Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2018 | 03h00

ELEIÇÕES 2018

Arrecadação

Vaquinha da eleição não chega a 1% do teto (Estado, 31/7, A8). Esta manchete no jornal de ontem mostra claramente o que o eleitorado pensa dos atuais candidatos: valem no máximo 1% do que julgam valer.

LAZAR KRYM

lkrym@terra.com.br

Sao Paulo

Oferta ruim

Assustador o quadro de candidatos ao Planalto nas eleições deste ano: um está preso em regime fechado, condenado a mais de 12 anos por crime de corrupção e lavagem de dinheiro; outro, para tentar decolar, encheu seu teco-teco com integrantes do centrão, grupo que tem entre seus chefes de cabine ninguém mais, ninguém menos do que Valdemar Costa Neto, controverso ex-deputado, condenado no mensalão. Outro candidato é militar da reserva, deputado no sétimo mandato pelo Estado do Rio de Janeiro – há anos em situação caótica pela falta de segurança – e ciente de seu total desconhecimento de setores fundamentais para a retomada do crescimento do País, o que de fato ficou explícito em sua entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na segunda-feira. Também não poderia deixar de mencionar aquele sujeito que anda muito nervoso, fazendo colocações esdrúxulas e sonhando com a cadeira de juízes como Sérgio Moro para, se eleito, libertar Lula da prisão. E temos, ainda, a senhora do Acre que gosta de uma burocracia, ex-militante do PT, mas que na última eleição se juntou a Aécio Neves (PSDB), e uma garota do Sul sobre quem não vale comentar nada. As-sus-ta-dor!

EDUARDO FOZ DE MACEDO

efozmacedo@gmail.com

São Paulo

Candidato controverso

O fenômeno Jair Bolsonaro é, no mínimo, intrigante: como é que surge e se mantém em primeiro lugar na pesquisa eleitoral (sem Lula) um candidato cuja íntegra do discurso belicista sabidamente contempla apenas pequena parcela da sociedade? Pelo perfil do eleitor deste candidato, trazido por Eliane Cantanhêde na coluna Alckmin versus Bolsonaro (29/7, A6), vê-se que a conta não fecha. Se pensarmos que aproximadamente 30% dos eleitores são analfabetos ou semianalfabetos, que 93% da população não tem nível superior e que o eleitorado brasileiro é majoritariamente feminino (52,5%) – este o público que não coaduna com a postura extremista de Bolsonaro –, de onde sai tanto eleitor do controverso candidato? Mais: de cada 100 assassinatos no País, 71 mortos são pobres, negros e periféricos. Assim, com a classe trabalhadora proletária representando o maior coeficiente de eleitores, não parece haver coerência em crer que esta classe, vítima da ação e omissão do Estado, seja capaz de votar num candidato cujo catecismo reza repressão e violência justamente contra essa população. A pesquisa eleitoral é um mistério.

MÁRCIO SIMÕES DA SILVA

msimoespiv@gmail.com

São Vicente

‘Alckmin versus Bolsonaro’

Excelente o texto Alckmin versus Bolsonaro, de Eliane Cantanhêde, no Estadão de domingo. Análise brilhante e corretíssima. Ela apenas deixou de lembrar que nesta reta final de campanha Geraldo Alckmin pode atacar fortemente as redes sociais, porque tem verba partidária diferenciada para atuar estrategicamente dentro de todas elas. Já Bolsonaro não tem o que fazer para conquistar mais espaço de TV e rádio. Sem contar que, com dez partidos políticos coligados, Alckmin também ganha uma excelente capilaridade em todos os rincões do País, por intermédio dos inúmeros candidatos a cargos eletivos e dos cabos eleitorais e voluntários dessas siglas.

FAUSTO GUARITÁ SABINO

faustosabino50@hotmail.com

São Paulo

JUSTIÇA

A eleição e o STF

De todos os presidenciáveis que se manifestaram sobre sistemas alternativos para a indicação dos membros do Supremo Tribunal Federal (STF), na matéria veiculada no Estadão de terça-feira (Candidatos querem mudar funcionamento do STF, página A4), nenhum deles se lembrou de que é preciso dar efetividade à principal característica já prevista pela Constituição federal na escolha de um novo ministro daquela Corte: ser pessoa com “notável saber jurídico e reputação ilibada”.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

HÉLIO BICUDO

1922-2018

Hélio Pereira Bicudo foi um dos homens de maior coragem que o Brasil já teve. Como jurista, combateu o Esquadrão da Morte, organização criminosa que atuava nos anos 70 em São Paulo. Foi um dos criadores do Partido dos Trabalhadores (PT), acreditando que poderia mudar o modo de fazer política no País. Como político, teve dois mandatos de deputado federal consecutivos por São Paulo e foi vice-prefeito da capital paulista de 2001 a 2005, e saiu da Prefeitura sem máculas – coisa rara entre nossos políticos. Com sua lucidez e coragem, rompeu com o partido que ajudou a criar e se tornou crítico do modus operandi do PT, ajudando a redigir a peça que culminou com o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Uma voz sempre firme em defesa da democracia, Hélio Bicudo foi um homem da lei. O Brasil deve muito a ele.

LUIZ THADEU NUNES E SILVA

luiz.thadeu@uol.com.br

São Luís

ECONOMIA

Custo Brasil

Foi noticiado ontem pelo Estado que produtos feitos no Brasil chegam a custar 30% mais do que na Alemanha e nos Estados Unidos, segundo estudo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Isso é um absurdo, já que em média o trabalhador brasileiro ganha menos de 20% do salário de alemães e americanos. Somos um país com salários de Terceiro Mundo e preços mais altos que aqueles de Primeiro Mundo. Realmente, existe algo de muito errado com o nosso país. Urge realizar as reformas estruturais, pela redução dos custos de produção.

PAULO DE TARSO ABRÃO

ptabrao@uol.com.br

São Paulo

Crescimento travado

O produto brasileiro, de tão caro, na maioria das vezes fica fora da competição internacional. E o custo Brasil é o responsável pelo seu tão alto preço. Carga tributária, direitos trabalhistas, burocracia estatal e outros fatores importantes fazem com que dezenas de empresários brasileiros transfiram a sua produção para outros países, inclusive para os vizinhos Argentina e Uruguai. Como, então, desejar que o País deslanche, cresça e crie mais empregos?

JOSÉ C. DE CARVALHO CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

VLADIMIR HERZOG

O Ministério Público Federal (MPF) de São Paulo vai reabrir as investigações do caso Vladimir Herzog, jornalista que, aos 38 anos, foi preso, interrogado, torturado e morto em 1975. Recentemente, a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil por não investigar esse caso, pecha da ditadura militar. Pena que os mais de 62.000 novos casos Herzog, que anualmente maculam o Brasil, não suscite também teses revisionistas dessa nossa atualidade de nova democracia, tão ou mais assassina que a ditadura militar, porém bem mais dissimulada, vil e hipócrita.

Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com  

Rio de Janeiro 

*

CRIME CONTRA A HUMANIDADE?

A Corte Interamericana de Direitos Humanos determinou que a morte do jornalista Vladimir Herzog, em 1975, durante a ditadura militar, seja considerado como crime contra a humanidade e, por isso, o Ministério Público de São Paulo, reabriu as investigações, por determinação judicial de um órgão jurisdicional ao qual o Brasil está vinculado. Houve crime? Sem dúvida! A justificativa é de que o crime é considerado contra a humanidade por ter havido perseguição do Estado contra seus cidadãos? Tenho algumas dúvidas, pois naquela época, estudávamos, trabalhávamos, andávamos nas ruas com tranquilidade: toda a população era perseguida, as famílias sofriam ataques, suas residências eram invadidas. Gostaria de entender!

Aparecida Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 

São Caetano do Sul

*

CASO HERZOG E MPF

O Ministério Público Federal ao reabrir a investigação sobre a morte do jornalista Herzog, não levou em consideração que a Convenção Americana dos Direitos Humanos de San Juan da Costa Rica foi promulgada pelo presidente Itamar Franco, em 1992, para aplicação a partir de 25 de setembro daquele ano, não valendo assim para um caso de 1970, e que a imprescritibilidade de um crime não permite a regressão ou eliminação de direitos já adquiridos.

Paulo Marcos Gomes Lustoza pmlustoz@gmail.com  

Rio de Janeiro 

*

SÍMBOLO

Nesses tempos difíceis em que o capitalismo, agora sob domínio absoluto dos banqueiros, reina sem mais a ameaça comunista, que vigorou no século passado, com a vitória bolchevique de 1917, até 1990, é impossível imaginar qualquer cumprimento de acordo internacional, pós-segunda guerra mundial, depois da eleição de Trump, nos EUA, e o desrespeito à própria Constituição no Brasil perpetrado pela Suprema Corte. Herzog foi símbolo de outra época de arbítrio das elites do Brasil, sempre com apoio dos EUA. Como ele, milhares de torturas e assassinatos permanecem impunes e alimentam impunidades, que se estendem até hoje por todo Estado brasileiro, sendo o exemplo mais recente o assassinato de Marielle e centenas de jovens, pobres e negros das comunidades, ausentes de Estado e de direitos. 

Antonio Negrão de Sá negraosa1@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

A MORTE DE VLADIMIR HERZOG

Eu não consigo entender a que ponto querem chegar sobre a morte do jornalista Vladimir Herzog, tanta vontade de incriminar os militares que no cumprimento do dever defendiam a sua Pátria. Sou contra qualquer tipo de tortura e também de mortes traiçoeiras de inocentes quando cumprindo a sua obrigação com a Pátria. Para que o MPF vai reabrir investigação nesse sentido sendo que já houve investigação, não foi constatado assassinato, condenação e nem prisão de algum assassino? A justiça tem que ser imparcial, o MPF vai também investigar quem foi o assassino do recruta Mário Kozel Filho, mais fácil e meio caminho andado porque sabemos que foi o grupo da terrorista Dilma Rousseff. Por que dois pesos e duas medidas?

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com  

São Paulo 

*

JEJUM DO PT

No dia 4/8 o PT estará promovendo um jejum nacional por meio de seus militantes. A intenção é de fazer um protesto contra a prisão do chefe da seita. Que bom, assim vai baixar o preço da mortadela. Vamos aproveitar...

Claudio Baptista clabap45@gmail.com  

São Paulo 

*

ESCOLHER? 

Como assim, escolher? Dizem que cabe a nós eleitores salvarmos o Brasil escolhendo os melhores! Somos a seguir apresentados a um cardápio que inclui processados, e até condenados, que aguardam o "trânsito em julgado" de suas sentenças condenatórias para só então se tornarem inelegíveis. A Justiça, morosa por natureza, acolhe todos os recursos que os "bons advogados" interpõem, numa chicana infindável. Só os inexperientes, virgens de mandatos e, em geral, desconhecidos, são isentos de questionamentos jurídicos! A escolha fica muito difícil, senão impossível! Só falta esta agora: Ele, o cara, embora preso, concorrendo!

Décio Damin deciodamin@terra.com.br 

Poa

*

JEJUM

Parafraseando: tenho uma ideia, se for pra valer deveriam jejuar até a liberdade. 

Moisés Goldstein mg2448@icloud.com 

São Paulo 

*

A ENTIDADE LULA

O ex-prefeito Fernando Haddad, derrotado em todas (!) as zonas eleitorais da cidade nas últimas eleições - em razão da sua gestão -, declarou à Folha de São Paulo que "as pessoas não veem Lula, sentem Lula". Acredite se quiser.

J.S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

*

DESINTERESSE

É visível o desinteresse de considerável parte da população com os destinos do País a pouco mais de dois meses das eleições. Registros divulgados pelos meios de comunicação dão conta de que no Estado de São Paulo, por exemplo, em que estão os eleitores presumivelmente mais esclarecidos, é grande o porcentual dos que não tinham conhecimento de que Geraldo Alckmin era, até pouco tempo atrás, o governador e, muito menos, que é agora candidato à Presidência. Trata-se de um quadro que reflete o profundo desalento do povo com a classe política, grande parte da qual, envolvida com denúncias de corrupção, tenta a reeleição para continuar aninhada no foro privilegiado, sendo esta a parcela mais favorecida pelo indigno fundo eleitoral, substancial montante que poderia ser utilizado em projetos de promoção social, justificado, porém, pelos que o defendem, como o preço a pagar pela saúde democrática. Como criar entusiasmo pelos pleitos que se aproximam?

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

ACEITO SER VICE

A média tem falado sobre a dificuldade de se encontrar um vice para as candidaturas dos candidatos menos piores, tipo Alckmin, Bolsonaro e mais uns dois. Eu aceito ser vice, exceto dos partidos de esquerda. Sou economista com pós-graduações, honesto (qualidade inexistente em 99,9% dos brasileiros) e trabalhador (pelo visto não fazem muita questão desta virtude). Abro mão do meu salário, que passara a ser o teto do Judiciário e Legislativo, pois é o que merecem. Quero apenas passagens aéreas, cartão corporativo sob controle, ticket para refeição e moradia num hotel que não precisa ser 5 estrelas. Não preciso de carros blindados nem seguranças. E podem ter certeza que farei muita coisa pelo País.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

APOIO IMINENTE

Em apoio a candidatura de Henrique Meirelles ao Palácio do Planalto, Michel Temer disse que os brasileiros não precisam de salvadores da pátria nem "inventores da roda". Temer tem razão, só se esqueceu de dizer que o que os brasileiros precisam é de governo sério e competente para governar o nosso País.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 

Jandaia do Sul (PR)

*

ALVARO DIAS

Assisti a entrevista do presidenciável Alvaro Dias na "Globonews" e confesso fiquei surpreso com a postura dos entrevistadores em específico a mediadora, que procurou a todo o momento deixar o entrevistado e situação desconfortável pelas colocações inoportunas, como quando criticou sua reclamação. Deram um exemplo de como não se faz jornalismo neste país, no afã de massacrar o entrevistado colocando sempre questões de envolvimento com corrupção, fisiologismo, troca de favores, etc. Não se postaram no sentido de levar ao eleitor o programa de governo do candidato, explorando os pontos fortes e os pontos fracos do mesmo. Muita gente importante do jornalismo num mesmo momento emendando temas que cada um tinha sua informação "privilegiada" embaralhando as perguntas o que dificultou ainda mais o eleitor a tentar montar o seu já difícil quebra-cabeça. Lamentável, poderiam estudar melhor o escopo do programa, espero que ainda haja tempo para correções, porque com o presidenciável Jair Bolsonaro será "inassistível".

Manoel Braga mbraga1951@gmail.com 

Matão

*

CAIADO E O ENTORNO DO DF

O pré-candidato ao governo do Estado de Goiás, senador Ronaldo Caiado, visitou no domingo, 29 de julho, o entorno do Distrito Federal. Viu de perto o sofrimento daquela população. Ficou abismado com o que viu. Mais de um milhão de habitantes jogados às traças. Sem saneamento básico, sem saúde, sem educação, sem segurança pública, transporte público precário e sem meios de ganhar o pão de cada dia, por falta de emprego. Caiado prometeu dar dignidade aos nossos irmãos esquecidos pelo poder público. O pré-candidato falou que está convencido da necessidade de se instalarem polos comerciais e industriais na região. Tenho amigos que residem no entorno e que estão esperançosos de que terão dias melhores com Ronaldo Caiado governando Goiás. Acreditam que será o fim dos esqueletos de obras públicas, que entram há mais de 30 anos nos discursos de políticos goianos, o famoso "concluiremos", como é o caso de hospitais e escolas. Caiado, a esperança de inclusão social do entorno do DF. Governando bem, Caiado estará ajudando também o Distrito Federal. 

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br  

Taquari (DF) 

*

JUSTIÇA

Para que serve o Tribunal Superior Eleitoral (TSE)? É proibida a propaganda eleitoral antecipada, mas todo mundo está fazendo. Aliás, por falar em justiça como pode alguém como Lula condenado e preso por crimes cometidos ser preferido nas pesquisas? Isto mostra o respeito que a população brasileira tem pelo Judiciário. Ninguém mais acredita!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo 

*

MINISTROS DO STF

Os candidatos presidenciáveis estão preparando para os debates na televisão, mudanças no STF tais como, na forma de indicação, nas atribuições, na duração do mandado e no número de ministros. Por primeiro, o novo Presidente do Brasil precisa varrer todos - todos, sem exceção - os atuais ministros. Por segundo, nomear novos ministros sem sigla partidária para que o povo volte a acreditar nas suas decisões, sem partidarismo...

Artur Topgian topgian.advogados@terra.com.br  

São Paulo

*

Cármen Lúcia deixará para colegas decisão final sobre reajuste. É a abertura para o escandaloso, inescrupuloso, imoral, amoral, "auxílio-Fux-moradia" ser incorporado aos salários já aviltantes dos ministros do STF. Isto sem falar do efeito cascata nos Três Poderes, com consequências mais nefastas ainda para o rombo dos contas públicas e principalmente na Previdência pública, onde estão realmente os rombos bilionários que estão ajudando a afundar ainda mais nosso pobre País. Se querem ganhar mais, é fácil. Venham para a iniciativa privada onde tem de trabalhar muito bem e produzir algo de útil para ser recompensado. E melhor ainda, aqui não tem limite qualquer de valores para os salários. Fica o convite aos insatisfeitos.

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br   

São Caetano do Sul 

*

INVESTIGAÇÕES DA PF

As investigações promovidas com muita competência pela Polícia Federal e outros organismos públicos colocaram em destaque personalidades políticas e de vários segmentos empresariais. As constatações iniciais eram de uso indevido do erário público em áreas federais. Vieram a seguir as investigações em governos estaduais. E agora aparecem falcatruas na área municipal. É uma constatação de que efetivamente é preciso que se criem mecanismos que incentivem a população a fiscalizar as ações de quem está em cargos para os quais foram eleitos ou indicados. Sem isto, as ações irregulares vão continuar.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos 

*

'FAKE BLOGS'

Mais temível que fake news é você descobrir que aquele blogueiro que você lê diariamente, que é formador de opinião, que atinge uma classe diferenciada da população vai além da fake news e publica um texto cravejado de mentiras, oscilando entre a raiva e o ódio, esbravejando e suavemente espalhando no ar um suor fétido de inveja, rancor e além de tudo querendo ser o dono da razão. Basta ler alguns dos blogs do dia pós-entrevista de um dos candidatos à Presidência da República em um programa de televisão.

Jatiacy Silva jatiacy@hotmail.com 

Guarulhos

*

ENTREVISTA BOLSONARO

Nenhuma novidade na entrevista do candidato Jair Bolsonaro ao programa "Roda Viva" da TV Cultura: manteve sua conhecida postura autoritária, conservadora e voluntariosa, frequentemente desrespeitosa, e, entre outras coisas, negou, como esperado e sem convicção, ser misógino e homofóbico, embora tenha dado diversas declarações públicas do contrário. O que mais importa, entretanto, neste momento, às vésperas das eleições, não é ele, mas a população votante que ainda se sente atraída e convencida pela sua fala populista e aberrante, que critica o passado e o presente e pouco aponta para o futuro. O voto livre é um dos pilares da democracia e cada um vota em quem quiser. Votar em Bolsonaro, no entanto, por alegada falta de opção ou desilusão com a política não se justifica. A situação do país é delicadíssima e o que está ruim pode sempre piorar. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

'RODA VIVA'

Com o intuito de conhecer o candidato Jair Bolsonaro resolvi assistir o programa da "TV Cultura" na noite de segunda-feira. Que decepção. Não pela presença do candidato, mas sim pela fraquíssima presença dos jornalistas entrevistadores, que formaram a bancada do programa. É triste ver que o jornalismo brasileiro, além do baixo nível está totalmente contaminado pela esquerda brasileira. A maioria das perguntas eram para desacreditar o candidato e não para tentarem ele mostrar aos brasileiros seus planos de governo. Para mim, mantendo um bom controle sobre sua conhecida agressividade, ele deu um banho de água fria nos perguntadores. A confirmação disto veio nos comentários e análises feitas no dia seguinte pelo mundo "esquerdopata" brasileiro. Mas quem perdeu, na verdade, foi o eleitor brasileiro que não conseguiu formar um juízo sobre a capacidade do candidato. 

Maurício Lima mapeli@uol.com.br 

São Paulo 

*

TEMPESTADE

Toda tempestade começa com uma brisa, mas nem toda brisa se transforma em tempestade. É esse o ponto, ninguém sabe! Por ora, no programa "Roda Viva", da última segunda-feira, Jair Bolsonaro foi uma lufada de ar fresco que dissipou o ranço exalado pelos jornalistas que o entrevistaram, o mesmo que empesteia todos os demais candidatos.

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br 

São Paulo 

*

BOLSONARO

O candidato espelha tudo aquilo que o cidadão espera no quesito segurança e, moralização da convivência social, sem a imposição dos defensores da diversidade e dos seus conceitos, que regem essa dita cuja, que quer nos enfiar goela abaixo seus preceitos, suas diferenças e suas excepcionalidades. Na parte administrativa demonstra total ignorância quanto às necessidades de cada ministério. Mas alega ter pessoas capacitadas para esse mister. Sua personalidade machuca muitos egos, embaralha as mentes dos "esquerdopatas", mas enche de pura inveja os desejos da dita direita, que não fala, não pia e não tem coragem necessária, para falar ao cidadão que vota aquilo que ele quer e necessita ouvir e, acreditar.

Aloisio De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br 

São Paulo

*

ODIADO PELA ESQUERDA 

Eu não sou Bolsonaro no primeiro turno, mas gostei muito dele no "Roda Viva", ele é verdadeiro, diz na real a perseguição ao exército a Comissão da Verdade, só abriu os mortos que o exército matou, não abriu o da guerrilha comunista, e mais, Dilma forçou a barra na época, dizia que o exército lutou contra democracia! Essa foi a maior farsa, o Brasil ficou anos comprometido, justamente por precisar que o exército tomasse o poder para não virarmos uma espécie de Cuba gigante, portanto, Bolsonaro, irrita a esquerda por ser espelho dela. Ao contrário dos políticos "vaselina" ele fala de igual para igual. Simples assim.

Roberto Moreira Da Silva rrobertoms@uol.com.br   

São Paulo 

*

POLÊMICAS

Fiz questão de assistir a entrevista de Bolsonaro, no "Roda Viva", da TV Cultura. Despreparo total do candidato, que quando questionado sobre seus projetos, mostrou que não tem nenhum, a não ser matar bandido e armar a população. Disse que o Mandela não era tudo isso e que seu livro de cabeceira é um do Coronel Ustra. Que o Brasil não caia nessa! Retrocesso!

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

ACORDA BRASIL

Uma explícita demonstração de mediocridade a entrevista de Jair Bolsonaro no programa "Roda Viva", seja por parte do candidato, seja por parte dos entrevistadores. Em termos de informações quanto à governança do País foi perda de tempo, pois nem os entrevistadores souberam fazer perguntas pertinentes ao futuro, preferindo optar por conjecturas relativas ao passado, que não são consenso por serem passíveis de interpretações subjetivas, nem o entrevistado teve tranquilidade emocional para suas respostas. De todos os presidenciáveis apresentados fico com Henrique Meirelles, que já demonstrou competência, ajudando Michel Temer a minorar os efeitos da catástrofe herdada após 13 anos de desgoverno lulopetista. Portanto, que os eleitores saibam escolher e não se deixem mais engabelar por certa imprensa parcial que, movida não se sabe exatamente por quais interesses, em menosprezo à inteligência alheia, insiste em vender a ideia de ser o atual governo o pior da história deste país! 

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br 

Itanhaém

*

OPINIÃO PÚBLICA

Quem não teme a opinião pública convoca entrevista coletiva e se explica perante a imprensa. A liberdade de informação e a transparência são fundamentais numa época em que o marketing, a publicidade e as redes sociais constroem uma versão virtual distante da realidade. Impedem assim o princípio do contraditório, quando um presidente da República se explica em rede nacional de rádio e televisão ou um jogador camisa 10 da seleção brasileira, em comercial pago pelo patrocinador.

Luiz Roberto da Costa Jr lrcostajr@uol.com.br 

Campinas

*

NEYMAR E SUA 'CARTA AOS BRASILEIROS'

E Neymar, seguindo o exemplo do cara com a "alma mais honesta", também perpetrou uma "carta aos brasileiros" fazendo uma hipócrita mea culpa. Com um papo tão fake e deslavado quanto a carta original. O novo Neymar prometido será tão autêntico quanto o "novo" Lula, ora em período sabático em Curitiba.

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br 

São Paulo 

*

NOVO HOMEM?

No comercial Neymar se declara um novo homem. Ou, o correto seria com nova personalidade? Homem sempre será, ou não?

Arcângelo Sforcin arcangelosforcin@gmail.com 

São Paulo 

*

COERÊNCIA

Mesmo com patrocínio, a desculpa-explicação só é coerente num ponto: não para em pé...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo 

*

PARABÉNS

Quero parabenizar o "Estadão" pelo prêmio de melhor jornal do Brasil! Nem precisava falar, pois nós, leitores e assinantes, já sabemos disto há anos! Temos orgulho de receber diariamente as melhores coberturas, opiniões e notícias do nosso Brasil e do mundo!

Luiz Claudio Zabatiero zabasim@outlook.com  

São Paulo 

*

MELHOR JORNAL DO PAÍS

Prêmio não se ganha, prêmio se conquista. E o "Estado de São Paulo" conquista, sobretudo, os corações daqueles que consomem o seu opulento conteúdo. Que faz daquele que o lê um leitor mais bem armado, mais informado e pronto para atuar em qualquer segmento. Afinal, a informação não é bronze nem prata, a informação é ouro assim como é ouro o nosso "Estadão". Parabéns ao jornal mais democrático da praça e o melhor jornal do País. 

Leandro Ferreira ferreiradasilvaleandro73@gmail.com 

São Paulo

*

QUALIDADE JORNALÍSTICA

Parabéns ao "Estadão" pelo prêmio de melhor jornal do País na 31.ª edição do Prêmio Veículos de Comunicação, realizado pela revista Propaganda, da editora Referência, presidida por Armando Ferrentini, organizador do evento. Pensando na importância da verificação de boatos, o "Estadão" lançou, em junho de 2018, o projeto "Estadão Verifica", que checa fatos e desmente boatos que circulam em redes sociais e aplicativos de mensagens. A equipe filtra as mensagens que recebe, analisa as mais frequentes e avalia o grau de interesse público delas.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br 

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.