Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O Estado de S. Paulo

13 Outubro 2018 | 03h00

OS TIMES

Bastou dar uma olhada na lista dos "times de apoio no segundo turno escolhidos para integrarem a campanha" ("Estadão", 11/10, A8) de Jair Bolsonaro e de Fernando Haddad para me decidir. Enquanto no time de Bolsonaro há nomes íntegros, provavelmente que já deverão compor sua equipe de governo, sendo especialistas em suas áreas específicas, pessoas em consonância com as propostas de governo do candidato, na mesma lista de Haddad há velhos caciques petistas, a maioria delatada em primeira instância, e que provavelmente também deverão compor o governo do PT, se eleito. Verdadeira fuga do juiz Sergio Moro, para os braços do Supremo Tribunal Federal (STF), que até agora não julgou um político sequer delatado na Operação Lava Jato. Vamos escolher o novo ou o velho atolado em corrupção? A conferir.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

A LISTA DO HORROR

Lendo a lista de quem faz a cabeça do presidenciável-laranja Fernando Haddad, nenhuma surpresa, senão a de não constarem da relação o expoente máximo da quadrilha, seu chefe e o real candidato, e o "cérebro" da quadrilha, José Dirceu. O cítrico é apenas o boneco falante, o que empresta tão somente a voz, e nada mais, ao boquirroto ladravaz. Por sua boca saem os pensamentos intestinais do capo. Ele, seu títere José Dirceu, Jaques Wagner, Alexandre Padilha, Rui Falcão, Gleisi Hoffmann, Franklin Martins, José Genoíno e Aloizio Mercadante são as faces que ameaçam o futuro do Brasil. São as faces que caracterizam o desprezo à moralidade, à decência e à ética. São bandidos de alta periculosidade, com o único objetivo de tomada de poder. Uma vez lá, farão de tudo para não mais perdê-lo. A perpetuação no poder é o único objetivo desses facínoras. Assim, caro eleitor que ainda está em dúvida ou que pretende prestar "solidariedade" a tal distinta quadrilha, pense bem, mas muito, mesmo, sé é este lixo que você pretende ter (des)governando o Brasil.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

DE DAR ARREPIOS

Com base na reportagem do "Estadão" de 11/10 sobre a provável equipe de governo de Fernando Haddad, fico extremamente assustado com seus componentes, pois sua grande maioria se trata de condenados tanto no mensalão quanto na Lava Jato, e outros são como Franklin Martins, já declaradamente partidário do controle total de toda a mídia escrita, falada, rádio e TV. Eis um ótimo motivo para a população brasileira que realmente quer manter um Estado Democrático no Brasil execrar pessoas deste naipe de nossa convivência política. Não sou bolsonarista nato, mas suas falas neste momento e sua provável equipe de governo nos inspiram um pouco mais confiança e equilíbrio do que as de Haddad, que a cada passo que precisa ser dado viaja a Curitiba para se consultar com o presidiário e seu mentor. Quem ainda duvida que, se Haddad vencer as eleições, acabará por indultar Lula e colocá-lo em alguma posição de destaque em seu governo, desmoralizando de vez todo o já desmoralizado sistema judiciário brasileiro? Haddad insistis em chamar Bolsonaro para os debates – mesmo este estando impedido por seus médicos de participar deles após ter sofrido um ataque a faca – não passa de mera provocação ao ridículo e palhaçada de quem está prestes, segundo as últimas pesquisas, a ficar atrás de Bolsonaro e começa a entrar e estado de desespero total. Não vai mais adiantar a Haddad alterar a cor de sua campanha e se "afastar" momentaneamente do presidiário Lula para poder chegar ao centro, o programa do PT já foi devidamente divulgado, José Dirceu já disse que deseja "tomar o poder" independentemente de eleição e, assim sendo, a população deve dar um basta a Haddad, Lula e ao PT!

Boris Garbati Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

A SALA AO LADO

Se perguntar não ofende, indago: "se" eleito o poste fantoche, a cela cinco estrelas de Curitiba será transferida para a sala anexa à presidencial?

Maurício Tarandach mautaran@gmail.com

São Paulo

*

DIVISÕES DISTINTAS

Vendo os dois "times" dos dois candidatos a presidente, publicados no "Estadão" (11/10), fica claro que não fazem parte da mesma divisão. O de Haddad já deveria pendurar as chuteiras de tão ruim. Alguns deverão, inclusive, prestar contas à Justiça...

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

COMPARAÇÃO

Obrigado, "Estadão", pela comparação feita na primeira página da edição do dia 11/10, entre as equipes que fazem a cabeça dos dois candidatos no segundo turno. Quem as olhar minimamente com atenção não pode errar seu voto.

Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo

*

APAVORANTE

Se acaso verídica a relação de nomes que integrarão a equipe de Haddad, formada por elementos já condenados por corrupção, generosamente indultados pela "mulher sapiens", bem como elementos investigados pela mesma causa, trata-se de apavorante futuro que se prenuncia para a Nação, tomada que será pelas forças das trevas, cujas legiões se organizam com inteligência e perseverança a fim de cumprir seus objetivos, pois há muito elas têm o homem forte subjugado!     

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém

*

EQUIPE DE DESGOVERNO

Interessante ver que grande parte dos assessores informados na quinta-feira pelo PT são os mesmos que na década de 1960 eram guerrilheiros, sequestradores, assaltantes de bancos, sem contar as pessoas que foram torturadas e assassinadas. Há, também, nomes que de acordo com a imprensa estão enrolados na Lava Jato. Se esse pessoal assumir o governo, qual a nossa perspectiva de nos transformamos na república bolivariana e não sermos a próxima Venezuela?

Francisco José Ruggero f.ruggero@terra.com.br

São Paulo 

*

QUE TIME...

Não há muito o que comentar. O time de Haddad é mais feio que bater na mãe no Dia das Mães!

Ariovaldo J. Geraissate ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo

*

FORO PRIVILEGIADO

"Os candidatos e suas equipes" ("Estadão" de 11/10/2018). Pensei que calafrios fossem reação exclusiva ao desconhecido, mas quando li os nomes do time de Haddad... Se isso não for busca do foro privilegiado, progresso é que não haverá de ser!

Luiz C. Bissoli lcbissoli46@gmail.com

São Paulo

*

LOBO EM PELE DE CORDEIRO

Os marqueteiros de Fernando Haddad resolveram mudar o visual da campanha: agora, tiraram o vermelho do fundo e a cara do "chefão" Lula desapareceu, para tentar confundir o eleitor, querendo aparecer em pele de cordeiro... Gentalha safada, sempre.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

MOVIMENTO ‘TRANSLEITORAL’

Nesta reta final das eleições o PT, num movimento "transeleitoral", saiu do armário e radicalizou a sua campanha. Demitiu Lula, jogou a estrela no lixo, a cor vermelha amarelou com matizes verdes, Haddad virou D’Ávila, Manuela virou Fernando. Lula não é mais Haddad e Haddad não é mais Lula. Estou com medo, pois agora a virada do PT certamente vai eleger o "poste" transeleitoral.

Sergio A. Monteiro amvilar@uol.com.br

São Paulo

*

O CAMALEÃO

Trata-se de um lagarto de cor marrom, verde ou vermelha, que pode ser alterada rapidamente de acordo com as suas conveniências. Aqui, no Brasil, refere-se também a uma pessoa que muda fácil de aparência, comportamento e caráter intencionalmente, de acordo com os seus interesses. Pode ser aplicada tal assertiva a uma instituição, agremiação, entidade, entre outras. Quais as razões de o PT tirar Lula, reduzir o vermelho e acrescentar as cores amarela, verde e azul no seu novo material de campanha para a Presidência da República?

Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FAKE PT

Com efeito, o caradurismo do PT não tem, mesmo, limites! Não bastasse indicar um candidato-fake-ventríloquo do condenado Lula para a Presidência, resolveu agora, na disputa do decisivo segundo turno, como num passe de mágica, iludir o eleitor escondendo o padrinho presidiário, a cor vermelha e a estrela do partido. Francamente, a quem pensam enganar?

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PERFUMARIA

Para esconder o essencial, ou seja, que o "poste" Fernando Haddad será teleguiado por Lula, mudam-se o visual e o trivial: a cor vermelha do PT será trocada pelas verde e amarelo da bandeira brasileira; o Brasil não será mais "feliz de novo", embora continue sendo Pátria "para todos". Pensam que vão enganar o povo com essa perfumaria? 

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

CINISMO

                            

O PT não comemora estar no segundo turno, e sim haver o segundo turno (?). Agora, é fazer o que sabe: enganar!

                   

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

MARKETING INÚTIL

Com a maior cara lambida, na onda do manjado "me engana que eu gosto", o PT insiste em fazer pouco caso da inteligência dos brasileiros. Os desesperados sábios petistas, na tentativa de virar o jogo na disputa com Bolsonaro, decidiram trocar o encardido vermelho pelo verde-amarelo e sepultaram de vez a imagem de Lula. Marketing capenga, tardio, fracassado e inútil. Nem pintado de ouro e fantasiado de impecável patriota e gênio da raça Fernando Haddad ganhará força eleitoral. Muito menos deixará de ser conhecido no Brasil como o pau-mandado preferido do presidiário Lula. A colossal e patética propaganda enganosa do PT gerou protestos imediatos e indignados no País inteiro, congestionando os telefones e o acesso à  internet dos serviços do Código de Defesa do Consumidor.  

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

CORPO FORA

Lula percebeu a situação e, como sempre, tirou o corpo fora. Determinou que agora Haddad fique independente de suas ordens. É muito evidente: se não for eleito, a derrota será de Haddad. Lula nem sabia que havia eleição.

José Paulo Cipullo j.cipullo@terra.com.br

São José do Rio Preto 

  

*

FARSA

Esqueceram o Lula na cadeia! Estão mostrando a bandeira nacional! O MST e a CUT sumiram! O PT virou um anjinho! Tudo uma farsa!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

ENGANADOS

No primeiro turno votei no partido da solitária cor vermelha, que nos prometia mudar a Constituição na marra, por meio de plebiscitos dirigidos, cercear a imprensa, com o pretexto de democratizar os meios de comunicação, tirar nosso guru máximo da cadeia, para subir a rampa do Planalto com a sua marionete, pelo próprio Lula escolhido, e, enfim, tomar o poder sem eleições, palavras de um dos nossos maiores estrategistas ideológicos, o ex-ministro José Dirceu. Nos enganaram e, para o segundo turno, as cores mudaram, agora é verde, amarelo e azul; Lula ficou esquecido num quarto da Polícia Federal em Curitiba; José Dirceu foi descredenciado, sumariamente; e o partido virou democrata xiita, prometendo respeito máximo à Constituição. É claro que este não sou eu, mas deve ser assim que se sentem os mais de 31 milhões de eleitores do partido no primeiro turno.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro 

*                                  

SERÁ QUE ELE É?

As cores não são mais vermelhas. São predominantemente verde- amarelas. Lula desapareceu, assim como Dilma, a jamais mencionada. Programa do PT: o que é isso? O "Andrade" e Redarde filho de Lula tornaram-se um Haddad com personalidade. Só faltam o gato de botas, a cinderela e a abóbora. Mais parece um remake de peça de teatro infantil baseada no conto do Pinóquio. Tem até o Gepeto! Será que ele é candidato a presidente, mesmo?

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

PT VERDE-AMARELO

O lobo se travestiu de cordeiro. Mas isso não me engana!

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

SER OU NÃO SER?

Haddad não é Lula, / Haddad Lula é, / Haddad só não é Lula / Quando o Lula não quer. / Palma, palma, palma, / Pé, pé, pé, / Roda, roda, roda, / Haddad Lula é.

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA

Se os eleitores de Cabo Daciolo, Henrique Meirelles, Marina Silva, Álvaro Dias, Guilherme Boulos, Vera Lúcia, José Maria Eymael e João Goulart Filho votarem em Jair Bolsonaro, ele ganha. Mesmo que os eleitores de Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e João Amoêdo decidam votar em Fernando Haddad, o petista está fora do governo. Agora, se os eleitores de Amoêdo, Daciolo e Meirelles decidirem transferir os votos para Bolsonaro, a vitória está garantida. Por outro lado, Haddad precisa de todos os votos de Ciro, Alckmin, Amoêdo e Daciolo. Haddad não vence sem todos os votos de Ciro. O apoio de uma legenda a um determinado candidato não garante a transferência de todos os votos do primeiro turno para ele. São os eleitores que decidem, inclusive quem votou em branco ou anulou o seu voto no domingo passado.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

MARINA E O VOTO EM HADDAD

Marina Silva, então está combinado, nos vemos daqui a quatro anos.

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com

São Paulo

*

APOIO

A Haddad, no segundo turno, são oferecidas como apoio somente bengalas quebradas.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@ol.com.br

São Paulo

*

BESTEIRAS

A única forma de Jair Bolsonaro perder a eleição é insistir em falar besteiras. Melhor ficar calado. Isso vale para o seu vice e para o economista Paulo Guedes.

Giampiero Giorgetti giampiero@falcare.com.br

São Paulo

*

‘UM ELEITOR CHAMADO REVÓLVER’

Mais uma vez, infelizmente para nós, leitores, o sr. Eugênio Bucci  tenta por meio de seus artigos inverter os fatos baseando-se em situações e acontecimentos esporádicos para generalizá-los e tentar influenciar a opinião pública contra um candidato ("Um eleitor chamado revólver", 11/10, A2). No texto de quinta-feira, ele tenta destruir a imagem de Bolsonaro, que não pertence ao seu partido, baseando-se em imagem de um eleitor com uma arma na urna, no assassinato de um eleitor de seu partido, o PT, no caso de uma motorista ameaçada e vai por aí afora. Evidentemente, tais fatos são lamentáveis, como também o são as agressões habituais que a gangue petista infringe àqueles que ousam discordar de suas políticas, como testemunham imagens nos meios de comunicação – não esquecendo de mencionar atos de vandalismos contra a nossa bandeira nacional que viralizam na rede social. Fica aqui, portanto, uma sugestão ao articulista: por uma questão de ética e a serviço de um jornalismo responsável, tente, mesmo que seja difícil para um radical, escrever ponderando os fatos, contra ou favor de sua ideologia, trazendo assim algo de útil aos leitores.

Ademir Alonso Rodrigues rodriguesalonso49@gmail.com

Santos

*

PÁ DE CAL FINAL

O PSDB se afastar de João Doria dá para entender. Mas apoiar Marcio França, do PSB, partido que apoia Haddad-Lula, trata-se de traição a seu eleitor, de só se omitir nos momentos errados, e de se autodar uma pá de cal final. Agora podemos entender a omissão do PSDB em fazer oposição durante os 13 anos do reinado do PT e da maximização da corrupção: o PSDB atual e o PT são farinha do mesmo saco.

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

O CHEIRO DO NOVO 

A recente eleição de Janaína Paschoal (autora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff) para a Assembleia de São Paulo, com mais de 2 milhões de votos, recorde histórico nas disputas para deputado estadual ou federal, evidencia o início de uma nova era no campo da política. Ela é filiada ao PSL, o mesmo partido do presidenciável Jair Bolsonaro, que teve inacreditável sucesso nas últimas eleições para cargos eletivos e executivos no País todo, reduzindo o poder de partidos tradicionais, especialmente PT, MDB e PSDB. Será que nosso povo está aprendendo a votar, rejeitando os chefões da velha política, preocupados mais em enriquecerem do que em pensar num projeto de nação? Fernando Haddad, candidato do PT, representando a extrema-esquerda, e Jair Bolsonaro, da direita conservadora, vão disputar o segundo turno contestando programas e prometendo soluções. Em qual dos dois acreditar? O lulopetismo esteve no poder por mais de uma década e surfou nas ondas sórdidas da corrupção, a causa primordial da morte de qualquer democracia por provocar injustiças e revoltas sociais. O pior é que o PT não admite culpas, pois o fanatismo recusa autocrítica. Como acreditar, agora, numa mudança de rumo, se Haddad continua consultando regularmente seu guru Lula na prisão de Curitiba, onde está seu "Posto Ipiranga"? De outro lado, Jair Bolsonaro é visto como pessoa autoritária, que promete resolver nossos problemas, especialmente o da segurança pública, com muito rigor, não excluindo, se necessário, até a intervenção militar. Não sei se esse temor tem procedência, pois em tempo eleitoral notícias falsas infestam nossos meios de comunicação. Meu desejo é o progresso dentro da normalidade democrática, sem volta para um passado manchado por ditadura ou corrupção. A liberdade individual de pensar e agir é algo sagrado e intocável, desde que não prejudique outras pessoas. O problema é que muitas leis são feitas para proteger interesses de grupos, prejudicando a coletividade. A Constituição vigente foi encharcada de "privilégios" (leis privadas, etimologicamente) editados por parlamentares e aprovados pelo Poder Judiciário, que favorecem categorias dos altos escalões da República. Por isso, nossa Carta Magna deveria ser reformulada atendendo às necessidades de quem realmente trabalha, e não à ganância dos parasitas do Estado. O princípio fundamental deveria ser a proibição de legislar em causa própria, direta ou indiretamente. Para isso, talvez, a energia renovadora de Bolsonaro seja preferível à inércia demagógica do petista Haddad.

Salvatore D’Onofrio salvatore3445@gmail.com

São Paulo

*

O DOBRO DE VOTOS

Repararam? Janaína Paschoal teve mais que o dobro dos votos que Marina Silva teve?      

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

IMPEACHMENT DE DILMA

Embora Dilma Rousseff seja coisa do passado, comento o que segue: pela Constituição de 1988, o Parlamento representa a vontade popular. Os parlamentares retiraram Dilma da Presidência. Agora, o povo confirmou o que seus representantes decidiram. Isso prova que não foi golpe. Ou não?

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br

Monte Alto

*

DILMA NÃO ELEITA

Os eleitores de Minas Gerais fizeram o que o ministro Ricardo Lewandowski não teve a coragem de fazer.

Eliseu Gonçalves Prata eliseu.prata@gmail.com

São Paulo

*

DESFIGURADO NAS URNAS

Pela derrocada de Dilma, Lindbergh Farias e outros figurões, o PT entra em fase de desfiguração crônica provocada pela brava gente brasileira.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

O QUE AS URNAS REVELARAM

Se antes das eleições havia dúvidas sobre a lisura das urnas e uma suspeita sobre as pesquisas dos institutos Datafalha e Ibope, abertas as urnas resta uma só certeza: as pesquisas de intenção de votos foram manipuladas (e vendidas a quem interessava) pelos respectivos institutos. Não existe outra explicação, por mais exótica que seja, para explicar por que candidatos (de esquerda) que despontavam como "favoritos" finalizaram em 3.º ou até em 4.º lugares. Como explicar Dilma Rousseff, Eduardo Suplicy, entre outros? Como justificar a ascensão de Witzel e do próprio Bolsonaro, que extrapolou em muito os votos que lhe atribuíam? Venderam o resto da credibilidade que eventualmente poderiam ter. Espero que tenha valido a pena.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

            

*

DESMORALIZADOS

Institutos de pesquisa: candidato traço pode ir a 50% em questão de horas e primeiro colocado pode chegar em último, do dia para a noite. Fala sério!

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

MOBILIZAÇÃO

É inegável a força de convencimento do "Estadão", haja vista sua campanha acirrada contra Bolsonaro, impedindo-o de eleger-se já no primeiro turno das eleições. Inegável, outrossim, a falsa crença de que quem tem maior espaço na TV recebe votação maior. Outro aspecto que ficou claro nesta eleição foi o desprestígio do "politicamente correto" pregado pela mídia e por órgãos de comunicação. No entanto, há que ressaltar o projeto da TV Globo "Que Brasil você quer para o futuro?". Este mobilizou positivamente a consciência do povo. Resta ser tudo isso confirmado no segundo turno.

João Ferreira Mota jfmota29@gmail.com

Nossa Senhora do Ó

*

REDES SOCIAIS

As eleições cujos primeiros turnos se encerraram foram atípicas desde as campanhas até os resultados. Estes últimos apresentaram, em relação aos pleitos passados, uma incidência maior de discrepâncias entre o que as urnas falaram e os números projetados pelos institutos de pesquisa, ao sondarem as intenções de voto. Por outro lado, a grande imprensa, com seu jornalismo de formato clássico, perdeu boa parte do protagonismo opinativo de outrora, na medida em que, aparentemente, ainda não aprendeu a lidar com meios de comunicação instantaneamente reativos, representados principalmente pelas redes sociais, que, cada vez mais, se afirmam como fator permanente da equação eleitoral e mostram o fato, até certo ponto novo, de que o brasileiro não vota tão mal como até hoje se supunha.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

UMA DÚVIDA

Alguém esclareça, por favor: chego à seção eleitoral, sou identificada e a urna é habilitada para o número do meu título de eleitor. Começo a votar, mas antes do último voto, para presidente da República – ou qualquer outro, a depender da ordem –, eu passo mal, tenho um AVC, desmaio, enfim... Como fica? Lembrando que a urna está aberta para mim naquele momento, e eu não concluo minhas digitações, ninguém mais vota naquela seção ou há uma forma, através de algum equipamento ali mesmo, de encerrar a habilitação do meu número antes de concluir o último voto? Grata.

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

*

URNAS VICIADAS

Na qualidade de cidadão, sob a guarda da Constituição deste país, pergunto: o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não vai se manifestar sobre as inúmeras denúncias de urnas viciadas?

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

BRINCANDO COM FOGO

Não se minimize o problema. Desta vez foi gravíssimo. Milhares de urnas apresentaram problemas exóticos. Os fraudadores desta vez não fizeram a coisa bem feita. A mudança do voto de 17 para 13 deveria ser feita logo após a tela FIM, mas o programador errou ao colocar a instrução da mudança antes do FIM e revelou a fraude. Está explicado! E agora? Bolsonaro afirmou que acataria as urnas... Mas a prova da fraude está disponível e ninguém pode negar. O PT está brincando com fogo. Ou se impugnam estas eleições ou, então, se adote para o segundo turno uma urna adicional de lona em todas as seções e uma "cola" oficial carimbada, rubricada pelo mesário e entregue na habilitação ao eleitor, na qual o eleitor copie, estando já no reservado de votação, os números da sua cola caseira, e após votar na urna eletrônica dobre, mostre a face com o carimbo ao mesário e a deposite na urna de lona, tornando-se, assim, num verdadeiro voto para fins de auditoria. Basta de negativas de quem pode ser "autoridade" legal, mas que não tem nenhuma capacidade ou autoridade técnica para opinar. As eleições foram fraudadas.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

DENUNCIAR SEMPRE

Ninguém se dá ao trabalho de falsificar cédula de R$ 2,00, só o faz para valores maiores. O mesmo ocorre com as urnas nas eleições, então, no meu entender, é de um simplismo muito grande dizer que, se Jair Bolsonaro foi eleito inúmeras vezes para deputado, as urnas são seguras. Ora, o problema está na votação para presidente da República e, certamente, há inúmeras formas de fazer isso. Uma é interrompendo o sinal, basta alguém dar o famoso "shut down" no equipamento, ao menor indício de que o eleitor emita para onde vai seu voto. Contudo, esse não é o único meio de fraudar os resultados, minha mãe quase foi impedida de votar, pelos meios mais rasteiros. Foi jogada pelos fiscais, aqueles que ficam nas portas das salas, de uma seção para outra, seu registro não era encontrado, até que ela deixou bem claro que ou votava ou chamava a polícia – pois é, que ninguém subestime os idosos –, até que conseguiu. Em casos de digitais que não são aceitas, gerando filas quilométricas e consequente desistência, por que os mesários não liberam a votação manualmente, após severa análise de documentos de identificação? Portanto, e voltando às urnas, dado o enorme volume de reclamações, tenho de acreditar nas pessoas que o fazem, em número muito superior àquelas autoridades que simplesmente dizem que é seguro, viram as costas e vão embora. Necessário, então, denunciar sempre, e na hora, qualquer indício de irregularidade, o povo não é mais o carneiro que alguns acham que é.

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.