Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2018 | 03h00

CAMPANHA ELEITORAL

Volta ao passado

Muito interessante o depoimento do economista Marcio Pochmann, um dos coordenadores do programa do PT para a Presidência do País, na Série Estadão FGV/Ibre. Em seu lúcido entendimento, o problema da Previdência não merece atenção urgente, o programa de privatizações deve terminar, a reforma trabalhista vai acabar com os sindicatos, os bancos estatais são indispensáveis, e por aí vai. Falou longamente sobre a “estatal” Petrobrás e os acertos dos governos petistas em intervir nessa empresa de economia mista, mas não teve a coragem de abordar a corrupção orquestrada por seu partido, que quase liquidou a empresa. Os sagazes perguntadores tampouco quiseram abordar tema tão importante, que tem reflexos diretos na economia. Enfim, a conversa foi uma deliciosa viagem ao passado. 

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

Fanatismo x razão

O ilustre petista Marcio Pochmann, na série sobre os economistas das eleições, demonstrou, mais uma vez, que a nostalgia é mais forte do que a ciência, lembrando a “nova matriz econômica”, obra-prima do lulopetismo que quebrou o Brasil. Como todo esquerdista, acredita que dinheiro nasce em árvores, ignorando o que deu errado no uso do Banco do Brasil, BNDES e Caixa na política de expansão de crédito e ainda lembrando as “campeãs nacionais”. Com relação à Petrobrás, somente o fato de abominar que sua política de preços siga as cotações internacionais demonstra em que mundo os lulopetistas vivem, onde o fanatismo político prevalece sobre a razão.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@gmail.com

São Paulo

Controle da mídia

O PT está com projeto muito doido na área de comunicação, não imagina a complexidade de implantar um sistema de comunicação. Quer estatizar tudo! 

MINORU TAKAHASHI 

minorinhotakahashi@hotmail.com

Maringá (PR)

Menos, menos...

Há um enorme esforço em curso para ganhar no grito, ou melhor, falar de forma a substituir o mundo real pela retórica mitificada. Agora foi a vez da economista Maria da Conceição Tavares dizer que Lula é o maior intelectual orgânico do Brasil. Ele seria um tipo culto que se mantém ligado à sua classe social originária. E me pergunto: desde quando? Parece piada. E é.

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

Pesquisas eleitorais

Considerando que Lula, então legalmente candidato, para vencer em 2002 e 2006, e com melhor popularidade, teve de encarar segundo turno, como teria agora, preso, cumprindo pena, quase 40% de intenção de votos, com tamanho grau de rejeição? Por que em 2016 Lula foi pífio cabo eleitoral? Essas pesquisas estão muito estranhas... E a imprensa vai continuar só a repercutir, sem análise crítica?

ANA LÚCIA AMARAL

anamaral@uol.com.br

São Paulo

Por que um político ficha-suja aparece nas pesquisas eleitorais? Por que a mídia se presta a esse desserviço à Nação? Querem ludibriar o povo? A quem interessa esse jogo sujo?

WASHINGTON B. ESTOYANOFF

wa.botella@me.com

Americanópolis

‘Fake news’

Quero também manifestar a minha opinião a respeito das lamentáveis pesquisas de intenção de voto recentemente divulgadas e que são acompanhadas por analistas fazedores de ilusões, mágicos que não escondem suas reprováveis deficiências intelectuais, principalmente julgando que seus ouvintes e leitores são um bando de idiotas. Quero afirmar que essas pesquisas representam enorme esforço de consolidar ilusões e mentiras, verdadeiras fake news, pois apresentam para os entrevistados desavisados dois inúteis candidatos: um presidiário, que é inelegível, e outro que nem registro de candidatura tem. Assim, esse tipo de pesquisas deforma a intenção de voto dos entrevistados. Os analistas de tais pesquisas, com raras exceções, induzem seu público a manifestar intenção de voto num presidiário e num anônimo. Ah, ignorância suprema! Lembro que, com base em dados do TSE, o PT perdeu 60% dos votos na eleição de 2016, comparados com a eleição de 2012. Ora, tanto em 2012 como em 2016 a eleição era para prefeitos e vereadores dos mais de 5.500 municípios do Brasil. Na eleição de 2016 em São Paulo, o então prefeito, o petista sr. Fernando Haddad, pretendeu reeleger-se para mais um mandato. Durante a campanha o presidiário sr. Lula da Silva ainda não havia sido condenado e fez ostensiva campanha para eleger seu ungido. E o que aconteceu? O ungido Haddad perdeu a reeleição no primeiro turno e não houve a tão divulgada transferência de votos do sr. Lula. Então, como é possível, hoje, dizer que o presidiário vai transferir seus hipotéticos votos para quem nem registro de candidatura tem?

SÉRGIO LUIS BERGAMINI

slbergamini@yahoo.com.br

São Paulo

Será que se Haddad usar uma máscara do “cara” vai poder participar dos debates?

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

Deu a louca na Justiça?

A inversão de valores que se vem constatando nos últimos tempos da parte de autoridades do Judiciário é perturbadora. Não bastassem o fatiamento ilegal da Constituição que manteve os direitos políticos da ex-presidente Dilma Rousseff, cassada por crimes contra a economia, e o juiz plantonista que autorizou ilegalmente a soltura imediata do presidiário de Curitiba, indo contra a legislação que proibia tal decisão, agora temos uma juíza da 11.ª Vara da Fazenda da capital condenando o ex-prefeito de São Paulo João Doria por “promoção pessoal”, pelo uso do slogan “Cidade Linda”, à suspensão de seus direitos políticos por quatro anos. A pergunta é: será que o estrago causado por Dilma durante sua administração irresponsável, que trouxe de volta a inflação e a recessão, resultando no desemprego de 13 milhões de brasileiros, é menos grave para que se justificasse a manutenção de seus direitos políticos, diante de uma suposta vantagem auferida por Doria no questionável uso de um slogan criado por ele mesmo? Lembrando ainda que o ex-prefeito renunciou ao salário a que tinha direito até o fim de seu mandato, doando o valor integral a uma instituição de caridade. O que está havendo com o Judiciário?

PAULO R. KHERLAKIAN

paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

CARNE ESTRAGADA

Venezuelanos fazem fila por carne estragada em polo energético castigado por apagões. Façam um churrasco com essa carne e sirvam-no a Lula, Dilma Rousseff e demais "cumpanheros" que recentemente propagaram que a Venezuela tem "excesso de democracia".

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

A CRISE VENEZUELANA

Duas observações sobre a crise venezuelana. Primeiro, o governo brasileiro envia 60 homens da Guarda Nacional para Pacaraima (RR) e enviará mais 60 em seguida. É relevante esse apoio, ou é a necessidade irreprimível de Raul Jungmann de aparecer? O Exército brasileiro opera na área em massa e ainda terá de prover apoio logístico à Guarda, logo... Segundo, a imprensa informa que a crise na Venezuela se aprofunda. Parece que todos ignoram que a ditadura comunista não aproveita os alicerces dos regimes democráticos que destrói; em verdade, os comunistas pregam a destruição de toda a estrutura anterior, a instalação do caos e a construção de um novo edifício institucional, repressor, previamente falido. Foi assim na Rússia e em Cuba. Assim será na Venezuela. Que rumo seguirá o Brasil?

Roberto Maciel dos Santos rvms@oi.com.br

Salvador

*

HIPOCRISIA REVELADA

A hipocrisia do ditador Maduro, revelada com denúncias de um ex-banqueiro suíço, mostra apenas, junto das acusações de tráfico de cocaína num avião de familiares apreendido nos EUA, como aquele personagem criminoso e sem escrúpulos usa do poder para enriquecimento pessoal e familiar. Tal situação de opressão ao povo da Venezuela é apoiada, no Brasil, pelas forças esquerdistas do PT e puxadinhos. Numa visão orwelliana, Maduro, como chefe do partido interno, tem tudo, gravita em volta dele um Partido Externo com menos, que mal e porcamente mantém a estrutura funcionando, os quais dominam as grandes proles ou massas que vivem na miséria e estão fugindo do país. Isso, na realidade, é o que nos ofertam as esquerdas, velada e mentirosamente, com uma camuflada ditadura do proletariado tropical mais tarde, na próxima eleição.

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

*

PÁTRIA DESPROTEGIDA

É com imensa preocupação que hoje olhamos para nossas fronteiras. Vejamos o caso de Pacaraima (RR), cidade na divisa com a Venezuela, país comunista disfarçado de democrata. Lá, o regime do sr. Nicolás Maduro está se esfacelando e o povo, morrendo de fome, sem saúde nem segurança, invade o Brasil trazendo consigo todas as mazelas do seu regime, sob os olhares da ONU, que nada faz a respeito, mas decide interferir nas leis do Brasil para libertar o sr. Lula, preso e condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, para que ele participe da eleição presidencial. Quando o Brasil esteve em guerra com o Paraguai, Duque de Caxias ofereceu sua vida; hoje, nossas Forças Armadas assistem a essa invasão de braços cruzados.

Urias Borrasca urias@mercosulrefratarios.com.br

Sertãozinho

*

A PAUTA NA ONU

Comitê de Direitos Humanos da ONU, preocupado com os refugiados venezuelanos? Ou preocupado em culpar cidadãos brasileiros invadidos? Não se lembra por que os venezuelanos estão fugindo da Venezuela? Não se preocupa com a violência dentro da Venezuela?

Carlos A. Borges borges.ca@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

FAZENDO 'O DIABO'

Apesar de condenado e preso, o heptarréu demiurgo de Garanhuns, Lula da Silva, está "fazendo o diabo" para conseguir participar do próximo certame eleitoral. Não obstante a derrocada do desembargador plantonista gaúcho e da "recomendação" do comitê da ONU para deixá-lo participar, agora extrapolou. Em entrevista ao jornal americano "The New York Times", afirmou que "há um golpe da direita em andamento no Brasil para que ele não concorra às eleições deste ano", ou seja, uma autêntica "fake news", pois nem explicou sobre sua condenação de mais de 12 anos de reclusão, por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Na verdade, é melhor tentar o cargo em 2030, pois até lá só lhe resta a carceragem da Polícia Federal.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

'SUPER LULA'

Creio que a melhor solução para resolver o problema Lula seria as varejeiras petistas do STF inocentarem o ogro de Garanhuns em tempo hábil para ele concorrer à Presidência do Brasil. Será eleito com um pé nas costas, afinal, 39% do eleitorado o adora. Só ele resolverá a gravíssima situação econômica do País, com cerca de 14 milhões de desempregados, gerada por si mesmo, quando há cerca de dez anos considerou apenas uma "marolinha" o tsunami econômico que varria o mundo, mas não aconteceria aqui porque o Brasil vivia sob seu mandato! Ele era o "super Lula", não é mesmo?

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

                                                                                                               

*

ATÉ A VELHINHA DEVE SABER

Não sei se posso concordar "100%" com o que diz Luis Fernando Veríssimo em sua crônica "Lá fora" ("Estado", 23/8, C10). Começa asserindo o cronista que, nos idos do ciclo militar, "o que saía na imprensa mundial (...) não chegava à imprensa brasileira, censurada durante 20 anos". Ora, convenhamos, a censura não abrangeu os tais "20 anos" e, depois, é inverídico que a imprensa - com todas as limitações impostas pelas circunstâncias da época - tivesse ficado aquele tempo todo publicando apenas "receitas de bolo" ou textos dos "Lusíadas", como faziam o "Jornal da Tarde" e o "Estadão" toda vez que tinham alguma matéria censurada. Tanto assim que, ou muito me engano ou o "Estado" noticiou, sim, a morte do jornalista Vladimir Herzog nos porões do DOI-Codi, fato que, de per si, responde à invectiva Veríssima. Lastimo que o respeitado cronista só tenha olhos para temas de mais de 30 anos no Brasil sem, aparentemente, manifestar preocupação alguma com o que ocorre neste preciso momento com o sofrido povo irmão da Venezuela, nação que esbanjaria "democracia", segundo Lula da Silva, o "presodenciável" do PT, e Gleisi Hoffmann, atual presidente da legenda. Deixo aqui meu recado ao articulista gaudério: o que "pega mal", meu caro, é só fazer reparos ao regime militar de 1964 - que não possibilitou os comunistas assumirem o poder pela força das armas - e não dizer um "a" sobre os desmandos protagonizados pelos novos "democratas" da confraria rubra à que sabidamente pertence o cronista, que só tem olhos e críticas para um dos lados da contenda, tolerando tudo o mais que se vê no "outro lado". Até a saudosa "velhinha de Taubaté" haveria de ter notícia das barbaridades hoje vistas na Venezuela chavista, regime apoiado incondicionalmente pelo escritor e sua galerinha.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

PEGOU MAL

É impressionante como se dá ou não importância a certas questões conforme o seu próprio ponto de vista. Luís Fernando Veríssimo afirma, na sua coluna do "Caderno 2" em 23 de agosto, que a sonegação à liberdade de Lula e ao seu direito de concorrer às eleições  "lá fora tá pegando mal". Lá fora, onde? Para quem? Não pegava mal a simpatia dos governos petistas pelo Irã, por Cuba, Venezuela e o drible que o Brasil levou da Bolívia no episódio do gás?! E o esquema de propina elaborado pela quadrilha, com a colaboração de muitos outros - verdade! -, não pegou mal?! Faça-me um favor! Este mundo paralelo em que esta esquerda cega vive já cansou há muito tempo. Mas os outros é que são massa de manobra...

Rita de Cássia Guglielmi Rua ritarua@uol.com.br

São Paulo

*

LÁ FORA E AQUI DENTRO

Quando dá uma de mal disfarçado militante, o sr. Veríssimo sempre manda a lógica e a coerência às favas. Quem ele pensa influenciar ou convencer com argumentos tão primários? Consegue irritar os seus leitores, em vez de levá-los à reflexão. O seu saudoso pai deve estar se revirando no túmulo, não pela militância, mas sim pela falta de consistência da argumentação. Qualquer hora o escritor, inconformado, resolve aparecer na tal pracinha de Antares... Afinal, quem são estes lá de fora com cuja opinião deveríamos estar tão preocupados? Vamos dar nome aos bois. Que ONU é esta que recomenda a um país soberano que passe por cima de suas leis para favorecer um condenado? A questão é bastante simples. A Lei da Ficha Limpa, criada no governo do próprio PT, é clara: condenados em segunda instância não são elegíveis. Lembremos que na maioria dos países do Primeiro Mundo (lá fora, portanto) a condenação em segunda instância é final e irreversível. Por tudo isso, não acho que devamos nos preocupar com o que pensam os patetas lá de fora. Preocupante, mesmo, é o que pensam os patetas aqui de dentro. 

Vito Labate Neto vitolabate@terra.com.br

Mairiporã

*

ITAMARATY INCOMPETENTE

O pronunciamento do comitê da ONU a favor de Lula demonstra a total incompetência do Itamaraty. 

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

LEGISLAÇÃO ELEITORAL

Nossa legislação eleitoral parece ser muito branda, pois permite que velhos, corruptos e danados candidatos, mesmo com muitos processos e investigações em andamento, permaneçam em seus cargos, com infinitas reeleições, como nos mostrou o "Estadão" de 23/8, sem nada lhes acontecer. Esta semana noticiaram que Romero Jucá, um dos políticos de carreira, teve um processo caducado no Supremo Tribunal Federal, após mais de dez anos, sem nunca ter este entrado em pauta. Se queremos mesmo renovação, que os eleitores não os reelejam, mas escolham nomes novos, gente impoluta e capaz, para ocupar relevantes cargos políticos, iniciando pela Presidência da República.   

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

A CASSAÇÃO DE MALUF

Finalmente o Congresso Nacional criou vergonha e cassou o mandato do presidiário Paulo Maluf. Este deputado, que desde 1998 é investigado por lavagem de dinheiro, tem contas em paraíso fiscal como a Ilha Jersey e, condenado, foi preso em dezembro de 2017. Porém, e infelizmente, somente agora o nosso Parlamento teve a dignidade de cassar seu mandato. Outros parlamentares que estão nesta mesma lista dos que deveriam perder seu mandato se sentem confortáveis e nada ameaçados.  O venoso corporativismo existente entre os congressistas impede que sigam o que manda a Constituição. Uma afronta! Ou seja, é a cara do Brasil, onde tudo o que é prioritário se procrastina, e os incompetentes e corruptos seguem com livre trânsito dentro das nossas instituições.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PAULO MALUFOU

O notório e famigerado deputado Paulo Maluf (PP-SP), que defendeu acima de tudo e de todos os seus próprios interesses em mais de meio século de polêmica vida pública, depois de ter virado o verbo "malufar", teve seu mandato parlamentar cassado por unanimidade (!) - neste caso, nada burra - pela Mesa Diretora da Câmara. Tchau, "querido", já vai tarde, para nunca mais voltar. Paulo Maluf malufou. Basta!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

O LEGADO DE MALUF

Cassaram Maluf. Infelizmente, tanto tempo se passou sem que nada tivesse sido feito, que a prática da corrupção entrou em metástase na classe política brasileira. Hoje há uma multidão dos que podem colocar as máscaras do "eu também sou Maluf!" e estariam todos falando a absoluta verdade. Talvez pela primeira vez em sua vida pública. São discípulos fiéis que conseguiram roubar muito mais do que o mestre, sem, contudo, atingir o mesmo grau de perfeição em termos de "cara de pau". A coisa virou tão normal que quase 40% dos eleitores, se pudessem, votariam em alguém que "rouba, mas faz". No Brasil, até prova em contrário, corrupção é a fórmula certa para a fortuna fácil e imediata, com riscos muito menores do que correm os que trabalham ou empreendem honestamente.  

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

HONESTIDADE

Agora que Maluf foi aposentado, Lula pode se considerar o "mais honesto" do País! 

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

HIPÓCRITAS

Sensacionais o pudor e o civismo da Mesa Diretora da Câmara federal cassando o mandato do deputado Paulo Maluf. Até as pedras das ruas sabem, não é de hoje, que a Câmara é dominada e repleta, com as exceções de praxe, de corruptos, cretinos, venais, oportunistas e hipócritas. Muitos pendurados na Lava Jato. Corja de paladinos de barro, sem moral nem autoridade para cassar ninguém. Deputados da Mesa Diretora que tiveram a estupidez e a covardia de cassar Maluf, por acaso, pretendiam se exibir para quem? Para os eleitores? Morro de rir. Será difícil de São Paulo encontrar e eleger prefeito da capital e governador do Estado mais eficiente, trabalhador e competente que Maluf. 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

O CASSADO E OS CAÇADOS

Finalmente a Câmara conseguiu cassar o mandato do deputado federal Paulo Maluf. Muitos eleitores, já idosos, sabem quanto ele fez pela cidade de São Paulo como prefeito e também quando governador. Foi um bom governante. Seria bom que os políticos que estão empoleirados em Brasília vissem e dessem valor às qualidades de um político que ganhou o 8.º lugar com 250.281 votos. Hoje, é caçado por umas querelas, se comparado com a turma caçada pela Lava Jato. Isto é Brasil!

Jose Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

CASSAÇÃO

Demorou, mas, agora que Maluf pode viajar, nem para o Paraguai...

Moisés Goldstein mg2448@icloud.com

São Paulo

*

A RENÚNCIA E A RESISTENTE CORRUPÇÃO

Hoje, 25 de agosto, faz 57 anos que o presidente Jânio Quadros renunciou. O combate intransigente à corrupção, simbolizado pela vassoura, foi seu principal mote de campanha de vereador a presidente da República, e materializou-se em propostas de severas mudanças econômicas sobre lucro, câmbio e reforma agrária. No exercício do governo, teve esquisitices como a regulamentação do carteado, a proibição do biquíni, das corridas de cavalo em dias úteis e do lança-perfume e briga-de-galo, estas duas últimas prevalecendo até hoje. O reatamento de relações com a União Soviética e a China e a condecoração a Che Guevara agitaram o País naqueles tempos de guerra fria. Depois de renunciar, Jânio passou 22 horas na base aérea de Cumbica, esperando a reação popular, que não veio. Disse ter deixado o governo em razão de "forças ocultas", cuja definição levou para o túmulo. Sua trajetória política só se concretizou por encontrar o solo fértil da luta anticorrupção. Passadas quase seis décadas, a política nacional patina na mesma lama. Seriam as "forças ocultas" que atrapalharam Jânio as mesmas que hoje travam os governos e pilotam as falcatruas que escandalizam a Nação? Ao cidadão, grande prejudicado das atitudes ilícitas de governantes e ocupantes de postos eletivos, só resta uma alternativa: votar naqueles que mais possam representar seus interesses. Deixar de votar ou votar em branco ou nulo só pode favorecer os que já demonstraram não servir para o Brasil.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

QUANDO O SUPREMO É CÉLERE

O Supremo Tribunal Federal (STF), que costumeiramente caminha a passos lentos na questão do julgamento de políticos corruptos, resolveu pautar para breve se aceita ou não uma denúncia de racismo contra o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro. É intrigante essa súbita celeridade, pois o STF tem centenas de processos e inquéritos envolvendo políticos ladrões parados há anos ou décadas, alguns já prescritos. A pergunta é: por que este tribunal se calou diante do registro da candidatura de Lula no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cientes que estavam os ministros de que o presidiário ostenta hoje o status de ficha-suja, portanto inelegível?

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

PARA QUE 88 VEÍCULOS?

Foi publicado pela imprensa recentemente (18/8) uma notícia que nos causou indignação e muita revolta pelas coisas absurdas que ocorrem em nosso Brasil. A notícia desabonadora é de que o  STF tem uma frota de 88 (oitenta e oito) automóveis, todos à disposição dos senhores ministros. Além deste astronômico abuso, mais R$ 2 milhões foram gastos até junho do presente ano com motoristas da entidade. Como é possível uma exorbitância e excrescência dessa natureza, diante das dificuldades financeiras que assolam o País atualmente? Os senhores ministros do Supremo têm pleno conhecimento de que as contas públicas federais estão em frangalhos, uma vez que são deficitárias em quase R$ 200 milhões. Além desta mazela desoladora em que se encontra o nosso país, ainda contamos com quase 14 milhões de desempregados. No momento, as dificuldades devem ser respeitadas e o que for supérfluo tem de ser suprimido.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

PENDURICALHOS 

Não são somente os penduricalhos da Justiça, mas também dos Poderes Executivo e Legislativo, considerando todos os entes da Federação. Os salários dos funcionários públicos e parlamentares estão cada vez mais indecentes. Nenhum país decente tem salários cem vezes maiores que o salário mínimo (não supera em 20 vezes). Salários legais mais penduricalhos e mordomias chegam a superar R$ 150 mil de salário, ludibriando o teto constitucional.

Victor Hugo victor-raposo@uol.com.br

São Paulo

*

ABUSADOS

Rio de Janeiro pode ter de ressarcir a União em R$ 18,8 bilhões ("Estado", 24/8, B3). Eu gostaria de saber para que servem efetivamente as Assembleias Legislativas e, em especial, a do Rio de Janeiro (Alerj). Eu digo efetivamente. Seria bom um estudo sobre como seriam os Estados sem as despesas que elas geram ou o ônus dos deputados estaduais, assessores e tudo o mais. Com certeza, não haveria gastos com seda e algodão egípcio.

Arcângelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

NATUREZA CORPORATIVA

A Alerj funciona para o Estado do Rio de Janeiro como uma abominável central de produção e manutenção do caos. São décadas de irrealização e desnecessidade a serviço da velha política.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

TEMPORADA DE ABOBRINHAS

Começaram as abobrinhas dos candidatos. Alugam o ouvido do eleitor com as promessas de anos e o eleitor não aprende. O candidato Garotinho disse que reativaria os estaleiros do Estado. Como, candidato? O Estado, se o sr. for governador, vai fazer encomendas de navios? E fazer o que com eles? Falou também do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Não lhe disseram que já está readmitindo e contratando trabalhadores com a parceria que a Petrobrás fez com uma empresa chinesa? O que o Estado fará naquele complexo petroquímico? Infelizmente, ainda tem gente que compra o candidato.  

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DESESPERO

O eleitor fluminense está numa situação de quase desespero diante dos nomes apresentados para a disputa do governo estadual. Por maiores que sejam as recomendações estimulando-o a estudar com atenção o histórico de cada candidato, a fim de depositar o voto mais consciente possível - sua arma, como se costuma dizer -, o elenco de postulantes constitui um grupo que, em face do passado recente de todos, mestres na prática política sem ética e pragmática, deixa-o perplexo pela falta de opções. Como contribuir para o brilho da chamada festa da democracia se o seu principal protagonista se sente longe dela por serem-lhe impostos participantes cuja companhia não gostaria de partilhar?

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DECISÃO SUICIDA

R$ 750 milhões de multas aos caminhoneiros! Para entendermos o que sejam estes R$ 750 milhões, basta sabermos que uma pessoa que receba R$ 3 mil de salário por mês, ou seja, R$ 39 mil por ano, com o décimo terceiro salário, com este montante levaria 19.230 anos para atingir essa cifra! (Confesso que esse resultado me fez refazer essa simples conta várias vezes, mas não achei erro). Acredito que para um caminhoneiro independente, após pagar todas as despesas com cada viagem que faça, arcar com a manutenção do caminhão pelas estradas que enfrenta (deveria mandar essas despesas para os governos pagarem), pagar as prestações de seu caminhão e a do seguro, se houver, ao fim não lhe sobre muito mais de R$ 3 mil para a manutenção da sua vida e de sua família - e agora ainda tem de arcar com a parte que lhe cabe nas multas, por apenas ter reclamado de que não tinha mais dinheiro para pagar os aumentos absurdos da Petrobrás. O STF, por decisão de seu ministro de não perdoar essa dívida absurda, pode ter levado à condição de moribundo ou mesmo à morte todo o sistema rodoviário de transporte de cargas, embora a sua intenção tenha sido a de que a lei deva ser cumprida (como se os caminhoneiros devessem alguma coisa) e o próprio tribunal não a tenha desrespeitado algumas vezes, como na autorização para que a nossa ex-presidente se candidate já nestas eleições, embora tenha perdido o cargo, além de alguns habeas corpus concedidos a amigos, deixando-nos muitas dúvidas. Os dez dias em que os caminhoneiros ficaram parados levaram o Brasil ao caos, tal a dependência que se tem deste tipo de transporte. Se tivessem sido apenas mais dez dias, talvez tivéssemos ido à fome por falta de abastecimento, mas estes fatos reais não foram levados em conta, porque neste caso parece ser preferível levar a lei a quem presta relevantíssimos serviços à Nação e nada devem, por manterem a vida de todos nós, pelos alimentos e remédios que fazem chegar aos pontos de venda. Onde estão o bom senso e a responsabilidade? Se não houver o perdão das multas, e por isso vierem a faltar caminhões para o transporte das cargas, é muito provável que todos nós, inclusive os caminhoneiros (embora, repito, todos nós sejamos inocentes, inclusive os caminhoneiros), tenhamos de arcar com uma sentença indevida, mas só que, se o pior vier e o caos se estabelecer, mais uma vez as digníssimas autoridades do Judiciário, e todas as demais, vão ficar retidas em Brasília por falta de combustível nos aviões e carros, e se o caos demorar, sem comida por falta de quem a entregue. Já passaram um pouco por isso, mas nem assim aprenderam! Há nuvens escuras no horizonte, e não podem culpar os caminhoneiros por não poderem fazer milagres. Respondo a uma justa observação que me foi feita: as autoridades de Brasília vão ficar novamente retidas por falta de combustível nos aviões e carros. A observação foi a de que, não havendo caminhões parados nas estradas, estas ficam livres e permitem o abastecimento pelos carros-tanque. De fato assim é, mas pondero, se vier o caos, o que espero que não, podendo faltar alimentos inclusive, provavelmente as atividades sociais sofrerão fortes alterações, afetando os voos por falta de passageiros, o que talvez dê no mesmo. O melhor, mesmo, é o perdão das dívidas, para não corrermos riscos e termos de pagar para ver, como se diz popularmente.

José Carlos jcpicarra@hotmail.com

São Paulo

*

CRIME E IMPUNIDADE

O noticiário de TV, todos os dias, relata uma série de tipos de crimes violentos, e seus autores nem sempre são punidos. Isso por incompetência da polícia, das leis e do Judiciário. Estamos em segundo lugar nas mortes por criminosos no mundo. Como não somos os vices em habitantes, somos uma vergonha. As "otoridades" podem corrigir isso, mas, mas, mas...

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

IDADE ESCOLAR

Discordo da recente decisão de fixar idade mínima para ingresso nos ensinos fundamental e infantil, e elenco algumas razões: 1) a regra não reconhece a diversidade de maturidade de crianças da mesma idade. Obrigar uma criança a repetir o ano, mesmo que absolutamente adaptada à sua turma, é prejudicial à criança; 2) regras que se baseiam em descontinuidade dificilmente são justas. A criança que nasceu em 1.º de abril se verá prejudicada apenas por ter nascido um dia depois do "recomendado"; 3) a decisão usurpa dos pais o direito e a responsabilidade de decidir o que é melhor para os seus filhos, transferindo estas para o Estado. Muito perigoso trilhar este caminho! Mesmo se os pais e os professores, que conhecem bem a criança, julgarem que ela está absolutamente apta para o ingresso no ensino fundamental, serão impedidos pelo Estado.

Marcos Lefevre lefevre.part@hotmail.com

Curitiba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.