Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

26 Julho 2018 | 03h00

ELEIÇÕES 2018

A carga de Ciro Gomes

Ciro Gomes, candidato do PDT à Presidência da República, com sua costumeira polifonia verborrágica, afirmou em recente entrevista que sua chegada ao poder constitui a única chance de Lula ser solto da prisão. Para isso, adiantou que, se eleito, vai “organizar a carga” para colocar de novo “na caixinha” juízes e o Ministério Público e “restaurar a autoridade do poder político”. É possível que tais manifestações impensadas tenham sido motivadas por seu desejo secreto de que o condenado do qual agora se diz aliado e admirador permaneça fora do páreo ou, quem sabe, pelo fracasso ao costurar alianças que catapultem sua campanha, o que o obrigou a agarrar-se ao cipó da esquerda petista. Só num destes contextos (um, pragmático, outro, retaliatório e emocional) será possível relevar a sua extrema irresponsabilidade ao ameaçar a integridade do sistema legal do País que almeja governar.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

Juiz ‘na caixinha’

É melhor que Ciro esclareça aos brasileiros o real sentido do que disse no programa Resenha, da TV Difusora, no Maranhão, no dia 16: que, caso eleito, vai pôr juiz “na caixinha” e tirar Lula da prisão. Mesmo que seja uma jogada de marketing político, ela ofende de norte a sul todos os brasileiros que querem um país democrático, com os Três Poderes independentes.

JOSÉ MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

Recentemente, as declarações de dois postulantes ao cargo de presidente da República causaram perplexidade: Jair Bolsonaro quer aumentar o número de ministros do STF (técnica já usada pela ditadura com o intuito de fazer valer os interesses dos militares na Suprema Corte) e o candidato do PDT disse que Lula só terá chance de sair da cadeia se ele (Ciro Gomes) for eleito. Tais afirmações revelam o caráter autoritário dos dois concorrentes, que tanto na extrema direita quanto na esquerda desejam investir suas armas contra o sistema de Justiça – prática recorrente entre ditadores e golpistas. Pelo que se depreende dessas intenções, creio que o Judiciário, o Ministério Público e até a Polícia Federal possam ter a sua autonomia funcional e a imparcialidade de suas ações ameaçadas e postas em risco. Os extremismos geram graves danos às instituições e prejuízos imensuráveis à democracia!

THIESER FARIAS

thieserfarias94@yahoo.com.br

Santa Maria (RS)

O bom do processo eleitoral brasileiro é a possibilidade de um “candidato” se perder nas suas cândidas opiniões. Assusta o ex-governador Geraldo Alckmin declarar num dia ser contrário à cobrança obrigatória do imposto sindical e voltar atrás no dia seguinte. Mas pior do que isso é ouvir Ciro Gomes dizendo que, se eleito, vai pôr juiz e o Ministério Público “na caixinha” e libertar o chefe da quadrilha. Acho que elle acaba de dar um tiro não apenas num pé, mas nos dois! Pelo desprezo que ele mostra ter pelas instituições e, especificamente, pelo Judiciário, a cabeça de Ciro é como a dos coronéis que acham que ainda podem mandar soltar ou mandar prender. Aliás, talvez ele até possa fazer isso no Estado onde sua família domina a política, o Ceará, mas jamais o fará fora de lá.

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

Creio que a herança dos coronéis continua viva, bem viva. O candidato manifestar-se abertamente pelo encolhimento das instituições da Justiça, como no passado, de forma a restaurar o “poder político”, é querer manter a continuidade do Brasil sem futuro, com organizações ineficazes, ineficientes e corruptas e educação, saúde, segurança e saneamento precários.

DARCY ANDRADE DE ALMEIDA

dalmeida1@uol.com.br 

São Paulo

Na condição de eleitor, quero informar ao candidato Ciro Gomes que no Brasil o sistema vigente é o republicano, composto por Três Poderes autônomos e harmônicos. Declarações de invasão de poder para ganhar votos dos simpatizantes de outros partidos é pôr em dúvida nossa capacidade de compreender a estrutura do Estado. Aliás, seu destempero verbal e comportamental é uma das razões para evitá-lo na hora do voto. Precisamos de um presidente equilibrado e centrado no Estado Democrático. De candidatos parlapatões já estamos cheios.

HONYLDO R. PEREIRA PINTO

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

Em O alienista, Machado de Assis chega à conclusão de que na Casa Verde, um manicômio, se a maioria dos internos apresentava desvios de personalidade e não tinha um comportamento-padrão, então loucos deveriam ser os que tinham firmeza de caráter e um comportamento regular. Ao ler a reportagem Ciro fala em pôr Judiciário na ‘caixinha’ e soltar Lula, imediatamente nos ocorre que todos nós estamos loucos e que “eles” estão certos, já que o Brasil virou uma imensa Itaguaí! Estratégia de marketing sorrateira de um pensador simplório: se Lula está em 1.º lugar nas pesquisas de intenção de voto, seu eleitorado ficará feliz com o meu arremedo libertário. É como disse Fernão Lara Mesquita em artigo no Estado (25/7, A2): “O Brasil está sonhando com uma ressurreição moral que sabe que não virá”.

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@gmail.com

São Paulo

“Lula só sai da prisão se a gente assumir o poder” é a nova apelação de Ciro Gomes para conquistar os renitentes apoiadores do ex-presidente e melhorar o seu pífio desempenho nas pesquisas eleitorais. Como existe muito mais gente querendo Lula na prisão do que desejando vê-lo solto, este é o mais novo tiro no pé do candidato do PDT.

LUIZ RAPIO

lrapio@yahoo.com.br

Rio de Janeiro 

Além de aloprado, Ciro quer ser esperto. Dizer que Lula só sai da prisão se ele for eleito – ou se a Justiça entrar na “caixinha” – é de uma insensatez e esperteza dignas de elogio. De um lado, insinua que a Justiça pode ser corrupta; de outro, tenta capitalizar os votos do PT ao colocar-se como libertador do ex-presidente. E com essa excentricidade o homem pretende governar o País!

ÉDEN A. SANTOS

edensantos@uol.com.br

São Paulo

Sem dúvida, a tentativa baixa de Ciro é arregimentar os eleitores do PT. Se os brasileiros votarem nele com essa motivação, o Brasil será motivo de pena no resto do mundo. E estaremos a caminho definitivo do retrocesso!

LUIZ AUGUSTO CASSEB NAHUZ

luiz.nahuz@gmail.com

São Paulo

CIRO GOMES: CANDIDATO AO OSTRACISMO

O pré-candidato nas eleições de 2018, Ciro Gomes, presta - querendo ou sem querer - uma grande ajuda aos eleitores na hora da escolha daquele que deve presidir o País pelos próximos quatro anos. Com uma verborragia que lembra a de seu ídolo Lula, o candidato do PDT, declarou em entrevista a uma TV do Maranhão que, Lula só será libertado se ele, Ciro, for eleito: "Só tem chance de sair da cadeia, se a gente assumir o poder, se cooptar juízes e o próprio Ministério Público (MP) colocando ambos na caixinha, restaurando a autoridade do poder político". Diante de tanta sinceridade ou sincericídio, o candidato a ditador e à Presidência da República oferece uma boa contribuição mostrando aos eleitores em quem não votar nas próximas eleições. 

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br 

São Paulo

*

DISCURSO SUPERADO

Num momento de grave instabilidade política, econômica com grandes conflitos entre os poderes, o País não vem encontrando um candidato preparado e com o equilíbrio necessário para nos tirar dessa derrocada ética e moral. Eis que se apresenta Ciro Gomes, um destemperado, boquirroto e impregnado de maus sentimentos e posturas atrasadas, pregando ser de esquerda quando na verdade trata-se de um péssimo político com todos os defeitos tradicionais conhecidos, além da prepotência irresponsável. Coloca-se com a última e melhor opção para um governo populista em que busca nos estertores do petismo falido e imoral que nos trouxe ao status quo presente, sua carona ao maior posto da República. Trata-se de um desequilibrado profissional, despreparado, arrogante e uma ameaça terrível num momento tão crucial à arruinada Pátria brasileira. Ciro, seu discurso é rançoso, falso, indecoroso, inconsistente e superado. Poupe-nos e Vade retro!

João Batista Pazinato Neto pazinato51@hotmail.com

Barueri

*

CADA LOUCO EM SUA CAIXINHA

Para se eleger presidente da República vale tudo? Manchete do "Estadão" (25/7) não deixa dúvidas. Para atrair o eleitorado do PT, o candidato Ciro Gomes prometeu soltar Lula e pôr Judiciário na "caixinha": "Só tem chance de sair da cadeia se a gente assumir o poder e organizar a carga. Botar juiz para voltar para a caixinha dele, botar Ministério Público para voltar para a caixinha dele e restaurar a autoridade do poder político". Inacreditável! Cabe a nós, eleitores, botar candidatos demagogos e paranoicos na caixinha de força que merecem.

Paulo Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre 

*

NEM O DIABO NEM O PT

O presidenciável Ciro Gomes demonstra, indubitavelmente, uma qualidade ímpar: é capaz de vender a própria alma ao diabo em troca dos votos do PT. O único porém é que a fala dele sobre a soltura de Lula e as tais "caixinhas" é tão estapafúrdia e inverossímil que nem o diabo e nem mesmo o PT vão cair nessa!

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

CIRO FAZENDO O DIABO

Como pré-candidato ao Planalto, Ciro Gomes também está fazendo o diabo para se eleger. Atira para todos os lados. Lá atrás, disse que propor indulto à Lula era loucura. Percebendo que não fez sucesso, mudou de tática. Disse que só se for eleito, Lula terá condições de sair da cadeia, dentre outras barbaridade, como colocar os juízes e o Ministério Público de volta na "caixinha". De fato ele está fazendo o "diabo" e precisa ser exorcizado, pois se depender de voto consciente, mais uma vez, ficará vendo "navios"! 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

O DEMAGOGO

O falastrão Ciro Gomes, como forma de angariar simpatia e atrair votos da esquerda, promete, caso eleito, colocar o Judiciário na caixinha e libertar Lula. É preciso informar a Ciro Gomes que no Brasil ainda existem Três Poderes independentes e harmônicos e que o Presidente da República não tem poder para libertar um condenado cumprindo pena com uma simples canetada. Falar essas asneiras é demagogia pura!

José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

JUSTIÇA NA 'CAIXINHA'?

Será que entendi? Quer dizer que os processos, dos quais cuido, podem estar tramitando com "caixinha"? Se for assim, justificaria que sentenças proferidas ultimamente tenham decidido, à escâncara, na contramão das leis. 

Carlos Arthur Christmann lavinox@terra.com.br

Itu

*

AUDÁCIA DE CIRO GOMES

Audácia ou cara de pau, o candidato Ciro Gomes, do PDT, diz que Lula só tem chance de sair da cadeia se ele, Ciro, assumir o poder e "organizar a carga". Na realidade, esse candidato, que vive pulando de galho em galho, uma vez que já passou por quase todos os partidos políticos brasileiros, objetiva mesmo é alcançar os eleitores de Lula, os famigerados bolsistas e, para tanto, diz que porá o Judiciário "na caixinha e restaurará a autoridade do poder político". Como sempre, ele não passa de um falastrão aventureiro.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

CIRO NÃO É PAU MANDADO 

Palavras duras e necessárias do candidato à Presidência da República, Ciro Gomes (PDT), sobre Lula e o Judiciário brasileiro no "Estadão" (25/7, A4). Um merecido e bem dado tapa na cara de setores hipócritas da Justiça. Não é à toa que seletos grupos da elite temem Ciro. Porque muitos sentem medo do ex-governador do Ceará? Justamente por não ser pau-mandado de ninguém e não comer pelas mãos dos outros. Por exemplo, Bolsonaro critica Temer, mas é super fiel ao grande chefe.

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com

São Paulo 

*

CANDIDATO

Pense nisto: Bolsonaro não chegaria a general por competência e agora quer ser presidente... Chefe das Forças Armadas...

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo 

*

DIA DO VOLTO

Com a promessa de campanha do candidato Ciro Gomes (PDT) de que, se eleito, tirará Lula da Silva da prisão, o ex-presidente, que levou o País à grande ruína econômica, tentando imitar Dom Pedro I com o "dia do fico", criará, então, o "dia do volto". Já marcou até a data de comemoração: 30 de fevereiro de 2019.

Benone Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo 

*

SAIO

Antes do fico, tem o quando saio? 

Moisés Goldstein mg2448@icloud.com

São Paulo 

*

RETORNO CERTO!

Esse jornal, no seu sítio BR18, publicou que a reeleição da "mulher sapiens" custou, em valores já atualizados, o montante de R$ 438 milhões (!). Tendo um mandato presidencial a duração de 48 meses, cada mês de exercício deveria ter o retorno de algo mais que R$ 9 milhões para o ressarcimento do investimento! Nem a velhinha de Taubaté, bem como o grupo que a apoiou, por óbvio não acreditavam que esse retorno viesse do salário presidencial, a despeito das várias mordomias, mas das vantagens que o petrolão e a Lava Jato estão escancarando. Ou será que estarei maldosamente enganada e todo o investimento se deu única e exclusivamente por puro patriotismo e desejo de fazer o Brasil feliz? Foi ou não foi, eis a questão! 

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém

*

É LULA OU LULA

Lula não pode abdicar em hipótese alguma de sua candidatura, não necessariamente precisa acontecer em 2018. Sua prisão por perseguição política da reação, dos golpistas e dos fascistas ficará, na medida em que o tempo passa, cada vez mais clara e consciente para a maioria da população. Lula não tem o tempo de Mandela, 27 anos de prisão, mas não precisa, a direita e os golpistas perderam o rumo com a resistência de Lula e não sabem o que fazer vencendo a eleição. De um lado, um candidato de ultradireita - um Trump à brasileira - e de outro, o retorno do neoliberalismo fracassado, corrupto, sem credibilidade. Nos dois casos, o apoio à Lula crescerá na prisão. Nesse quadro atual, Lula não pode arriscar seu patrimônio, jamais conquistado por outro brasileiro, numa arriscada aliança, seja de centro, de esquerda sem voto ou do próprio PT. 

Antonio Negrão de Sá negraosa1@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

A ESCOLHA DIFÍCIL

Está muito difícil fazer a escolha de quem será o futuro presidente, mas precisamos tentar. Estamos cercados de políticos que falharam ou mentiram e que não podemos apoiar. Lula falhou ao não perceber que devia aproveitar a chance histórica dos bons tempos para preparar o Brasil melhor para o futuro e aumentou muito a corrupção. Dilma errou tudo, inclusive a gramática, e mentiu sobre a situação desastrosa que criou. O PSDB administra o Estado e a Cidade de São Paulo há décadas e nosso ensino, logística, segurança, saúde são uma vergonha. A única figura pública que sempre agiu de forma correta e eficiente, sem medo de dizer as coisas necessárias mesmo que contrária à vontade popular é Meirelles. Presidente do Banco Central no governo Lula, não se sujou com o ataque ao dinheiro público e, sabiamente, acumulou reservas cambiais que nos protegem agora de grandes desastres. Ministro da Fazenda no governo Temer, batalhou para recolocar o Brasil nos trilhos defendendo a reforma previdenciária, a contenção dos recursos públicos que estão sendo entregues às corporações que nos estrangulam, e nomeando para os postos chave pessoas competentes e corretas. Temos que apoiá-lo e torcer para que consiga ir ao segundo turno e tomar as rédeas de nosso País que está precisando de alguém que, finalmente, nos fale a verdade.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

A CONFIANÇA EM ALCKMIN

Quem estende a mão e se submete aos apoios e condições de Paulinho da Força (SD-SP), do ex-presidiário Waldemar da Costa Neto (PR-SP) e de outros mais parece que resolveu deixar de lado a linha de conduta que sempre manteve. Não faz questão que nele confiem, mas quer votos. A sua moeda passou a ser o voto, a qualquer custo, mesmo que este custe mudar de opinião e de posições antes assumida, inclusive as de seu PSDB. Perdeu muito, e milhares de votos vão para outros candidatos ou para o lixo das urnas.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

CONTRIBUIÇÃO OBRIGATÓRIA

Mesmo após Alckmin ter declarado, na última segunda-feira, durante o programa "Roda Viva" (23/7) que em seu governo não apoiará em hipótese alguma a volta do imposto sindical obrigatório, e que isto já tenha sido publicado pela mídia, os leitores do "Fórum dos Leitores" continuam a lhe imputar este fato. Talvez porque a real intenção seja somente a de abalar sua candidatura. A militância adversária está ficando muito óbvia! 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

AO CONTRÁRIO

Ao pessoal que, neste fórum, vem afrontando o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) por ele ter feito acordo com o Centrão, gostaria de dizer, respeitosamente, que, com ou sem Centrão, devemos agradecer aos céus o fato de tê-lo como candidato para votar. 

Euclides Rossignoli clidesrossi@gmail.com

Bauru 

*

SINA DE BRASILEIRO

Minha arma é o voto, mas eu não sei o que fazer com ele, talvez atire em mim mesmo por absoluta falta de opção. O ambiente das coligações políticas anda tão insalubre, que caminha para a formação do PTL, o "Partidão de Todas as Letras", unificado, forte, com uma única cláusula de barreira: candidato ruim não sai e candidato bom não entra.

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ) 

*

POLÍTICOS EM FOCO

Impressionante como grande parte dos candidatos veteranos aos cargos majoritários e proporcionais do País tem algo nos seus passados que maculem as suas biografias. Não é por acaso a descrença do eleitorado nacional quanto aos políticos tradicionais, que anseia por novos e imaculados nomes, para que se apresente a ditos cargos que serão preenchidos nas eleições próximas.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro 

*

VOTO DISTRITAL PURO?

Cada vez que publica um artigo, o sempre brilhante Fernão Lara Mesquita (25/7, A2) menciona como única via política, para sair da podridão dominante, o voto distrital puro. Seria mais produtivo indicar também como viabilizar esta saída. Quero esta modificação, mas ela não é visível no atual sistema eleitoral. Esclareçam, por amor ao Brasil!

Inês Levis ineslevis@hotmail.com

Jundiaí 

*

'O BARONATO DAS CASTAS QUE A NAÇÃO SUSTENTA'

Em seu magistral artigo "O baronato das castas que a Nação sustenta" (25/7, A2) José Nêumanne traduz exatamente o que sentíamos quando da promulgação da Carta Magna. Uma panaceia universal dos problemas nacionais e nosso parco conhecimento político nos impedia de ver claramente a divisão do Brasil em duas metades distintas e antagônicas: uma que produz, mas é mantida à parte dos bens obtidos pelo seu trabalho e outra, parasita, que se apropria indebitamente desses bens. Assim, foi de extrema importância a iniciativa do "Estadão" em nos presentear com a série "Eleições 2018". Os donos do Congresso, que nos alerta para a triste realidade em que vivemos, de termos de respeitar uma Constituição que não nos respeita. "Nada podemos fazer nós outros que pagamos as contas" é uma sentença de morte, para dormirmos indignados e acordarmos omissos, ou ficarmos deitados eternamente em berço outrora esplêndido? O dedo foi colocado na ferida; cabe a todos nós, agora, nos unirmos para produzir o (s) remédio (s) que curem esse mal.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@gmail.com

São Paulo 

*

PASÁRGADA

Lendo o artigo de José Nêumanne (25/7, A2) fica transparente nosso atual e triste modelo constitucional. Talvez, também queiram cercar a Praça dos Três Poderes com muralhas para proteger os que vivem no mundo da fantasia. 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo 

*

E QUE TREMAM TODOS!

Amanhecer com a dobradinha mais vertical do jornalismo brasileiro - José Nêumanne e Fernão Lara Mesquita - não deve ser nada fácil para a turma do colarinho branco de plantão. Afinal, o sujeito tem lá as suas cinco assinaturas de jornais batendo a sua porta, mais a do "Estadão" deve doer e muito. Aliás, assim como deve doer e muito a tal da liberdade de expressão tão empregada pela dupla. Um prato cheio para quem quer ouvir a verdade e não o "mimimi". Se a assinatura do "Estado" é preço de pinga, o conteúdo não tem preço, sobretudo quando servido na bandeja cérebros de livre pensamento (obrigado!). Obviamente não é para qualquer um tamanha empresa e coragem. Doa a quem doer, democracia de verdade e com todos os dentes coloca sempre os "pingos nos is". Salve o jornal mais democrático da praça, e que tremam todos os colarinhos brancos de coletes a prova de bala que mal escrevem uma linha sem precisar de apoio.

Leandro Ferreira ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

São Paulo 

*

SECOVI/FIESP

O medo, muito bem noticiado por Romeu Chapchap em "O Brasil, o medo e as Marias Antonietas" "24/7, A2) advém do golpe perpetrado pela Fiesp, Avenida Paulista e aliados. Retraiu a economia, diminuiu a arrecadação... Como em 1964, os golpistas moralistas da Avenida Paulista atrasam o País. Quem vai pagar o pato? Pergunte à Fiesp.

Sérgio Luiz Zandoná zandona.advogado@uol.com.br 

Calcavel (PR)

*

'CARTÓRIOS, UMA DAS JABUTICABAS NACIONAIS'

A excelência dos serviços prestados e a segurança jurídica proporcionada pelos Cartórios extrajudicial, fez com que não houvesse nenhum comentário do atento e selecionado leitor do "Estadão". Os titulares dos cartórios que atingiram essa condição após passar por um dos mais difíceis e concorridos concursos públicos são os maiores contribuintes do Imposto de Renda na pessoa Física.

Durval dos Santos tabds@ig.com.br 

São Paulo 

*

DR. BUMBUM

Dr. Bumbum oferecia procedimentos estéticos no Palácio do Planalto. Isto pode explicar em parte, a verborragia de uma ex-inquilina do Palácio do Planalto. Qualquer semelhança com a realidade deve ser apenas coincidência...

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br 

São Caetano do Sul

*

GUERRA INTERNA DO PCC

A matéria (25/7, A12) mostra a selvageria da guerra sem quartel sem prisioneiros, ferida nos confrontos entre facções criminosas organizadas. No caso do foragido os 70 tiros mostram, que o alvo devia ter uma morte bem matada. Para resolver tal tipo de problema pelas forças policiais, não serão políticas de "direitos humanos de bandidos" e marchas pela paz, que resolverão alguma coisa.

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br 

São José (SC)

*

NICARÁGUA

Após mais uma tragédia, ainda não houve nenhum "petralha" dizendo que na Nicarágua também há excesso de democracia.

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br 

São Paulo 

*

PROFUNDO

Maduro gosta de comparar a direção de seu país com a de um ônibus. Jô Soares nos relata sobre um neto que dizia que morrer dormindo como seu avô era muito melhor do que gritando desesperadamente como os quarenta passageiros do ônibus que ele dirigia. Infelizmente é o que está acontecendo com a Venezuela. E, apesar da gritaria, Maduro se recusa a despertar. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo 

*

FUTEBOL

O futebol aliena o povo brasileiro faz tempo. Se os EUA há 100 anos levasse a sério o "soccer", nós não ganharíamos nenhuma Copa e seríamos uma mistura de Venezuela com Áustria. O basquete da NBA com muitos jogadores negros e milhões de dólares em patrocínios que o diga. Já cansou este papo-furado de "país do futebol" e "pátria de chuteiras".

Marcelo Cioti marcelo.cioti@gmail.com

Atibaia

*

CAMPEONATO BRASILEIRO

Não dá mais para ver o desmanche das equipes durante o campeonato nacional de futebol. Não é preciso detalhar o que isso faz aos torcedores e ao próprio campeonato. A CBF deveria proibir venda de jogadores com o campeonato em andamento. Isso é feito no exterior. Por que não aqui?

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br 

Cotia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.