Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

31 Julho 2018 | 03h00

ELEIÇÕES 2018

Ficha Limpa

O Estadão de sábado nos trouxe notícia que terá grande repercussão política eleitoral: MP quer impugnar político vetado por Lei da Ficha Limpa (28/7, A4). Diz a matéria que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que o Ministério Público vai pedir a impugnação de candidaturas que sejam vetadas pela Lei da Ficha Limpa, inclusive no caso de presidenciáveis. Entre estes se inclui a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado em segunda instância e preso na Operação Lava Jato. Os prosélitos de Lula, porém, sem amparo jurídico e desaforadamente, têm feito o possível e o impossível para que a candidatura dele seja deferida pela Justiça Eleitoral. O Ministério Público vai, ainda, pedir a devolução dos recursos do Fundo Eleitoral e do Fundo Partidário utilizados por políticos já enquadrados na Ficha Limpa e que tiverem a candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral, ressarcindo, assim, os cofres públicos. Raquel Dodge merece nossos louvores por honrar seu alto cargo, em benefício da Nação. Agiu pelo mérito da causa, evitando que a Lei da Ficha Limpa seja desmoralizada pela expressão “a lei? Ora, a lei...”.

ANTONIO BRANDILEONE 

abrandileone@uol.com.br

Assis

As andorinhas de Curitiba

No dia 4 de agosto, na convenção que oficializará a candidatura do presidiário Lula da Silva à Presidência da República, o Partido dos Trabalhadores (PT) deve anunciar um jejum nacional em solidariedade aos militantes que farão greve de fome pela libertação do ex-presidente. Melancolicamente, o PT esgota a munição do arsenal com que ameaçou o País caso Lula fosse preso, nas vozes de CUT, MST e da patética Gleisi Hoffmann, sem esquecer as manobras dos comandantes togados Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Dias Toffolli. E as andorinhas do inverno ainda nem deixaram de sobrevoar o céu da carceragem da Polícia Federal em Curitiba.

JOSÉ MARIA LEAL PAES

tunantamina@gmail.com

Belém 

Gula

Seria mais interessante para o Brasil se o PT tivesse feito um jejum de roubalheira e corrupção, abstendo-se delas nos 13 anos em que permaneceu na Presidência. Este jejum pela libertação de Lula é tão somente para que o partido, uma vez de volta ao poder, possa de novo banquetear-se nababescamente. É um glutão corrupto insaciável.

TÚLLIO M. SOARES CARVALHO

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

O educador

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad tornou-se, agora, coordenador do programa de governo do PT, e sob as bênçãos do padrinho presidiário pode vir a ser lançado como candidato à Presidência, já que é uma das poucas opções do partido ainda em liberdade para concorrer em 2018. Como tal, lançou duras críticas a Geraldo Alckmin por este ter o apoio do centrão – o mesmo centrão que sustentou os dois mandatos de Lula e, até as vésperas do impeachment, o governo Dilma. Como registrou o Estadão no editorial Cacoete autoritário (30/7, A3), Haddad também disse recentemente que a elite é majoritariamente atrasada e que os empresários “precisam ser educados para a democracia”. A ambição de um partido de querer “educar” a sociedade expõe sua alma autoritária. Mussolini queria educar os italianos. Fidel Castro almejava educar os cubanos. Já nas democracias os partidos nutrem esperanças mais modestas, desejam apenas persuadir os eleitores. O PT não raro usa o termo democracia para criticar seus opositores ou quando se considera um exemplo democrático a ser seguido, mas não cessa de dar apoio incondicional a ditadores como Ortega, Maduro e seu grande ídolo, Fidel. Por que o partido que fala em nome da “democracia” insiste em defender ditaduras fanaticamente? Por que Haddad não se ocupa, antes de tudo, em educar o próprio PT? Ou imagina-se um educador em terras bolivarianas?

PAULO R. KHERLAKIAN

paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

JUSTIÇA

A pauta do STF

Na entrevista de Conrado Hübner Mendes a Sônia Racy, no Caderno 2 de ontem (‘O Supremo se isenta de prestação de contas’), não há como aceitar sua opinião de que “todos erraram” no episódio do desembargador Rogério Favreto concedendo, no plantão judiciário, habeas corpus (HC) ao ex-presidente Lula. Não houve erro de “todos”. O único que errou – por militância política fanática e ilegal – foi o plantonista. Caso munido de um HC, livre, Lula poderia – bastando querer – fugir do País ou se refugiar num consulado ou embaixada de Cuba, desrespeitando, de fato, decisões superiores. É inocência do entrevistado dizer que “se sua biografia (a de Favreto) o tornava suspeito, e se os fundamentos de sua decisão (e ideia de “fato novo”) não se sustentavam era outro problema, a ser tratado pelas vias judiciais regulares”. Ocorre que as “vias judiciais regulares” empurrariam o problema para meses de discussões, sabido que no Brasil tudo se discute ad infinitum, sem que exista sanção contra tal abuso no recorrer. Se os réus da Lava Jato quiserem, diariamente, impetrar um HC no Supremo Tribunal Federal (STF), sempre variando a argumentação, o STF nada poderia fazer para impedir seu quase sequestro funcional, a não ser esbravejar. Mas teriam de julgar, redigir algo, perder tempo.

FRANCISCO CESAR PINHEIRO RODRIGUES, desembargador aposentado do TJSP

oripec@terra.com.br

São Paulo

 Na fila do plenário

Lá atrás, o ministro do STF Ricardo Lewandowski afirmou que a Corte mantém “em dia e com rapidez” o julgamento dos processos submetidos a ela. Mas a manchete do Estadão de ontem contraria essa afirmativa. Na verdade, “75 liminares” aguardam a boa vontade dos ministros – algumas já há oito anos – para a apreciação final na Corte. Em que informações o ministro se baseou, portanto?

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

VENEZUELA

Hiperinflação

Segundo o Fundo Monetário Internacional, este ano a inflação na Venezuela vai a 1.000.000%. Neste nível, o preço dos produtos aumenta todos os dias, de manhã e à tarde. A recessão se instalou, a economia do país está parando e a moeda entra em queda livre. Como se explica isso ocorrer no país detentor das maiores reservas petrolíferas comprovadas do mundo? A chave da explicação está no chavismo: quando o ilusionismo dos demagogos no poder se opõe à Matemática, o primeiro prevalece só até acabar ou comprometer as riquezas do país.

JORGE A. NURKIN

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

JEJUM PETISTA

O Partido dos Trabalhadores (PT) está convocando sua militância - certamente aquela mais radical, fanática, malandra, pelega e capaz de tudo para criar mais anarquia no País ao desrespeitar as leis vigentes - para um "jejum nacional" no próximo sábado (4) visando apoiar a oficialização, durante a convenção do partido, de seu líder, quadrilheiro e ladrão, Lula da Silva (que está confortavelmente instalado na sede da Polícia Federal (PF) em Curitiba, cumprindo pena de 12 anos e 1 mês) para disputar a Presidência da República daqui a pouco mais de dois meses. Na mesma oportunidade ou, em se tratando de PT, no mesmo oportunismo barato e midiático - aliás, coisa que essa gente mais corre atrás - os militantes e os caciques estarão apoiando, também, greve de fome pela libertação do condenado que aguarda, em sua sala na PF, enquanto aumenta sua intelectualidade lendo uma média de três livros por semana. Eu, e provavelmente muita gente, tememos que o pior aconteça por causa do desespero que vem crescendo pela indefinição do processo eleitoral que ainda permite a possibilidade de ver Lula registrado. Do jeito que as instituições, como o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ainda permitem imbróglios e intermináveis dúvidas. E, como entre os petistas não faltam loucos, é bem possível que o fanatismo aumente tanto que o companheiro Lula - e seus "ideais por um mundo melhor" - possa ser comparado a outros loucos como, por exemplo, Jim Jones que, em 1978, na Guiana, provocou o massacre de quase mil pessoas motivado por falsas crenças e lideranças. Para que não aconteçam excessos, seria bom que ficasse bem claro, logo, que Lula é o ficha suja "número 1" e, portanto, a possibilidade de ter sua candidatura registrada pode ser comparável às chances de um camelo passar pelo buraco de um agulha. Mesmo com Dias Toffoli, no STF e Rosa Weber, no TSE.

João Direnna joao_direnna@hotmail.com   

Quissamã (RJ)

*

GREVE DE FOME BEM-VINDA

A tigrada petista está planejando uma ampla greve de fome para o próximo sábado, quando será lançada a pré-candidatura de Lula da Silva ao Planalto. A ideia é sensibilizar o Judiciário para conseguir a soltura do demiurgo. Se levarem a proposta a sério, certamente haverá uma boa limpeza na politicalha. Por isso mesmo, será muito bem-vinda a greve de fome!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br 

São Paulo

*

50 DIAS

Jejum mesmo fez o dissidente cubano Guillermo Farinas. Foram mais de 50 dias, não apenas um! 

Moises Goldstein mg2448@icloud.com 

São Paulo 

*

LULOPETISMO NA SBPC

O editorial "Lulopetismo na SBPC" (28/7, A3) mostra que cientistas e pesquisadores (sic), que deviam estar mais preocupados em exaltar a ciência nacional, desacatam outros que discursaram só porque não "comungam" com suas ideias de Lula livre  e do processo democrático do impeachment de Dilma, que seguiu todos os ritos da Justiça. O texto aceito pela direção da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) é um confronto às palavras ditas neste mesmo jornal (A10), pela presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia que criticou quem defende o não cumprimento de decisões tomadas: "O Judiciário pode ser criticado, mas desafiar a Justiça, jamais. Se não se cumprir decisão judicial, se não se acatar decisão judicial, não vejo a possibilidade de se cogitarem Estado Democrático de Direito". O PT e simpatizantes, inclusive os da SBPC, estão desafiando a Justiça ao querer Lula livre e sua candidatura sendo ele ficha suja. Está na hora da Justiça lagar de ser desafiada!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com  

São Paulo 

*

SBPC

Se é óbvio para países de primeiro mundo que áreas vitais para a constituição de uma sociedade justa e civilizada, tais como saúde, ciência e educação, devem ser suprapartidárias, tal obviedade deveria também ser buscada em países emergentes como o nosso. Pelo visto não é o que pensa o Partido dos Trabalhadores, como aponta o editorial "Lulopetismo na SBPC". O 70.º encontro desta sociedade foi descaradamente desvirtuado de sua função ao não só servir de palanque para fazer propaganda contra o governo Temer, como para entoar as palavras de ordem "Lula livre", em frontal desrespeito à ordem democrática e republicana. É imperativo que saúde, ciência e educação sejam projetos de Estado e não de governo. Se ainda existe grande resistência a este conceito por parte dos políticos como um todo, os do PT parecem fazer questão de politizá-lo ainda mais. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

MUDANÇA 

A SBPC, importante órgão para o desenvolvimento científico, não pode se transformar em "sociedade brasileira para proteger a corrupção".

José Paulo Cipullo j.cipullo@terra.com.br  

São José do Rio Preto 

*

PROGRAMA DE GOVERNO

"O Programa de governo do PT é o melhor do partido desde 1989", diz Haddad. O melhor programa que o PT pode produzir seria a autoextinção. Qualquer coisa diferente disto não passa de outra grande mentira.

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br   

São Caetano do Sul

*

            HADDAD

Quer dizer que Haddad acredita que o PT precisa nos educar para a democracia? Qual delas dentre as tão apoiadas pelo PT? A cubana? A bolivariana? A nicaraguense, que em 100 dias matou 400 pessoas? Risível se não fosse trágico.

Marcos Lefevre lefevre.part@hotmail.com 

Curitiba 

*

'CACOETE AUTORITÁRIO'

O editorial "Cacoete autoritário" do "Estadão" (30/7, A3), expõe com maestria toda a incoerência da democracia petista, personificada em Fernando Haddad, o prefeito derrotado na reeleição em São Paulo. Ninguém mais quer o lulopetismo, a não ser os seguidores da seita. Será que não vão entender nunca?

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

RECUAR OU RESISTIR

Recuar ou resistir? Esse é o dilema político que o PT viverá até as eleições de 2018. Nem o PT pode garantir que o candidato indicado pelo partido também não sofrerá a mesma acusação falsa de corrupção que ele sofre. Nenhum candidato indicado terá a legitimidade, a confiabilidade, a competência de gênio político, que são inatas a Lula (vide Dilma). A situação política de Lula é claramente uma situação de desrespeito da Constituição, de perseguição política pelo que ele representa junto ao povo pobre. Portanto, Lula não deve abandonar sua candidatura, mesmo sendo mantido preso. Seu prestígio e o do PT só crescerão, caso outro governo ganhe, de direita ou ultradireita. O vencedor vai governar numa saia justa, acusado, assim como Temer, de ilegítimo, mesmo com voto.

Antonio Negrão de Sá negraosa1@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

JUSCELINO E LULA

Dois ex-presidentes brasileiros e seus legados. Na gestão de Juscelino o desenvolvimento de 50 anos em cinco. Consequente aos dois mandatos de Lula a maior corrupção já vista no planeta Terra: 50 anos em 13.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br   

Vila Velha (ES) 

*

RENOVAÇÃO, UM PERIGO?

Vejo nas cartas enviadas ao "Estadão" o desejo de renovação para nos livrarmos de "tudo isso que está aí", que é muito desejável. Porém, me preocupa o fato de que o crime organizado tem mostrado um planejamento estratégico que o levou a crescer muito e se tornar uma ameaça ao nosso país. Com o dinheiro que tem, quantos candidatos irão eleger no Senado e na Câmara Federal e quantos deputados seus irão para as assembleias estaduais? É importante que a Procuradoria-geral da República (PGR) se organize para controlar a origem dos recursos dos candidatos e impeça mais esse avanço do crime organizado.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com 

São Paulo 

*

CONGRESSO LOTEADO

Bancada dos funcionários públicos, bancada dos ruralistas, bancada dos evangélicos, bancada da bala e por aí vai... E nós, os que votamos neles, ficamos "bancando" os bobos. Acorda, Brasil, as eleições vêm aí...

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com 

São Paulo 

*

COMBATE A CORRUPÇÃO

A grande tragédia entre todas, da corrupção entre nós, é a incapacidade das operações judiciais em andamento, só conseguirem recupera pequena parte do que foi desviado por tais crimes. Tal triste realidade, pode inclusive incentivar que novas posturas criminosas possam continuar acontecendo, urgindo assim que nossas legítimas autoridades da Justiça nacional mantenham um forte processo de monitorar e recuperar as quantias desviadas, para que possamos cortar em criminoso fluxo de desvio de dinheiro público entre nós.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com 

Rio de Janeiro

*

DETERMINAÇÃO EM XEQUE

Os candidatos postulantes aos diversos cargos eletivos são tão medíocres que quem já estiver com a sua definição elencada, "que atire a primeira pedra".

Marco Scatap marcoscatap@uol.com.br 

São Paulo

*

PAULO SKAF

A decisão do MDB de sair com chapa pura ao governo de São Paulo mostra que este país está começando a mudar, pelo menos no maior Estado da federação. Coligações pressupõem acordos e, por consequência, divisão da máquina pública e loteamento de secretarias. A decisão é do próprio candidato que não aceitou tais acordos e, como ele prefere dizer, "minha coligação é com o povo de São Paulo". Oxalá isso se dissemine para o resto do País e acabem, de uma vez por todas, com a pecha de que, para se ganhar uma eleição, vale tudo, até acordos muitas vezes espúrios, que gerarão uma fatura onerosa para todos nós.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com 

São Paulo 

*

CIRO GOMES

O decisivo peso do apoio do centrão poderia ter sido para Ciro Gomes, não fosse sua incorrigível incontinência verbal e a grave miopia que vê o Brasil como um grande Ceará. Mais uma vez, "o peixe morreu pela boca..."

J.S. Decol decoljs@gmail.com   

São Paulo 

*

CANDIDATO A GOVERNADOR É PRESO

A prisão do candidato a governador do Mato Grosso do Sul pelo MDB, cuja candidatura será mantida pelo partido, pode criar um imbróglio jurídico caso ele obtenha uma vaga para o segundo turno. O caso chama a atenção para as regras da eleição porque os candidatos não podem ser presos até cinco dias antes da eleição de 7 de outubro. Portanto, poderá haver enormes reviravoltas por todo o País com candidato concorrendo preso, até o dia 1.º de outubro, e podendo ganhar a eleição para o legislativo ou indo para o segundo turno nas eleições para o Executivo.

Luiz Roberto da Costa Jr lrcostajr@uol.com.br 

Campinas 

*

STF NÃO JULGA LIMINARES

Para quem não sabe, o STF tem 75 liminares de ministros aguardando julgamento final da Corte. São ações que suspendem leis, decretos, resoluções e medidas provisórias. Levantamento feito pelo "Estadão/Broadcast" aponta que há decisões individuais provisórias à espera do colegiado desde 2010. Em sua maioria, as ações são precatórias dos Estados, o que prova a parcialidade do STF, que privilegia os Estados e prejudica os credores, que normalmente morrem antes de receberem seus direitos.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br 

São Paulo 

*

MONOCRACIA PREJUDICIAL

Decisões monocráticas proferidas em concessão de liminares precisam ser levadas ao Plenário do STF, sendo prejudicial a sua permanência por anos a fio aos litigantes. A incerteza do Direito e as dúvidas na Justiça prejudicam investimentos, providências de interesse nacional, além de restringir ações das partes envolvidas. Não é justo que as partes aguardem a decisão definitiva e possibilitadora de comportamentos definitivos, cuja espera pode alterar atuações e aplicações de recursos em prejuízo também do interesse nacional. Justiça que não julga é Justiça falha, e Direito que não se aplica é como se não existisse na ordem jurisdicional. Não está certo!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br 

Rio Claro

*

70.º POLICIAL MORTO NO RJ EM 2018 

As estatísticas mostram que o número de baixas de policiais seja militar ou civil é alarmante, aproximando-se ao número de baixas de uma virtual guerra civil. A criminalidade não pode mais ser apenas combatida com medidas meramente policiais, mas com medidas militares efetivas. Os direitos humanos dos bandidos, instalados a partir dos governos petistas, só tem resultado no crescimento dos índices de criminalidade. Para a bandidagem que já aplica a pena de morte, basta que encontrem alguém na condição de militar, que automaticamente este seja executado sem o menor direito de defesa. Temos uma guerra sem quartel na qual a bandidagem não faz prisioneiros, mas mata.

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br 

São José (SC)

*

CAMPO DE MARTE

Recordista em tantos acidentes e com problemas conjunturais, o "Campo de Marte" ou "da morte" deveria ser definitivamente fechado e utilizado para outro tipo de atividade de menor risco, notadamente para o entorno. Temos uma retrospectiva triste de acidentes envolvendo aeronaves e tantas famílias que não mais se justifica por capricho manter aberto local de risco e de tragédias.

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br   

São Paulo 

*

ENCHENTE, CAOS E IRRESPONSABILIDADE

São Paulo, prestes a receber chuvas, está fadada a enchentes. Vê-se em função do outono/inverno ruas e avenidas cobertas de folhas, galhos, além de sujeira e detritos de todo tipo. Assim como a varrição, o centro está abandonado e deteriorado. Imaginem então outros bairros. Resultado: enchente e caos. Tudo em função dos prefeitos que elegemos. Um pulou fora do barco "se achando" e o outro não e o outro não sabe nem onde é o endereço da Prefeitura  é na Praça do Patriarca, viu?), pois quando não está viajando está participando de comícios. E São Paulo que se lixe. A Cidade de São Paulo, linda, não merece este tratamento. Dois políticos, dois irresponsáveis, um pior que o outro. E ainda se candidatam a outros cargos. Pode? Srs. Doria e Covas: se depender do meu voto, nunca mais serão eleitos. Nem para síndico.

José Pedro Vilardi vilardijp@ig.com.br   

São Paulo 

*

POÇO NA PRAÇA 

No meio da Praça Ramos, a Praça do Teatro Municipal, no centrão de São Paulo tem um enorme e perigoso buraco sinalizado com pedaços de pau podre. Mais parece um poço abandonado de roça. Por pouco a "Sevê", a gari Severina, 63, não caiu nesta galeria de águas pluviais, de 3 metros de profundidade que há uma semana está sem tampa. No grande buraco tem até uma escada fixa. 

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com  

São Paulo 

*

CRUELDADE

Não sem razão fazemos muitas críticas ao governo Trump por separar filhos de seus pais que entraram ilegalmente nos Estados Unidos. Mas não criticamos quando sob nossos olhos vemos crianças com seus pais acampados há tempos no Largo do Paiçandu. Que futuro terão essas crianças? É preciso chorar e clamar que os responsáveis tomem providencia a fim que tamanha crueldade não continue entre nós.

Vidal Santos vidal.santos@yahoo.com.br 

Guarujá

*

CORINTHIANS GANHA FÁCIL

O Corinthians ganhou fácil do Vasco, porque a bem da verdade está com uma equipe carente de boleiros de qualidade e foi o fator principal de sua derrota, mais do que virtudes do Timão. O Corinthians mostra falhas que precisam ser corrigidas e o problema é não ter boleiros para substituir alguns dos atuais, senão vejamos: a dupla de zaga não é confiável pós saída do Balbuena. Os dois laterais deixam os adversários tomarem conta dos lados do campo e principalmente Fagner, que apoia bem, mas está relaxando na marcação. Cássio continua indeciso nas saídas de gol quando de bolas levantadas na área e em geral é o momento aproveitado pelos adversários para marcarem gols. No meio campo apenas Gabriel marca, porque Jadson e o novato Douglas ajudam quase nada. No ataque, graças a Romero, que está iluminado os gols saem, mas Pedrinho apesar de apoiado até demais pela torcida não joga aquilo que o time precisa, talvez pela sua conformação física que precisa melhorar. Cleiton voltou, mas ainda meio fora de forma e deve melhorar, mas, difícil de engolir e ver ele ser trocado por um Mateus Vital que até hoje não disse por que veio. O time melhorou após as modificações feitas nessas duas vitórias seguidas, mas o crédito deve ser dado mais à torcida e creio eu, praticamente obrigou Loos a mudar o time, que teimava em não escalar Pedrinho e Romero juntos. O medo do torcedor é perder mais um boleiro: Romero, que está iluminado e sabemos já sendo motivo de olheiros acompanharem sua evolução e levar ele para times da Europa. 

Laércio Zanini spettro@uol.com.br 

São Paulo 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.