bom início. Outra necessidade é passar uma PEC deixando claro que réus condenados por colegiados em segunda instância já poderão iniciar o cumprimento da pena. A sociedade corre risco sim, mas pela cultura da impunidade e não pelos argumentos falaciosos do artigo em pauta.

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

 

*

‘A CACOFONIA DA AUTORIDADE’

 

A propósito do artigo do professor Denis L. Rosenfeld (9/7, A2), concluo de forma dolorosa, que até a Venezuela tem quem governa, ao contrário do nosso infelicitado país. Profundamente angustiante.

 

Éden A. Santos edensantos@uol.com.br  

São Paulo

 

 

*

EUROPEUS NA COPA

 

A Copa do Mundo virou Eurocopa. Vão acabar criando cotas pra sul-americanos.

 

Geraldo Magela da Silva Xavier silvag34@yahoo.com.br 

Belo Horizonte

 

*

VITÓRIA DA FRANÇA SOBRE A BÉLGICA

 

Fica provado que Umtiti da França faz mais que “Onzemimimis” do Brasil.

 

Alberto Vitor Ferrarezi avferrarezi@yahoo.com.br

Campinas

 

*

ELIMINAÇÃO

 

A equipe brasileira foi eliminada, mas todos os jogadores merecem o nosso respeito e aplausos, pois lutaram e proporcionaram ao povo do Brasil momentos de alegria e esperança. O que esperamos de todos os brasileiros de boa índole é que com o seu voto e no dia das eleições, integrem esse grande time brasileiro e sigam o exemplo do time que representou o País na Copa, ou seja, lutem e liquidem com o seu voto essa escoria política que tenta corroer o Brasil.

 

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

 

*

ACORDA BRASIL

 

Para decepção da maioria dos brasileiros, mesmo jogando bem, fomos eliminados da Copa. Agora, nos resta voltar à realidade e trabalhar na tentativa de colocar o País nos trilhos, pois é isso que está há muito tempo sendo necessário.

 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

 

*

ANDORINHAS

 

Na Copa, Messi da Argentina, Cristiano Ronaldo de Portugal e Neymar do Brasil foram as andorinhas que não fizeram verão.

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

O HEXA E O VOTO

 

Em 2014 o Brasil perdeu a Copa sem Neymar em campo. Neste ano, a seleção perdeu com ele em campo. Neymar, com a fama de cai-cai, desta vez caiu de vez. Bem, que os ânimos de todos os brasileiros depositados na seleção não sejam frustrados novamente nas próximas eleições em outubro, essa sim, não podemos dar o luxo de nos iludirmos nem brincarmos com o futuro da nossa Pátria. Saber votar corretamente é infinitamente melhor que sustentar o título de hexacampeão.

 

Eugenio de Araujo Silva eugenio-araujo@uol.com.br   

Canela (RS)

 

*

ANÁLISE

 

O notável artigo de Robson Morelli, no Caderno da Copa (10/7, G2) é um texto para a história. Fala de Neymar. Mas abrange uma análise que tem tudo a ver com o futuro, do futebol, e muito além dele.

 

Enio Basilio Rodrigues enio@goconsult.com.br

São Paulo

 

*

PRESENTE DE NOIVADO

 

Estava aqui pensando e notei que eu gostaria muito que o mundo soubesse o quanto eu amo você, só não sabia como, então eu decidi vir até aqui e mostrar... Amor, eu quero que você saiba que eu o amo, e que você é a pessoa mais importante desse mundo para mim. Eu agradeço muito a Deus por ter colocado você em minha vida, saiba que eu sempre vou estar aqui por você, esteja onde você estiver. Amor, juntos nós vamos vencer qualquer obstáculo, basta darmos as mãos, porque unidos somos mais, somos um. Saiba que eu amo você incondicionalmente, na saúde e na doença, até que a morte decida nos separar.

 

Thamiris Oliveira thamiris00001@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.