Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2018 | 03h00

JUDICIÁRIO

Reajuste imoral

Mais uma vez constatamos que o Poder Judiciário está de costas para o Brasil. Como se não bastasse a profundidade da atual crise econômica, política e social, a sociedade é surpreendida pela proposta de reajuste salarial dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), de 16,38%. Esse reajuste, sobre aquele de 2015 (14,6%), eleva os salários da Corte em aproximadamente 33%. Em igual período, verifica-se que o IPCA/IBGE se ajustou em 23%. Que tal? E temos mais. A recorrente consequência será o reajuste em cascata para o restante do Judiciário, o que elevará em mais R$ 771 milhões o orçamento desse Poder. Atravessamos a mais trágica quadra desde 1889. Mas nada, absolutamente nada, demove pelo menos a maioria dos ministros de atuarem em causa própria. Uma afronta e um desrespeito com aqueles já tão sofridos da população, muito além dos 13 milhões de desempregados, que, mesmo assim, pagarão esta conta imoral.

JOSE ANTONIO S. BORDEIRA

bordeira@compuland.com.br

Petrópolis (RJ)

Como devem se sentir os milhões de trabalhadores brasileiros que recebem o salário mínimo (de fome), com reajuste de 1,8%? E, pior ainda, os milhões de desempregados? Esta é a escravatura do século 21?

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

Considerando a questão do salário dos ministros e o teto do funcionalismo público, deveríamos ser mais realistas e lógicos. Levando em conta como foi criado o salário mínimo e sua destinação, por que não fixar o teto do salário dos ministros e do funcionalismo em 30 vezes o valor do salário mínimo? Assim, esta casta receberia em um dia o que o pobre (a maioria do povo brasileiro) recebe em um mês de salário. Também o pagamento dos penduricalhos deveria ser extinto, levando em conta o objetivo para o qual o salário mínimo foi criado: suportar moradia, lazer, vestuário, higiene, etc. Talvez assim poderíamos moralizar um pouco este país.

CLAUDIO MAZETTO

cmazetto@ig.com.br

Salto

É revoltante! Enquanto se discute o reajuste de 16,38% dos ministros do STF, os aposentados continuam de caneca na mão esmolando algum aumento, que nunca vem.

MIGUEL GROSS 

mgross509@gmail.com

São Paulo

A herança do privilégio

Pelo visto as tão criticadas palavras do general Hamilton Mourão não estão tão erradas. Por 7 votos a 4 o STF confirmou que os ibéricos gostam é de privilégios. Que outro motivo poderia ter levado nossa mais alta Corte a presentear-se (e à casta dos demais servidores públicos que cobrarão por isonomia) com um aumento de 16,38%, mantendo os demais penduricalhos, em detrimento da situação financeira do restante do País?

FREDERICO KREJICI

f.krejici@terra.com.br

São Paulo

País sem futuro

Triste realidade a do Brasil. Enquanto o reajuste no STF terá efeito cascata de R$ 4 bilhões nas contas públicas, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) simplesmente não tem verba para investir em pesquisa em 2019 (Estado, 9/8, A15). O que se pode esperar do futuro de um país onde verdadeiras castas se apropriam de tudo o que é produzido pela população, não sobrando dinheiro sequer para investir em pesquisa científica, um dos pilares de sustentação dos países de Primeiro Mundo? Continuamos a ser o país do futuro que nunca chegará.

JOSÉ ROBERTO NIERO

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

Insensatez

Mais uma espetáculo de insensatez protagonizado pelos juízes do Supremo este reajuste absurdo. Espero que nossos “nobres parlamentares” não o aprovem! Até quando teremos de bancar esta casta de privilegiados?

FÁBIO ZATZ

fzatz@uol.com.br

São Paulo

Suponho que o STF tenha usado taxas venezuelanas de inflação para se autobeneficiar com aumento de 16,38%. Suponho, ainda, que este mesmo tribunal, ao aprovar Dias Toffoli para sua presidência, tenha se esquecido de que ele, sabidamente, não tem notório saber jurídico nem isenção para julgar os casos que julga. Uma vergonha para o Brasil!

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

Eles querem mais

O STF pensando no próprio bolso e querendo aumento salarial; e os políticos tradicionais continuam querendo ser reeleitos para continuarem com a boquinha do poder. Socorro! 

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

Enquanto isso, no Rio...

Gilmar Mendes, do STF, deveria ser condecorado pelos empresários corruptos do Rio de Janeiro, tal a facilidade com que ele os livra da prisão, suspende suas ações ou lhes concede habeas corpus. Esta semana, suspendeu ação penal contra seu amigo o “rei do ônibus” Jacob Barata Filho, que segundo investigações da Lava Jato pagou R$ 270 milhões em propinas ao grupo do ex-governador Sérgio Cabral. O ministro mostra-se, também, insensível ao caos na saúde pública do Rio, porque suspendeu a prisão preventiva de três dirigentes de empresas envolvidas em fraudes em contratos do governo do Rio com o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia. Por que se preocupar, não é, ministro? Afinal, com salário de R$ 33,7 mil e convênio médico bancado pelos contribuintes, jamais passará pela humilhação por que passam pacientes nos hospitais públicos fluminenses. Sinal de que Gilmar gosta mesmo é de poder e de privilégios.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos 

ESCLARECIMENTO

Marco Antonio Rocha

Entrevista publicada por este jornal com o economista que assessora o candidato Guilherme Boulos tem levado amigos meus e leitores de artigos que publiquei durante anos no Estadão, onde trabalhei como editorialista, a indagarem se estou filiado ao PSOL ou ligado de alguma maneira ao referido candidato. Acho necessário desfazer aqui este equívoco provocado por mera homonímia e declarar que nada tenho com o partido político mencionado nem com o supracitado candidato.

MARCO ANTONIO ROCHA

antoniorocha1936@uol.com.br

São Paulo

REAJUSTE MINISTERIAL

Com cara de paisagem, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) com toda a modéstia que lhes é peculiar, resolveram "contra a própria vontade" reajustar os seus salários em 16% - o resultado foi de 7 x 4 para os oportunistas. Aliás, o efeito cascata nos Três Poderes, comprometeram as contas públicas do País em mais de R$ 3 bilhões ao ano. O honesto povo brasileiro espera que o Congresso Nacional não aceite a proposta de aumento salarial, afinal a grande maioria da Corte é aquela que mais solta os corruptos presos e condenados. Muda Brasil!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br 

São Paulo

*

16,38%

O reajuste de 16,38% no salário dos ministros do STF, votado e aprovado pela maioria dos próprios magistrados em sessão plenária, não bastasse inoportuno, injustificado e impopular, ainda passou longe de ter sido "modestíssimo" - adjetivo superlativo usado pelo ministro Lewandowski para justificar seu voto. Além disso, o arremate, ainda segundo Lewandowski, de que "aposentados e pensionistas do Judiciário estão passando por uma situação de penúria extrema", resvalou pelo ridículo, considerando os atuais 13 milhões de desempregados do País, estes, sim, passando por verdadeira penúria. Sem contar que os penduricalhos, entre os quais o discutível auxílio-moradia nem foram sequer discutidos. Se "Justiça cega" significa, entre outras coisas, deixar de olhar para os problemas do País quando se trata do próprio salário, o STF está dando um exemplo irretocável.

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

PAÍS DE TODOS?

Irresponsabilidade, é o mínimo que se pode dizer sobre a proposta de reajuste dos salários dos membros do STF, autobenefício concedido entre quatro paredes por 7 dos 11 ministros. Segue para o Congresso Nacional, que deve primeiro aprovar para depois mandar a conta.

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com 

Niterói (RJ)

*

OUTRO '7X1'

Os 7 ministros do Supremo que votaram a favor do imoral aumento de 16,38% deveriam ter suas biografias conhecidas pelos 13 milhões de irmãos desempregados e sofridos. Seria bom que fosse descontado do salário dos 7 uma polpuda quantia desse salário, cada vez que eles oferecessem de bandeja o habeas corpus beneficiando corruptos. Se isto fosse aprovado, com certeza, um dos ministros teria um déficit em seu holerite.

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com  

Itapetininga

*

DESPESAS DISPENSÁVEIS

Dizem os ministros do STF que para compensar o aumento de seus salários irão cortar despesas do dia a dia (as quais, pelo jeito, podem ser cortadas sem prejuízo algum). Ora bolas, se são despesas dispensáveis, por que não cortaram até agora? Estavam torrando esse dinheiro nosso esperando por oportunidade de usá-lo em proveito próprio? Senhores ministros, isso é ético?

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br 

Cotia

*

INIMIGOS

Reajuste de ministros do STF terá "efeito cascata" de R$ 4 bilhões nas contas públicas. Senhores ministros do STF, não estão satisfeitos com os salários e mordomias ("auxílio-quase-tudo", férias de 60 dias, etc.)? Então venham para a iniciativa privada. Aqui, os competentes, com certeza conseguirão ganhar bem mais que estes "míseros" R$ 33 mil. Para completar: país que tem um Poder Judiciário como o nosso, não precisa de mais nenhum inimigo. 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br  

São Caetano do Sul

*

PRETENSÃO DESCABIDA

As contas públicas estão deficitárias em R$169 bilhões, como sabemos. Há no momento 14 milhões de desempregados, um quadro assustador. Não há dúvidas de que a demora por uma recuperação econômica do País não ocorrerá tão cedo. A pergunta que fazemos, então, é: seria o momento de juízes da Suprema Corte pleitearem um aumento de 16,38% sobre os salários atuais que recebem? O nosso País vive no momento uma crise sem precedentes, crise essa ocorrida pelos desmandos praticados na era petista. Não é mesmo um momento adequado para sangrar ainda mais as contas públicas do nosso País.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 

São Paulo 

*

PROBLEMAS RESOLVIDOS

A probabilidade de reajuste de 16,38% no salário dos ministros do STF provavelmente irá resolver o problema deles. Já o problema dos outros 200 milhões de brasileiros, provavelmente irá demorar mais um pouco para serem resolvidos.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 

Jandaia do Sul (PR)

*

CONGRESSO

Pois é, sabe quem pode barrar o aumento de 16,38% para ministros do STF? Os senadores e deputados federais então vão aprender a votar em gente responsável e que gosta do Brasil! E, veta, Temer, o aumento de 16,38% dos ministros do STF, eles (exceto os quatro que foram contra) querem ajudar a afundar o Brasil!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo 

*

AUMENTAR

Depois os ministros do STF reclamam dos penduricalhos dos juízes! 

Moisés Goldstein mg2448@icloud.com 

São Paulo 

*

E O AUXÍLIO DE MORADIA, EXCELÊNCIAS?

Não bastasse o absurdo do valor pretendido para o reajuste dos salários dos senhores juízes do STF, com o seu efeito cascata, em tempos bicudos para as contas públicas e com 13 milhões de brasileiros desempregados, ainda vão continuar a fingir que aquele baita jeton pago a título de auxílio-moradia continuará a pingar nas contas correntes de Vossas Excelências, assim como quem não sabe de nada? Senhoras e senhores mirem-se na mulher de César!

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com  

Rio de Janeiro 

*

STF

Despudoradamente e acintosamente esbofeteando o povo, o STF se auto aplica reajuste de 16,38% nos salários de seus integrantes e em consequência, pelo efeito cascata desse ato, gera uma despesa adicional ao já combalido e falido Brasil na ordem de R$ 3 bilhões. Não bastassem os atos antijurídicos e todos com motivação pessoal e financeira dos integrantes dessa seleta corja, temos ainda eleição do rábula petralha para presidir a partir de setembro essa Corte (sem dúvida de nobres picaretas). Nunca a sigla lhe fez tanta justiça, pois o que essas três palavras atualmente significam na sua mais pura de sua essência é: "Suprema Tragédia Federal".

Renato Ortlepp renatotto@hotmail.com 

São Paulo 

*

ISONOMIA?

Os ministros do Supremo aprovaram aumento de 16,38%. Aguardem aumentos de outros setores. Os aposentados tiveram aumento de 2%. O sr. Michel Temer antecipou os 50% do 13.° de setembro para agosto. Detalhe: o dinheiro não está no banco pagador. 

Ariovaldo J. Geraissate ari.bebidas@terra.com.br 

São Paulo 

*

BRASIL É UM CIRCO 

O Brasil parece um circo de terceira categoria montado por ladrões que roubam e fazem de palhaços os espectadores. 

Laércio Zanini spettro@uol.com.br 

Garça

*

TOFFOLI É ELEITO PRESIDENTE DO STF 

Rachado ao meio. Essa é a realidade atual do Supremo Tribunal Federal. Diferenças ideológicas e pessoais entre seus ministros são muitas e o advento da Lava Jato colocou em campos opostos dois grupos: os favoráveis à Operação, tendo como bandeira a permissão para prisão em segunda instância e no campo oposto os que lutam para que o cumprimento da pena só comece após o trânsito em julgado da sentença - garantia de impunidade aos criminosos com capacidade econômica para sustentar longas demandas. Na defesa de suas convicções, excessos dos dois lados, desde ministros ofendendo-se em sessões plenárias e por meio de veículos da mídia até decisões processuais em desacordo com a Lei Maior. Nesse vale-tudo, o ministro Dias Toffoli integra o grupo adversário da Lava Jato e vem decidindo, às vezes de forma extravagante, a favor de seus amigos e ex-chefes, Lula da Silva, José Dirceu e Paulo Bernardo. Por isso a surpresa com a notícia de que, em votação secreta, por 10 votos a 1, Dias Toffoli foi eleito por seus pares para um mandato de dois anos na Presidência do STF. Ministros que, eventualmente, têm atropelado a legislação em suas decisões e por vezes se excedido em menções desairosas aos colegas, curiosamente curvaram-se à tradição de votar no mais antigo que ainda não ocupou o cargo e, pelo ato de compadrio, acabam por colocar sob ameaça todo o trabalho da Operação Lava Jato. 

Sergio Saraiva Ridel sergiosridel@yahoo.com.br 

São Paulo 

*

ELEITO NÃO ELEITO

Toffoli não foi eleito presidente do STF. Quando muito podemos dizer que foi uma eleição viciada ou com cartas marcadas, segundo o Regimento Interno da Suprema Corte. Ou então esse opúsculo não está mais em vigor para as decisões mais importantes para o País... Se tivesse sido eleito anteontem, como já se saberia, há pelo menos um ano, que o "eleito" seria ele? O Regimento do STF só considera eleito presidente "o mais antigo ministro que ainda não tenha ocupado o cargo" no caso de empate persistente na eleição, que não houve... Não dá mais. Constituinte exclusiva já!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br 

São Paulo

*

LEI DE MURPHY

Com a eleição do ministro Dias Toffoli para presidente do STF, lembrei-me da lei de Murphy que diz: "Não há nada tão ruim que não possa piorar!", ou ainda: "Se alguma coisa pode dar errado, dará"!

Károly J. Gombert kjgombert@gmail.com 

Vinhedo

*

ELEIÇÕES

Tenho acompanhado a insistência do Partido dos Trabalhadores para que o senhor Luiz Inácio Lula da Silva possa concorrer às eleições presidenciais que ocorrerão em outubro do corrente ano. Chega a ser cômico. Um cidadão condenado a mais de 12 anos de prisão, chefiando um país. Que interessante, todas as manhãs o carro presidencial, acompanhado pelos carros da segurança, encostando no pátio da Polícia Federal para buscar o presidiário chefe de Estado. E à noite, o caminho de volta. E durma-se com um barulho desses. É sabido que o partido em questão espalhou para todo o globo terrestre que Lula foi condenado inocentemente e que é um preso político, foram até ao Vaticano. Isso tem atrapalhado o meu sono. Tenho tido pesadelos. O último pesadelo foi assim: "Eu via aviões pousando em nossos aeroportos, trazendo soldados da China, Rússia, Bolívia, Nicarágua, Cuba, El Salvador e Venezuela, empunhando bandeiras com o slogan 'Lula presidente, custe o que custar'". Slogan escrito em português pelo PT e enviado aos países invasores. Ah, que noite terrível. E eu não via ninguém na defensiva. Tomara que essa polêmica acabe logo para que o meu sono volte a ser bom. 

Jeovah Batista jeovahbf@yahoo.com.br 

Taquari (DF)

*

'DISCRETO'

Senhores, no artigo da jornalista Renta Agostini (9/8, A10) informa que "O empresário (Abílio Diniz) ainda não declarou voto a ninguém - e não costuma fazê-lo". E que "nunca manifestou publicamente sua preferência política..." Ora, na primeira eleição de Lula eu li, também nesse mesmo jornal, que o empresário foi um dos principais coordenadores financeiros do candidato do PT. Então?

Marcelo Falsetti Cabral mfalsetti2002@yahoo.com.br 

São Paulo

*

VOTA CERTO, BRASIL

"Que em outubro o País vote contra o triunfo da truculência, da boçalidade, do desafio às instituições democráticas, do populismo irresponsável, do pensamento deletério, desagregador e mendaz", como escrito no editorial "Dúvidas e certezas na eleição" (8/8, A3). Vota certo, Brasil!

J.S. Decol decoljs@gmail.com  

São Paulo 

*

'O TOPO DO PAU-DE-SEBO'

Deliciei-me com o artigo "O topo do pau-de-sebo" (8/8, A2) do sociólogo Paulo Delgado! Com leveza e fina ironia ele consegue dar muitíssimo bem o recado!

Cleo Aidar cleoaidar@hotmail.com  

São Paulo 

*

RICHTHOFEN

Suzane von Richthofen deixa a prisão temporariamente em comemoração ao dia dos pais. Tal como já acontecera com o dia das mães. Falando nestas comemorações, o que talvez ainda não tenham percebido é que 11 de agosto é o dia do advogado e também o dia do juiz. Coincidência, né? 

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com  

São Paulo 

*

DIA DOS PAIS

Suzane von Richthofen, condenada a 39 anos de detenção, por matar os próprios pais, deixou a Penitenciária para gozar da saída temporária do dia dos pais. Então, fica aqui a sugestão: criar o "dia do Gilmar".

Marcelo Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com  

Rio de Janeiro 

*

COMEMORAR?

Para as comemorações da data, uma assassina saiu da cadeia. O único senão é o fato de seus pais não poderem sair do cemitério...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

CROISSANT

No caderno de hoje sobre croissants, no Paladar (9/8, D1) o que me chamou a atenção foram os preços: de R$ 5,50 a R$ 10 por um croissant classificado como ruim! É clamorosamente um absurdo! Realmente, o Brasil é dominado por exploradores. Nada justifica preços tão salgados.

Sarah C. F. Barbosa sarahdecfontesbarbosa@gmail.com  

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.