Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2018 | 03h00

EMPREGO

Desalentados

É inaceitável que 4,8 milhões de brasileiros desempregados tenham deixado de procurar emprego, por desalento e falta de perspectivas no precário e comprimido mercado de trabalho nacional (dados do IBGE). Mais grave é que 23% dos desempregados do País são chefes de família na faixa entre 40 e 59 anos. Triste e trágico um país onde os bancos e o mercado financeiro ostentam lucros bilionários, pagam um mínimo de tributos, recebem todo tipo de privilégios e incentivos com o dinheiro público e dão as cartas na economia, enquanto milhões de brasileiros de bem são condenados ao desemprego, a uma vida precária, dura, difícil e ao desespero, numa total inversão de valores e de prioridades.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Pobres mais pobres

Saldo de 13 anos de governos do PT: 27,6 milhões de desempregados, subocupados ou desalentados, os que não procuram mais emprego. Como dizia a britânica Margaret Thatcher, socialistas gostam é de deixar os pobres mais pobres.

PAULO DE TARSO ABRÃO

ptabrao@uol.com.br

São Paulo

Empregadores acuados

A enorme falta de empregos no País é consequência da falta de empregadores, acuados por uma pesada tributação sobre a mão de obra, que lhe chega a custar 40% a mais e que vai para a tutela do Estado. O salário médio nacional, de R$ 2,1 mil (bem menor, na realidade, se considerarmos apenas os salários das classes não estatais), tem encargos legais, impostos, custos operacionais que não integram a produtividade. O Imposto de Renda na fonte, por exemplo, já a partir de R$ 2 mil, é de 7,5% do salário bruto, com deduções complicadas e de pouco alcance. O empregador é constantemente ameaçado e atingido por pesadíssimas multas se não atender a essas exigências, pelas quais é o único responsável. Os descontos para o sistema previdenciário custam ainda mais e, como é notório, não atendem devidamente a seus fins. O depósito compulsório do FGTS onera o empregador e acaba sendo mais um problema do que benefício para o empregado, seja quanto ao saque, seja quanto ao rendimento – o dinheiro é administrado e usado pelo Estado, que impõe regras, custos e prazos para cedê-lo. E, como se fosse pouco, o temido Judiciário trabalhista, incongruentemente separado da Justiça comum, com normas próprias e aceitando indiscriminadamente qualquer alegação, cria labirintos e custos que, por sua insegurança, desestimulam fortemente qualquer disposição de oferecer salário e trabalho. A permanecerem essas insalubres condições, que já duram décadas, o único empregador será o Estado. Como já acontece na Venezuela.

MARCOS DE SOUZA DIAS

marcosdesouzadias@gmail.com

Maringá (PR)

Desafio

Acredita-se que o maior desafio para o próximo presidente da República será a redução do perturbador índice de desemprego. Partindo do princípio de que este número é consequência, e não causa, seria fundamental e, portanto, mais desafiador estimular o nível de investimentos, diminuir os gastos públicos e aprovar as imprescindíveis reformas, algumas das medidas que, postergadas por razões eleitorais, constituem as verdadeiras raízes da situação configurada pela falta de trabalho que aflige o povo. Mas, neste nosso confuso sistema de coalizão, enfrentar tais dificuldades não é tarefa só para o futuro presidente, mas para todos os escolhidos em 2018: governadores e parlamentares, que, se não vierem com uma postura diferente desta que foca exclusivamente projetos pessoais, sem dar a devida atenção a questões estruturais, é possível que se materializem, em futuro mais próximo do que se imagina, as condições para uma indesejável ruptura institucional.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

Além da grave recessão econômica, que resultou numa verdadeira legião de desempregados, com dívidas se acumulando em bancos, financeiras e até mesmo na Justiça, o próximo governo terá de saber lidar com as contas públicas para cumprir a regra do teto dos gastos. Mesmo que consiga aprovar a reforma da Previdência, é possível que o(a) presidente tenha de promover alguma alteração na regra do teto, cujo princípio é evitar que os gastos públicos federais ultrapassem o limite inflacionário do ano anterior. Ocorre, no entanto, que, pelo andar da carruagem, os gastos extrapolarão esse limite inserido no texto constitucional por meio da PEC capitaneada por Michel Temer. O erro foi tamanho que o problema ficará nas mãos do próximo ou da próxima presidente da República. Além disso, terá de existir uma verdadeira força-tarefa no Congresso Nacional para reduzir as despesas públicas, inclusive no Legislativo e no Judiciário. Que os presidenciáveis pensem muito bem no desafio que os espera no Palácio do Planalto.

WILLIAN MARTINS

martins.willian@globo.com

Guararema

ELEIÇÕES 2018

Dia do deboche

Claro está que a candidatura do ex-presidente Lula à Presidência da República nunca foi para ser levada a sério. Claro está, para quem conhece os petistas de longa data, que as instituições da por eles chamada “democracia burguesa” também não são para serem levadas a sério, servindo só como meio para chegarem ao poder e acabarem com elas. Claro está que apresentar à Justiça a certidão negativa de um condenado, para poder participar de uma eleição, também não é algo para ser levado a sério, posto que se trata de uma brincadeirinha, de um escárnio, de um deboche. Por que, então, não institucionalizar o dia 15 de agosto como o Dia do Deboche? Assim nunca nos esqueceremos da bofetada que todo cidadão de bem recebeu no dia em que um presidiário solicitou à Justiça Eleitoral seu registro para concorrer ao Palácio do Planalto.

JOSÉ JAIRO MARTINS

josejairomartins7@gmail.com

São Paulo

Ainda o registro

O Brasil chegou ao extremo da banalização dos seus costumes políticos com o registro da candidatura de um condenado, preso, à Presidência da República.

JOSE J. ROSA

jose.rosa1945@hotmail.com

São Paulo

No papel

Ainda sobre o patético papelucho registrando a candidatura do preso (?) em Curitiba, não custa lembrar que papel aceita qualquer coisa. Só esperamos que a Justiça Eleitoral não se preste a este papel!

GUTO PACHECO

jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


DESEMPREGO


A divulgação do IBGE de que neste segundo trimestre faltou trabalho para 27,6 milhões de brasileiros, é emblemática de nossa grande crise (17/8, B3). As causas profundas dessa triste realidade remontam há muito tempo, agravadas é claro pelas últimas posturas de nossos últimos gestores governamentais. Urge agora, que os futuros eleitos ponham o problema como prioridade zero de solução, para que possamos sair desse terrível imbróglio que atualmente engessa o desenvolvimento da nação como um todo.


José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro


*

AGIR COMO NAÇÃO


O desemprego no Brasil está causando sérios problemas, não apenas para a classe trabalhadora. Sem salários não há como gastar e sem consumo há o limite na produção. Mas não dá para ficar esperando que os candidatos aos mais diferentes cargos eletivos apresentem soluções (17/8, B4). É esperar demais. O certo, sim, é que haja um entendimento entre os diferentes setores produtivos na elaboração de projetos que levem em consideração a mão de obra e as matérias primas em situações como malhas ferroviárias extensas e fabricação de equipamentos, sistema habitacional que possa usar aço na sua estrutura principal. É também importante a instalação de estaleiros para equipamentos marítimos e hidroviários. E o governo aceitar a discussão de isenções fiscais explícitas é o fator importante. Temos de agir como Nação e não como um pequeno país, como está acontecendo.


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos


*

PROBLEMA GRAVE

O desemprego tornou-se grave problema no país. Uma questão que põe o cidadão a margem da economia, obrigando-o a aceitar empregos informais ou procurar subempregos como os bicos para conseguir o mínimo sustento. Um cenário que torna anciãos aposentados em arrimo de família. Não é possível aceitarmos uma situação desta gravidade sem fazermos críticas aos poderes públicos que pouco se pronunciam sobre o assunto, parecendo querer distância desta realidade, assim como partidos políticos ditos dos trabalhadores como PT, PTB, etc. que não se engajam em propostas facilitadoras da empregabilidade. Parecem, hoje, mais interessados nas próximas eleições, recebimento de verbas partidárias e cargos de governo, e isto sim, emprego para seus líderes. Numa situação destas, bolsa família se torna bolsa esmola, não sem razão ser motivo de pavor ao cidadão recebedor, a possibilidade de uma eventual mudança de critérios. Interessante notar a dissociação da sociedade civil que vê a matéria como notícia. Torce para que o mesmo não ocorra na sua seara. É preciso, portanto, mais engajamento da sociedade como um todo, mais ação propositiva e menos lamento. Precisamos também de líderes para a condução de pautas emergenciais, que infelizmente são muitas neste país. Para eles certamente haverá emprego...


Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba


*

ONU


O PT divulgou em nota que a ONU ficou do lado da legenda quanto à validade do registro de candidatura do ex-presidente Lula à Presidência da República, nas eleições de 2018. Neste caso, de duas, uma: ou bem o PT está mentindo e cometendo um grave crime, pelo que deverão os seus dirigentes ser processados pela Procuradoria-Geral da República (PGR), ou então a ONU está se intrometendo, muito indevidamente, em assuntos internos do Brasil, pelo que o governo brasileiro estará recebendo o beneplácito para, de mesmo modo, meter o dedo na cara de qualquer outro governo e dizer o que bem entender, independentemente do que estiver acontecendo em sua esfera interna corporis.


Marcelo Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com 

Rio de Janeiro


*

GOLPE DO CDH DA ONU


Comitê de Direitos Humanos (CDH) da ONU dá liminar em prol da candidatura de Lula. Ridículo é pouco. Desde quando candidatar-se a presidente é direito humano? Desde quando a dita instituição opina sobre eleições? Com que direito tenta interferir num país democrático e soberano? E todas as ditaduras fartamente representadas no conselho, que prendem e matam em franco desrespeito aos direitos humanos e o dito conselho não faz nada? Quem julgou, quando julgou, com base em quê? Quanto custou esta decisão? Está na hora de o Brasil, seguindo o exemplo de outras democracias dignas, deixar esta instituição que não cumpre com sua função. O mundo precisa de um conselho de direitos humanos, mas de um conselho em que os direitos humanos e só direitos humanos importem. Ou seja: de outro conselho.


Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo


*

PARTIDO INTERNACIONAL DOS TRABALHADORES


Uma liminar da ONU a favor do ex-presidente Lula tem “decisão obrigatória e efeito imediato”, segundo Paulo Sérgio Pinheiro, presidente da comissão da ONU. Como podemos notar, assim como todas as facções criminosas, o PT tem também suas ramificações fora do País.


Jatiacy Francisco da Silva jatiacy@hotmail.com 

Guarulhos


*

CHICANAS


Paulo Sérgio Pinheiro, e representante da segunda turma na ONU?


Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br 

São Paulo


*

ONU: PARA QUE SERVE?


Além da inutilidade para resolver os conflitos e guerras pelo mundo, a ONU agora dá palpite nos assuntos internos do Brasil, desconhecendo que o ex-presidente foi condenado após utilizar todos os recursos legais cabíveis para sua defesa. Também desconhece os milhões de desempregados que a desastrosa e corrupta gestão do partido dele provocou no País.


Ari Giorgi arigiorgi@hotmail.com 

São Paulo


*

REGISTRO POLÊMICO


O registro do pedido feito pelo PT no último dia do prazo, da candidatura ao Planalto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mesmo depois de ele ser sentenciado e condenado a 12 anos e 1 mês de prisão, esta já efetuada, tudo conforme decisão transitada em julgado da Justiça Federal no Paraná e confirmada no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) e feito sem informar a condenação acima referida, é um acinte com intenção preconcebida de desmoralizar os Poderes da República – Legislativo, Judiciário que aprovaram a Lei da Ficha Limpa e o Poder Executivo que a promulgou. Também a foto estampada no “Estadão” (16/8, A4), mostrando sorrisinhos petistas com a prova do registro do aludido pedido de candidatura, é mais outro acinte com a intenção de mostrar publicamente que a Lei da Ficha Limpa não passa daquela ditatorial expressão pejorativa “a lei? Ora a lei!”. Louvo o digno MPE que entrou com pedido de impugnação do caso em tela, acelerando sua apreciação, mesmo antes da publicação do edital com o nome dos candidatos. Espero que o ilustre ministro Barroso, eleito relator no presente caso, atenda à locução latina “mens legislatoris” (a intenção do legislador).


Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br 

Assis


*

INDECÊNCIA


Na zona eleitoral lullopetista, o “ménage à trois” não se consumará com impugnação de um dos membros. Por excesso explicito de indecência...


Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*

CUNHA


Preso, Eduardo Cunha divulga carta nas redes sociais e defende candidatura de Lula. Criminosos defendem seus comparsas pela cumplicidade, nada, além disso.


José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br 

São Caetano do Sul


*

REGALIAS DE UM DETENTO


O excelente editorial do “Estadão”, com título “Tribunal como palanque” (17/8, A3) que demonstra a farsa e ousadia do mais famoso presidiário do País: Lula da Silva! Que mesmo inelegível devido sua condenação em segunda instância, exigiu e foi atendido pela tigrada do PT, que registrasse no TSE, sua candidatura ao Planalto. E como bem diz o editorial, com o único objetivo de transformar o “tribunal como palanque”! Esse é Lula, que todos os dias afronta o Judiciário, e mesmo assim, sabe Deus, por que, tem muita regalia como presidiário, incomum a qualquer criminoso no País! E não por outra razão, que, o seu comitê funciona dentro da sua própria cela em Curitiba. Uma vergonha para nossas instituições! E sua tigrada do PT, achando que os membros do TSE são formados por idiotas, registra a candidatura de Lula, anexando uma certidão de antecedentes limpa, como se esse demiurgo Garanhuns, não tivesse sido condenado por corrupção com pena que cumpre de 12 anos e 1 mês. Está mais do que na hora de dar um basta neste PT, Lula e o seu poste Dilma, que elegeu ao Planalto, que foram, infelizmente, responsáveis pela quebra da nossa economia, dos 14,2 milhões de desempregados, e que, com a corrupção indignaram a nossa sociedade e emporcalharam a imagem do Brasil...


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos


*

PT


O PT é um grande sucesso de marketing como uma pirâmide financeira, uma fraude insustentável.


Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

A IMPORTÂNCIA DA VACINAÇÃO


Os 36 mil postos de vacinação em todo o território nacional estarão abertos neste sábado (18) e continuarão atendendo as crianças até 5 anos, até o dia 31, para vaciná-las contra a poliomielite e o sarampo. A vacinação começou no dia 6 e ainda faltam 84% do público alvo para ser imunizado. A poliomielite – ou “paralisia infantil” – foi erradicada no Brasil em 1990. Muitos dos pais que hoje têm o dever de levar suas crianças para vacinar ainda nem haviam nascido. Não viram o flagelo da doença, que sequelou muitos brasileiros. Se tivessem visto, não negligenciariam com seus filhos. A necessidade de vacinação vem da circulação do vírus da pólio, constatado nos últimos três anos em 23 países, e um caso da doença na Venezuela, de onde o Brasil está recebendo grande fluxo de refugiados que têm trazido também o sarampo. O governo e a sociedade civil precisam encontrar meios eficientes de convencer o povo a se vacinar e adotar os procedimentos aconselhados. Já tivemos a reintrodução da dengue e da febre amarela e mais recentemente o ressurgimento do sarampo. Há que se convencer as pessoas de que vacinação e prevenção são os melhores caminhos para a preservação da saúde...


Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo


*

RESPONSABILIDADE


Proponho que a cada criança que tenha doença que haja vacina disponível tenha seus pais responsabilizados. O mesmo aos pais de menores que se envolvem em crime. Há legislação neste sentido, que pode ser ampliada, e que está, solenemente, ignorada. Abandono de menor é crime. As consequências de seus atos danosos devem ser indenizadas por seus pais ou responsáveis. Simples assim.


Roberto de Mamede Costa Leite r-mamede@uol.com.br  

Ubatuba


*

USINAS NUCLEARES


Tendo o Brasil um potencial de energia eólica maior que a capacidade de geração total hoje instalada e um potencial de energia solar três vezes maior, a expansão da geração por usinas nucleares é absolutamente desnecessária. Cabe apenas completar a usina de Angra III por razões de racionalidade em vista dos recursos já investidos.


Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo


*

POPULISMO E IMPRENSA


É louvável a reação massiva, coordenada, dos 350 jornais norte-americanos que, por meio dos seus editoriais, reagiram aos ataques sistemáticos do presidente Donald Trump contra a imprensa. Nunca é demais lembrar: durante os 13 anos de administração petista, suas lideranças atacaram sistematicamente a imprensa brasileira e tentaram propor junto ao Congresso, sem sucesso, leis que tinham por objetivo controlar as informações da mídia – em português claro, censura. Para bom entendedor, nenhuma surpresa: governos populistas, demagógicos e arrogantes por excelência, e pouco afeitos a confrontações democráticas, sempre detestaram a imprensa livre.


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

FESTA DO PEÃO BOIADEIRO


A Festa do Peão Boiadeiro, em Barretos, é um triste retrato da nossa barbárie e ignorância. Nos rodeios, os animais são submetidos a torturas e mau tratos, num espetáculo de crueldade e degradação para o deleite de uma multidão de tolos. Até quando o Brasil será palco de rodeios, vaquejadas, farras do boi e outros eventos degradantes, em total desrespeito aos direitos dos animais?


Renato Khair renatokhair@uol.com.br 

São Paulo


*

CRIMES CONTRA MULHERES


A morte de mulheres no Brasil já virou uma praga institucional. Agora na Barra da Tijuca no Rio, uma corretora foi assassinada covardemente pelo ex-marido. Outro dia também no Rio, um namorado espancou uma menina até a morte. A quantidade de homens desequilibrados, psicopatas que matam motivados por ciúme e raiva é algo incrível neste país. Este tipo de crime ocorre a todo o momento em todo o País. Assassinatos motivados por motivo fútil, próprio de verdadeiros débeis mentais. Contribui para este tipo de crime uma legislação fraca e frouxa! As leis são fracas e a punição desta gente arrasta-se por anos em face de ritos processuais que procrastinam o cumprimento da lei até o próximo século. O Brasil precisa urgentemente de uma total reforma legal! Reforma constitucional, reforma penal e reforma da nossa vergonhosa e espúria lei de execução penal. E principalmente reforma total do nosso inepto e ineficiente Judiciário. Juízes e desembargadores ganham fortunas para todo o trabalho ser feito por assessores desqualificados. A pena para crime de tal natureza deve ser de prisão perpétua ou trinta anos de trabalhos forçados sem qualquer benefício legal. Chega de doçura e leniência com estes marginais!


Paulo Roberto da Silva Alves pauloroberto.s.alves@hotmail.com

Rio de Janeiro


*

ABUSOS


Com efeito, após acobertar covardemente por nada menos que 70 anos (!) os inúmeros casos de padres e sacerdotes pedófilos dos EUA acusados de abusos sexuais em milhares de crianças, algumas com apenas 5 anos (!) de idade, a Igreja Católica merece ser condenada ao inferno, sem apelação, pelo gravíssimo, indesculpável e inaceitável pecado mortal cometido. Basta!


J.S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.