Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2018 | 03h00

CONTAS PÚBLICAS

Reajuste para servidores 

O inaceitável grau de incompetência e irresponsabilidade dos altos mandatários da República parece ter atingido o ápice com a proposta para aumentar o salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e a desistência do presidente Michel Temer de adiar para 2020 o reajuste dos servidores do Executivo. Logo serão seguidos pelo Legislativo, que já anunciou a intenção de embarcar nessa viagem imoral. Essa casta de privilegiados não está nem aí para a miséria de milhões de cidadãos, espoliados por tributação excessiva sem retorno em serviços públicos essenciais. Uma única solução se apresenta dentro da ordem institucional: uma nova Constituição, que, entre as muitas correções necessárias, vede a existência de privilégios e modernize as instituições públicas. É tarefa primordial do próximo presidente da República, seja ele quem for, a edição de uma proposta de emenda à Constituição que altere a Carta Magna e permita a eleição de uma nova Assembleia Nacional Constituinte, representativa do cidadão comum, sob pena de a Nação sucumbir ao caos.

SERGIO RIDEL

sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

Moeda de troca

A única explicação que vejo para Michel Temer não barrar o reajuste dos servidores públicos é que isso seja uma moeda de troca para escapar das garras da Justiça quando terminar o mandato e perder a imunidade. Pena que mais um político pense só nas mordomias de uma categoria, e não nas maléficas consequências que vai causar ao País.

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

Temer joga a toalha

O forte corporativismo nas nossas instituições, infelizmente, sempre prevalece e humilha trabalhadores do setor privado, que ganham em média quase cinco vezes menos que o funcionalismo público. E o presidente Michel Temer, jogando a toalha em fim de mandato, demonstra que não quer briga com os “servidores”. Ao enviar ao Congresso projeto confirmando o reajuste do funcionalismo em 2019, que deveria ser adiado para 2020, ele atende também os ministros do Supremo, que, legislando em causa própria, se autoconcederam 16,38% de aumento. Neste caso, o auxílio-moradia, de R$ 4,7 mil, será incorporado ao salário dos que hoje recebem esse indigerível benefício. O próximo presidente vai ter de assumir, mesmo com as combalidas contas públicas, mais essa despesa bilionária. Um desastre promovido pelo STF e pelo funcionalismo federal, que, de forma irresponsável, “se lixam” para o déficit fiscal, que neste ano será de R$ 159 bilhões! E o descalabro nas contas públicas pode piorar mais ainda se esse maléfico corporativismo persistir nas nossas instituições.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Êxodo empresarial

Nenhuma novidade o reajuste além da inflação para o funcionalismo, autorizado pelo presidente Temer. Afinal, o Brasil passa por isso na esfera federal de quatro em quatro anos, por ser a data ideal, a do apagar das luzes de qualquer Congresso nefasto. Nada como entrar o novo mandato de bem com o funcionalismo, que, por sinal, recebe bem mais do que os trabalhadores da iniciativa privada, e ainda acha pouco, mesmo tendo estabilidade no emprego pelo resto da vida. Tenho pena do próximo presidente, porque, para governar, só dando calote. Em quem não sabemos. Mas o mercado sabe e já começa a se mandar do País. 

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Como classificá-los?

De duas, uma: ou o presidente Michel Temer também quer destruir de vez o Brasil, aniquilando juntamente a população, ou, com todo o respeito que lhe devo, sou obrigado a classificá-lo como irresponsável e pusilânime, por não manter suas decisões com pulso firme, seja por que motivo ou pressão for. Como, lamentavelmente, está fazendo agora, decidindo não barrar mais o reajuste dos servidores públicos, o que acarretará R$ 38 bilhões de gastos extras. Essa atitude abre caminho para o reajuste salarial vergonhoso de 16,38% que se autoconcederam os ministros do Supremo, desconsiderando e ignorando este momento tão difícil que o Brasil passa. Isso sem falar no chamado efeito cascata, que provocará um rombo simplesmente desastroso, inimaginável, num país cuja dívida pública já atingiu a cifra de R$ 3,74 trilhões! 

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Bode na sala

Lembrando o Gênesis, “no princípio era a verba”: para educação dos filhos, para auxílio-moradia, auxílio-paletó e outros penduricalhos extrateto. O auxílio-moradia – imoral, como todos os outros – estava para cair e mandaram o assunto para uma câmara (escura) do governo federal que faria a moderação entre as partes: o “sindicato” dos juízes (julgadores) e o Executivo, réu em muitos processos (julgados). Puseram um bode na sala, o aumento salarial de 16%, dando em troca o imoral e ilegal auxílio-moradia. E o governo federal, acuado, topou, jogando a conta no colo do próximo governo! Tiraram o bode da sala e no fim surgiu a verba, que todos nós vamos pagar. Essa turma, em termos bíblicos, merece ser mandada embora do paraíso (Brasília) e aprender a ganhar a vida com o suor do seu rosto.

PAULO ROBERTO SANTOS

prsantos1952@bol.com.br

Niterói (RJ)

Mal comparando...

Enquanto nossos ministros do Supremo Tribunal faturam por ano 122 mil euros, os seus colegas europeus recebem tão somente 65 mil euros. Fica claro que a diferença se deve ao relevante e notório saber jurídico e ao inegável pendor para o trabalho diário dos nossos ministros, data venia. 

JOSE RAFAEL NOVAES D’AMICO

bonecaodamico@uol.com.br

Campinas

Queria ser juiz

Estou cansado. Como uma casta privilegiada se sobrepõe ao País, reajustando seus próprios salários? Cansei de pagar impostos para os Lewandowskis e Toffolis da vida. O que fazem eles, senão manter o status quo? É hora de dar um basta. Cansei!

JOSÉ ANTONIO MOREIRA

rsbrasil@real-soft.de

São Paulo

Corte de privilégios

O teto salarial público vai passar de R$ 33 mil para R$ 39 mil. Apenas 40 vezes o salário mínimo. E não me venham os srs. presidenciáveis com o discurso vazio de que vão cortar os privilégios.

NIVALDO RIBEIRO SANTOS

nivasan1928@gmail.com

São Paulo

O PRESIDENTE E O REAJUSTE DOS SERVIDORES

O presidente Michel Temer, acusado de corrupção, organização criminosa e obstrução à Justiça, faz uma gentileza e concede um belo aumento de salário aos juízes que irão julgá-lo em janeiro ("Governo deve desistir de proposta que adia reajuste de servidores para 2020", "Estado", 29/8, B1). Uma Nação não pode tolerar este grau de promiscuidade entre o crime e a Justiça. Governantes acusados de corrupção não deveriam jamais permanecer no cargo, pois detêm enorme poder de manipulação, intimidação, destruição de provas, etc. Até hoje o presidente da República não se deu ao trabalho de apresentar sequer uma desculpa esfarrapada sobre as malas e pacotes de dinheiro do crime organizado apreendidos em poder de seus assessores Rodrigo Rocha Loures, José Yunes e Geddel Vieira Lima, e agora age escancaradamente para agradar os juízes do Supremo. Até quando isso será tolerado? 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

COMPENSAÇÃO

            

O Supremo Tribunal Federal (STF) combinou com Michel Temer que vão compensar o aumento de 16,38% eliminando o auxílio-moradia pago a juízes, e assim "não há aumento da despesa". Isso me faz lembrar um programa de Jô Soares em que ele aparecia com um nariz de palhaço e dizia "não sou palhaço, mas estão me fazendo de palhaço". É como somos tratados pelos "meritíssimos".

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

UMA MÃO LAVA(JATO) A OUTRA

Foto emblemática: depois de liberar aumento salarial para o Judiciário, Michel Temer aperta a mão do futuro presidente do STF, Dias Toffoli, selando uma transição (para ele), digamos, juridicamente menos traumática, com a cumplicidade do olhar ladino do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Lá na frente vamos nos lembrar muito desse encontro...

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

TEMER

Isto é que é presidente bom: além do aumento aos seus futuros julgadores, usou o verbo de seu sobrenome com bastante sabedoria.

Jonas de Matos jonas@jonasdematos.com.br

São Paulo

*

SALÁRIO PARA QUÊ?

Determinados cargos na estrutura da República não deveriam ser remunerados. Por exemplo: presidente da República, ministros do Superior Tribunal de Justiça e do STF, parlamentares e outros cargos de mera representação. Em países como Japão e países nórdicos, praticamente a remuneração não existe. No nosso caso específico, tais cargos só deveriam ser ocupados por pessoas de reconhecidos serviços prestados à Pátria. Já recebem auxílio-moradia, refeição, transportes aéreo e terrestre, planos de saúde, etc. Salário para quê? O presidente da República tem até cartão corporativo sem controle. Então, deveriam considerar uma honra servir à Pátria. Com isso acabariam as vinculações a estes atuais salários, eliminando essas nefastas vinculações.

Iria De Sá Dodde iriadodde@hotmail.com

São Paulo

*

DE IMEDIATO

Os servidores públicos de muitas áreas reclamam dos valores salariais, apresentando reivindicações que encontram muitas dificuldades para serem atendidas. Como entender, então, que integrantes do setor maior do Judiciário federal tenham a reivindicação salarial atendida de imediato? Não se discute se merecem ou não, mas a forma de encaminhamento da questão, que pode ter interpretações negativas para um setor da maior importância. Que sejam dadas as devidas explicações por quem de direito, no caso, o governo federal.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

TERRA-ARRASADA

Temer está apenas reeditando sua "chefa", o poste Dilma Rousseff, deixando a terra-arrasada para o sucessor, que com certeza será outro poste igual a estes dois.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

POVO DESINFORMADO

Certamente, uma parcela do povo mineiro (com todo respeito) se esqueceu de quem foi o presidente do Brasil antes de Temer. Isso porque somente entre desinformados Dilma Rousseff teria 22% de intenção de votos nesta eleição. Arrasou com o País e lidera a pesquisa para o Senado - o Senado, meus amigos. Precisamos nos informar por meio da leitura de jornais e desligar a televisão. Somente alguém informado saberia que Dilma, não fosse o ministro Ricardo Lewandowski, não estaria apta nem mesmo para síndica de condomínio. No país de quem não lê jornais Fernando Collor e Renan Calheiros são reis. Um tapa no rosto de cada cidadão brasileiro que sobrevive em terra-arrasada. Terra arrasada por Dilma Rousseff. Basta de algozes e verdugos. Pena que o povo desinformado provavelmente os elegerá. Ou nos informamos ou viraremos eternos joguetes nas mãos de charlatões, maus gerentes e postes.

Leandro Ferreira ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

São Paulo 

*

PANACEIA

Os candidatos à Presidência da República, em suas últimas aparições, têm confirmado o triste fato de que a matéria-prima do político é a mentira. No afã de angariar votos a todo custo, fazem promessas impossíveis de serem cumpridas, e por meio delas plantam um populismo barato e perdem a oportunidade de valorizar o eleitor, convencendo-o de que deve, mais do que nunca, fazer parte do esforço de soerguimento do País e, ao mesmo tempo, de que não existe o salvador solitário que, com capa e espada, resolverá os seus problemas. Além de semear ilusões, os postulantes não apresentam as propostas concretas que pretendem adotar sobre questões importantes como, por exemplo, educação, segurança e saúde pública. E, assim, o próximo pleito tem tudo para se transformar em mais um burlesco no qual o votante finge ser dono do seu destino e o candidato finge possuir a panaceia para curar todos os males do Brasil.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PT PROMETE MAIS MÉDICOS CUBANOS

O Partido dos Trabalhadores (PT) promete mais médicos cubanos! Quando em promessa de campanha o PT aposta em que, se eleito, ampliará o Programa Mais Médicos, quer dizer que mais cubanos serão transportados para os rincões do País, mesmo sem serem médicos, mas para catequisar os cidadãos mais vulneráveis para continuarem o que determina o Foro de São Paulo. Isso, inclusive, já deve estar existindo hoje, porque temos relatos de médicos brasileiros que flagraram médicos cubanos receitando pílulas anticoncepcionais para homens. Eles não têm pressa de transformar o Brasil num continental favelão venezuelano, mas com eles no comando.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

'A ELEIÇÃO TOTÊMICA'

Subliminar ou não a comparação de Lula com alguns mitos que a História julgaria ou julgará, na abordagem de Eugênio Bucci, ex-presidente da Radiobrás no mandato do "mito" Lula (coincidência?), em "A eleição totêmica" ("Estado", 30/8, A2)? Comparar a trajetória do presidiário com Sócrates e Danton, por exemplo, não passa de uma agressão aos fatos que levaram à condenação o demiurgo de Garanhuns (obrigado, José Nêumanne). Outros tantos "mitos" já caíram, como Che Guevara, Fidel Castro e Hugo Chávez. Enfim, se podemos mitificar Lula, diríamos que ele está mais para Macunaíma, o herói sem caráter.

Gilberto Rodrigues farma.naturista@yahoo.com.br

Araras 

*

IDEIA, MITO OU MÁRTIR

É preciso dar às coisas o nome que as coisas têm. Só a História, e não pelegos, dirá o que Lula foi. Por enquanto, deve-se chamá-lo do que ele é...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

EM NOME DE UM CORRUPTO

Em nome de um corrupto, o PT tem desmoralizado o Brasil. Nunca um partido prejudicou tanto o País. A mentira tem sido usada de um modo muito eficaz sobre as camadas mais pobres e ignorantes da nossa sociedade, especialmente nos Estados do Norte e do Nordeste, onde Lula virou uma espécie de Antônio Conselheiro. Por meio das mídias sociais, o PT consolidou versões forjadas por blogueiros de aluguel: vide a palavra "golpe", uma metáfora desabonadora de um impedimento votado pelo Congresso Nacional presidido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal; ou o despropósito de que Lula foi condenado sem provas pelo juiz Sérgio Moro. Este partido usa dessas narrativas para municiar sua militância e organizações parapartidárias (CUT, MST, etc., que lembram as SA e as SS nazistas) mobilizadas como massas de manobras à custa de quem? Neste contexto impostor, Lula passou a se considerar a "alma mais honesta" do Brasil e foi aplaudido cinicamente por seus eleitores. Instalou-se uma desfaçatez geral! Ficou exposta a índole dos petistas: são recalcados, invejosos e extremamente frustrados. Exemplos típicos destes complexos são o de Paulo Henrique Amorim, despedido da Globo, e o de Luiza Erundina, quando demoliu a casa dos Matarazzo. Estes despeitos levaram os petistas a endeusarem Lula, o vingador. Fracassos que pariram excrescências como Frei Betto e Leonardo Boff, que exibem o corrupto como um novo "padim Cícero", amigo de Lampião - leia-se Odebrecht -, um novo profeta que veio cumprir um Testamento engendrado nas suas mentes reprimidas. Os líderes do PT comportam-se como feitores, a uma só palavra do caudilho, entram em transe. Criam desordens e confusões. Todo mundo viu como os deputados Wadih Damous, Paulo Teixeira, Paulo Pimenta e um desembargador, Rogério Favreto, desestabilizaram o Poder Judiciário. Estão tão viciados na mentira que os grandes escândalos do mensalão e do petrolão deixaram de existir. Foram assimilados sem o menor pudor. Vide Dias Toffoli, ministro do Supremo Tribunal Federal, ex-advogado do PT, que não se considera suspeito quando julga questões que envolvem o seu ex-partido. Ou Fernando Haddad, que foi eleito prefeito de São Paulo com o apoio de Paulo Maluf e será candidato à Presidência porque não existem outros nomes - estão todos presos por corrupção. Neste final degradante, os petistas se transformaram nos piores cegos - aqueles que não querem ver. Não quiseram ver quando Lula distribuiu as estatais para que fossem pilhadas pelos partidos aliados. Não quiseram ver quando Dilma comprou Pasadena por US$ 1 milhão a mais do que ela valia. Fecharam os olhos, taparam os ouvidos, ficaram mudos quando Renato Duque e Pedro Barusco confessaram que roubaram a Petrobrás. E agora esta escória pretende ser reeleita. Ser mandatária daqueles que não quiseram ver o tremendo mal que fizeram à Nação. Mas o galardão que vão receber será o de terem gravados os seus nomes numa lista imunda no memorial da corrupção.

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

BOM ALUNO

Ao negar o conhecimento de pagamento de "mensalinho" a José de Filippi Jr., que foi secretário da Saúde durante a sua gestão à frente da Prefeitura de São Paulo, o ex-prefeito Fernando Haddad, candidato a vice-presidente na chapa do PT, mostrou que aprendeu rápido os ensinamentos do mestre que está preso em Curitiba. Só que não aprendeu ainda que mentira tem pernas curtas e nove dedos.

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

ATÉ ONDE VAI A FARSA?

Na minha opinião, os principais responsáveis pela manutenção do ex-presidente Lula da Silva, atualmente presidiário, condenado em segunda instância por colegiado e, consequentemente, inelegível, como líder das pesquisas de voto para presidente da República são o Ministério Público Federal (MPF), a imprensa, os institutos de pesquisa e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em qualquer país onde as leis funcionem como devem, uma pessoa presa e condenada não teria o privilégio de, ao invés de estar recolhido a uma cela sem luzes na ribalta, estar apenas detido na sede da Polícia Federal, numa sala especial, com direito a esteira ergométrica e outros benefícios, além de permissão para todos os dias tratar de política e da manutenção de seu nome em evidência nas eleições que se avizinham. Posa de vítima, após promover o maior assalto aos cofres públicos de nossa história, dilapidando a Petrobrás e outras empresas estatais, além de provocar também a maior recessão que o País já enfrentou, por ter escolhido e apoiado sua sucessora, a incapaz Dilma Rousseff. Desta forma, e contando com a ignorância da vasta maioria de nossa população, além da má-fé de parte da imprensa, de alguns artistas e outros formadores de opinião aqui e, infelizmente, até no exterior, tenta desmoralizar, sob o olhar plácido das autoridades constituídas, todo o processo eleitoral ora em andamento. As autoridades que a tudo isso assistem e repetem "ad nauseam" que o processo democrático está sendo respeitado, ao permitir a continuidade desta farsa, não querem enxergar que a democracia está sendo desrespeitada quando apenas a este preso condenado, e a nenhum outro, são concedidas tantas regalias e tanta atenção. O MPF há muito deveria ter ordenado sua remoção da sede da Polícia Federal para presídio comum, a imprensa não lhe deveria dedicar tanta atenção, os institutos de pesquisa não deveriam poder pesquisar as intenções de voto a um preso condenado por ser inelegível e o TSE deveria ter impugnado sua candidatura quando foi apresentada pela mesma razão. Ao permitirem o prosseguimento desta farsa até a véspera da eleição, praticamente põem em risco a legitimidade do pleito e transformam o nosso país em motivo de chacota no exterior.

John Landmann john@landmann.com.br

São Paulo

*

O CANDIDATO DO PT EM CAMPANHA

Afinal, o spa de Curitiba é presídio ou comitê de partido?

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

PLANO CONTRA A CORRUPÇÃO

Sabem qual será o plano do PT contra a corrupção? Manter Lula preso, transferindo-o para uma penitenciária...

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

A CANDIDATURA LULA

Em editorial recente, o "Estadão" demonstrou extrema preocupação com intelectuais vinculados a órgãos de imprensa americana e um ou dois países europeus ("New York Times", "Financial Times", entre outros) e membros de certa comissão da ONU, interessados em escarnecer as instituições brasileiras no caso da condenação de Lula e sua natural impugnação nas eleições à Presidência. Tais opiniões não são de espantar, posto que se sabe muito bem o conceito que esta gente tem de "democracia", qual seja, aquela existente em conhecidos países de partido único, ainda que esses "progressistas" vivam em nações que lhes permitem, sem conhecimento de causa e má-fé, achincalhar o Estado de Direito no qual (ainda) vivemos. Outros, como bem expressa "irônica crônica do Guzzo, na revista Veja", ainda acreditam que a capital do Brasil é a Bolívia e as avenidas de Copacabana vivem infestadas de serpentes", seguem o mesmo mote. Por tudo isso, acreditam que Lula, chefe do quadrilhão, aliado ao MDB de Temer (não se sabe por que não foi posto fora com Dilma Rousseff), entre outros partidos de igual quilate, seja o mais "inocente" dos brasileiros e tenha amplo direito de disputar as eleições presidenciais. Somente levam a sério esta gente nossos pseudointelectuais e artistas, posto que não é crível que pessoas esclarecidas e com "formação universitária" consigam ignorar a verdadeira "República de Ladrões" criada pelo lulopetismo. Portanto, ainda que FHC tenha feito um frágil desagravo na imprensa internacional sobre os impropérios praticados contra o Brasil, a opinião desta corja internacional não é merecedora de nossas atenções, e colocá-las na mídia nacional só faz dar relevância ao que não tem a mínima importância, senão para aqueles que ainda acreditam que a Petrobrás está intacta, que não houve corrupção nos financiamentos do BNDES, que o lulopetismo "et caterva" não financiou os campeões nacionais (Eike Batista e cia.) com dinheiro público e não recebeu propina das empreiteiras para proveito próprio e/ou ganhar eleições, entre muitos outros malfeitos.

Maria Lúcia Alonso Pinto luizgonzaga@udemo.org.br

São Paulo

                

*

PAPO FURADO

Os argumentos do PT e do comitê da ONU para soltar o presidiário Lula têm a consistência de uma paçoquinha. 

Roberto Hungria marcelo.hungria31@hotmail.com

Itapetininga

*

TEMPO ELEITORAL DE RÁDIO E TV

Ao tomarmos conhecimento da divulgação do tempo para a propaganda eleitoral, verifica-se que é preciso uma ampla mudança na legislação. Senão vejamos: o candidato à Presidência pelo PSDB terá 5 minutos e 32 segundos em cada bloco e 434 inserções! O candidato Lula, do PT, se conseguir viabilizar sua candidatura, terá 2 minutos e 23 segundos, 188 inserções e uma inserção extra de 30 segundos. Henrique Meirelles (MDB) terá 1 minuto e 55 segundos em cada bloco e 151 inserções. Álvaro Dias terá 40 segundos, 52 inserções e uma extra de 30 segundos. Ciro Gomes (PDT) terá 38 segundos, 50 inserções e uma extra de 30 segundos. Marina Silva, 21 segundos, 28 inserções e uma a mais de 30 segundos. Jair Bolsonaro (PSL) terá 8 segundos e 11 inserções. Estes são os tempos de rádio e TV dos principais candidatos. Perguntar não ofende: onde está a igualdade de oportunidades dos candidatos? O artigo 5.º da Constituição federal estabelece que todos são iguais perante a lei. Estes números mostram que a legislação eleitoral está defasada, obsoleta e precisa de uma ampla reforma, inclusive limitando esta pletora de pseudopartidos.

Marcos Tito marcostitoadvogados@gmail.com

Belo Horizonte

*

NECESSÁRIA REVISÃO

Acho que um dos problemas das eleições no Brasil é o tempo de campanha, muito rápido. Enquanto nos outros países mais desenvolvidos a campanha é bem mais longa, aqui é apenas em menos de dois meses. Um absurdo isso. O eleitor nem sequer tem tempo de analisar certo o candidato em quem vai votar. Outro problema são os debates na televisão: aqui, no Brasil, são muito engessados, com pouco tempo para o candidato expor suas ideias, e o eleitor nem tem tempo de analisar uma proposta boa de cada candidato. Espero que nas próximas eleições o TSE reveja melhor certas coisas nas eleições no Brasil, para melhorar a qualidade das campanhas e dos debates na televisão.

André Luis Marques G. Dias aguimaraesdias@yahoo.com.br

São Paulo

*

DEBAIXO DO COLCHÃO

Fiquei abismado ao ver matéria no "Estadão" sobre a quantidade de candidatos que declararam valores absurdos em dinheiro vivo para serem mantidos em casa, quer pelo risco de assalto, quer pela perda de rendimentos que essas quantias lhes proporcionariam, se estivessem aplicadas em algum banco. Sinceramente, duvido que, se a origem de tais valores fosse lícita, não estariam em algum banco rendendo bons juros. Ninguém que não deve explicações deixaria de ganhar R$ 50 mil, R$ 40 mil, etc. por mês para manter este dinheiro escondido.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo 

*

NA URNA

O tempo médio que cada eleitor vai levar para votar nos cargos de presidente, governador, senadores e deputados deverá ser no mínimo de 1 minuto e 14 segundos (conforme cálculos do TSE em 2014). Por que o governo não aproveitou a ocasião para promover um referendo sobre temas polêmicos, tais como maioridade penal, reforma política, etc.?

Jose Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

SEM NOVIDADES

Lendo a entrevista do candidato do Partido Novo ("'Queremos ser uma opção à velha política, dos privilégios'", "Estado", 29/8, A8), só dá para concluir que, com suas ideias do século 18, o Partido Novo já nasceu velho!

Tibor Raboczkay trabocka@iq.usp.br

São Paulo

*

NO GRITO, SIM

Discordo da candidata à Presidência Marina Silva, que acha que o Brasil deve ser governado com o binômio lulista de paz e amor. Lula assim o fez e deu no que deu. Temos de acabar com o toma lá, da cá, em que a corrupção é a mola-mestra. Um governo forte e com autoridade, sem rabo preso, é o que se impõe. Há que respeitar o número um da Nação.

  

Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

ABANDONADOS POR DEUS

Infelizmente, Deus cansou-se de tudo o que está acontecendo no Brasil e houve por bem fazer uma experiência deixando-nos à própria sorte. E aqui estamos nós! Dilapidando física e moralmente a obra divina. Onde foram parar a dignidade, o respeito à verdade e aos outros, onde se esconderam a honestidade, a justiça e, principalmente, a vergonha na cara? Custo a acreditar que sejam brasileiros estes moleques que usam a força física contra seus próprios irmãos para mascarar a incompetência, a falta de argumentos e de razão. Senão vejamos: somos o único país do mundo a ser comandado pelo famoso "jeitinho" - onde já se viu um prisioneiro condenado a 12 anos de reclusão concorrer à Presidência da República, contrariando as leis do próprio país? E o que dizer de um candidato que incentiva uma criança a usar arma de fogo? Não sabemos mais distinguir o bem do mal, já que a inocência acabou e o "jeitinho" é o fim, e não mais o meio. O pior de tudo é a cegueira deliberada da maior parte da sociedade diante das suas responsabilidades eleitorais, que acaba achando natural votar num fora da lei ou num déspota. E a falta de opções nos assola juntamente com a crise econômica. Como se não bastasse tudo isso, a segunda turma do STF desrespeitou acintosamente a decisão do plenário do tribunal determinando a soltura de um condenado em segunda instância, o famigerado José Dirceu. Atenção, senhores e senhoras comandantes, atenção, antes que seja tarde... Lembrem-se, Deus já nos abandonou. 

Eunice Amadeo de Almeida eunice.a@uol.com.br

São Paulo

*

DIRCEU E A INFÂMIA

Por ocasião do lançamento do primeiro volume de suas memórias, o ex-ministro José Dirceu (PT) defendeu a revisão da Lei da Ficha Limpa, afirmando que "cabe ao eleitor decidir se um cidadão deve ou não ser eleito, não pode caber à Justiça", classificando o impedimento judicial de Lula disputar as eleições como uma "infâmia". Ou seja, para o ex-ministro, se é da vontade do povo eleger um bandido para presidente da República, essa vontade deve se sobrepor às leis vigentes, e o Judiciário - um dos Três Poderes da República - que vá às favas. De que tal afirmação seja, esta sim, infame e imoral pouca gente duvida. Mais importante, no entanto, é que estas declarações comprovam mais uma vez que o PT, dentro ou fora do poder, nunca hesitou em desprezar os valores republicanos e aplicar sistematicamente a famosa máxima maquiavélica "aos amigos, os favores, aos inimigos, a lei". 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

RADICALIZAÇÃO

O cubanófilo José Dirceu promete que um governo do PT iria tomar atitudes radicais (leia-se anticonstitucionais e antidemocráticas) para implantar no País as medidas que ele acha que o Brasil precisa. Isso não é boa notícia, haja vista o grande treinamento que ele teve em Cuba e a adoração que ele tem pelo que tem sido feito naquele país. Aliás, não fosse pelo fato de ter sido posto para fora do governo por ocasião do mensalão (processo pelo qual ele e Lula literalmente compravam a complacência do Congresso), Dirceu já teria radicalizado o País. É daninho à democracia e só está nas ruas por causa das graças da segunda turma do Supremo.

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

Cotia

*

LANDAU E O LIBERALISMO

Começo dizendo que votarei em candidatos afinados com o liberalismo. Lendo a entrevista com Elena Landau ("Estado", 30/8, A9), deparei-me com uma contradição: ela diz que o Livres é liberal por completo e que trabalha para "dar ao cidadão a possibilidade de ser dono de seu destino". Entretanto, mais adiante, ela se mostra apreensiva com a escolha livre do cidadão, lamenta que ele não quer ouvir quem fala a verdade e tende ao populismo. Ora, se o Livres dá mesmo total liberdade ao cidadão, por que lamentar se ele quer ser populista? Dar liberdade não é só apregoar que o cidadão pode escolher como vai usar seu dinheiro, com quem vai se casar, que tipo de droga vai consumir, mas também que tipo de representante político ele quer: liberal, populista, etc. Subjaz aí a ideia de que, se o cidadão tiver educação de qualidade, ele irá escolher necessariamente as ideias do Livres. Acho um tanto mirabolante. Eu também tenho apreço pelo liberalismo, pela igualdade de oportunidades, pela desburocratização, mas tenho consciência de que fora da estrutura partidária há o perigo de o liberalismo se tornar uma religião, para os poucos iluminados. Não existe isso de ser "apartidário", democracia necessita de partidos. 

Sandra Maria Gonçalves novosandgon@terra.com.br

São Paulo

*

COMO CONFIAR EM ALCKMIN?

Pelo andar da carruagem, o "modus operandi" do PSDB e o do PT foram praticamente iguais, cada um querendo ganhar mais do que o outro dentro de seus poderes de decisão e dos cargos ocupados. Só isso o nobre candidato à Presidência Geraldo Alckmin deveria explicar aos seus eventuais eleitores, e ainda falar por que não coloca o "Aecim" do seu lado, afinal de contas, quem esconde os próximos não deve ser muito confiável. Mas, ao contrário, a sua propaganda política vai ser atacar Jair Bolsonaro, como se isso fosse fôrma de bolo e o fizesse crescer nas pesquisas. Na verdade, o PT e o PSDB não têm moral para criticar ninguém. Pior: isso ainda vai virar um bumerangue e atingir Alckmin de volta, porque isso é jogo baixo. Afinal, criticar os outros é coisa de canalhas sem argumentos para a própria candidatura.

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

OS EXTREMOS

O sr. Ciro Gomes, candidato do PDT à Presidência, disse que o sr. Jair Bolsonaro é um "hitlerzinho". Antes de assacar inverdades e aleivosias, o sr. Ciro Gomes deveria, ao menos, ler "O túmulo de Lenin", de David Remnick (Cia. das Letras), e ver quer ele e o famoso falastrão condenado e preso, tirando os assassinatos em massa, se aproximam muito de Stalin e de Brejnev, títeres da falida URSS.

Fernando de Oliveira Geribello fernandogeribello@gmail.com

São Paulo

*

CADÊ A VERDADE?

Valendo-se de uma reportagem do jornal "Folha de S.Paulo" de 2015 com dados oficiais, retirados do Portal da Transparência, da própria Secretaria de Planejamento e Assuntos Econômicos (Seplan) do governo federal, que controla verbas públicas de publicidade, o vereador Carlos Bolsonaro exibiu uma planilha no Twitter que mostra que naquele ano a Rede Globo teria recebido R$ 6,2 bilhões em verbas de publicidade para contrapor o "Jornal Nacional", que, por meio de seu âncora, havia negado minutos antes, no ar, que isso aconteça e tenha acontecido na casa dos bilhões. Quem está mentindo, Carlos Bolsonaro, Jair Bolsonaro, a "Folha", a Seplan, o "Jornal Nacional" ou a Rede Globo, por meio de Willian Bonner? Como se trata de nosso dinheiro, dos impostos, acho que tenho o direito de saber a verdade, assim como os demais contribuintes.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

Sao Carlos

*

ENTREVISTA COM JAIR BOLSONARO

Combinação entre os dois apresentadores do "Jornal Nacional": eu não vou concordar com nada e você com coisa nenhuma. Vamos, nós dois, cair de pau em cima dele.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

AINDA O EDITORIAL DE MARINHO

Gostaria de me dedicar apenas a abordar temas atuais da maior relevância, como o das eleições que se avizinham, e analisar as propostas dos principais candidatos à Presidência. Porém sou obrigado a me reportar a um período que já se foi há mais de 50 anos. Refiro-me à infeliz declaração dos atuais dirigentes da Rede Globo criticando um pronunciamento de Roberto Marinho lá pelos idos de 1970, quando ele enaltecia o clima reinante no Brasil. É descabido condenar uma determinada posição adotada pelo presidente da empresa naquela época, baseando-se em dados atuais. O meu objetivo não é defendê-lo, mas sim relembrar o cenário que predominava naquele período. Autores de esquerda qualificados, como Jacob Gorender, em seu "Combate nas trevas", e Daniel Aarão Reis, em "Imagem do passado", demonstram claramente que determinados grupos pretendiam implantar no País a "ditadura do proletariado" e que a palavra democracia não existia em suas aspirações. Os descendentes de Marinho deveriam estudar mais sobre a nossa história antes de conceder equivocadas declarações.

Ricardo Pereira de Miranda ricarmiran@terra.com.br

Salvador

       

*

EM TRANSE

O mundo hoje lembra o que se passava na época dos nazistas - eles eram considerados os certos, ao redor do mundo tiveram apoiadores e a resistência era não só considerada errada, como perseguida. Parecia um momento de transe coletivo, em que poucos se salvaram. Mas o tempo mostrou ao mundo quem estava certo. Claro que o resultado foi devastador: uma guerra mundial que devastou a Europa e o holocausto. Hoje vivemos um transe semelhante, em que todos estão contra a chamada "extrema-direita" mas apoiando o avanço da esquerda/Islã ou a chamada nova ordem mundial, com um poder central que já está sendo exercido pela ONU, obrigando países a seguirem suas "orientações", e todos os que ousam ser a resistência sofrem perseguição, como Trump, Marine Le Pen e Bolsonaro. A ameaça à democracia está nesta nova ordem mundial, que está sendo apoiada em parte pela imprensa. Bolsonaro é o único que pode tirar o Brasil deste caminho, por isso que está sofrendo tantos ataques de todos os tipos. Que Deus olhe pelo Brasil e ajude Bolsonaro a vencer as eleições. 

Daniela Nardi Toni famiglianarditoni@gmail.com

São Paulo

*

TOLERÂNCIA ZERO

Nova York é uma cidade majoritariamente "progressista", historicamente administrada pelos Democratas, a "esquerda" americana. No passado, quando a cidade estava destruída, com a violência e a criminalidade explodindo, metrôs sucateados, imundos, inseguros, suja e com serviços públicos de péssima qualidade, após anos de administração democrata incompetente, o que foi feito pelos cidadão nova-iorquinos? Mudaram. Em 1994, elegeram um sujeito antipático, briguento, impulsivo, com princípios morais rígidos, que não relativizava o certo e o errado, o bem do mal. Em suma, um republicano. A seu respeito chegaram a comentar, após se negar a receber um líder do movimento negro: "Ele não é racista, é desagradável com todos". De onde veio esse sujeito? Da promotoria que desbaratou as famílias mafiosas após décadas de domínio da cidade. Entendia de economia, educação ou saúde? Não. Seu nome: Rudolph Giuliani. Seu programa: tolerância zero! E o que foi este programa "revolucionário" que revitalizou e transformou a cidade na mais segura do país? A aplicação da lei, sem tergiversação e cumprimento dos deveres de um gestor público. Quebrou uma janela do Metrô? Troca. Paga. Foi pego pichando uma parede? Penaliza e obriga a indenizar. Pego em corrupção? Afasta, processa, prende e destitui! Moral da história: saneou a cidade. Parece óbvio, não? Mas muitos parecem ter dificuldade em entender o óbvio e ainda se encantam com as promessas vazias de presidiários, indiciados, suspeitos, políticos profissionais (que estão há 20, 30 anos vivendo da política) e relativistas morais, que deixaram nosso país nessa situação lastimável. Não precisamos de belos discursos. Precisamos de alguém que separe o certo do errado, o bem do mal, cumpra as leis e suas obrigações. Mesmo que nos soe antipático e desagradável.

Mauricio Lax mauriciol@intraex.com.br

São Paulo

*

MODERNA PLATAFORMA

Bolsonaro e membros das bancadas do boi, da bala e da "Bíblia" são "congelados" da safra de políticos de 1886! Escravatura, faroeste e Estado não laico são sua moderna plataforma. 

             

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

BOLSONARO NO STF

"Denúncia de Bolsonaro divide 1.ª Turma do STF, mas julgamento é suspenso" ("Estadão", 29/8). O processo contra Jair Bolsonaro mostra até que ponto o Ministério Público e o Supremo vivem sob a ditadura do politicamente correto. Pode ser que alguns não apreciem as declarações do deputado, mas levar uma causa irrelevante como esta ao Supremo, com inegável viés político, é inegável abuso de autoridade. Pergunto: onde fica a imunidade constitucional de palavras e opiniões de deputados? 

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br

São José (SC)

*

IMUNIDADE PARLAMENTAR

No Brasil, imunidade parlamentar significa que o dito-cujo pode vociferar impropérios, incitar a violência, dar opiniões racistas, e tudo bem? Ele está imune à lei porque é político. Vai você fazer o mesmo! Lei igual para todos! O pior é o Supremo Tribunal Federal ficar dividido quanto ao assunto.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

ATAQUE

"Bolsonaro ataca STF no dia do julgamento de nova denúncia de racismo contra ele." É mais um a desrespeitar o STF, que afinal não faz nada para merecer algo melhor. Lembrando que Lula chamou todos os seus componentes de covardes. E nenhum deles o desmentiu.

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

*

MALDITO LEGADO

A terceira lei de Newton afirma que a toda ação corresponde a uma reação. Os mais de 13 anos de reinado lulopetista não só afrontaram as leis do País, representando uma grave ameaça à democracia, como geraram um inusitado antídoto capaz de frear a onda vermelha que ameaçava transformar o Brasil numa Venezuela: o candidato Jair Bolsonaro, hoje representando uma saída mais radical à direita para evitar que o sonho do PT se consumasse, lançando-nos no abismo bolivariano completo. Pode-se dizer que, quanto mais o PT lança ameaças com sua volta ao poder, mais o capitão aumenta sua vantagem nas pesquisas eleitorais. Este é o legado indigesto deixado por um partido que pretendia se perpetuar no poder, como todas as ditaduras que arruinaram países mundo afora, a exemplo de nossa vizinha Venezuela.

   

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

VENEZUELANOS CRIMINOSOS

Antes de levantar ingenuamente a bandeira politicamente correta da abertura total e desbragada da fronteira do Brasil com a Venezuela, permitindo a vinda de milhares de imigrantes para Roraima, cabe analisar os preocupantes e perturbadores dados da Polícia Civil do Estado: nada menos do que 65% (!) dos suspeitos pelos crimes cometidos na região são venezuelanos.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

HIPOCRISIA

Claudio Lamachia, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), julgou inconstitucional a sugestão do presidente Michel Temer de organizar a entrada dos venezuelanos no Brasil por senhas. Dr. Lamachia, Roraima está um caos. O politicamente correto que a OAB defende deu asas ao satânico chavismo, origem de tudo isso. Quer abrir as portas para todos? Abra as portas da sua casa!

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

'A PRODUTIVIDADE DO TJSP'

Chega a ser uma ofensa para o dinamismo paulista a pecha que paira sobre o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) de ser um órgão público parcialmente inoperante ("Estado", 29/8, A3). Não obstante o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) esteja há anos tentando moralizar a produtividade no trabalho de muitos desembargadores, lentos demais em suas atribuições, com prejuízo aos cidadãos e empresas, a tarefa se tem mostrado inglória. Resta saber o que se pode fazer para que o tribunal faça, ou seja, trabalhe.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo 

*

EDUCAÇÃO, A BASE DE TUDO

Sem entrar no mérito da veracidade do resultado das pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República, é provável que vão para o segundo turno um candidato que implantará escolas com disciplina e respeito à hierarquia, coisa que muitos, de forma insidiosa, fazem com que pareçam campos de concentração só porque não é permitido bater em professor; e outro que, quando foi ministro da Educação, disse não ser errado falar "nóis pega os peixe". É chegada a hora, então, de descobrir se o povo brasileiro quer mesmo educação de qualidade para seus filhos, focando na Língua Portuguesa, na Matemática, nas ciências humanas e exatas, etc., ou se dando para um pãozinho e uma banana por dia já está bom demais. Ah, mas e o resto? Que resto? A educação não é a base de tudo? 

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

*

O PERIGO DA IGNORÂNCIA

Neste país que abandonou a "Cartilha Sodré", o "Caminho Suave" e a tabuada, e por isso mesmo todos os anos forma milhões de analfabetos funcionais, até a tecnologia tende a não dar bons resultados. Tomem, por exemplo, as comunicações com os celulares e as redes sociais. Os benefícios são indiscutíveis, mas aqui são acompanhados pelos indispensáveis malefícios causados pela ignorância. Além dos criminosos que comandam quadrilhas a partir das prisões, já tivemos até linchamentos devido a notícias falsas divulgadas por estas redes. Agora, assistimos ao retorno de diversas doenças que eram consideradas erradicadas do País, principalmente por causa da falta de vacinação das crianças. Tudo porque no meio de tanta informação disponível as pessoas tendem a acreditar justamente nas notícias mais estapafúrdias, como, por exemplo, a de que as vacinas causam efeitos colaterais graves. Quando crianças não vacinadas forem contaminadas por uma dessas terríveis doenças, a quem seus pais vão atribuir a responsabilidade?

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO

A população do Brasil é de 208 milhões de habitantes. 23,61% dos brasileiros vivem nas capitais e no Distrito Federal, ou seja, 49 milhões de habitantes ocupam uma área equivalente a 0,06% do território nacional. 10,44% da população vive nas capitais da Região Sudeste. São Paulo é a cidade mais populosa, seguida por Rio de Janeiro, Brasília, Salvador e Fortaleza. 13,07% da população está localizada nestas cinco maiores capitais. Mais de 159 milhões de pessoas vivem fora das capitais.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

PROVA DE VIDA

O INSS tem o dever de combater fraudes. Mas em certas situações há que prevalecer o bom senso e o respeito ao Estatuto do Idoso. Minha mãe tem 96 anos e não pode sair de casa nem fazer qualquer atividade. Mesmo assim, ela vem sendo constrangida e humilhada pelo INSS e pelo banco do qual é cliente há 35 anos. O INSS exige anualmente que os aposentados e pensionistas, mesmo aos 90, 95 anos, vão até a agência e ao banco onde recebem suas migalhas para fazerem a prova de vida, mesmo que seja de ambulância, maca, etc. Ninguém é contra qualquer controle que vise a combater as fraudes. Mas exigir que um idoso vá à agência bancária de ambulância e maca para dizer que está vivo é no mínimo uma humilhação e prova cabal da total incompetência e falta de sensibilidade de um governo e de um banco que recebe para realizar o recadastramento e que durante 35 anos já ganhou parte de seus lucros desta idosa. A única alternativa oferecida é a confecção de uma procuração (que deve ser refrescada anualmente!) ao custo de mais de R$ 300, pois o cartório tem de ir à casa do idoso - um absurdo para quem ganha um salário mínimo e uma total falta de respeito e sensibilidade de incompetentes de gabinete. Será que um atestado médico declarando que a pessoa está viva, mas que não pode se locomover, não seria suficiente para sensibilizar o INSS e o Banco Itaú, no caso? Até quando vamos ter vergonhas e humilhações como esta ao nosso povo? A imprensa, no seu relevante papel de único porta-voz da população, deveria questionar o INSS sobre isso. E ao Ministério Público a pergunta: por que nada faz?

Helio Campos ele56@bol.com.br

Brasília

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.