Fórum dos Leitores

-

O Estado de S.Paulo

29 Julho 2018 | 03h00

ELEIÇÕES 2018

O plano B do PT

O coordenador da campanha presidencial do PT, José Sérgio Gabrielli, disse ao Estadão/Broadcast que a candidatura do partido – um nome que substitua Lula – só será rediscutida após decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Não se pode esperar nada de útil e honesto de uma campanha para a Presidência da República que tenha como candidato um condenado em segunda instância, preso e aguardando julgamento em vários outros processos em que é acusado de corrupção. Para completar, o coordenador desta campanha não é ninguém mais, ninguém menos que um dos destruidores da Petrobrás, que ainda está solto porque estamos num país onde o crime, pela impunidade, ainda compensa.

JOSÉ ROBERTO NIERO

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

Poucas ratoeiras

A Lei da Ficha Limpa é clara: políticos considerados fichas-sujas ficam inelegíveis por oito anos. Entretanto, no Brasil, é possível rever isso. O povo brasileiro já está mais do que cansado das falcatruas perpetradas no Judiciário que beneficiam delinquentes. Aqui não existe lei séria, porque quem deveria aplicá-la sempre tem uma desculpa jurídica que burla a lei e beneficia amigos, poderosos e cumpanheiros. Quem dera este país tivesse gente digna com moral suficiente para punir culpados, fazendo-os cumprir integralmente sua pena. Nossas instituições estão desmoralizadas, cheias de homens fracos, coniventes e desprovidos de ética. Este poderia ser um dos maiores países do planeta, mas estamos apequenados pela corrupção, pelo corporativismo e pela falta de caráter nos Três Poderes da República. Precisamos limpar o Brasil dos ratos que habitam os porões de nossas instituições, mas lamentavelmente ainda há muito queijo e poucas ratoeiras.

ELIAS SKAF

eskaf@hotmail.com

São Paulo

Lula candidato na marra

A chance do concerto é nula estando o virtuose em cana, e mesmo assim continuam esticando a corda. Mas a toada saída da rabeca lullopetista soa cada vez mais desafinada, monocórdica, enfadonha e ultrapassada.

A.FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

A ajuda de Ciro

Ciro Gomes, candidato do PDT à Presidência, está mais para dono de picadeiro do que político. Além de patético, agora quer ser mágico. Disse que a única chance de Lula sair da cadeia é se ele (Ciro) for eleito, já que no poder ele colocaria juiz e Ministério Público “na caixinha” deles. Depois disso, é melhor tirar um coelho da cartola, pois a maioria esmagadora dos brasileiros, além de apoiar a Lava Jato, é a favor da prisão do ex-presidente.

EDUARDO FOZ DE MACEDO

efozmacedo@gmail.com

São Paulo

‘Não foi bem assim...’

Ao tentar explicar o inexplicável, Ciro Gomes finalmente voltou para sua “caixinha”, de onde nunca deveria ter saído.

JOSE RUBENS DE M. SOARES 

joserubens@jrmacedoadv.com.br

São Paulo

O perigo real

O cientista político de Harvard Steven Levitsky, em entrevista ao Estado (‘Eleger autoritários é risco à democracia’, 23/7, A6), manifesta o temor de que nas próximas eleições seja escolhido um presidente autoritário que ponha em risco a democracia no Brasil. Crítico de Jair Bolsonaro, ele diz que alterar a Suprema Corte está na “página um” de todos os manuais autoritários por aí. Mal sabe ele que temos mais candidatos “autoritários” por aqui: Fernando Haddad, porta-voz e possível plano B de Lula, anunciou o projeto de governo do PT que inclui “oxigenar os tribunais”. Sem esquecer Ciro Gomes, que reage com agressões a qualquer contrariedade. Mas eles não são a verdadeira ameaça. Ela nasce no Supremo Tribunal Federal (STF), onde ministros invadem competência de outros Poderes e decisões monocráticas e de turma se sobrepõem a decisões do plenário. O STF lembra uma loteria em que, conforme o relator, o País pode poupar ou desperdiçar recursos bilionários e em matéria penal, a roleta da sorte decide prisão ou liberdade para o réu. Esse desregramento é a porta para ruptura da ordem constitucional, que, nos dias de hoje, vem sendo pressionada pelas forças da esquerda. Para ficar num só exemplo: a prisão de Lula provocou atos de resistência às ordens judiciais, ameaças de conflagração social, paralisação de vias, vandalismo e por aí afora, tudo sob o patrocínio do PT e partidos políticos satélites com o apoio de movimentos ditos sociais. Esse é o perigo real.

SERGIO RIDEL 

sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

A formação do Congresso

Para o brasileiro no geral, nesta época o importante é a eleição para os cargos executivos, presidente da República e governadores de Estado, deixando a eleição parlamentar para segundo ou terceiro planos. Se perguntarmos ao cidadão em quem ele vai votar para presidente ou governador, ele logo responderá com fervor. Agora, se a pergunta for sobre seus candidatos para senador e deputados, as respostas serão que não votará em ninguém, ou votará “em qualquer coisa como protesto”, ou que vai anular, votar em branco e por aí vai. O resultado é que temos gerado um Congresso composto de pessoas despreparadas para o exercício da função parlamentar. Quem anula o voto está, na realidade, se anulando; quem vota em qualquer coisa é um assassino em série da democracia; quem vota em branco é um alienado; e quem renuncia ao voto está renunciando à própria democracia. O brasileiro pensa que o presidente da República pode tudo, quando, na realidade, seu poder é relativo e compartilhado. As demandas da sociedade devem ser canalizadas ao Parlamento, e o governo deve ser um executor. Portanto, brasileiros, vamos caprichar na eleição parlamentar.

JOSE J. ROSA

jose.rosa1945@hotmail.com

São Paulo

Renovação

Lendo o artigo Sísifo e o Centrão (27/7, A2), do inteligente e intuitivo Fernando Gabeira, devaneei uns instantes ser articulista do meu querido Estadão. O título do meu texto no dia 7/10, pela manhã, seria 1.644 políticos prestes a perder o emprego. E continuaria: centenas deles jogaram o Brasil na lama, outros tantos não tiveram vontade ou capacidade para impedir a corrupção nem para limpar a política nacional. Temos de aposentá-los, não é mesmo? Eleitor, tudo depende de você. Ao abrirem-se as urnas no fim do dia, poderemos ter 1.644 novas pessoas que vão lutar pelo seu interesse e o de todos os brasileiros. Pense, vote e renove.

SANDRA MARIA GONÇALVES

sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

“Na eleição presidencial deste ano, seria de bom alvitre que o eleitorado expurgasse o ódio de estimação e elegesse alguém que tenha a competência de governar a Nação. É melhor optarmos por uma boa economia do que continuarmos a preferir uma péssima ideologia”

NEY JOSÉ PEREIRA / SÃO PAULO, SOBRE AS ELEIÇÕES 2018

neyjosepereira@yahoo.com.br

*

LAVA JATO E ELEIÇÃO

O juiz Sérgio Moro afirmou que o resultado das eleições de outubro está inserido no que ele chama de “risco de retrocesso” no combate à corrupção. Moro disse que o País precisa de exemplos de “liderança honesta e política mais gerais” para diminuir os incentivos e oportunidades de corrupção. Eu concordo plenamente com as afirmações desse heroico e destemido magistrado que vem dando grandes exemplos de justiça ao nosso País. Creio que só ficou faltando dizer da necessidade comprovada de conduta anticorrupta para os atuais candidatos à Presidência da República. Se isto acontecer, 95%  deles certamente seriam reprovados. Por que não começar desde já?

Benone Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

*

SÉRGIO MORO

É uma vergonha nacional ouvir do juiz Sérgio Moro que a Operação Lava Jato tem risco de sucumbir. A referência foi feita em face da atual politicalha candidata à reeleição. O pior é saber que o País precisa, urgentemente, de “exemplos de lideranças honestas” ou, em outras palavras, “só tem corrupto”. Não à reeleição. Muda, Brasil!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

DESFECHO ELEITORAL

Moro vê desfecho da eleição como ameaça à Operação Lava Jato. Ao invés de desperdiçarem páginas valiosas para esse sujeito dizer asneiras e exercer sua vaidade arrogante e vazia, por que não trazem pessoas que realmente pensam o Brasil?

Luis Fernando Armidoro Rafael luisarmidoro@uol.com.br 

Santo André

*

DECLARAÇÃO DA SEMANA

Segundo o juiz Sérgio Moro, o resultado da eleição pode pôr em risco a Lava Jato. Disse ainda que corremos risco de retrocesso e que o Brasil precisa de lideranças honestas.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES

Cabe ao presidente da República definir os rumos das políticas públicas a serem adotadas durante o seu mandato. No sistema político brasileiro é o principal cargo. É de sua responsabilidade promover o bem-estar do povo. Bem-estar significa qualidade de vida melhor. Veja o quanto é importante um presidente da República em nossas vidas. Saúde, educação, segurança, transporte, habitação, assistência social e lazer, direitos que temos assegurados na Constituição Federal, estão sob a sua responsabilidade. Nada disso vem de graça, vem dos impostos que pagamos. Já erramos muito e estamos vivendo mal há décadas. Já cansamos de ver recursos públicos desviados de suas finalidades, principalmente para o bolso de políticos desonestos e, para o bem-estar da sociedade, fica a sobra. Estamos às vésperas de uma eleição e precisamos valorizar o nosso voto. Não podemos cair no conto do discurso. Todos os candidatos dirão que estão aptos a ocupar o cargo em disputa, mas cabe a nós eleitores, investigar a vida de cada um, para que possamos creditar o nosso voto ao melhor. Votemos com seriedade. É a única maneira de conseguirmos o Brasil que queremos.

Jeovah Batista jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

VICE-PRESIDENTE

A situação política do País está de tal forma desgastada, deteriorada e desprestigiada que, às vésperas das eleições, não se consegue encontrar candidatos a vice-presidente da República das principais candidaturas. A que ponto chegamos?

J.S. Decol decoljs@gmail.com  

São Paulo

*

VICE DIFÍCIL

Com candidatos sem apelo popular fica mesmo difícil achar um vice. Vice não dá nem foto na parede!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

JOSUÉ ALENCAR

Josué Christiano, vulgo Alencar, deveria ser o vice do... Lulinha. Reproduzindo assim a tragédia patriarcal como farsa filial. Lulinha para presidente (PT-SP) no lugar do papai Lula e Josué Christiano (PR-MG) para o lugar do papai José Alencar. Trata-se da “re-renovação da política do café com leite”. José Alencar preparou Josué Christiano. Lula preparou Lulinha?

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

ALCKMIN, CENTRÃO E A HIPOCRISIA

Verdade seja dita: neste exato momento, muitos dos contumazes e ferrenhos críticos, tanto do ex-governador Geraldo Alckmin, como do centrão, respiram aliviados com a oficialização desta união. Embora nem Alckmin, nem o referido bloco partidário tenham apresentado, até agora, algum conteúdo programático para o futuro da Nação, as alternativas que se apresentam são duvidosas, delirantes ou inexpressivas, algumas até perigosas. Perante um futuro político desanimador, em que a única opção viável e equilibrada – para o brasileiro de bom senso – não é a melhor, mas a menos ruim, é preciso deixar a hipocrisia de lado e olhar para a frente com pragmatismo.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

CENTRÃO

Alckmin e o centrão, o fisiologismo do corporativismo da elite que domina o País!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

O EVASIVO BOLSONARO

O candidato do PSL ao Planalto, e líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro, se esforça para representar o novo na política! Será? Se desde 1991 exerce mandato de deputado federal não pode ser novo na política! Sua atuação no Parlamento tem muito a ver com as linhas retrogradas do PT. Já que, como o partido de Lula, na gestão de FHC, Bolsonaro também votou contra a introdução do real, que debelou a inflação no País, foi contra o fim do monopólio do petróleo, da reforma administrativa e da Previdência, como demonstra um estudo da XP, sobre atuação histórica dos nossos congressistas! Evasivo, também se enrola todo para responder sobre economia, melhora na saúde, na educação, etc.! Porém, é a favor da liberação da venda de armas para população...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com  

São Carlos

*

GENERAL MOURÃO

Esclarecedora a entrevista concedida pelo general Hamilton Mourão (26/7, A4), atualmente aposentado e atuando como um dos conselheiros do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Entre outras coisas o general salientou que os apoiadores do candidato não devem repetir os erros cometidos pelo PT no passado, citou como exemplo a divisão do País feita pelo Partido dos Trabalhadores, o que significou um atraso. A provável candidata a vice na chapa de Bolsonaro, Janaina Paschoal, comunga das mesmas ideias.

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

GURU

Tudo indica que o condenado Lula, em conformidade com seu caráter personalista sobejamente conhecido, não declarará apoio a nenhum membro do PT para a Presidência até a decisão definitiva, em setembro, sobre a própria inelegibilidade, da qual ninguém, em sã consciência, duvida, pois, caso não seja confirmada, o Brasil ingressará numa fase de profunda anemia legal, com consequências anárquicas impensáveis. Em consequência, o candidato a ser indicado, dificilmente será bem sucedido nas urnas, em face do pouco tempo disponível para a absorção do seu nome. Conclui-se, então, que o que o feiticeiro de Garanhuns almeja mesmo é reafirmar sua condição de guru do partido cujo desempenho sempre priorizou, em detrimento do País, conduta dominante durante o tempo em que a sigla esteve no poder.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FICHA LIMPA

“Lulla” lembra o domador decadente. Não mais controlando a maioria das feras, quer porque quer botar fogo no circo...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ACORDA, BRASIL!

Há menos de um mês, um desembargador de origem petista e plantonista de fim de semana quase conseguiu tirar Lula da prisão e daí não deixa mais dúvidas: já tarda o momento de o Brasil acordar e pôr fim nessa novela lulista onde a justiça está mais por baixo que barriga de cobra. Não fosse a vigilância do juiz Moro, Lula estaria solto e rindo em nossas caras. Quanto a uma declaração do comandante do Exército, general Villas Bôas, que alguns pensaram que poderia ser uma ameaça velada dos militares, melhor esquecermos porque não terá efeito algum, mas se fizer novas declarações que possam ser interpretadas como alertas à “politicanalha” tupiniquim, faça sentado numa mesa de comando. A “politicanalha” que tomou o País de assalto não está nem aí para falas de militares, porque creem que ainda há sentido de culpa por um passado ainda recente de ditadura que tolhe qualquer ação que provoque nova tomada de governo e baseados nessa premissa usam e abusam de suas prerrogativas, portanto, militares acordem e tomem uma atitude antes que seja tarde demais! Além do risco político, prestem atenção no que os congressistas estão fazendo com o Orçamento da União para 2019, porque se aprovado quebrará de vez o País e por isso não podemos passar! Assusta também o que poderá vir da eleição presidencial próxima e que a partir de setembro será a vez de Toffoli chefiar o Supremo Tribunal Federal (STF). Duas perspectivas sombrias.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

OPERAÇÃO ZELOTES

As investigações na denominada Operação Zelotes aponta para irregularidades cometidas por uma empresa que foi multada em R$ 650 milhões. Cabe, então, algumas observações que começam pelo procedimento da empresa, que levou-a a ser multada. Como aceitar que pessoas ligadas aos organismos públicos tenham agido livremente e provocado a extinção da multa? Como entender a liberdade como agiram? E mais, se forem condenados, os empresários e os membros do poder público proporcionarão o pagamento da multa citada? É uma situação que exige também as devidas explicações, afinal se trata de um montante de valores que tem a ver com ações públicas.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

POLÍTICOS E IMPRENSA LIVRE

O grande pavor dos nossos políticos radicais ou com problemas com a ética, é a existência da liberdade de imprensa que agora felizmente vivenciamos. Tal fato permite que parte do eleitorado tome conhecimento de quem é quem na política, e tenha condições de escolher os mais preparados para o exercício da função pública que se candidatam, embora muitos consigam furar esse bloqueio seletivo, mas que paulatinamente no correr dos anos, vai filtrando nossos representantes que elegemos.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

DIAS TOFFOLI

Contrariando advertência da procuradora-geral da Republica, Raquel Dodge de que a suspensão da inelegibilidade do ex-senador Demóstenes Torres (DEM) representaria uma afronta ao Judiciário, o ministro Dias Toffoli autorizou o ex-senador a concorrer a cargos eletivos. Não é de hoje que o ministro vem tomando decisões polêmicas. Em 2016 mandou soltar Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento do governo Lula, preso na operação Custo Brasil. Mais recentemente, o ministro, concedeu um habeas corpus de ofício suspendendo em caráter excepcional a prisão do ex-ministro de Lula, José Dirceu condenado a mais de 30 anos de reclusão. As novidades não param por aí. Notícias divulgadas pelo site “O Antagonista” dão conta de que Dias Toffoli recebe todo mês uma “mesadinha” de R$ 100 mil, depositados por sua mulher, dona de um escritório de advocacia que tem causas milionárias do STF e do TSE, numa conta movimentada no Banco Mercantil do Brasil que supera mais R$ 4,5 milhões. A área técnica do próprio banco recomendou que as estranhas transações atípicas fossem comunicadas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em 2015. Diante desses precedentes pergunta-se: é licito o ministro presidir a mais alta Corte de Justiça do País em setembro próximo?

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br  

São Paulo

*

EVIDÊNCIA

Poderia passar despercebido, mas Gilmar Mendes, ministro do STF, ao processar o promotor goiano Fernando Krebs por considerar Gilmar “o maior laxante do Brasil”, viu a notícia ficar em evidência. A “emenda foi pior que o soneto”.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES)

*

REVISÃO DE CONTRACHEQUES

Juízes vão ao Supremo por “revisão” do contracheque dos ministros. Os proventos de todos os trabalhadores brasileiros deveriam ser balizados pelo aumento do salário mínimo. Se as majestades do nosso perdulário Judiciário estão descontentes, que saiam da vida pública e venham para a iniciativa privada. Aqui, na iniciativa privada, geralmente se paga por aquilo que se é produzido, e se não produz é demitido. Isto sim é que é justiça.

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br  

São Caetano do Sul

*

PREVIDÊNCIA

Mais um alerta dos arautos da reforma da Previdência. Agora é do pesquisador do Ipea, Rogério Nagamine, a quem a reforma é “extremamente urgente”. É significativo que nenhum desses pesquisadores, analistas e especialistas falou sobre a importância do aposentado no mercado. O aposentado, em face de sua idade, tende a raciocinar em termos imediatos ou a prazos relativamente curtos. Consequentemente, recicla o dinheiro em turismo ou na farmácia, contribuindo para a geração de emprego e de ICMS. Ele é um elemento importante numa economia de mercado e tratá-lo como peso é uma falácia. Além disso, numa economia com crise cada vez mais frequentes, o aposentado alivia o problema do desemprego ao poder dar apoio aos jovens que não encontram trabalho.

Tibor Rabóczkay trabocka@hotmail.com

São Paulo

*

O ASSASSINATO DE MARIELLE

Há um consenso generalizado de que a morte de Marielle Franco (PSOL-RJ) se deve às denúncias contra os grupos de milícia ligados à Polícia Militar. As Forças Armadas intervencionistas não tem interesse em criar atritos com os batalhões da PM, por isso, se cala. Uma investigação, de repercussão internacional, que seria simples, jamais chegará aos verdadeiros criminosos. Estão tentando encontrar um “bode expiatório” (miliciano bandido não oficial), para acobertar milicianos bandidos oficiais. Na certa vão copiar a escola do juiz Moro: acordar uma delação premiada com um criminoso, que carregue penas pesadas, com promessas de regalias.

Antonio Negrão de Sá negraosa1@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

TÉCNICOS NO FUTEBOL

Estamos tão mal, que estamos sendo obrigados a chamar de volta a velharia já aposentada. Até Zagallo já deve engraxando sua chuteira! Nosso desempenho na Copa é resultado disso!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.