Fórum dos Leitores

-

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2018 | 03h00

ELEIÇÕES 2018

Mau agouro

Há três sombrios cenários no horizonte político do País. A concretização de qualquer um deles traria desafios maiores que as instituições poderiam suportar com o presidencialismo de coalizão e a Constituição de 1988. Cenário 1: se a candidatura de Lula, mesmo impugnada, constar na urna eletrônica, poderia levar a uma vitória dele no primeiro turno ou sua ida ao segundo. Em ambas as situações, se o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anular a eleição ou adiar o segundo turno, com decisão confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), isso arrastaria o calendário eleitoral para 2019, com a consequente posse do presidente da Câmara dos Deputados em janeiro, como presidente interino, que poderia ser substituído por outro em fevereiro, após a posse dos deputados eleitos. Cenário 2: a exclusão do nome de Lula da urna eletrônica e sua substituição pela chapa Fernando Haddad/Manuela D’Ávila, a partir de 17 de setembro, poderia provocar a insólita situação de o advogado concorrer no lugar de seu cliente. Por existir o princípio da confidencialidade entre ambos, não se pode negar ou provar que existiria o chamado plano Perón: a vitória da chapa levar inexoravelmente ao indulto presidencial, seguido de dupla renúncia para provocar dupla vacância e consequente convocação de novas eleições diretas em 2019, como ocorrido em situação similar na Argentina em 1973. Cenário 3: a vitória de qualquer outro candidato, no segundo turno, poderia provocar uma situação de não aceitação do resultado e uma campanha de deslegitimação do eleito, a partir do alto índice de abstenção, votos nulos e em branco. A construção de uma desestabilização política e econômica poderia propiciar a tentativa de um terceiro impeachment, antes das eleições municipais de 2020, como nas bem-sucedidas tentativas anteriores (1992 e 2016). Restaria, então, discutir a mudança de sistema de governo e a convocação de uma Assembleia Constituinte.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

Candidatura impossível

É impressionante a capacidade dos petistas de criar aberrações. Não bastasse terem formado uma “chapa triplex” para concorrer à Presidência (Lula-Haddad-Manuela), conseguiram a façanha de promover na internet um debate com eles mesmos.

JOSÉ CLAUDIO MARMO RIZZO

jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

O problema não é eleger Fernando Haddad (PT) como presidente, mas é como Lula poderia governar o País de sua cela na prisão em Curitiba.

OMAR EL SEOUD

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

O absurdo

Apoiado por sua falange, Lula se considera preso político e diz que foi injustiçado pela Justiça (ou justiçado pela injustiça?), porém não deseja mais ser solto – apesar da campanha frenética do Lula Livre – e quer porque quer ser candidato. Se vivesse no primeiro século da era cristã, não quereria ser Barrabás, porque se considera Cristo. Em raciocínio pelo absurdo, se for candidato e eleito presidente, do que está convencido, terá de governar o Brasil do spa curitibano ou ocupar o Palácio do Planalto cercado de grades. Se isso não é farsa, é comédia, e os 2/3 de brasileiros que o rejeitam não merecem passar por este ridículo perante o mundo. 

PAULO M. B. DE ARAUJO

pmbapb@gmail.com

Rio de Janeiro

Os grevistas e o ministro

O ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski aceitou receber militantes que estão em greve de fome pela liberdade de Lula. Espero que o ministro os tenha aconselhado a começarem a comer. Afinal, são mais 12 anos de cadeia pela frente.

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

Pensamento dos desocupados grevistas pró-Lula: fechamos a boca hoje e teremos uma boquinha amanhã.

ALESSANDRO LUCCHESI

timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca 

*

JUDICIÁRIO

Bons de bico

Dias destes o Estado publicou pesquisa que mostra que o brasileiro, para equilibrar suas finanças, é obrigado a fazer “bicos” para completar o sustento da família. Segundo a pesquisa, de janeiro a junho deste ano 64,4% dos trabalhadores estavam nessa condição. Muitos dependem do salário mínimo atual, de R$ 954,00, para sobreviver. E todo ano é a mesma ladainha para o reajuste dessa miséria: o Ministério do Planejamento propõe o valor e a Comissão Mista de Orçamento do Congresso analisa e invariavelmente reduz a proposta. O mínimo previsto para janeiro de 2019 foi de R$ 1.002,00, mas acabou em R$ 998,00. A comissão tirou míseros R$ 4,00, pois diz-se que impactariam as contas do governo. Pois bem, agora o Supremo Tribunal Federal aprova por 7 votos a 4 o reajuste de 16,38% em seus próóprios salários – o que ainda depende de aprovação do Senado. Dos atuais R$ 33.763,00 (teto do funcionalismo), os salários passariam para R$ 39.363,00. Um aumento mensal de R$ 5.530,00, fora as horrendas mordomias. Ah, mas este valor não vai impactar em nada o orçamento, faz-se um remanejamento de recursos e estamos conversados. Um abuso. E quem pagará a conta é o pobre do trabalhador, sem eira nem beira, humilhado constantemente pelo poder público.

SÉRGIO DAFRÉ

Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

A provação do tribunal 

Samba do crioulo doido, eis o que parece o STF atualmente. Seus membros, uns parciais, políticos e corporativistas; outros, nem tanto. Uns mandam prender; outro libera geral. O notório saber jurídico deixa a desejar, pois o próximo presidente nem para concurso de juiz passou. Recebem um salário astronômico e não produzem a contento, pois existem centenas de processos caducando na Corte por falta de julgamento. Têm férias de 60 dias mais recesso, carro com motorista, plano de saúde, auxílio-moradia, passagens aéreas ou voos em avião da FAB. Tudo isso pago pelo povo que realmente trabalha. Juntem a esses excessos a falta de vergonha na cara, e alguém pode me dizer para que serve o STF?

MARISA BODENSTORFER

Lenting, Alemanha

Resposta nas urnas

As eleições estão à vista. Portanto, a melhor reação da sociedade em relação ao aumento de salário abusivo proposto pelo STF é não reeleger parlamentares que votarem a seu favor.

FLÁVIO JOSÉ R. DE AGUIAR

rsd100936@terra.com.br

Resende (RJ)

*

“Muita coincidência, no PT, até no registro dos candidatos tem triplex”

CARLOS ALBERTO DUARTE/ SÃO PAULO, SOBRE A ESTRATÉGIA PETISTA DA CANDIDATURA TRIPLA PARA CONCORRER À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

carlosadu@yahoo.com.br

*

“Lula e Manuela juntos? Até os refugiados venezuelanos vão querer retornar para Maduro!”

CARLOS A BORGES/ RIO DE JANEIRO, IDEM

borges.ca@gmail.com

*

A PETROBRÁS E OS BRASILEIROS

A força tarefa da Operação Lava Jato já devolveu R$ 1 bilhão à Petrobrás, resultantes de acordos de delação de acusados e leniência de empresas participantes das fraudes contra a empresa, e prevê chegar a R$ 13,4 bilhões no final das apurações. De outro lado, a empresa teve lucro de R$ 17 bilhões durante o primeiro semestre de 2018. Esses números levam à reflexão de que sua operação precisa ser repensada e se voltar mais para o interesse dos seus legítimos donos – o povo brasileiro e os acionistas – e menos aos dirigentes e funcionários, que recebem supersalários e benefícios que a transformam numa verdadeira ilha da fantasia dentro de um país com tantos problemas. Da forma em que se apresenta a Petrobrás não serve aos brasileiros, mas a si própria, como faria qualquer empresa privada interessada em lucro. A frase “O petróleo é nosso”, que alavancou sua criação em 1953, não se sustenta, pois o petróleo pode ser da empresa, de suas parceiras ou até do governo, mas não do povo, pois pagamos um dos mais altos preços do mundo pelos seus derivados.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

O TRATAMENTO CORRETO

A pretensão do presidiário Lula em tentar participar das eleições presidenciais é única: reforçar a tese de perseguição política. Todavia, o presidiário Lula é um condenado da Justiça em primeira e segunda instância, portanto, claramente inelegível. Precisamos é dar a ele o devido tratamento quando mencionado, ou então se colabora com a sua tese. Somente para lembrar-se de um de seus crimes pelos quais será julgado, refere-se ao uso de bilhões do BNDES, a juros subsidiados, para financiar a Odebrecht a vender projetos para Angola, Cuba e Venezuela com desvio de dinheiro para seus bolsos, enquanto deixava 13 milhões de desempregados no Brasil. Um crime imenso. Somente quando se der a verdadeira noção de quem é o presidiário Lula, é que vamos poder avançar com tranquilidade na condução do Brasil e valorização da nossa Justiça.

Carlos de Oliveira Avila gardjota@gmail.com

São Paulo

*

DEBATE

A Band deu início um novo ciclo de debates entre os candidatos à Presidência da República: debate da voz única. Todos, exceto Guilherme Boulos (oito candidatos), com programas de direita, ultradireita, de conciliação e/ou enrolação. Desde 89, em todas as campanhas à Presidência, o operário Lula, representando o PT, era a novidade, a esperança nos debates por um Brasil melhor. Chegou à Presidência e realizou o maior governo da história republicana, junto com Getúlio. A direita truculenta e autoritária acabou com a brincadeira de democracia. Uma peça inédita de teatro de horror, cujo final somente a história pode revelar.

Antonio Negrão de Sá negraosa1@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

RESPEITOSOS

Como os candidatos à Presidência são respeitosos! A impressão é de que houve um acordo tácito para não falarem mal de ausentes, especialmente daquele que se encontra encarcerado cumprindo pena de 12 anos por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

CANDIDATOS

Pelo que conclui após assistir ao debate na Band com os presidenciáveis das eleições de 2018, há seis que têm condições de disputar o segundo turno, um cabo, servo de Deus, e um pintor de quadros, com 50 tons de Temer.

José de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 

São Paulo

*

OPÇÃO DIFÍCIL

Após o fraco debate para presidente da última quinta-feira (9/8), podemos tirar as seguintes conclusões: Marina precisa de uma vitamina. Alckmin é a mesmo lenga-lenga sem fim. Bolsonaro precisa mais de amparo, fraco. Com Ciro, só na base do tiro. Meirelles é um candidato reles, sem chance. Alvaro Dias só falou utopias. Cabo Daciolo não tem miolo e o Boulos só engana os tolos. Nunca foi tão difícil encontrar um candidato, ainda mais na situação precária que o País se encontra, necessitando de importantes e urgentes soluções.

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br 

São Paulo

*

MODELO FALIDO DE DEBATE

Como há décadas ocorre nas emissoras de TV do Brasil, em que vários, e, inexpressivos candidatos a cargos majoritários participam, mais uma vez ficou comprovado neste realizado com os presidenciáveis pela TV Bandeirantes, que, este modelo de debate está falido! Na realidade, sem discussão de ideias, está mais para um circo de horrores que nada acrescenta aos eleitores! Serve apenas para dar visibilidade a medíocres candidatos, como Guilherme Boulos do (PSOL) este literal papagaio do PT, e do Cabo Daciolo (Patriotas) que fala como estivesse num botequim cercado de amigos ignorantes... Porém, se nada também acrescentaram, Ciro Gomes (PDT-CE), Marina Silva (Rede-AC), Alvaro Dias (Podemos-PR), Henrique Meirelles (MDB-GO) e Geraldo Alckmin (PSDB-SP), foi bom para o líder nas pesquisas Jair Bolsonaro (PSL-RJ) que, não desafiado até pelos nada criativos jornalistas, se safou do seu reconhecido desconhecimento sobre os assuntos nacionais... O resultado deste debate é a cara do atual Brasil, desgovernado, e sem ideias e convicções de seus filhos para solucionar seus graves problemas... Uma lástima!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos

*

URNAS DA ESPERANÇA

Já abrimos nossa “Caixa de Pandora” e libertamos todos os males do mundo, para ficar só com a esperança. Vamos agora enterrar nossas últimas esperanças em urnas fúnebres? Que o farol do bem senso nos conduza ao porto seguro de um novo ano do resto de nossas vidas.

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

CHANTAGEM NO STF

O reajuste aprovado no STF, em momento de extrema crise econômica, se confirmado no Senado terá impacto, nos já arrombados cofres públicos, de pelo menos R$ 4,5 bilhões. Mas o que mais me chamou a atenção, não foi a falta de sensibilidade e irresponsabilidade, mas sim a avaliação escrachada feita por integrantes da corte, de que se concedido o reajuste deixaria de se justificar o indecente auxílio-moradia. Senhores juízes, isso é uma explícita confissão de chantagem. Isso não é crime?

Abel Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

TRANSPARÊNCIA

Os magistrados do Supremo Tribunal Federal (STF) que votaram a favor do encaminhamento de um pleito ao Congresso Nacional com a finalidade da inclusão no Orçamento federal de um reajuste nos salários que percebem é um fato que motiva muitas avaliações. E que começa sobre qual será o reflexo desta atitude em relação aos demais setores do Judiciário. E também das demais categorias federais, como no caso dos auditores fiscais, em greve há vários meses. E como devem reagir os milhões de aposentados brasileiros que há tempos recebem um porcentual insignificante no início do ano, definido pelo governo federal. Esta decisão do Judiciário poderá interferir positivamente nesta situação? O assunto exige debates e explicações transparentes.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

LIÇÃO

O caminho para uma revolta popular, espontânea e sem liderança, é este mesmo “senhor STF”, “senhora Ministério Público” e senhores membros da casta política! Aumentem mesmo seus já vistosos e gordos salários, continuem assim em suas faustosas e nababescas vidonas enquanto o restante de nós sofre. No amanhã, não esperem piedade dos revoltosos, afinal, quem sendo jocoso brinca, cego, indecente e imoral com o sofrimento alheio achando que a história é irrepetível, merece mesmo sentir a lição que sempre geralmente nestes casos vem aplicada a própria carne! Lembrem-se, todo rebanho tem o seu dia de alcateia...

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Paulo

*

VERGONHA NACIONAL

Pobre povo brasileiro. A nossa mais alta Corte de Justiça comete uma grande injustiça aos milhões de brasileiros. No editorial do “Estadão” (“Suprema insensibilidade” - 10/8, A3) há uma afirmação de um membro da Corte, o sr. Lewandowski que “O impacto do aumento será menor que o valor desviado e já devolvido à Petrobrás”. É de estarrecer tamanha “leWiandade” (o W é dele), pois enquanto ninguém dos súditos tem aumento, vem a Corte e delapida nosso já escasso Orçamento. Pelas informações obtidas pelo “Estadão”, a estimativa de aumento de despesas será de R$1,4 bilhão no governo central e de R$ 2,6 bilhões para os Estados, já tão endividados. A indignação é grande e, felizmente, dentro desta mesma Corte temos juízes sensíveis (Rosa Weber, Cármen Lúcia, Fachin, Celso de Mello) que, neste caso específico, se posicionaram contra este espúrio aumento. Parafraseando um jornalista: “Isto é uma vergonha”.

Claudio Baptista clabap45@gmail.com

São Paulo

*

AUMENTO EM CAUSA PRÓPRIA

Não que esteja contra o aumento dos vencimentos dos ministros do STF, pelo contrário, acho que até merecem pelo trabalho que têm tido nos últimos tempos. Mas o que não entendo é que todos “trabalhadores normais” nunca tiveram ou terão decididos os próprios aumentos salariais, e sim alguém acima deles, certo? Ou me corrijam se estiver errado.

Nelson N Cepeda fazoka@me.com

São Paulo

*

CORRER RISCOS

Nunca é demais lembrar aos senhores ministros do STF, que se acham insatisfeitos com os seus vencimentos, que ninguém nasce ministro nem é obrigado a morrer ministro. A iniciativa privada é aberta para quem tem competência e coragem para correr riscos!

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém

*

NOVAS OPORTUNIDADES

Se os ministros do STF não estão satisfeitos com seus salários, que vão trabalhar nas empresas privadas ou advogando por conta própria.

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

É A JUSTIÇA, ESTÚPIDO!

Será que o presidente da Corte Suprema brasileira só serve para montar pautas? Ao que tudo indica, sim. O fato de que o indecente reajuste recentemente proposto pela maioria do plenário, visivelmente lesivo à economia do País, por seus efeitos propagadores que onerarão os orçamentos nas três esferas de governo, com o qual o ministra Cármen Lúcia, atual dirigente máxima do Tribunal, declara não concordar, afirmando não estar convencida de que a decisão é a melhor para o Brasil, seja sequer por ela cogitado e muito menos encaminhado, intriga o cidadão comum, não acostumado à lógica dos bastidores do órgão mais importante do Poder Judiciário. Seria o caso de responder-lhe: “É a justiça brasileira, estúpido!”

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

APPLE VALE US$ 1 TRILHÃO

O valor da Apple passou a barreira do US$ 1 trilhão, algum “bam bam bam” da economia brasileira poderia nos dizer quanto valeria, em dólares, a nossa Petrobrás, caso ela não tivesse sido saqueada, roubada e destruída durante tantos anos, por uma quadrilha composta por políticos corruptos e empresários corruptores, cuja maioria, por mais incrível que possa parecer, ainda nos “representa”?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

FIM DO ESPORTE INTERATIVO

Ser assinante de TV a cabo no Brasil é ser obrigado a pagar para ter o que deseja e levar junto o que não deseja ou não precisa. No meu pacote sou obrigado a ter canais infantis sem ter crianças em casa, ainda tenho canais que não tem a menor consideração com o espectador e que tem liberdade para passar durante um programa várias vezes as mesmas propagandas. Quanto aos canais esportivos se proliferaram e para vermos um evento ao vivo somos obrigados a ver e ouvir muita bobagem, com isso percebo que cada vez mais me interesso por outras mídias que tem um pouco mais de preocupação em me respeitar como consumidor!

Marcos Rothen marcosrothen@hotmail.com

Goiânia

*

‘DIA DO BRASIL’

Não bastasse um presidiário pleitear a Presidência, a assassina dos pais deixa a prisão para o dia dos pais. As leis necrosam, a justiça fede, a Nação se decompõe. No calendário não há um só que seja o “dia do Brasil”.

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

NOTA DE PÊSAMES

Suzane von Richthofen sai da cadeia para homenagear o dia do pai que ela matou. Como, com certeza, o casal Nardoni deve sair no dia das crianças, convoco todos a ascenderem uma vela no dia de finados ao nosso falecido Judiciário.

Leonidas Ronconi ronconileonidas@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.