Fórum dos Leitores

-

O Estado de S.Paulo

23 Julho 2018 | 03h00

ELEIÇÕES 2018

Alckmin e a reforma

O nome de Geraldo Alckmin para presidente estava sendo cogitado por mim, por acreditar ser ele o menos ruim. Após recuar na declaração de ser contrário à revisão da reforma trabalhista, o que inclui voltar atrás no fim da contribuição sindical obrigatória, perdeu definitivamente o meu voto. 

VICTOR HUGO A. RAPOSO

victor-raposo@uol.com.br

São Paulo

Disse não disse

Nós, eleitores, estamos naquela situação de “se correr, o bicho pega, se ficar, o bicho come”. Um eventual governo Alckmin seria um governo absolutamente igual ao de Michel Temer, cheio de intenções de querer ser conhecido como o governo que fez o que precisava ser feito em matéria de reformas e modernidade, mas escravo dos políticos pequenos, aproveitadores, irresponsáveis e corruptos. O candidato do PSDB não tem o menor pudor de um dia dizer que ninguém vai mexer na reforma trabalhista e, no dia seguinte, depois do protesto de Paulinho da Força, chamar o cara da barganha e dizer “não foi bem isso o que eu disse”. Sinto-me no meio do caos e sem luz no fim do túnel.

CECILIA CENTURION

ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

‘O diabo’

Valdemar Costa Neto, Paulinho da Força. O que mais falta, Geraldinho/PSDB? E lembrar que foi aquela outra que disse que faria “o diabo” para se eleger... Quanta decepção!

GUTO PACHECO

jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

Dinheiro fácil

A reforma trabalhista não acabou com a contribuição sindical, acabou apenas com a contribuição obrigatória, deixando livre a contribuição espontânea. O fim da obrigatoriedade somente elimina sindicatos pelegos. A reforma trabalhista apenas pôs fim ao dinheiro fácil para sindicalistas vagabundos. Parece que não caiu a ficha de Paulinho da Força (Solidariedade). Talvez porque, para ele, sindicato seja só uma teta para mamar. Será que Alckmin ganha ou perde votos unindo-se a essa gentalha? O meu voto já perdeu.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Sem rumo

Definitivamente, o posicionamento do candidato Alckmin sobre qualquer assunto muda segundo o que julga conveniente aos seus interesses eleitorais. Ficar do lado dos sindicalistas para ganhar alguns minutos na TV, deixando em segundo plano os interesses dos trabalhadores, era o que faltava para ficar claro o seu caráter.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

*

TIRIRICA

Quem acreditou?

A respeito da informação publicada na Coluna do Estadão de 20/7 (PR convence Tiririca a disputar reeleição), cabe perguntar: alguém acreditou na ridícula pantomima do palhaço-deputado de que não iria se candidatar à reeleição? Alguém acredita que este bufão não terá outra colossal votação, capaz de arrastar para a Câmara dos Deputados rêmoras desde já de conluio com o maroto hospedeiro? Alguém acredita que os eleitores do presepeiro têm clara noção de que se trata de um despreparado e o sufragam apenas “para protestar”? Neste país de Macunaíma, se você, meu estimado compatriota, respondeu afirmativamente a alguma dessas questões, confesso que terei dificuldade de acreditar em você.

JOAQUIM QUINTINO FILHO

jqf@terra.com.br

Pirassununga

*

A desistência de Tiririca de desistir da reeleição demonstra bem a podridão de nosso sistema eleitoral. Donos de partidos, como o mensaleiro Valdemar Costa Neto (PR-SP), utilizam-se de palhaços arregimentadores de votos para eleger cupinchas, em sua maioria corruptos. Enquanto não tivermos o voto distrital com recall, modelo adotado nas maiores democracias, que barateia muito o custo do voto e aproxima o representante de seus eleitores, viveremos sempre neste atraso.

J. S. MOREL FILHO

zzmorel@icloud.com

Santos

*

Volte, Tiririca, volte. O Picadeiro Nacional aguarda ansiosamente seu imprescindível retorno.

NIVALDO RIBEIRO SANTOS

nivasan1928@gmail.com

São Paulo

*

CONGRESSO NACIONAL

Sem moral

Estamos pagando um preço muito alto pelos erros da maioria de nossos parlamentares, infelizmente sem moral, fisiológicos, corruptos e irresponsáveis. O editorial Congresso desmoralizado (18/7, A3) definiu bem “o grau de desmoralização do Congresso, cujas decisões não são mais reconhecidas como expressão da cidadania, mas apenas como sabotagem grosseira dos esforços para sanear as contas nacionais”. A falta de responsabilidade é tanta que já criaram infindáveis despesas para o próximo governo, que não terá condições de cumpri-las a não ser desrespeitando a Lei de Responsabilidade Fiscal e o contribuinte.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

Cumprimento os nobres parlamentares por planejarem o aumento do seu teto salarial de R$ 33,7 mil para R$ 38 mil, apenas a bagatela de R$ 4.300,00. De onde sairá esse aumento? Fácil de deduzir e prever, pois o atual salário mínimo, de R$ 954,00, passará para R$ 962,50, ou seja, um estrondoso aumento de R$ 8,50. Tamanha economia permitirá e justificará o pretendido novo salário dos nossos pobres deputados e senadores. Acorda, Brasil!

VITTORIO RICCITELLI 

luis@artenafex.com.br

São Paulo

*

Salários de juízes e parlamentares deveriam ser regulados conforme variação do PIB e do IDH do País! Aí pensariam duas vezes antes de fazerem demagogia e votarem inconsequências.

PEDRO M. PICCOLI

piccoli@pmp7.com

Curitiba

*

SAÚDE

Vacinação

Ao ler o excelente editorial Uma ode à estupidez (21/7, A3), lembrei-me da frase atribuída a Roberto Campos: “A burrice no Brasil tem um passado glorioso e um futuro promissor”. É incrível que ainda hoje exista tanta gente que duvide dos benefícios da vacinação. 

MARCOS CANDAU

ccarvalhocandau@gmail.com

São Paulo

*

“Parece que Alckmin está tentado a vender a alma ao diabo ao se mostrar favorável a rever a reforma trabalhista. A baixa politicagem, pelo visto, seduziu o candidato”

ULF HERMANN MONDL / SÃO JOSÉ (SC), SOBRE O ACERTO DE GERALDO ALCKMIN COM OS PARTIDOS DO ‘CENTRÃO’

hermannxx@yahoo.com.br

*

“E eu achava que só Dilma Rousseff faria ‘o diabo’ para ganhar a eleição...”

MOISES GOLDSTEIN / SÃO PAULO, IDEM

mgoldstein@bol.com.br

*

ALCKMIN

Pouco a pouco Geraldo Alckmin vai tomando a sopa quente pelas beiradas. Sua experiência, capacidade de administrar, os resultados de governo no Estado de São Paulo, seu conhecimento obtido por ter sido candidato ao Planalto em 2006, assim como seu perfil equilibrado e contrastante com o de Ciro Gomes, foram decisivos para obter o apoio do Centrão. Tudo indica que, apesar de ser um pouco prematura qualquer avaliação, o ex-governador de São Paulo chegará ao segundo turno nas próximas eleições presidenciais. O paulista de Pindamonhangaba fará as reformas necessárias para que o País saia do atoleiro em que se encontra. Qualquer preço que seja pago ao Centrão trará ao povo o consequente retorno de desenvolvimento econômico, social e ambiental.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CENTRÃO

Foi importante a cúpula do Centrão decidir apoiar Geraldo Alckmin. Trata-se de um candidato ponderado, equilibrado, preparado e experiente para disputar a Presidência da República. Diferentemente do presidenciável Ciro Gomes, candidato explosivo, de declarações polêmica e xingamentos infelizes. Alckmin inspira confiança para dar continuidade aos avanços significativos do governo Michel Temer, fazendo as reformas da Previdência, tributária, aperfeiçoar a trabalhista, gerar mais empregos, melhorar a segurança, educação e saúde, além de implementar o plano de privatização. Com ele é possível tornar o País melhor e mais justo.

José Wilson de Lima Costa wlcosta@bol.com.br 

São Paulo

*

‘FALA MUITO’

Esse termo, “fala muito”, proferido por certo profissional a outro, em um clássico do futebol paulista, cai como luva ao pré-candidato do PDT. Emudecer é ruim, falar demais é péssimo. Ciro Gomes é um cidadão destemperado, que adora estar na crista da onda, gosta de aparecer, criar slogans, agredir, polemizar, mas quase sempre tropeça na própria língua. Caro candidato, você não notou, mas seu tempo passou, baixe o facho, aquiete-se!

José Perin Garcia jperin@uol.com.br

Santo André

*

MÁRCIO FRANÇA

França admite candidatura própria do PSB à Presidência nas eleições 2018. A preocupação de sempre e de todo político profissional: os meus interesses antes de tudo e de todos.

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br 

São Caetano do Sul

*

BOLSONARO

Desde o mês de abril de 2017 até hoje tentei encontrar um motivo para não votar em Jair Messias Bolsonaro. Confesso que não encontrei. Vi o ex-presidente FHC dizer que tem medo de ele se eleger presidente. Vi o ex-presidente Lula dizer que ele vai destruir todo o seu legado. Vi Ciro Gomes dizer que ele é um perigo. Vi Renan dizer que ele é um político em quem não se pode confiar. Li reportagens tendenciosas, no meu modo de ver, na Folha de São Paulo, no Datafolha, em revistas como a IstoÉ, Veja, TV Globo, Globo News. Agora, vendo acontecer essas alianças entre a maioria dos partidos (Centrão e seus puxadinhos) com o objetivo de dar continuidade ao podre poder da República, cheguei à conclusão que Jair Bolsonaro é a salvação do Brasil.

Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

COLIGAÇÕES PARTIDÁRIAS

Quanto mais as eleições se aproximam, mais prostituídas são as coligações. Em busca demais alguns minutos no horário político gratuito, presidenciáveis prometem ministérios, secretarias e/ou diretoria de empresas públicas, se necessário, até a própria mãe oferecem. Presidir e dirigir a coisa pública objetivando manusear verbas das diversas pastas do governo é o maior sonho da bandidagem do Congresso brasileiro.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

POLÍTICOS

Eu não confiaria em políticos apenas eleitos por um povo desinformado, a me dar um conselho, quanto mais votar leis. Fora alguns que são advogados, eu duvido que tenham capacidade intelectual para formular leis. Ainda por cima são quase todos bandidos, a julgar pelos noticiários.

Carlos A Borges borges.ca@gmail.com

Rio de Janeiro

*

EM NOSSAS MÃOS

Infelizmente, com o atual formato de coalização, os candidatos estão suscetíveis aos caciques corruptos dos grandes partidos para tentar se eleger. De novo, a única possibilidade de mudança é não lhes dar novo mandato e acabar com esta chantagem contra o Brasil nas próximas eleições. Está em nossas mãos...

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

VOTA CERTO

Parafraseando Jorge Ben Jor, vivemos num país tropical abençoado por Deus e amaldiçoado pelos políticos. Vota certo, Brasil!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CONGRESSO DESALMADO

Parabéns ao “Estadão” pelo editorial “Congresso desmoralizado” (18/7, A3). Definitivamente os 81 senadores e 513 deputados se lixam para a gravidade das contas públicas! Negam-se covardemente a votar projetos essenciais para o País, como da reforma da Previdência! Mas, sabe Deus por que, e, em que condições, se prestam a oferecer benefícios horrendos ao setor ruralista, às empresas transportadoras que criminosamente com a greve de maio infernizaram a Nação e derrubaram verticalmente o crescimento do PIB, deste ano! E ainda, favoreceram os grandes sonegadores, criando o Refis, quase zerando juros e multas. Literalmente, um Congresso desmoralizado e desalmado!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PROMISCUIDADE GENERALIZADA

A classe política, além dos esquemas de corrupção em que roubam dinheiro do governo, também é pega em flagrante gastando dinheiro público em bordéis. E não são raros tais comportamentos. Recente pesquisa na China indica que as prostitutas são mais confiáveis que os políticos. É óbvio que se esta pesquisa fosse feita no Brasil daria o mesmo resultado, considerando o caráter licencioso de nossa classe política. A inesperada importância das prostitutas na lista de honra é sem dúvida algo muito raro além de surpreendente e constrangedor. E tem na sua lista de promíscuos altas autoridades do país não escapando nem os presidentes da República.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

NÃO É FAKE NEWS

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), protocolou no Ministério Publico de Goiás, representação contra o promotor Fernando Krebs, por injuria, difamação só porque este se referiu ao ministro como “o maior laxante do Brasil”. Já pensou se o Judiciário dá razão ao nobre promotor? Retrospecto é o que não falta. Muda Brasil!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

PROCESSO

Se ministro se preocupa com a opinião dos outros, deveria fazer uma reflexão das atitudes.

Moisés Goldstein mg2448@icloud.com

São Paulo

*

OAB

Em uma época de tantas asnices e modismos idiotas fez muito bem a OAB em negar registro a um escritório de advocacia para registrar-se como “sociedade de advogadas e advogados”. Em sua justificativa a Ordem declarou que na língua portuguesa o plural de advogado é advogados, sendo desnecessário complementar com advogadas, quando houver mulheres. Parabéns à OAB por essa aula de civilidade e de respeito ao idioma pátrio.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br 

Campinas

*

QUADRILHA DA TAMPA

O prefeito Bruno Covas deveria pedir uma investigação policial sobre o sumiço das tampas de galerias de águas pluviais – mais precisamente do centro de São Paulo. Uma quadrilha está roubando todas as tampas de ferro. Em calçadões inteiros como José Bonifácio, 24 de Maio e Barão de Itapetininga as peças foram furtadas, dificultando a passagem do pedestre e causando danos ambientais à cidade. A polícia não terá dificuldades de chegar ao paradeiro das coberturas.

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com 

São Paulo

*

‘PLASTIFICADOS’

Brasileiros são campeões de operações plásticas por vaidade! Há um número muito grande de pessoas que precisam fazer operações plásticas. Por graves problemas de inúmeras causas muitas pessoas não têm condições de fazê-las. Outras, em maior número, com dinheiro sobrando e vaidade transbordando, fazem caríssimas e desnecessárias operações plásticas por motivo fútil. É tanta gente que sobra clientes para falsos médicos e charlatães de toda espécie. Há muitos “doutores Bumbum” por aí! Quando a cabecinha só tem idiotice, só o corpo importa.

Paulo Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

SEM LEIS

A Rodovia dos Bandeirantes virou uma rodovia sem leis. Infelizmente todos os dias pego a rodovia dos Bandeirantes e a cada dia me deparo com situações perigosas. Carros passando pelo acostamento no final da Bandeirantes próximo a chegada a São Paulo; ônibus e caminhões na faixa da esquerda com velocidade muito acima do permitido; ultrapassagens pela direita e uma série de situações perigosas... Tudo consequência da falta de educação do povo brasileiro que se reflete no transito e também consequência da falta de fiscalização e posterior punição. Vivemos em um país chamado Brasil, mas que poderia ser chamado de terra de ninguém. A rodovia é muito boa, mas não tem nenhuma fiscalização. Um absurdo!

Frederico Barreto fredmpb@bol.com.br 

São Paulo

*

CAUSAS PROFUNDAS DA VIOLÊNCIA

A violência urbana no Rio de Janeiro e no Brasil como um todo tem causas tão antigas e complexas que o atual interventor de segurança reconhece, após cinco meses de atuação das tropas no Estado, existir grande dificuldade para a implantação de medidas para solução de tais vulnerabilidades. Urge assim, que lideranças de todos os escalões se unam, no sentido de criar ações factíveis e democráticas no estancamento dessa mazela social, que tanto entrava o desenvolvimento sustentado do País.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

O RACISMO ISRAELENSE

Israel, um país cedido ao povo judeu, que se diz a maior vítima do nazismo racista, acaba de aprovar uma lei racista: a supremacia judaica sobre os demais povos árabes-israelenses. Esse retorno aos princípios nazistas de Israel talvez explique essa guinada, que a população perplexa assiste para a ultradireita. Agudiza-se uma luta de classe e de raça. Nos EUA, supremacistas brancos elegem Trump, uma ameaça para o mundo. Na Europa também cresce o número de supremacistas. No Brasil, uma supremacia branca, muitos emigrantes europeus de guerras mundiais racistas apoiam a subversão de leis e justiça, não admitindo políticas sociais, que beneficiem negros e pobres.

Antonio Negrão de Sá negraosa1@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

ISRAEL REPETE A ÁFRICA DO SUL DO APARTHEID

Não vejo diferença entre o Estado de Israel de 2018 e a odiosa África do Sul dos sombrios tempos do Apartheid. Em ambos temos a mesma segregação, violência, abuso da força, violação dos direitos humanos, opressão, desrespeito ao direito internacional e às Resoluções da ONU, em claro crime contra a humanidade. O Estado de Israel fez 70 anos e cada vez mais reforça a opressão contra o pobre povo palestino. Basta ver que o grande aliado de Israel é um canalha abjeto como Donald Trump. Já passou da hora de a Comunidade Internacional reagir, boicotar o governo fascista e belicista de extrema direita de Israel e dar um basta em tamanhas injustiça e ignomínia.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br 

São Paulo

*

CENTENÁRIO DE ANTONIO CANDIDO

É mais que emblemático que neste mês de julho, em que se comemora o centenário de Antonio Candido, tenha sido promulgada a Política Nacional de Leitura e Escrita (PNLE), marco normativo inédito para a formação de leitores. O grande mestre prelecionava que a literatura é uma necessidade universal, desde as sociedades mais primitivas até as mais avançadas, sendo, na contundente expressão de sua lavra, uma “brutalidade social” fazer com que uma pessoa cresça e viva sem ter capacidade de ler os grandes autores. Contudo, o direito de acesso à literatura é necessariamente precedido pelo direito de saber ler e escrever, pois obviamente aquele inexiste sem esse. Creio que Antonio Candido, neste 24 de julho que se aproxima, também data de nascimento de outro gigante literário brasileiro, Guilherme de Almeida, não poderia desejar melhor presente que o PNLE para os brasileiros das camadas sociais mais humildes com dificuldades crônicas para alçarem patamares de educação e cultura mais elevados.

José D'Amico Bauab josedb02@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.